Category Archives: BlogNovela

AGORA VOCÊS VÃO PODER ASSISTIR, SIM!

GERALD THOMAS APRESENTA:

A PRIMEIRA BLOGNOVELA DA HISTÓRIA

“O CÃO QUE INSULTAVA MULHERES, KEPLER, THE DOG”

 

 

 

Conceito, escrito e dirigido por Gerald Thomas
Com:
Fabiana Gugli
Pancho Capelletti
Duda Mamberti
Anna Americo
Luciana Froes
Simone Martins
Caca Manica

Luz: Caetano Vilela
Som: Claudia Dorei

Produção: Plato Produções (Dora Leão)

Assistência: Ivan Andrade.

Realização SESC unidade Av Paulista
gravação TV IG

 

 

461 Comments

Filed under BlogNovela, Vídeo

SEJA VOCÊ UM ATOR DA PRÓXIMA BLOGNOVELA DE GERALD THOMAS

Gerald Thomas convida você a enviar o seu vídeo. É como um teste de elenco online. Se você for escolhido poderá fazer parte de uma peça de teatro interativa que será encenada em São Paulo no mês de novembro.

Sugerimos que os interessados leiam os capítulos da BlogNovela já publicados aqui no blog e mandem vídeos com interpretações relacionadas a esses capítulos.

Todos podem usar a área de comentários deste post para eliminar qualquer dúvida e enviar sugestões.

Desejamos a todos M.E.R.D.A !!!!

 

 

147 Comments

Filed under BlogNovela, shot cuts, Vídeo

BlogNovela: a parte achada nos escombros de Ground Zero… nos restos do World Trade Center.

Góticos Cubanos – Guantánamo – 1

Ninguém podia imaginar isso. Um manuscrito praticamente queimado da Blognovela foi achado nesse dia 11 de setembro de 2008 onde hoje se ergue a Freedom Tower, em Ground Zero, por um grupo de escavadores do Alasca (com K) que trabalha na campanha de Sarah Palin. São da equipe de segurança MÁXIMA – os pitbulls de batom da Governadora do bacalhau preto (Jesus for Cheese e Jews for Sharks). A Blognovela contém nomes ocultos, alguns recibos de doações pro partido democrata, receitas médicas de remédios psicóticos (Flagyl, por exemplo) e pedaços de Charutos (essa parte ainda um enigma).

Como seria mesmo típico de um manuscrito de Gerald Thomas, o grupo caminha lentamente em direção à sua liberdade:

O que se entende por “liberdade” nesse manuscrito somente Reinaldo Azevedo pode decifrar:  Muitos americanos, reféns da “decadência do capitalismo”, segundo alguns leitores do Blog, tentam deixar o país. A população se amontoa (tristemente, o número já chega aos 200 milhões!) na costa da Flórida, Louisianna e almeja chegar à CUBA a nado, em embarcações improvisadas, etc. 

Os “auto-exilados” do chamado “mundo livre” (também chamado de CAPITALISTA) tentam chegar à Cuba devastada pelos furacões Gustav e Ike. Mesmo assim, Cuba ainda parece ser um paraíso.

Gustavo – Está vindo gente, devagar!

Vamp- Você é o Gustavo ou o Gustav?

Rio Maynart– Vamp! Ele é o Gustavo de Gainsville, daqui da Flórida. Olha pra ele!

Vamp– Ah, tá! É que nossa saída do (parte queimada, ilegível), foi tão difícil, que nem sei mais reconhecer ninguém!

Gustavo – Aqui não é Nova York… calma… aqui o território é Republicano, Elefantisíaco!, e se habla español. Portanto, mesmo com as costas calientes, eu embarco as pessoas, com meus amigos cubanos, entendem?

Sandra– Ficou alguém no buraco?

Vamp – Estamos todos aqui! Nossas almas estão lá! Me sinto um gargolio, com neta e tudo. A idade bateu!

Tene– Onde?

Vamp – Ah, se a gente soubesse! Num manuscrito queimado. Fomos reduzidos a isso. Daqui a pouco surge uma traveca. Espera só!

Tene – Isso não é da minha época!

Vamp– Fica só na escuta!

Pacheco–  Traveca com bafômetro, Tene, coisa tene(oops)brosa!

Ronaldo – as forças de “paz” americanas levarão anos para serem retiradas. A política armamentista americana não mudará, a arte em fazer guerras também não, talvez diminua um pouco, bem pouco. Não estava usando o seu texto para escrever o que escrevi, apenas aproveitei o assunto para citar o que me parece acontecer.

Gerald – Tudo bem, ta certo mas…

O FURACAO IKE quase faz a embarcação virar de vez. Todos ensopados!

Luciana – Caramba. Dessa vez quase fomos.

Gerald–  Mas ainda não fomos. Remando!

