Tag Archives: Muro de Berlin

Descascando Animais

DESMEMBRAMENTOS, ou o Auschwitz dos Animais.

.

New York – Com uma câmera escondida filmaram animais, cuja pele era  retirada enquanto ainda todos  vivos. Dizem que é para permitir um corte limpo, depois as carcaças são jogadas em pilhas ainda vivos e por mais ou menos 10 minutos o coração bate e olhos piscam e as patas dos cães tremem. Leram o que está escrito? Cães! Não bastasse o post anterior expor a matança absolutamente cruel e desnecessária de pequenas baleias e golfinhos na Dinamarca (ritual de passagem, my ass!), agora estamos lidando com cachorros mesmo. No vídeo vemos um que levantou a cabeça e fixou os olhos ensanguentados direto para câmera. Pessoalmente, isso me derruba. Pessoalmente, se eu pudesse, eu mataria, sem a menor compaixão, os (não) humanos que cometem esses crimes contra esses seres.

O vídeo que se segue é de uma violência dolorosa. Os seus silêncios atingem no fundo cada um de nós.

 

Pledge to go fur-free at PETA.org.
 

Ontem à noite, por acaso, vi um documentário sobre Marcel Duchamp. Aquele que mais amo, que mais admiro, que riu de tudo, que desmembrou tudo há exatos cem anos! Não houve mais “arte” depois dele, no entanto não entendemos mesmo a mensagem: e o que fazemos? Arte. Ou pensamos que fazemos. Duchamp, sua musa brasileira, a embaixatriz brasileira Maria Martins, em seu longo affair, seu Large Glass: uma declaração de amor ao celibato e à sacanagem, dependendo de qual parte do vidro se quer ver.

Por que eu trouxe Duchamp pra dentro disso? Porque ando numa fase sem muitas explicações.

Assim como deveria ou poderia estar hoje escrevendo sobre Woodstock. Ainda escreverei o meu ÚNICO dia lá, debaixo de chuva.

Quanto a essa matança de animais, voltamos atrás. Digo, viramos a ser cruéis como éramos (na escala da evolução, estamos no ZERO). E quando penso que levei meu pai pra subir as pequenas e improvisadas escadas de madeira no lado de Berlin Ocidental, que olhavam pra Berlin Oriental, por cima do Muro (o que, indiretamente, acabou causando sua morte), não consigo viver bem dentro dessa minha pele.

Olhando direto para dentro da câmera… .


Gerald Thomas

.

.

(Vamp na edição)


598 Comments

Filed under artigos

Drogas: Qual é a Sua, Companheiro?

 

New York – Um mágico está no palco serrando uma mulher ao meio ou saindo de um cubo onde ficou durante 40 dias sem comida, como David Blaine, por exemplo. A platéia está “entorpecida”.  Ou uma banda de rock está em seu solo de guitarra, ou a marcha fúnebre de Siegfried em “O Crepúsculo dos Deuses” (última parte do “Anel dos Nibelungos”), de Wagner, está “inebriando” o público do Metropolitan Opera House. Ou mesmo um primeiro leitor de “Metamorfose” chega ao final da primeira página e sente um calafrio e um engasgo orgástico quando descobre que Gregor Samsa, o homem, se transformou num enorme inseto.

 

Nossa arte, nossa existência, a analogia do que somos pode ser – sempre – comparada, através de nossa longa história, a uma droga ou outra.

 

Mas a droga (seja ela qual for) continua sendo tabu. E como tabu, ela continua sendo sempre usada. E sempre usada, continua sempre sob repressão! Por que será? Quem lucra? Quem ganha? Quem perde?

 

Desde que me entendo por gente as pessoas em minha volta fumam maconha, se injetam com “coisas”, fazem surubas, etc.. Lembrem-se: sou da geração da década de 60, plena celebração da contracultura, anti-Vietnam,  Woodstock e Hendrix e Joplin. A geração que ficava horas e horas pro Filmore East abrir, aqui na 2 Avenida. Ou, em Londres, o Marquee na Wardour Street, pra ver o Cream, Yardbirds,  ou sei lá quem tocar.

