Category Archives: conversa virtual

“A Maquina” in full – click on the link (or watch it here)

http://amaquina.tvgazeta.com.br

Comments Off on “A Maquina” in full – click on the link (or watch it here)

Filed under conversa virtual, Uncategorized

Conversa virtual com blogueiro Marden Bretas: homofobia parte 2 EXTRA EXTRA: machos ultra machos pegos em flagra num resort brasileiro numa orgia homo exclamando "oh my god!"

O nascer do sol sobre Seul, oh, desculpe, Sao Paulo. O Carrasco Karalzic pego trepando com homens. A Homofobia deu tres passos a frente: os pitbull boys estao a 120 por hora e agora sera a vez de Roberto Carlos: E que tudo mais va pro Inferno! Conversa DU Karalzic!

Conversa virtual com Marden Bretas:

Marden: A baderna homofóbica começou por causa de uma abordagem,vamos dizer assim,pessimista em relação à arte moderna:Duchamp e o fim da arte.Qual é o fundo disto e que leitura minuciosa,nas entrelinhas,podemos tirar desse fato.Ora bolas!Existem centenas de homofóbicos com ilustrações de obras de Duchamp penduradas na parede do quarto ou gente apaixonada pelas instalações,happenings e outras manifestações modernas a ponto de perder as estribeiras e partir para a baixaria!

Gerald: Eu sei mas era isso que eu queria te dizer naquele email que te mandei e que….

Marden: Pessoalmente,talvez com um pouco de ingenuidade oscilante na cabeça,eu não acredito no fim da arte.Não sei se o Gerald coloca no quesito arte todas as variantes artísticas,ou seja,literatura,teatro,poesia.O que perturba a vanguarda de hoje,talvez,seja seu rodopio permanente,sempre no mesmo paradigma.Realmente,não há avanço.Se,ao analisar uma pintura de Picasso,podemos enxergar a influência de Cézanne,é fácil perceber,além disso,o avanço,o passo a frente.E o teatro,hoje,querendo ser vanguarda,não consegue sair do paradigma Gerald Thomas.É difícil superar os grandes modelos.

Gerald – Marden: Não! A arte que se produziu e esta pendurada nos museus do mundo ainda pulsa e esta PROFUNDAMENTE VIVA, apesar de seus autores estarem de fato, mortos. Mas nada me emociona mais do que estar diante de uma tela de Bacon, Rothko, Pollock ou diante de uma peca de Duchamp ou uma tela de Ernst ou Klee, sei la quem….ficar numa passagem de ano na (ex) Paula Cooper Gallery ouvindo “The Making of Americans” da Gertrude Stein ou ter um bom Ernest Hemingway na minha bolsa (essa que rodo quando tenho que fazer miche, miche no Central Park junto com o Richard Quest da CNN)…..Nada como um pouco de “coisa boa” dentro da bolsa. Ah, tem que ser uma bolsa de couro. Não pode ser bolsa esmola!

Marden: Os trombadinhas da internet fazem barulho,tiram qualquer um do sério.

Gerald: Sabe que eu me diverti? Achei os machos orgiasticos homofobicos que nem o carrasco Du Karalzic, digo , do caralho!

Marden: Eu,da minha parte,acho até positivo como termômetro,como pesquisa instantânea:num passe de mágica,descobrimos ,com uma porcentagem quase precisa,o que anda pensando a imbecilidade coletiva.Hoje de tarde,lendo os comentários,de certa forma mais comedidos,fiquei perplexo que alguns tinham um texto articulado,com redação pronta e tudo.Um certo André,por exemplo,fez um verdadeiro manifesto de intolerância,de aberta burrice e espírito tacanho,mas num argumento razoavelmente bem escrito,claro,transparente em sua miopia.

Gerald: Claro. Tem muita gente boa. São eles, na verdade que me fazem continuar. O mantra Beckettiano (e não Beckettiniano como usam alguns desinformados) era “I can’t go on. I’ll go on”. (não posso continuar. Continuarei) Existem ali comentários memoráveis, tanto e que respondi a vários no sentido bom da palavra.

Marden: Teve um sujeito que teve a cara de pau de defender Hitler, de relativizar a barbárie do holocausto.

Gerald: Gostaria de ver seus antepassados fritos, assados em câmaras de gás, como os meus foram! Ha! ha! Aos pouquinhos virando farinha de trigo e entregue aos traficantes do “morro do alemão”. Ah Slobodan Milosovec, Agora que pegaram teu amiguinho hein? Havera um orgia de machos no ceu?????? Com uma pica de aco ou com regida pelo mestre Picasso?

