Tag Archives: Duchamp

Time Stops. Cannes: rainy, windy and we’re anchored…. down below in PS:

Time Stops.

There seems to be a Rodin moment in our lives when we oyster ourselves and our fists-to-forehead become a shelf of sad memories. And we panic.

Panic.

The wind outside blows, the depth of the water is unimaginable and the sphere we live on is far too vast to understand. The sound all of this makes is a nervous sound. Today we are in Cannes.

I find myself in a ridiculously painful moment. Yes, painful. Was it Barcelona? It is Cannes? Obviously NOT.

The very idea of survival is ridiculous. The idea of having to justify, justify and justify becomes a parable of the unjustifiable: Gaudi may well represent the justification of the inexplicable. Why? Must there always be a WHY?

“Why is this?” “why are you…?”

“Who was that?” “who IS that?”
“When was this and that?”

There seems to be a Warhol moment in us when the WAR fills the Hole and we are nothing but multiples of ourselves or mobiles of our souls floating or hanging as if in a Calder piece or  a Calderon character.

When we realize that the oyster in us has gone on to become a seafood platter, then all is gone.

It is all in a can. No, I can’t.

Time Stops.

It does. But the clocks go on ticking whilst our internal hands and fingers do the walk to reflection or reflexion and we end up where we always end up: nowhere and with a question: what is all this for?

Malaga. Algiers. Tunis. Sicily where I….No. Where I nothing!

To spend a lifetime answering the most stupid and banal questions is not why I’m here. Yet! I’m here on a ship, sailing the waves of Britannia and the Mediterranean letting the wind tell me that we’re moving ahead. La Nave Va.

But I live back there, remember? Remember where I live?

Remember where my mind was built or coined as if a Tower of Pisa and where no antioxidants will ever keep me from getting old. Old. Old.

I see no point in jogging, fitnessing, sweating, steaming, rowing, foaming and looking for the fountain of youth.

Gibraltar.

Malta.

Altar.

We thin our bloods. We take blood thinners, mood stabilizers when this Queen Victoria doesn’t seem to be able to cope with tiny waves.  But sinners and thinners in our system to prolongue life. But prolongue what?  This incredible STAGE of illusions? I cry because I cannot laugh when people still approach me with questions such as: what was this, or that, and who was he, of she and what did they do 300, 200, 100 years ago?

There’s a Goethe moment in all of us when time has stopped and we simply realize that we are nothing but a speck of dust and…

All this information!

All this historical knowledge!

All this education!

All this curiosity!

All this erudite something….hinders. Yes, it hinders what we are because it will not further us from where we are NOW.

We do, indeed, rust. There is no cream or ointment of antioxidant pill that will ever stop this ridiculous mental cycle. Mental cycle.

There is a Duchamp moment in all of us and there is a Picasso moment in all of us and there is a John Cage moment in all of us where silence. Yes, simply where silence. As the silence that prevails after the sound of a bomb blast.

We exist in order to eat or satisfy the unsatisfiable HUNGER!

We exist to digest and shit.

We exist in order to fulfill the DARKNESS of the universe we float in just as we exist in order to sail or sell our souls, or sail on in these vast waters as nothing but a tiny speck of dust or ash, yes ash, while looking up at the stars while this ship sails on: La Nave Va.

In Barcelona, Christopher Columbus is better known as Colon. Theatro Colon, Buenos Aires. Ha! Certain things in the old world such as in Cartagena make sense. Others take time. Colon is the most beautiful Opera house I know.

Yes, and there is OUR moment in all of us.

And I cry.

(In memoriam of Samuel Cunard, Einstein, John Fante and Sergio Vieira de Mello.)

Gerald Thomas

Mediterranean off the coast of Spain.

May 17, 2010.

EL PAIS has President Lula all over the front page. Once for having formed the Mercosul Group which will trade with Europe. And once again for: “Iran firma un pacto nuclear con Turquia y Brasil para evitar sanciones: EE UU y sus aliados rechazam el acuerdo.

Si, estoy de acuerdo con las sanciones!

THE INDEPENDENT (London) bought at a news stand in Barce: US OUTFLANKED IN BID TO BRING SANCTIONS AGAINS IRAN.

And again, Lula shaking hands with (oh my Gull) …Ahmadinejad! (what are they thinking????

Comments Off on Time Stops. Cannes: rainy, windy and we’re anchored…. down below in PS:

Filed under Uncategorized

Juíz Proíbe Que Macaco Simão Escreva sobre Juliana Paes: Censura de Imprensa

Juiz proíbe que Simão fale de Juliana Paes, mas não impede o auto-retrato de Rembrandt.

Atriz alega que teve a honra atingida; colunista vê censura e diz que decisão tolhe liberdade de expressão.

Zurich – Saí correndo de Amsterdam. Depois de sete dias,  sendo empurrado pela população e espremido nas ruelas e quase jogado nos canais, resolvi que essa foi minha trigésima e última vez na cidade holandesa. E como a ópera que estou produzindo é aqui, voltei correndo pra cá, só pra me deparar com esse ABSURDO, que leio na Folha! Ah, mas antes, preciso relatar algo. 

Rembrandt, que sempre foi meu preferido (ao lado de Duchamp e Rauschemberg e Bacon – períodos diferentes, óbvio), me tocou dessa vez de uma forma muitíssimo peculiar.

