Tag Archives: New York Times

Breaking news: London calling. Gordon Brown will resign: 50 is a number stronger than 300: the anti Darwinism has finally arrived: more on Monday

GREECE is in LONDON (British Museum)

BREAKING NEWS

12:15 PM ET

British Prime Minister Gordon Brown Will Resign as Labour Party Leader By September

When 50 is a stronger number than 300

Saint Ives, Cornwall: Rocks that don’t roll, Tristan und Isolde, “my vote counts”, “press the hash key, UK – press the pound key – US”, if Britain were to press the pound key, the City would make billions!”  Hash!

Greece is in shambles, in shreds, in tatters, but if you go to the British Museum, you’d see part of the Greek ruins still there where Sofocles played as a child!”. Athens is burning! Atenas ligadas!!!!! Antenna.

WHEAL DREAMS”

That time, that last time, were the ruins still there where you played as a child…..When was that?” (Samuel Beckett). It’s amazing. But not many people know who he is! “When was that”. I’m looking at the Scilly Isles and, far away, the coast of Ireland, where Beckett was born and where the ruins are where he played as a child. “When was that?”

Have you heard of “Waiting for Godot”, I ask.

“no, not really”, he answers looking at me with small wide open 20 year old eyes.

“Never heard of Endgame, Godot, etc?”

“no, never”.

Hmmmm.

In the National Interest, it’s best to move forward”. Not my words. These are Alastair Campbell’s words. This is our man. Blair’s man. Blair’s conspiracy man. The man who is capable of forging words, forging documents and the man who (ultimately) took the UK into Iraq. I can imagine an Alastair as he would be perceived by Andy Warhol. Imagine all the Campbells, all the Elvises and all the Maos and Monroes together in stark pink and yellow. That’s my man! Star Spangled Banner! Rauschenberg has always been a HOAX. Not Jasper Johns but Robert Rauschenberg. Castelli needed a few and made them up as they came along.

I’m writing from Saint Ives, Cornwall where King Mark no longer reigns and where Tristan, Isolde, Kurwenal and Brangaene fought for their lives, love and revenge. Brazil’s emperor, Don Pedro, gave Wagner the idea: and the most incredibly beautiful opera was born. This is where I walk along its very very incredibly very narrow alleyways and look at the ocean, from the corner of my shy eyes:  “The Boat, The Boat (Das Shiff, Das Shiff) ”, as if it where the delirious last scene of a Richard Wagner opera which ends with the transcending of love and death: his Liebestod. Our lovedeath. Our deathlove.

And looking at the low tide with its boats almost capsized, resting its sides on the sands and on its sides as if a collapsed government, I realize that math has played a huge trick on us: Fifty is stronger than 300. Clegg has managed to become a pop star! Wow!

Everyone wants to go to bed with him: he holds THE power, in spite of the small representation he has. Make sense? Does it?

This proportional vote here in the UK must change. And so must the American system of electing officials who form the electoral college, change. I mean, CHANGE!!!!!

D-Day early morning: Great day. Clegg, Cameron and Brown are seen in a “presidential or prime ministerial manner” standing behind the Prince of Wales , Charles.

UNLOCK DEMOCRACY

Yes, we can.

REFORM THE ELCTORAL SYSTEM

Yes, we can.

Harrods has been sold.

Another Fayed is dead.

I can’t go on. I’ll go on.

Terror: London Calling.

Doomed by ASH clouds whether up here in the North. Or down below, in the Gulf of Mexico.

SHAME.

No we can’t!

Gerald Thomas

9 May 2010

some rocks don't roll

FOOTNOTE: Again a reminder: my TWITTER name is
geraldthomas1 (with the number 1 following my name, as you could easily notice)

any other – especially those badmouthing Brazil – is NOT me!

Em Por-au-Gois:

Mais um lembrete: no twitter eu sou

geraldthomas1 (NUMERO 1 atras)

qualquer outro – especilamente um IMBECIL que so fala mal do Brasil, nao sou eu.

MINE HAS MY PHOTO. MY IDENTITY and leads to my blog.
O MEU TEM A MINHA FOTO, MINHA IDENTIDADE, e tem ligação com meu blog

Advertisements

Comments Off on Breaking news: London calling. Gordon Brown will resign: 50 is a number stronger than 300: the anti Darwinism has finally arrived: more on Monday

Filed under Uncategorized

FYI- For Your Information: my ass!

Life is not measured by the amount of times you breathe but by the amount of times that they take your breath away. (George Carlin)

A vida não é medida pela quantidade de vezes que respiramos, mas pelos momentos que nos tiram a respiração.

Claudio Diet (http://www.blog-filho.blogspot.com/) pays an enormous tribute to my (past) work.

the mooning incident in 2003

It’s really moving to see the flashes and crashes of a collage

of things that I’ve written and staged. I’m in a bit of a shock.

That was an FYI (For Your Information, For Your Improvement or For Your Ignorance), or for your eyes only.

In England, Gordon Brown calls a country woman a “bigot”

Here’s the tape:

http://www.guardian.co.uk/politics/2010/apr/28/gordon-brown-penitent-bigot-gaffe-campaign

Poor Brown. All colors are rather shadowy in this forthcoming election. Labour’s election campaign was in disarray yesterday after the “Prime Minister on hold” was forced to apologize to a pensioner and lifelong party supporter whom he had described as “a bigoted woman” for questioning him over the scale of immigration from eastern Europe.

In the US, after days of resistance, Senate Republicans – “Fyied” – agreed to let Democrats open debate on a bill to regulate the financial system. “Senate Republicans”!!!! I’ve always wondered what goes on in their heads. They advocate for a republic. Strange, whereas the Democrats advocate for a democracy. If we live in a limbo, neither, either of the two, which would be the party that truly represents this system???? Arizonism? AriZonaism? Arizo-zionism? Of do we live in an eternal FYI? Hmm.

The photo posted above  has been circulating around the world. It appeared in the New York Times as well as in the Guardian and all other European and Asian publications. Yes, my ass. My arse. My mule. It now seems part of History.

“Which History?”, you might ask. The history of Rio de Janeiro’s Municipal Theater: the so called, Rio Opera House. It’s a majestic building and it was projected  by Emperor Don Pedro in the 1800 + something. Oh yes, Don Pedro went all the way to see Richard Wagner, in Bayreuth. And his mission was to com-mission a new opera: based on love, the impossible love: Tristan and Isolde.

Yes, Wagner’s Tristan was paid for with Brazilian money. Strange, you might say. But this is a fact. Brazil, in fact, owns the rights to one of the famous operas ever composed (Wagner ended up opening the piece himself, both in Dresden and in Munich because Brazil was too slow to build its theater). Brazil is slow. That hasn’t changed.

So, I was booed. But this was not the reason why I mooned the audience.

Who might have been sitting in that vast audience? The theater sits 2.500

But you could swear that there must have been over 3.000 people there, on that cold August day, the day when Haroldo de Campos died.

I was in a state of rage. I was in a state of complete let down. His death to me was almost like a personal let down to me. I was left in a state of abandonment. I was left in a state of ZERO percent.

The richest one percent, an imaginary figure. One percent is imperceptible to the human eye, ear, all of our senses. The richest people of this country own half our country’s wealth, five trillion dollars. This is a strange thought.

One third of that comes from hard work. Is there work which isn’t hard?

Yes, there’s easy work. There certainly is that. But what is it? Please, someone tell me what that would be.

Two thirds of the richest people come from inheritance, interest on interest, and interesting interest on interesting interest. That, if you add the percentage that goes to accumulating to widows and idiotic sons, turns out to be a Mount Sinai of sins and signs.

The news, on TV, printed press or the internet, must – absolutely must, be BAD news: war, no peace, famine, upheaval, the price per paper clip, or clipping the oil clip.

FYI

Quantos construíram um vocabulário teatral?

How many artists have actually built a theatrical vocabulary?

Quantos sequer “pensaram” sua arte?

How many have actually thought art in a philosophical or existential manner?

Estamos sendo traídos pelo sistema: talvez seja hora de pararmos de nos acusar uns aos outros e pensarmos na CENA de ORIGEM. Sim, aquela que os filósofos invocam quando têm de enfrentar a GRANDE CRISE, ou melhor,  GRANDE ARTE, ou seja: a morte!

We’ve been betrayed by our systems. All systems. Who knows, perhaps or maybe or somehow….a word that hasn’t actually been coined or scorned yet will make us think of the genesis of things. All things. I mean, apart from the FYI’s, we should rethink art as the GREATEST form Of ART itself. Not as a fearful act of expression, but as an act of eternal transgression.

And that’s a huge question.

I’ll leave it up to Hamlet to solve.

Gerald Thomas

29 April 2010

Comments Off on FYI- For Your Information: my ass!

Filed under Uncategorized

We are all Polish!

When I look at this photo, what am I to think?

The symbolism is just amazing.

As the body of Poland’s president was returned to this traumatized capital on Sunday, a day after he and dozens of top Polish political and military leaders died in a plane crash in western Russia, the country was in mourning but there was already a sense that its young democracy had passed a major test.

But I do remember what were the most painful moments of my life. The months I spent living in Cracaw, rehearsing Mozart’s unfinished “Zaide”.