Marden: Teve gente que lembrou do episódio da bunda na encenação do Tristão e Isolda e,portanto,tudo era válido,a língua podia andar solta e sem réplica.Até onde eu sei, voce só arriou as calças,num gesto reativo a um punhado de frases racistas, antijudáicas e tal,por um bando de wagnerianos nazistas.

Gerald: Justamente. A matéria do New York Times deixa isso muito claro (ah, esqueci que homofobico não sabe ler inglês!) sorry!

Marden: Eu que descobri a possibilidade da beleza na música ao ouvir essa ópera,há bem mais de dez anos,na Rádio Mec,só posso sentir repugnância de quem é capaz de defender grupinhos nazistas e,ao mesmo tempo,de colocar o Liebestod no aparelho de som.Obviamente,conheço as posições antisemitas de Wagner,do Terceiro Reich,etc.

Gerald: Mas o problema de um pais onde não ha cultura mas o “sensasionalismo em cima da noticia ou do fato”, como o Caio Túlio explicava ontem no Roda Viva, eh que o publico so lembra da headline ou daquilo que lhe convem na hora de JULGAR, porque somos constantemente JULGADOS e condenados mesmo antes de passarmos pelo processo dito judicial (se esse tivesse sido o caso).

Marden: Gerald,obrigado pelas palavras de outro dia.

Gerald: Obrigado a você e, sinceramente não entendo porque você não respondeu meu email pessoal….

Marden: Depois do último comentário,eu tinha largado o computador e tinha ido por meu quarto pegar o livro e prosseguir na leitura da véspera. Estou no último volume do Em Busca do Tempo Perdido.

Gerald: Proust sempre passa a ser uma boa opção pra escapar dessa toilette publica desses recalcados!

Marden: Proust É a minha paixão do momento,fazendo do meu próprio tempo um prisioneiro contínuo.Só no outro dia li sua resposta:fiquei sinceramente emocionado.Por favor,não vai acabar com um blog tão crítico e diferenciado só por causa de uns recalcados e de gente com titica na cabeça.

Gerald: Acabar? Por causa de imbecis provincianos e xenofobicos? Jamais, nunca! Pra que eu acabe com o Blog teria que ser por uma razão muito forte como por exemplo……deixa me ver…..ah já sei: se alguém me desse um quadro de Portinari de presente. Acho que nem fecharia o Blog per se, mas de tanto vomitar, de tanto vomitar, eu ficaria desidratado e passaria alguns dias internado no Bellevue ou no Sírio ou no Miguel Couto ou no Royal Free ou…..

Enorme abraço querido e obrigado por essa conversa virtual,

PS: Em Tempo: acabo de receber a noticia por email que quatro MACHOS acabam de ser presos por agentes de segurança da “Masculine Police” num resort brasileiro. Estavam todos nus, pênis a meia bomba, naquela posição de “choque total’ de oh my god! Quando pegos em flagra.

Estavam fazendo sexo grupal entre si, los machos heteros. De baixo da cama os seguranças acharam um pinico. Tristemente dentro do pinico, um retrato estampado…….Era um certo presidente brasileiro…Tsk Tsk…..(Lula? Não, não era ele! Era outro. Bem mais antigo. Ah não, não chegou a ser presidente não, somente liderou uma parte da massa, tratava-se do integralista Plínio Salgado mesmo)

Gerald Thomas

comentario

Enviado por: Richard Fonseca

Acho que a “conversa virtual” esclarece bem o problema do texto “fim da arte”. A segunda resposta do G. Thomas deixa muito claro o que estava em questão. Foi assim que entendi o texto original e por isso, como disse ontem, não via ali qualquer doideira ou polêmica.
Claro que soa estranho quando um artista afirma o fim da arte; parece que está fazendo uma certa apologia….. quando, na verdade, está constatando e mostrando a dificuldade que é fazer (produzir e contemplar) arte nos dias de hoje. Qualquer um que tem um posicionamento menos careta com a sua atividade soa paradoxal ou polêmico. Enquanto que os paradoxos podem oferecer a possibilidade de pensar melhor a própria atividade. Quem assistiu o Roda viva ontem viu o quanto foi difícil para o Caio Túlio mostrar para a entrevistadora o posicionamento crítico que ele alimenta acerca da relação bem aceita entre o jornalista e o publicitário. Até o final, ela queira que ele julgasse, oferecesse uma solução, fosse mais claro e menos paradoxal quanto a essa relacao. Até o final ele foi categórico e disse: eis um fato, foi isso que pensei na tese e estou discutindo….

84 Comments

Filed under conversa virtual