This is what Coronavirus might look like!

CORONAVIRUS confirmed

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Texto final de “DILUVIO” – @Gerald Thomas 2017

 

WARMONGERS -"ISOLATION"PAINTING MADE WITH COFFEE @Gerald Thomas - London 2003

WARMONGERS -“ISOLATION”PAINTING MADE WITH COFFEE @Gerald Thomas – London 2003

Reconheço a dúvida de algumas pessoas quanto a isso ser ou não ser algo. Reconheço essa dúvida histórica sem a qual eu jamais poderia ter ultrapassado tantas etapas, a ponto de dizer: sim, isso é uma dúvida, é mais dúvida que qualquer dúvida por ser menos certeza do que, digamos, uma afirmativa ou do que uma mera pausa. Uma pausa sugere uma mentira, uma hesitação, sugere algo fake, entende? Fake. Sim, fake. Uma “situaçãozinha”. Mas reconheço a dúvida dessas pessoas, como reconheço a desaprovação dessas pessoas. Não que eu, como Maria de Lima, enquanto pessoa física e/ou pessoa jurídica e por que não pessoa física quântica jurídica dessa arca, desse aborto, dessa… Não. Não é isso que eu quero dizer.

Eu posso até me convencer e achar tudo isso muito positivo. Isto é, crescer, se instruir e descobrir pequenas coisas no mundo e adaptá-las ao nosso íntimo, tendo a mais absoluta certeza de que somos únicos, de que importamos para o mundo, de que mais ninguém pensou nessa imagem, nessa coisinha, que ninguém mais incorporou isso. Posso até achar tudo isso muito positivo. Posso até tentar esquecer os vários momentos em que dou de cara com os verdadeiros gênios do passado e os de agora, que não só viram isso, como fizeram disso… uma mera fatalidade do meu passado. Tenho uns vinte críticos vivendo aqui dentro, aqui dentro da minha cabeça. E o que eles dizem não é melhor nem pior. Vai continuar havendo vida. Sim! VIDA!

Gerald Thomas 2017

New York

Leave a comment

Filed under Uncategorized

“My own personal testimony to what it is like to witness a PANDEMIC pass through the window”

“ISOLATION”PAINTING MADE WITH COFFEE @Gerald Thomas – London 2003

“My own personal testimony to what it is like to witness a PANDEMIC pass through the window”

By Gerald Thomas @copyright – New York, March 24 2020

We have never seen anything remotely close to this. Nothing like it in times of war or peace.

This is completely unprecedented. I still have to wrap my head around this, take a long breath (lungs allowing) to try focusing on the day to day progression of events, news, reports, images only to finally realize that I have never been or seen anything remotely close to this.

Whenever in this life would I ever had imagined a world accruing the staggering number of nearly 400 thousand cases of Coronavirus, affecting almost every single country ?  Whenever in this life would I ever have imagined the Italy that we all so love, plagued by 6 thousand deaths in one and a half months?

Never.

Other than in a World War where the extreme scenario is death, destruction and devastation, in sixty five years I have not seen an empty (completely empty, quiet, somber and vigilant New York City. Not in the aftermath of 9/11, not in the aftermath of Hurricane Sandy, I cannot recall a time in recent history when a potential enemy (or a virus, or anything else for that matter) has reshaped our way of lives, kept us indoors and away from a social life, scared of one another and…. Well, realizing that the chain of supply and demand is as feeble as a heartbeat, as feeble as an infant taking a gasp.

There’s nothing in the grocery stores. All restaurants are closed, no cinemas, no theaters; nothing is open which has to do with a public gathering. No church going, no synagogues, no temples. Jobs gone. Disappeared. From the small business owner to the airline, ship and hotel industries all but gone.

No, never like this. I imagine that maybe 102 years ago, during the Spanish Flu.

I have been trying to keep the spirits up, have tried posting exaggerated jokes on social media,

Have tried not confronting these ghostly and  STAGGERING figures of death or infection, whether it is Italy, England, Spain or here, the epicenter of it all (lately), New York.

No SARS, no N1H1, no Ebola has ever reached or spread so quickly around the world – from its inception in China. I have not witnessed a time in History where the news, local, international on any and every sort of media has been devoted SOLELY to one and one concern alone: the Coronavirus pandemic.

Images of patients scattered through a Spanish Hospital corridor, images of countries closing their borders afraid of the “outside scare”, images of masked and enveloped people roaming around the streets of capitals and all around in this world murmuring to themselves: ”Stay Home!” whilst rubbing their hands in soap and sanitizers, accepting curfews and control measures of all kinds, more than ever. More than EVER.

Conspiracy theories slowly fading and – most importantly – a president such as Donald Trump who, firstly, refused to even acknowledged its danger to declaring a national emergency and banning flights from Europe and elsewhere, softening up and accepting the word ‘pandemic’ instead of telling people to relax.

