Tag Archives: Rússia

A disaster in abstraction. For to end yet again…

A disaster in abstraction:  Two covered heads I’m staring at: Quantum part (1)

While I sit here and wait yet for another plane, I wonder what to do and how to do it. What to say, and how to say it. No, a crisis is not a joke. Yet, literally speaking, a crisis should push one forward. Yes, forward.

I’m staring at two religious radicals (both heads covered (maybe a fear of showing their baldness or simply a fear of falling objects from the universe), of opposite cleric convictions – while each sits with in full garment as if to make a statement about their “gods”. “Mine is better than yours”, one of the two must be thinking. “I hate your guts and want to blow you up”, is probably hovering around the head of the other.

So much for history. Yes, history. I’ve always claimed (in workshops, lectures, interviews, whatever) that one ought to know everything (and I mean or meant EVERYTHING).

But today, Wednesday, reality hits me in the face. It takes my skull and shakes it as does a Beckett conundrum “For to end, yet again, skull alone in a dark place pent bowed to begin”. For to. Non existing combinations. Joycean and Beckettian language: “for to” is meant to sound as 4 – 2 and then…. Pent. Oh yes: pent stands for the number five. 4-2-5. Was that the number of a train or tram line or does it stand for the unsolvable enigma that Churchill used to illustrate Russia (article below). 425 may well be a cabalistic number which, in reverse order or maybe summed up in cadences of (….) add up to some significance. One of the radical religious persons I am staring at has studied. Probably studied profoundly.

And why? What do we need to know about ourselves that hasn’t already been told in a better shape and form????? Please tell me.

According to Nathan Lane (starring in the Broadway show “The Adams Family” which was trashed, panned by the critics), it’s simply GREAT that Americans don’t read. So he says: ignorance is great.

Adams Family is a success, regardless of the negative reviews. In the past, a play or musical on Broadway would close within 3 days of its opening if panned by the critics, In fact,  a parody of this ‘ritual’ starred Nathan himself in Mel Brook’s fantastic “The Producers”. However, now, he claims victory for illiteracy.

Well, there is something to be said about this. I’m looking at two radicals in full garment who study (daily) their commandments, their protocol of manners and behaviors according to their “god”.

Nathan Lane claims that the best thing now – in this age of info bombardment – is simply to be illiterate and not keep a memory alive or, even, remember what ‘specialized opinion’ has to say.

Where do you stand, beloved reader????

If it weren’t for curiosity (and this is to be read as an anti-Lane statement), I would never have come across such names as Isaac Newton, for instance, or

James Maxwell, James Prescott Joule, Kelvin, Milton, Dante, Bruno or Max Planck.

I confess to be a frivolous reader when it comes to Quantum Physics, astrophysics and/or any other riddle which Churchill….No, forget Churchill for a moment and concentrate on the following formula

h = 6.626068 × 10-34m2kg/s

Yes, take your time: read it again:

h = 6.626068 × 10-34m2kg/s

Lots of people know what this stands for. But billions of others like myself do not. And here I fall into Nathan Lane’s category of the ‘glorious illiterate’.

Yes, illiterate and indignant. Why? Because I see the world in the light of a constant catastrophe. One happening and one about to happen. Why? Because I see our lives as worthless specks of nothingness and …a curious desire to counterbalance this “important self within us” with the immenseness of the Universe. Or, should I say, “our curiosity in measuring our size in relation to the galaxies”. C’est un joke.

Yes, today at this airport lounge I’m staring at these two religious radicals of opposite cleric convictions and I am incredibly nervous about the BP oil spill in the Gulf of Mexico. A newspaper’s headline on the adjacent seat reads: A disaster in abstraction. For weeks, a threat floating somewhere out there.

“Really?”, I ask. “A disaster in abstraction?” Will we ever learn? Or are we on stage? An oil rigged stage?

ATTACK THE WELL”

A well. The name says it all. So does the verb follow? Attack?  Not being able to understand WELL and to spell to verb means to spill the verb.

Some people worry about the whereabouts of Lord Mandelson who was seen in a 250.000 GB sterling pounds Ferrari being driven to a dinner with Russian oligarchs who were closing a deal worth 500 million GB pounds. Yes, I guess it is rather worrying when he writes in a disclaimer “not have known it to be a  business dinner”. Ha. C’est un joke.