Back to that later.

The plane crash, which killed 96 people when the presidential plane went down about a half mile from the runway in the Russian city of Smolensk, was a trial that the 20-year-old democracy was handling with aplomb! Cingrats!  And a goodbye to a Tupolev which shouldn’t have been in the air to begin with, since LOT (Poland’s official airline), got rid of 200 in its fleet, long ago.

Poland – through the eyes and the writing of Jan Kott – is what taught me the works of noneless than William Shakespeare. “Shakespeare Our Contemporary” (next to Peter Brook’s “Empty Space”) is the book of my youth. Far more important than the romantically driven Harold Bloom (also on Shakespeare: “the invention of the human), Kott brings Shakespeare’s words to our century.

Yes, this is it. Shakespeare was Polish. For once, not a Polish joke. Shakespeare hid himself behind the role of Polonius.

And I, therefore, owe my experience in Cracaw to a French millionaire and diletant who backed Zaide, the opera that turned out to be a disaster when it opened at Maggio Musicale in May 1995, In Firenze.

Taking the entire Christian cast to Auschwitz and not shedding one tear. Taking the cast out to witness life!

Yes, that was quite something. Of course I was chastised by all of them when, upon leaving the Camp, right under the recently stolen arch of “Arbeit Macht Frei”, I said to the singers: “I want that hot dog over there”, spreading its odour through the foul air of the deathbed of six million Jews, Gypsies, people with physical anomalies and so on.

I went over to the stand and ordered one. No ketchup. Plain. Must I say that I  puked/threw up/vomited  it all over my girlfriend’s lap during our trip back to Cracaw?  Well, I just said it, but man…..it was worth it.

So when I look at the photo of that crashed plane, what do I think of?

Sturmspiel, my play in  Munich in 1989? Yes, it was  Shakespeare’s “Tempest –Play”, which began with a downed plane hitting Prospero in the balls.

Joseph Campbell would have loved to have seen this, had he not been dead. Yes, Kott would have loved it too: new world of exciting ideas opened up to Campbell while studying in Europe. Campbell’s “The Power of the Myth” brings out what we are and who we are at the time of someone’s death.

Queen Victoria was of mostly of German descent, the daughter of Prince Edward, Duke of Kent and Strathearn and Princess Victoria of Saxe-Coburg-Saalfeld, and granddaughter of George III and the niece of her predecessor William IV.  Queen Victoria was not on the plane that crashed.

Victoria was taught only German until she was three years old. She was subsequently taught French and English as well, and became virtually trilingual. Her mother spoke German with her. Very much like Poland, Queen Victoria was idiomatically raped. Poland has always been raped.

But yesterday’s events were the real tragedy. Unheard of. A premiere in History.

Queen Victoria’s command of English, although good, was not perfect as is the case with so many Polish friends I have.

As Victoria’s monarchy became more symbolic than political, it placed a strong emphasis on morality and family values, in contrast to the sexual, financial and personal scandals that had been associated with previous members of the House of Hanover. Is Queen Victoria a figment of our imagination? Is Poland?

And what symbolism should I resort to when I say that “we’re all a mess” or that “there is a Polish being in all of us”?

On my desktop, table,  rather, I have one only book, staring me in the face: it’s called SON OF HAMAS, which happens to be the diary of Mosab Hassan Youseff.

Last night, a friend sent me, via email, the last episode of “Law & Order Criminal Intent”. The name of the villain was Hassan, who was about to start a new country or reign in Africa, based on pirating. This episode – in itself was a tragedy: Erci Bogosian had been killed in the previous chapter (which I saw at home in NY). D’Onofrio is about to be fired and the entire cast is to be replaced. Why? What went wrong here? Jeff Goldblum (nothing against you , my friend), takes over as the main detective  but the questions remain:

Who is it that kills us and makes us alive so many times per day???

Yes, I had lost eight people in a single concentration camp: Auschwitz and did not shed a single tear. Quite remarkable, hey?

Yet, I saw their faces for the first time. The Germans had kept a very meticulous diary or logbook of who went and how they went. Yes, the did go!

Youseff is a double agent for Hamas and The Mossad. He worked provincially. Shakespeare did not.

Williamsburg or Greenpoint in Brooklyn, where I spent 22 years of my life, was all Polish when Philip Glass and I moved in. Nobody spoke a word of English. It was a province on the East River, in a way.

Yet, I am simply astonished that – on the cover of Murdoch’s “Sunday Times”, the plane crash appears on page 25. Instead, Tiger Woods – coming out of the woods, is on the cover saying the usual ridiculous things.

The entire thing (Kott would agree with me), is obviously a plot. Woods never ever “betrayed” his wife or had any affairs. This was all arranged to call attention to the world’s most boring sport: golf.

Just as James Cameron is on the front page of the New York Times defending the survival of a dull group of Brazilian Indians. Cameron is now

a Xingu River defender. I mean, I couldn’t help but have a nervous attack. I mean, let’s play this down. I had a laughter attack. More suitable.

“Save the Rain Forest Campaign” (remember?). The Polish president died in the woods, but not in a forest. It was foggy but it wasn’t raining.

Sting assaulting (Yes, that is the right word, ‘assaulting’!) along with the former owner of the Bodyshop raping some image of the Amazon. Raping the campaign of its principles, of its money just as (never mind). I cannot afford to be sued.

Yes, a meeting atop the “round tower” of the Hilton Hotel in São Paulo, opposite the infamous Copan building. No, I won’t get into details.

There’s a Pole inside all of us. There’s a Polish being inside all of us. Kantor, Grotowski, Chopin, Joseph Conrad and Copernicus and, of course, Polonius (Shakespeare). Who is for real in all of this?

Would it be Yousef, the “son of Hamas”?

I remember being given Access to the underground passages beneath the Wailing Wall in Jerusalem and coming out on the other side: Via Dolorosa, Via Cruxis where tourists would be carrying a fake cross and…

(no, never mind that either).

Sturmspiel, at the Munich State Theater dealt with all these issues, plus one: the Berlin Wall. Yes, about a year before it collapsed. I am its author and director. Now, someone wants to make a movie out of what Die Zeit ridiculed at the time.

Nothing like the passage of time. It wrinkles us as if we were raisins. It dumbs and numbs us, as we become wiser and more adventurous.

In Jerusalem, I simply wanted to stay on. Meaning, stay a little longer to see all the gold the Roman’s hid underneath the Holy Land. And so, I said to my crew: “bye, I’m staying/ dry land/dry desert, dry opera and the Dead Sea where I floated for hours ….and the Mud? Dead Sea Mud.

I used it for a long time, after all, Ahava packages it.

Nobody is packaging the mud that overwhelms Rio de Janeiro after a week of constant flooding!

Christ! Brazil is so provincial. PACKAGE THE MUD AND SELL IT internationally as DEAD RAIN.

The President of Poland dies in an unprecedented crash and the New York Times recognizes its importance: the horrifyingly beautiful photo of the crashed plane is on the front Page of the NYTimes. That was yesterday.

While Folha de Sao Paulo prints two photos of Jose Serra, a possible candidate in the next election for President in  Brazil.

Queen Victoria determined that Engel-Land was an island as Hamlet had also done, via Rosencranz.

But the real island belongs to those who choose not to see, blindness by choice.

Brazil is an island and its blindness infuriates me. And before I infuriate anyone out there any further let me say this: the death of the Polish president touched me in an unprecedented manner. Since Solidarienosk, Walensa and all the people who got rid of Jeruselski, I am, as we all are, Polish at heart. It was the airborne division from Poland, their pilots and so on, that saved England in a major way.

Why? Because our blood is NOT holy and we’re NOT eternal. This is something they, the Polish understand.

Why the fuck is it, that we are incapable of understanding suffering in such a dignified, horrendously vivid way?

Gerald Thomas

London -11 April, 2010

Comments Off on We are all Polish!

Filed under Uncategorized

MY INDEPENDENCE DAY: Everything to Declare – it’s a long goodbye

New York- Dearest ones: I’ve come to a crucial point in my life. Actually, ‘THE’ most crucial to date. A pedestrian crossing without the white stripes, an “Empty Space” cluttered with junk, an asterisk. I’ve been in it for a while and have realized that moaning and groaning from the cradle to the grave simply doesn’t help. So, I made a decision.

Transform the world: Wake up every morning and change the world”, a soft voice used to whisper into my ear. It was that of Julian Beck, whom I directed in his final show and from whom I learned so much.

Yes,I used to have a vague idea or notion of things. Yet, I can’t find them anymore. Don’t seem capable of even knowing of where they are any longer. All I can see, eyes open or shut, is that self portrait by Rembrandt , hanging in Amsterdam, staring right at me; he at the age of 55 and I at the same age. Him on one side of a timezone/era as if trying to tell me, or as if WE are trying to tell one another that my Renaiscence is over, finished, and that I’m dead. Am I dead?

I can’t go on. And I won’t go on.

Beckett, the one whose universe I’m so very close to, would have said: “but I will go on”. Yes, I do realize the necessity of a continuance, continuity, progression, of a forward movement. However, I look around and ask myself (in less than a subtle way…..”continue what?” if I haven’t really started anything!!!! There isn’t – on my turf (or terminology) that much to be continued.