If anybody had told me that I would be witnessing the system grinding to a halt leaving us all stunned, TV anchors reporting from home, online schooling and online everything, whether it’s during our self isolation or quarantine, I would certainly dismissed it as an apocalyptic forecast, as so many since I was born.

I am afraid.

I know this is only the beginning. Ten days ago, life in the USA was normal and I was returning from a trip to Cancun. Yes, this is only the beginning.

“I would have fixed that,” Mr. Trump would jump in his own defense. Well, that was in the past. Now he has experts come to the microphone even if, at the flip of a coin, he changes his mind and teases their field of expertise.

Last week, Trump accepted (or conceded) that we were heading for an economic depression “the likes of which we’ve never seen” (to paraphrase his silly use of language. And for Trump to speak publicly about a depression, is to accept his only potential victory banner for this year’s presidential election.

Yes, a national depression and a world recession. Trump is well used to this and thrives in this atmosphere since economic blackmail is what he’s an expert in, the bully, the crass man who shouts: “you’re FIRED”, this compulsive LIAR who invests in personal tweets in the middle of the night, blasting actors in Hollywood and calling the free press “the enemy of the people”, this ignorant dude who divides the world into “winners and losers”, Donald Trump is the one who seems to only demand loyalty and his profound need for personal praise, the propensity to blame others, the lack of human empathy, the penchant for rewriting history, the disregard for expertise, the distortion of facts, the impatience with scrutiny or criticism. For years, skeptics expressed concern about how he would handle a genuine crisis threatening the nation, and now they know.

If, in the past –  crises of such a dangerous order were created by decree – such as  a WAR – and, thus, a result of human creation involving human adversaries, this time it’s different and baffling.  

Mr. Trump’s performance on the national stage in recent weeks has put on display the traits that Democrats and some Republicans consider so jarring — the profound need for personal praise, the propensity to blame others, the lack of human empathy, the penchant for rewriting history, the disregard for expertise, the distortion of facts, the impatience with scrutiny or criticism. For years, skeptics expressed concern about how he would handle a genuine crisis threatening the nation, and now they know.

We have never seen anything remotely close to this. Nothing like it in times of war or peace, this is completely unprecedented. While I am trying to wrap my head around this, take a long breath (lungs allowing) and try focusing on the day to day progression of events, news, reports, images only to finally realize that – on an hourly basis: I have never been or seen anything remotely close to this.

Yes, it has passed and surpassed the point of humor, satire.

I am totally scared.

Gerald Thomas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Brecht and the Coronavirus.

Meus amigos brechtianos devem estar felizes: finalmente chegou a era do “distanciamento” !
My Brechtian friends must be glowing with joy: We have finally entered the era of the ‘distancing effect”…

Gerald

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Trump : poor little twit !

Trump’s performance on the national stage in recent weeks has put on display the traits that Democrats and some Republicans consider so jarring — the profound need for personal praise, the propensity to blame others, the lack of human empathy, the penchant for rewriting history, the disregard for expertise, the distortion of facts, the impatience with scrutiny or criticism. For years, skeptics expressed concern about how he would handle a genuine crisis threatening the nation, and now they know.

Excerpt from The New York Times

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Fox News – an organization based on lying ! here’s some of their contradictions

Leave a comment

Filed under Uncategorized

“it’s a hoax, a hoax! This is all made up by you, the FAKE NEWS MEDIA and the Democrats” – Donald Trump and his abominable lies.

Leave a comment

March 17, 2020 · 3:30 pm

Musical interlude # 2 – Ney Latorraca and I practicing, rehearsing in NYC in 2013 (Entredentes was our play)

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Musical interlude # 1 – Ney Latorraca and I (piano) rehearsing in NYC (2013) for “ENTREDENTES” (our play in 2014)

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Reinaldo Azevedo fala (trecho isolado, recortado) sobre a nossa (futura) peça.

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Reinaldo Azevedo e Gerald Thomas: um novo espetáculo vem aí: “Está estabelecido o c onflito”

Leave a comment

Filed under Uncategorized

“El Castillo” – Templo de Kukulkán – Chichén Itzá – Yucatan, Mexico! Yes, the Gods were….

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Chichén Itza, Yucatan, Mexico: a humbling experience!!!!

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Cancún, day 4 !

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Cancún, day 2 !

CANCUN BROKEN MIRROR

ASS IN MIRROR CANCUN

CANCUN HOCKNEY

Leave a comment

Filed under Uncategorized

É o FIM ! It’s the END !

Olhamos em volta e simplesmente não acreditamos. Não acreditamos que a mentira possa estar reinando, que o cinismo  e a avacalhação possam estar no poder. Mas, fato é que estão.

