Monthly Archives: May 2020

Instagram LIVE with Janssen Hugo Lage

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Photographing Gerald Thomas – through the ages – by Sergio Zalis

In Jerusalem sitting in April 2001 – Revista CARAS

REVISTA DE DOMINGO. JORNAL DO BRASIL – occasion: my first opera “The Flying Dutchman” – Theatro Municipal Rio, 1987

COVER ofREVISTA DE DOMINGO. JORNAL DO BRASIL – occasion: my first opera “The Flying Dutchman” – Theatro Municipal Rio, 1987

Red punk shirt rehearsals – The Flying Dutchman 1987

Covid -19 at home in NYC

Covid -19 at home in NYC

Israel Wailing Wall 2001

DEAD SEA MUD

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Instagram LIVE com Fabio Fortes no Niteroi Em Cena

Leave a comment

Filed under Uncategorized

GT – as photographed (remotely) by Sérgio Zalis

Gerald as captured by SERGIO ZALIS

Foto de Sergio Zalis

#projetopausa Fotos remotas de amigos espalhados pelo mundo por de iPhone/FaceTme em tempo de pandemia. Gerald Thomas, dramaturgo, em Nova York. “Acho que todos nós esperamos, rezamos, idealizamos a volta de um mundo ‘normal’ pós-Coronavirus.

Mas nem todo mundo faz o suficiente pra que isso aconteça. Eu aqui em Nova York nunca passei tanto tempo confinado (ou ‘Covi’nado) como nesses últimos 35 dias de isolamento – quarentena, faço o que posso. Quando saio, uso máscara e luvas. Essa pandemia

nos trouxe algo que jamais esperávamos, mudanças radicais (em todos os sentidos) que jamais esperávamos.

Eu não reclamo. Aproveito pra repensar as minhas próximas peças “Gastrointestinal Prayer” e “Rembrandt Naked and Afraid” e pra fazer o possível pra ficar calmo na esperança que os voos voltem, que os países abram e que o Covid-19 seja vencido.

Um bom isolamento a todos e um bom distanciamento social Brechtiano a todos”.

Leave a comment

Filed under Uncategorized

“Admirável Mundo Novo + 1984” – acho que chegamos lá – coluna no Poder360

 


06.maio.2020 (quarta-feira) – 5h50

Sozinho, isolado, mascarado e socialmente mais distanciado que o distanciamento de Brecht, eu olho por horas a vista da minha janela aqui no East River e….nada. Nenhum barco, ninguém nas ruas. Somente o som incessante das sirenes, mas quase ninguém à vista.

Como era mesmo essa vista? Tento me lembrar dessa Manhattan superpopulada, alegre, sempre acordada e convidativa… Quando é mesmo que foi aquilo? Só 2 meses. Faz 2 meses somente.

E agora?

Não, nem nos dias seguidos ao ataque do 11 de Setembro eu vivi algo assim, esse clima de devastação, de desesperança. Essa cidade que jamais dormia, não bobeava e não perdoava agora está praticamente mumificada, anestesiada.

Mas o resto do mundo também está.

Venho da “era da aglomeração” e da “era dos encontros” e –no entanto– aqui estou, aos 65 anos, vivendo a “era da profunda solidão”. Sim, eu e mais 500 mil pessoas nadavam e pulavam na lama em Woodstock tendo a certeza que mudaríamos o “sistema” para sempre. Imaginávamos –assim como John Lennon– que um mundo utópico estaria por acontecer.

Que loucura tudo isso!!! Como se não bastasse essa morbidez toda, ainda temos pessoas na Casa Branca e no Alvorada falando absurdos criminosos e idiotas, transgredindo qualquer exemplo de inteligência ou compaixão. E ainda vem essa pandemia nos azucrinar. Putz!

Escrevo numa 2ª feira, 4 de maio de 2020. Obsessivo que sou por números e dados (e ajudado por esse isolamento), percebo que o mundo perdeu as estribeiras por total:

Há 3 milhões e meio de infectados no mundo, 245 mil mortes sendo que, disso tudo, nós aqui nos EUA somamos 1,2 milhão de infectados e 68 mil mortos. Caramba! O que é que eu disse? Sim, 68 mil mortos… sendo que a grande maioria deles, aqui em Nova York. Estamos no terceiro mês disso tudo. Como será o futuro?

Como será o futuro?

Nunca vimos nada remotamente próximo a isso. Nada parecido em tempos de guerra ou paz.

