Tag Archives: Lula

Time Stops. Cannes: rainy, windy and we’re anchored…. down below in PS:

Time Stops.

There seems to be a Rodin moment in our lives when we oyster ourselves and our fists-to-forehead become a shelf of sad memories. And we panic.

Panic.

The wind outside blows, the depth of the water is unimaginable and the sphere we live on is far too vast to understand. The sound all of this makes is a nervous sound. Today we are in Cannes.

I find myself in a ridiculously painful moment. Yes, painful. Was it Barcelona? It is Cannes? Obviously NOT.

The very idea of survival is ridiculous. The idea of having to justify, justify and justify becomes a parable of the unjustifiable: Gaudi may well represent the justification of the inexplicable. Why? Must there always be a WHY?

“Why is this?” “why are you…?”

“Who was that?” “who IS that?”
“When was this and that?”

There seems to be a Warhol moment in us when the WAR fills the Hole and we are nothing but multiples of ourselves or mobiles of our souls floating or hanging as if in a Calder piece or  a Calderon character.

When we realize that the oyster in us has gone on to become a seafood platter, then all is gone.

It is all in a can. No, I can’t.

Time Stops.

It does. But the clocks go on ticking whilst our internal hands and fingers do the walk to reflection or reflexion and we end up where we always end up: nowhere and with a question: what is all this for?

Malaga. Algiers. Tunis. Sicily where I….No. Where I nothing!

To spend a lifetime answering the most stupid and banal questions is not why I’m here. Yet! I’m here on a ship, sailing the waves of Britannia and the Mediterranean letting the wind tell me that we’re moving ahead. La Nave Va.

But I live back there, remember? Remember where I live?

Remember where my mind was built or coined as if a Tower of Pisa and where no antioxidants will ever keep me from getting old. Old. Old.

I see no point in jogging, fitnessing, sweating, steaming, rowing, foaming and looking for the fountain of youth.

Gibraltar.

Malta.

Altar.

We thin our bloods. We take blood thinners, mood stabilizers when this Queen Victoria doesn’t seem to be able to cope with tiny waves.  But sinners and thinners in our system to prolongue life. But prolongue what?  This incredible STAGE of illusions? I cry because I cannot laugh when people still approach me with questions such as: what was this, or that, and who was he, of she and what did they do 300, 200, 100 years ago?

There’s a Goethe moment in all of us when time has stopped and we simply realize that we are nothing but a speck of dust and…

All this information!

All this historical knowledge!

All this education!

All this curiosity!

All this erudite something….hinders. Yes, it hinders what we are because it will not further us from where we are NOW.

We do, indeed, rust. There is no cream or ointment of antioxidant pill that will ever stop this ridiculous mental cycle. Mental cycle.

There is a Duchamp moment in all of us and there is a Picasso moment in all of us and there is a John Cage moment in all of us where silence. Yes, simply where silence. As the silence that prevails after the sound of a bomb blast.

We exist in order to eat or satisfy the unsatisfiable HUNGER!

We exist to digest and shit.

We exist in order to fulfill the DARKNESS of the universe we float in just as we exist in order to sail or sell our souls, or sail on in these vast waters as nothing but a tiny speck of dust or ash, yes ash, while looking up at the stars while this ship sails on: La Nave Va.

In Barcelona, Christopher Columbus is better known as Colon. Theatro Colon, Buenos Aires. Ha! Certain things in the old world such as in Cartagena make sense. Others take time. Colon is the most beautiful Opera house I know.

Yes, and there is OUR moment in all of us.

And I cry.

(In memoriam of Samuel Cunard, Einstein, John Fante and Sergio Vieira de Mello.)

Gerald Thomas

Mediterranean off the coast of Spain.

May 17, 2010.

EL PAIS has President Lula all over the front page. Once for having formed the Mercosul Group which will trade with Europe. And once again for: “Iran firma un pacto nuclear con Turquia y Brasil para evitar sanciones: EE UU y sus aliados rechazam el acuerdo.