My life on stage, as such, is finished. And it is so because I have determined that it has perished. I do not believe that our times reflect theater as a whole (or vice versa) and I certainly don’t have the patience to  create the iTheatre, as if it were the extention of the iPhone or the iPod and so on. These miniatures and gadgets of self satisfaction  do, indeed, fit extremely well the decadent present days of, well, self satisfaction. Pardon me for writing in loops but this is a reflection of the times. Or is it?

But art and creativity? Not at all. If one were to analize, say, this or that person’s last movie or CD or choreography we’ll only come to realize that it has all become a mere  and smaller repetition of what once had the taste of the new and of the, say, “good”.

Of course, it’s known that my dramaturgical option has always been on the dark side. From Beckett to Kafka to my own nightmares…a New York Times critic once wrote “that I used the audience as my therapist”. So, I decided to opt for putting Freud center stage right in the middle of Tristan in the Rio Opera House. I guess everyone knows what the outcome was.

What seems strange is that, up to 2003 or, even, 2005, it made sense to put things on stage or to stage pieces. I cannot, for the world, describe with any sort of precision what has changed. But something has.

Of course, needless to say, we are political beings. But this shouldn’t mean that our obsession (as artists) should contain ONE political agenda. Au contraire. If there is something called art, it’s  there precisely to bridge the gaps left over between that which politicians can’t say (or are unable to say) and our need to find ways to survive (by destroying or constructing). Art as metaphor, art as replica, art as illustration or art as protest; art has always required analogies and fantasy between modern man and that of yesteryear.

Daniel Barenboim, who was born Argentinean (but is a citizen of the world) and carries an Israeli passport, found a  way to ‘apply’ his art to the practical, political world. He’s been trying, since 2004, to promote peace between Palestinians and Israelis through music, In his acceptance speech, during the Wolf Prize Cerimony at the Knesset, he said that his life seemed only validated if he could, somehow, liberate those who were confined (Palestinians who were beginning to be surrounded by a WALL built by Israel) and Isrealis alike.

I cannot, would not dare compare myself to Baremboim. But building a theater piece from scratch is far more difficult than opening musical scores and making or motivating an orchestra to play. What we do is ‘original stuff’.

Yeah.

TEMPORARY LOSS OF MEMORY

(allow me to skip a part, please)

I just skipped a part where I quote from a text in a program book of Earth in Trance and Queen Liar. Poetic freedom? Was that it? Or pure boredom? Maybe just a gage or indicator of HOW much I need to tell everyone how LOST I am or where I need to get.

Perhaps I need to get lost for a while in order to find myself again, as corny as this may sound. I’ve really, seriously lost sense of who I am. No easy thing to say. Yet, I may be living in a bubble of illusion.

I’ve become a slave of this computer and, likewise,  a slave of an immediate political agenda which isn’t even close to my heart, It’s someone else’s, not my own. I do have an enormous knowledge of history. I mean, I am immensely educated in the field of History. Enough so to know that what happens now, today, hardly matters at all, unless one is talking about, say….Obama’s coming to the White House. Well, there’s something!!!!

Yes, I have to get lost in order to find myself again.

It might be useful to remind you all: I was brought up in the shadows of the Holocaust, amidst drops of paint by Pollock and ‘ready mades’ by Marcel Duchamp….and some drawings and scribbles by Saul Steinberg. I owe this ‘education’, as it were, to two masters: Ivan Serpa and Ziraldo. Both back in Rio.

And there is Haroldo de Campos, the inventor of the humans, as Harold Bloom would have put it. Campos is the founder member of the Concrete Poetry movement and my mentor ‘from a distance’ . The guy I always wanted to be. Christ only knows how much I felt when he walked into my theater in 1987 and, later on, curated two books on me, about my work, and wrote, wrote and wrote endless pages about…well…me and my work. Simply unimaginable.

The world became so much more boring and flat the day he died. And that day happened to have been on the same day when I opened my Tristan at the Rio Opera House. A decade before that I had written one of my first plays, Eletra ComCreta – a play of words in the ‘concrete tradition’ with the myth of Electra and the island of Crete, in the hopes that the poets – Haroldo and his brother Augusto, would storm into the theater. No such luck. It took them, I mean, him (Haroldo de Campos), another year to discover me.

Philip Glass was kind enough,  gracious enough to grant a wonderful and hilarious interview about me and my work (http://www.vimeo.com/2988089 ). It lasts about 20 minutes and, in it he manages to be funny and brilliant, all at once – as if in a sax solo improv – saying everything (majestically) what scholars and critics have tried but weren’t able to put together in some eight thousand paragraphs, in all these years I’ve been on stage. This Glass interview can also be seen on my site (www.geraldthomas.com).

My father used to place me between two huge loud speakers of a RCA Victor deck  and make me listen to Beethoven. At a very very young age, I’d be in tears, listening to the Pastoral, the 6th Symphony – whilst drawing away, almost autistically, on some rough paper, things which, decades later (at the British Museum Reading Room or Library) would become…theater projects.

Today, with over 80 “things” or works having been staged all over the world, I look back and what do I see?

I see little. I see a world flattened by a shitty and mediocre and petty culture (if one can even call it that), punctuated by twitters and facebooks and myspaces and the like, which say little or nothing at all.

I see people without ANY NOTION of what was, of what has been and excited about a much ado of a ridiculously cheap plastic fast food junk overload of info. Yes, that’s what I see? Is there anything I’m missing?

Not even bands or innovative musical groups are there to be seen: it’s all just a bunch of look-alikes of the ones we’ve known for decades: from Hendrix to Zeppelin or The Who and so on.

It’s almost as if we lived in a sort of looping inside someone else’s nightmarishes head. Contrary to that of Prospero’s head, this one does not liberate us to the ‘new’. It condemns us to the old and used. How nice! Even China looks like the West. Or is that we’ve anticipated ourselves and it’s the other way around: it is us who look like China, since everything we wear and use is made in China.

Yes, I met Samuel Beckett (yes, I had this amazing privilege!), staged his prose – some of which, world premiere – in the early eighties. Well, for those who don’t know anything about this period, I urge you to access my site (www.geraldthomas.com), and enter my ‘so called’ universe.

Why would I want you to enter my universe? Why would I care? Because when I began my theatrical life, life as such, the scene itself was sparkling, glowing with ingenuity and the wonderful taste of the avantgarde. We had the Village Voice and the SoHo News (amongst others) for intellectual support (or debate) and plays were multifaceted: multimedia and so on. Everything from darkness to brand new monitors were growing on stages.

There were dozens of theater companies, from the ones based at La MaMa, to the Public Theater, or PS122 or in lofts in SoHo or in garages or, even, imports by BAM.

But it was all new, a NEW, New form of Creation.

It was the very exercise of experimentalism, it was all about taking risks. And the critics? Oh yes, just as most scholars, they stood by us and supported what we did. And what was that, you might ask? Well, that was the ‘tradition’ left by Artaud and Brecht and others.Furthermore, I regret to say that my particular generation did not invent anything. All we did was to carry on what the previous generation had given to us on a silver platter.

They were the ones who suffered. They were the ones who really swallowed the bile and digested the undigestible raw material of defiance (Grotowski, for instance). Yes, I’m talking about Bob Wilson, Pina Bausch, Victor Garcia, Lee Breuer, Peter Brook, Peter Stein, Richard Foreman and the one who invented it all, Ellen Stewart.

That’s right: all we did had been done before.

I’m part of a generation of collage artists, if there is such a thing. Of course, we added a few ‘personal touches’, whatever it was that the previous generation had fed us.

Not enough, I’m afraid. Not enough.

What does this all mean? Well, regrettably it means that my generation will not be a part of HISTORY. And I say this with an obvious amount of sadness. Sadness and reason. What a weird mixture!

Today, the Village Voice is but a bunch of sex ads. About the theaters themselves, I’d rather shut my mouth. As for the companies themselves, 99% no longer exist nor have they been exchanged for others. All we see is….

(I’m shutting my mouth). It’s very much like the world of music. Can’t you hear the stomping and and repetitive sound of the electronic drums hammering  away into your eardrums the robotic beat of ‘grounding’? Can’t you? Rather, its effect is ‘grinding’.

This universe of ours seems smaller than the one Kepler or Copernicus or Galileo described/saw/envisaged. Many of the theater companies here and around the world have closed for good. The money floating around to subsidize theater is laughable and the audiences are so small, we could take them out to dinner.

But I will never blame an audience. It is us who are  doing the wrong thing, obviously. Few youngsters nowadays know who Peter Brook is or what he has done. This year alone we have lost Pina Bausch and Merce Cunningham. Bob Wilson, the last warrior standing (inexplicably) is traveling with a mediocre and simplistic play: “Quartett” by Heiner Mueller. I, myself directed the American and Brazilian premiere of this play with the presence of the playwright. I can now say, with a fair amount of certainty, that Heiner Mueller is a complete waste of time.

But, as it seems, the problem is mine and ONLY mine. As I’ve said before: I’ll try going for a walk around the planet to find who I am. Or, maybe just sit here, exactly where I am now, and come to the same conclusion.

