Morre Merce Cunningham, o mestre dos mestres!

São Paulo, terça-feira, 28 de julho de 2009 
 
  Texto Anterior | Próximo Texto | Índice            

Merce Cunningham morre aos 90

Conhecido por romper a relação entre música e dança, bailarino morreu no domingo, em NY 

27.jul.64/Associated Press
 

Merce Cunningham ergue Carolyn Brown em ensaio
no Sadler Wells Theatre, em Londres, em 1964
 

JANAINA LAGE
DE NOVA YORK 

O coreógrafo americano Merce Cunningham morreu anteontem à noite aos 90 anos, em Nova York, de causas naturais, segundo comunicado divulgado pela Merce Cunninghgam Dance Company.
Um dos grandes nomes da dança do século 20, ele influenciou cineastas, diretores e coreógrafos no mundo todo. Suas realizações não estão ligadas apenas ao estilo ou ao grande volume de trabalhos desenvolvidos (cerca de 200), mas também à criação de métodos de trabalho que produziram novas formas de movimento.
“Merce foi um artista de estilo próprio e o mais gentil dos gênios. Nós perdemos um grande homem e um grande artista, mas celebramos sua vida extraordinária”, afirmou Judith Fishman, que administra a fundação que leva o nome do coreógrafo.
Merce Cunningham nasceu em Centralia, Washington, onde começou a estudar dança. Ele iniciou sua carreira como bailarino e, de 1939 a 1945, atuou como solista na companhia de Martha Graham. Em 1953 fundou sua própria companhia. O coreógrafo manteve uma parceria na vida pessoal e profissional com o compositor John Cage.

Ruptura
Um dos principais destaques de sua carreira foi a ruptura na união entre dança e música. Nas obras de Cunningham, não é o som que determina os passos. Música e dança convivem de forma independente.
Mesmo nos últimos anos, Cunningham continuou a abraçar novas ideias. Em 2006, no espetáculo “eyeSpace”, o público recebia na entrada iPods com diversas opções de trilha sonora e podia escolher a que quisesse ouvir para assistir à apresentação. Em 2003, na estreia de “Split Sides”, as bandas Radiohead e Sigur Rós fizeram performances ao vivo.
O coreógrafo também lançou mão da tecnologia em suas criações. Na década de 60, passou a usar uma câmera para captar movimentos.
Nos anos 80, desenvolveu um software, chamado Life Forms (hoje Dance Forms), que criava movimentos e combinações de passos que foi incorporado ao seu processo criativo a partir de 1991.
Até 1989, Cunningham aparecia em todas as performances de sua companhia. Aos 80, dançou um dueto com Mikhail Baryshnikov no New York State Theater. Aos 90, coreografou “Nearly 90” (quase 90) no Brooklyn Academy of Music este ano. Disse que continuava a criar a dança em sua mente. Nos últimos anos, ele vivia em uma cadeira de rodas.
“Você precisa amar a dança para aderir a ela. Ela não lhe dá nada de volta, nem manuscritos para guardar, nem telas para exibir nas paredes e talvez pendurar em museus, nem poemas para serem impressos e vendidos, nada além daquele único movimento fugaz quando você se sente vivo”, disse.

Legado
No mês passado Cunningham divulgou um plano para a administração de suas coreografias e o futuro de sua companhia após sua morte.
De acordo com ele, a companhia deverá fazer uma turnê de dois anos e, então, se separar. O Merce Cunningham Trust, que faz o papel de administrador, terá o controle de todas as coreografias dele com o propósito de licenciá-las.
“Há realmente uma preocupação sobre como você pode preservar os elementos de uma arte que é realmente efêmera, que é como a água. Ela pode desaparecer. Esse é um caminho para mantê-la viva”, afirmou o coreógrafo na época. 