 

Sim, pessoas caindo, caídas, o surgimento do Punk Rock, Johny Rotten, Sid Vicious vomitando na platéia, os ídolos se cortando com gilete sem saber tocar um único “tune” e se jogando de corpo e alma em cima do próprio público em pleno delírio.

 

Ainda me lembro de ver o MC5 dar uma paradinha em seu show, em Londres (início dos anos 70) pra que John Sinclair pudesse sair de cena pra se picar. “Hang on while I get my fix”. Horas se passavam. Assim como a Banda Vitória Régia tocando no palco enquanto o Tim Maia parecia ter mais o que fazer no camarim.

 

Heroína, Maconha, Cocaína. Crystal Meth, Metadona, Special K, GHB, Mother’s Litlle Helper’s (Queludes) , Uppers, Downers, Meta-anfetamina, crack, chá de cogumelos, mescalina, ecstasy e tantos outros (é só entrar na página do falecido Timothy Leary pra ver, inclusive, a relação entre um e outro e do outro com o outro).

 

Eu não sou muito disso. Aliás, não sou nada disso, exceto a coca (pra fins sexuais), que  usava recreativamente. Mas já foi a época. Consegui, essas décadas todas, me manter longe do Smack (heroína) e do álcool e de todas as outras. Como, não sei. Todo mundo em minha volta dando voltas, cambaleando.

De vez em quando um e outro iam pro cemitério, por causa disso ou daquilo. Quando não era o destino final, era aquela paradinha antes, o Pinel. “Sujeito pirou”. É, sujeito misturou tudo e nunca mais voltou. Comum ouvir isso na década de 70, início dos 80.

 

Mas isso era então. Hoje…

 

Hoje caiu TUDO nas mãos da bandidagem. Isso deu um ar, um estigma, horrendo à “coisa”.

 

Além do mais (ainda voltando no tempo), na minha pós-adolescência ainda fui ser motorista de ambulância, pro Royal Free Hospital. Antes disso, meu posto era pegar os junkies em Piccadilly Circus, a estação de metrô, lá em baixo: famílias inteiras com seus cachorros: eram esqueletos humanos: pele sobre osso, dentes podres e braços infectados (tracks), pelas agulhas, e levá-los pra Tooting Recovery Center, onde lhes davam metadona.

 

Dia seguinte estavam lá os mesmos junkies “scoring”. Conseguiram fugir. O governo inglês tinha um programa em que a Boots (a rede de farmácias mais conhecidas na Grã- Bretanha) que ficava aberta em Picadilly Circus, fornecia certa quantia, com agulha limpa, de metadona, ao junkie que entrava lá trêmulo. A fila era enorme!

 

Cigarro, nicotina, álcool, tudo a mesma merda. E falam em legalizar? Tenho lá algumas coisas a dizer.

 

Se legalizarem a cocaína… Digam-me uma coisa: ótimo, o controle estaria com o governo. Maravilha, acabaria a bandidagem. Afinal, o que determina o consumo é a demanda. Mas existe uma coisa horrenda chamda CRASH ou caminho de descida, ou quando o sujeito entra em abstinência, ou seja, quando as fileiras estão se acabando. E aí??? O que ele faria??? Ás 5 da manhã?

Metralharia o farmacêutico pra conseguir mais ou iria arrancar o médico de sua cama com brutalidade para conseguir mais uma receita médica?

 

Existe algo ILÓGICO nessa equação quando falamos em legalizar drogas pesadas.

 

Maconha? É erva. Na Holanda já deu certo e até a Califórnia já tem programas para legalizar! Esquece a maconha. Cigarro faz mais mal. A maconha (THC) deixa a pessoa sem memória e com certa imbecilidade através da vida. Ambição? Todas elas DESTROEM com o tempo! TODAS.

 

Paulo Francis, por exemplo, não era nem um pouco hipócrita a respeito do uso de drogas. Aliás, é isso (entre tantas outras coisas transparentes a respeito de sua personalidade) que o torna gênio: Francis admitiu experimentar e até usar com freqüência o “speedball” (mistura de heroína com cocaína).