 

Muitíssimo peculiar. Tive uma espécie de tontura, vertigem, quando peguei o bonde numero cinco e parei na porta do museu e subi pro segundo andar. Lá no cantinho, quase escondido, estava esse auto-retrato, que ele pintou aos seus 55 anos de idade:

 

Rembrandt

 

Eu estou com 55 anos agora e… e o quê? Jamais achei que iria chegar a essa idade. Jamais achei que pudesse olhar no olho vivo desse quadro e dizer “caramba, estamos aqui, você e eu, em épocas diferentes – ele em 1633 e eu em 2009, mas ambos com a mesma idade”. Ele, um total gênio. Gênio dos gênios, da Ronda Noturna, da Dissecação do Cadáver. Aquele que meu mestre Ivan Serpa e meus pais me fizeram gostar. Não, não forçadamente, já que a paixão foi instantânea. E cá estava eu, como sempre estive desse lado do quadro, mudo, estarrecido e pasmo,  já que não sou um personagem de Lewis Carroll.

 

Saí de Amsterdam meio atordoado. Também, com tanto cheiro de maconha no ar, quem não sairia? E tanta comida ruim:  ah, descobri: só tem comida pra larica. Pizza, fries com maionese, mais pizza,  uns indonésios fast food… muito Mac Donalds e Burger King (mais que em qualquer outra cidade que já vi!!).

 

Esse auto-retrato, mais que qualquer outro,  me levou a um estado de emoção que poucas coisas em arte me levam. Pina Bausch me levava. Kazuo Ono e Sankai Juku me levam. E o levo comigo porque ele representa a grande quebra do homem que se olha no espelho na época logo após os descobrimentos  e se pinta dentro de sua simplicidade sem ter que se “vestir”. Quem é de teatro sabe o que é “se vestir”. Retrato era coisa para realeza. Rembrandt começou a pintar o dia a dia das pessoas e de si mesmo. Foi o Tchecov da pintura, só que 300 anos antes de Tchecov. Dá um frio na espinha.

 

 Pessoas que levam suas próprias imagens nas camisetas, como Jane Fonda, por exemplo:

 

 

 

Não sei que doença é essa. Ego? Nostalgia?

 

Mas a pior delas todas está aqui embaixo. Sim, porque ela demonstra total ignorância a respeito do veículo para o qual trabalha e não tem um pingo de humor a respeito dela mesma. Leiam:

 

“O juiz João Paulo Capanema de Souza, do 24º Juizado Especial Cível do Rio de Janeiro, determinou que o colunista José Simão, da Folha, se abstenha de fazer referências à atriz Juliana Paes, confundindo-a com a personagem “Maya”, da novela “Caminho das Índias”, da Rede Globo, sob pena de multa de R$ 10 mil por nota veiculada nos meios de comunicação. A atriz moveu duas ações de indenização, uma contra o jornal e outra contra o colunista. Ela alega que Simão “vem publicando reiteradamente nos meios de comunicação em que atua, sobretudo eletrônicos (internet), textos que têm ultrapassado os limites da ficção experimentada pela personagem e repercutido sobre a honra e moral da atriz e mulher e sua família”.Anteriormente, a atriz havia ajuizado ação só contra a Folha na 4ª Vara Cível do Rio de Janeiro, mas não obteve a medida liminar.”  (e blá blá blá…)

 

A (sei lá se ela é atriz… pelo jeito não é!) censora, está com seus mecanismos de defesa em alta. Ah, entendi, ela não gosta que notem que sua bunda é grande, segundo esse relato.

 

Continuando… “do “colunista” sobre a “poupança” da atriz ou sobre o fato de sua bunda ser grande”, já que “sua imagem esteve e está à disposição de quem quisesse e ainda queira ver”, e qualificá-la “nos limites do tolerável””.

 

Meu santo Deus! Que ridículo! Atrizes do mundo inteiro estão fazendo um tremendo esforço para SAÍREM de si mesmas. Adotam crianças em países, digamos assim, em estado de guerra. Tentam ser ativistas políticas da melhor forma possível. E essa aí…? 

 

“É coisa medieval”, afirmou. As advogadas Taís Gasparian e Mônica Galvão, que representam a Folha, consideram que a decisão do juiz Capanema de Souza “trata o humor como ilícito e, no fim das contas, é a mesma coisa que censura”.

 

Bem, Juliana Paes. Um dia, talvez bem mais próximo que você imagina, você estará virando um outro quadro de Rembrandt. Esse ai embaixo!

 

opened cow

 

Afinal, atores ou não, artistas ou não: somos produtos PERECÍVEIS.

 

 

 

Gerald Thomas, 17/Julho/2009.

 

 

 

(O Vampiro de Curitiba na edição) 

 

678 Comments

Filed under artigos

O Esquadrão da Morte Suíço!

(Campo de nudismo suíço)

A foto acima é a de um soldado suíço assassinando um ponteiro de segundos do relógio do parque público de nudismo, à beira do lago de Zurique, num domingo ensolarado. Um escândalo!

.

E isso tudo porque o relógio (ou  melhor, o ponteiro) estava atrasado somente… três segundos.

.

Pergunto-me se não bastava ir um técnico, um engenheiro ir lá e acertar a coisa. Não. O nível de violência nesses países de primeiro mundo chegou a tal ponto que assassinam até ponteiros de relógios, na frente de centenas de criancinhas nuas, se divertindo na água, num dia tórrido.

.

Não bastasse isso, a cena se deu a metros de distância de uma estátua que se autodestrói do vanguardista Jean Tinguely – um dos pioneiros, parceiros daqueles que criaram o “ready made” (pós-Duchamp), um pós-dadaísta, enfim, um iconoclasta! A escultura se autodestruía, assim como as fitas em “Missão Impossível”.

.

O soldado se levantou, com ambos os ponteiros defuntos na mão, tirou o capacete, colocou a arma no ombro e marchou em direção à sua bicicleta. Realmente o primeiro mundo está fodido! O tal soldado mal cabe na bicicleta, tamanha é a “armadura” em torno de seu corpo.  Claro, até certo ponto não lhes tiro (epa!) a razão! Eles têm que lidar com tipos como aquela mulher brasileira que se automutilou e colocou a culpa nos neonazistas e fez com que o Celso Amorim e o consulado inteiro aqui disparassem atrocidades contra esse país. Sim, lá isso é verdade.

