Monthly Archives: June 2013

Livro de Felipe Fortuna consegue chegar à pedra filosofal

Screen shot da Folha Online

Screen shot da Folha Online

Folha de São Paulo (Ilustrada)

GERALD THOMAS

“A Mesma Coisa”, de Felipe Fortuna, apesar da insistência do autor, está longe, muito longe de ser uma qualquer “mesma coisa”.

Já na primeira página eu me surpreendo com algo assim:

Eu me repito
mesmo
quando não copio

Eu poderia escrever mil páginas (pra ser mais preciso), dependendo de qual prisma ou antiverso eu quisesse usar, seja via “Ulysses” de Joyce ou de “Galáxias” de Haroldo de Campos ou mesmo via Ezra Pound e seus “Os Cantos”, a respeito desse pequeno trecho, somente desse pequeno trecho acima. Ele vem a ser a longitude e a latitude, enfim, a bússola que nos traz aos tempos de hoje / agora / now/ o presente imediato, com nossas crises de identidade entre ocidentes e orientes, Ásia desloucada e deslocando o eixo de tudo e recomeçando tudo, especialmente a China com a questão do lixo, da reciclagem e da ascensão à classe média e ásias, náuseas, com os pólos derretendo e uma globalização fazendo dos CEOs os Rei Lears que vemos na TV. Não é fácil. E não há antiácido que chegue.

Esse livro de Felipe Fortuna traz o melhor dos dois mundos: a filosofia da duplicação e do eterno retorno, do múltiplo retorno (wagneriano, como Navios Fantasmas ou como o Liebestod amor depois da morte, e vice-versa, ou o amor através da morte, ou a impossibilidade de uma vida por inteiro como um Nietzsche depois de sua crise ao ver o cavalo espancado… Mas também nos faz sentir que, como poeta, sua função é lírica e idílica e suas palavras fluem como uma linda sinfonia e, antes mesmo de mudarmos de página, a lágrima escorre, e sua poesia é pura emoção.

É raro, muito raro nos dias de hoje ou em qualquer dia um livro de poemas nos “pegar pelo pé e pelas mãos” e arrancar a alma suicida que levamos no peito. Suicida sim. Sim, às vezes queremos morrer de tanta beleza ou porque não vemos mesmo mais sentido nessa massificação de tudo, nessa produção em massa de tanto, “onde tudo é tudo e nada é nada”.

E?…. E o quê? Não sei….Apesar das constatações existenciais, Fortuna dá um coice de cavalo no nosso estômago com esse pequeno grande livro. E que coice!

Parece que Moisés está no alto do Monte Sinai conversando diretamente com o Criador (“eu sou igual a um anagrama”). Será que Moisés, como um anagrama, receberia os Dez Mandamentos sendo um anagrama? Sim, provavelmente sim, já que um anagrama é um eufemismo, uma sofisticação, uma redução da essência dessa galáxia de palavras que nos…. o quê? Que nos….babel. Sim, que nos babamos e Babelamos até o desentendimento desde sempre.

A MESMA COISA nos “Babel” um pouco menos já que ele, o Felipe, nos aproxima um pouco mais de quem somos (ou deveríamos ser). Faz sentido?

CENA DE ORIGEM

Sim, aquela mesmo. Aquela escrita faz um pouco mais de 5 mil anos, em aramaico (já que o hebraico não foi arquivado). Fortuna (o nome diz tudo, filho de um dos maiores cartunistas brasileiros ever, especialmente do Pasquim), sabe que essa cena não tem UMA só origem, portanto é a cena da diáspora. Explico mais tarde aqui nesse texto mesmo.

Li esse livro no avião vindo, indo, voltando e em terra. E li de novo e, de fato, acho que ele tem vários autores –no melhor estilo do “Teatro da Crueldade” ou do seu Duplo, de Artaud, que Jorge Luís Borges…(bem, vamos deixar Borges de lado. Mas como? Sim, de lado!)

O Criador aqui é o autor e não Deus, se bem que um é o outro e o outro é um. Pronto! Voltamos a Borges naquele conto, “O Outro”, mas pouco importa. Aqui o Criador quer desesperadamente provar que somos um a cara do outro, um mero anagrama do ouro, uma diferença mínima de cromossomos, de “como somos”, o R da diferença.

É o R de rato. O camundongo do tempo de Poe e o rato, virtude dos mitos da diferença, da diáspora!

“Não me pergunte porque somos iguais. Minha alma gêmea chegou
para me ajudar:
a mão que estende
é uma só, igual a todas”

Felipe Fortuna consegue o que os grandes poetas conseguem com a poesia: chegar à pedra filosofal ou fundamental.