Targino -O Padre Baleeiro, de reputação duvidosa, uma escritora escreveu sobre ele, e ele ameaçava de excomunhão as pessoas que lessem o livro, pintou a face de Cristo em uma tela. Ele borrou tanto a tela que o verso, ficou melhor. Ele espalhou pela cidade de Roseira,

Gerald– Targino….por favor: pode ser que o Marvado goste. Talvez o Fidel também goste mas estamos ensopados! Deixe pra depois. Estou estressado!

Targino – Ele espalhou que a imagem do verso foi milagre, que não houve transposição de tinta de do anverso para o verso. Milagre é a arma mais usada pelos religiosos para aprisionar as pessoas. Venham ver Jesus curando, cegos, surdos, mudos e paralíticos, esse é o chamamento da Igreja Mundial. Em cima disso, ele construiu um mosteiro e criou uma congregação que ele chamou de A Sagrada Face. Pelos os meus cálculos em 200 anos e será canonizado. Assim começam todas as crenças religiosas, em cima de uma historia mal contada.

Gerald – Ta ótimo. Linda a tua participação. Se alguém conseguiu anotar…ótimo!

GT– Caminhem, caminhem! Digo, nadem! Não, remem! E não  olhem pra trás!

Vamp– Tem gente que quer olhar pra trás, Gerald.

Gerald– NÃO DEIXE, VAMP! Cuba está bem ali. Epa, cuidado com o tubarão da Palin! Cuidado com o Ike, Cuidado com TUDO!

Vamp– Era uma ostra que grudou no casco, GT!

GT– Tô puto, sabe? (remando e cochichando, reclamando) Não é isso. Elas se perguntam e se perguntam e não chegam nunca à uma conclusão, entende? E, quanto mais perguntam, mais besteira surge…

Mau- Como assim? Em qual planeta?

Gerald – Ah, perguntas  muito mal formuladas, horrendas. E eu achava que era pra uma entrevista que eles iriam encaixar lá. Mas não… tive que ficar vendo “teóricos” se masturbando em cima do significado do “impacto da imagem“. Ah, me poupe!!! Impacto da Imagem. Ah, vá estudar Bartes, Canetti, sei lá, mas não me faça perder meu tempo! Pombas… vi o avião batendo nas torres, entendem? E nem isso eles sabiam!

Tene Cheba – Ah! Sei do que você esta falando: de Deus!

Gerald – Não! Do Howard Hughes!

Jose Pacheco Filho – Eu mantenho um pensamento que o cidadão branco e médio americano não vai deixar o Obama ser presidente. Defino o Obama como o nosso cantor Waldir Pires.

Vamp – Pacheco, o Gerald está meio puto com tudo isso e hoje é uma data meio sensível pra ele, entende? Procure não falar demais nessa travessia já um tanto quanto… 

Jose Pacheco Filho – Ah, mas é bonito de ver e de escutar e só. “Self-made”, não é como chamam por aí? Agora, ganhar o posto de comandante em chefe da nação beligerante é o que ele realmente concorre?  Duvido!
Colin Powell, que foi secretário de defesa, tinha mais e melhores condições. 


Sandra para Vamp (ele não pára!): Cadê a Franciny? Ih, deixamos a Franciny pra trás. Volta!   

Gerald – Como?  A Franciny ficou pra trás? Voltando, já!!!! Todo mundo de olho!

Jose Pacheco Filho – Esta tal de Palin entrou na parada para arregimentar os votos femininos e de fanáticos religiosos. O velho veterano se preparou ou foi bem preparado. Vamos ver no que vai dar depois das eleições. Não será por estes anos que B.B.King irá tocar sua Lucile na Casa Branca. Mas eu continuarei escutando-o com o prazer de sempre (parte queimada e ilegível)

Sandra – O cara enlouqueceu… Em Cuba não tem B B King. Tem Fidel! Cruz credo, myo! Vamos lá, gente, remando!

Aninomyous: Que nada! Ele tá falando de um canal a cabo. Ou então de um cabo solto! E a Franciny? E o Felipe Fortuna? E o John Hemingway?

Lucio Jr – Estão todos aqui, mas estão quietos. O John é especialista em Cuba porque o avô dele morou lá. Ele está estudando os mapas.

Tene- Então, o lugar ideal pra BlogNovela: Cuba!

Lucio Jr– Mas o Ernest vivia numa outra Cuba. Que Tribo Estranha essa! Nossa senhora! Lipstick and politics. Lipstick on a Pig.

John – What are you saying, Lucio?

Lucio– I’m confused. They’re all a little confused about the time space or time travel of all this. And, actually, so am I.

John – Ever asked Gerald?

Lucio – He seems a little freaked out these days… better left alone!

John – But what are they all saying? 

Lucio – they’re talking about black pearls!

John– Pearls? What! Because Obama appeared on the David Letterman show?

Lucio – No, pearls for pigs, something entirely different, John. Something to do with the Botox people!