.

Mas nada justifica um esquadrão da morte contra relógios por causa de atraso de segundos.

.

Imaginem Portugal! A merda da TAP, por exemplo, segura passageiros em conexão, numa porra de um ônibus, por uma hora inteira na pista, sem banheiro ou uma única explicação! Sim, passageiros que teriam conexões internacionais e com hora marcada em outros vôos! E por quê? Porque não conseguiam retirar um sujeito que precisava de cadeira de rodas de dentro do avião!!! Essa operação (que é mais que rotineira em qualquer aeroporto do mundo), em Lisboa mobilizou dezenas de funcionários e paralisou todas as operações. Mas – bem no estilo de um país que conhecemos bem- NINGUÉM fornecia explicação, fora aquele conhecido “um minutinho”.  Algo que era pra durar 15 minutos (enquanto escrevo ainda não parece ter tido solução: e já lá se vão 3 horas e meia: inacreditável!).

.

Imaginem o Esquadrão da Morte Suíço em Portugal. SOU A FAVOR!!! Não restaria uma só alma.

.

Lula desembarcou  em Paris para um fim de semana de descanso ao lado da família, que beleza, antes de seguir para a Itália, para participar da cúpula do G8+G5+G3+GT+G90+G171+GB+GH, o Hormônio de Crescimento (este ano com o acréscimo do Egito, convidado dos italianos, convite pessoal de Silvio Berlusconi: que lindo!).

.

Eu amo quando os líderes ficam íntimos e se amam, se convidam. Especialmente um fascista e comprovadamente corrupto como o Berlusconi. Ah, já sei. Deve ser pra tratar daquele mafioso que está no Brasil como  exilado! Já que o Brasil é o paraíso da bandidagem, quem sabe o Berlusconi nao estaria “barganhando” seu futuro com o Lula?

.

Ah, deixa o Lula, Berlusconi, e todos os “G” e GT pra lá!

.

Alguns países conseguiram atingir o sonho do GRANDE PODER EM QUESTÃO DE SÉCULOS. Outros levaram décadas. Agora, com mídia forte, precisa-se somente de alguns anos. Ou alguns segundos antes de acordar. Outros ainda vivem num sono profundo. Outros vivem num tremendo pesadelo. (Pesadelo, em alemão, é “Alptraum”, ou seja: sonho dos Alpes. Não exatamente, mas sim foneticamente. Tem dia em que se apela pra tudo.) A questão do Esquadrão da Morte da Suíça é que ele consegue dar um fim àqueles que conseguem subir ao poder através do voto comprado, da bolsa famiGLIA, da corrupção e do “jeitinho” do “minutinho” e do voto obrigatório dos analfabetos e mantidos na margem da inércia e da desinformação.

Ih, o telefone toca. Não vou atender, não. Pode ser um soldado do Esquadrão… Ou um funcionário da TAP. Pior ainda, pode ser um ex-aluno de Jean Tinguely querendo que eu pose pra uma dessas esculturas que se autodestroem. Hummm, nesse caso eu até toparia!

Ah, ia quase me esquecendo:

LONDRES (Inglaterra) – O suíço Roger Federer conquistou o hexacampeonato de Wimbledon na tarde deste domingo. Com o triunfo sobre o norte-americano Andy Roddick na decisão, o tenista supera o também norte-americano Pete Sampras e se torna o maior vencedor de Grand Slams da história, além de retomar a liderança do ranking mundial.

Longe de Wimbledon desde que foi eliminado na segunda rodada da edição de 2002, Sampras voltou para acompanhar o 15º título de Grand Slam de Roger Federer. Superado apenas pelos sete títulos do norte-americano, o suíço é o segundo maior vencedor do torneio na era profissional. Após sete decisões consecutivas, Roger Federer estabelece um recorde em Wimbledon de 48 vitórias nas últimas 49 partidas disputadas na competição. Em 20 finais de torneios do Grand Slam, o espanhol Rafael Nadal foi o único capaz de vencer o tenista suíço. Superado pelo jovem rival na decisão do ano passado, Federer desbanca o adversário e retoma a liderança do ranking mundial. Desta forma, o suíço inicia sua 238ª semana no topo da lista da ATP e parte em busca do recorde de 286 semanas estabelecido por Pete Sampras. Mas vocês sabem muito bem por que o Federer TEM QUE VENCER SEMPRE EM WIMBLEDON, NÃO É?

PORQUE SE NÃO GANHAR, LEVA CHUMBO!

O Esquadrão da Morte Suíço não perdoa erros! Ao mesmo tempo NINGUEM aqui se manifestou com sua vitória. Nenhum piu se ouviu! Ninguém berrou. Ninguém celebrou. Era esperado. Era EXIGIDO!!!!! Tem que ser assim! Ora, bolas!

Perdesse pediria ASILO AO BERLUSCONI OU AO LULA, ou se enforcaria lá perto mesmo, Wimbledon, Richmond, Roehampton, Putney. Belos e nostálgicos bairros da minha adolescência.

.

.

Gerald Thomas, 06/Julho/2009

.

.

(Vamp na edição)

.

429 Comments

Filed under artigos

Estamos Queimados

“MOSES UND ARON”

Gerald Thomas

Imagens disponibilizadas por Patrick Grant no link abaixo:

http://www.youtube.com/watch?v=NBh-7jEtDuw

 cena de moses und aron

Cena da Ópera “Moses Und Aron” (Schoenberg) dirigida por Gerald Thomas.

