LINDO email, carta, de Fátima Vale a Fernando Lemos

meu amor abremundos a palavracorpo acintada de lágrimas volumptuosas
é o meu desespero a tentar vestir-se
eu sei que tu irás e que eu cairei ao chão
a ciência diz que me levantarei e vou obedecer 
nem que para isso tenha de amputar a coroa do desespero
meu amor as tuas mãos fazem-me falta
o teu olhar a derramar imagens para dentro do meu 
queria voar sem pássaros dentro para o teu alado 
meu amor as tuas mãos fazem-me falta
queria de ti os dedos cheios de anéis como planetas
na órbita árdua da música dos mundos
meu amor não vás meu amor
eu tenho lágrimas que ainda não decifrei e portas que não sei abrir
meu amor não vás agora eu quero olhar-te
o caminho é tão grande e infinita a hora
meu amor fiz o espectáculo – saudade do homem – inspirado no teu oxiGénio
onde a sala é forrada de jornais no palco uma instalação de fotografias de antepassados 
e vivos outros menos mortos de várias famílias
a centro do palco um monte enorme de roupas sem gente dentro
o espectáculo é ao nível do público e a partir do outro fundo da sala
e tem um muro feito de jornais. uma realidade construída
um escadote de madeira a centro – carregado de objectos alienados do quotidiano
à esquerda uma dobadeira – ao seu lado um artesão de bengalas
que faz a cantoria 
começa com os dez rostos rompendo um a um o muro – a dita mói – a dita rói – a dita dura
vão rompendo as cabeças
o artesão canta a sua versão blues do poema em riste
e o povo vem para o outro lado e o texto acontece 
tem homens de árvores às costas ou na cervical diria
tem saudades de ti 
é difícil tanto mar
queria tanto ver a retratação de mãos dadas a ti à bea
to bea or not to bea
meu amor dá-me a mão vamos descansar
vou ler-te uma sombra no deserto
uma caneca de água fresca
bea tanto abraço rodrigo paola somos o amor que temos e Lemos
(envio uma gravação no e-mail seguinte)
vossa fátima vale)
FV – Portugal, Nov 2019

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Comments are closed.