Sim, dá uma enorme sensação de exaustão e de “ai meu Deus, que preguiça”! “De novo?”

Em suma: Trump e Bolsonaro realizam a promessa mais importante de todos os populistas, que é a promessa da punição das elites. Cada vez que Trump ou Bolsonaro dizem uma coisa, e que há é a indignação dos intelectuais, dos jornais, da esquerda, os dois. Assim como todos os outros líderes populistas, realizam sua promessa principal, que não é a luta contra a criminalidade nem a arrumação econômica, mas a punição das velhas elites corruptas, que são consideradas responsáveis por uma situação que os apoiadores dele não aguentam mais.
 
Pode parecer um fenômeno um pouco absurdo, mas há forças muito profundas por trás de um movimento como esse. E é muito difícil de combatê-lo porque, além do mais, como Salvini e como Trump, Bolsonaro realizou algo que só [Joseph] Goebbels [ministro da Propaganda Nazista] tinha realizado – e eu não estou dizendo que Bolsonaro é igual aos nazistas: a ideia de que a instituição reforça a propaganda. Então, se você usa a instituição para difundir fake news, publicar imagens violentas e chocantes, você multiplica sua força porque você empresta à propaganda a força da instituição. Isso se transforma numa máquina muito poderosa. Estamos vendo isso nos EUA de Trump e no Brasil de Bolsonaro.
E então?
Gerald, NYC , March 6, 2020

Leave a comment

Filed under Uncategorized

GT NUDEZ EXPLICITA !

HAVE FUN ! DIVIRTAM-SE 

https://geraldthomasblog.wordpress.com/2019/10/06/gt-nudes-renewed-october-2019/

https://geraldthomasblog.wordpress.com/2019/07/03/hidden-and-not-so-hidden-nudes-gerald-thomas-at-65/

Leave a comment

Filed under Uncategorized

The Sievers family (my family) before the Holocaust – family pic in Germany (my father, Hans Günther Sievers, in the detail)

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Video da noite de lançamento: SESC AV Paulista – leitura dos textos, Bete Coelho e eu

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Programa “Metropolis” TV Cultura de sexta feira passada 17 Jan 2020, sobre o lançamento do meu livro “Um Circo de Rins e Figados”

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Actually rowing (for 4 hours – a tiny break ) under a scorching sun!

Leave a comment

Filed under Uncategorized

ROWING IN CLEARWATER, FLORIDA: taking a break on a deserted island.

Leave a comment

Filed under Uncategorized

“Joker” – AN IDIOTIC FILM FOR IDIOTS !!!

 

“Joker” – AN IDIOTIC FILM FOR IDIOTS !!!

by Gerald Thomas

Joker is unimaginative, repetitive and egocentric. It capitalizes on the idea that you and I are eager to “adopt” this self-loathing and self-loving character of exploding and imploding emotions; as the vigilante of our desired and collective dreams. But it doesn’t. Unfortunately, this is, definitely, a film made to please its simplistic, almost idiotic crowd of cheerers.

I never actually wanted to see it in the first place. But I succumbed in the peaceful atmosphere of my Florida resort hotel and finally bought it on on-demand TV.

About 20 minutes into it, I did everything I could around this Florida apartment. From cleaning the dishes to organizing my files and taking care of my tan. Oh yes, self-tanning !!! This bizarre syndrome! Mind you, I admit to subscribing to it with all its absurd vanity but self adoration! But with Phoenix, just as we used to watch an overdose of this self-indulging overacting in the movies featuring Jim Carey and Jerry Lewis, it becomes a statement of a pathology from our past.

Joaquin Phoenix performs like a rock star. His moves and looks are nothing but a copy of the wonderful and less than humble Jagger of yesteryear, a Robert Plant from decades ago and all those lead singers of the past-present and yet, mediocre audiences fall for this, as it is noted.

Obsessed by an obsession with performing Phoenix only reveals (over and over and over), a simple sigh of loftiness, vanity and pretentiousness. Could this character also inspire pity? Could ihe also be looked upon as an icon of the “oppressed classes” or a representation of the vulnerable and unstable misfit that we encounter in our daily lives every day?

Hardly. The movie makes no room for that.

Boring, violent, predictable and immersed in self-love and megalomania (on the part of Joaquin Phoenix – the actor who loves himself so so so much, he hardly needs a movie or a script to fit to).

Loving himself too much can hurt the continuity of the story and trick (yes, trick!!!) a shallow audience into believing that this “grandiose performance” by Phoenix is an advantage, something to be praised, applauded.

The ultimate joke resides in this “Joker”. Nothing but a mediocre and overrated film which runs out of story ideas after the first act and which has less interest than the viral videos of fight scenes as in “The Fight Club” and so many others.

