“ENTREDENTES” – (opened in Rio on Friday, Oct 10, 2014)

http://globotv.globo.com/rede-globo/globo-teatro/v/ney-latorraca-edi-botelho-e-maria-de-lima-falam-sobre-entredentes/3691332/

Esse link abaixo é OTIMO !!!!
http://redeglobo.globo.com/globoteatro/reportagens/noticia/2014/10/ney-latorraca-sobre-entredentes-mostro-minhas-dores-e-insegurancas.html

my photos taken from the wings

my photos taken from the wings

The Vagina - main backdrop

The Vagina – main backdrop

Infoglobo - O Globo - 12 out 2014 - Page #50_0001

photo

photo

Screen Shot 2014-10-08 at 5.29.58 PM

ENTREDENTES ESTREIA NO RIO

ENTREDENTES ESTREIA NO RIO


Screen Shot 2014-09-19 at 7.11.40 AM

photo

Veja Rio

Veja Rio

RIO NO TEATRO | BASTIDORES
ENTREDENTES | EDI BOTELHO , ENTREDENTES, GERALD THOMAS, MARIA DE LIMA, NEY LATORRACA

NEY LATORRACA ESTREIA ESPETÁCULO NO SESC GINÁSTICO

“Entredentes” TEM DIREÇÃO DE Gerald Thomas

Escrito e dirigido por Gerald Thomas, “Entredentes” estreia dia 10 de outubro, no Teatro SESC Ginástico, com Ney Latorraca a frente do elenco luso-brasileiro. A peça é uma crítica bem humorada ao horror que acontece no mundo. Em cena os personagens Ney, Didi e Maria se encontram no Muro das Lamentações.

“Muros servem para dividir, mas servem para unir, quando caem. E é onde se mija, onde o pau quebra, onde famílias são divididas porque políticos assim o decidem – do dia para noite – (e dá-lhe bomba e dá-lhe tiro!) e é onde pessoas se encostam e trepam e se beijam em nome da paz! e pixam as suas queixas e escalam suas raivas e berram suas questões políticas e suas diferenças sociais! Entredentes tem muros. Muitos deles. Eu os chamo de “muros dos despachos” já que, na minha vida, vi tantos subirem (Berlim, Gaza, etc) e tantos caírem depois de tantas mortes inúteis e de tantos tratados não respeitados. Ney Latorraca é uma espécie de ser mediúnico e meio judeu ortodoxo “homeless” que se plantou ali no Muro das Lamentações”, comenta Gerald Thomas.

Thomas escreveu Entredentes especialmente para Ney Latorraca, Edi Botelho e Maria de Lima, amigos de longa data que ele conhece profundamente e que os dirigiu muitas vezes. Atores, por outro lado, que conhecem profundamente o trabalho de Thomas.

A respeito de como é trabalhar com Gerald Thomas, Maria de Lima, atriz portuguesa radicada em Londres, diz que “é sempre uma aventura e é um processo que não para nunca. E é um processo muito complicado, mas depois extremamente recompensador porque você tem que entrar um pouco no mundo do Gerald. Depois, você tem liberdade total!”. E continua dizendo que “todos os textos do Gerald tem muito dele e de como ele vê o mundo. Muito inteligentemente ele usa o veículo ao seu máximo potencial”.

Sobre como é escrever para seus atores, Thomas explica que “é uma coisa que começou com Julian Beck, que eu dirigi em 1985, em Nova York, e que continuou com as Fernandas (Montenegro e Torres), se chama metalinguagem. Ou seja, eu escrevo para a pessoa, com as idiossincrasias que a pessoa tem. Então eu vou usar o que o ator ou a atriz tem de melhor e o que tem de pior também. Os jeitos, o fenômeno que ela é, a maravilha que ela é, mas também o seu lado negro. Dessa forma eu escrevi e dirigi “The Flash an Crash Days” (1991) para a Fernanda Montenegro e Fernanda Torres, escrevi e dirigi “Um Circo de Rins e Fígados” (2005) para o Marco Nanini, escrevi e dirigi “Brasas no Congelador” (2006) para o Serginho Groissman, “Esperando Bekett” para a Marília Gabriela e tantos outros para quem eu escrevi e dirigi também. E essa metalinguagem começou na “Beckett Trilogy” (1985) que eu dirigi, com o Julian Beck, que é o fundador do Living Theatre, que é um cara que estava morrendo na vida real, já careca da quimioterapia, e no palco ele estava representando o papel de uma pessoa morrendo.”