Si, estoy de acuerdo con las sanciones!

THE INDEPENDENT (London) bought at a news stand in Barce: US OUTFLANKED IN BID TO BRING SANCTIONS AGAINS IRAN.

And again, Lula shaking hands with (oh my Gull) …Ahmadinejad! (what are they thinking????

Comments Off on Time Stops. Cannes: rainy, windy and we’re anchored…. down below in PS:

Filed under Uncategorized

Isle-landic repetitions: hostages without a cause

The shortest way (sometimes) seems as if it’s the longest.


An oig rig burning out of control in the Gulf of Mexico sank Thursday morning, with 11 workers still missing and the authorities fearing a potential environmental disaster. What are we to make of such things? A few days ago, if I remember a-right, a ship was sinking off the coast of Australia, leaking hundreds of millions of thousands of dozens of tens of billions  of crude oil. Oil. And oil. Oil oil oil. And “our growing dependency on FOREIGN oil” is on the mouth of every president, prime minister, minister, ter or just on every publicly elected  mouth. Mouth. Monmouth.

Yes, we’ve been witnessing disasters like never before. Since the catastrophe in Haiti, so many others followed that …That what?  What? Yes, and Iceland holding us all as hostages without a cause….Strange days. And there is greed. Oh yes, the greed. Not ending, never bending, never minding, always on the foreheads and the forefronts  of our delicious capitalism. So, after the Detroit automotive industry and a daring Health Care plan, Obama now goes to Wall Street and takes on the money guys.

Pushing an overhaul plan for financial regulation on Thursday, president Obama said, “Unless your business model depends on bilking people, there is little to fear from these new rules.” Meaning, “work with us, not against US”.

Speaking in the bankers’ backyard inManhattan (what is a banker’s backyard? What does it grow? Alan Greenspan trees?), Mr. Obama castigated a “failure of responsibility” by Wall Street that led to the financial crisis of 2008, and he pressed his case for what he called “a common-sense, reasonable, non-ideological” system of tighter regulation to prevent any recurrence. He took issue with the claim that his proposal would institutionalize the idea of future bailouts of huge banks. Let me repeat this: “institutionalize the idea of future bailouts of huge banks”. I wonder what all this really means.

Oh yes, the banker’s backyard and the “natural” disasters that have rocked Haiti, Chile, China…the unnatural disasters that make us smaller and smaller by the day, by the hour: the ash cloud pending over our heads for a week here in Europe: a cloud of ash and TEN straight days of pure (I mean pure) sunshine in London. Not a drop of rain. Just police activity, but not a drop of rain.

As I actually write this, the 3 candidates are debating (in Bristol), on British Television. The very 1st televized debate here in the UK. It took the Brits 40 years to repeat or to imitate the US pattern of a Presidential debate: now they’re talking about whether or not to get “closer” to the European Union, or stay away from the Brussel sprouts.

What do the 3 have in common?: President Obama.  Obama has become the number ONE reference for the British candidates. It’s amazing, if not funny, how “the buck stops here” (G. Brown) or “guys, you (Cameron) are either anti European or anti American. Again, Gordon Brown’s words against the constant rhetoric dribbling out of Cameron’s mouth: CHANGE ! CHANGE! . Yes, the “Obama era” is here and it’s staying.

Nick Clegg and the 2 others are good performers. There’s something America can certainly learn. American candidates do not perform well. No education. McCain’s morose speeches were based on GOP cheering and nothing else. Oh yes, there was the POW drill, always: “I was tortured in Vietnam and so on….”. Does past torture a good president make?

But here in the British isles there are no women competing. No women since Thatcher. No women since Queen Victoria. Queen Elizabeth…well, Queen Elizabeth. What can one say? Nothing. That she picked a fight with Annie Leibovitz and???

The level of discussion or, say, the argument is far more intelligent here in England. That is a given fact.