Why? Why do I worry about things like that? Human nature, human species, the species as a whole and the size of what’s above our covered or uncovered heads. It’s all dark. All completely dark and solvable via riddles and….

And nothing, since, in the end, or at our last breath we are, as we’ve always been nothing but a “for to end yet again skull alone in a dark place pent bowed to begin.”

Gerald Thomas

25 May 2010

Thank you,  Jorge and Sandra Futoshi Yamamoto for the inspiration.

AND PLEASE WATCH JOHN PAUL JONES IN “Them Crooked Vultures”

Comments Off on A disaster in abstraction. For to end yet again…

Filed under Uncategorized

Around the world in 5 days! “qui non usare acqua per spengere-incendi – “Rome-ing” while I look at the Ceiling: it has all been a big mistake!

No news to report! I’d say this is rather good, wouldn’t you?Part of Russia’s mystery – and remember, Winston Churchill once described it as a riddle wrapped inside a mystery hidden in an enigma – is the geography and the history. Russia is a vast country, spanning nine time zones, bordering three continents. It has gone through major geopolitical trauma, having watched its massive multinational empire collapse almost overnight.

IT HAS ALL BEEN A BIG MISTAKE

(below this article, there’s yesterday’s article: “Autobahnkirche” a rest place for the soul)

It’s strange. I am not exactly responsible for this. On the same token, I’ll say the opposite. I am completely responsible for this.  And this is not what you’re thinking. Or, maybe, it is exactly what you’re thinking.

It’s what I’m daydreaming. A nightmare. A nightmare played out in Rome (rather than in Venice). Day after day I find myself confined to a room, a smaller and smaller room, looking at the ceiling. Day in, day out, I’m looking at a smaller ceiling –usually some kind of white tone or yellowish tone that makes the white turn older.

Yes, I’m in Rome, have you noticed? And have NO desire, whatsoever, to be engulfed by hoards and hoards of people who fill up the streets, “Rome-ing” in one direction, or roaming in the opposite direction carrying ones soul and soles where one doesn’t want to go. Some of these millions are seeing this for the 1st time. This is even more depressing. They are Columbus in reverse order: the discovery and the enthusiasm of the “old world”. Fuck them!

Yes, the ruins are still here where I played as a  child. Problem? Too many ruins. It’s all one gigantic ruin. The ruin that produces good economic results. Photographs are taken, cameras are snapping of one photographing the other for the billionth time. And where will these images end up? In some kind of blog or log book or in a porn slide show without the porn part.

In the 70’s when I used to come here, it was usually in connection with work: I was here because Amnesty was doing “this or that” or the League for the Liberation of People –Senator Lelio Basso’s NGO – was doing something more to the left of what Amnesty International was doing.

Back then, just as now: always hoards and hoards of people but I seemed less affected and perhaps less aware of the global problems and the density of this thing we call overpopulation or information overload or – what else do we call it? -,oh yes: globalized world. All in all and all ARE all outside this window close to Via Tritone on Via Arcione.

Yes, I’m living a Beckett life. Which? I don’t know. But I seem stuck in a Beckett story, be it The Lost Ones where people  roam each searching for their lost ones……be it in a Murphy or Molloy situation of watching the world go past my elbow and being unable to respond to the pressure.

Pressure.

When an image comes to mind, it has already been done. “But you used to kick the door open or shooting your enemies dead and only AFTER  the corpse lay there, only then, would you ask questions.” Yes, that was then.

Ceiling.

Nobody can write the diary of a ceiling. A ceiling has no life, not even the Sistine Chapel has a life without the hoards of whores in horror of queuing up to look up and stay there looking up at Michaelangelo’s masterpiece. The holes where the lights are built into look like stars or dead planets or your firmament, firm in stating that I’ve grown over sensitive to the news, the overwhelming news of plane crashes, suicide bombers, improvised or not improvised explosive devices and my mind and body are scattered as if an IED has hit it right where the brain makes its decisions.

I’m from the Brave New World.

And this world, such as any other, seems bleaker than usual.

Yes, water is pouring out of the Fontana di Trevi and, yes, 1 million people sit on the Spanish Steps.

And why? Why do they sit there? Why do they throw coins into the Fontana? Because they expect their lives to have a closer encounter with…..with what?  Eternity? Oh, of course, I’d forgotten eternity.

Because I am in bed, almost immobile, looking at the ceiling with no horizon in mind. My mind (at this moment) are the steps at Piazza d’Espagna or the water flowing out in huge amounts, from the ruins of the di Trevi, Da Vinci, di Modena or the water which surrounds Taormina, Sicily.