Gilbert Chesterton foi um deles. Samuel Coleridge foi outro. Sim, temos inúmeros.

“A porta se fecha quando entramos” é um território tenebroso que nos deixa gélidos junto a Kafka e Fernando Pessoa. Mas estamos juntos ao Criador então –nesse sentido– diferente e oposto a Kafka e Pessoa, ele não nos joga aos leões e divide suas indecisões, suas amarguras e anagramas conosco, as suas sílabas reverberam conosco e não simplesmente ficam lá como sons jogados como efeitos ou defeitos da poesia concreta ou da música concreta de Cage ou de Stockhausen.

Felipe Fortuna é camaleônico, mas não tão completamente como finge ser o poeta porque o poeta pode ser um fingidor e fingir tão completamenteaté “apodrecer”.

“O manequim imóvel e surpreso (…) apodrece”, mas na verdade não apodrece a poesia que aqui lemos e aqui nos inspira a mais um dia, mais um mês, mais um ano de tantas imitações, de tantos “trompe-yeux” que já não sabemos mais o que é porta e o que importa…mas…se fingimos tão completamente, que diferença faz? Num mundo cada vez mais confuso e asiático e de dar náuseas, numa falsa cultura a essa falta de cultura onde nenhum antiácido resolve, uma coisa é garantida:

“A Mesma Coisa” não é a mesma coisa mesmo porque, virando a página temos mais dois poemas belíssimos: O SUICIDA e CONTRA A POESIA. E esses outros dois capítulos-poemas são justamente essa diáspora à qual me referia antes, que compõe a cena de origem e transforma o livro, como um todo, num livro nômade. Começa com aquela “masterpiece” e termina com um “contramasterpiece”, assim como o Barthes ou a Susan Sontag o definiria.

Ah palavra que me falta (Arnold Schoenberg).

Dizer que é “A Mesma Coisa” impactante é redundante.

Dizer que é ducacete é desvalorizar o livro. Dizer que é genial, simplesmente genial e emocionante é chegar perto da verdade, bem pertinho da verdade.

A MESMA COISA
AUTOR Felipe Fortuna
EDITORA Topbooks
QUANTO R$ 29 (83 págs.)

*
O poeta, ensaísta e diplomata Felipe Fortuna fala sobre poesia e sua produção literária neste sábado, 29, às 19h30, na Casa das Rosas (av. Paulista, 37, São Paulo, tel. 0/xx/11/3285-6986)