Marvado– Ih, só aqui se fala só… Inglês!

André M. – como seu fiel escudeiro de Curitiba, que fica lhe cutucando com o McCain (parte queimada e  ilegível ).  As únicas coisas que me chamam a atenção são as seguintes: Primeiro, a Palin me lembra muito uma “hot mom”; segundo, pegaram no pé do Obama por causa do ex-lider espiritual dele, que pregava uma vibe de guerra racial, e agora arrumam uma vice que tem uma vibe de guerra religiosa?

Paulo – Thanks for saving my ass.

Sandra– Ele se salvou também? Vamp, você salvou o Marvado? Será que você salvou o Everaldo também? Isso não é a Arca de Noé! Mas aqui só tem animais! Fora daqui!

Ezir – Pérai, Sandra! Esse é o estado de coisas que em cada instante ou momento ou época faz vir à tona o inconsciente de nossas civilizações. O Inferno e os anjos de nossa humanidade, assim como as palavras ditas “o verbo” nos recipientes de cada ser.

Vamp – Minha função aqui é a de salvar as pessoas…

Paulo Gaeta– Daqui a pouco vou falar muito,  mas a maresia e esse balanço estão me deixando… (vomita)

Aninomyous – Juro que no dia assisti na TV e pensei que fosse algum piloto alcoólatra…

Peter Lessmann – Não existe isso! Piloto não bebe. Meu nome tem um “n” so. Mas pode colocar dois. Na ETHIAD soletram tudo errado mesmo!  Na TAM todos bebados!. Aí tem que beber mesmo!

Aninomyous – Sério, pensei – Puxa, já não bastam as pessoas civís, motoristas de caminhão, ônibus, ambulâncias ou sei lá o que, tomando seus arrebites e doses… (parte queimada e ilegível)

Sandra– Joga ele pra fora do barco!

Vamp – Pára com isso, Sandra! Nosso comandante!

Sandra – Gerald, Gerald!!! Desculpas!

Aninomyous – Agora até aviões vão começar a chover nos prédios? – antes fossem… logo veio o segundo avião e destruiu essa ilusão, e indignado ainda praguejei – Não sou paga-pau dos EUA,  mas agora eu quero ver todo mundo caçando estes crápulas! Quero ver do Super Homem e a Liga da Justiça aos Soldados do futuro e suas armas secretas irem lá e retirarem da face da Terra quem fez esse tipo de atentado covarde e desonroso!!!…outra desilusão! O tal do Sin Sala Bin foi treinado por eles mesmos! Realmente foi agente da tal da CIA junto com os Talebans…ele é tão Advanced Plus quanto eles…buáaaaa!!!

Gerald-  A minha parece ser a de destruí-las.

Harumi- Eu que o diga. Estou aos pedaços.

Maria – Aqui em Camaxide…

Harumi – Você está no meio do Caribe, Maria!

Gerald – Oh, Maria, você sonha eclesiasticamente!

 –TEMPESTADE! – corpos jogados de A a B, de C a D e não se sabe mais onde estão!)

Glorinha – Neste 11 de setembro, restará,silêncio/ nenhuma só palavra sobre algozes/ sem holofotes iluminando essas cabeças/ em silêncio pensamentos estarão junto às faces que nunca conhecerão em comunhão com os que estiveram lá por dias/ sem fim o sentimento imponente, essa impotência por não impedir que esse dia começasse e terminasse assim/ essa tristeza que comungamos e para qual não há redenção,/ uma prece que não conforta, não redime….

Sandra – Bonito isso. Muito bonito isso. Muito bonito isso, lindo. Lindo isso. Acho que estou desidratada.

Marvado – sei que às vezes insulto, não é o que gostaria, mas também sinto-me insultado, e não vou ficar retomando assunto que causou mal estar. Gerald, você não é perfeito e usa por vezes de falácias e subterfúgios subjetivos também, dai causa alguma ira, não me incomodo…

Gerald – Tudo bem, Marvado, tudo bem. O importante agora é que se chegue à Cuba, apesar dos ventos fortíssimos do Ike e dos pensamentos tristes…

Olha ali aquele Hawk. Aquilo faz parte do plano Empire Shield. Lá só se falava em Homeland Security!

Vamp – Remando, remando! Remando, gente, remando!

John pro Lucio – What’s Vamp saying?

Lucio – That he loves us all.

John – Well, that’s nice. But why is GT so pissed off?

Luciana – Realmente somos mesmo complicados. Essa tal da subjetividade é que nos inferniza no final das contas. Adorei o que você falou.Estava precisando ler isso. Abraços nos braços de abraços nas aves de (parte queimada e ilegível)

PanchoBENVINDOS ao URUGUAI!

Gerald– O que foi? Remamos demais? Como? Remamos rapidamente demais? Fomos longe demais?

Vamp– Calma! É um ator da sua companhia.