Walk the walk and talk the talk.”

As I was sketching out a column, along with the withdrawal symptoms of the (serious) Topamax effects, I began to write what the candidates then actually said: “Walk the walk and talk the talk.” I don’t walk. I do indeed (seriously now)… talk.

So, please forgive me for any….Well, it’s the lack of Topamax in my system. I’m not on any ‘legal high’ , believe me. Just the wonderful cup of coffee (blended with ice, a sort of coffee shake), from Patisserie Valerie.

Tell me, for real: do we need Jim Cameron  (who makes the biggest fortune with his mediocre films)….do we need him to teach Brazilians just because he spent some days (or maybe more, who cares?), amongst a tribe of Brazilian Indians? How does it sound when a film director  takes on the “save the rain forest” campaign and tells the world what Lula is doing wrong or right?

Everything (or maybe nothing) seems more surreal than a withdrawal.

Zweig. Zweig means twig, branch.

Twig. Stephan Zweig committed suicide.

Branches and twigs, however, is what Beckett meant when he planted a tree in the middle of the set for Didi or Estragon to hang themselves in “Waiting for Godot”.

We have become disaster watchers. Oil.

Change. We have become witnesses to television crews being embedded in tanks in some mountain in Pakistan or something. We’re passive when film directors tell us “what is” and “what isn’t” (remember? Titanic sank!) and when Labour, Tory or Liberal Democrats copy a system which is, as I write, being dismantled. While America is deconstructing its system, Britain is trying to build a version of America (not aversion). An isle-landic version of what America once was. Oh, the colonoscopy! Oh, the colonies!

Is Kafka having a ball? Well, if not, then he should. Is Orwell turning in his grave? Huxley? Are they all meeting silently with Stephan Zweig and talking about the dry tree? The last tree? The last tree on earth?

Sad, very sad update: bombings kill hundreds in Iraq. Why are we there? oh yes, Oil.

Gerald Thomas

London 23 April 2010

Comments Off on Isle-landic repetitions: hostages without a cause

Filed under Uncategorized

Lula, o Messias que Nada fez: Ainda Tem a Gripe Suína. Ah, Deixa pra Lá…

Gerald Thomas

667 Comments

Filed under artigos

O Esquadrão da Morte Suíço!

(Campo de nudismo suíço)

A foto acima é a de um soldado suíço assassinando um ponteiro de segundos do relógio do parque público de nudismo, à beira do lago de Zurique, num domingo ensolarado. Um escândalo!

.

E isso tudo porque o relógio (ou  melhor, o ponteiro) estava atrasado somente… três segundos.

.

Pergunto-me se não bastava ir um técnico, um engenheiro ir lá e acertar a coisa. Não. O nível de violência nesses países de primeiro mundo chegou a tal ponto que assassinam até ponteiros de relógios, na frente de centenas de criancinhas nuas, se divertindo na água, num dia tórrido.

.

Não bastasse isso, a cena se deu a metros de distância de uma estátua que se autodestrói do vanguardista Jean Tinguely – um dos pioneiros, parceiros daqueles que criaram o “ready made” (pós-Duchamp), um pós-dadaísta, enfim, um iconoclasta! A escultura se autodestruía, assim como as fitas em “Missão Impossível”.

.

O soldado se levantou, com ambos os ponteiros defuntos na mão, tirou o capacete, colocou a arma no ombro e marchou em direção à sua bicicleta. Realmente o primeiro mundo está fodido! O tal soldado mal cabe na bicicleta, tamanha é a “armadura” em torno de seu corpo.  Claro, até certo ponto não lhes tiro (epa!) a razão! Eles têm que lidar com tipos como aquela mulher brasileira que se automutilou e colocou a culpa nos neonazistas e fez com que o Celso Amorim e o consulado inteiro aqui disparassem atrocidades contra esse país. Sim, lá isso é verdade.

.

Mas nada justifica um esquadrão da morte contra relógios por causa de atraso de segundos.