Tudo isso é completamente sem precedentes. Eu ainda tenho que entender isso, me acostumar a não sair, me acostumar a usar o disfarce final: uma máscara clínica que nos camufla; luvas que nos tiram o tato e desinfetantes que deveríamos injetar –segundo a mula que se senta na Casa Branca.

Além de uma guerra mundial em que o cenário quase normal é a morte, a destruição e a devastação, em 65 anos não vi uma cidade de Nova York vazia. Completamente vazia, silenciosa, sombria e vigilante, atordoada e extremamente triste. Nem depois dos ataques do 11 de Setembro, nem no rescaldo do furacão Sandy. Nada. Nunca nada remotamente parecido com isso.

Vamos ter medo um do outro.

E já são 30 milhões de desempregados.

Não há nada nos supermercados. Todos os restaurantes estão fechados. Escolas fechadas. Todas elas. Não tem cinema, não tem teatro, não tem museu, não tem loja e nem café. Nada está aberto. Nenhuma igreja, nenhuma sinagoga, nenhum templo.

Não, nunca vivi nada assim.

“Somos o epicentro”. Pelo menos isso nós somos aqui em Nova York. Pelo menos isso!

Não era tudo um “trote” dos Democratas, sr. presidente? O senhor não afirmou que o vírus iria desaparecer “assim como mágica”? Não disse que era para injetar desinfetante nas veias, seu jumento ignorante?!

Se alguém tivesse me dito que eu estaria testemunhando o sistema parar, causando uma das mais graves e bizarras depressões econômicas de todos os tempos, o chamaria de louco-histérico-apocalíptico.

Mas certamente alguém está lucrando. Quem será?

O meu mundo, nosso mundo, ficou de cabeça pra baixo em muito pouco tempo. Fui diagnosticado com o novo coronavírus em 20 de março de 2020. Passei 7 dias incapacitado. A doença é terrível. Ainda estou sofrendo de jet lag de uma viagem às profundezas do inferno.

Agora, finalmente, é tudo on-line. TUDO on-line. Desde os âncoras de TV falando de suas casas, comediantes de TV fazendo graça lá de seus respectivos sótãos, a criançada sendo educada on-line e tudo on-line, os prazeres todos on-line, o tédio de verdade é on-line também (Ufa! Estou sem fôlego!).

O mundo inteiro dividindo uma tela de computador ou de TV, cantando mal e porcamente juntos de seus cubículos e os Rolling Stones oportunizando o momento pra lançar seu “Living in a Ghost Town” (talvez a pior coisa que já fizeram nessas quase 6 décadas).

Convenhamos, o pior mesmo numa pandemia é ter que assistir ao vexame das plantas de plástico e os quadros medíocres e os candelabros horrivelmente cafonas pendurados nas salas de estar dos jornalistas de TV em quarentena.

Eu estou com medo! Estou com medo e sei que isso é apenas o começo.

O futuro?

O dr. Anthony Fauci frisa que o coronavírus estará conosco por muito muito tempo e que uma vacina estará pronta no início do ano que vem.

A extrema direita fascista e supremacista (armada até os dentes) já invadiu o Senado de Michigan enquanto hordas da mesma espécie protestavam em Los Angeles. Sim, sim, a favor da reabertura de tudo, a “volta” da economia, o mundo como ele já foi.

O mundo como ele já foi.

A América é a terra das atrocidades civis, do milagre da conquista dos direitos das minorias e de uma belíssima Constituição, essa já descrita pelo ex-juiz da Suprema Corte Americana Antonin Scalia como “um belíssimo e maleável documento, próprio para um país em constante mudança, sempre em fase de experimentação”.

A América é também uma terra de exageros e de rebeldes com ou sem causa. Trump é um desses que faz de tudo pra humilhar a Constituição, boicotar as instituições que nos garantem a liberdade. Inclusive a liberdade de sermos do contra e odiarmos o governo e tudo que não se assemelha à bandeira racista dos Confederados.

Entre fanáticos e lunáticos, tento navegar vivo. A América voltou a ser uma nação de cowboys e vigilantes? E pra ciência? Pra ciência, paciência: nem a cuspe dos lunáticos e fanáticos ela parece merecer. Ah sim, nossos respectivos presidentes se encaixam nessa categoria.

Venho da era da “era da aglomeração” e da “era dos encontros” e –no entanto– aqui estou, aos 65 anos, vivendo a “era da profunda solidão”. Venho da era onde o “Admirável Novo Mundo” (de Huxley) e o “1984” (de Orwell) eram uma distante distopia.

Infelizmente acho que chegamos lá.

Gerald Thomas

Poder360

Leave a comment

Filed under Uncategorized