“Joker” does not quench our thirst for revenge and it doesn’t ultimately matter because it’s “all down the line” of the performance – so to speak (and it this genre, Mick Jagger’s acting himself in “Performance” by Nick Roeg (1970) still stands as the ultimate portrayal of a very sophisticated acting coup including metalanguage, neorealism, psychedelic criticism; all contained in a revelatory drama of self love, self hatred, multi-genre glory and mob violence.

In “Joker”, unfortunately, everything about it is meagre and shallow, and the strident lead performance from Joaquin Phoenix is much less interesting than similar portrayals in “You Were Never Really Here” and “The Master”

Pity !

Gerald Thomas – Jan 15, 2020

PS: it has to be noted that the same Robert De Niro who appears here as the talk show host (a Johnny Carson of sorts), also appeared as a “kind” of Joker in the 1982 production of “The King of Comedy” by Martin Scorsese. His Rupert Pupkin character is a failure in life but a celebrity in his own mind, hosting an imaginary talk show in his mother’s basement. When he meets actual talk show host Jerry Langford -Jerry Lewis- well, no matter !… Watch it and “Performance” back to back and gain something from our glorious past !

Leave a comment

Filed under Uncategorized

FLORIDA BRONZE MIRROR !

2020 nudes:

https://geraldthomasblog.wordpress.com/2019/10/06/gt-nudes-renewed-october-2019/

https://geraldthomasblog.wordpress.com/2019/07/03/hidden-and-not-so-hidden-nudes-gerald-thomas-at-65/

 

 

Leave a comment

January 14, 2020 · 9:17 pm

FLORIDA, GORIOUS FLORIDA !!!!

Leave a comment

Filed under Uncategorized

THANK YOU AND FUCK 2019 !

All photos by Adriane Gomes

Leave a comment

Filed under Uncategorized

GT – Semi nudes – one of the highlights of 2019

2020

https://geraldthomasblog.wordpress.com/2019/10/06/gt-nudes-renewed-october-2019/

https://geraldthomasblog.wordpress.com/2019/07/03/hidden-and-not-so-hidden-nudes-gerald-thomas-at-65/

 

Leave a comment

Filed under Uncategorized

GT – NUDES renewed 2020 (life is a hard on :)

NUDES RENEWED PACT:

2020

https://geraldthomasblog.wordpress.com/2019/10/06/gt-nudes-renewed-october-2019/

https://geraldthomasblog.wordpress.com/2019/07/03/hidden-and-not-so-hidden-nudes-gerald-thomas-at-65/

Leave a comment

Filed under Uncategorized

THANK YOU / OBRIGADO – all of you. A todos.

geraldthomas1
COMO não ser extremamente GRATO? Como não me entregar aos DEUSES? Obrigado SESC e Edições SESC por esse livro! Obrigado DANILO SANTOS DE MIRANDA @danilom @doralicelion Dora Leão @felipe66 @drimaciel @fabigugli Fabiana Gugli @francis.manzoni @betecoelho_ e @grazielli_vieira e TODOS os atores que fizeram e fazem minha vida acontecer, obrigado Ney Latorraca, Nanini, Fernanda Montenegro, Bete e Ellen Stewart @lamamaetc @lfmreis and LA MAMA ETC La MaMa ETC (where I used to play as a child… where was that ? Obrigado 
Dirceu Alves Jr.@dirceualvesjr Dirceu Alves J , Flora Sussekind e Adriana Maciel/ Danilo Santos de MIranda and Bayerisches Staatschauspiel and Wiener Festwochen and Julian Beck and THANK YOU !!! Felipe Mancebo + Francis Manzoni

GeraldThomas

Dec30,2019

NUDES RENEWED PACT:

2020

https://geraldthomasblog.wordpress.com/2019/10/06/gt-nudes-renewed-october-2019/

https://geraldthomasblog.wordpress.com/2019/07/03/hidden-and-not-so-hidden-nudes-gerald-thomas-at-65/

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Dirceu Alves Jr. escreve lindamente uma das apresentações do meu livro “Um Circo de Rins e Figados” – Sesc Edições – 2019

UM ARTISTA

EM PRIMEIRA PESSOA

INTRODUÇÃO

DIRCEU ALVES JR.

É fácil, muito fácil falar mal de Gerald Thomas. “Difícil mesmo

é gostar e entender as peças que este cara faz”, costumam dizer seus incontáveis e persistentes detratores. Existe, porém, algo de sedutor no conjunto de sua obra, que muitos resistem a decifrar. Renegá-lo soa, no mínimo, como falta de informação. Desde meados da década de 1980, pelo menos no Brasil, Gerald Thomas transforma-se no centro das atenções quando bem entende e, mesmo depois de exílios criativos, desperta curiosidade imediata ao acordar. Existe sempre a expectativa em torno do que será dito, apresentado ou contestado por ele. “Pessoas interessantes sempre têm espaço na mídia”, afirma, com misto de razão e falta de modéstia, que é capaz de originar interpretações equivocadas a seu respeito.