But it’ll be hard: I’m part of that romantic generation who saw Tower Records open its doors here on Broadway and E4th Street. Today, Tower is gone and even, Virgin (which destroyed Tower) is gone. All Towers are gone.

I’m writing this one day before 9/11. Please excuse all analogies and possible comparisons.

I saw Hendrix from a yard away. I saw Led Zeppelin in their best days, live in London.

I directed the best of Richard Wagner and was with spitting distance of Michael Jackson and am grateful to have witnessed the birth of cable television, CNN, internet and the frenzy of emails flying back and forth.

I was given incredibly beautiful presents, such as some of the great operas I directed on the best stages in the world (Moses und Aron, in Austria would just be ONE example).

It’s just….it’s just…so many fantasies that depression has obscured or overcast. I simply cannot see them anymore. And what is art without fantasy or artifice? It would be…well, you got the drift.

No, I’m not leaving. Not really leaving as such. Only leaving “in a way….”

Anatole Rosenfeld once wrote:

“ The theater is older than literature and, thus, does not depend on it. There are plays which aren’t based on literary texts. According to ethnologists, the Pygmies perform an extraordinary theater, completely void of any text. They are capable of acting the agony of an elephant with a perfect impression, as if it were a true art. They might even use a few words here and there, obeying the oral tradition. But there isn’t a formal text laid out as literature.

In the improv theater there’s also a tradition”

That was Rosenfeld.

As for me, I’ve lost my ability to improvise. Yes, I’ve lost my desire to improvise.

I will have to make an enormous effort in….what? In seeing me as myself again as in what I used to be. Why? Because it’s not me what I see when I look in the mirror. It’s a deformity, a hardened version of a self that was,”an aberration of an author as an old man”.

I will have to make an enormous effort when looking into Rembrandt’s eyes again or, maybe, into a slice of a shark, or the shark in its entirety, by Damien Hirst.

It’s obvious that, in the event of a real possibility of a news fatality or a tragedy of great proportions (outside of the theater) taking place in our lives or on our planet, I’ll come back to the blog with texts, images, etc.

Maybe even without such tragedies. It could be that I’ll find myself in the middle of Tunisia, inside a bent tent, and decide, a la Paul Bowles, that it’s time to write. Who knows?

All I can say is that I’m at the beginning of a long, very long and lonely journey.

I’ve had the best theater and opera stages of the world, in more than 15 countries given to me. Yes,  I was given the gift of the Gods. No complaints, whatsoever. It has been a wonderful ride. Really has. Thank you all so very much. Thank you all so very very much.

Fairwell to you all.

LOVE

Gerald Thomas

September 11, 2009

(what a date!)

Minha “INDEPENDÊNCIA OU MORTE” – TUDO A DECLARAR – “It’s a Long Good Bye”

New York – Meus queridos, cheguei num ponto crucial da minha vida. O MAIS crucial até hoje. Um asterisco. Aliás, já estou nele há algum tempo e percebo que não adianta resmungar pra cima e pra baixo. Finalmente tomei uma decisão.

Transformar o mundo: acordar todos os dias e transformar o mundo”, dizia a voz de Julian Beck (quem eu dirigi e com quem aprendi tanta coisa). Eu tinha uma vaga noção das coisas. Não  encontro mais nenhuma. Eu tinha uma fantasia. Não a encontro mais. Só encontro aquele auto-retrato de Rembrandt me olhando, ele aos 55, eu aos 55,  um num tempo, o outro no outro, como se um quisesse dizer pro outro: o TEU “renascentismo” acabou: Você morreu. Morri?

I can’t go on. And I won’t go on.

Beckett, que é o meu universo mais próximo, diria “but I’ll go on”. Sim, existia uma necessidade de se continuar. Mas olho em volta e me pergunto: Continuar o quê? Não há muito o que continuar.

Minha vida nos palcos acabou. Acabou porque eu determinei que os tempos de hoje não refletem teatro e vice-versa. Também não estou a fim de criar o iTheatro, assim como o iPhone ou o iPod. A miniatura e o “self satistaction” cabem muito bem na decadência criativa de hoje. Mas, se formos analisar o último filme ou CD de fulano de tal, ou a última coreografia de não sei quem, veremos que tudo é uma mera repetição medíocre e menor de algo que já teve um gosto bom e novo.

Claro, minha opção dramatúrgica sempre foi escura, sempre foi dark, se assim querem. De Beckett e Kafka aos meus próprios pesadelos, que um crítico do New York Times disse que eu ”usava a platéia como meu terapeuta”. Até que coloquei Freud como sujeito principal da ópera “Tristão e Isolda” no Municipal do Rio. Acho que o resultado todo mundo conhece.

É estranho. Até 2003, 2005 talvez, ainda fazia sentido colocar coisas em cena. Sinceramente não sei descrever o que mudou. Mas mudou.

Claro que somos seres políticos. Mas isso não quer dizer que nossa obsessão ou a nossa única atenção tenha que ser A política. Ao contrário. A arte existe, ou existia, justamente para fazer pontes, metáforas, analogias entre a condição  e fantasia do ser humano de hoje e de outras eras e horas.

Daniel Barenboim, que nasceu Argentino mas é cidadão do mundo (um dos músicos mais brilhantes do mundo), e cidadão Israelense, achou uma forma de aplicar sua arte na prática. Ele tenta, desde 2004, “provocar”, através da música, a paz entre palestinos e israelenses. Fez um lindíssimo discurso ao receber o prêmio “Wolf” no Knesset Israelense dizendo que sua vida era somente validada pela música que ele conseguia construir com jovens músicos palestinos (presos, confinados – justamente na época em que Israel construía um Muro de separação) e jovens músicos israelenses.

Não sou tão  genial quanto Daniel Barenboim e construir uma peça de teatro é muito mais difícil que abrir partituras de um, digamos, Shostakovich ou Tchaicovski, e colocar a orquestra pra tocar.

AMNÉSIA TEMPORÁRIA

Um trecho de uma sinopse, por exemplo, que escrevi quando os tempos ainda se mostravam propícios:

“E em Terra em Trânsito, uma óbvia homenagem a Glauber, uma soprano só consegue se libertar de sua clausura entrando em delírios, conversando com um cisne fálico, judeu anti-sionista, depois de ouvir pelo rádio um discurso do falecido Paulo Francis sobre o que seria a verdadeira forma de “patriotismo”. O cisne (cinismo) sempre a traz de volta a lembranças: “Ah, você me lembra os silêncios  nas peças de Harold Pinter! Não são  psicológicos. Mas é que o sistema nacional de saúde  da Grã-Bretanha está em tal estado de declínio que os médicos estão  a receitar qualquer substância, mineral ou não mineral, que as pessoas ficam lá, assim, petrificadas… cheirando umas às outras…”

Essa “petrificação” que a sinopse descreve, acabou me pegando.

“Os dois espetáculos (Terra em Trânsito e Rainha Mentira), são  uma homenagem à cultura teatral e operística aos mortos pelos regimes autoritários/ditaduras”.

Serão mesmo? Homenagens?  Não, não são. Quando escrevo um espetáculo, escrevo e enceno o que tenho que encenar. Não penso em homenagens.

“Mais do que nunca eu acredito que somente através  da arte o ser humano voltará a ter uma consciência do que está fazendo nesse planeta e de seu ínfimo tamanho perante a esse imenso universo: ambas as peças  se encontram em “Liebestod”, a última ária de “Tristão  e Isolda”, onde o amor somente é possível através  da morte e vice-versa.  No enterro da minha mãe, ao qual eu não fui (por pura covardia) uma carta foi lida (mas ela é lida  na cena final de “Rainha Mentira”), que presta homenagem aos seres desse planeta que foram, de uma forma ou outra, desterrados, desaparecidos, torturados ou são  simplesmente o resultado de uma vida torta, psicologicamente torta, desde o início torta e curva, onde nenhuma linha reta foi, de fato, reta, onde as portas somente se fechavam  e onde tudo era sempre uma clausura e tudo era sempre proibido e sempre trancado. Então, a tal homenagem se torna real, através da ficção da vida do palco”.

Pulo pra outro trecho, lá no fim do programa.

“Essa xícara esparramada nessa vitrine desse sex shop em Munique era um símbolo que Beckett não ignoraria e não esqueceria jamais. Eu também não. Sejam bem vindos a tudo aquilo que transborda. ”

Por que coloquei esse trecho de programa ai? Não sei dizer.

Liberdade poética pura ou pura liberdade poética. Ou chateação mesmo! Talvez seja um indicador do quanto estou perdido no que QUERO DIZER e ONDE QUERO CHEGAR.

Tenho que sair por aí pra redescobrir quem eu sou. Talvez nunca venha a descobrir. Posso estar vivendo uma enorme ilusão. Mas não me custa tentar. Virei escravo de um computador e virei escravo de uma agenda política imediata da qual não faço  parte. Tenho uma imensa cultura histórica. Imensa. Tão grande que a política de hoje raramente me interessa. Sim, claro, Obama. Mil vezes Obama. Mas Obama afeta o mundo inteiro. Mais eu não quero dizer.

Tenho que sair por aí pra redescobrir quem eu sou.