 

1998

*”MOSES UND ARON”, de Arnold Schoenberg, na Ópera de Graz. De longe o ponto alto da carreira de mais de 20 anos de Gerald Thomas. Com Arturo Tamayo na regência (um maravilhoso colaborador) e um coro extra da Letônia (totalizando 260 pessoas no palco), essa produção foi uma indignação. Custos? Pornográficos demais para se citar na recessão cultural de hoje. O cenário de Guenther Domenic foi um escândalo (especialmente na cena final, em que o monte Sinai se movia como uma aranha. No topo, o próprio Moisés, gaguejando, sem palavras, olhando para a decadência promovida por Aarão, seu irmão, abaixo).

Thomas ambientou a ópera em um estúdio de TV, como se fosse um programa de entrevistas barato como o de Jerry Springer, em que a platéia se manifesta o tempo todo, gritando, interferindo e assim por diante. Gerald Thomas fez um inventário do desconstrutivismo com essa ópera inacabada, colocando em cena todos os ícones da arte do século 20 (de Duchamp a Pollock, Koons, Warhol, Hélio Oiticica e Christo). A iconoclastia também foi a grande questão, simplesmente porque (por razões muito pessoais) Thomas acredita que o século 20 já analisou tudo o que tinha de analisar, destruiu tudo o que tinha de destruir e colocou sob uma lente de microscópio muito precisa todos os cacos do mosaico que possivelmente existiam. Os semiologistas franceses fizeram sua parte. Agora, como disse Karl Loebl brilhantemente em sua revista ao vivo no canal ORF, “Gerald Thomas muito inteligentemente encenou as conseqüências do conflito entre os dois irmãos e tudo o que pode ser lido no meio”. A produção foi elogiada como uma das melhores de todos os tempos e Nuria Nono Schönberg em pessoa estava lá e pareceu muito comovida com o que viu.

  —————————————————————————

BURN NOTICE – Uma nota achada num cruzamento perigoso!

New York – Caramba! Percebo que não escrevo artigo novo desde Londres, numa Segunda- feira em que a cidade parou por completo: neve, tudo parado. Até trouxe um exemplar de cada jornal e chega a ser engraçado: “FOREIGNERS , bloody foreigners”. Parece que a neve (a mais forte em 18 anos) e o despreparo são tudo culpa dos estrangeiros.

Virou um Monday, Bloody Monday, ou melhor, um snowy Monday. Todo mundo plantado em seus lugares e xingando um europeu do leste. Até os indianos e paquistaneses xingavam os europeus do Leste!

Mas deixemos a xenofobia pra lá. Outro dia me peguei mandando um alemão pra um lugar terrível, tipo Dachau ou Buchenwald. Logo eu! Numa discussão terrível e apaixonada sobre arte e comunicação apela-se e chega-se a denominadores comuns baixos, baixíssimos! Um horror!

Ontem, após dar uma aula na Julliard (atrás do Alice Tully Hall, onde fiz o “Flash and Crash Days” com as Fernandas em 1992), mal consegui atravessar a rua de tanto vento! Metáfora? Nada. Era o vento mesmo nos levando! Era o tempo real atacando nossas peles nessa temperatura quase primaveril, para essa época do ano, nessa Manhattan.

Louco para voltar pra casa e não para o hospital onde está  Ellen Stewart e lidar com médicos e enfermeiras, cada um falando uma língua, cada um falando um dialeto, como se tudo viesse de Punjab ou de… sei lá. Estresse causa isso! O trânsito também causa isso. Vou jogar o celular no lixo! Pronto. Deve ser o início da cura, como disse belissimamente o Billl Mahr ontem no “Larry King Live”, logo antes de sabermos da notícia do crash do avião que levava uma viúva de uma vítima de 11 de setembro. Como falar sobre isso? E como não falar?

 “BURN NOTICE” é o seriado mais legal, mais ágil e mais cínico da TV americana. Leva no USA channel e não em canal aberto (ainda). É impressionantemente ligeiro, deliberadamente charmoso, profundo quando quer ser, e diabolicamente romântico e semi-tropical, já que tudo é baseado na vida de um EX isso e EX aquilo e tudo acontece em Miami. Adoramos os rejeitados que dão banhos no sistema e ainda narram como se deve fazer pra construir armadilhas em torno dele.

 “Mas a vida não começa hoje nem ontem”, eu dizia para os alunos da Julliard. Ria-se muito. E eu com eles.

 “Não,  a arte tem mil e dois precedentes. E nós, 44 presidentes!” Eles ouviam, num telão,  um crítico ao vivo (Karl Loebl, da TV estatal ORF) fazendo uma crítica linda e comovente da minha encenação de “Moses und Aron”*, de Schoenberg (1998, Graz, Áustria), e é justamente aí que o MUNDO pára. Ah, sim: Quando é que o mundo pára? Quando precisamos que pare para uma reflexão do que fizemos. Quando tem gente em volta precisando de nós e nós precisando dela. Quando a arte de hoje virou uma cópia estranhamente boba da arte de ontem. Não, nada morreu. Mas está na UTI, assim como a Ellen.

 

Obama e o pacote de estímulo.

Não, de Obama eu falo mais perto de completar UM MÊS. Será que agüento?  Será que meu coração agüenta?

 “Burn Notice” é um seguimento natural de “Rockford Files” da década de 70, com James Garner, que vem a ser um seguimento natural do detetive Phillipe Marlowe, do escritor Raymond Chandler.

Onde as coisas começam? “Onde nós determinamos que elas comecem”, respondi para uma aluna. Senão enlouquecemos. Estão tentando traçar paralelos loucos entre Obama e Lincoln (sim, mesmo Estado, abolição  da escravidão…) e mesmo com o pacote econômico de FDR.  Mas não há paralelos. Existem cruzamentos. E, como nos mostram os heróis ou anti-heróis da TV, como Michel Western do “Burn Notice” ou James  Garner do “Rockford Files” – como  é da história da arte, como Duchamp e o próprio Schoenberg – cruzar verdades ou criar um futuro virtual  pode ser perigoso.