 

HIPOCRISIA

 

Ninguém mais cabe em suas peles. Ninguém mais cabe em suas gavetas. Ninguém mais cabe em seus papéis. É como se fôssemos um bando de atores com papéis mal distribuídos. Um Pirandello às avessas. “Assim não é se não lhe parece” deveria se chamar a sociedade do século XXI.

 

TODAS ou quase todas as famílias estão ou são disfuncionais. Mas não é de hoje!Desde que o pai estuprou as 5 filhas e as engravidou ou o pai virou mãe e a mãe virou lobisomem e os ditadores mandaram a população para as câmaras de gás ou para os gulags ou para as guilhotinas, nós aqui, os números, nos sentimos impotentes e tentamos reagir “tomando” alguma coisa que nos faça sentir superiores.

 

SIM,  nascemos tortos. E morreremos mais tortos ainda. Seria lindo se a sociedade aceitasse isso e parasse com a hipocrisia das aparências!  Adoramos nos subverter.

 

Milhares morreram durante a lei seca. Depois, de repente, a lei seca foi revogada. E os milhares de destiladores caseiros que morreram? É mais ou menos como o muro de Berlin: de pé por 28 anos, 150 mil morreram tentando atravessá-lo. De um dia para o outro, o Muro cai. E os milhares de mortos?

 

Não, não faz sentido.

 

Em “Tristão e Isolda”, Wagner introduz o elixir da morte que vira o elixir do amor. Nada mais do que uma droga, coisa de bruxaria para, inicialmente, matar  Tristão, mas que acaba por deixar o casal LOUCO de amor e tesão um pelo outro até o amor/morte (Liebestod), tema final da lindíssima ópera que dirigi duas vezes.

 

Freud usou a cocaína pra fazer seus pacientes falarem. Alguns travaram. Outros falaram tanto que acabaram por dar câncer no céu da boca do mestre da psicanálise!

 

O fato é que adoramos colocar um pé na lama e outro na merda. O problema a ser discutido e o papel da JUSTIÇA perante tudo isso.

 

O Afeganistão esta produzindo mais papoula do que nunca. Sim, a morfina é derivada da papoula e tem fins medicinais. O paciente precisa ser anestesiado. Fazer o quê? Plantação controlada? Não me faça rir!

Já diziam a mesma coisa na Bolívia sobre a coca e a Coca-Cola. Ora bolas!

 

O queijo? Não, não sei por que o queijo entrou aqui. O queijo não é droga.

 

E, sim, de quando em quando temos as “estrelas caídas”, como Fábio Assunpção ou Vera Fischer e ou os rock stars que morrem de overdose. Faz parte do nosso orgasmo. É o jogo do trapezista sem a rede embaixo. Afinal, que graça tem o circo com rede?

 

Pois é: A “brincadeira” com as drogas nada mais é do que um significativo jogo com a morte como aquele jogo de xadrez em “Morangos Silvestres”, de Ingmar Bergman. E desafiar a morte é o nosso “motto” diário, como diria Malone, personagem de Beckett, que morre desde o início do romance. Malone Morre (que dito em inglês soa ainda melhor: ‘m alone dies: sozinho morro). Portanto nos colocamos no lugar dos Freddie Mercuries, dos Cazuzas, das Cássias Ellers, ou dos Hendrixes e outros heróis que morreram de overdose. Pelo menos eles não cultivaram o vício da hipocrisia de sorrir pra cara do consumo do “bonitinho” e descascaram e desconstruíram o que há de disfuncional em nós! É assim que somos, nós os pecadores!!!!

 

Enfim, o assunto é delicado. Já perdi amigos e amigas por causa de tudo isso. Sinto-me AMBÍGUO, pra dizer o mínimo, quando se trata da legalização.

 

O queijo? Não, o queijo nada tem a ver com este artigo.

 

Mas a vaca tem!