Diretor, dramaturgo e pensador de seu tempo, o artista usa
a seu favor os veículos de comunicação que adoram lhe instigar e, por tal motivo, jogam-se aos seus pés cada vez que ele pretende atravessar a passarela. Sim, ele próprio, verborrágico, polêmico
e narcisista, garante o espetáculo – mesmo fora do palco. E, por isso, faz o espetáculo quando deseja. Foi articulista de jornais brasileiros de grande circulação, um dos primeiros a alimentar um blog para a curiosidade de uma audiência fiel e, hoje, põe-se voraz nas redes sociais, sugerindo um teatro virtual na internet. Não é raro que provoque admiração ou desprezo pelas ideias que prega. No entanto, justamente por isso, esse cara atende pelo nome de Gerald Thomas.

DIRCEUB ALVES JR E EU NO DEBATE SESC PAULISTA

Personagem cult, com alma de popstar, Gerald Thomas se mantém com uma imagem eterna e intacta, que é familiar aos olhos até de quem nunca assistiu a um de seus espetáculos. São os mesmos óculos redondos, os cabelos longos, encaracolados
e negros, o ar angustiado de quem não se conforma com a vida como ela é. Dissertações sobre o dramaturgo Samuel Beckett, o poeta Haroldo de Campos ou o artista plástico Marcel Duchamp podem ser ouvidas em suas entrevistas em meio a desabafos relativos ao tédio existencial. Sim, porque teatro é pouco. Gerald é artista plástico – pagou as contas como ilustrador do The New

York Times e criou o material gráfico de várias peças –; cuida da luz, do cenário; interfere na trilha sonora e, não à toa, cunhou o conceito de ópera seca1, que resume tal estética visual, fragmentada e cheia de estranheza ao espectador.

Seu teatro mistura-se o tempo todo com a própria vida.
É difícil estabelecer limites entre o personagem e o homem, que, por incrível que pareça, é comum, afunda na lama e retorna à superfície para extrair arte da podridão. Quem o conhece minimamente sabe. Alguns podem dizer que se trata apenas de eu, eu, eu − mas é desta conjugação em primeira pessoa, apoiada em memórias de quem viveu intensamente desde cedo, que nasce sua visão particular e conectada de arte e mundo.

Gerald Thomas não é apenas o encenador emblemático que, com estética peculiar e formalismo radical, impôs sua marca.
Em dezenas de montagens (brasileiras ou internacionais), ele nunca deu trégua ao público nem aos críticos, sempre loucos para enquadrá-lo em algum gênero ou impor limites a um criador capaz de desprezá-los. Suas peças são mais do que meras apresentações, rendem experiências únicas e provocam sensações particulares. “Se um espetáculo meu significar uma única coisa, eu me retiro de cena ou me suicido”, afirma ele, radical. Encanto, deslumbramento, tédio ou raiva… Gerald Thomas é capaz de provocar quase tudo − menos indiferença.

Como o teatro é a arte do efêmero, depois de fechada a cortina, tal momento jamais se repetirá com os mesmos detalhes. Transforma-se em um sentimento singular. O encenador, coitado, corre o risco de caminhar a passos largos para o esquecimento, mesmo em tempos de vídeos na internet ao alcance de todos. Gerald Thomas, no entanto, é o autor de grande parte do que dirigiu e, na forma de livro, o dramaturgo ganha a chance de alcançar a suposta eternidade. O discurso do encenador, pregado pela geração que despontou na vanguarda da década de 1970, testa o poder de fogo de suas histórias fragmentadas.

DIRCEU IN BLACK AND WHITE

As peças escritas por Gerald Thomas – que, segundo muita gente, só surtem efeito no palco – comprovam, quando lidas, que a dramaturgia visual também demonstra potencial narrativo ou literário. Mesmo que algumas não alcancem tal status, todas atestam o amadurecimento de um artista preocupado com o presente e disposto a levantar questões inéditas ou até pouco discutidas. Conflitos íntimos ou sociais, reflexões políticas, homenagens a amigos ou releituras ganham, sob seu cunho, uma etiqueta do teatro e, principalmente, a visão de um homem que não faz concessões.