Pior ainda: pode ser somente uma tática semântica. Pior ainda: pode ser somente uma arma de propaganda.

 

Gerald Thomas

 

(O Vampiro de Curitiba na edição)

 

255 Comments

Filed under artigos

Precisamos de Um Figurino para Usar Nessa Recessão!

O Figurino apropriado para a RECESSÃO

Qual seria? Tudo bem, já estamos ouvindo que as coisas vão de mal a pior. Péssimas, pra dizer a verdade.  Ninguém gasta mais um tostão em nada. Restaurantes vazios, lojas às moscas, os gigantes da automotive industry entregues às traças e… o mundo um grande cenário de teatro pós-moderno. O que seria isso? Bem, aqueles escombros pós-explosão nuclear que adorávamos colocar no palco: “ruínas que ainda estavam lá onde eu brincava quando menino”, lembranças de Hiroshima, Dresden, etc. Algo como um reator nuclear rachado ou uma hipótese pessimista da pior catástrofe dada errada (ou “Dada” errada: uma Roda de Bicicleta de Duchamp no meio dos escombros!). Uma mulher enterrada como se fosse num holocausto moderno berrando HELP ou HILFE ou SOCORRO mesmo e nem um único ouvido mais a escutá-la no bairro tradicional de Alfama, em Lisboa, ou na Lapa do Rio, onde um rato assado passa por churrasquinho e túnicas africanas lindas apontam que todo dia se comemora o último dia do fim do mundo.

Não, nesses lugares não existe recessão! Não existe a “nova” recessão, porque SEMPRE houve recessão. Então, qualquer novo anúncio passa batido ou vira piada, um gol contra ou mais uma dessas lorotas que se contam no “mundo estrangeiro ultramarino”. Interessante.

Homens iscas. Nada os mordem. Estão lá para serem mordidos, mas nada os mordem.

Diluem suas águas minerais com água da bica. Não se trata de recessão, Zé Mané? Não seria essa a ordem do dia? Então vamos às perguntas básicas: por que os presidentes das nações mentem tanto? Por que não aprendemos NUNCA com o desenrolar da história que a própria história não passa de uma ilusão, assim como uma mera encenação teatral? Ah, claro, e como encenação, o que sobra não chega a ser propriamente um registro físico, documental, mas o que se ESCREVE a respeito dela. E esses escritos são ficção PURA. Melhor ainda, IMPURA. Conclusão: não aprendemos! Somos imbecis? Reagimos a impulsos Pavlovianos? Não nos desenvolvemos? Como seres humanos continuamos a levantar a perna para cada poste que encontramos para mijar? Tão simples ou imbecil  quanto isso? Vamos sempre repetir os erros históricos e lorotas de ‘notas oficiais’ para sempre? SEMPRE? Na capa da Folha de sábado, a enorme manchete: 

“A crise econômica eliminou 533 mil postos de trabalho nos Estados Unidos em novembro, elevando a taxa de desemprego de 6,5% para 6,7%, segundo informou o Departamento do Trabalho. É o maior corte de vagas em um mês no país desde 1974. Há hoje 10,3 milhões de desempregados nos EUA. Os dados são de novembro, que registrou a 11ª queda mensal consecutiva.”

“Estamos todos PENETRADOS”

 

Melhor frase do “Quantum of Solace”, o último James Bond, onde pouca coisa se salva, exceto a cena na ópera de Bregenz. Linda. Cortes lindos. Esfaqueamentos encenados num palco e cenários deslumbrantes (de Aida, acho) e tiros rolando pelas coxias entre os “bonzinhos” e os maus!

 E a frase: “WE ARE EVERYWHERE, haven’t you noticed?”

-Estamos em todos os lugares, vocês não notaram?

A falência múltipla de órgãos, todos eles, desde o CRASH de todas as instituições financeiras até TODAS as mentiras corporativas que os governos tentam nos empurrar goela abaixo… desde os complôs históricos, a cujos documentos “top secret” nós não temos acesso até gente reescrevendo a história para que o FDA e iguais ou semelhantes agências lucrem com a nossa depressão, ou criem um pânico ou – pior – lucrem com o PÂNICO instalado, O PÂNICO CRIADO pela indústria do terror (ambos os lados!)… Ai, meu deus, Gerald, melhor medir suas palavras! Onde estou querendo chegar? Em Brecht? Num tratado de Heiner Mueller? Num daqueles monumentais e revisionísticos discursos que só fazem mesmo é PROVOCAR mais a ira das instituições como a(s) igrejas, as sociedades organizadas, os sindicatos?

Não, nada disso!

Gostaria somente de poder reduzir tudo isso a um caldo ou à uma essência. E qual? A essência da farsa ou do drama farsesco, ou clownesco, onde (num cenário detonado, como todos os meus são), um ator encontra um Bordeaux 1933 e se lembre do pior de todos os regimes de todos os tempos: o Terceiro Reich. E, logo em seguida, ele encontra um Barolo 1945, ano do fim de tudo isso. Numa mão, ele segura o Bordeaux, noutra o Barolo. Ascensão e Queda. Uma mão e outra, que contraste! E que vinhos!

Algo estranho? A primeira vista pode ser. Mas a meninada de hoje, imbecilizada como está, não notaria as datas, nada teria a comentar. A vida como ela está: Cada vez mais provinciana, reduzida ao TERROR do bairro, ao terror do confinamento das Hiroshimas de suas pequenas e medíocres cabeças!

Como sempre foi, como sempre foi…

Vivemos como sempre vivemos.

Sem causa para muito alarme.