 

 

Gerald Thomas

 

 

 

(O Vampiro de Curitiba na edição) 

 

  • 01/06/2009 – 10:22 Enviado por: O Vampiro de CuritibaQuero fazer um parênteses aqui. Especificamente sobre a maconha. Não escrevi a respeito pois não tenho, ainda, uma opinião formada. Claro, sou a favor de penas duras para traficantes e controle rígido sobre as drogas. Mas me parece que a maconha deveria ser tratada de forma distinta das demais drogas. Este é um debate que está acontecendo no mundo todo, aqui no Brasil não é diferente. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de forma corajosa, vem pregando a descriminação do uso da maconha. Eu tendo a concordar com ele. Sejamos honestos: Vocês conhecem alguém que deixa de fumar maconha por ser proibida? Oras, aqui em Curitiba, como em todo país, é mais fácil comprar maconha do que cigarro. Eu prefiro que os jovens comprem maconha (vão comprar de qualquer jeito) na farmácia do que com traficantes, nas favelas. O que vem acontecendo em muitas familias, é que os próprios pais de muitos adolescentes se encarregam de eles próprios comprar a erva pra seus filhos, evitando, assim, o contato destes jovens com os mundo do crime. Mesmo assim, a maconha “batizada” com todo tipo de porcaria, sem controle algum, é um problema sério de saúde pública. Se fosse legalizada, vendida em farmácia, controlada pelo Ministério da Saude, devidamente taxada de impostos, seria muito mais conveniente com nossos tempos. Do jeito que está, nem falar a respeito é possível sem estar incorrendo em CRIME de apologia ao uso de drogas. Acho que devemos debater esse assunto sem hipocrisias.
  •  
  • 489 Comments

    Filed under artigos

    ATAQUE O TIO SAM: ELE TEM A TUA CARA!

    Um som estranho me acorda. Não, não é um som e sim um sonho. Sonho que meu pai está em pé em frente a um muro abrindo um papel e, de frente ao muro, aos berros: “PAREM COM A TORTURA ! ! !”

    Acordo num estado lamentável e agitado. Meu pai berrando aquilo? Algo sobre a tortura? Logo ele?

    Sim, ele não viveu para ver o Muro cair. Não viveu para ver aquele Muro que dividiu a sua Berlin ao meio, ou melhor, que cortava sua Berlin ao meio, como se fosse uma faca, cravando um sinal de um médico legista num corpo morto. Morto pôrra nenhuma! Uma cidade viva com milhões de habitantes divididos por….

    Sim, divididos porque partidos políticos, digo, homens políticos, digo, seres da política, sentaram em volta da mesa e decidiram: “Vamos serrar Berlin ao meio: os Russos ficam com essa parte e os ingleses, franceses e americanos com essa aqui!”

    Corte!

    O Federal Bureau of Investigation (FBI), o NIS  e o Homeland Security divulgaram uma nota dizendo que o número de imigrantes ilegais nos Estados Unidos estava ultrapassando os 24 milhões. Isso agora, no mês de julho.

    No passado muitos chegaram a Ellis Island porque não tiveram alternativa: seus países foram bombardeados, invadidos, currados pela limpeza étnica. Ou tiveram um levante “moral e cívico” ou político.

    O que vem  a ser isso? O que vem a ser um partido político?

    Para mim, a última pedra e/ou partido caiu junto com o MURO depois que a pessoa de número 150 MIL foi assassinada por tentar fugir da DDR (ex-Alemanha Oriental).

    Pergunta: por que os regimes ditos “paraísos do proletariado” MATAM aqueles que querem escapar (Coréia do Norte, a ex-“cortina de ferro”, etc….) enquanto as chamadas democracias “neo-liberais” não se importam se alguém, por acaso, se muda pra putaquepariu?

    Pra que o exercício da forca (com cedilha e sem) até hoje?

    Ideologia é uma coisa tão linda, não é? Mas a sua prática mata. Simples!

    O anti-americanismo é lindo, tudo bem. Deve-se ser o que quiser. O engraçado é que na primeira oportunidade possível estão TODOS aqui: o ORIENTE MÉDIO INTEIRO aqui; a AMÉRICA LATINA inteira aqui. Todos lambendo o chão de Tio Sam… E estão aqui falando asneiras:  “Eu?Jamais disse isso! A América é maravilhosa! Olha só como existe a liberrrrdade, meu! Porra!”