.

Imaginem Portugal! A merda da TAP, por exemplo, segura passageiros em conexão, numa porra de um ônibus, por uma hora inteira na pista, sem banheiro ou uma única explicação! Sim, passageiros que teriam conexões internacionais e com hora marcada em outros vôos! E por quê? Porque não conseguiam retirar um sujeito que precisava de cadeira de rodas de dentro do avião!!! Essa operação (que é mais que rotineira em qualquer aeroporto do mundo), em Lisboa mobilizou dezenas de funcionários e paralisou todas as operações. Mas – bem no estilo de um país que conhecemos bem- NINGUÉM fornecia explicação, fora aquele conhecido “um minutinho”.  Algo que era pra durar 15 minutos (enquanto escrevo ainda não parece ter tido solução: e já lá se vão 3 horas e meia: inacreditável!).

.

Imaginem o Esquadrão da Morte Suíço em Portugal. SOU A FAVOR!!! Não restaria uma só alma.

.

Lula desembarcou  em Paris para um fim de semana de descanso ao lado da família, que beleza, antes de seguir para a Itália, para participar da cúpula do G8+G5+G3+GT+G90+G171+GB+GH, o Hormônio de Crescimento (este ano com o acréscimo do Egito, convidado dos italianos, convite pessoal de Silvio Berlusconi: que lindo!).

.

Eu amo quando os líderes ficam íntimos e se amam, se convidam. Especialmente um fascista e comprovadamente corrupto como o Berlusconi. Ah, já sei. Deve ser pra tratar daquele mafioso que está no Brasil como  exilado! Já que o Brasil é o paraíso da bandidagem, quem sabe o Berlusconi nao estaria “barganhando” seu futuro com o Lula?

.

Ah, deixa o Lula, Berlusconi, e todos os “G” e GT pra lá!

.

Alguns países conseguiram atingir o sonho do GRANDE PODER EM QUESTÃO DE SÉCULOS. Outros levaram décadas. Agora, com mídia forte, precisa-se somente de alguns anos. Ou alguns segundos antes de acordar. Outros ainda vivem num sono profundo. Outros vivem num tremendo pesadelo. (Pesadelo, em alemão, é “Alptraum”, ou seja: sonho dos Alpes. Não exatamente, mas sim foneticamente. Tem dia em que se apela pra tudo.) A questão do Esquadrão da Morte da Suíça é que ele consegue dar um fim àqueles que conseguem subir ao poder através do voto comprado, da bolsa famiGLIA, da corrupção e do “jeitinho” do “minutinho” e do voto obrigatório dos analfabetos e mantidos na margem da inércia e da desinformação.

Ih, o telefone toca. Não vou atender, não. Pode ser um soldado do Esquadrão… Ou um funcionário da TAP. Pior ainda, pode ser um ex-aluno de Jean Tinguely querendo que eu pose pra uma dessas esculturas que se autodestroem. Hummm, nesse caso eu até toparia!

Ah, ia quase me esquecendo:

LONDRES (Inglaterra) – O suíço Roger Federer conquistou o hexacampeonato de Wimbledon na tarde deste domingo. Com o triunfo sobre o norte-americano Andy Roddick na decisão, o tenista supera o também norte-americano Pete Sampras e se torna o maior vencedor de Grand Slams da história, além de retomar a liderança do ranking mundial.

Longe de Wimbledon desde que foi eliminado na segunda rodada da edição de 2002, Sampras voltou para acompanhar o 15º título de Grand Slam de Roger Federer. Superado apenas pelos sete títulos do norte-americano, o suíço é o segundo maior vencedor do torneio na era profissional. Após sete decisões consecutivas, Roger Federer estabelece um recorde em Wimbledon de 48 vitórias nas últimas 49 partidas disputadas na competição. Em 20 finais de torneios do Grand Slam, o espanhol Rafael Nadal foi o único capaz de vencer o tenista suíço. Superado pelo jovem rival na decisão do ano passado, Federer desbanca o adversário e retoma a liderança do ranking mundial. Desta forma, o suíço inicia sua 238ª semana no topo da lista da ATP e parte em busca do recorde de 286 semanas estabelecido por Pete Sampras. Mas vocês sabem muito bem por que o Federer TEM QUE VENCER SEMPRE EM WIMBLEDON, NÃO É?

