Monthly Archives: March 2014

ENTREDENTES – Folha de São Paulo (30 March 2014) + TV FOLHA

TV Folha – Nelson de Sá

Screen Shot 2014-03-30 at 10.01.14 AM

Aqui esta o link da materia: picotado assim, é dificil de fotografar: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/03/1432389-latorraca-volta-a-cena-apos-crise-de-saude-dirigido-por-gerald-thomas.shtml

Screen Shot 2014-03-30 at 9.40.22 AMScreen Shot 2014-03-30 at 9.40.31 AMScreen Shot 2014-03-30 at 9.40.12 AMScreen Shot 2014-03-30 at 9.39.12 AMScreen Shot 2014-03-30 at 9.39.28 AMScreen Shot 2014-03-30 at 9.39.53 AM

Comments Off on ENTREDENTES – Folha de São Paulo (30 March 2014) + TV FOLHA

Filed under Uncategorized

Entrevista ao R 7 – Miguel Arcanjo (Atores e Bastidores)

2013-657050278-2013102285598.jpg_20131022Screen Shot 2014-03-28 at 4.33.45 PM

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Foto de BOB SOUSA

Gerald Thomas é um dos nomes mais inventivos e polêmicos do teatro. Sem medo de dizer o que pensa, ele mantém a verve nesta entrevista exclusiva ao Atores & Bastidores do R7.

Apesar de ter cancelado sua participação no Festival de Teatro de Curitiba, o diretor fará a estreia mundial de sua nova peça, Entredentes, no próximo 10 de abril, no Teatro Anchieta do Sesc Consolação, em São Paulo. No enredo, o encontro de um islâmico radical com um judeu ortodoxo no Muro das Lamentações, em Jerusalém, Israel.

A montagem marca a volta dele ao território nacional. E ainda comemora o reencontro do diretor com dois atores amigos: Ney Latorraca, que completa 50 anos de carreira, e Edi Botelho, o ator que mais trabalhou com Thomas. Completa o elenco a portuguesa Maria de Lima, pincelada num dos muitos testes que o diretor fez. Thomas diz que é “uma gigantesca atriz”.

Na conversa, o diretor explica por que não foi a Curitiba. E fala o que pensa da burrice do brasileiro, das manifestações, dos black blocks, do conflito no Oriente Médio, da invasão da Rússia na Ucrânia e até do protesto da atriz Fernanda Azevedo no último Prêmio Shell de Teatro de São Paulo, que não tomou conhecimento, mas opinou mesmo assim. Algumas coisas classificou como “idiotice”. Outras preferiu a palavra “horror”.

Porque como bom artista que se preze, Thomas não tem medo de perguntas. Nem de respostas.

Leia com toda a calma do mundo.

MIGUEL ARCANJO PRADO – Quando e por que você teve a ideia de Entredentes? Quanto tempo levou desde o começo de tudo até a estreia?
GERALD THOMAS – Olha, a ideia surgiu durante a tournée com a minha London Dry Opera Company (viajávamos com Gargolios) e passei pelo Rio pra visitar o Ney e o Edi, em abril de 2012. No terraço da casa deles, ficamos horas vendo o trânsito absurdamente engarrafado na lagoa Rodrigo de Freitas. Esbocei um texto. E lá surgiu. É fascinante como as coisas são. A peça estreia exatamente dois anos depois de ser concebida.

Entredentes toca em um assunto sempre polêmico, que é a disputa entre judeus e palestinos. Qual o recado da peça para este conflito?
GT – O recado é que um simples beijo de amor entre os dois poderia resolver. Uma simples troca de vestimenta/figurino, faz de todas essas disputas, uma enorme idiotice. Mas claro, estou no campo da utopia. Como conheço o território (Israel, Gaza e Cisjordânia) e países do Oriente Médio, sei que o buraco é mais embaixo. Milenar: sunitas contra xiitas contra aloitas contra itas e itas. Uma peça de teatro sublinha algumas questões e levanta milhares de outras. Essa questão tribal entre seres humanos é uma triste metáfora às inversas sobre uma falsa ideia de “globalização” que só veio pra reforçar a ideia de nacionalismos e xenofobias acirradas e cada vez piores. Não serei eu a resolver. Fico feliz que Nelson Mandela tenha sido um herói na questão de reconstruir seu país de uma ruína racial e horrenda. Não pretendo tanto! Mas a peça não fala de palestinos e sim de islâmicos radicais e ortodoxos radicais, como os judeus hassidicos (a Palestina está incluída).