Peter Lessmann – Putamerda! Eu não vim all the way from Abu Dhabi pra nadar “Swimming in solidarity for Obama” pra Havana ou Gitmo pra parar aqui no Uruguai!  Ah não, essa porra não tem GPS? Não tem bússola? Não tem transponder? Ou algum ponder qualquer?

Gerald – Pancho. Eu sei. Claro. Acabo de estar com ele em São Paulo. Mas… como aconteceu isso? Gustavo! Gustavo? Hey, Gustavo! Sumiu, sabia! Sempre somem as pessoas que nos embarcam. Sempre! Agora? Remamos demais e estamos… Não… não vou terminar essa frase, Pancho! Pancho vem ca!

Aqui a BlogNovela é interrompida abruptamente pelo furacão IKE and Tina Turner e por uma jangada do Jihad que se joga contra a pequena embarcação duplicada do elenco da BlogNovela!

Gerald – Gente… estou tendo delírios: sei que o World Trade Center não existe mais, mas aqui, digo meus olhos, digo meus ouvidos

Sandra – Vamp… o que ele está dizendo?

Vamp- 11 de setembro ainda mexe muito com ele, apesar dele estar querendo disfarçar com essa Arca que Não É… está tendo um surto… Gerald…. GERALD, sai dessa!

Gerald – É a Ressurreição!  Mahler!  Gustav!  Mahler… é a Segunda Sinfonia!

Tene – Pelo menos o Marvado não vai poder dizer que ele está falando de coisas americanas!

Marvado – Europeu: tudo imperialista colonizador de merda… passamos pelo Brasil. Beijos no Brasil!

Gerald (agarrando os pés do Marvado) – São os dois beams of light (cai de joelhos em Punta del Leste) EU SABIA. OS DOIS FAIXOS DE LUZ SAINDO DE GROUND ZERO COMO NAQUELA ÉPOCA LEMBRAM… (aos prantos)… the two beams of light… the two beams of light… oh GOD! Oh, my god! Oh, my god, just like ……(som de colapso)

Gerald Thomas desmaia e acha que teve uma visao de Moises!

Marvado o chuta como se fosse um cão morto.

Elenco congela e aguarda instruções.

Não existem instruções.

Chega um telegrama de Reinaldo Azevedo.

O telegrama está em Branco.

 

1– Não se sabe de fato se os integrantes naufragaram no Golfo do México ou estão, de fato, no Uruguai…

2- Ou se jamais saíram das páginas queimadas de um documento não encenado de “Um Circo de Rins e Fígados” (Marco Nanini respondera a essas perguntas mas so depois de….)

3- Ou se tudo isso não é um surto psicótico típico do assim chamado New York Post Traumatic Shark Syndrome.

Copyright – Gerald Thomas, 11 de Setembro de 2008

 VAZIO um imenso vazio aqui embaixo em homenagem a todos os mortos em todas as guerras em todas as épocas.

 

 

 

 

 

 

485 Comments

Filed under BlogNovela

Final da BlogNovela – Triste fim Político e romântico como em Casablanca: DantasAir: Divina Comédia

BlogNovela – parte 10 TRAGÉDIA!

Alguém entra no quarto. O autor não presta atenção, mas a porta abre lentamente. Uma sombra de figura aparece e pára na Franca Rame da porta. O que foi que eu disse? Franca Rame? Moldura, óbvio. Que bobagem. Moldura da porta. A porta não passa de uma pintura híper realista.

Nesse momento acontece algo inédito. Não, inédito não. Autor e narrador se confundem, ou melhor se fundem e viram uma só pessoa. Assim como no parágrafo acima, o narrador se “entrega” e diz “O que foi que EU disse?”

Pronto. A BlogNovela chega a um ponto crucial. Narrador e personagem jamais podem ser vistos juntos assim como Clarke Kent e Superman ou Lula e o autista, digo, artista da esquina. Assim, ao abrir da porta, o autor se dá conta de que, além do enorme clarão de luz, um ser muitíssimo estranho estava lá de pé. Digo estranho e de pé. Plantado lá, e ainda assim, e de pé. O autor no chão, como numa câmara de tortura, dias sem luz e água, num chão de cimento, incomunicado e incomunicável no pior estilo Guantanamo, e já sendo procurado pelos seus blogueiros e pela Amnesty International, Human Rights Watch e Red Cross International, a figura de pé finalmente diz alguma coisa.

F – Era que…

Autor – Como?

F – Era que….

Autor – Desculpa, mas…..está escuro, molhado, digo….úmido, digo, húmido, quente, essa fumaça e eu não esperava…

F – Eu queria te dizer que vim aqui assinar…

Autor – Assassinar?

F- Assinar. Papel. Soltura. Habeas Corpus. Estou aqui para…

Autor – Vem, deita aqui do meu lado. Tô carente, nu, molhado….vem.

