Email emocionante do Paulo Ricardo Fernandes (da nossa equipe de DILUVIO)

 

Como é possível isso, sermos nós parte de sua cria. E está não  é uma gestação comum, e você foi capaz de não abortar essa criança que hoje se compõe em forma de poesia que flutua, nos mostra a proximidade sobre o distanciamento das cordas dessa teia emaranhada de sentimentos, regado a muita luz fria alternada pela temperatura das que são quentes e então o vácuo desaparece por uma ocupação de palavras e expressões bailando sobre as lei que contradizem as regas da física pois o homem não pode voar e então mais uma vez contradição. Por falta,  entre o  espaço e tempo você quebra a regra é coloca dois seres humanos lindos a flutuar em sua poesia e é completa, e a química do som preenchendo o espaço deliberando sobre o vácuo uma ordem, aqui não. Nos mostra a solidão de um personagem pedindo amor e são vário no mundo real que se encontra dentro da quarta parede isolados e quase sem saída nessa busca se confunde entre o real e o abstrato que se compõe em uma pintura chamada o grito, então sei que neste caso posso falar obrigado por dar este grito e muito, muito, muito obrigado mesmo… sonhos de um ser que ousa sonhar  em conjunto de um todo. Obrigado mestre por formar este quadro de pessoas lindas cada um dentro de suas limitações mais participando de um sonho em conjunto.  E em especial a todos muito obrigado.

Paulo Ricardo Fernandes

_________________________________

Ainda não pude responder de tão emocionado que estou.

Gerald

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Comments are closed.