Na perspectiva de Gerald Thomas, tais temas já se faziam relevantes no momento em que foram desenvolvidos – e muita gente, talvez a maioria das pessoas, não dava a menor bola para eles, ou não tinha se tocado de sua urgência. Sua dramaturgia é feita no palco, junto dos atores, durante o processo de ensaios, ou mesmo temporada afora. Isto, de certa forma, contradiz a visão exclusivista de criação. É um constante work in progress e, por isso, muitos desses textos só ganharam o formato final no encerramento de sua carreira ou tiveram revisões e até novas versões posteriormente.

Nunca é demais relembrar por que Gerald Thomas tornou-se relevante. O teatro brasileiro viveu a ressaca da ditadura militar até meados da década de 1980, correndo atrás de um tempo perdido. Peças proibidas, como Rasga coração, de Oduvaldo

Vianna Filho, e Calabar, de Chico Buarque e Ruy Guerra, ganharam os palcos junto da anistia e, na esteira, textos engajados – alguns, embolorados – eram incessantemente produzidos. Por outro lado, as comédias garantiam a bilheteria, e um novo gênero, o “besteirol”, despontou na cena carioca, popularizando atores que escreviam, interpretavam e até se autodirigiam.

A cartilha europeia estabelecida pelo Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), lá nos anos de 1950, ainda era rezada por uma geração consagrada e tinha um público fiel. Quanto mais limpa a encenação, melhor. A assinatura do diretor andava anestesiada, esquecida − mesmo entre os nossos maiores nomes. Desde o final da década de 1970, Antunes Filho concentrou-se em seu bem-sucedido grupo de pesquisa. José Celso Martinez Corrêa, de volta do exílio, ainda mostrava-se adormecido e sem um eixo para potencializar suas provocações no país que reencontrou.

O público precisava ser chacoalhado, como o fez o polonês Ziembinski com Vestido de noiva, de Nelson Rodrigues, em 1943, ou o próprio Zé Celso, na montagem de O rei da vela, de Oswald de Andrade, um marco tropicalista do Teatro Oficina, em 1967.

Até que provem o contrário, Gerald Thomas Sievers, nascido em 1o de julho de 1954, é brasileiro, um carioca de Ipanema, que, no final da adolescência, mudou-se para Londres e, na vida adulta, escolheu Nova York para morar. Antes de deixar o país, ele teve uma estreita ligação com o artista plástico Hélio Oiticica − e, estamos falando de 1968, o ápice das experiências dos parangolés, a antiarte por excelência.

Garoto certo no lugar certo, também testemunhou, no ano seguinte, os bastidores da montagem de O balcão, peça do francês Jean Genet, encomendada por Ruth Escobar ao diretor argentino Victor Garcia. Vale lembrar que, no extremo da desconstrução, Garcia botou abaixo parte da arquitetura do teatro da atriz e produtora no bairro paulistano da Bela Vista em nome do projeto.

“Foi ali, com meus 14 ou 15 anos, em São Paulo, que percebi que queria fazer teatro”, recorda. As primeiras experiências que moldaram o que seria Gerald Thomas se deram na capital inglesa, com os grupos Exploding Galaxy e Hoxton Theatre Company. No início dos anos de 1980, em Nova York, abençoado pela diretora e produtora Ellen Stewart, Gerald, já convicto, fez do La MaMa Experimental Theater Club seu berço e playground criativo. Referência do circuito alternativo, o teatro ajudou a consolidar os atores Robert De Niro e Harvey Keitel, o dramaturgo Sam Shepard, o encenador Robert Wilson e o compositor Philip Glass, que se tornaria profícuo parceiro de Gerald Thomas.

Por identificação de gênios e sentimentos, o diretor foi adotado por Stewart e fez o que quis na casa da MaMa Ellen. Entre as façanhas, com menos de 30 anos, Gerald comandou o ator Julian Beck, já devastado pelo câncer, em sua única interpretação fora do Living Theatre, em uma coletânea de textos de Samuel Beckett. Não, não é pouca coisa.

De repente, o ator Sergio Britto carimba o passaporte para Nova York e assiste a um de seus espetáculos. Exemplo de vocação incansável e intérprete ávido por diretores de pulso firme, Britto era cria do TBC e um dos fundadores do Teatro dos Sete, ao lado de, entre outros, Fernanda Montenegro e Fernando Torres.
É justamente ele quem traz Gerald Thomas ao Rio de Janeiro para montar Quatro vezes Beckett. Além de Britto, Ítalo Rossi e Rubens Corrêa brilharam nesta coletânea de peças do dramaturgo irlandês, que estreou em julho de 1985. Causou furor aquele jovem de botas, casacos pretos, cigarro entre os dedos, circulando e fazendo teatro no país tropical. Poliglota, o rapaz ostentava
um discurso nem um pouco condescendente com o Brasil. Fez, então, muita gente se tomar de antipatia por ele, talvez por se enxergar tão atrasada diante daquele espelho, ou por não tolerar seu pedantismo. Nascia ali, para os brasileiros, o personagem Gerald Thomas. Choque mesmo, no entanto, veio quando a plateia carioca se emperiquitou para ver seu teatro.

