Tag Archives: falsos valores

Boal Morto: Quantos Ainda Pensam a Sua "Própria" ARTE?

A tristeza da perda e a imbecilidade do dia a dia

 New York- Não posso dizer que não fiquei triste com a morte do Boal. Óbvio que fiquei. Fiquei triste com a morte de um artista. Quantos deles temos hoje em dia? Poucos.

Muito poucos.

Se você liga a televisão ou vai ao cinema pode medir: vai ouvir a palavra KILL ou MATAR ou MORRER a cada 3 minutos (se não mais) e o Ibope exige que os programas sejam baseados na vida e na relação polícia versus bandido e os procedimentos legais: são milhares de programas, em milhares de formatos. Na política é a mesma coisa. A retórica é a mesma.

Pontes explodem, carros explodem, pessoas explodem. Raramente nota-se que já existiu uma sinfonia como a de Mahler, a SEGUNDA, a Ressureição, para ser mais preciso. Poucas vezes a mídia, seja ela qual for, nos remete a uma sinfonia de Beethoven ou a uma ópera da Wagner. Não há mistérios! É a violência que dá audiência mesmo. E, se não é a violência bruta, a crassa, então é o melodrama barato, estúpido. E se não é isso, somos consumidos pela notícia do PÂNICO (como o terror da gripe suína e outras coisas do tipo. Nossa vida sempre em “perigo de vida” e a tal chamada guerra dos mundos, que Orson Welles tão magnificamente satirizou pelo rádio). Ah…

Boal morreu. Seu Teatro do Oprimido não era a “minha coisa”. Mas faz pensar. Faz pensar o que ele pensava sobre seu teatro. E isso não é pouco. E nos faz pensar sobre a vida, ou melhor, a morte.  Os grandes artistas, ou melhor, a ARTE GENIAL, como a de Mahler, como a de Beckett, como a de Joyce ou a de Gogol, Tolstoy ou Conrad ou seja lá qual for seu autor predileto, faz pensar sobre a morte: como deve ser, como somos imbecis com nossos valores materiais aqui nesta terra. Claro, Goethe e seu Fausto, assim como Marlowe e seu Fausto. Shakespeare e as comédias trágicas e as tragédias trágicas ou as moderadas.

O sistema nos traiu. Sim, fomos traídos. Somos todos cornos! Estamos vivendo há uma década, ou mais, sob falsas pretensões e sob falsos valores esperando um messias.

Somos uns imbecis achando que o dia de amanhã será melhor porque o politico A, B, ou C nos salvará da crise absoluta do sistema vigente. Não nos salvará.

E Boal nisso tudo? Bem, Boal tinha suas convicções. Podia não me convencer com seu teatro “em prática”, mas ele já previa e já cantava essa bola há muito tempo. Qual bola? A de que somos cornos de um sistema que nos trai. Mas ele, diferente do Living Theater, diferente dos outros que cantavam a mesma bola, levou seu teatro pro lugar do consumo: o supermercado, ou o lugar onde se consumia aquilo que o sistema martelava na gente! Teatro de Martelo! Um ensaio permanente e inocente (até) de como fazer de corno um sistema que nos faz de corno. Boal estudou aqui na Columbia University e fez grandes amigos.  Mas era outra era, outro tempo.

Esse tempo hoje:

Um bando de imbecis tweetando, ou twitando, como preferirem, achando que estão na “última”, exacerbando o ego e elevando o seu anonimato berrando pros oito cantos do mundo o “nada” do que fazem todos os dias. Que lindo! Já o teatro do invisível de Boal já cantava a bola justamente desse invisível ou desse oprimido (que somos nós, todos nós. Não necessariamente se fala de uma CLASSE, e sim de um estado de ser).

A Arte volta a fazer parte de nossas vidas e de nossas lágrimas. Tentei resistir e não escrever, pois não gosto de escrever emocionado. Augusto Boal morreu e com a morte dele se percebe que morreu um artista.

Isso deixa a ARTE num estado de fragilidade. Ou com a imunidade baixa, fraca.

O mundo não é feito, mas “está” feito de programas que trivializam a alma, que derrubam o ser humano para um lugar onde ele não merece estar: a sua pior ignorância.

É isso. Escrevo pois pesa o peso da M.O.R.T.E. e, nesses dias de angústia, a falta de um ser que construiu um vocabulário teatral é realmente triste. Muito triste.

Quantos construíram um vocabulário teatral?

Quantos sequer “pensaram” sua arte?

Estamos sendo traídos pelo sistema: talvez seja hora de pararmos de nos acusar uns aos outros e pensarmos na CENA de ORIGEM. Sim, aquela que os filósofos invocam quando têm de enfrentar a GRANDE CRISE, ou melhor,  GRANDE ARTE, ou seja: a morte!