F- Sou Juiz dos Céus!. Pára com isso! Os papéis estão aqui (faz sinal de comando pros guardas)

O autor é carregado pra fora da cela. Dão um rápido banho nele. Devolvem-lhe o terno, gravatas de Sobel, e ainda ganha um sapato da Prada.

Autor – Foi a Franca Rame? Foi O Dario Fo?

F- Não, foi o Supremo. Foi o Reino Supremo de Deus. Aqui não queremos prender ninguém. Você é poderoso. Têm as costas e os membros duros e quentes. Sabe muita coisa. Sabe quem é Franca Rame e Dario Fo, Pirandello e outros italianos que escrevem ou escreviam. Pronto, aqui estão os teus papéis querido: pega o primeiro avião. Estás solto. Não tem mais problema. Ninguém mais te põe a mão.

Autor – Mas e essa investigação, esse sofrimento, há quatro anos? Eu morria de medo, entende? Por isso me meti na tal. Não, Natal não, na tal da BlogNovela…pra tentar desaparecer..

F – Não se preocupe. Aqui é assim. Preferimos Hamlet ou melhor, Fortimbras, o braço forte de Shakespeare, seu contraregra, seu ítalo/brasileiro, BRAS, isso lá em 1500 e caquerada…e o resto é silencio! Se, por acaso alguém te ameaçar de novo, tem problema não (tosse!)

Autor – Saúde!

F- Sei lá, preciso cuidar da saúde. Mantive uma curiosa relação com um transex….Esquece. Demos um jeito naquilo, naquela também. Introduzi os bombons de licor!

Autor – Aquela traveca com o bafômetro foi o Senhor?

F – Temos as nossas Listerines, não é?. Vá. Vá pra casa e defenda os seus opportunities meu filho.

Autor e F se despedem. Assim, como no pior estilo de um filme pulp, o autor atravessa uma longa pista de aerporto coberta de fog. Ainda olha pra trás pra ver se Ingrid Bergman o está seguindo para chamá-lo de volta. Mas percebe que a cena está invertida. O jatinho hoje é moderno e não estão em Casablanca. O triste tema “A Dream is just is just a dream” não lhe sai da cabeça enquanto pensa “eu sou livre” e “He’s looking at you kid”. Mas livre do quê? E todos os meus amigos? Todos aqueles amigos do Blog com quem eu queria montar M.O.R.T.E. versão 3?

Ainda do alto da escada no jatinho, o autor acena para o juiz e percebe que terá o restos de seus dias SOZINHO, mesmo que em liberdade.

O avião decola. Algumas pessoas assistem e notam um logo estranho, novo na cauda do avião: “DantasAir/ Devine Comedy”

Minutos apos a decolagem, ouve-se uma enorme explosão. FLASH and CRASH!!!!

No rádio e na TV os rumores são de que o autor, finalmente, conseguiu montar seu M.O.R.T.E. finalmente na mais santa impunidade e seguindo a regra sagrada do país que ama, onde roubar ainda é uma arte sagrada quando se faz parte de uma elite intocável.

Ensaio de FIM

90 Comments

Filed under BlogNovela

Parte 9 da BlogNovela – a primeira novela pela internet

Parte 9 da BlogNovela – a primeira novela da internet

“Angústias, paradeiros Germânicos, Britânicos e uma britadeira na mão (a Brit, half a pint), sem buraco algum para ser aberto. “Um ser em aberto”

Refeito do desmaio, Gerald está, de fato, no palco do Bayerisches Staatschauspiel. No mesmo Cuvilies Theater onde, em 89, montou seu “Sturmspiel”, e em 90 – um mês e meio após a morte de Beckett – sua versão de “Warten auf Godot”. Pega um celular da T-Mobile da produção e liga para amigos em todas as partes do mundo. Liga tambem pra Dra. Paloma, agradece profundamente, e ouve o que não queria ouvir.

“Como assim Paloma a traveca era o…..? O Dylan? Mas…como assim?”

Paloma – “Fique tranquilo. Meu fone está sendo…grampeado. Estou usando um código porque você ainda não está bem. Não é exatamente o Dylan, “O” Bob per se, entende? Mas trata-se de um Zimmerman”… depois a gente fala com mais calma. A sala de espera aqui tá com mais de 180 pessoas me esperando por causa do tempo que eu perco com você, Gerald, agora que voce esta de pé, se vire!!!”

Abruptamente a ligação é interrompida. Com seus botões, zípperes e o pouco que sobra de sua mente, o autor perambula pelo palco daquele teatro barroco, rococó, e fica murmurando “Zimmerman (homem do quarto, homem do quarto) Zimmer Man” como se fosse um mantra, algo hipnótico.