    Partido político: um bando de gente seguindo UM. Ou dois. Segue-se um estatuto. Sai-se com uma “resolução” para uma “revolução”, mas raramente se faz alguma coisa. Prática? Dá muito trabalho! O negócio mesmo são as reuniões! Muito mais engraçado é ficar latindo jargões de esquerda, direita, as velhas, digo, VELHAS FÓRMULAS, que dividiram a cidade do meu pai em duas: e daí?

    Olho o time olímpico americano,  dito americano.

    Olhem só, prestem atenção em seus estranhos no ninho, como eu. Antes de observarem qualquer coisa, o que vocês enxergam?

    Ah, perceberam, não é? Um deles tem um sobrenome eslavo, não é? Deve ser filho de imigrantes RUSSOS. O outro é filho de romenos e o terceiro é filho de paquistaneses. E para que a ficha caia por inteiro: o quarto AMERICANO é um CHINÊS (de volta à própria pátria de onde seus pais FUGIRAM). Que tamanha ironia! Filho de chineses que vieram para cá num porão de navio porque não agüentaram a pressão, a opressão, a repressão daquela menstruação! Mas quem nota isso?

    Para aqueles que latem “TIO SAM está no fim (já está no fim há 50 anos), o IMPÉRIO AMERICANO está despencando”. Querem saber o que mais? De onde vem a sua atitude ou postura? De onde aprenderam ou apreenderam aquilo que berram? E o ódio que nutre o leite negro de Paul Celan e a frustração que projetam? Onde nasce tudo isso? No grande ABC paulista? E se as multinacionais NÃO estivessem lá pagando os MÍSEROS salários? Como seria   LINDO você,  Brasil! Estaria melhor, como a Albânia de Enver Hodjia?

    Sem a Johnson and Johnson vocês certamente seriam mais felizes, não? Claro que sim!

    Triste ver meu pai diante do Muro, pois ele jamais pôde supor que 5 anos após a sua morte aquilo tudo viria abaixo. É Papi, políticos são assim! Ninguém respeita ninguém! Nem Bush nem Stalin, nem Putin ou os filhos da Putin. Um dia é lei seca, outro dia liberam a bebida. E tudo porque aqueles que GOSTAM de ter PODER e usar o CHAPÉU não têm uma ideologia “per se”: o que está em jogo ali é poder mandar e DESMANDAR. E bota Krap – to –nita nisso!

    Chama-se de “ECOssistema da degradação”!

    Kim Lee, aqui da esquina, um verdureiro, escapou da Coréia do Norte. Tem uma venda que fica aberta 24 horas. Assim como eu, ele também sonha à noite e também tem pesadelos.

    Como vai, Kim?”  

    “Vou bem! Passei mais um dia na terra que fui orientado a odiar e… a cada dia a amo mais!”

    Nessa confusão chamada “terra de imigrantes” uma coisa é certa: aqui rola a prática. Práxis. Como em sexo, imagine ficar somente na punheta a vida inteira imaginando. Que horror seria! Agora, imagina um grupo de pessoas que, a partir da prática da punheta, decretassem as leis restringindo TUDO para aqueles que ainda tivessem alguma chance de praticar o sexo!

    E essa é uma das coisas que os teóricos retardados dos livros das ideologias falidas não possuem. Berrem! Berrem mesmo! Usem o gargalo, já que mais vocês não têm!

    Mas pode parar de berrar, papai. O Muro de Berlin caiu. A tortura… continua! Ela é intrínsica à raça humana. Está embutida em nossa (in)consciência.

    Gerald Thomas

    (Vamp na edição)

    235 Comments

    Filed under artigos

    Parte 9 da BlogNovela – a primeira novela pela internet

    Parte 9 da BlogNovela – a primeira novela da internet

    “Angústias, paradeiros Germânicos, Britânicos e uma britadeira na mão (a Brit, half a pint), sem buraco algum para ser aberto. “Um ser em aberto”

    Refeito do desmaio, Gerald está, de fato, no palco do Bayerisches Staatschauspiel. No mesmo Cuvilies Theater onde, em 89, montou seu “Sturmspiel”, e em 90 – um mês e meio após a morte de Beckett – sua versão de “Warten auf Godot”. Pega um celular da T-Mobile da produção e liga para amigos em todas as partes do mundo. Liga tambem pra Dra. Paloma, agradece profundamente, e ouve o que não queria ouvir.