Nobody knows a thing about History.

Maybe I know too much about it all. Yes, a white ceiling may just be the most appropriate scenario for here and now.

Gerald Thomas

23 May 2010.

(a new draft of “BOOK” is available on the videolog: (http://geraldthomasvideos.blogspot.com)

And Eugenio is in Porto Alegre

Yachts of the stinking rich: Cannes.

Yachts of the Stinking Rich: Cannes.

Autobahnkirche

Service station with a soul or Rest Stops for Christ!”

Yes, people take time out and off when driving the German super highways and pray: “a moment with myself and for myself and my soul” says a guy who just parked his Porsche outside of an autobahn praying station. No, before you ask, his God’s name ain’t Diesel.

As for me, en route to Rome ( this Tirreno is tricky and dramatically historical), I’m wondering if I’m going to bump into Antonio, Sebastian, Trinculo and all other foes who displaced (uncrowned) the Duke of Milan, Mr. Prospero.

The Tempest: Shakespeare’s last play (1611) and his only tragedy NOT ending in blood or bloodshed.

Prospero plays around and even tortures his enemies but acquits them in the end (through the applause of the audience – which condemns HIM to continue with his Renaiscence soliloquy for the rest of eternity on the makeshift island called THE STAGE.

I had no idea that Picasso and Braque were friends. I had no idea that Cubism was actually a common and ongoing joke between the two of them. I always thought they were enemies.

In the Cubist world, there is no Tempest because there are no waves, There might be square angled waves, as there is a Star Spangled Banner but the question remains:

IF, in fact there had to be a pardon issue between Picasso, Braque and Matisse…would they have had the dignity to act like Prospero/Shakespeare?

Don’t think so.

That was a “French Ship”, hardly a friendship. Bullfighting fans and painters who live in exile and protest against dictators such as Franco, could hardly be forgiving humans.

Are we able to be forgiving? I mean, now, in the age of nothingness, are we forgiving? Or do we look at a bleak future without a proper (prosper) ideology, since it’s all done and dead and dead for nothing.

When I looked out of the window and saw the yachts of the STINKING rich in Cannes yesterday, it dawned on me that  (perhaps) we shouldn’t be all that forgiving after all.

Yes, a Stink King rich!!!. The Brave New World of the former Duke of Milan.

I sit alone and wonder if Caliban will eat me up alive – or chew up and suck my bones dry after I’m dead. And…what difference does it make anyway???

Yes, the TemPEST,

Best Regards

Gerald Thomas

PS uptdate on Saturday May 22

Eugenio Barba speaks to Zero Hora (in Porto Alegre, BR)

Zero Hora – Aqui no Brasil recentemente foi assunto o fato de Gerald Thomas, um conhecido dramaturgo e diretor, dizer que estava deixando os palcos por estar cansado de mesmice no teatro, que, como em outras artes, nada mais apresentava de novo. Qual sua opinião sobre essa posição, observando o panorama global do teatro?

Eugenio Barba – Conheço o Gerald Thomas. O que posso dizer é que percebo, sim, uma falta de interesse global pelo teatro. É uma arte para a minoria. Mas é preciso saber de que teatro estamos falando. Teatro tem muitos gêneros, diferentes objetivos, diferentes espectadores. Creio que 95% do teatro que se faz no mundo é feito por anônimos. As pessoas não tomam conhecimento deles, que fazem teatro em cadeias, hospitais psiquiátricos, campos de refugiados. É um teatro que cumpre a função de ajudar na interação das pessoas.

Thanks Eugenio.

LOVE

Roma: 22 May, 2010 I am in Eugenio Barba's town

You Too.

G

Comments Off on Around the world in 5 days! “qui non usare acqua per spengere-incendi – “Rome-ing” while I look at the Ceiling: it has all been a big mistake!

Filed under Uncategorized

Michelle Obama, a nova "royalty" em Londres.

.

As Duas Famílias Reais na mesma Inglaterra

G20 (à distância, de New York): Michelle Obama está se tornando uma espécie de replacement (linda, inteligentérrima e elegante que é) de Lady Diana. Ontem, em Londres, o que se viu foi uma família REAL cumprimentando a outra família REAL. E os tablóides que não cobriam a porradaria na “City” (Bank, etc), comparavam ela à Jackie Kennedy, ou à nova princesa, cuja morte em Paris até hoje é envolvida em mistério.