Um parágrafo do episódio passado, antes do desmaio ainda martelava, BRITadeirava a sua cabeça:

“Ainda sentado na cama, sabendo que a autópsia da Paloma havia sido concluída, o autor estava aflito pra saber qual era, de fato, o instrumento da morte fake, se era no mais remoto estilo Orson Welles ou algo como nos filmes de John Waters. Afinal, era ou não um bafômetro, e se era, quem o colocou lá ou que tipo de fetiche era esse? Quem era o criminoso?” E aquela coisa toda com a Amy Winehouse? E aquele bilhete: “you are strapped, you are gagged, hooded and bounded to fail (e continuando em português) um garoto cego te entrega uma flor, e sai correndo e você sai correndo atrás dele. De repente os dois param.”. Wow. Que animador. Nada tem conclusão.

O seu production stage manager, um francês , querendo ser simpático (isso em si uma anomalia, um paradoxo, um oxímoro, um cunudrum) vem tentar tirar o autor do transe, e tenta comentar a última partida de Wimbledon entre Federer e…. o autor explode:

“Genet c’est pas!” (oops!). Genet? J’adore Genet mais je déteste le tennis! Je deteste le sport e me ‘sivuplaixodeon’ me deixe em paix!” Sim, o autor confessa sua ignorância em francês desde o dia em que pegou um táxi em Paris (na década de 80) e o taxista (e seu cachorro) lhe perguntaram se ele era “un Juif de lá provence” (um judeu da provincia)! Ora! Essa corrida (aí no Corida, o império dos sentidos), foi ótima, os três, autor, motorista e cachorro vieram do aeroporto Charles De Gaulle até a Rue du Buci parlando le paroles sem parar sobre a política Argelina e Senegalesa (num sotaque de judeu da província). Ai, ai TGV de George Marchais. Ai, ai o “Liberation” de Jean Paul Sarte. Ai, ai, ai os idealistas de 68, enquanto em Londres (dentro da cabeça do autor) era a contracultura, o Cream tocando, os Yardbirds, etc, Hendrix no UFO club. Era o Sid Barret ainda no início de carreira com o Pink Floyd. Tudo tão punk, tudo tão “cult”.

Ainda perambulando pelo palco, anotando algumas frases (já que não havia se preparado pra esse momento) (o elenco está nos camarins e na cantina), como:

– “Se voce estivesse vivo durante a Guerra, a Segunda Grande Guerra, ou na guerra do Vietnam, na guerra da Coréia, ou durante as atrocidades de Sarajevo e Kosovo, ou entre Sérvia e Croácia, e os Tchechenios e Russos e Ruanda e Darfour, ou o 11 de setembro ou, e se conseguisse se desvencilhar das memórias reais daquelas que vão se acumulando depois, se ‘depositando como um lixo pós-traumático’, talvez se perceba que não são esses exatamente os eventos que marcam realmente a tua vida. Como?

Texto – “Sim, as pedras que acumulei na vida, uma no Muro de Berlin e outra no 13 de setembro, porque em 11 de setembro o que restava do WTC ainda estava muito quente para ser tocado, e agora são lembranças que podemos contar, recontar, rememorar, tocar, nos mais mínimos detalhes e sem cairmos aos pedaços. Afinal, passamos por elas, não ficamos deformados. Existem exceções. Os sobreviventes de Hiroshima e Nagasaki e Dresden, e dos campos de concentração e dos gulags.”

O autor percebe que parte do elenco já está de volta ao palco, e que esse texto acima não é nada operístico e muito menos teatral. MERDA! Mas ele não quer montar uma ópera agora, e o Cuvilies não é palco de ópera e sim de teatro! Esse teatro fica a poucos metros da Hofoper de Wagner, esquina de Maximillianstrasse. “Ah a revolução Russa, olha no que deu”. Ontem, Gordon Brown sentava com o novo filho da Putin numa posição de desconforto total lá em Hokaido, na conferência do G8.”. Não, essas anotações não servem pra nada!

Um placar da cidade mostrava mais uma peça “Warum Warum” (porque, porque), dirigida por Peter Brook, anunciada no Schauschpielhaus na mesma semana passada em que ele estava se apresentando em Sampa. Brook virou uma franchise? Só porque alguém está baseado na França, vira uma “franchise”?

O canal “arte” mostra um lindo documentário sobre Villa Lobos: um tanto quanto naïve: “brasileiros não precisam fazer nada, sigam sua arte, ela é suficiente”: Bem isso antes de morrer em 59 e no auge de sua carreira, ao se apresentar no Carnegie Hall e gravar com a orquestra da Rádio Francesa…. Ah Lobos, um idealista, viveu e morreu pra sua Sinfonia Amazônica e as Bachianas Brasileiras, lindas, emocionantes: de chorar!