ANÁLISE

Coreógrafo deu liberdade para a arteRODRIGO PEDERNEIRAS
ESPECIAL PARA A FOLHA 

Merce Cunningham foi o nome que mudou tudo na dança no século passado. O coreógrafo foi o responsável por criar a ponte entre a dança moderna e a contemporânea, levando em frente, de uma maneira diferente, o que a bailarina Martha Graham (1894-1991) havia iniciado na primeira metade do século. Se Graham criou a técnica e estruturou um método didático para a dança moderna, trabalhando muito a partir da mitologia grega, Cunningham teve o mérito de ir além de uma metodologia e de permitir à dança uma liberdade muito maior, trombando de frente com regras e conceitos mais ou menos estabelecidos. Cunningham abriu as comportas para a liberdade na dança. Ele não via, por exemplo, a necessidade de se contar uma história a partir das coreografias, algo que perdurava desde o balé clássico. Para o coreógrafo, os movimentos não precisavam ter uma finalidade ou uma explicação. E experimentava de tudo. Foi provavelmente o criador de dança que mais ousou na história, levando a ela, inclusive, a possibilidade de explorar novas mídias. Entre outras coisas, conduziu elementos do vídeo para dentro das coreografias. Mas foi a parceria com o compositor John Cage (1912-1992), seu companheiro de vida e de trabalho, a responsável pela maior inovação na obra de Cunningham. Juntos, os dois levaram o silêncio para a dança e reviraram tudo para criar uma nova ordem. É possível dizer que hoje, na dança contemporânea, não exista ninguém que não tenha sido, de certa forma, influenciado por Merce Cunningham.


RODRIGO PEDERNEIRAS , 54, é coreógrafo do Grupo Corpo.       

PS meu, do Gerald: Nao tenho condicoes de escrever sobre o Merce, assim como tive sobre a morte da Pina, ha mais um menos um mes. O Merce esta muito muito perto. A Fabi Gugli ia la no studio dele, todos os dias as 6 da tarde, em Westbeth, fazer aula com ele, ou algum professor noemado por ele. Mas ele sempre estava la. Alem do mais, a gente via o Merce, sempre fragil, caminhando pelas ruas, passos minimos, minusculos, como um pato ferido. Foi-se. John Cage, seu parceiro de vida ja faleceu ha algum tempo.

Eles eram os “AHEAD OF THE GAME”,

livro de Calvin Tomkins

Chega. Eh isso. Nao consigo mais que isso.

LOVE

Gerald

POR FABIANA GUGLI

O homem que coreografava no silencio

Comecei a frequentar as aulas no Studio de Merce ha 10 anos.
Estava em Ny sozinha, queria aprofundar meus estudos, e fui parar numa aula por acaso, no ultimo andar do predio Wesbeth, na Bethune Street.
Um espaco incrivel, apesar de simples, com uma unica sala bem grande e outra menor para aquecimento. Das janelas gigantescas, podia-se ver Manhatan de um lado e New Jersey de outro. No inverno, via-se a cidade ficando toda iluminada, e no verao o sol demorava a se por, formando uma claridade natural linda que entrava atraves dos vidros.
Bailarinos vindos do mundo inteiro, do Japao, da Grecia, da Italia, da Colombia, da China, do Canada, da Dinamarca, uma mistura etnica e cultural que eu jamais havia experimentado. E todos com a mesma vontade e fome: aprender a tecnica, a danca desenvolvida por Merce ao longo de sua vida.
Sempre me perguntei o que havia de tao especial naquele lugar, que me fazia chorar de alegria no meio de uma aula, ao som de uma musica improvisada ao piano, ou ao som da percussao numa contagem em 5, ou em 9. Homens e mulheres que se encontravam diariamente, para realizar uma mesma sequencia de exercicios feita no centro da sala, com uma disciplina bela e ardua. Nas aulas, havia sempre uma aura de respeito, de vocacao e devocao. O Studio fechava tres ou quatro dias por ano somente, no Natal, ano novo, e outro feriado importante. E durante todo o ano, o mestre coreografo estava la presente, ensaiando diariamente sua cia, reensaiando coreografias passadas, cochilando de vez em quando, enquanto seu assistente corrigia sua criacao/partitura.
Para Merce, a danca nao era uma repeticao de formas e passos, mas uma recriacao do movimento feito por cada bailarino/criador, desafiando o tempo e o espaco
Merce apostava no risco, o risco como arte, a arte feita no instante presente, neste atimo de segundo, a danca do acaso, do acaso da vida…
Ensaiava suas coreografias no silencio, seus bailarinos sentiam o pulsar do corpo na batida da musica interna. Uma escuta absloluta de si e do corpo conjunto. O mesmo silencio introduzido na musica, por seu grande parceiro e colaborador John Cage. So mais tarde, as vezes so no ensaio geral, acrescentava a musica, o cenario e o figurino, e assim abria-se o pano para mais uma experimentacao diante do publico.
Com certeza, o mundo da danca ficou muito menos interessante nesse ano de 2009. Morreu Merce Cunningham e morreu Pina Baush. Que tristeza!!
Vou sentir muitas, mas muitas saudades.