_________________________________
bate papo com o Felipe (2003 em Londres http://geraldthomas.net/T-Felipe-Fortuna.html

Advertisements

Comments Off on Livro de Felipe Fortuna consegue chegar à pedra filosofal

Filed under Uncategorized

Nós estamos vivendo o resultado de uma série de paradoxos, by Helio de la Peña

HELIO DE LA PEÑA
ESPECIAL PARA A FOLHA

Não se fala em outra coisa, não se escreve sobre outra coisa. Nunca tantos falaram tanto sem saber o que estão dizendo. Quem afirma algo com convicção hoje é obrigado a desdizer tudo amanhã.
Temos que tomar cuidado com as certezas absolutas. É preciso entender a mensagem das ruas e ninguém sabe onde fica a tecla SAP.
Se tivesse que arriscar uma síntese para o que está rolando, diria “chega de caô!”. Estamos vivendo o resultado de uma série de paradoxos.
A coisa é tão complexa que temos que agradecer aos prefeitos por não terem baixado as tarifas de ônibus logo de cara e à truculência da
polícia nos protestos.
Sem essa ajuda, talvez não tivéssemos chegado a esse ponto em que tudo está sendo posto em xeque. Por R$ 0,20, muitos bilhões desviados estão sendo denunciados. Escândalos estão sendo desmascarados pela máscara inspirada em Guy Fawkes, um inglês do século XVII.
Fazia tempo que os estudantes não saíam às ruas. A primeira vez que participei de um movimento desse tipo foi em 1977, quando foi ressuscitado o movimento estudantil.
Queríamos reviver a Passeata dos Cem Mil de 1968. A atmosfera foi parecida, respirávamos democracia no fim da ditadura. Depois voltei às ruas pela anistia, pelas Diretas Já, pelo impeachment do Collor, entre outras vezes menos marcantes.
Participei ativamente do movimento estudantil. Embarquei nesse ambiente político universitário cheio de esperança. Mas testemunhei muita sujeira.
Os estudantes sendo iludidos por raposas velhas de partidos de esquerda que faziam uma mímica de democracia, enquanto decidiam tudo em conchavos na calada da noite.
Era do Partidão e vi bem como era isso. As lideranças se orgulhavam de conduzir a massa pra onde ela não sabia que queria ir, era o que se dizia. Lembro do caso de uma mãe procurando pelo filho na PUC do Rio. Ao encontrar um grupo de estudantes, perguntou: “Vocês conhecem o fulano? Ele é o líder de vocês…”.
Até então acreditávamos no estereótipo do bem e do mal. O bem era a esquerda, o mal, a direita. A esquerda podia fazer cagadas, manipular opiniões, até desviar verbas pela causa. “Os fins justificam os meios”, diziam as lideranças progressistas.
Conseguimos, enfim, derrubar a direita e colocar a esquerda no poder. E o que se viu? A maior sequência de escândalos e corrupção da nossa história.
Mentiras se repetindo, inimigos chegando a acordos, direita e esquerda fazendo de tudo para se perpetuarem no poder. Lula, Collor, Sarney, Dilma, Maluf, todos na mesma mesa de jantar.
Os absurdos são anteriores à era PT, mas foram se acumulando e continuam. Marco Feliciano na Comissão de Direitos Humanos, Renan na presidência do Senado, Genuíno, condenado, eleito e legislando sobre a ação do Judiciário, estádios bilionários construídos em cidades sem time na primeira divisão, estatísticas maquiando nossa realidade… Até que, por R$ 0,20, tudo vem à tona.
Ninguém sabe onde isso vai dar. Não se sabe como fazer pra mudar a situação. Este “foda-se” que sempre deram pra nós agora estamos devolvendo pra eles.
Vandalismo não é solução, nem violência policial. Qual o próximo passo? A vontade é tirar todos de todos os cargos. Mas, em algum momento, alguém terá que representar essa nova mentalidade.
O voto é nossa arma mais poderosa. Não vamos conseguir botar 170 milhões de pessoas no Palácio do Planalto. E aí vamos ter que confiar que a sinceridade é possível, que as intenções serão de fato as melhores.
Talvez não seja agora. Não sabemos como nem quando. Queremos acreditar que um dia vai ser. Por ora, resgatemos a utopia. Já é um grande passo.

Helio de la Peña, 54, é humorista do Casseta & Planeta, ator e roteirista da TV Globo.

__________________________________
Acesso a aeroportos:

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/115273-atos-fecham-13-rodovias-em-sp-e-isolam-aeroportos.shtml
——————————–
Nossa, que vergonha!

Após serem furtados, jogadores da Espanha podem depor por carta

Não tenho ideia do que será essa Copa no Brasil, mas que será uma GUERRA, será! E o Brasil não esta preparado nem para Copas ou para guerras!!!!
GT

——————————-
MUDANDO DE ASSUNTO

Resposta de Ana Peluso a uma pergunta minha: “por que voce não publica um livro sobre o “pensar a poesia?”

“Mas você pode pensar o teatro porque conseguiu fazer um teatro que não existia. Você é um inventor. Eu não posso fazer isso, eu sou uma mimetizadora do real e do imaginário. O certo seria eu ter feito filosofia mesmo. Até porque filósofo pode pensar a poesia, poeta não. Poeta tá completamente embrigado pela deidade, se ele explica a deidade, ele desincorpora. Os poetas de hoje não pensam na meta-poesia. Pra eles é uma barbárie, uma afronta, uma blasfêmia. Para eles seria como explicar Deus quando Deus dá êxtase enquanto desconhecido.
Mas escrevi isso abaixo, ainda agora.
Sou bem isso, hermética, todos os sentidos do que advém de Hermes.

“acho que sou racional demais pra ser poeta
por isso não consigo atravessar a membrana, a pele, e me perder na linguagem, de forma que não sou dionisíaca, e também não sou apolínea, porque não carrego nas tintas, sou filha de Hermes, e por isso sou hermética, mas a poesia que eu passei a admirar ao longo do tempo mais que as outras é a dionisíaca
e Hermes não pode se dar ao luxo de se perder, porque carrega informações tão diversas, tão para além de Hades e do Olimpo, que se não racionalizar, acaba entregando um Anjo no limbo
e também só por carregar tantas informações completamente diferentes entre si, parece hermético
se chegar perto é só um menino que fala várias línguas que ninguém entende”

LOVE
Ana

Comments Off on Nós estamos vivendo o resultado de uma série de paradoxos, by Helio de la Peña

Filed under Uncategorized

Rio de Janeiro yesterday! Been thinking….Maybe the World Cup would be better off in Kabul?

"peaceful demonstrations in Rio yesterday - perfect backdrop for a world event, no?"

“peaceful demonstrations in Rio yesterday – perfect backdrop for a world event, no?”