Confesso uma coisa: não, não confesso nada. Uma convenção enorme dessas não passa de um show. O que importa lá são os pequenos encontros. O “tete a tete”. O resto é a chamada “photo-opportunity”. Não muito diferente do teatro. São aquelas fotos que a gente tira ou que tiram da gente para publicidade: nada mais constrangedor do que foto posada. “A Po(u)sada das Fotos”. Poderia haver uma po(u)sada dessas. Ninguém iria alugar um quarto lá.

Aliás, o mau teatro tem vários quartos na “Po(u)sada das Fotos”. Político não é bom ator. Alguns foram bons e tinham assinatura: Churchill, por exemplo. Outros foram os maiores canastrões da História: Hitler, Stalin, Franco, Pol Pot, etc. Por acaso, canastrão mata, trucida, tortura e tem prazer em ver a morte lenta. O melhor político de todos: Chaplin.

O Presidente Obama, ainda ontem, pediu para que os líderes mundiais focassem numa solução (falando sobre o colapso financeiro), em vez de ficarem apontando dedos ou tentando culpar esse ou aquele (Bush, Reagan, Clinton ou seja lá quem for). “É o sistema em si que está podre, os bancos deveriam nos proteger”, dizia Brown. Ora, Gordonzinho! O sistema é TODO ele baseado em ESPECULAÇÃO, darling, haven’t they told you that? Proteger? Sério?  Investimento é para proteger ou para satisfazer a “ganância daqueles que JOGAM?”

Um dia antes da chegada de Obama, Brown dizia isso. Depois desembarcou Michelle Obama e o Reino Unido se calou, os queixos caíram e Brown (ainda atordoado com os olhos azuis de Lula) desconversou diante de Obama. É, o discurso era completamente outro. Quase um Rei Claudius diante de um Polonius. Já não sei mais quem está tentando abafar as mentirinhas de quem! “UM MERCADO CONSUMIDOR FAMINTO”, falava Obama, dizendo que provavelmente não se voltaria a isso tão cedo. Confesso que… Confesso que nada! Nada.

Na verdade o pau quebrou. O G20 ainda nem havia começado (ontem) e a “Obamatrona” já estava a mil por hora. Era encontro com presidente da China, Hu Jintao, e o da Rússia (estamos em plena guerra fria de novo, negociando ‘redução de armamentos nucleares com os russos’, ai que preguiça!). Ah, sim, claro: o fatídico encontro com a minha queridíssima (bored to death) Queen Elizabeth, a rainha em Buckingham Palace. Mais entrevista coletiva, e uma caralhada de… UFA! Mas quem trinfou mesmo foi a Michelle. Só se falava nela na cidade. Só dava Michelle Obama! VIVA!

E os “street fighting men” (uma adaptação coletiva da música dos Stones mais linda que existe) tentando ser contidos pela riot police no distrito financeiro (ha, ha, o William Burdett Coutts e uma filial do Royal Bank of Scotland aos pedaços!). Uma parte da cidade em pompa e circunstância e a outra às pedradas. Ah, a minha Londres que amo! Tudo começa num clima pacifista.Fantasias carnavalescas e tal, até que um, um único joga um sapato e PUM. Vem todos para cima e a coisa explode. Meio bêbados na melhor tradição do hooliganismo ou do punk rock, o pau quebra, o sangue rola, a pedra rola e estão todos stoned!

Vamos fazer um breve exercício de memória: parem por um segundo: foram os bancos e os especuladores que causaram essa porra desse meltdown em primeiro lugar. Foram empréstimos acima da conta, dinheiro de plástico, passos mais largos que as pernas podiam dar… usando, como instrumento colateral, um instrumento complexo como… ah, deixa isso para os colunistas econômicos! Eu sou mais econômico que eles!

Não tem que ter nada de G20, porra nenhuma! Esqueçam essa besteira. Daqui a pouco cresce para G43 ou G59. Não tem a menor graça. Os grandes especuladores estão certos: agora está na mãos de 2: USA e CHINA.

Então, gente fina: é G2 !

E o resto volta para casa em classe econômica e bebe suco de uva de canudinho.

Enquanto isso, amo ver a Michelle dando banhos de elegância por onde passa! LINDA! LINDA!

Bem, hoje é dia de palestra de Zé Celso e eu no TheaterLab (ler post abaixo, por favor)

M.E.R.D.A. para nós.