A razão dessa coluna? Um desabafo ocasional contra a falta de cultura que me pega de vez em quando. Só de vez em quando. Quando me pego conversando com 60 jovens que não sabem os nomes BÁSICOS do porquê chegamos aqui, onde estamos hoje. E do hoje que veio da maneira que chegou aqui. Porque não sabem e não leram um único LIVRO que explicasse o porquê de tantas… Ah, não! Não posso ser derrotado por mais um grupo de deslumbrados sem sul, sem norte, sem leste ou oeste!

Ah sim… Tem muita gente lucrando anunciando CRISE, RECESSÃO, etc.

Cuidado: estamos aqui como sempre estivemos.

Gerald Thomas

(O Vampiro de Curitiba ba edição)

157 Comments

Filed under artigos

O Círculo se Fecha!

Voltar para casa é sempre um alívio. Digo isso a cada 3 semanas e chamo Nova York de “casa” (e sempre foi),  assim como chamo Londres de “casa”, assim como chamarei, logo,  logo,  um assento numa canoa, fugindo de um furacão, de “casa” (Aliás, obrigado, supervisor de vôo da “JAL”, pela troca de assentos na última hora). Para vocês que voam de “TAM” e não sabem o que é cortesia, experimentem voar pela “JAL” (não, isso não é jabá, pago full fare em business, mas agradeço gentileza e ataco os rudes, os brutamontes do ar quando merecem ser atacados.)

Olhando fotos dos retirantes de Louisianna, esses seres que escaparam do Gustav e que escaparão de vários outros desastres naturais e artificiais, como guerras, insurgências, minha mente atravessa vários emails não respondidos aqui no computer e a geladeira sobrecarregada de produtos orgânicos da WholeFoods… mas por que digo isso? Ah sim, ainda me fixo no artigo dos Caretas! Cidades caretas, cidades JOVENS, dominadas por jovens e com JOVENS saindo pelos poros da imaginação!

Esqueçam os autores MORTOS!

ESTAMOS VIVOS.

Não custa esquecer um pouco, por um tempo (digo, um respiro) os “CRÁSSICOS”! Estão nos levando a Ground Zero! Se formos investigar ou querer investigar o CÍRCULO das coisas semi-vivas, saibam que existe em MUNIQUE um dos mais belos ambientes do mundo, digo isso porque VIVO LÁ: a GLYPTOTHEK (entrem no Google e descubram, que não aguento mais descrever essa maravilha semi-morta, greco-romana)

Esquece! Esquece!  Passei minha vida inteira  tentando comparar culturas, tentando explicar uma cultura para outra, tentando explicar para os meus tios que no Rio não tem elefante andando na rua. E riem. Tento, até hoje, dizer que em NY se anda tranqüilamente às 4 da madrugada sem olhar para trás de MEDO e… riem!

O círculo se fecha!

Guerras entre críticos e músicos e artistas de palco ou de telas penduradas em museus.

Tudo muito triste, mas a verdade é que o círculo se fecha e o mundo responde via Blogs.

Saudades imensas de pessoas como João Candido de Galvão. Meio pé-na-merda, meio pé-na-imprensa. Mas sabia das coisas. Era relacionado a Oswald de Andrade, não sei bem como.

A última vez em que nos vimos foi no aeroporto “Charles De Gaulle” (acho). Me contou que havia sido assaltado na Ipiranga com São João. Já estava bem fraco do coração. Nós nos amávamos. Era um amante da obra de Robert (Bob) Wilson e falava dele com paixão. Paixão que poucos possuem quando falam de arte hoje.

Por que a arte hoje não é discutida com paixão mesmo quando se discute o iluminismo ou, digamos, os impressionistas? Estranho! Não sinto paixão por Jackson Pollock. Tenho um amor frio por ele. Tá certo! Mas tenho uma paixão FORTÍSSIMA pela obra de Duchamp e pela obra de Steinberg e a de Francis Bacon e Vik Muniz (que encontrei ontem vindo pra cá).

Digo, morro de paixão por Pina Bausch, e João Candido sabia corresponder essa paixão quando fez a crítica de “Quatro vezes Beckett” – em 1985 – no “teatro dos 4”, no Rio. Também soube meter o pau em “Carmem Com Filtro”, obra ruim, que construí pro Fagundes em Sampa, em 86. Mas fiquei quieto.

Tem artista que esperneia até hoje: sim, mandei a Bárbara Heliodora morrer. Mas isso é um capítulo à parte: ela queria que eu morresse, que meu teatro morresse e atacaou a Nanda. Eu simplesmente fechei o ciclo. Anos depois, digo, hoje, outro círculo se abriu. Dona Bárbara e eu nos damos bem. Ela gosta ou desgosta de alguma obra minha, mas ela dá de DEZ a ZERO em Ben Brantley ou no Christopher Isherwood, ambos do New York Times (nova velha geração), os pré-pretensiosios que chegaram há alguns anos quando Frank Rich e Mel Gussow saíram.

Ah, a crítica! Não vivemos com ela. Não vivemos sem ela.

O que dizer de tantos novos atores e atrizes de hoje? Não se pode mais MASTIGAR em público, digo, mastigar mesmo (boca entreaberta ou não), como num desses “FREVINHOS” da vida (restaurante na Oscar Freire que deveria ensinar aos russos e polononeses como se fazer um bom strogonoff). “Ai, que nojo, Gerald!”  Zé Celso está de parabéns por ter RESISTIDO à caretice dos tempos. (Te admiro Zé, e você nem sabe o quanto!)

“NOJO”?

Artista de teatro sente “nojo”?

Caramba! Eu não sabia disso, com 30 anos ou mais de teatro, se levando em conta “Verbenas de Seda”.

Um pé na merda e outro outro na lama” – dizia Grotowski. Frase inesquecível para uma cultura inesquecível. Sim, cheguei em casa.  E, ao ler o Times, leio as páginas de cultura que há anos não saem do mesmo tema: parecem até terem entrado no próprio labirinto metalingüístico da mesmice e da loucura: ELSINOR!