The streets of central Rio de Janeiro and dozens of other cities echoed with percussion (stun) grenades and swirled with teargas last night as ranks of riot police scattered the biggest demonstrations Brazil has seen for more than two decades. And President Dilma, a former guerrilla during the military dictatorship, says, she’s on the “people’s side”. Really? She also says she’s “listening”. Listening to what? Altemar Dutra’s old songs?

As a minority of protesters threw rocks, torched cars and pulled down lamp-posts, the police fired volleys of pepper spray and rubber bullets into the crowd and up onto overpasses where car drivers and bus passengers were stuck in traffic jams. At least 40 people were injured in the city and many more elsewhere.

A vast crowd – estimated by the authorities at 300,000 and more than a million by participants – filled Rio’s streets, one of a wave of huge nationwide marches against corruption, police brutality, poor public services and excess spending on the World Cup. Yes, Better re-think the entire thing: Kabul or Baghdad maybe a more peaceful place.
______________________

O POVO FALA MAIS ALTO

The Brazilian “Dream” is over: e quem não dormiu num sleeping bag nem sequer sonhou! O sonho acabou!…

As ruas do país estão em chamas, enquanto a Bolsa derrete, o dólar dispara e o índice de emprego –que se mantém muito bom– já não dá para o gasto político. Foi engolido pelas más notícias na economia e pela frustração popular.

A acusação a Dilma é que, em dois anos, ela torrou o patrimônio político, econômico e social que herdou de Lula. A família lulista está tão em pé de guerra quanto os manifestantes que, por pouco, não subiram a rampa do Planalto na quinta-feira de fúria.
_______________________
Gabeira
Gabeira

Se eu tivesse que comparar o Gabeira a qualquer “ser” ou personagem teatral da História dramatúrgica, sinceramente? Não conseguiria. Não existem paralelos.

Esse homem é um ser iluminado, em todos os sentidos. Já foi tachado disso e daquilo pela direita, pela esquerda, por cima, por baixo, já foi chamado de viado, de cachorro, de tudo: no entanto está de pé, assim como a cultura cigana.

“Bury me Standing” de Isabel Fonseca, escritora Americana, (acho que ainda) casada com o autor inglês Martin Amis… enfim, “Bury me standing” vem de me enterrem de pé!, um velho comando, ou dizer, ou expressão usada pelos nômades que, de tempos em tempos, sofrem um holocaustozinho em diversos paises.

Pela lógica, Fernando Gabeira jamais poderia estar onde está agora, ou seja, vencendo e glorioso. Já o odiaram por ter voltado do exílio usando uma sunga mínima (um insulto pra esquerda), já o insultaram por querer se “intrometer” a defender causas que não lhe diziam respeito, como os negros e os homosexuais. Talvez, seguindo essa mesma lógica, talvez o Gabeira seja a única e REAL ponte que cubra esse “canyon” ridículo que ainda insiste em dividir pessoas entre direita e esquerda. Gabeira parece aquele que já atravessou o Checkpoint Charlie da (ex) Alemanha Oriental para a Ocidental com um sorriso na cara como se quizesse dizer: GENTE IMBECIL! Criando MUROS! Criando MURALHAS! Criando barreiras! O Gabeira que eu conheço pessoalmente há… há (ufa! 30 e poucos anos) sempre foi um LIBERTADOR!.

Mas vejam só que engraçado: certa vez, como correspondente da Folha em Berlim, ainda casado com a Yame, Gabeira vem para cobrir uma ópera que eu estava dirigindo em Stuttgart (Perseo e Andrômeda – John Neshling fez a crítica para o mesmo jornal – 1990). Pegou o trem, era inverno, tudo atrasou, chegou afobado… pediu uma tomada para plugar o computador. Naquela época não era internet ainda. Mandava-se matéria para uma central, sei lá como…

Mandou a coluna. Jantamos. Pegou o trem de volta para Berlim.

Anos antes disso: nos encontrávamos com muitíssima freqüência num restaurante macrobiótico no Leblon. Mastigávamos e mastigávamos e mastigávamos… Ruminávamos e ficávamos nos perguntando por que diabos um restaurante macro (um sobrado) ficava justamente em cima de um açougue!!!!!

Anos antes disso: Gabeira no exílio e eu sentado em Londres na sede da Amnesty International. Ele já não querendo muito contato com o “Que é Isso, Companheiro?”

E assim que o filme foi lançado, nos cruzávamos e, ambos de bico calado. A Nanda fez o filme, acompanhei de perto a tragédia filmada de um livro tão legal.

Fui em sua casa certa vez na Lagoa. Depois se mudou pro Bairro Peixoto, gravei uma entrevista. E tivemos um ÓTIMO debate sobre terrorismo, logo assim que voltei de NY após os ataques de 11 de setembro.