Como Ney Latorraca reagiu ao convite? Como é voltar a trabalhar com ele?
GT- Ah, é uma delicia. O Ney é uma delicia porque ele “saboreia e se delicia no palco”. Para quem é rato de teatro como eu, tenho de me vigiar pra não ter acessos de riso durante o ensaio: o ideal mesmo seria fazer um Being Ney Latorraca. Diferentemente de John Malkovich, o Ney faz com que todos nós, em volta… Diz assim a atriz Maria de Lima na peça: “Como vocês brasileiros dizem Ney no plural?” E o Ney responde: “NeyS, com S”. Ano que vem, serão 20 anos de amizade e trabalho com o Ney. Nos visitamos na minha casa em Londres e em Nova York (mas Quartett também foi ensaiado no palco do grupo Dogma 95, com quem eu fiz Chief Butterknife, em Copenhagen, 1996).

Por que, além do Ney, você escolheu os outros dois artistas do elenco, Edi Botelho e Maria de Lima?
GT- O Edi está comigo desde 1987 (Trilogia Kafka) e viajou o mundo comigo, às vezes no papel principal, como em M.O.R.T.E 2 em Taormina (Sicília, Zurique, Roma e Munique). Além do mais, onde está o Ney, está o Edi. Eu o amo. Além disso, o Edi viajou o mundo comigo durante a Trilogia Kafka (New York no La MaMa, 1988) e o Wiener Festwochen (Festival de Viena, 1989) e participou da minha montagem italiana de Said Eyes of Karlheinz Ohl (Os Ditos Olhos Tristes de Karlheinz Ohl) feito com a Cia. do Grotowski em Pontedera, Italia, em 1990. Quanto a Maria de Lima, a descobri durante os árduos testes em Londres em 2010, pra Throats, a primeira peça da London Dry Opera. É uma gigantesca atriz, algo fenomenal. Você verá em cena: é de arrepiar.

Você tem opinião formada sobre a atriz Fernanda Azevedo, que virou alvo de polêmica na classe artística por discursar contra a Shell [dizendo que a empresa apoiou a ditadura] ao receber o Prêmio Shell de melhor atriz na semana passada?
GT- Desculpa, mas não sei quem é e do que se trata. Mas posso falar da idiotice desses prêmios. Eu mesmo deixei cair (de propósito) a estatueta do Molière (ganhei dois, acho, e achei ridículo aquilo tudo). Caiu e virou cal, giz em pó. Acho o Oscar uma besteira, o Globo de Ouro outra besteira e assim por diante. Não podemos ser endossados pela classe média. Estamos à frente deles. Se nos endossam é porque endossamos os valores deles e quero que se fodam. Sigo o exemplo do meu mestre (com quem trabalhei) Samuel Beckett que não deu a mínima pro Nobel que ganhou em 1969 e nem foi recebê-lo.

Você acha que os artistas de teatro estão mais caretas hoje em dia? Por quê?
GT- Claro que estão. A resposta está em vários lugares: não se ousa mais em teatro e temos a TV e a internet que discutem os assuntos antigamente “fritos” somente nas frigideiras teatrais. E com essa fritura vinha um enorme risco. Hoje todos querem sucesso. Não entendo isso. Eu amo o risco! O mundo deu uma encaretada horrenda. Sou filho dos anos 60 e demonstrei nas ruas de Nova York contra a Guerra do Vietnã, militei na Amnesty International em Londres, na década de 70, e fui a Woodstock antes da industrialização de tudo! Eu lia a coluna de Bernard Levin no Guardian e… Não, não sou nostálgico: sei que um Schoenberg surgira dessas cinzas atuais [risos].