Com a estreia de Quatro vezes Beckett, Gerald Thomas mostrou a estagnação da cena brasileira naquele momento de abertura política, e o povo não gostou muito de enxergar isto. Muitos devem ter se sentido como os índios diante do reflexo dos espelhinhos oferecidos pelos colonizadores, lá por volta de 1500. Veio à tona um conceito de experimentalismo, que era tendência nos Estados Unidos desde a década de 1970. Naquela época, Robert Wilson colocava no palco cenas longuíssimas e de impacto visual, enquanto Richard Foreman era celebrado pelo caráter performático. Lee Breuer, do grupo Mabou Mines, misturava bonecos, vídeos e música e, de repetente, Gerald Thomas trouxe para o Brasil um conjunto influenciado por tudo isto e mais um pouco. Parecia uma afronta às convenções. E era.

Estava personificada ali a figura do invasor, tão conhecido do povo brasileiro desde os tempos de Pedro Álvares Cabral. Porém Gerald Thomas não era um invasor qualquer. Podia até parecer gringo, mas o pior é que não. Não era. Era um de nós, representante de uma elite, claro, convertido em cidadão do mundo, que voltava, mesmo sem se estabelecer oficialmente no Brasil, para colocar em prática o que viu. Não era guiado por vícios e nem alimentava dívidas de gratidão, e, em pouco tempo, uma leva de estrelas disputava sua agenda para permear um pouco daquele cosmopolitismo em suas produções. Muitos diretores dariam um braço para trabalhar com Sergio Britto, Ítalo Rossi, Tônia Carrero, Antonio Fagundes ou Rubens Corrêa. Gerald Thomas conseguiu no primeiro ano. Então, morte ao invasor!

A crítica ficou dividida, os prêmios chegaram aos montes, os jornalistas procuravam pelo personagem, e, sobretudo, Gerald Thomas o desempenhava com louvor. Britto, satisfeitíssimo, convenceu Tônia Carrero a mergulhar na investigação e protagonizar Quartett, de Heiner Müller. De São Paulo, Antonio Fagundes chamou Gerald Thomas para elaborar um projeto.

O resultado foi Carmem com filtro, investida autoral, com base na mítica cigana da novela de Prosper Mérimée e da ópera de George Bizet, tendo também Clarisse Abujamra no elenco. Com Maria Alice Vergueiro, Beth Goulart, Bete Coelho e Vera Holtz, entre outros, veio Eletra com Creta. Em cena, a tragédia grega confrontada com a poesia dos irmãos Haroldo e Augusto de Campos e de Décio Pignatari.

O método tradicional era posto em xeque. O apoio nem sempre vinha na forma do texto dramático. Os personagens surgiam indefinidos, e o espaço cênico era o próprio teatro. Tratava-se da imposição de um discurso autônomo, repleto de estímulos visuais e sonoros, não limitado a um roteiro. Os atores, muitas vezes, apresentavam distanciamento e economizavam na emoção. Excitadíssimos, desciam do pedestal abertos às múltiplas propostas de Gerald. Durante as temporadas, muitos brigavam feio com o diretor, rompiam relações e outros se apaixonavam, curtiam cada etapa do processo e, em vários casos, logo também rompiam as relações. Essa dicotomia de amor e ódio, de entrega e repulsa, também faz parte do método inconsciente, do teatro em primeira pessoa de Gerald Thomas.

Com a Trilogia Kafka, o diretor estreitou o caminho de autor e construiu uma dramaturgia livre, com base nos contos do escritor checo Franz Kafka. O início da década de 1990 evidencia a veia autoral e, a cada espetáculo, Gerald radicaliza na desconstrução do óbvio, entre o anárquico e o irreverente. Em M.O.R.T.E., de 1990, a atriz Bete Coelho surgiu como seu alter ego, uma espécie de artista paralisado diante da criação. O mesmo conflito se assemelha à base de Nowhere Man, de 1996, que faz uma releitura de Fausto, mostrando um sujeito incapaz de fixar raízes ou se identificar com pátria alguma. O personagem, representado por Luiz Damasceno, é tentado por uma criatura a fazer um pacto que lhe devolva a inspiração plena.

