Tag Archives: Sérgio Dávila

O Brasil não dá valor ao Brazil! tem um update no PS la embaixo!

Açaí em NY

Há uns dias, meu amigo Sérgio Dávila, da Folha e do concorrente UOL, escreveu uma matéria sobre o Açaí em Washington e mencionou a mesma MEGA cadeia de supermercados orgânicos Whole Foods. Mas a matéria me deixou irritado pelo seu amadorismo. Sérgio está longe de ser um amador: tanto não é que eu mesmo escrevi o prefácio de seu livro sobre o 11 de setembro aqui em NY.

Aqui então está a matéria que escrevi pro suplemento “Equilíbrio” (também da Folha) há dois anos, acho que em meados de 2006. O que me irritou é que o Sergio ignorou o mais popular produto, o Sambazon, esse que ganhou todos os prêmios possíveis e é igualzinho à fruta batida nos BB Lanches ou Polis Sucos da vida (pra quem é do Rio).

TÍTULO DA MATÉRIA DA FOLHA

“Produtos orgânicos feitos à base da fruta típica do Pará ganham espaço nas lojas e cafés da cidade norte-americana […] Além de rico em vitamina E, o açaí tem proteína, fibras e minerais como ferro, fósforo e calcio”

GERALD THOMAS

ESPECIAL PARA A FOLHA, EM NOVA YORK

Nova York: tem mais açaí daí aqui do que aí. E chega de rimas. O fato é que, em cinco quarteirões de Nova York, ou de qualquer capital americana, é impressionante notar a quantidade de açaí que existe no mercado. Desde que o Dr. Perricone (dermatologista e expert em antioxidantes em geral) e até Oprah Winfrey, a diva da TV diurna, começaram a botar a boca no mundo sobre o produto, não há mais quem o freie! Se, em São Paulo, eu tenho que procurar por bairros (e não exagero) até conseguir achar um lugar simpático como o Amazon’s, na esquina da Jesuíno Arruda com a João Cachoeira, no Itaim Bibi, (nao existe mais em 2008!!!, faliu!), ou lugares muito específicos ligados ao norte do Brasil, no Rio cada loja de sucos de esquina vende o suco ou a polpa batida há mais de duas décadas e meia.

Mas aqui em NY ele é encontrado nas suas mais variadas formas, sabores, concorrências e embalagens -de maneira a confundir o consumidor.

O líder no mercado é o Sambazon, que também planta, replanta e tem todo um projeto “integrado” com os indígenas da região Norte do Brasil.

O açaí deles é orgânico e tanto pode ser vendido em barras (polpa) quanto naquele “Rio style berry blend“, que eu como às colheradas, batido com guaraná (já estou ficando roxo!), e há até a nova invenção do grupo: os “smoothies”. O que vem a ser um “smoothie”? Uma espécie de shake, talvez, em sua embalagem sensual. E esses “smoothies” combinam chocolate com açaí, manga com açaí, acerola com açaí e por aí vai. É necessário apontar que os americanos são muito mais criativos que os brasileiros quando sabem que têm nas mãos um antioxidante que vale ouro.

Os brasileiros, cansados, sem iniciativa, recorrem ao bom e velho suco de laranja ou aos enlatados. Que pena. Aqui, nas “delis” ou nas lojas dos coreanos, que funcionam 24 horas, você entra e encontra “pomegranate juice with açaí”, da Früttzo, ou um outro, da marca Bossa Nova, um concentrado de açaí adoçado com “agave” (um adoçante oriundo de um cáctus mexicano, um polissacarídeo de assimilação lenta pelo organismo).

São interessantes as diferentes maneiras como se anunciam, como “brigam” para tomar conta do mercado. Mas ideologia mesmo, projeto mesmo, só um deles tem, e a longo prazo: Sambazon.