(nota rápida: acabo de ver o que resta do The Who, Daltrey e Townsend, no programa do Jools Holland: não tem jeito: nenhuma banda de hoje tem identidade MESMO! A garotada babava! E era pra babar mesmo!)

Sabem? Vale sempre repetir. Fui criado na sombra do holocausto entre os pingos de Pollock e os “ready mades” de Duchamp e os rabiscos do Steinberg. Isso o Ivan Serpa e o Ziraldo me ensinaram muitíssimo cedo na vida.

E… Haroldo de Campos.

Meu Deus! O quanto eu devo a ele! Não somente o fato dele ter sido o curador dos livros que a Editora Perspectiva lançou a meu respeito mas… a convivência! E que convivência! E a amizade. Indescritível como o mundo ficou mais chato e menos redondo no dia em que ele morreu. E ele morreu na estréia do meu “Tristão e Isolda” no Municipal do Rio. Haroldo não somente entendia a minha obra, como escrevia sobre ela, traçava paralelos com outros autores e criava, transcriava a partir do meu trabalho. A honra que isso foi não tem paralelos. Por que a honra? Porque Haroldo era meu ídolo desde a minha adolescência. O mero fato de “Eletra ComCreta” se chamar assim, era uma homenagem aos concretistas.

Mas ele só veio aparecer na minha vida na “Trilogia Kafka”, em 1987. Eu simplesmente não acreditei quando ele entrou naquele subterrâneo do Teatro Ruth Escobar.

Nem mesmo a convivência com Helio Oiticica foi uma coisa tão forte e duradoura.

Não posso e não vou nomear todas as grandes influências da minha vida. Daria mais que um catálogo telefônico. Já bato nessa tecla faz um tempo.

Philip Glass dá uma graciosa e hilária entrevista a meu respeito (http://www.vimeo.com/2988089). Dura uns 20 minutos. Nela, ele sintetiza, como se num improviso, tudo aquilo que os scholars e os críticos não conseguem dizer ou tentam dizer com oito mil palavras por parágrafo! Essa entrevista também está no www.geraldthomas.com ou aqui em vídeos, no blog.

Meu pai me fazia ouvir Beethoven numa RCA Victor enorme que tínhamos. E eu, aos prantos, com a Pastoral (a sexta sinfonia) desenhava, desenhava essas coisas que, décadas mais tarde (na biblioteca do Museu Britânico) iam virando projetos de teatro. Hoje, com mais de 80 “coisas” montadas nos palcos do mundo, olho pra trás e o que vejo?

Vejo pouco. Vejo um mundo nivelado por uma culturazinha de merda, por twitters que nada dizem. Vejo pessoas sem a MENOR noção do que já houve e que se empolgam por besteiras. Nem bandas ou grupos de músicas inovadoras existem: vivemos num looping dentro da cabeça de alguém. Talvez dentro de John Malcovich.  E, ao contrário de Prospero, ele não nos liberta para o novo, mas nos condena pro velho e o gasto! Até a China tem a cara do Ocidente. Ou então nos antecipamos e nós é que temos a cara da China, já que tudo aqui é “made in China”.

Sim, encontrei Samuel Beckett, montei seus textos, encontrei um monte de gente que, quem ainda não viu, não sabe ou não leu – vá no www.geraldthomas.com e se depare com o meu universo.

E gostaria muitíssimo que vocês entendessem o seguinte: quando comecei minha carreira teatral, a vida, a cena aqui no East Village era “efervescente”. Tínhamos o Village Voice e o SoHo News pra nos apoiar intelectualmente. A “cena” daqui era multifacetada. Eram dezenas de companhias, desde aquelas sediadas no La MaMa, ou no PS122, ou em porões, ou em Lofts ou em garagens, ou aquelas que o BAM importava, mas era tudo uma NOVA criação. Era o exercício do experimentalismo. Do risco.  E os críticos, assim como os ensaístas, nos davam páginas de apoio.

Além do mais, a minha geração não INVENTOU nada. Somente levou aquilo que (frutos de Artaud, Julian e Grotowski), como Bob Wilson, Pina Bausch, Victor Garcia, Peter Brook, Peter Stein e Richard Foreman e Ellen Stewart, etc., haviam colocado em cena. Faço parte de uma geração de “colagistas” (se é que essa palavra existe). Simplesmente “levamos pra frente, com alguns toques pessoais” o que a geração anterior nos tinha dado na bandeja. Mas quem sofreu foram eles. Digo, a revolução foi de Artaud e não da minha geração..

Portanto, minha geração não fará parte da HISTÓRIA. Óbvio que digo isso com enorme tristeza. Nada fizemos, além de tocarmos o barco e ornamentarmos ele.

Ah, hoje o Village Voice está reduzido a um jornal de sex ads. Sobre os teatros eu prefiro não falar. Quanto aos grupos, 99 por cento deles, não existem mais e nem foram trocados por outros. Só se vê pastiche. É o mesmo que no mundo da música: é o mesmo bate-estaca em tudo que é lugar.

Esse universo está menor que aquele que Kepler ou Copernico ou Galileu descobriram. O Wooster Group aqui fechou suas portas. Muitas companhias de teatro daqui e da Europa fecharam suas portas. E poucos jovens sabem quem é Peter Brook. Esse ano perdemos Pina Bausch e Merce Cunningham e Bob Wilson, o Último Guerreiro de pé, inexplicavelmente, viaja com uma peça medíocre: “Quartett” de Heiner Mueller, que eu mesmo tive o desprazer de estrear aqui nos Estados Unidos (com George Bartenieff e Crystal Field) e no Brasil com Tonia Carreiro e Sergio Britto nos anos 80. Heiner Mueller é perda de tempo.

E Wilson está tendo enormes dificuldades em manter  seu complexo experimental em Watermill, Long Island, aqui perto, que habilitava jovens do mundo a virem montar mini espetáculos e conviver e trocar idéias com seus pares de outros países.

Sim, o tempo semi-acabou.

Mas somente parte desse tempo acabou. E o problema é meu. Como disse antes: vou tentar sair por aí pra redescobrir quem eu sou.

Mas vai ser difícil. Sou daqueles que viu a Tower Records abir a loja aqui na Broadway com Rua 4. Hoje a Tower se foi e até a Virgin, que  destruiu a Tower, também se foi e está com tapumes  cobrindo-a lá em Union Square. Parece analogia pra um 11 de Setembro? Não, não é. Falo somente de mega lojas de Cds.

Tive a sorte de seguir as carreiras de pessoas brilhantes, ver Hendrix de perto, ou Led Zeppelin, ou dirigir Richard Wagner, e estar na linha de cuspe de Michael Jackson e de assistir ao vivo o nascimento da televisão a cabo, da CNN, da internet, dos emails pra lá e pra cá. Deram-me presentes lindos como grande parte das óperas que dirigi nos melhores palcos das casas de Ópera da Europa.

São muitas fantasias que a depressão  não deixa mais transparecer. E o que é a arte sem a fantasia, sem o artifício? É o mesmo que o samba sem o surdo e a cuíca! Fica algo torto ou levemente aleijado.

Não, não estou indo embora. Anatole Rosenfeld escreveu:

O teatro é  mais antigo que a literatura e não depende dela. Há teatros que não se baseiam em textos literários. Segundo etnólogos, os pigmeus possuem um teatro extraordinário, que não tem texto. Representam a agonia de um elefante com uma imitação perfeita, com verdadeira arte no desempenho. Usam algumas palavras, obedecendo à tradição oral, mas não há texto ou literatura.

No improviso também há tradição.”

Perdi meu improviso. Sim, perdi a vontade de improvisar.

Vou fazer um enorme esforço em me ver de volta, seja via aqueles olhos de Rembrandt ou uma fatia do Tubarão de Damien Hirst.

Óbvio que – na eventual possibilidade de um acontecimento real – eu reapareço por aqui com textos, imagens, etc. Também sem acontecimentos. Pode ser que eu me encontre no meio da Tunísia, numa tenda de renda, e resolva, a la Paul Bowles escrever algo: surgirá aqui também. Então, o blog permanecerá aberto, se o IG assim o permitir.

Sei que estou no início de uma longa, quase impossível e solitária jornada.

I’ve had the best theater and opera stages of the world, in more than 15 countries given to me. Yes,  I was given the gift of the Gods. No complaints, whatsoever. It has been a wonderful ride. Really has. Thank you all so very much. Thank you all so very very much.

Um breve adeus para vocês!

LOVE

Gerald Thomas, 7 September 2009

______________________________________________________________________________________________________



1,156 Comments

Filed under artigos

Sua Excelência Obama: a realidade que ainda assusta alguns.

Enfim, a realidade:

New York – Fico pasmo como alguns ainda tentam relutar a realidade. Não sei bem contra o que lutam, sinceramente.

Mas isso é papo para outra hora e em consultório. Em dias mais tranqüilos, volto a tocar nesse assunto, porque se formos levar até às últimas conseqüências o raciocínio lógico de algumas equações, não conseguiríamos nunca estacionar um automóvel, por exemplo, ou exercer o ato de aplaudir, ovacionar. Muitos diriam que a vaga é um pouco pequena demais ou que o carro é grande demais ou que os urros que soltamos quando estamos emocionados não passam de emoções primitivas. Pois.

