O Testamento de Friedrich Ernst Matto (MattoGrosso) Philip Glass e eu, 1989. The Will / O Testamento.

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Nota no programa de MattoGrosso (Philip Glass e eu). Lost in time. Aqui esta (1989) (que loucura)

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Interview part xxx – hypothetical questions “The Future” ?

Leave a comment

Filed under Uncategorized

It’s ALL STRANGE !!!!

GT- ALL STRANGE

Leave a comment

Filed under Uncategorized

“Inspiration” and the new project S.O.L.O. (DK)

Leave a comment

Filed under Uncategorized

“The Tombstone of the Forgotten Man” Project is running its course.

Leave a comment

Filed under Uncategorized

ALBERTO DINES R.I.P.

ALBERTO DINES. Caramba! Que merda! Eu o conheci muito (especialmente nos anos 90, em Lisboa). Nos recebeu lá – eu e Fernanda Montenegro, Fernanda Torres e o elenco enorme das três peças Flash and Crash Days, Imperio das Meias Verdades e UnGlauber que apresentavamos no Centro Cultural de Belém. Ele era “O” Judeu que pesquisava “OS” Judeus mas era “O” Brasileiro que pesquisava a política mundial desde o seu observatório. Que merda. R.I.P. Tenho muita coisa pra contar mas não agora: muita farra engraçada com o J Aparecido na Embaixada em Lisboa e o Gerardo Mello Mourão (eterno pai de Tunga) e tanta gente e…ah….Fernando Henrique Cardoso e Mario Soares, na época ainda Primeiro Ministro daquele país. Certo dia, entusiasmadíssimo, ele nos convidou (repito: “nos convidou”) , a Fernandona, Nanda, Philip Glass, Norma e eu pra irmos almoçar no MELHOR restaurantes de peixes DO MUNDO !!! “Olha, não existe nada igual. Rapaz, eles colocam o peixe inteiro na grelha, no carvão, e servem….fica uma coisa….”. Pois bem, era afastado um pouco de Lisboa, num alto qualquer. Chegamos e houve aquela cerimonia e…os peixes lá, exibidos em cima do gelo (eu fico um pouco temeroso quando vejo essa cena)…..Comemos muito e – realmente bom mas nada de extraordinário. Longe disso. Veio a conta e ninguém se mexeu pois nós éramos, estávamos, convidados…ora. O Alberto levanta pra ir a “casa de banhos” (sinal claro de quem vai pagar a conta em sigilo). Passou antes por mim naquela “cumplicidade judaica’ e sussurrou no meu ouvido: “ Gerald, o caixa é logo ali. Voce paga e aproveita e pede duas rodadas de café com licor pra todos?” Todos amávamos de PAIXAO o Dines, mas aprendemos a não sermos mais convidados dele (rs).
Vá em paz meu querido: a gente acabou se desencontrando mesmo. Um dia, em terrenos mais “altos” e fora do Hotel Presidente (rs) a gente continua aquela conversa. Shalom my friend.
LOVE
Gerald Thomas

NYC May 22, 2018

Leave a comment

Filed under Uncategorized