O papel do artista deslocado de seu tempo ainda conduz Unglauber, em 1994. Na peça, Gerald questiona o propósito
de ser um criador em meados da década de 1990. As gerações nascidas nos anos de 1930 e 1940, como era o caso do cineasta Glauber Rocha, carregavam objetivos claros para lutar, e a arte era embebida no âmbito social. Para Thomas, que veio ao mundo em 1954, nenhum confronto, nem mesmo a Guerra do Vietnã, mostrava-se tão forte quanto os que motivaram os artistas
que o antecederam. Em razão disto, busca-se imediatamente
a contemporaneidade, que, vista com distanciamento, fez-se pioneira. Um exemplo é a peça Ventriloquist, escrita em 1999 − ano que ainda pode ser considerado entre os primórdios da internet. Gerald Thomas tratou da polifonia e do excesso de informações capazes de transformar as pessoas em seres que reproduzem discursos alheios sem filtro ou interpretação própria. E nem se imaginava, na virada do século, quem um dia existiriam as redes sociais.

Unanimidade nacional, Fernanda Montenegro já tinha se rendido ao discurso dele e, junto da filha, Fernanda Torres, estrelou The Flash and Crash Days, em 1991. Plateias lotadas estranharam
ao ver a atriz, adepta da dramaturgia de Luigi Pirandello, Eugene O’Neill e Nelson Rodrigues, em meio a uma encenação em que gestos e expressões corporais se sobrepunham às palavras.

A metalinguagem ultrapassava o óbvio de ter mãe e filha no palco. Chegava a um duelo de mulheres de gerações diferentes, desafiadas por estéticas teatrais que também contrastavam com suas histórias profissionais. A jovem precisava se emancipar
da mais velha − talvez matá-la −, na busca de uma identidade autônoma. Uma cena que simulava uma masturbação entre as personagens causou polêmica. Era impossível – e elas sabiam disto – o público deixar de enxergar mãe e filha, atrizes populares, pertencentes a uma família considerada modelo, em um ato incestuoso.

É por causa dos subtextos que a dramaturgia de Gerald Thomas torna-se mais desafiadora com o passar do tempo.

The Flash and Crash Days não fica condenada como a peça das Fernandas e pode ser protagonizada por outra dupla de atrizes

– ou atores – desde que existam contrastes a serem explorados. A mesma ideia vale até para um texto mais frágil, como Entredentes, de 2014, criado em torno do tema da retomada da vida para o ator Ney Latorraca, que passou dois meses em coma devido a uma infecção. Gerald, como homenagem, escreveu uma história que une um judeu e um islâmico à espera de algo que não se concretiza, talvez a morte, talvez a paz, como Vladimir e Estragon, no Godot de Beckett. O clássico, venerado por Gerald, inspirara Esperando Beckett, no ano 2000. Estreia da jornalista Marília Gabriela como atriz, a peça é centrada em uma entrevistadora ansiosa pela aparição do dramaturgo irlandês para a gravação de um programa de TV.

As intenções e ironias não morrem na primeira leitura. Referência incontestável, Beckett ainda foi celebrado pelo discípulo em seu centenário, em 2006, com a tetralogia Asfaltaram a Terra, que ganha relevância no monólogo Terra em trânsito. A atriz Fabiana Gugli deu vida a uma diva da ópera, embalada por fileiras de cocaína, que conversa compulsivamente com um ganso e planeja convertê-lo em patê de foie gras.

A plenitude da dramaturgia de Gerald, no entanto, se dá ao recorrer a uma das maiores dores do mundo – os atentados de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos. O resultado, surpreendente, é uma elegia ao palco e até ao teatro brasileiro. Escrita para o ator Marco Nanini, Um circo de rins e fígados, de 2005, apresenta todas as características de sua obra – a desconstrução, o deboche, múltiplas referências, a homenagem e a fragmentação – em uma narrativa de comunicação imediata e provocativa.

Nanini, o personagem principal, recebe casualmente uma caixa de documentos de um sujeito chamado João Paradeiro.
Os papéis implicam o governo norte-americano no golpe militar brasileiro de 1964 e na derrubada no presidente chileno Salvador Allende, nove anos depois. Como também é ator, o personagem Nanini, sentindo-se ameaçado por ter caído nesta de gaiato, decide contar esta história, na forma de um espetáculo, para, assim, livrar-se dela.

Em um emocionante monólogo final, o protagonista define o ofício de ator como um problema sem solução − algo próximo também do que é ser brasileiro. As falas exaltam a obra de Nelson Rodrigues, o alívio proporcionado pelo futebol no país das chacinas e do racismo, e as belezas da natureza – que também pode ser furiosa e destrutiva, assim como o teatro. Em Um circo de rins e fígados, Gerald Thomas travou uma viagem inversa.

Da tragédia mundial, ele chegou ao íntimo do Brasil e retratou com emotividade a alma do artista. Nem parece Gerald Thomas, podem pensar alguns. Neste circo visceral de contradições, o artista, brasileiro e universal, atingiu um grau extremamente pessoal que raras vezes se mostrou tão genuinamente
Gerald Thomas.

 

 

Leave a comment

Filed under Uncategorized