PORQUE SE NÃO GANHAR, LEVA CHUMBO!

O Esquadrão da Morte Suíço não perdoa erros! Ao mesmo tempo NINGUEM aqui se manifestou com sua vitória. Nenhum piu se ouviu! Ninguém berrou. Ninguém celebrou. Era esperado. Era EXIGIDO!!!!! Tem que ser assim! Ora, bolas!

Perdesse pediria ASILO AO BERLUSCONI OU AO LULA, ou se enforcaria lá perto mesmo, Wimbledon, Richmond, Roehampton, Putney. Belos e nostálgicos bairros da minha adolescência.

.

.

Gerald Thomas, 06/Julho/2009

.

.

(Vamp na edição)

.

429 Comments

Filed under artigos

PORTUGAL DOMINA WASHINGTON!!!!

.

.

New York- Até hoje os brasileiros comemoram, como se fosse algo palpável e não retórico, as três palavras de Obama sobre Lula, ou para Lula, que em português foi traduzido “esse é o cara!”. Provincianos como vocês são, estamparam isso na capa de TODOS os jornais. TODOS.  O endosso de Obama, portanto, passa a ser “a coisa”. Fico um pouco com pena de uma nação tão rica, tão linda, mas tão insegura, que ainda precisa de endossos, seja lá de quem for, mesmo que seja do mais lindo Obama. 

Já aqui, quando Obama esteve na França, logo após Londres (G20) e Sarkozy disse para ele “Je t’aime, man!”, com o “man” vindo da gíria pop, mas oriunda da slang negra americana, o presidente orelhudo francês foi o maior alvo de chacotas da imprensa americana. Bem, Obama não precisa mais de endosso retórico. Ele agora precisa derrubar os conservadores Republicanos no Congresso.

 

Brasileiro se impressiona muitíssimo com “palavras, palavras, palavras”, aquelas que Shakespeare colocou na boca de Hamlet. Hamlet, aquele que não ia para a ação por causa de tanta palavra. Às vezes me vejo amando o Brasil, mas o vejo numa situação hamletiana. Não indo nunca para a ação. CPIs que nunca dão em nada… Nada que nunca prova nada e tudo num estado de falso encantamento por si mesmo que é suprido por “palavras”. Bem, tudo bem. Monto minhas peças ou óperas aqui em NY ou pelo mundo e as palavras também me encantam, às vezes justamente pela negação que representam.

 

 

Bo, THE DOG

 

Mas imagino se Portugal agora está ou não numa situação de delírio nacional. Por quê? Afinal, BO, o cão da família real Obama, é português! Se os periódicos portugueses forem tão ufanistas quanto os brasileiros, imagino que na capa do O Publico ou do Expresso ou do Diário de Noticias deve estar estampado assim: “PORTUGAL REINA DENTRO DA CASA BRANCA”, ou mesmo “Lisboa toma conta de Washington”. Ou até “O IMPÉRIO PORTUGUÊS CONQUISTA E DERRUBA OS EUA COM UM MERO CÃOZINHO: ESTA É A FORÇA PORTUGUESA

 

Lula não falou nada no G20 de importância. Não entrou na reunião (de portas fechadas) daqueles que resolveram problemas. “Hey, you’re my man”, disse Obama a Lula, numa confraternizaçãozinha. Mas como Lula não sabe falar inglês, não houve nenhuma resposta. Uma possível resposta: “Yes, you’re my woman too!” Lindo. Lindinhos! Imagine que Obama deva ter dito coisas semelhantes ao presidente da Ucrânia, da Jeranonia, da Cracalonia e do Cerimonial. Em Elsinore, o Castelo dinamarquês onde Hamlet vive seu pesadelo, as palavras paralisam a ação! E nós, espectadores, somos paralisados pelas palavras dos protagonistas.