O Rio não pode AFFORD NOT TO, não pode se dar ao LUXO DE NÃO TER o Gabeira, sendo o Rio o que ele é.

E por quê? Porque um é a cara do outro! Se você tenta pegar o Gabeira com ecologia ele te devolve algo sobre supercondutores. Se você quer falar sobre política ele te responderá alguma coisa na linha da cultura eclética dos pós-semiólogos egípcios. Se você colocá-lo na mira em relação a qualquer assunto ele te devolve dez sobre os quais você simplesmente nada sabe ou sabe pouco.

E essa é justamente a natureza do carioca: a do samba, a do segundo surdo que entrecorta o samba e cria aquele falso desequilíbrio que faz com que a avenida inteira se sinta na ponta do pé e dance a noite inteira e rebole sem saber como está rebolando.

Ah… você está pensando… Farra? Não senhor! Essa é justamente a ARTE do equilíbrio de um EXIMIO político com vivência INTERNACIONAL pronto para enfrentar uma cidade aos pedaços, mas, nem por isso, menos cosmopolita.

E se você pedir um simples abraço ao Fernando, ele vai abraçar a Lagoa inteira!!!!

Gabeira, LOVE as always,
Gerald!

bate papo com o Gabeira:
http://geraldthomas.net/T-Fernando-Gabeira.html

LOU REED on Edward Snowden
http://www.guardian.co.uk/media/video/2013/jun/21/lou-reed-edward-snowden-nsa-video

Comments Off on Rio de Janeiro yesterday! Been thinking….Maybe the World Cup would be better off in Kabul?

Filed under Uncategorized

Facebook – a temporary goodbye.

Screen shot of my page as I left

Screen shot of my page as I left

I was becoming overwhelmed and it was redundant for me at this moment. Too much going on in my life and in the world. Can’t be concerned with who says what .I’m sure I’ll be back at some point because, well, simply because (I have found some great old friends there) and I shall satisfy my 4.900 “friends and 2.334 “followers” (sounds like a sect, doesn’t it?).

Estava ficando demais e um pouco redundante pra mim, nesse momento. Muita coisa acontecendo na minha vida e no mundo pra ficar cuidando de quem diz o que. Tenho certeza de que estarei de volta (achei otimos amigos ali). E voltarei a satisfazer meus 4.900 “amigos” e 2.334 “seguidores” (parece guruismo, não?).

Good luck BRAZIL with your REVOLT and revolution. It was about time.SHOUT, SCREAM, put an end to corruption (if that’s at all possible.) BR is a GREAT country but the people are FED UP. And these demonstrations all over the country and making that point very clear.
LOVE
G

Screen Shot of my FB page as I left.

Screen Shot of my FB page as I left.

Good example of the fury of an anchor

Em tudo que vejo e ouço daqui (pela CNN e BBC e Deutsche Welle) e Guardian e NYTimes,
“people are simply FED UP” com os enormes gastos pra Copa e a falta de infraestrutura. Não pego onibus no Rio, mas me lembro como eles se comportam! São uns horrores. E ouço coisas dos meus amigos – quando dou workshop, como dei no Teatro Poeira em Agosto do ano passado.
NINGUEM aguenta mais essa corrupção – (com o PT ou piorou ou a imprensa ficou mais transparente ou……cuecas ou mensalões ou ..)…..se tornaram coisas horrorosas!!!

Metro em Sampa: ja era pra ter desde 1964. Mas não. Nao tem, e quando cavam uma estação (Pinheiros), abre uma cratera que engole gente, carro e casa, gato, cachorro.
TRANSPORTE PLUVIAL NO RIO DO RECREIO / BARRA / S CONRADO / LEBLON / IPANEMA/ COPA ATE O CENTRO – Só não existe porque……
Ah sei la. Porque odeiam a si mesmos ou….porque o lobby do “Jacaré – Ipanema” (474) é forte demais. Não da pra entender.

Mas da pra entender sim.

Os brasileiros querem um match.
Querem se ver ESPELHADOS naquilo que a midia mundial esta pintando eles! de PRIMEIRO MUNDO, como se tivessem hospitais publicos bons, transportes bons, segurança publica boa.
QUE VENHA LOGO ESSE PRIMEIRO MUNDO.
E QUE OS GOVERNANTES PAREM DE ROUBA-LOS DISSO!!!!
LOVE
G

Comments Off on Facebook – a temporary goodbye.

Filed under Uncategorized

Editora Perspectiva – 1.000 titulos: parabens!