Palavras, palavras, palavras!

Fecharam o círculo.

Só dá peça de Shakespeare ou peça de Beckett!

Parece até que Hamlet fará o “Krapp’s Last Tape”. Haja “Quantum Leap” pra tantum, digo, pra tanto!

Não podemos ficar falando ou repetindo e repetindo momentos da cultura do passado! Não podemos. TEMOS que FALAR pra FRENTE, custe o que custar.

Aqui na parede, enquanto eu escrevo, de vez em quando eu levanto os olhos e dou de cara com fotos num painel avacalhado: Beckett e eu; Julian Beck e eu; eu espremido entre Haroldo e Augusto de Campos. Deus do Céu! Quase toquei nas mãos de Joyce. Eu disse “quase”.

Estou fechando o meu círculo.

Custe o que custar!

Gerald Thomas

NY, 2 September 2008

PS: a “CLARO” boicotou meus recados e minhas ligações durante minha estada no BR. Três delas foram pro Alberto GUZIK, ex-crítico , futuro “UM CRÍTICO”, sempre um tremendo apaixonado.

EXTRA EXTRA

BUSH NÃO FALA DIRETAMENTE À CONVENÇÃO REPUBLICANA!

FALA RAPIDAMENTE VIA SATÉLITE: razão indireta = hurricane Gustav (que já passou, hoje, terça).

Razão real: a BAIXÍSSIMA popularidade de Bush!

 

(Vamp na edição)

Comentário belíssimo de:

Enviado por: Tene ChebaCiclos, uma possante palavra, ciclos existenciais, das estações, ciclo sexual, das chuvas, da neve, do amor, da dor.O ciclo é foda, quando não está em pi, está em e, ou o número Euler, dá no mesmo, só para esclarecer. A vida, a morte, a desesperança, o futum, o bode que não sai da sala, teima em ficar.O Artista é dono de um ego compelxo, anormal, ele não entende o seu público, odeia esta dependência, seu maior pavor é saber que sua arte será impiedosamente julgada, por anônimos, esta ansiedade danifica sua existência, o gozo nunca vem.Ser Crítico, o perfeito embasamento para não se acreditar em Deus, ninguém merece, nem eles, coitados, o destino furioso não lhe concedeu o talento, apenas o poder platônico de amar os filhos dos outros, uma paulada que dói.Mas tem o povo, incapaz de captar uma Tela, de entender um texto, de abstrair o feio, o belo e o trágico, não existe competência na fome, não existe arte na fissura, nas dívidas, no ônibus, nas quatro horas de viagem, entretanto amam seus escolhidos, seus eleitos. O meu círculo está em pi sobre quatro, faltam ainda três pi sobre quatro para ele se fechar.Um gênio não deveria perder o seu sentido, não deveria acumular, apenas fluir, chorar, ri, mas nunca se ausentar.Nova York-São Paulo, ou, excessivos contrastes perturbam.Melhor comer uma maçã.

e de…

Enviado por: ManuEles pairam sobre nós, vivos ou mortos, sempre nos acompanham e permanecem vivos no mais profundo mistério de nossas mentes, não blasfeme, não chore, ilumine-se com a palavra que está em tua boca, que está em nós, que está em tua morada, que está na tua mãe, no teu pai, no teu filho , na tua amada, no teu céu , no teu quarto escuro, na tua janela aberta, no ar que você respira, não pare nunca de dizer a palavra que nos redimirá de nossos erros, de nossos fantasmas, de nossos desejos, de tudo que não é, de tudo que é e será, de tudo que não faz sentido, de tudo que deve morrer, de tudo que deve viver, de tudo que deve florecer nesta estação.

do Mau Fonseca

Enviado por: MauBEETHOVEN quando terminou a NONA teve de escutar os criticos alemães falarem que sua Nona era uma BOSTA.

Ainda bem que ele ja estava totalmente surdo.

114 Comments

Filed under artigos

Querem matar a Amy Winehouse de qualquer jeito, mesmo que ela ainda não esteja pronta para morrer!

Estão Matando Amy Winehouse!

Londres

Estranho! Aprendi perspectiva com… Não! Esquece. Não era sobre isso que eu queria escrever. Era sobre a morte da minha mãe. Vai fazer dois anos. E, por um acaso incrível, ando pelas ruas de Londres. Não, ninguém consegue explicar.

Ah, sim: uma amiga muito querida me mandou um e-mail dizendo que um colunista carioca havia escrito a respeito de mim e de Sergio Britto, com ironia bem humorada e cáustica ao mesmo tempo, lembrando os bons tempos do “teatro de polêmica”.

Ontem saiu um artigo meu na “Ilustrada” sobre a retrospectiva de Duchamp. Talvez eu publique aqui no Blog. Mas é que a crítica era, de certa forma, uma remontagem de um artigo que eu já havia publicado aqui nesse espaço.

ESTÃO MATANDO A AMY WINEHOUSE

E não irão desistir antes que consigam! A imprensa precisa de cadáveres. Principalmente essa imprensa daqui, a britânica, que se nutre de corpos mortos: coisas de madness of King George ou Henry V ou Richard III ou Mary Stuart, Queen of Scotts.

Se na América a imprensa persegue a Jolie e o Pitt e querem saber dos filhos e tal, aqui é sex, drugs e rock and roll. E nunca foi diferente: não falo somente dos tablóides: estou emigrando para o Telegraph, para o Guardian e para debates no Old Vic e seminários que querem, absolutamente QUEREM, que AMY WINEHOUSE morra para que seja idolatrada como mártir de uma geração perdida. Mais uma causa perdida. Mas perdida por que e para quem?

Eis uma bela questão, não é mesmo, Hamlet?