 

321 Comments

Filed under Sem categoria

321 responses to “Morre Merce Cunningham, o mestre dos mestres!

  1. targinosilva

    A dança tem que ter uma relação com o compasso
    da musica, senão, não existe, o que diria a Ezir,
    a semiotica.

  2. Franciny Chequer

    Oiiiiiiiiii

    Não consigo, imaginar silencio, na dança, me desculpem bem que gostaria, mas a minha inteligencia, nem criatividade chega a tanto, mas quem consegue isso e um grande talento, e uma grande perda

    mil beijos a todos
    Meu querido avô Jose Pacheco mil beijos

  3. Democrito

    Merce Cunningham criou uma ponte com a pintura
    Coreógrafo que revolucionou a dança moderna morreu nesta segunda-feira

    Antonio Gonçalves Filho, de O Estado de S. Paulo

    SÃO PAULO – Se Merce Cunningham tivesse apenas revolucionado a dança moderna como o coreógrafo que descentralizou o espaço do palco, subvertendo a perspectiva renascentista, já estaria de bom tamanho. No entanto, Cunningham fez muito mais. Revelou para o mundo artistas como os pintores Robert Rauschenberg e Jasper Johns, além de ter lançado aquele que é considerado o principal compositor experimental nascido nos EUA, John Cage (1912-1992), seu companheiro por muitos anos. Os dois se conheceram quando Cunningham ainda estudava na Cornish School of Performing and Visual Arts de Seattle, onde Cage tocava como pianista acompanhante e o coreógrafo ainda aprendia a técnica da coreógrafa Martha Graham, antes que essa o convidasse pessoalmente para integrar a sua companhia de dança.

    Cage foi muito importante na vida e na carreira de Cunningham. Ambos tinham certa reserva ao derramado emocionalismo de Martha Graham. O coreógrafo queria descobrir o que era, de fato, o movimento, qual a autonomia da dança em relação à música. Cage, igualmente rebelde, não queria subordinar suas composições a gestos expressionistas ou apenas ilustrar piruetas. Ambos sabiam que a dança era muito mais. Queriam, enfim, trazer para o palco todas as artes, da performance à pintura, passando pelo cinema. E foi isso que fizeram. Além dos nomes já citados, Cunningham teve como colaboradores cineastas como Stan Van der Brook e Charles Atlas.

    O primeiro grande colaborador visual de Cunningham foi Rauschenberg (1925-2008), que se tornou o primeiro conselheiro artístico de sua companhia em 1954, posição mantida até 1964. Em 1967, assumiu seu posto Jasper Johns, um dos principais representantes da arte pop e hoje, aos 79 anos, considerado o maior pintor vivo norte-americano. Os dois trabalharam com Cunningham justamente no período mais criativo da companhia – e também o mais rico da cultura americana, que via nascer não só a arte pop como os movimentos de contracultura, o novo cinema de Scorsese, Coppola, Cassavetes e companhia.

    Essa história começou, porém, no verão de 1953, quando Cunningham e Cage foram convidados para dar aulas no Black Mountain College, uma espécie de Bauhaus americana onde os professores eram arquitetos como Buckminster Fuller e pintores como Josef Albers – além de outros artistas de diferentes tendências como Willem de Kooning e Rauschenberg. O clima cultural da época contribuiu. Rauschenberg levou para o palco pneus velhos, pilhas de jornais e suas “collages”, obrigando os dançarinos de Cunningham a interagir com a sucata. Cage, então já fascinado pelo I Ching, convenceu Cunningham a tentar coreografias baseadas em números randômicos. O aleatório foi, então, incorporado à dança na mesma época em que Cage passou a usar os hexagramas do oráculo chinês para compor, integrando som ambiente e música.

    Rauschenberg criou cenários incríveis para coreografias de Cunningham, entre eles os painéis pintados de Minutiae (1954) e um conjunto de caixas brancas para Noturnos (1955). Coube, porém, a Jasper Johns a tarefa de traduzir para o palco a mais difícil obra do artista conceitual Marcel Duchamp (1887-1968), o Grande Vidro, sete gigantescas estruturas infláveis reproduzindo imagens dessa peça hoje pertencente ao Museu da Filadélfia. A obra original é constituída por dois painéis de vidros emoldurados em alumínio, em que a parte superior se contrapõe à inferior como a natureza feminina à masculina. Johns assumiu a tarefa de “traduzir” o hermético Duchamp e, dois dias antes da estreia de Walkaround Time (1968), quase desistiu, alegando que a estrutura iria desabar sobre os bailarinos.