Segurando suas lágrimas e de volta ao país onde sempre acaba voltando (a origem de seu pai, sua avó) faz mais uma anotação enquanto percebe movimentação na coxia: ‘uma casa é uma casa, uma bomba é uma bomba, uma for, uma flor. Esse talvez seja o meu fim por escolha própria. Se eu morrer aqui estarei – em parte – feliz. Não, não estarei. Talvez em Weimar estivesse. Ou no Rio de Janeiro, ou em Londres ou em NY. Ser um nômade a minha vida inteira foi lindo e, ao mesmo tempo, terrível.

“Não consegui ser um Ghandi. Aliás, nem tentei. Não consegui escapar do meu próprio umbigo, mas pelo menos contei um pouco da história da minha era. Não sou diretor. Nunca mais irei dirigir nada que não seja da minha autoria”

O autor se vira pro elenco, olha um a um e, um pouco estarrecido da um passo prá trás.

Chama o production stage manager, e pede a lista de nomes do elenco e, com a vista um pouco turva vai lendo os nomes, um a um:

1 – Vampiro de Curitiba
2 – Sandra
3 – Carlos
4 – Gustavo
5 – Mau
6 – Valeria
7 – Ana Carolina
8 – Ana Peluso
9 – Contrera
10 – Lucio Jr, Rio MaynArt, Helen, Andrea N.

E assim por diante! “Não! NÃÃÃÃÃÃÃOOOO!!!!” O autor sai correndo em direção a Marienplatz. Ninguém o ouve. É mais uma vez o berro silencioso de Munch.
Correndo em círculos ele cruza o pequeno riacho Isa, e entra pelo Deutsches Museum. Bate com a cabeça numa quina de hélice de helicóptero. Acorda.

O autor está numa cama em Zurich.
E assim, como em “Company”, de Beckett, ele ouve vozes “Voce está de costas no escuro. Voce está de costas no escuro quando uma voz vem, e te diz: você está deitado de costas no escuro. VOCÊ ESTÁ DEITADO DE COSTAS NO ESCURO QUANDO UMA VOZ VEM E TE DIZ….”

O autor, que já não entende mesmo mais nada, ouve movimentação do lado de fora. Está com náusea, mas com fome ao mesmo tempo. Entra alguém no quarto.

!!!!!!!!!!!!

87 Comments

Filed under BlogNovela

BlogNovela – parte 2

Vamp: mas eu ainda estou aqui dentro…

Gerald: Claro querido, as portas aqui são cenográficas.

Vamp: Mas como eu entrei aqui?

Gerald: Voando, como sempre. O Zorro tinha uma espada.

Vamp: mas aquilo é brincadeira.

Gerald: não, não é. É contraregragem mesmo. Contrapesagem, varas, etc. Bem complicado. Acredite.

Fabio: Que bom que voce voltou. Mas você não fala do pobre do Sargento Garcia, a cara do Lula, quando bêbado!

Vamp: RRRRRRR. (Odiomortal@odio.com.br)

Gerald: São truques que a gente usa. Parece, mas não é, entende?

Não somos reais, no entando sentimos dores reais. Ficamos feridos, sentimos a Weltschmerz , a dor do mundo, vemos e espiamos o que não devemos e escrevemos emails pedindo perdão pra pessoas que se sentem o máximo. Mas não são.

Sandra: Quem?

Gerald: deixa pra lá. Isso a gente vai revelando no desenrolar dos capítulos, quando o blog passar por Mumbai e por Ipatinga.

70 Comments

Filed under BlogNovela

A primeira BlogNovela da internet – num espaço de ensaio virtual e com comentário real dos leitores

Gerald: Bom, eu queria reunir todos vocês aqui pra tentar encenar….
(sou interrompido)

Fabio:…Gérald,…?!..Que tal falar da Dóroty Stang, Chico Mendes, o Joãzinho trinta, o “almirante” negro da revolta da chibata, o madãme satã, o dom Élder Cãmara,o Antônio Conselheiro……..!!!!!! Tem tãnto brasileiro BOM e PÓBRE, esquecido ……! Claro que o Mandela e o Bill são legais….! Mas eles não precisam de fãma ou espaço, eles já Os TEM, E MUITO..!..São RECONHECIDOS EM VIDA..! isso é muito legal. Os que CITEI, SE FUUUUUderam em VIDA E NINGUÉM TÁ NEM AÍ COM ELES..!(desculpe o palavrão)

Gerald: Peraí Fabio, calma. Eu nem falei ainda sobre o que trata esse espetáculo! Além do quê tudo já foi escrito sobre Dorothy Stang, Chico Mendes virou filme com Raul Julia e Dom Helder Câmara foi uma das pessoas mais conhecidas e reconhecidas de sua época. Mas estou aqui pra tentar montar uma peça inédita que escrevi pra vocês, do Blog. É uma espécie de remontagem de um espetáculo….
(sou interrompido de novo e vejo que o Vamp esta atacando fisicamente o Fabio)