Bolsas de valores nem sempre reagem no dia seguinte a uma eleição, e isso também é um fato histórico, assim como ter vasta experiência em “governar” pode provar péssimos vícios em cidades como Washington DC. Então, por que tanta pressa em julgar o nosso novo presidente?

Bem, nenhum jornal do mundo conseguiu, exceto um: o New York Times: a capa de ontem, logo abaixo do logo dizia somente:

OBAMA

Pra que dizer mais?  O Wall Street Journal, assim como todos os outros, elaboraram manchetes, quebraram a cabeça mas… como se diz aqui, o headline, de costa a costa, no centro da página…  OBAMA… era magnífico!

Criticamos uma obra de arte ou um candidato pela sua postura e oratória ou porque não entendemos ele ou ela, a obra de arte. Criticamos um presidente eleito pelo slogan que ele escolheu depois de eleito, como se isso fosse novidade na história. Devo aqui traduzir o que todos os maiores estadistas usaram como slogan para suas campanhas? Me poupem! Devo fazer aqui uma lista de todos aqueles que levaram porrada logo de cara por não serem entendidos, mesmo sem conseguirem se provar, como diria Chesterton?

Na arte a regra pode até ser não facilitar o entendimento para o público. Na política ocorre justamente o contrário e Barack Obama (para o desespero de uns poucos) conseguiu essa conexão desde o início. Ou seja, facilitou o entendimento do que quis passar. Mesmo não sendo explícito sobre o seu plano como governante, passou a sua imagem. E imagem, como todos viram…

A língua de McCain ficou embaralhada. A de Obama, no mínimo, bem-feita, educadíssima. No máximo, emocionante. Como? Culpar o povo por se emocionar? Como? Eu ouvi direito? Culpar o povo do mundo INTEIRO por se emocionar com a vitória AVASSALADORA de um cara que surgiu do nada,  de um “escurinho” (como vocês gostam de dizer), num pais RACISTA (como vocês adoram nos acusar!) depois de OITO anos de ódio pelo mundo afora… (é assim que o mundo nos enxerga). Ah… give us a break! Estamos livres. Livres, no melhor sentido da frase famosa de Dr. Martin Luther King.

Mas nem todos são santos. Jesse Jackson não estava aos prantos por emoção. Ou pelo menos não por emoção somente. Eu me lembro e Obama se lembra do que o reverendo da Rainbow Coalition e do affirmative action falou a respeito dele: aquelas lágrimas ao lado da Oprah (essa sim, essa sem dúvidas. Ela “lançou” Obama!), tinham algo de crocodilo!

Os críticos de Obama ainda pecam por se perderem na analogia das imagens, que não tem começo, meio e fim.

Prezam a lógica e, no entanto, se perdem nela.

Sabem por quê? Porque algumas coisas simplesmente  não se explicam pela lógica e sim através da emoção. Sim, sou de teatro e sei muito bem que uma cena pode estar logicamente montada (isto quer dizer, aristotelicamente, com começo, meio e fim), e não surtir nenhum efeito.

No entanto, uma ária de Wagner, um trecho de uma sinfonia de Mahler não precisam de lógica alguma, ao contrário. Chegam a ser bestiais. Brutalmente ilógicas e… justamente nesse momento soltamos o que temos de melhor! Aha! Soltamos aquele pingo de “razão trancada”, aquela razão que esta travada ali e que faz com que os tituleiros de jornal ficassem horas e horas e horas e não conseguissem orgasmificar num simples golpe: uma simples manchete. Um raciocínio simples. Dramaturgia simples e pura, sem artificios, sem sabores ou adoçantes.

Política da paixão pode ser perigosa em paises subdesenvolvidos (ou em desenvolvimento), onde existem grandes esquemas de corrupção, certo. O tema  é livre e as novelas, digo, os fatos, estão aí. Mas aqui a coisa já é um pouco diferente. Obama é o nosso novo presidente. Conversei o dia inteiro com as mais diversas pessoas possíveis aqui em NY e pelo país: foram unânimes. Por que não podemos nos dar o luxo de ENJOY, de degustar esse que acabamos de escolher?

Justamente. ENJOY Mr. Obama! And please feel very WELCOME Sir!!!! Very welcome!

Gerald Thomas

(O Vampiro de Curitiba na edição)

 

288 Comments

Filed under artigos

O Último Debate – A Última Ceia E MAIS!!!!

+ O TEXTO DO GUZIK E DO FELIPE FORTUNA E O MAPA ELEITORAL AMERICANO APOS O DEBATE!!!!!

Não parece ser o que parece ser. Mas poderia. O que vocês viram, vocês não viram realmente. Péraí! O que vocês ouviram, vocês acham que ouviram. Ah, os debates. Ah, quem conhece a estratégia deles – right, Ben Stein? Right, Paul Begalla?

Quem articula os debates presidencias são os articulistas, os press agents, os lobbyists e os (….). Aquilo não é exatamente um debate e sim uma sinfonia dos “des-ditos”. Por acaso a peça que estou tentando montar chama-se, justamente, a “Sinfonia dos Des-ditos: Kepler, parte 1”

Ah, sim, Weather Underground. Deixou pro último momento. Pena que McCain não trouxe a tona o grupo Weather Report, aquele em que tocava o Wayne Shorter e, às vezes, um brasileiro, Doum Romão. Subversivos a ponto de terem tocado junto com um terrorista austríaco e outro um cantor e compositor de nome Milton Nascimento.

A coluna de dias atrás de Frank Rich, da Oped  page, do N Y Times, estava ÓTIMA. Brincava em cima disso tudo mais que o Dario Fo brincava em cima do orgasmo adulto que escapou do zoológico.

Não, não assisti o debate. Está me fazendo mal ao fígado. Mas a enxurrada de telefonemas e emails de pessoas me contando detalhes é como se… Péraí! Como se nada. Nada mudou.

McCain está apelando, sua cara pelando, digo, Palindo. E não Sarah. A Cagada está feita. Do que se deduz: quem aponta o dedo (dedinho, como o do Lula) está perdendo. E os polls (pesquisas) confirmam isso. Só que não confio nem em polls e nem em poles (postes) (poderia falar algo sobre poloneses também, mas tenho muitos amigos em Varsóvia e em Cracóvia.)

Confio no dia da eleição! O resto é teatro, e teatro RUIM. Péssimo, aliás.

Pior do que esse que Pedro Cardoso tem nos mostrado com seu… falo moralismo, digo, falso moralismo. 

Impostos, Impostores, health care, segurança nacional, o cara lá do Weather Underground (pra quem não sabe, não perca tempo pesquisando: não eram os subversivos que a mídia quer fazer parecer: eram cartoons da Disney que mediam a temperatura dos vagões dos metrôs de Londres quando garoava lá em cima!) E olha que McCain nem mencionou The BLACK Panthers ou o Pink Panther com Peter Sellers.

Poxa, acho que teria sido o máximo o nosso POW de plantão mencionar o seriado britânico THE GOONS (onde Sellers começou) junto com Spike Milligan!

Ah, sim, o weather no underground da Northern line anda “rather stuffy!”. Por que será?

Porque eles não gostam do desempenho do McCain. Os seios dele não dão uma boa foto pra página 3 dos tablóides britânicos.

Gerald Thomas

 

Top News

 

 

 

(Vamp, na edição)

 

 

Do Blog do Alberto Guzik:

 

 