Jacó Guinsburg

Jacó Guinsburg

O ENCENADOR DE SI MESMO

O ENCENADOR DE SI MESMO

MEMORIA E INVENÇAO: GERALD THOMAS EM CENA: por Silvia Fernandes

MEMORIA E INVENÇAO: GERALD THOMAS EM CENA: por Silvia Fernandes

(Da Folha – Ilustrada) – Um jovem editor arrecada dinheiro para lançar uma série de livros. Vende mil coleções antes de imprimi-las e funda uma editora decisiva na cultura brasileira. Crowdfunding, uma vaquinha na internet? Cooperativismo editorial?
Seria isso, se a história não tivesse começado em 1965, quando Jacó Guinsburg, paulistano nascido na Bessarábia em 1921, lançou a coleção Judaica, o marco zero da editora Perspectiva, que fez a cabeça de fornadas inteiras de universitários brasileiros. Em plena ditadura, um grupo de intelectuais reunidos em torno de Jacó e sua mulher, Guita, realizou a proeza de renovar a bibliografia das ciências humanas, lançando modas intelectuais como a semiótica e um novo jeito de fazer livros no Brasil. De quebra, trouxeram ao debate brasileiro quadrinhos, MPB, drogas e outros temas que eram tabus até para as cabeças mais esclarecidas.
Começava-se a virar a página do velho modelo de editor brasileiro, de perfil missionário e obrigatoriamente esquerdista, para um tipo de edição universitária “clean”, de inspiração europeia, que hoje repercute em editoras como a 34, a Cosac Naify e a mineira Autêntica.
Chega às livrarias, 48 anos depois do primeiro, o milésimo título da editora: “Coisas e Anjos de Rilke”, de Augusto de Campos. Seria injusto tratá-lo como mera reedição: o concretista acrescentou 70 novas traduções e voltou a outras 60, além dos ensaios críticos incluídos no volume.
Parabens Jacó e Guita. Devo a voces os meus primeiros livros: “O Encendador de Si Mesmo” (curdadoria de Haroldo de Campos e J. Guinsburg) e “Memoria e Invenção, Gerald Thomas em Cena”, de Silvia Fernandes.
Profundamente grato e orgulhoso,
LOVE
Gerald Thomas

Comments Off on Editora Perspectiva – 1.000 titulos: parabens!

Filed under Uncategorized

Nelson Mandela and the world I knew and a G-2 ?

Nelson Madela

Nelson Madela

Pray for Nelson Mandela and the world we used to know.

Mandiba is seriously (seriously ill).

It has become an increasingly frequent occurrence but each time the anxiety deepens rather than diminishes. At 1.30am on Saturday, when the affluent suburbs of Johannesburg were dark and deathly quiet, Nelson Mandela was whisked from his home to the hospital with a recurring lung infection.
South Africa’s first black president, who turns 95 next month, is said to be in a serious condition – a rare choice of word for government officials who have played down past health scares.
But they also insisted that he is stable, conscious, able to breathe on his own and believed to be communicating with his family. His wife Graça Machel, from Mozambique, who on Thursday cancelled a trip to a hunger summit in London, accompanied him to the hospital and remains at his bedside.

I have little else to say, except that I am extremely moved. Moved to tears and afraid for many reasons. Why?

