Tag Archives: ópera européia

Não Seja Marginal Para Não Ser Herói

 

New York– Como é fácil ir para Times Square e colocar a língua de fora para ridicularizar o “TEATRÃO”. Facílimo. Coisa que Alice Cooper e todos nós, do La MaMa e da Off Off Broadway, já fazemos há… milênios. Por isso nosso movimento se chama “off off”. 

 

Agora, é preciso entender de onde vem aquilo que se chama de Broadway Musicals. O Musical da Broadway nasceu de um movimento americano que visava quebrar com a estática da Ópera Européia. Aquelas Arias longas e estáticas cantadas pelos obesos por horas a fio num idioma que ninguém entendia. A Broadway, em primeiro lugar, popularizou isso tudo.

 

O Sapateado vem de um movimento ‘paupérrimo’ negro. Tap dancing foi e ainda é uma das mais originais formas de expressão de milhares de pessoas. E é belíssimo! Quando bem feito é simplesmente belíssimo. De chorar. Claro, a Broadway incorpora tap dancing, jazz, canto, teatro falado, cenários gigantescos,  estórias e histórias, ficções e adaptações,  orquestras e pequenas bandas que numa soma geral das coisas formam um grupo de teatros que se aglomeram em torno dessa praça, a Times Square.

 

Ora, quem tanto preza o Carnaval e a carnavalização das coisas deveria entender uma coisa: O Sambódromo no Rio custou MILHÕES. Quando o Brizola encomendou ao Niemeyer aquele monstro de concreto, alguém ali foi “marginal”? Quando as mulatas desfilam pros turistas nos camarotes (que vem em vans protegidas dos hotéis da orla) e o LUXO EXAGERADO dos carros alegóricos… aquilo é o quê? Marginal?

 

Não sejamos ingênuos. Aquilo é a Broadway Brasileira! Não se rebelou contra nada europeu. Mas se construiu um folclore em cima do que existia e CRESCEU vertiginosamente e COMERCIALMENTE e, pimba! E quem há de negar que aquilo é lindo, deslumbrante, etc.? Eu sou o primeiro a chorar quando a Mangueira desfila, mesmo aqui de NY, sinto a vibração da Estação Primeira, aquela que eu subia quando adolescente com o Helio Oiticica e mais tarde com o Ivo Meirelles.

 

Ora, esses são os nossos mundos. Ninguém deve zombar deles. Principalmente alguém de teatro! Mas teatro? O que vem  a ser isso?

 

Para alguns é uma questão meramente financeira. Para outros é uma questão de alma. Para outros é uma necessidade física. Ainda tem aquele que o pratica por um amor definitivo e químico-dependente. E uma parte pequena dele é composta pelos atores caça níqueis televisivos (esses sim) que acabam com tudo. Mas a maioria de quem pratica o faz por ser uma arte genuinamente franca e francamente CONTRA  o Status Quo, porque é no palco que ainda se pode dizer tudo que se quer, com o lirismo que se quer, com o tempo que se quer, no tempo/espaço que se quer, na clausura e no liebestod que se quer.

 

O Teatro, assim como o Sambódromo (vazios), não é a representação de nada, necessariamente. Mas preenchidos, viram a interpretação do “TUDO” que somos, que fomos e, principalmente, daquilo que NÂO fomos e que NÃO somos. Isso torna o teatro uma somatória (um terreno) um tanto quanto “despido” (no bom sentido) daquilo que tememos ser quando não temos a coragem de nos olharmos no espelho. 