 

Lindo. No final, tudo é silêncio e todos aplaudem de boca aberta e queixo caído, queijo nas mãos, como se lideres políticos fossem heróis, mentirosos atores que são!

 

Os artistas também se elogiam uns aos outros. Caetano diz que Chico Buarque “é o Cara” (em outras palavras, claro).  Harold Pinter elogiava Beckett (de quem sugava tudo) e os pintores abstratos expressionistas da década de 50 se defendiam uns dos outros e não uns aos outros. Dessa forma, o mundo cria pequenos grupos, como G20, como o G220, como o G2220, ou como o Expresso 2222, que se auto-protegem ou auto Protógenes. Indignados com a estagnação ou com a auto-consciência do que está por vir (o mistério do envelhecimento), o Protógenes Sofoclógenes Platógenes criou um monstro Freudológenes que não aponta mais para o futuro e sim para o passado. Estamos em plena era da revisitação. Notaram? Estamos correndo atrás do tempo perdido, correndo dos erros dos bancos e do sistema. Qual sistema? Do imaginário das palavras. Estamos correndo atrás de uma depressão econômica.

 

Ah, menos em Portugal, onde o cão ainda é um puppy de seis meses, presente do Senador Ted Kennedy, e aquele país de velhos envelhecidos finalmente poderá levar seus poucos jovens para as ruas do Bairro Alto, ou de Alcântara ou de Alfama e berrar:  O MUNDO é LOSER, quer dizer, o MUNDO É LUSO!

 

 

 

Gerald Thomas, 15/Abril/2009

 

 

 

(O Vampiro de Curitiba na edição)

 

 

 

808 Comments

Filed under artigos

Lula, o Moreno de Olhos Negros, na TV Americana

.

Lula no programa GPS, de Fareed Zakaria, da CNN.

 

 

New York – Todo mundo gosta de enfrentar um entrevistador elogioso. Nada de perguntas “sensíveis”, nada de controvérsias, nada de perguntas sobre a corrupção interna e os escândalos que vêm acompanhando seu mandato. Aqui o presidente Luis Inácio Lula da Silva foi entrevistado como o líder de uma nação “potente”, “o país do futuro”, etc.

 

Olha, até que fiquei impressionado. Fora algumas datas que ele errou (tudo bem), Lula falava em deus o tempo todo e disse ter dado muitos conselhos a Obama. Por que deus? Será que Lula se sente um iluminado? Um escolhido? Bem, o aspecto “proletário” dele foi um fato bastante explorado. Sim, o metalúrgico que subiu ao poder e tal…”Sim, eu conheço a pobreza. Na minha casa haviam inundações de um metro e meio. Flutuavam ratos e baratas quando isso acontecia então… sei muito bem o que é ser pobre!” – dizia um deslumbrado Lula a um deslumbrado Zakaria (que me parece ser paquistanês, não sei ao certo). Ambos deslumbrados, Lula completava: “às vezes me pergunto o que estou fazendo no meio desses líderes mundiais todos.” Os dois se olhavam deslumbrados. Acho que Zakaria também nunca imaginou que teria um programa na CNN.

 

Em nenhum minuto o presidente brasileiro foi questionado sobre a violência interna em seu país. Quando Musharaff foi entrevistado (já depois de deposto como presidente do Paquistão), as perguntas eram muito mais agressivas, óbvio. Era Al Qaeda pra lá, Al Qaeda pra cá, e como pequenos grupos seletos protegiam os terroristas em vilarejos na fronteira com o Afeganistão. E assim foi com outros líderes políticos que já deram seu depoimento a Zakaria.