 Fui ontem almoçar com Gerald Thomas. Uma pessoa que amo e  vejo muito menos do que gostaria. Ele tem uma agenda atrapalhada, eu tenho outra, então quando ele pode, eu não posso, vice-versa. Vai daí que há meses ele tem vindo regularmente a São Paulo, mais ou menos a cada 30 dias e a gente, que se adora, mal se vê. Desta vez marcamos o almoço vários dias antes e nenhum imprevisto impediu que encontrássemos. Foi meio atribulado por conta da escolha do restaurante. Queria levar Jerry ao Kawai, o japa aqui do lado de casa. Chegamos lá, lotado. Só havia umas mesas ao sol, naquele calor etíope de ontem. Não deu. Jerry disse que não queria almoçar, só tomar chá. Estava sem apetite, arrasado, problemas no trabalho. Lembrei então de um fast food japa que abriu aqui perto, na Augusta, o Yoi. A temperatura ali estava bem mais amena, apesar do barulho da rua. E havia mesas disponíveis. Ficamos lá. Temakis. Comi dois. Estavam bons. E conversamos muito. De nós, de trabalhos, de cidades, de blogs, da crise, da crise, da crise, de ética. Contamos histórias. E Jerry a certa altura observou que para além da depressão, com a qual está lutando faz tempo, ele se sente extremamente cansado. Respondi que sei muito bem do que ele estava falando, sinto a mesma coisa. Jerry respondeu que não acredita. E argumentou: estou trabalhando muito, dando aulas, mantendo o blog, ensaiando, atuando, escrevendo montes de coisas, entre as quais um romance cuja gênese ele acompanha desde o início, e que além de tudo minha aparência é ótima. Eu poderia ter retrucado, da mesma forma, que ele também está com excelente aspecto, pele saudável, olhos brilhantes, não pára de trabalhar e tem uma vida muito mais agitada que a minha desenvolvendo-se em três continentes. Em vez de levantar esses argumentos, disse que se faço tudo isso, é porque me ocupo, me deixo aturdir de tanto trabalho, justamente para não me entregar. Não sou um trabalhador feliz e ajustado. O que faço na vida é laborterapia, pra não pirar e viajar sem volta. Por isso não paro. E Jerry também não pára. (Ele me disse ontem que há décadas não tem férias, férias de verdade. Pelo menos nosso admito que levo vantagem sobre ele. Nessas últimas décadas tive férias e fiz umas viagens bem gostosas.) Bom, no meio da conversa, quando estávamos falando dessa dor que é viver, Jerry me olhou e perguntou: “Será que isso é coisa de judeus?” Páro e penso. Estou falando com um dos homens mais inteligentes que jamais conheci, um dos artistas mais brilhantes do nosso tempo. Não é improvável o que ele sugere. Nós dois, eu e ele, temos origens similares. Pertencemos quase à mesma geração (sou dez anos mais velho que Jerry), filhos de imigrantes judeus que escaparam do massacre nazista na segunda guerra, educados entre dois mundos, estrangeiros na terra natal, estrangeiros no mundo, sempre. Pensei na figura do judeu errante, do homem sempre em busca de um pouso, de um porto. Talvez essa minha melancolia, a tristeza do Gerald, sejam atávicas. Uma condição biológica que nos condena a isso. Será? É tão plausível. A coisa pode vir em nosso DNA. Sei lá. Terminamos o almoço. Jerry precisava voltar ao trabalho para tentar resolver os problemas graves que rondam seu projetado espetáculo. Eu tinha que dar um jeito de pagar contas que venciam, já que os bancos estão em greve. Acabei fazendo isso numa casa lotérica. Há décadas não entrava em uma. Mas isso é uma outra história que fica para uma outra vez. 


PS: Obrigado ALBERTO, SO QUE TEM UM ERRO AI. O MAIS INTELIGENTE EH VC.

LOVE

G

———————————————————————————- 

POESIA E TÉCNICA: CAMPOS ALEATÓRIOS

 Felipe Fortuna

 

Encontra-se na internet (e, portanto, ao alcance de todos) a revista MnemoZine, cujo número 4 é inteiramente dedicado a Augusto de Campos: www.cronopios.com.br/mnemozine/. Tanto por sua qualidade gráfica quanto pela pertinência do material reunido (poemas, artigos, depoimentos e traduções), o exemplar virtual de MnemoZine deve ser referência para as publicações literárias que se arriscam na rede eletrônica. Editada por Marcelo Tápia e Edson Cruz, e transformada em objeto multimídia por Pipol, a revista, expandindo-se em www, faz circular a obra do poeta, crítico e tradutor como jamais se pensou: a massa pode agora comer o biscoito fino que Augusto de Campos fabrica desde a estréia, com O Rei Menos o Reino (1951).

Mas a maior circulação do poeta concretista não é tudo: a revista também apresenta textos cinéticos e se vale de recursos sonoros e visuais que trazem à poesia concreta aquilo que não se encontrava na versão impressa em papel. É o que acontece, por exemplo, com os poemas “Osso” e “Intradução: Guillotine Apollinaire”, este último uma composição lúdica e bem-humorada, no qual até a página branca, quando se cortam todas as palavras, também é degolada. Fatos inesperados, escuta-se o poeta a interpretar “Chegou a Noite”, samba composto pelo pai, Eurico de Campos, que contém o verso paulistano “lá vem a gaze da garoa”; e ainda, como em diálogo, o próprio pai a cantar “Samba Concreto”, de sua autoria, no qual garante que num quadro (e não num poema, note-se) feito segundo os princípios do concretismo “havia 100% de expressão e sentimento”.

 O importante conjunto de MnemoZine agora se junta à reunião de ensaios organizada por Flora Süssekind e Júlio Castañon Guimarães em Sobre Augusto de Campos (2004), concebida em torno de seis grupos temáticos, entre os quais “Poesia e Técnica”. Em vista das possibilidades abertas à criação artística pelas tecnologias digitais e pelos meios eletrônicos de divulgação, de que tanto se vale a mencionada revista literária, o tema “Poesia e Técnica” revela-se de fato produtivo para uma discussão sobre um aspecto da poesia de Augusto de Campos. Aproveita-se também uma coincidência: a professora Lucia Santaella escreveu um ensaio em MnemoZine (“A Invenção Viva da Poesia Concreta”) e outro ensaio no citado livro (“A Poética Antecipatória de Augusto de Campos”). Em ambos, defendeu a tese de que “a poética de Augusto de Campos é aquela que mais coerentemente permaneceu fiel a seus precursores como Mallarmé, Cummings, Pound, e à própria poesia concreta de que foi fundador e participante. Por isso mesmo, é a poética que antecipou e, no seu desenvolvimento interno, sempre em progresso, veio, ela mesma, desembocar na poesia digital contemporânea.”

 É difícil aceitar a integralidade das afirmações acima. A professora aponta, primeiramente, o paradoxo da fidelidade de Augusto de Campos aos princípios ortodoxos do concretismo, que teria conduzido a obra à forma mais atual de poesia (e acrescenta: “por ironia inesperada para os críticos”). Lucia Santaella seguramente não considera o recorte realizado pelos poetas concretos, pela via do paideuma, para assegurar em Mallarmé, Cummings e Pound aquilo que tinha serventia às idéias fixas do grupo: apenas uma parte da obra, escolhidaà la carte. Ao mesmo tempo, persegue o tipo de evolucionismo histórico-literário criado pelo grupo de poetas concretistas – e não apenas por Augusto de Campos – para explicar a poesia que produzem. Sobre o autor, informa que “sua produção poética avançou pari passu,sincronizando-se com o potencial apresentado pelas novas tecnologias”. Por isso mesmo, mencionam-se as palavras “progresso” e “desembocar”: a primeira, com a noção distorcida de que se atingiu um patamar superior ou que o mais moderno é o melhor; a segunda, com a insistência num processo de desenvolvimento (que existiu na ilusão de todos os planos-piloto) que tem um resultado final ou um ponto de chegada.

 Mais incongruente ainda é a afirmação de que Augusto de Campos produziu uma “poética que antecipou” a poesia digital contemporânea. Alguns poemas concretos, como “Osso” e “Intradução”, ganharam elementos de visualidade graças às novas tecnologias – mas, infelizmente, na velocidade e na direção que oferece o poeta ou o editor, e não mais nas que o olho do leitor captava ao abrir uma página. Do suporte do livro para o suporte digital, como se vê, há perdas e ganhos. O que falta na argumentação é um sopro de dialética: um artista ou um crítico deveria ficar alerta para a imprevisibilidade e mesmo para as mutações (e não o progresso) que as técnicas impõem sobre o ser em todas as suas atividades, e não apenas as poéticas. Ao tratar das interações entre tecnologia e literatura, Hugh Kenner, emThe Mechanic Muse (1987), soube interpretar que “a tecnologia tendeu a subjugar as pessoas gradualmente, forçando-as a um comportamento do qual não faziam idéia. E ela alterou os seus mundos, de tal modo que um datilógrafo de 1910 não poderia ter imaginado como a sua contraparte de 1880 costumava passar o dia.”

A tecnologia tem a capacidade de alterar os sentidos, sem perder ambivalências e casualidades. O objeto verbivocovisual, por fim, é um ato de criação com fundas repercussões para a literatura, e Augusto de Campos começou a produzi-lo com a tecnologia existente à época: primeiramente, os recortes de letras e palavras impressas nas revistas; em seguida, as folhas de plástico do Letraset. Tivesse escrito seus argumentos nos anos 70, Lucia Santaella afirmaria que o seu poeta antecipou a técnica do decalque a seco!

Por outro lado, talvez haja interesse em distinguir os poemas que, posteriormente, ganharam aspectos inovadores com o uso da técnica digital daqueles poemas que foram diretamente concebidos com os novos recursos. Aplique-se tecnologia digital, por exemplo, a qualquer um dos poemas visuais portugueses do século XVII – e decerto seria obtida outra antecipação.

O poema “SOS”, um dos mais bem realizados de Augusto de Campos, foi publicado emMnemoZine do mesmo modo como está impresso no livro Despoesia (1994). Consulte-se, no entanto, www2.uol.com.br/augustodecampos/clippoemas.htm: ali, “SOS” ganha cor, movimento e som, e se transforma, ao que parece, em outro poema, igualmente extraordinário. O que a tecnologia fez foi transformar ambos os poemas em dois objetos distintos, impulsionados pelos sinais de desespero e de solidão que acompanham cada um de nós desde sempre.

 

 

252 Comments

Filed under artigos

Depois do Debate: leia no fundo desse texto: nota do NYTIMES!Abbey Road vista de Miami: John (McCain), Paul, Obama e Ringo???

Samba Final

 

(Estou cego de verdade)

 

Miami- South Beach.