Because a 29-year-old former C.I.A. computer technician went public on Sunday as the source behind the daily drumbeat of disclosures about the nation’s surveillance programs, saying he took the extraordinary step because “the public needs to decide whether these programs and policies are right or wrong.”
During a 12-minute video interviewthat went online Sunday, Edward Joseph Snowden calmly answered questions about his journey from being a well-compensated government contractor with nearly unlimited access to America’s intelligence secrets to being holed up in a Hong Kong hotel room, the subject of a United States investigation, with the understanding that he could spend the rest of his life in jail.
The revelation came after days of speculation that the source behind a series of leaks that have transfixed Washington must have been a high-level official at one of America’s spy agencies. Instead, the leaker is a relatively low-level employee of a giant government contractor, Booz Allen Hamilton, that has won billions of dollars in secret government contracts over the past decade, partly by aggressively marketing itself as the premier protector of America’s classified computer infrastructure.
The episode presents both international and domestic political difficulties for the Obama administration. If Mr. Snowden remained in China, the White House would have to navigate getting him out of a country that has been America’s greatest adversary on many issues of computer security.
Then the United States must set up a strategy for prosecuting a man whom many will see as a hero for provoking a debate that President Obama himself has said he welcomes — amid already fierce criticism of the administration’s crackdown on leaks. The court-martial of Pfc. Bradley Manning, who released a vast archive of military and diplomatic materials to WikiLeaks, resumes Monday.
In his interview with The Guardian, Mr. Snowden said his job had given him access to myriad secrets that the United States government guards most jealously, including the locations of Central Intelligence Agency stations overseas and the identities of undercover agents working for the United States.
But he said he had been selective in what he disclosed, releasing only what he found to be the greatest abuses of a surveillance state that he came to view as reckless and having grown beyond reasonable boundaries. He was alternately defiant and resigned, saying at one point that the C.I.A. might try to spirit him out of China, and speculating that it might even hire Asian gangs to go after him.
Fareed Zakaria says, in his Washington Post article (related to his GPS – CNN program)
“The United States has been accused of having a confused, contradictory foreign policy, as each administration reverses its predecessor. This is often a mischaracterization, never more so than with China policy. Since Nixon and Kissinger opened the door, U.S. foreign policy toward China has been remarkably consistent over 40 years and eight presidents. Washington has sought to integrate China into the world, economically and politically. This policy has been good for the United States, good for the world and extremely good for China.
But many of the forces that pushed the two countries together are waning. For the first two decades of relations, Washington had strategic reasons to align with Beijing and shift the balance of power against the Soviet Union. While China was in its early years of development, it desperately needed access to U.S. capital, technology and political assistance to expand its economy. Today, China is much stronger and is acting in ways — from cyberattacks to its policies in Africa — that are counter to U.S. interests and values. For its part, Washington must respond to the realities of Asia, where its historic allies are nervous about China’s rise.
That’s why the meetings between Obama and Xi are important. Both countries need to take a clear-eyed look at the relationship and find a new path that could define a cooperative framework for the future, as Nixon and Zhou did in 1972. Both sides should seek to create a broad atmosphere of trust rather than to work through a “to-do” list.
Some Americans want to see these meetings as a “G-2” alliance of sorts between the world’s largest economies. That would not serve U.S. interests nor those of broader global stability and integration.
China is the world’s second-largest economy and, because of its size, will one day become the largest. (On a per-capita basis, it is a middle-income country, and it might never surpass the United States in that regard.) But power is defined along many dimensions, and by most political, military, strategic and cultural measures, China is a great but not global power. For now, it lacks the intellectual ambition to set the global agenda.
The scholar David Shambaugh, who has always been well-disposed toward China, put it this way in a recent book: “China is, in essence, a very narrow-minded, self-interested, realist state, seeking only to maximize its own national interests and power. It cares little for global governance and enforcing global standards of behavior (except its much-vaunted doctrine of noninterference in the internal affairs of countries). Its economic policies are mercantilist and its diplomacy is passive. China is also a lonely strategic power, with no allies and experiencing distrust and strained relationships with much of the world.”
Beijing wants good relations with the United States and a general climate of external stability. That’s partly because it faces huge internal challenges. Chinese leaders want to embark on serious reform at home (described as “rectification”) and are searching for a way to generate greater legitimacy for the Communist Party, experimenting with both a return to Maoist rhetoric and a revival of nationalism. Beijing wants to rise without creating a powerful anti-Chinese backlash among Asia’s other powers.
The United States should seek good and deep relations with China. They would mean a more stable, prosperous and peaceful world. Further integrating China into an open global system would help maintain that system and the open world economy that rests on it. But this can happen only if China recognizes and respects that system and operates from the perspective of a global power and not that of a “narrow-minded” state seeking only to maximize its interests.
In other words, when China starts acting like a superpower, we should treat it like one.
The world is swamped and crying. Rivers are rising and wikis are leaking and I don’t understand anything anymore as I once did, or at least, pretended I did.

Gerald Thomas (the one I used to be)

Comments Off on Nelson Mandela and the world I knew and a G-2 ?

Filed under Uncategorized

Bete Coelho – short portrait (now with Bob Wilson in São Paulo)

Bete and I - 12 pieces together from 1085 to....(??) You make me very proud !

Bete and I – 12 pieces together from 1085 to….(??) You make me very proud !

For those who want to see Bete in my early shows, click on the links below:

CarmemComFiltro

http://geraldthomas.net/PP-Carmen-com-Filtro-2.5.html

UmProcesso (based on Kafka)

http://geraldthomas.net/PP-A-Process.html

Bete (as well as the Companhia de Opera Seca – BR) can also be seen in MattoGrosso (Philip Glass and Gerald Thomas

http://geraldthomas.net/PP-Mattogrosso.html

Bob Wilson is working with most of of the Brazilian Opera Seca: Bete Coelho, Luis Damasceno and others. Is it a cycle? Don’t know. We all owe it to Ruth Escobar and Ellen Stewart. That’s for sure. And here is my THANKS.