 

Já na sua intro, o apresentador deixou muito claro: “aqui estará sentado um presidente de um país dos mais importantes e sobre o qual você sabe menos”.

 

Acho impressionante como Fareed Zakaria conseguiu apresentar o Lula como o líder mais “popular do mundo” (com 80 por cento de aprovação), sem entrar em detalhes de como esses dados são colhidos. Não se falou em voto obrigatório. Não se falou em mensalão e outros escândalos.

 

Acho de uma irresponsabilidade ÚNICA um canal como a CNN apresentar um presidente de um país como o Brasil sem que se mostre antes uma reportagem sobre a “realidade do país” que esse líder governa.

 

Lula falou muito nas alianças entre países de terceiro mundo, como Índia e China. Foi cauteloso quando falava na China, parecia não ter muitos dados. Falou com cautela também sobre Hugo Chavez e, aí sim, foi interrompido algumas vezes. Mas disse que a Venezuela é parceira econômica do Brasil, e que não se sentia livre para falar criticamente de seu companheiro, o ditador Hugo Chavez, e seus métodos nada ortodoxos de se manter no poder. Lula falou que “deve-se respeitar a cultura de cada país”. Bem, se formos seguir esse raciocínio, é melhor deixar o genocídio do Congo e em Darfur prosseguir, porque, afinal, deve ser algo tribal e, portanto, cultural. Enfim, sem comentários.

 

Bem… ao mesmo tempo, digo o seguinte: Lula não se saiu mal. Se todos os entrevistadores do mundo fossem tão “amáveis” quanto Fareed Zakaria (cuja única pergunta realmente sensível foi: “O senhor disse a Obama para levantar o embargo a Cuba?”), seria sempre fácil.

 

Primeiro Lula procurou desconversar. Depois se confundiu com as datas. Mas acertou que a revolução de Sierra Maestra foi em 59 e disse que não fazia nenhum sentido “manter um embargo quando na verdade o Obama foi eleito, em grande parte, por cubanos residentes aqui”. O que o Lula talvez não saiba é que esses cubanos residentes aqui são EXILADOS FORAGIDOS, pessoas que remaram, que nadaram, que quase foram comidas por tubarões para chegarem à costa da Flórida e que ODEIAM Fidel.

 

Mas se Zakaria não interrompe, do que adianta ficar desse lado da tela, ficar esperneando?

 

 

Ps.: A fala do presidente foi dublada para o Inglês por um intérprete com a voz idêntica a do Lula.

 

Gerald Thomas, 29/Março/2009.

.

PS. do Vamp: Pessoal, é preciso sempre atualizar a página ( F5,”atualizar” ou “refresh”), pois a mesma nem sempre atualiza automaticamente.  

 

 

 

(Vamp na edição)

375 Comments

Filed under artigos

O Que Eu Sou e o Que não Sou

LondresPois é! Esta cidade amanheceu soterrada por quase 30 cm de neve. Já ontem a noite o carro patinava pelas ruas como se fosse uma nave desgovernada. Para quem está em plena crise existencial, isso é a própria metáfora perfeita. 

Olha, vou tentar explicar: o blog me reduz. Por favor, não me leiam mal. Mas, sim, ele me reduz. Ao mesmo tempo, eu vivo dizendo aqui que “estou me despedindo do blog, que estou acabando com isso aqui”. 

A razão é simples. Talvez nem tanto. 

Seguinte: Eu sou um ser político. 

Não sou um ser político. 

Bem, não é bem isso. 

Este blog comemorou ontem CINCO anos de existência, contando com o do UOL.  Mas, numa recente entrevista que o Philip Glass deu a meu respeito (linda, deslumbrante, e que o Vamp irá disponibilizar aqui para vocês nos próximos dias), ele me situa dentro do mundo TEATRAL, assim como a Ellen Stewart, a minha MaMa, do La MaMa, também havia feito, a cerca de umas semanas em sua cama de hospital em Nova York. 