Por que Entredentes foi anunciado no Festival de Teatro de Curitiba 2014 e depois caiu da programação?
GT- Porque adiei a estreia em São Paulo. Eu não pude chegar no Brasil pra continuar os ensaios no dia marcado (coisas a ver com o La MaMa em Nova York) e não via sentido em fazer tudo corrido e mal feito. Pra quê? É a volta do Ney aos palcos depois do piripaque, o coma, que sofreu por 67 dias, e minha primeira produção com atores brasileiros em palcos daqui desde 2008 (Kepler, The Dog). Pra que apressar? Então transferimos a estreia pro dia 10 de abril [no Sesc Consolação, em São Paulo], e o Festival de Curitiba já terá acabado nessa data.

Quais grandes diretores do teatro brasileiro você gostaria de convidar para ver Entredentes? Por quê?
GT- Olha, eu não convido ninguém. Nem brasileiros e nem sei lá de onde. Não acredito mais em nacionalidades. E não acredito em teatro com bandeiras nacionais de país algum. São todos bem-vindos.

Qual sua opinião sobre a invasão da Rússia na região ucraniana da Crimeia?
GT- Essa região do mundo tem definições ambíguas. O que é russo e o que é ucraniano e o que é polonês é uma questão de 300 anos. Somos nós, os ocidentais, que criamos fronteiras e decidimos que o Iraque será o Iraque, que o Irã será o Irã e assim por diante. Se voltarmos aos povos babilônicos ou a Constantinopla, depende do império em vigor, essas fronteiras mudam. Essa Rússia de Putin e dos filhos da Putin só existe desde a Perestroika de Gorbachov/Reagan. O “império soviético” ainda esta de pé. E, economicamente, o Putin fez milagres para que a Rússia se recuperasse do fracasso soviético e de Boris Yeltsin. Então, é como o território do Acre ou o Alaska. Um já foi da Bolívia e o outro, da Rússia e, em 20 anos, não estaremos sequer lembrados do que foi o quê. Alguém, por acaso, sabe que a Alemanha só foi unificada por Bismark e faz (relativamente) pouco tempo? Ainda vai rolar muito sangue.

Qual sua opinião sobre as recentes manifestações no Brasil desde junho de 2013?
GT – Achei lindo. Lindo. Pena que foi esvaziada por um bando de imbecis (os black blocs) e virou violência. Tinha o potencial de ser uma manifestação pacífica, reclamando por direitos básicos num país que não cuida de sua infraestrutura, mas constrói estádios de futebol e endossa a corrupção (Mensalão, entre outras). Pena.

O golpe militar no Brasil completa 50 anos. O que o Brasil ainda não aprendeu com sua própria história?
GT – E nunca aprenderá porque o governo quer manter o povo emburrecido. Alias, o próprio povo parece querer continuar emburrecido. Como aqui estamos “retumbando as margens plácidas do rio Ipiranga” há tanto tempo, retumbaremos por mais uns séculos: levantes, revoluções são feitas com sangue e não com o chopp na praia e o jogo do Flamengo aos domingos ou essas novelinhas das 13h, 14h, 15h, 16h, 17h, 18h, 19h, 20h, 21h, 22h, 23h, 24horas. É um horror!

link direto: http://entretenimento.r7.com/blogs/teatro/2014/03/28/exclusivo-e-uma-idiotice-e-um-horror-diz-gerald-thomas-entredentes-entrevista/

Comments Off on Entrevista ao R 7 – Miguel Arcanjo (Atores e Bastidores)

Filed under Uncategorized

Nos ensaios com Gerald Thomas – por Edward Pimenta.