E G2 para o mundo, gente intrusa! Deixe o Obama conversando com o Hu Jintao. O resto poderia ir alugar quartos na “Pousada da Foto Posada”.

 

Gerald Thomas

 

 

(Vamp na edição)

322 Comments

Filed under artigos

Sou incurável+Gaza e…

 

nenhum

New York -“Segui o Che pela cordilheira Alpina atrás de queijo suíço . Só deu buraco!” Essa frase caía bem na boca do GRANDE (Maior) ATOR, Marco Nanini, na peça “Circo de Rins e Fígados” que eu tenho rodado aqui no Blog nessa última semana.

Ela deveria representar uma espécie de besteirol e deveria compilar (e compila!) a falta de compreensão total do homem moderno em relação ao tempo em que vive. Assim somos, não é?  Quando observo essa ridícula e triste REPETICÃO em Gaza entre as mesmas “equipes” (não se trata mais de alianças: entendam meu ponto de vista: o jogo se entende como esporte,  a multidão que o assiste se mata e acaba sendo assassinada e os esportistas, os estrategistas raramente ficam feridos. Mas berram. E como!)

Vejo o vergonhoso caso Madoff: 50 bilhões de dólares e como ele (e tantos outros que ainda não conhecemos!!!!!) conseguiram ROUBAR e ROUBAR e ROUBAR por ter sido mais um mestre nesse jogo: qual a natureza desse jogo?

Esse que vejo sendo jogado no dia a dia pela mídia. Existem diferenças, claro. Mas poucas. Não pensem nem por um segundo que o iReport da CNN é um veiculo democrático ou a “Minha Notícia” desse portal ou de outros são, igualmente, democráticos: ao contrário. São formas demoníacas de fazer com que o leitor, internauta ou participante se sinta “parte do time” por um dia, dois dias ou por alguns minutos. É Andy Warhol diluído.  É o filme “Network” de Lumet sendo “pacificado” pra que a gente nao saia abrindo janelas berrando “this is bullshit and I’m not going to take it anymore!”

A Faixa de Gaza ou o West Bank que em português se chama Cisjordânia (tenho antipatia por essa palavra em português, e não me perguntem por quê): por quanto tempo? Por mais 5000 anos? Ou desde 48 e até…….2048 pra que 100 anos de sangue rimem com 100 anos de solidão, e RETIREM o Nobel de Garcia Márquez ou de Saramago….e de Harold Pinter (que aliás, apoiava Slobodan Milosovec, um tremendo carrasco e filho da puta…). Mas sou incurável  mesmo. Nao tenho jeito: Pinter está morto e mesmo assim: no vídeo que roda aqui no Blog (de aceitação do prêmio Nobel) o “silenciador” explica a formula de como “monta” uma peca sua! Ora! Que piada. Pior que isso! Diz que dá nome ou letras aos seus personagens: A, B, C ou D. EXATAMENTE, ESCARRADAMENTE, cópia total de Beckett.

Sua devoção ao mestre Sam era tal que, já com câncer terminal – quase sem poder falar – em 2006, ele entra no palco como ator e faz um espetáculo de Beckett , “Krapp’s Last Tape”. Pra quê? Pra colocar sua estúpida fragilidade Slobodomiana à vista? Sei!

Invasão, guerras, Hamas, Hessbolah, Al Qaeda, terrorismo, Exércitos e armas…..desde que existimos aqui….desde que olhamos pro outro ou pra outra, ou o pé do outro da outra ou pro outra do outro, a guerra esta declarada:

 “A agressividade não foi criada pela propriedade. Reinou quase sem limites nos tempos primitivos, quando a propriedade ainda era muito escassa, e já se apresenta no quarto das crianças, quase antes que a propriedade tenha abandonado sua forma anal e primária; constitui a base de toda relação de afeto e amor entre as pessoas. Se eliminamos os direitos pessoais sobre a riqueza material, ainda permanecem, no campo das relações sexuais, prerrogativas fadadas a se tornarem a fonte da mais intensa antipatia e da mais violenta hostilidade entre homens que, sob outros aspectos, se encontram em pé de igualdade”.

Seria isso uma citação de Freud? Parece que sim. Copiei dos comentários enviados ao Blog.