O BLOG 

Isto aqui  acabou virando uma tela de Pollock. Mas não lúdica. Não estamos no campo da cultura, como eu havia me proposto. Acabo me vendo no campo das “mundanices” respondendo e atacando coisas e pessoas que são, em última instância, a MENOR das minhas preocupações. 

Me vejo pequeno! 

Sim, me vejo pequeno. Não nasci blogueiro. Sou autor e diretor teatral e , desde que essa entrevista do Philip foi editada, eu tenho pensado o que fazer da vida, qualitativamente. O que fazer? 

Claro que durante esse último ano o assunto era Obama. Eu não poderia deixar de comentar com PAIXÃO aquilo que mais me movia e comovia no campo da política, cultura e comportamento mundial e Barack Obama compreendia tudo isso.  

Mas Obama agora é presidente. Pronto. Já aconteceu. Agora o Presidente Obama completa praticamente 2 semanas desde o seu ‘comando’ na Casa Branca. 

Lula, lulismo, Castro e castrismo, Brown e brownismo, Merkel e merkelismo e ficar reclamando disso e daquilo não é o meu barato.  Tem gente muito mais qualificada para fazer isso.  Entenderam? 

Estou escrevendo “HARD SHOULDER” (Acostamento), um novo espetáculo. E… não posso e não irei mais ficar blogando a favor ou contra aspectos “menores” de governos locais. Sim, é isso. Daqui de Londres eu poderia estar comentando o que o mais recente PLOT da MI5 contra os paquistaneses extremistas-islâmicos tem… Mas não vou. Poderia falar do ETERNO debate local sobre a ETERNA luta contra o a UNIÃO EUROPEIA em que Edward Heath jogou o Reino Unido… e que hoje traz para cá uma quantia desproporcional de romenos, de croatas, de búlgaros, enfim, do Leste Europeu e que ‘não estavam no contrato’ quando Heath (Primeiro Ministro nos anos 70) queria ligar a ilha ao ‘continente’ (significando França, Alemanha, Itália e olhe lá!!!!).  MAS, mais uma vez, não vou falar disso. UFA! 

Então, este artigo é um artigo de alguém em plena crise. Quando o Vamp quiser escrever sobre problemas políticos locais, tá ótimo. Vocês comentam, pulem em cima, se rebelem, mas, por favor, prestem atenção na assinatura do artigo: ele é ele e eu sou eu. 

Nem de Obama eu falo mais.  

Nem sei exatamente sobre o que escreverei até maio próximo. Sei que de política estou de saco repleto. E porquê? O motivo é simplérrimo: é só voltar para Londres para se ter uma sensação de que o tempo parou. 

Encapsulou-se o tempo. Deu-se um pulo para trás. São as mesmas reclamações conservadoras ou trabalhistas de sempre e sempre… 

Mas eu não sou um sujeito do “sempre e sempre”. 

Prefiro ser do NUNCA e nunca. Ou na linha do Risco, sem rede embaixo. Afinal é teatro, ou não? Estou mais para Lewis Carroll ou Borges do que para esses Saramagos que resmungam e resmungam. 

Tenho um dia enorme pela frente. Estou de bem com a vida: acreditem. Londres me faz bem, me “aterra” apesar de ser o lugar da Madness of King George e do avô de Mick Jagger! E no mais, obrigado a todos vocês por terem me aturado por esse tempo todo! 

Vou tentar me mover nessa cidade nevada e, debaixo do braço, alguns livros ‘basicos’: “Náusea”, “1984” (acreditem se quiser) e outros menos conhecidos como “O que fazer?”

 

Gerald Thomas

2 Fevereiro 2009, Londres

 

PS do Vamp: Sempre que entrarem no Blog teclem “F5” para atualizar a página, pois a mesma não está atualizando automaticamente.

 

 

(O Vampiro de Curitiba na edição)

237 Comments

Filed under artigos