    “Como assim Paloma a traveca era o…..? O Dylan? Mas…como assim?”

    Paloma – “Fique tranquilo. Meu fone está sendo…grampeado. Estou usando um código porque você ainda não está bem. Não é exatamente o Dylan, “O” Bob per se, entende? Mas trata-se de um Zimmerman”… depois a gente fala com mais calma. A sala de espera aqui tá com mais de 180 pessoas me esperando por causa do tempo que eu perco com você, Gerald, agora que voce esta de pé, se vire!!!”

    Abruptamente a ligação é interrompida. Com seus botões, zípperes e o pouco que sobra de sua mente, o autor perambula pelo palco daquele teatro barroco, rococó, e fica murmurando “Zimmerman (homem do quarto, homem do quarto) Zimmer Man” como se fosse um mantra, algo hipnótico.

    Um parágrafo do episódio passado, antes do desmaio ainda martelava, BRITadeirava a sua cabeça:

    “Ainda sentado na cama, sabendo que a autópsia da Paloma havia sido concluída, o autor estava aflito pra saber qual era, de fato, o instrumento da morte fake, se era no mais remoto estilo Orson Welles ou algo como nos filmes de John Waters. Afinal, era ou não um bafômetro, e se era, quem o colocou lá ou que tipo de fetiche era esse? Quem era o criminoso?” E aquela coisa toda com a Amy Winehouse? E aquele bilhete: “you are strapped, you are gagged, hooded and bounded to fail (e continuando em português) um garoto cego te entrega uma flor, e sai correndo e você sai correndo atrás dele. De repente os dois param.”. Wow. Que animador. Nada tem conclusão.

    O seu production stage manager, um francês , querendo ser simpático (isso em si uma anomalia, um paradoxo, um oxímoro, um cunudrum) vem tentar tirar o autor do transe, e tenta comentar a última partida de Wimbledon entre Federer e…. o autor explode:

    “Genet c’est pas!” (oops!). Genet? J’adore Genet mais je déteste le tennis! Je deteste le sport e me ‘sivuplaixodeon’ me deixe em paix!” Sim, o autor confessa sua ignorância em francês desde o dia em que pegou um táxi em Paris (na década de 80) e o taxista (e seu cachorro) lhe perguntaram se ele era “un Juif de lá provence” (um judeu da provincia)! Ora! Essa corrida (aí no Corida, o império dos sentidos), foi ótima, os três, autor, motorista e cachorro vieram do aeroporto Charles De Gaulle até a Rue du Buci parlando le paroles sem parar sobre a política Argelina e Senegalesa (num sotaque de judeu da província). Ai, ai TGV de George Marchais. Ai, ai o “Liberation” de Jean Paul Sarte. Ai, ai, ai os idealistas de 68, enquanto em Londres (dentro da cabeça do autor) era a contracultura, o Cream tocando, os Yardbirds, etc, Hendrix no UFO club. Era o Sid Barret ainda no início de carreira com o Pink Floyd. Tudo tão punk, tudo tão “cult”.

    Ainda perambulando pelo palco, anotando algumas frases (já que não havia se preparado pra esse momento) (o elenco está nos camarins e na cantina), como:

    – “Se voce estivesse vivo durante a Guerra, a Segunda Grande Guerra, ou na guerra do Vietnam, na guerra da Coréia, ou durante as atrocidades de Sarajevo e Kosovo, ou entre Sérvia e Croácia, e os Tchechenios e Russos e Ruanda e Darfour, ou o 11 de setembro ou, e se conseguisse se desvencilhar das memórias reais daquelas que vão se acumulando depois, se ‘depositando como um lixo pós-traumático’, talvez se perceba que não são esses exatamente os eventos que marcam realmente a tua vida. Como?