    Cunningham não pararia de usar infláveis. No mesmo ano viu uns travesseiros do pop Andy Warhol, que virariam a instalação de nuvens prateadas do cenário de Rain Forest (1968). Aguns dos travesseiros ficavam sobre o palco. Outros, enchidos com hélio, flutuavam – e os bailarinos tiveram de aprender a técnica de lidar com eles sem perder a concentração nos movimentos.

    Outros cenários utilizados pela companhia de dança de Cunningham viraram obras de arte disputadas pelo mercado. Os painéis de Rauschenberg usados em Minutiae – e que eram transportados numa Kombi nas turnês pelos EUA – foram parar em Paris, comprados por um colecionador na Suíça. Cunningham, irônico, riu quando soube da transação. Não parou de experimentar até a sua morte. Anteontem, para azar da dança.

    http://www.estadao.com.br/arteelazer/not_art409163,0.htm

  4. Democrito

    http://www.nytimes.com/slideshow/2009/07/27/arts/20090727_CUNNINGHAM_SLIDESHOW_index.html

    Merce Cunningham, Dance Visionary, Dies
    By ALASTAIR MACAULAY
    New York Times

    Merce Cunningham, the revolutionary American choreographer, died Sunday night at his home in Manhattan. He was 90.

    His death was announced by the Cunningham Dance Foundation.

    Over a career of nearly seven decades, Mr. Cunningham went on posing “But” and “What if?” questions, making people rethink the essence of dance and choreography. He went on doing so almost to the last.

    Until 1989, when he reached 70, he appeared in every single performance given by the Merce Cunningham Dance Company. In 1999, at 80, though frail and holding onto a barre, he danced a duet with Mikhail Baryshnikov at the New York State Theater in Lincoln Center. In April he observed his 90th birthday with the 90-minute “Nearly Ninety” at the Brooklyn Academy of Music.

    Even when it became known that he was fading, and friends began coming to bid farewell to him in recent days, he told one colleague that he was still creating dances in his head.

    Mr. Cunningham ranks among the foremost figures of artistic modernism and among the few who have transformed the nature and status of dance theater, visionaries like Isadora Duncan, Serge Diaghilev, Martha Graham and George Balanchine.

    In his works, independence was central: dancers were often alone even in duets or ensembles, and music and design would act as environments, sometimes hostile ones. His movement — startling in its mixture of staccato and legato elements, and unusually intense in its use of torso, legs and feet — abounded in non sequiturs.

    In his final years, while still known as avant-garde, he was almost routinely hailed as the world’s greatest living choreographer. Mr. Cunningham had also been a nonpareil dancer. The British ballet teacher Richard Glasstone maintains that the three greatest dancers he ever saw were Fred Astaire, Margot Fonteyn and Mr. Cunningham. He was American modern dance’s equivalent of Nijinsky: the long neck, the animal intensity, the amazing leap. In old age, when he could no longer jump, and when his feet were gnarled with arthritis, he remained a rivetingly dramatic performer, capable of many moods.

    International fame came to him before national fame. In due course he was acknowledged in America as one of its foremost artists, but for a time his work was known here only in specialist dance, art and music circles. Not so in London, Paris and other cities. There Mr. Cunningham was widely celebrated as the creator of a new classicism, as Diaghilev’s successor, as one of the most remarkable theater artists of his day. And it was in Europe that he was most acclaimed right through to this decade, with sold-out Cunningham seasons in Paris at the Théâtre de la Ville or the Opera.

    Yet he was always a creature of New York. Close to the founding members of the New York Schools of Music, Painting and Poetry, Mr. Cunningham himself, along with Jerome Robbins and the younger Paul Taylor, led the way to founding what can retrospectively be called the New York School of Dance.

    These choreographers both combined and rejected the rival influences of modern dance and ballet, notably the senior choreographers Graham and Balanchine. They absorbed aspects of ordinary pedestrian movement, the natural world and city life. They tested connections between private subject matter and theatrical expression. And they re-examined the relationship between dance and its sound accompaniment. With Graham and Balanchine, they made New York the world capital of choreography, and the New York School influenced the world in showing how pure dance could be major theater.