 

Gerald Thomas, 3 de Maio de 2009.

.

 

(O Vampiro de Curitiba na edição)

 

313 Comments

Filed under artigos

NUDEZ – Somos todos Voyeurs! + o ULTIMO DEBATE nos USA

Voyeurismo

NUDEZ

Acho que Pedro Cardoso enlouqueceu. Tudo bem. As pessoas têm todo o direito a serem ciumentas, possessivas, sisudas, mau humoradas (mesmo sendo comediantes e tal). Agora, lançarem um “manifesto” contra a nudez e justamente no cinema, é de uma imbecilidade ÚNICA!

E por quê?

Porque cinema significa, necessariamente, voyeurismo. É isso que a câmera faz pela gente. Ela “penetra” os lugares mais impróprios, fura os lugares mais privados e indevidos, sejam eles físicos, metafísicos, zoides ou esquizóides. Esse é o poder da LENTE. Essa é a beleza da lumiere.

Assim é o mundo virtual. Querer restringi-lo, censurá-lo é querer impôr um regime de forca (com ou sem cedilha) num país e num mundo que já está se tornando extremamente VIGIADO por falsos puritanismos e por FALSOS valores e pudores. Ah, sim, você pergunta: Falsos valores e pudores… por quê? Porque temos que ser “polite” (educados) dentro desse mundo de EXTREMISTAS, seja de um lado, seja de outro.

E, justamente quando o mundo está numa tremenda NUDEZ FINANCEIRA (ou seria melhor chamá-la de “re-design”, repaginação?), vem o Pedro Cardoso e lança um manifesto Castigando a Nudez!!!

Digo isso com a consciência limpa, já que encenei pouquíssima gente nua no palco, homens ou mulheres. Mas NÃO condeno aqueles que encenam ou esculpem ou pintam a nudez, desde Michelangelo até Goya, passando por Lucien Freud.  Que bobagem!  Adoro o Pedro como autor e ator, diga-se de passagem.

Mais interessante seria lançar um manifesto contra a nossa “passividade” relativa ao CIRCO de HORRORES na questão da Bolsa de Valores, como Citigroup e a  JPMorgan Chase e os bilhões injetados no Bank of America, que está comprando a Merrill Lynch, e a Wells Fargo, que, por sua vez, compra a Wachovia Corporation. Eles receberão  $25 billion. Goldman Sachs and Morgan Stanley receberão $10 bilhões cada. Ah, e a nudez do Bank of New York Mellon and State Street ganhará $2 ou $3 bilhões, isso hoje, depois do fracassado “bailout”.

E Pedro Cardoso quer nos tirar o voyeurismo. Entendam a palavra voyeurismo como tudo o que temos nesse momento: vemos as guerras pela tv como um espetáculo de horrores sendo entrecortado por anúncios de homens e mulheres VESTIDOS! Ou crianças famintas entrecortados por comerciais de automóveis, esses sim, nus! Um automóvel deveria estar VESTIDO, Pedro?

Pedro: SOMOS voyeurs. Ou será que você poderia nos explicar a beleza do “Discreto Charme da Burguesia”, de Bunuel ou aquela foda linda entre Marlon Brando e Maria Schneider em “O Último Tango em Paris”? Ah, esqueci. Você não é Marlon Brando. Talvez seja isso.

Amargura pura!

Gerald Thomas

 

(O Vampiro de Curitiba na edição)

PS. DO VAMP:

 

Pessoal, o bagulho tá louco!
Os comentários entram aleatoriamente, não seguem uma ordem cronológica.
É bom sempre reler desde o começo, pois as respostas estão, muitas vezes, entrando antes das perguntas.
Eu tô adorando esse caos hahahahahahhah…

PS.2, especialmente para aqueles que querem derrubar o Vamp:

MAU humorada é a maneira da pessoa “SER” (MAU é oposto  de BOM)

MAL humorada é a maneira da pessoa “ESTAR” (MAL é oposto de BEM)

O ULTIMO DEBATE

 

 

John McCain: The Devil You Know

[Posted by Karl] The establishment media continues to drive the theme that John McCain needs a game-changer at tonight’s debate.  I find myself in the odd position of agreeing more with Stu Eizenstadt that Presidential debates have historically tended to help the lesser-known opponent for the party out of power at the expense of the better-kn…

Dragon Lady’s Den
16 hours ago

Tonight’s Presidential Debate – Has Our Pit Bull Rubbed Off …

Bob Schieffer of CBS News is going to moderate tonight’s presidential debate. *sigh* I want to know why it is that every single moderator in the Presidential Debates and also in the Vice Presidential debate have been Democrats? There really ought to be a rule that the moderators are Independents, or at least a more equal balance of Democrats and Re…

powered by Sphere

 

 

 

 


321 Comments

Filed under artigos