Photos of the production
http://cacilda.blogfolha.uol.com.br/2013/05/25/a-dama-do-mar-
temporada-paulista/
______________________________________________________________
Artigo escrito para a Folha de S Paulo em Março de 2009, por época da passagem do Zé Celso por Nova York como meu hospede:

Não Seja Marginal Para Não Ser Herói

New York- Como é fácil ir para Times Square e colocar a língua de fora para ridicularizar o “TEATRÃO”. Facílimo. Coisa que Alice Cooper e todos nós, do La MaMa e da Off Off Broadway, já fazemos há… milênios. Por isso nosso movimento se chama “off off”.

Agora, é preciso entender de onde vem aquilo que se chama de Broadway Musicals. O Musical da Broadway nasceu de um movimento americano que visava quebrar com a estática da Ópera Européia. Aquelas Arias longas e estáticas cantadas pelos obesos por horas a fio num idioma que ninguém entendia. A Broadway, em primeiro lugar, popularizou isso tudo.

O Sapateado vem de um movimento ‘paupérrimo’ negro. Tap dancing foi e ainda é uma das mais originais formas de expressão de milhares de pessoas. E é belíssimo! Quando bem feito é simplesmente belíssimo. De chorar. Claro, a Broadway incorpora tap dancing, jazz, canto, teatro falado, cenários gigantescos, estórias e histórias, ficções e adaptações, orquestras e pequenas bandas que numa soma geral das coisas formam um grupo de teatros que se aglomeram em torno dessa praça, a Times Square.

Ora, quem tanto preza o Carnaval e a carnavalização das coisas deveria entender uma coisa: O Sambódromo no Rio custou MILHÕES. Quando o Brizola encomendou ao Niemeyer aquele monstro de concreto, alguém ali foi “marginal”? Quando as mulatas desfilam pros turistas nos camarotes (que vem em vans protegidas dos hotéis da orla) e o LUXO EXAGERADO dos carros alegóricos… aquilo é o quê? Marginal?

Não sejamos ingênuos. Aquilo é a Broadway Brasileira! Não se rebelou contra nada europeu. Mas se construiu um folclore em cima do que existia e CRESCEU vertiginosamente e COMERCIALMENTE e, pimba! E quem há de negar que aquilo é lindo, deslumbrante, etc.? Eu sou o primeiro a chorar quando a Mangueira desfila, mesmo aqui de NY, sinto a vibração da Estação Primeira, aquela que eu subia quando adolescente com o Helio Oiticica e mais tarde com o Ivo Meirelles.

Ora, esses são os nossos mundos. Ninguém deve zombar deles. Principalmente alguém de teatro! Mas teatro? O que vem a ser isso?

Para alguns é uma questão meramente financeira. Para outros é uma questão de alma. Para outros é uma necessidade física. Ainda tem aquele que o pratica por um amor definitivo e químico-dependente. E uma parte pequena dele é composta pelos atores caça níqueis televisivos (esses sim) que acabam com tudo. Mas a maioria de quem pratica o faz por ser uma arte genuinamente franca e francamente CONTRA o Status Quo, porque é no palco que ainda se pode dizer tudo que se quer, com o lirismo que se quer, com o tempo que se quer, no tempo/espaço que se quer, na clausura e no liebestod que se quer.

O Teatro, assim como o Sambódromo (vazios), não é a representação de nada, necessariamente. Mas preenchidos, viram a interpretação do “TUDO” que somos, que fomos e, principalmente, daquilo que NÂO fomos e que NÃO somos. Isso torna o teatro uma somatória (um terreno) um tanto quanto “despido” (no bom sentido) daquilo que tememos ser quando não temos a coragem de nos olharmos no espelho.

A grande massa não quer saber das grandes questões. Isso eu notei no post sobre o Zé Celso e o Marcelo Drummond passando aqui por NY. Ninguém se interessou. Fodam-se! Se preferirem se dopar com a “noticia do dia” ou com música alta nos iPods e iPhones e in-Ter-net, e digitar textos ridículos em telefones celulares que nada significam, problema de vocês. Mas nada tem a ver com sermos marginais para sermos heróis! O marginal de hoje é uma merda. É um marginal que não sabe quem foi Genet, é um marginal que não sabe nada sobre 1968, é um marginal que não quer completar seus 30 anos! Preferem ter 10000 canais em suas televisões (o que é o mesmo que não ter nenhum!). Esses estão concubinatos com a matança geral da arte! E para aqueles que acreditam que meter a língua de fora, como se fosse a Serpente do Pecado (ha ha), não me façam rir, eles sim, estão matando algo frágil: a arte das artes!

Mesmo assim o teatro sobreviverá através das coisas que são GRANDES demais para serem percebidas ou PEQUENAS demais para serem notadas.

GERALD THOMAS é autor e diretor teatral.

Comments Off on Bete Coelho – short portrait (now with Bob Wilson in São Paulo)

Filed under Uncategorized