E tem mais: “O sentimento de culpa seria o mal-estar da cultura, o preço de vivermos em sociedade, reprimindo a sexualidade e a agressividade. Sob esta ótica, o mal-estar é estrutural, próprio dos processos de organização do psiquismo do homem, do fato de ele existir, de ser, pois ele só pode ser e existir como homem dentro da civilização. A existência humana é problematizada por não mais ser natural. Em relação a ela, as leis da natureza são substituidas pelas leis da cultura. Por esta razão, se – por um lado – a civilização em si, provoca um mal-estar, por outro lado, sem civilização não haveria humanidade, seríamos apenas outros primatas regidos pela natureza. A primeira e maior lei cultural, aquela que nos separa definitivamente dos outros animais, é o tabu do incesto, a regulamentação das relações sexuais, com a consequente organização das relações de parentesco, presentes em qualquer sociedade humana, mesmo naquelas ditas primitivas.” Obrigado, Nina, por ter enviado o Freud. Amo quando me enviam Freud. “Freude” em alemão é felicidade. Um mero “e” faz a diferença!

Mas e a tristeza? E a Tristeza do Mundo, hein, Ekram? “Israelenses e Palestinos sabem disso e até poderiam chegar a um termo se não houvesse tantos “bem intencionados” aliados em ambos os lados. Os EUA, por exemplo, estão apoiando esse ataque massivo dos F-16 sobre Gaza. A Rússia e a França condenaram e jogaram a responsa para a ONU, que todos sabem que não significa nada. A ONU é o espantalho no milharal.” Pois é. Sou incurável mesmo e acho que a merda da ONU só serve mesmo pra congestionar o trânsito aqui na primeira avenida. Mas, Sandra, por exemplo, responde…”Quanto a comparar fanatismo religioso com narcotráfico, depende. Se alguém quiser jejuar durante um dia inteiro ajoelhado no milho, tudo bem. Mas terrorismo? Pior: funciona? Veja o que funcionou, e quem fez diferença: Martin Luther King, Ghandi,… O Hamas não fala em nome dos mulçumanos, assim como o narcotráfico não fala em nome dos morros. Você daria a guarda de seus filhos a alguém que convence crianças a amarrar explosivos no corpo? Acha que eles vão parar se Israel não responder aos ataques? Foi o que aconteceu com todas as outras organizações terroristas? Quando pararam de brigar com Israel, brigaram entre si, e tornaram um inferno a vida das pessoas que diziam proteger.
 Nina, uma criança que mata um bicho não necessariamente o fará depois de adulto, mas, se o fizer, se, para ela, a crueldade continuar sendo uma coisa normal, ela deve deixar o convívio da sociedade. Não somos obrigados a sofrer nas mãos de pessoas assim.”

Ótimo. Todos os argumentos são ótimos. Justamente por isso, homens, mulheres e crianças brigam, lutam e se matam: o esporte que nao cessa nunca: OLIMPÍADA. A Tocha que não se apaga! Lindo nao é?

Não vamos fazer o jogo aqui dessa hipocrisia! “ai que horror! Ai que  coisa triste! E tal” Sabemos exatamente o ser VIOLENTO que temos dentro de nós. Como? Não ouvi direito! Você não entendeu essa última frase? Então seja mais um tolo e pegue toda a sua fortuna e entre no coro dos imbecis e berre: “que horror! Que coisa de louco (silêncio –pausa de 5 segundos , coisa de Harold Pinter)…..e jogue seu dinheiro ou sua arma predileta nos patifes como Bernard Maddof.

 

E FELIZ ANO VELHO como já disse um amigo meu, que hoje está…

Gerald Thomas

 

644 Comments

Filed under Sem categoria

Rússia e Geórgia: Nessa pôrra desse mundo fútil, um pintor chamado Beethoven faz o auto retrato da minha namorada Geórgia em plena batalha de Waterloo: HELP, blogueiros: o Museu Prada está em liquidação e a sopa Porsche na Rússia está vendendo Pacas!

 

Neste blog tudo é possível! Eu disse Blog? Esquece! Quero dizer: mundo útil. Esquece! Mil desculpas. Eu quis dizer… MUNDO FÚTIL.

Por exemplo: tenho uma namorada chamada Geórgia: Ela está sendo estuprada por uma amiga lésbica que tínhamos em comum, a Rússia. Estupro violento. Pior! Além da violência, da porrada, das partes mortas (minha namorada está sem rim, fígado, já teve perna amputada e está sangrando….) a Rússia, agora, ainda está mandando um ultimato: que a Geórgia se renda por total, se desarme: “Se solta, boneca. Vai, se libera, caramba!”.