A grande massa não quer saber das grandes questões. Isso eu notei no post sobre o Zé Celso e o Marcelo Drummond passando aqui por NY. Ninguém se interessou. Fodam-se! Se preferirem se dopar com a “noticia do dia” ou com música alta nos iPods e iPhones e in-Ter-net, e digitar textos ridículos em telefones celulares que nada significam, problema de vocês. Mas nada tem a ver com sermos marginais para sermos heróis!  O marginal de hoje é uma merda. É um marginal que não sabe quem foi Genet, é um marginal que não sabe nada sobre 1968, é um marginal que não quer completar seus 30 anos! Preferem ter 10000 canais em suas televisões (o que é o mesmo que não ter nenhum!). Esses estão concubinatos com a matança geral da arte! E para aqueles que acreditam que meter a língua de fora, como se fosse a Serpente do Pecado (ha ha), não me façam rir, eles sim, estão matando algo frágil: a arte das artes!  

Mesmo assim o teatro sobreviverá através das coisas que são GRANDES demais para serem percebidas ou PEQUENAS demais para serem notadas.

 

Gerald Thomas (Feliz Páscoa, ou Pessach, para todos!)

 

(O Vampiro de Curitiba na edição)

 

 

Advertisements

538 Comments

Filed under artigos

New York – Pequeno Diário de Bordo 1

 

New York –  (Com um PS. no final: Maureen Dowd, do NYTimes de domingo, com uma pérola!)

 

O Artista é Sempre Um Estrangeiro ou A Bandeira de Lugar Nenhum

 

Andando pela cidade ainda atordoado, como sempre, resolvi dar uma volta em torno do reservatório d’água, no Central Park. É oval, circular. Hoje ainda estava cheio de poças d’água. Os joggers, aqueles corredores doentios conectados ao iPod, correndo atrás de suas vidas, ou mais para perto da morte, berravam “room please” e todos nós, os mortais, abríamos caminho. Eles passam correndo, trotando e eu andava rápido, muito rápido, pensando na vida: “nunca irei me acostumar com o skyline dessa cidade. Mesmo vivendo aqui, no Rio e Londres e Alemanha, desde sempre, nunca irei me acostumar a lugar nenhum.

 

Kafka, certamente um dos maiores autores da humanidade, mas que ultimamente circulou pelos blogs por motivos imbecis, é autor de uma frase que adoro: “Quando vou dormir à noite, me certifico de que tudo está em seu devido lugar. Quando acordo, acho estranhíssimo que tudo esteja no mesmo lugar em que deixei ao ir dormir”.

 

A turistada tá foda, aqui! Em Londres, semana passada, a turistada também tava foda. Sempre foi assim? Não, acho que não. O dólar está baixíssimo e isto torna Nova York mais acessível para todos: uma brasileira (sem a menor idéia do que estava dizendo) exclama: “Isso aqui é a minha cara!” 

 

Quer dizer que ela é a cara do Chrysler Building, construído no auge do período “dark” da arquitetura “art deco”? Quer dizer que ela sabe exatamente quem era Frank Lloyd Wright e sabe o que ele fez com o concreto protendido, quando experimentou com o seu “Guggenheim” em espiral? Quer dizer que ela sabe o que a Lower East Side (Essex Street com Delancey, por exemplo) significa no calendário de um lituano imigrante? E ela sabe o que aconteceu com a “sua cara” (com sotaque de Vila Nova Conceição) em Saint Mark’s Place na década de 60 e 70? Não. Ela não sabe. Mas, mesmo assim, NY é a “sua cara”! E o pior é que é mesmo! Trump é democrático! Barbara Walters, que caminha anônima aqui ao lado, também é. (Acaba de pisar numa poça). Mas turista quer ver arquitetura, prédio, art deco? Claro que não! Turista vem aqui pra… fazer COMPRAS!!!!! E fazer BARULHO! E subir no Empire State Building para tirar fotos. E compram ingressos pra shows da Broadway sem nem saber que as origens dessa tradição foram contrafóbicas reações ao musiktheater, uma reação ao teatro musical europeu. Trocando em miúdos, o musical da Broadway vem a ser uma versão “action movie”, uma versão light da ÓPERA européia. Pasmem! Mas… a Macy’s está lotada! E a Bloomingdales também!