Seja como for, entrem no site www.sambazon.com -é uma rapaziada engraçada, alegre e que esbarrou no produto porque foi surfar no Brasil na virada do milênio. Só que, desde então, como tudo que floresce nesse país, da Microsoft ao grupo Nirvana, a coisa gera alguns milhões de dólares. E o Departamento de Estado norte-americano, que premia somente algumas companhias por “Corporate Excelence“, escolheu o Sambazon entre seus 12 finalistas em 2006. “Sambazon no Brasil por promover desenvolvimento sustentável na floresta brasileira enquanto melhora a condição econômica dos seus “indigenous people'”.

A soma da criatividade desse mercado com a sede e a vontade de comer é incrível. O que eu acho uma pena é que eu tenha que ralar para achar em São Paulo um produto embalado, certificadamente orgânico, pronto para comer ou beber que venha dessa fruta que somente o Brasil tem a oferecer.

Em cinco quarteirões de Nova York, contei mais de 18 produtos de empresas diferentes contendo açaí.

Em São Paulo, se não souber o lugar certo, acaba-se pedindo um guaraná com gelo e limão que nem sequer contém guaraná. Tudo porcaria química. Que piada malcontada!

“Breaking news”

Eles me pediram para manter segredo, mas aqui vai. Neste ano ainda, o pessoal do Sambazon lançará no mercado brasileiro um de seus produtos, que se chamará Tribal. Dessa maneira, quem sabe, não precisarei mais ficar que nem um alucinado, parando a cada loja de sucos perguntando “Tem açaí natural?”, porque teremos o Tribal.

Aqui a Whole Foods ou a Commodities e a Traders Joe e tantas dezenas de outras nos trazem tantas opções de sorvetes ou outros produtos como o de açaí (até a Tropicana tem uma versao com a fruta) (com tapioca são insubstituíveis) mas, na bolsa, ou no táxi, aos goles, estarei tomando, nas minhas breves passagens por Sao Paulo terei que me contentar com o Tribal, esperando pela minha volta para NY, porque no meu freezer só tem potes e mais potes do sorvete “style berry blend”… Vou parar de escrever e meter a colher! É de salivar!

Gerald Thomas, sempre na frente dos outros que se metem a ser diletantes (Sérgio é amigo meu, mas se meteu a falar de algo que desconhece! Se liga, Davila!)

—————-

O BRASIL DA VALOR AO BRASIL (NO TEATRO) HOJE NA FOLHA

trechos da ilustrada (sobre o lancamento do livro de Lenise Pinheiro)

DA REPORTAGEM LOCAL

A fotógrafa Lenise Pinheiro conta que sua principal inspiração foi o alemão Fredi Kleemann (1927-1974), que, radicado no Brasil, captou importantes momentos do teatro paulistano das décadas de 50 e 60 e se projetou retratando montagens do TBC (Teatro Brasileiro de Comédia). “O modo como usava a luz no rosto dos atores me influenciou bastante, apesar de nossos estilos serem diferentes”, conta.
Outra referência foi a aparição do dramaturgo Gerald Thomas. “Ele sacudiu a cena brasileira. Foi uma chuva de estética. Mudou não só a linguagem do teatro como ampliou suas possibilidades e introduziu um alto nível de exigência e qualidade ao trabalho.”
Por conta dessa transformação, a fotógrafa conta que, assim como atores e diretores, teve de investir na técnica. O que, em seu caso, significava também adquirir novos e mais modernos equipamentos. Personagens O colega Leopoldo Pacheco atribui a qualidade das imagens da artista à “paixão que tem pelos atores, diretores e personagens em geral”. Estão registrados no livro Raul Cortez, Bete Coelho, Renato Borghi, Ney Latorraca, Fernanda Torres, Marco Ricca, Vera Holtz, Pascoal da Conceição e muitos outros.
Um dos destaques é uma série que registra o dançarino japonês Kazuo Ohno se maquiando para uma apresentação, em 1997. Outro é uma sessão realizada com Zé Celso quando este completou 60 anos. “Ela assumiu as rédeas de diretora. Me fechou entre quatro paredes, me dominou, me fez mostrar todo meu corpo.
Foi fantástico.” (SYLVIA COLOMBO)

230 Comments

Filed under artigos