Se Janis Joplin, Hendrix e Jim Morrison morreram todos lá, em torno dos seus 27 anos, eles certamente não eram uns “Rebels Without a Cause”. Suas rebeldias vinham junto com a contracultura dos anos em que se lutava com o tal “paz e amor” e flores na cabeça (e injeções enfiadas no braço), berrando slogans contra o Vietnam, seguindo os dizeres de Abbey Hoffman ou Jerry Rubin – todos mortos, um por atropelamento, outro por câncer, tudo peixe morto: MEET THE NEW BOSS. Same as the old BOSS!!

Enquanto Pete Townsend, do “The Who”, já pegava o cabo de sua guitarra e metia o pau em Hoffman por ter chamado os integrantes desse grupo… Chega, não vou voltar no túnel do tempo!

Não tenho tempo: Amy Winehouse e a causa dos tempos perdidos, e os rebeldes sem causa, e a fragilidade dessa menina judia com um yiddish PAPA que a salva, e sua auto-estima, e… Onde quero  chegar:

Todos amam uma decadência: todos AMAM ver a Judy Garland caindo aos pedaços ou a Ângela Ro Ro fazendo escândalos,  a Vera Fisher enfiando a faca na empregada ou a Maysa se embriagando ou o João Gilberto enfiado no quarto do Gramercy Park Hotel por meses a fio ou o Miles Davis.

Fato é que, olhando uma celebridade consumindo drogas, a sociedade (principalmente essa daqui, a britânica, pra onde Rosencrantz e Guildernsteen trouxeram o Príncipe da Dinamarca porque aqui era, OFICIALMENTE, a terra dos loucos  (e, ao que se conta, a Rainha Elizabeth I, ao ver e ouvir isso na platéia do Globe, morreu de rir), se sente livre pra deitar e rolar.

Pausa pra um intervalo autobiográfico: eu era motorista de ambulância aqui, no Royal Free Hospital: foi uma curta, mas válida experiência. Como não deu muito certo, acabei tendo que “recolher junkies” em Piccadilly Circus Station (lá em baixo, na estação de metrô), onde existiam verdadeiras famílias que esperavam “score” uns trocados: eram carne e osso, dentes pra fora, os braços todos fudidos, roxos de picadas – porque a Boot’s, farmácia 24 hs. (daquela época, inicio dos 70), lhes davam, em última instância, uma injetada de metadona.

Nossa função: recolher esses esqueletos e levá-los para Crystal Palace Recovery Center. E para quê? Só para vê-los lá. Na noite seguinte, os mesmo junkies, as exatas mesmas pessoas! Escapavam da clínica durante o dia e conseguiam voltar para o Central London, para o Inferno.

Enfim: Amy, a heroína, sem metáforas!

Cito Jenny McCartney do Sunday Telegraph: “No momento em que a política de guerra é declarada – seja ela qual for- já está fadada a falhar”. E assim é com a guerra contra as drogas. Está mais ou menos estimado que, entre 1996 e 2005, a polícia inglesa apreendeu somente 12 por cento da heroína e 9 por cento da cocaína que foram importadas para dentro dessa ilha.

E mais eu não posso dizer. Por quê? Porque senão acabo boiando no rio mais literalmente limpo do mundo, o Thames – que, modesta parte, meu tio Joachin Sievers ajudou a limpar. Ou no Tietê, um rio extraordinariamente LIMPÍSSIMO! Tão limpo que você consegue ver a espuma do sabão e do shampoo boiando nele!

Amy Winehouse está morrendo a cada dia através da imprensa! A cada dia, parece um sopro de sobrevida!  Mas quanto a essa sociedade movida a “gentlemen’s clubs” e que ainda divide meninos de meninas em muitas boarding schools e…

Pára, Gerald! Senão…

Afinal você retorna ao lar, não é? Seja grato e bata palmas duas vezes no Café Rouge, uma vez no Café Blanche e……

FIQUE QUIETO!!!! Aqui na Inglaterra, a sociedade não te condena! Ao contrário do Príncipe da Dinamarca, ela sai, SIM, das palavras e vai para a ação! Só que atrás de portas e janelas muito bem lacradas!

Gerald Thomas

(Vamp na edição)

PS 1 do Gerald: eu PRECISO publicar no corpo desse Blog o seguinte comentario. Nao sei muito bem porque, mas justamente hoje ele me pareceu ser um “tratado” a tudo que o Brasil tem de Sergio Porto. Vamos a ele:

04/08/2008 – 14:41 Enviado por: Cláudio de OliveiraÉ isso ai, até quem fim um tema para o Sr. comentar sem parecer ou ser arrogância pura. Gostei do Sr. falando de suas experiências profissionais, o sr. que se acha assim tão acima de todas as coisas, porém tive uma certeza, vc é realmente um grande bunda-mole um Datena intelectualoide. Estudou na escola do Ratinho, àqueles que berram e berram o óbvio, chamam o prefeito, o governador, o cantor o trabalhador de merda, de burro e vive disso. Por isso acha-se muito esperto, apesar das nove óperas todas de autores clássicos e neo clássicos. ui?
Somos um paizinho mesmo, onde já se viu alguém preferir Luiz Gonzaga a Wagner? Sua Suna a Beckt?
Seu problema é que não sabe chegar e sair dos lugares, jamais vai saber o que é alimentar-se de boa comida, banhar-se de sol, dar uma boa gargalhada, não sabe por que não pode, tem de ficar ai alimentando o fetiche de branquelos infelizes que sentem-se insultados com o suor dos corpos dos trópicos.
A grande dificuldade do sr. é entender por que deseja tanto ser possuido por esse povo, por que apesar de tanta superioridade o sr. perde tão nobre tempo espizinhando o povo brasileiro.
Olha branquelo, nascesse antes, seria o Diretor ideal para os espetáculo da alemanha de Hitler e foda-se se vc for judeu…

221 Comments

Filed under artigos