    Texto – “Sim, as pedras que acumulei na vida, uma no Muro de Berlin e outra no 13 de setembro, porque em 11 de setembro o que restava do WTC ainda estava muito quente para ser tocado, e agora são lembranças que podemos contar, recontar, rememorar, tocar, nos mais mínimos detalhes e sem cairmos aos pedaços. Afinal, passamos por elas, não ficamos deformados. Existem exceções. Os sobreviventes de Hiroshima e Nagasaki e Dresden, e dos campos de concentração e dos gulags.”

    O autor percebe que parte do elenco já está de volta ao palco, e que esse texto acima não é nada operístico e muito menos teatral. MERDA! Mas ele não quer montar uma ópera agora, e o Cuvilies não é palco de ópera e sim de teatro! Esse teatro fica a poucos metros da Hofoper de Wagner, esquina de Maximillianstrasse. “Ah a revolução Russa, olha no que deu”. Ontem, Gordon Brown sentava com o novo filho da Putin numa posição de desconforto total lá em Hokaido, na conferência do G8.”. Não, essas anotações não servem pra nada!

    Um placar da cidade mostrava mais uma peça “Warum Warum” (porque, porque), dirigida por Peter Brook, anunciada no Schauschpielhaus na mesma semana passada em que ele estava se apresentando em Sampa. Brook virou uma franchise? Só porque alguém está baseado na França, vira uma “franchise”?

    O canal “arte” mostra um lindo documentário sobre Villa Lobos: um tanto quanto naïve: “brasileiros não precisam fazer nada, sigam sua arte, ela é suficiente”: Bem isso antes de morrer em 59 e no auge de sua carreira, ao se apresentar no Carnegie Hall e gravar com a orquestra da Rádio Francesa…. Ah Lobos, um idealista, viveu e morreu pra sua Sinfonia Amazônica e as Bachianas Brasileiras, lindas, emocionantes: de chorar!

    Segurando suas lágrimas e de volta ao país onde sempre acaba voltando (a origem de seu pai, sua avó) faz mais uma anotação enquanto percebe movimentação na coxia: ‘uma casa é uma casa, uma bomba é uma bomba, uma for, uma flor. Esse talvez seja o meu fim por escolha própria. Se eu morrer aqui estarei – em parte – feliz. Não, não estarei. Talvez em Weimar estivesse. Ou no Rio de Janeiro, ou em Londres ou em NY. Ser um nômade a minha vida inteira foi lindo e, ao mesmo tempo, terrível.

    “Não consegui ser um Ghandi. Aliás, nem tentei. Não consegui escapar do meu próprio umbigo, mas pelo menos contei um pouco da história da minha era. Não sou diretor. Nunca mais irei dirigir nada que não seja da minha autoria”

    O autor se vira pro elenco, olha um a um e, um pouco estarrecido da um passo prá trás.

    Chama o production stage manager, e pede a lista de nomes do elenco e, com a vista um pouco turva vai lendo os nomes, um a um:

    1 – Vampiro de Curitiba
    2 – Sandra
    3 – Carlos
    4 – Gustavo
    5 – Mau
    6 – Valeria
    7 – Ana Carolina
    8 – Ana Peluso
    9 – Contrera
    10 – Lucio Jr, Rio MaynArt, Helen, Andrea N.

    E assim por diante! “Não! NÃÃÃÃÃÃÃOOOO!!!!” O autor sai correndo em direção a Marienplatz. Ninguém o ouve. É mais uma vez o berro silencioso de Munch.
    Correndo em círculos ele cruza o pequeno riacho Isa, e entra pelo Deutsches Museum. Bate com a cabeça numa quina de hélice de helicóptero. Acorda.

    O autor está numa cama em Zurich.
    E assim, como em “Company”, de Beckett, ele ouve vozes “Voce está de costas no escuro. Voce está de costas no escuro quando uma voz vem, e te diz: você está deitado de costas no escuro. VOCÊ ESTÁ DEITADO DE COSTAS NO ESCURO QUANDO UMA VOZ VEM E TE DIZ….”

    O autor, que já não entende mesmo mais nada, ouve movimentação do lado de fora. Está com náusea, mas com fome ao mesmo tempo. Entra alguém no quarto.

    !!!!!!!!!!!!

    87 Comments

    Filed under BlogNovela