 

Quando quero dar um pulo para fora de mim mesmo e ver o mundo de fora, venho para cá. Por quê? Porque Miami não existe! Amo essa milha e meia do Ocean Drive, aqui no Art Deco District.

Amo essa total liberdade de TUDO num dos estados mais conservadores. E fiz questão de fazê-lo, a poucas semanas das eleições, justamente na noite ou no dia em que, AFINAL, teremos o tal debate entre McCain e Obama, do qual o primeiro tentou escapar.

 

Ontem, na Casa Branca, McCain deferia qualquer pergunta a seu financial advisor. Obama foi lá, convocado por Bush, o que eu também acho um absurdo. Mas á essas alturas o que eu não acho um absurdo? Só falta o Hugo Chavez aparecer aqui em Miami e dirigir um táxi! Enfim, Obama laid out. Como se fala? COLOCOU seu plano durante 40 mintutos.

McCain Calado.

 A CNN capitalizou: eles levarão o debate para as TVs do mundo e não mais somente à ABC.

 

SINFONIA dos DES-DITOS 3

 

Capa do New York Times de hoje, vista de Miami, é muito engraçada.  Aqui, do meio de las putchas, do meio desse caos fantástico que amo, mi-amo, e onde a mansão de Versace virou um private hotel (o que será um “private hotel”?  Hummmm…), a foto de Obama e McCain andando PARECEM meia ABBEY Road, ou seja, Half Beatles.

Já que só restam dois deles mesmo, será que a semiologia está implícita?

Paul MacCartney

Ringo

John (McCain)

Barack

 

Eles não estão andando numa “zebra Crossing” e nem estão em West Hampstead ou em Kilburn ou sequer estão no mesmo lugar. Mas me faz pensar.

Me faz pensar que há 20 anos atrás, quando meus nervos não estavam tão a flor da pele ainda, mas a pele recebia mais flores do que hoje… eu escrevi e montei um espetáculo chamado “Movimentos Obsessivos e Redundantes para Tanta Estética”: M.O.R.T.E.

 

Bete Coelho, Damasceno e Edílson Botelho, e um enorme elenco de brasileiros, levaram ele para o mundo. Até para Taormina fomos, Zurich e o escambau, fomos.

 

Ele era uma homenagem àquele que amarra e sufoca TUDO, embrulha tudo como se fosse um PACOTE, o artista Christo. E, dentro da peça, o personagem principal ouvia um relógio tic- tac dentro de um outro ser grávido. Era um homem- bomba quando ainda não tínhamos homens-bomba, que horror! Esse personagem principal (na primeira versão, Bete Coelho, segunda, Edi Botelho), era um escultor que não conseguia esculpir. Por quê? Porque as pedras em que tinham que esculpir já estavam embrulhadas por pano pelo CHRISTO, o embrulhador.

 

Paralelo com a política, total!

Paralelo com Hamlet, total: todos os personagens eram Hamlet, Ofélia, etc.

Aqui vai, de MIAMI (lembrado por Marina Salomon), o trecho final, o SAMBA FINAL que encerrava o espetáculo:

 

Quem faria isso comigo?

Olhe fundo nos meus olhos e diga!

Aqui? Um universo?

Os de cima, os de baixo?

 

Os menores erros… EU DISSE

Os menores erros EU DISSE

EU DISSE!

LUZ!

SOM!

Palavras!

Mas do que valem?

Nossos poetas estão mortos

Nossa musica não tem heroísmo

 

Nos não temos corpos, somos fracos, somos rasos

Nossos casos, moribundos.

Julgamentos: cada caso, um acaso.

Nossa obra, uma obra do acaso total.

 

CLAMO!

EU DISSE

 

CLAMO!

 

Que me acordem se eu estiver dormindo

Minha angustia, meu espírito!

 

CONVOCO!

 

EU DISSE!

CONVOCO!

 

Uma NOVA geração de criadores!

Que se afunilem

E que se intoxiquem

E ouçam os lamentos das cidades!

Que se estrangulem, mas achem a geometria das cidades!

 

CONVOCO!

EU Disse. Convoco. Um novo Parangolé Brasileiro!

 

E Que chova sobre a NOSSA POESIA!”

.

 

Não faço mais teatro. Faço ópera. Ópera seca. Há anos digo isso e há anos faço isso. Só que agora mais do que nunca.

Estou constrangido pela falta de pensadores no mundo. Constrangido pela falta de loucos, obcecados, visionários. Parece que só existem os políticos e os que entretém os políticos com shows ou com consentimento. O nojo nacional é, antes de mais nada, um nojo cultural. E não adianta centralizar informação e distribuir verba. Isso vira FBI sangrento e burocrático e, para minha infelicidade, não parece mais ópera.

 

M.O.R.T.E.

 

(Movimentos Obsessivos e Redundantes pra Tanta Estética), há mais ou menos vinte anos.

 

Desabafo – espetáculo de Gerald Thomas com a Cia. de Ópera Seca de 1990, endossado em South Beach em Sept 2008.

 

 

(Na edição, O Vampiro de Curitiba)

 

PRATICAMENTE ACABOU O DEBATE: DEPOIS COMENTO: TÉCNICAS BÁSICAS DE DEBATE: McCAIN: EU ESTIVE MAIS TEMPO AQUI. EU CONHEÇO AS TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS MELHOR MEU FILHO, GAROTO, “O QUE O GAROTO (OBAMA) NAO PARECE QUERER ENTENTER (what the Senator doesn’t seem to be able to understand) over and over and over.

ESSA É A TATICA

NÃO OLHAR NUNCA NOS OLHOS DE OBAMA

RIR SEMPRE NA HORA DA RESPOSTA DO OUTRO

É ISSO

SERÁ ISSO

E PROVAVELMENTE SERÁ ELEITO

FALO DE McCAIN, o Quarto Beatle. Não falou dos Weapons For Mass Destructions no Iraq que não existiam, não falou do massive tax break pra elite, não falou que o Irã era mais enfraquecido com a presença de Saddam Hussein.

SÓ TEM UM PROBLEMA: MCCAIN ESTÁ AQUI HÁ MAIS TEMPO, SIM!

MCCAIN ASSINOU MAIS ACORDOS SIM!

E JUSTAMENTE POR ISSO

JUSTAMENTE PORQUE FEZ ISSO E AQUILO

JUSTAMENTE PORQUE CONHECE AS ENTRANHAS DOS MECANISMOS

É QUE ESTAMOS NA MERDA EM QUE ESTAMOS!

É QUE ESTAMOS NA MERDA EM QUE ESTAMOS!

É QUE ESTAMOS NA MERDA EM QUE ESTAMOS!

Mas é assim!

Chega!

GT

 

 

 

 

Do New York Times de sábado:

 

 

The two men met for 90 minutes against the backdrop of the nation’s worst financial crisis since the Great Depression and intensive negotiations in Congress over a $700 billion bailout plan for Wall Street.

Despite repeated prodding, Mr. McCain and Mr. Obama refused to point to any major adjustments they would need to make to their governing agendas — like scaling back promised tax reductions or spending programs — to accommodate what both men said could be very tough economic times for the next president.

For the first 40 minutes, Mr. Obama repeatedly sought to link Mr. McCain to President Bush, and suggested that it was policies of excessive deregulation that led to the financial crisis and mounting economic problems the nation faces now.

“We also have to recognize that this is a final verdict on eight years of failed economic policies promoted by George Bush, supported by Senator McCain — the theory that basically says that we can shred regulations and consumer protections and give more and more to the most and somehow prosperity will trickle down,” Mr. Obama said. “It hasn’t worked and I think that the fundamentals of the economy have to be measured by whether or not the middle class is getting a fair shake.”

Mr. McCain became more animated during the second part of the debate, when it shifted to the advertised topic: foreign policy and national security. The two men offered strong and fundamentally different arguments about the wisdom of going to war against Iraq — which Mr. McCain supported and Mr. Obama opposed — as well as how to deal with Iran.

More than anything, Mr. McCain seemed intent on presenting Mr. Obama as green and inexperienced, a risky choice during a difficult time. Again and again, sounding almost like a professor talking down to a new student, he talked about having to explain foreign policy to Mr. Obama and repeatedly invoked his 30 years of history on national security (even though Mr. McCain, in the kind of misstep that no doubt would have been used by Republicans against Mr. Obama, mangled the name of the Iranian president, Mahmoud Ahmadinejad, and he stumbled over the name of Pakistan’s newly inaugurated president, calling him “Qadari.” His name is actually Asif Ali Zardari.).

 

 

PS. do Vamp: Sobre o ocorrido: Um vagabundo entrou com nicks de outras pessoas e postou comentários em nome das mesmas. Todos sabemos quem é o vagabundo. Aqueles que deram o e-mail para o vagabundo terão que mandar um e-mail diferente para o Gerald e só comentar aqui no Blog com o e-mail novo. É o preço a pagar por não saberem escolher amizades. Quanto ao vagabundo: Eu sei quem é ele. Ele sabe que eu sei. Eu sei onde encontrá-lo. Ele não imagina quem eu seja. O mundo dá voltas, mas é na reta que resolvemos nossas diferenças.  Não hoje, não amanhã, mas resolvemos!

184 Comments

Filed under artigos