  

Mas quem se interessa pela Geórgia? Ninguém, né!? Em época de Olimpíadas e numa sociedade cada vez mais imbecilizada pelo nada, pela “falta cultura  nessa falta de cultura” e/ou  noção histórica (cheguei a ouvir atrocidades no último ensaio em Londres! Já estou de volta a NY onde ninguém sabe nada mesmo), qualquer notícia tem o valor daquele dia. E somente o valor daquele dia, nada mais!

Fui levar uns amigos pra passear ainda lá em Londres: jovens, mas nem tanto. Nos seus 30 pra mais. Dei voltas por tudo que é parte da cidade: “’Waterloo’. Vocês sabem porque se chama assim ? Vocês sabem a qual evento histórico esse nome se refere?”

Silêncio. Nada.

Logo do lado de lá da ponte, a enorme praça “Trafalgar Square”:E aí, rapaziada? Alguma pista? Vocês têm noção se os eventos são relacionados?”

Silêncio sepulcral.

Esse cara lá em cima, lá, olha… lá em cima daquele poste enorme o… Nelson, Almirante Nelson… alguma idéia?”

Bem, se a minha namorada Geórgia não estivesse em frangalhos e a Rússia não continuasse o estupro (e eu, covarde, me divertindo a passear em Londres), quase ligo pra ela pra que se juntasse a nós, para uma boa lição de história!

Caminhamos até Whitehall e Westminster, e as Casas do Parlamento (House of Commons, grudada ao House of Lords). Me ocorreu uma idéia pirotécnica: “alguém já ouviu falar em Guy Forks? Ou em Cromwell?”

Nenhuma reação!

Bem, fico com o “History Channel” que colocou a Magna Carta (1215) junto com o  Monty Python  no seu release das “50 coisas” que você simplesmente PRECISA saber nessa era turbulenta do NADA.

Não, a rainha Victória não está na lista (pra fúria da “Regina” de mais longo e criativo reinado no trono britânico). Winston Churchill e outras brincadeiras sérias também foram  deixadas de fora, como o descobrimento do “admirável MUNDO NOVO”, as Américas. (vamos lá, blogueiros indignados, aos comentários!)

A CNN também foi deixada de fora.

 

Eis algumas das 50:

43 ad – A invasão romana

1610 – Shakespeare (não sei porque escolheram esse ano: um ano antes dele escrever sua última peça, “A Tempestade”)

1829 – o Bobby, (policial britânico)

1927 – A BBC.

1973 – A Grã-Bretanha se junta à Europa. (!!!!)

 

Enfim, fico por aqui com a lista. John Cleese e sua turma têm, pelo menos, um senso crítico, áspero, cáustico da História e sabem o que fazem e onde pisam… fico pensando se realmente Napoleão, Hitler , Stalin, Franco e Fidel (que parecem não terem entrado), são meros passageiros de um trem dos horrores de Coney Island. Ah, sim, Coney Island, pra ser destruída, junto com a minha namorada Geórgia, é/era um dos maiores parques de diversão do mundo!

Já o resto de nós, digo, dos turistas, entram nos museus e galerias, mas na verdade estão querendo entrar na Prada e não no Prado. Querem seus celulares funcionando pra mandarem torpedinhos imbecis, querem parar na frente das lojas da Porsche e ficar babando. Tate Modern? O que é isso? Ah, é o “Moma” daqui? “Moma” é Museu de Arte moderna, né? Temos que ir, não é? Lá tem o que, mesmo? O… aquele… o… aquele pintor… o Beethoven, né? Muito bom o Beethoven, rapaz! Gosto muito dele! De vanguarda, né merrrrmo? Vem cá, onde que  fica a Marcos e o Spencer mesmo? Parece que tão liquidando tudo!

Geórgia, heeeelp ! Dá um sinal de vida!

Antes que você seja transformada na Guernica de Picasso, pintada a barril de petroeuros, fala comigo: Alô! Alô! AAAAlôôô!

Putz! Meu celular da T-mobile está sem conexão e o da Orange também. Ainda bem que a British Airways perdeu minha bagagem! Eu não preciso de pôrra nenhuma mesmo, a não ser de um pouco de paz!

Gerald Thomas

(Vamp na edição)

 

 

 

231 Comments

Filed under Sem categoria