Screen Shot 2014-03-25 at 9.02.35 AMEdward Pimenta
Edward PimentaJornalista, autor do livro “O Homem que Não Gostava de Beijos”

Leia mais
Don Juan, Edi Botelho, Fernanda Torres, Gerald Thomas, Maria De Lima, Ney Latorraca, Circuito Alternativo, Diversão, Entredentes, Nelson Rodrigues, Programação, Teatro, Notícias

A portuguesa eletrônica do GPS anuncia a chegada e estaciono em frente ao galpão na rua Barra Funda, atmosfera pós-industrial, um tanto para o decadente, com espessos fios negros pendendo dos postes de luz. No caminho, pensava em quando tinha visto Ney Latorraca e Gerald Thomas juntos da última vez.

Muito longe, talvez nunca juntos, havia Gerald Thomas (GT, doravante) fumando Gitanes dezenove anos atrás com cabelos acobreados no foyer do TUCA, na estreia de Don Juan, texto de Otávio Frias Filho; Ney talvez estivesse na coxia se preparando para entrar em cena naquela peça que tinha também Fernanda Torres.

Pensava em quando o teatro deixara de ser a tribuna para discussões nacionais, que tipo de gente vai ao teatro, qual foi a última peça a que os meus amigos do Facebook assistiram, será que amigos do FB vão ao teatro, Nelson Rodrigues talvez pudesse se adaptar à lógica telegráfica do Twitter mas jamais os representantes de um certo teatro político. Ainda temos representantes vivos desta linhagem?

Estou tocando o interfone e em segundos estarei dentro dos domínios provisórios de GT, sua equipe de produção e os atores Ney Latorraca, Edi Botelho e Maria de Lima. Eles estão terminando a primeira passagem do texto, não saberei bem o que está acontecendo até o diretor me apresentar gentilmente a todos, com reverência imerecida; logo retomarão o texto do início.

Mas vamos começar pelo fim: GT me diz que esta é sua última peça e não entendo muito bem se é a última em terras brasileiras ou se ensaia uma aposentadoria global. Questão complexa para ser tratada neste mister. O fato é que o autor muitas vezes escreve textos para seus atores. Exclusivamente. Com invulgar tirocínio, identificou e ajudou a consagrar muitos nos últimos 30 anos.

GT tornou-se sinônimo de inovação (a palavra odiosa) nas décadas de 80 e 90 e influenciou decisivamente gente boa da nova geração. Dirigiu no exterior uma míriade de trabalhos, entre os quais Beckett Trilogy, com Julian Beck (já muito doente, em 1985, ano de sua morte) e no Brasil é invariavelmente lembrado pelas antológicas The Flash and Crash Days (1991), escrita para as Fernandas, mãe e filha, O Império das Meias Verdades, Unglauber e Um Circo de Rins e Fígados (2005), para Marco Nanini.

Esta Entredentes, que estreia em 10 de abril, no Sesc Consolação, foi escrito para três artistas consagrados.

Por certo não devo me alongar na apresentação de Ney Latorraca. É um ser mitológico que paira economicamente no espaço que ora se transformou na célula criativa mais absolutamente improvável e genial da cidade, de repente estou a cinco metros de um homem que tem completa consciência de seu corpo maduro, íntegro, sobrevivente de uma longa enfermidade, cabelos branquíssimos, intacto o senso de humor que você conhece bem.

Edi Botelho é o ator que mais trabalhou com GT, eles se conhecem desde a época da Cia Opera Seca, na década de 80. Trabalhou também com Aderbal Freire Filho e Miguel Falabella (para quem, aliás, sobrará farpas, en passant). Maria de Lima, a portuguesa muscular e energética, tem mais de 20 anos de atuação planetária em teatro e TV, já havia trabalhado com GT em “Gargólios” (2011).

A maneira mais simples de explicar Entredentes é dada pelo próprio autor: “Um islâmico radical e um judeu ortodoxo se encontram no Muro das Lamentações, em Jerusalém, e tudo começa”. Não quero tirar conclusões a partir da audiência de um trabalho em evolução, mas aparentemente o texto busca ao mesmo tempo aprisionar o espírito do tempo (tecnologia, fundamentalismos, geopolítica, Brasil, cosmopolitismo, mídia) e dar vazão a obsessões e ironias (Chico Xavier, Wittgenstein, Deleuze, Pirandello, Síria, Ucrânia, Corumbá, Piracicaba, a “torcida gay radical do Flamengo”) num registro que é, alternadamente, comédia e comentário. Às vezes as duas coisas ao mesmo tempo.