Com patrocínio do Itaú e Light, o espetáculo “Entredentes” é uma realização do SESC Rio via Lei Rouanet e Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro.

Edi Botelho é o ator que mais trabalhou com Gerald Thomas

Ator da Companhia de Ópera Seca, criada por Gerald Thomas em 1986, Didi é o ator que mais trabalhou com Gerald: “Um Processo” (1988) – Campinas, SP, Nova York, RJ, Porto Alegre e Viena; “Uma Metamorfose” (1988) – Campinas e SP; “Carmem Com Filtro” (1988) – Nova York, Viena e RJ; Ópera “Matto Grosso” (1989) – RJ e SP; “M.O.R.T.E.” (1990) – RJ e SP; “The Said Eyes of Karlheinz Ohl” (1990) – Itália; “M.O.R.T.E. 2” (1991) – Itália, Zurich, RJ e BH; “O Império das Meias Verdades” (1993) – RJ, Curitiba, Copenhagen, Lisboa, SP, BH, Porto Alegre e Santa Maria/RS; “Don Juan” (1995) – SP, Curitiba, Brasília, Manaus, Porto Alegre, e Salvador; “UNGLAUBER” (1994) – SP, Copenhagen e Lisboa; “Quartett” (1996) – Curitiba, SP, RJ, Porto Alegre, Pelotas, BH, Brasilia, Goiânia e Fortaleza. Também atuou sob a direção de Aderbal Freire Filho em “O Martelo” (1998) e de Miguel Falabela em “Capitanias Hereditárias” (2000) e “A Escola do Escândalo” (2011). Recentemente teve um personagem de destaque na novela “Aquele Beijo” de Miguel Falabela, na TV Globo. Atualmente está envolvido como ator na minissérie em cinco capítulos “Maravila”, roteiro e direção de Edio Nunes e Cláudia Mauro, que conta a história dos moradores de uma vila, cujo piloto foi rodado em janeiro de 2014. Em 2012, Edi Botelho escreveu a biografia de “Gerald Thomas intitulada Cidadão do Mundo”.

Maria de Lima integrou a London Dry Opera Company

Atriz portuguesa radicada em Londres, com 20 anos de carreira em teatro, cinema e televisão. Seu primeiro envolvimento com o teatro foi aos 19 anos, nos USA. Em Londres estudou no Academy Drama School e após, com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian, fez a Pós-graduação em Representação no Drama Studio London. De volta aos USA, em Los Angeles estudou com Eric Kline no Tony Barr’s Film Actors Workshop. Recebeu do Jornal A Capital (de Portugal), o Prêmio de Melhor Atriz de Comédia em Teatro e da Revista Sete (também de Portugal) o prêmio de Melhor Atriz de TV. Fluente em quatro idiomas (português, inglês, espanhol e francês) atua regularmente em Portugal, França, Inglaterra, USA, Bélgica e Espanha. Integrando a London Dry Opera Company, do autor e diretor Gerald Thomas, atuou em “Throats” e “Gargólios”, ambos de 2011.

Serviço

Autor e Diretor: Gerald Thomas
Elenco: Ney Latorraca, Edi Botelho e Maria de Lima
Sinopse: Um islâmico radical e um judeu ortodoxo se encontram no Muro das Lamentações. A peça é uma crítica bem humorada ao horror que acontece no mundo.
Teatro SESC Ginástico. Av. Graça Aranha 187, Centro – RJ. Tel. 2279-4027
Estreia: 10 de outubro, sexta-feira, às 20h (SESSÃO EXCLUSIVA PARA A IMPRENSA E CONVIDADOS).
Temporada: 11 de outubro a 2 de novembro, de quinta a domingo às 19h. (No dia 30/10 haverá sessão extra às 17h)

Capacidade de público: 513 lugares
Ingressos: R$ 20,00
Não recomendado para menores de 16 anos.
Duração: 90 minutos
Gênero: Comédia

TEATRO SESC GINASTICO (Rio de Janeiro) – 20h na sexta, 19h nos outros dias.

Comments Off on “ENTREDENTES” – (opened in Rio on Friday, Oct 10, 2014)

Filed under Uncategorized

Comments are closed.