 

A Valéria me mandou um trecho que faz parte de um texto que escrevi pra Folha  e esta publicado no livro o “Encenador de Si Mesmo” (Editora Perspectiva,1996) – Haroldo de Campos fez a curadoria a respeito de minha obra. Esse trechinho era a respeito do artista plástico Jasper Johns, um dos maiores, da turma do Raushenberg (morto faz pouco tempo), ambos descobertos pelo Leo Castelli, aquele que montou sua galeria na West Broadway, aquela via que divide o SoHo entre vivos e quase mortos!

 

Mas nesse sábado ensolarado aqui em NY eu endosso isso que escrevi há mais de 14 anos. Eu sou ele, o Johns. Ele vira eu. Somos todos feitos da mesma coisa: New York é uma mistura linda!

Essa mistura incoerente é, em si, uma celebração. Celebrações podem constatar momentos tristes. Como festas. Festas podem ser coisas tristes, como os lamentos do samba, os lamentos do jazz. Os lamentos do Blues. Só não ouve quem não quer.

Eis o texto: “O artista é sempre um estrangeiro”. Isso está no capítulo “A Bandeira de lugar nenhum”

 

O “elemento terra”, no artista, flutua sobre camadas espessas de influências, maleáveis e pessoais, a ponto de sofrer do mal itinerante (necessário) que os povos nômades sofreram no desesperador esforço de acumularem sofisticação durante seu percurso”.

 

Criar inimigos sempre foi e sempre será a tática de todos aqueles que não conseguem mais se olhar no espelho ou tolerar a entrada de imagens estranhas àquelas que se admiram. E a cara do inimigo geralmente compreende todos os traços que a sua não tem. Tudo aquilo que a moldura do espelho contém pode ser chamado de “estrangeiro”. Alguns se penteiam perante o estrangeiro e se embelezam para ele. Outros jogam pedras no estrangeiro e o estilhaçam, confirmando mais uma superstição.

 

Toda arte produzida em grandes centros é descaracterizada de nacionalidade. Ela é urbana simplesmente. Essa urbanidade compreende a falta de identidade, a confusão étnica e mística que as vias de concreto propõem…”

 

A produção artística dos centros urbanos é a natureza mais que morta, decrépita, mas, paradoxalmente, essa decrepitude contém todos os aspectos do homem moderno, suas várias nacionalidades – tudo justaposto, aglomerado, anárquico e fora de ordem, neste disfarce democrático fica difícil distinguir até o sexo da obra, quanto mais a sua origem étnica”.

 

O artista é sempre um estrangeiro”. Isto está no capítulo “A Bandeira de lugar nenhum”.

 

New York de então

New York de agora

 

O estado de espírito de sempre.

 

Gerald Thomas (alheio aos sons de Phelps e Spitz e ovações em Beijing, sorry: Pequim, Atchim!

 

(Vamp, ainda na edição)

 

 

PS 1- Maureen Dowd – Considerada a mais (ouch) “polêmica” colunista do New York Times escreve sobre… bem, leiam trechos, chama-se “A RÚSSIA não é a JAMAICA!”.

“A América está de volta à Guerra Fria e “W” (George Bush) entrou em férias novamente (…) Depois de oito anos ele continua ignorando a realidade; deixando de prever ou se previnir ou mesmo se preparar contra “disasters”: interpetando mal ou não interpretando os “reports” das agências de inteligência (…)

Ele passou 469 dias de sua presidência no rancho, dando coices, 450 dias em Camp David “dando pinta” (…) Isso tudo está acontecendo enquanto a Rússia avança para dentro da Geórgia (…)”

Trechos da BRILHANTE colunista que pega no pé de todo mundo, geralmente não sobre alguém específico: não adianta dizer que ela é isso ou aquilo: ela é simplesmete MateMática, como 1+1 são 2: Maureeen Dowd.

52 Comments

Filed under artigos