Vampiro de Curitiba – (puxando o Fabio pelos cabelos) O ser humano é realmente incrível. No meu comentário acima, disse que, dependendo da resposta à pergunta – Quem fez mais pela humanidade, Mandela ou Gates?- ao responder, a pessoa estaria demonstrando a sua visão de mundo. A minha resposta é bom objetiva: Gates, óbvio! Afinal, além de ter ficado preso e parecido com o Morgan Freeman, o que mais Mandela fez pela humanidade? Mas não é esse o caso. O que me faz achar o ser humano incrível é o comentário do Fábio. Ele não quer saber nem de Mandela nem de Gates, quer que Gerald fale sobre “os pobres que se fuderam”. Ai, ai… não vou nem me alongar… nem Freud explica tamanha estupidez! Quer dizer que devemos falar sobre quem seja coitadinho, pelo simples fato de ter sido coitadinho? Foi esse pensamento cretino que elegeu o Lula. É um completo incompetente, mas as pessoas que o escolheram, não pensaram em quem seria melhor para o país. Pensaram em quem, na visão deturpada delas, mais merecia. Deu no que deu!!!

Obs: todos estão mudos no espaço de ensaio. Mau Fonseca tentava dizer alguma coisa tipo “a humanidade é horrivel” mas murmurava, ninguém o ouvia. Sandra tentava socorrer o coitado do Fabio que já flutuava a mais de 30 cm de altura do chão e estava sangrando. Eu me escondia, covarde que sou, atrás da única pilastra de concreto que havia no espaco.

Sandra (sussurando) – Mau, querido, fiquei horas em crise pensando no seu relato. Emendei com o sentimento que me causa os grupos nazistas da ex-DDR. Lembrei-me…..

Vampiro aos berros: PARA COM ISSO SANDRA! GERALD, PARA DE SER COVARDE E MOSTRE ALGUMA REACAO!!!!

Sandra (falando mais quietinha ainda)….lembrei-me também dos rapazes que queimaram um índio vivo. A alegação deles foi chocante: Achamos que era um mendigo. Por que as pessoas fazem isso? Por que ninguém está olhando? Ou pior: por que quem está olhando aplaude?
Mas isso não é a humanidade. Há pessoas que não fariam isso de forma alguma. O que será que as diferencia?

Vamp: ESTOU PERDENDO A PACIENCIA! Vou deixar essa companhia amadora. O diretor desapareceu!

Gerald: não desapareci não: só não aguento violência. Vamp, poxa, solta o Fabio. O cara vai ficar sem um só cabelo!

(Vamp solta Fabio. Fabio faz sinal de alívio mas ainda assim zomba do Vamp. É, não tem solução)

Cacá – Gerald!! Justamente isso! A coisa aqui no Brasil é assim uma política inalcancável e cansável. Vendo e revendo dossiês inacabados e arquivados. Pelo menos é cênico se pode nos servir de consolo sádico. E o povo com suas botas de gesso. Esses dia li uma entrevista do FhC em que ele falava desse sistema que chegou a um limite de inacessibilidade tal que gera a inação e a falta de brechas para a ação popular que não alcança mais como há tempos atrás. A teia do sistema, uma matrix.

Gerald – Cacá, tudo bem, tá ótimo. Justo o que você falou aí, muito justo. Mas eu estou aqui com vocês pra remontar o espetáculo M.O.R.T.E (movimentos obsessivos e reduntantes pra tanta estética – aquele que o Haroldo de Campos montou uma tese em cima e que viajou o mundo)….lembram? Nao lembram? Bem foi em 1990 e a segunda versão foi em 1991. Não lembram. É, falta cultura à essa falta de cultura. Falta memória a essa falta de memória!

Fabio -…É claro que odéte róitman ia ficar luêca, né, gentém..! Magina, homenagear éssa gentalha, por ser coitadinhos,…..onde já se viu nesse mundio, onde os “competentes” aflóram no “mercado” e se dão bem pelos seus “atributos” e “diferenças”..!…Pois, odéte, o Governo Lula deu no que deu MESMO, GRAÇAS A DEUS..! E ainda, vai fazer SUCESSOR, pro desespero do seu MENTOR! ..Quanto a você achar que o Bill é melhór que Mandela e a elizabeti achar que o dom ÉLDER deveria ser EMPALADO……..!!!!????…….não é preciso fazer cometário, pois a BÊSTA, está a solta na internét e isso já não assombra mais ninguém!

Gerald – Mas Fabio, eu já disse que…..

Vamp: se voce falar mais uma palavra com esse Fabio eu saio por aquela porta ali e nao volto nunca mais!

Gerald – Mas Vamp…..

Vamp: NUNCA MAIS entendeu? NUNCA MAIS!!!!


(ouve-se uma porta batendo, a luz desce em resistencia e Fabio sussurra: “poxa, perdi meu melhor amigo.. eh a MORTE!)

Fim do Capitulo 1 de uma longa novela da blogosfera!

20 Comments

Filed under BlogNovela