Mas aí Ney canta Chão de Estrelas, de Silvio Caldas, e você percebe que há mais, muito mais:

“Minha vida era um palco iluminado
Eu vivia vestido de dourado
Palhaço das perdidas ilusões
Cheio dos guizos falsos da alegria
Andei cantando a minha fantasia
Entre as palmas febris dos corações.”

Latorraca interpreta Latorraca, o espetáculo é também um tributo, ele se diverte e não precisa fazer muito esforço para fazer rir. A entrega do texto é competente, entende e incorpora a verve de GT, inclusive maneirismos dadaistas como as repetições ad infinitum de expressões que acabam perdendo o sentido original para se tornarem bordões, quase mantras, “It’s amazing, it’s amazing, it’s amazing”, tenho certeza de que você vai deixar o teatro com isso ecoando na cabeça, uma última vez, it’s amazing.

Serviço

Entredentes, de Gerald Thomas
Elenco: Ney Latorraca, Edi Botelho e Maria de Lima
Local: SESC Consolação. Rua Doutor Vila Nova 245, Vila Buarque
Informações: 55 (11) 3258-3830
Capacidade de público: 280 lugares
Estreia (para convidados): 10 de abril, quinta-feira, às 21h
De 10 de abril a 11 de maio. Sextas e sábados às 21h e domingos às 18h
Importante: no dia 18/4 não haverá apresentação do espetáculo.

Comments Off on Nos ensaios com Gerald Thomas – por Edward Pimenta.

Filed under Uncategorized

Here we go – Agora vai! ENTREDENTES Por Dirceu Alves

Screen Shot 2014-03-19 at 8.19.09 PMScreen Shot 2014-03-19 at 8.19.26 PMhttp://vejasp.abril.com.br/blogs/dirceu-alves-jr/2014/03/17/ney-latorraca-gerald-thomas-entredentes-sesc/

Comments Off on Here we go – Agora vai! ENTREDENTES Por Dirceu Alves

Filed under Uncategorized

To put an end to all the conspiracy theories: it crashed into a glass of water!

Picture of the production of Sturmspiel

Picture of the production of Sturmspiel

My drawing circa 1989 for the "Sturmspiel" - my play in Munich

My drawing circa 1989 for the “Sturmspiel” – my play in Munich

It is unclear why investigators appear so certain that the two communications systems were disabled deliberately, rather than malfunctioning. Attention has focused on the crew – particularly the pilots – because of the difficulty of shutting off the systems and because of the way the plane navigated subsequently. Attention investigators: time to look at the broader scope and look into glasses of water!!! or, who knows…….on Mars?

Link to images of Sturmspiel:

http://geraldthomas.net/PP-Sturmspiel.html

Comments Off on To put an end to all the conspiracy theories: it crashed into a glass of water!

Filed under Uncategorized

In memoriam of my best friend Peter Jump who has left us. Ewa Szymanska – I’m so sad and sorry for our loss. No words, no words- Rest in PEACE my dearest love.

Peter and me early 2013

Peter and me early 2013

Peter and Ewa in Belsize Park, London, recently

Peter and Ewa in Belsize Park, London, recently

Peter Jump at his Belsize Park home (December 2013)

Peter Jump at his Belsize Park home (December 2013)

You will be missed so very very much and I’ll keep on rockin’ in the free world for you.

Comments Off on In memoriam of my best friend Peter Jump who has left us. Ewa Szymanska – I’m so sad and sorry for our loss. No words, no words- Rest in PEACE my dearest love.

Filed under Uncategorized

“Entredentes” – 10 de Abril no SESC – Consolação ! Pag do Facebook

https://www.facebook.com/events/579321005411799/

Comments Off on “Entredentes” – 10 de Abril no SESC – Consolação ! Pag do Facebook

Filed under Uncategorized