    Many of the dancers who passed through Mr. Cunningham’s company, notably Mr. Taylor and Karole Armitage, went on to become prestigious choreographers themselves. Many other choreographers, notably Twyla Tharp and Mark Morris, have paid tribute to his influence.

    Mr. Cunningham’s most celebrated and revolutionary achievement, shared with the composer John Cage, his collaborator and companion, was to have dance and music created independently of each other. His choreography showed that dance was principally about itself, not music, while often suggesting that it could also be about many other things.

    “Ambiguity” and “poetry” were among Mr. Cunningham’s favorite words when talking about choreography. So was “theater.” Wit and humor abounded in his work; his conversation was full of laughter and wry anecdotes. Partly because dance was the main subject of his choreography, and partly because he often created dances requiring virtuoso skill, he did more than any other choreographer to demonstrate that dance can be classical while being in most ways far from ballet.

    Mercier Philip Cunningham was born on April 16, 1919, in Centralia, Wash., the third of four children of Clifford Cunningham, a lawyer, and the former Mayme Joach. (One brother died before Mercier’s birth.) His two other brothers, Dorwin and Jack, followed their father into the legal profession.

    Like many artists, he grew up feeling different, “from about age 2.” Later, with this in mind, he made a solo for himself called “Changeling” (1957).

    But he also took his birthplace with him. Even the names of Cunningham works like “Borst Park” (1972), “Inlets” (1977) and “Inlets 2” (1983), all made in New York, referred to parts of Washington. It was there that his interest in wildlife began. Although he did not enjoy country life, his series of “nature studies” continued for decades, from “Springweather and People” (1955) to “Pond Way” (1998). In “Solo” (1975), which he alone ever danced, he seemed to metamorphose from one animal into another.

    He took his first dance classes in Centralia. In 1936, he went to Washington, D.C., to study at George Washington University alongside his elder brother Dorwin. He quit after a few months, but it was there that he first saw choreography that electrified him, in a performance by the Kurt Jooss company.

    In 1937 he began study at the Cornish School in Seattle. At first he concentrated on theater but also started his first formal study of modern dance with Bonnie Bird, a young woman who had trained and danced with Graham and who went on to become an internationally renowned teacher. A clash with the drama teacher Alexander Koriansky (who disliked modern dance) led to Mr. Cunningham’s switching his first area of study from theater to dance.

    In his mind, however, he never left theater. Under Koriansky he had begun to play in Shakespeare and Chekhov and to practice Stanislavskian methods. In later years he was excited by many radical figures in drama, not least Antonin Artaud, and in the 1960s, as he and his company began to tour internationally, theater figures like Lindsay Anderson and Peter Brook hailed his work as drama.

    At the Cornish School Bird’s classes introduced him to modern dance as a rigorous discipline. He also started to choreograph. And he became close to Joyce Wike, an anthropology student who had privileged access to the Swinomish Indian tribe; he once watched an extraordinary dance ceremony from which nontribesmen were barred. (One of his first major solos for himself, from 1942, was called “Totem Ancestor.” ) His interest in anthropology became a permanent source of inspiration, most obviously in “RainForest” (1968), where he took ideas from Colin M. Turnbull’s account of life among African pygmies.

    In 1938 Bird hired the young composer John Cage as her chief accompanist and music director. Bird and Cage introduced Mr. Cunningham and other dance students to the photography of Edward Weston (whose son was a Cornish student) and to the paintings of Paul Klee and Mark Tobey. Tobey’s work, like Klee’s, anticipated many of the 1940s breakthroughs of Abstract Expressionism, particularly in its decentralized use of space; Cage and Mr. Cunningham became devotees.

    In 1939 Bird took her students to the first West Coast session of the Bennington College modern dance summer School at Mills College. Mr. Cunningham was 20. His extraordinary dance talent — his jump was phenomenal and remained so for many years — was immediately recognized. He accepted an offer from Graham, and that September moved to New York. Stepping onto a New York sidewalk for the first time, he looked at the skyline and, as he often recalled, said, “This is home.”

    That December he danced on Broadway in a Graham season at the St. James Theater. His long neck and sloping shoulders reminded people of a Picasso acrobat.

    Graham, unsure that her teaching methods were sufficient for him, sent him to study at the School of American Ballet. When Lincoln Kirstein, co-founder of New York City Ballet, asked him why a modern dancer should study ballet — the two genres existed in virtual warfare at the time — Mr. Cunningham replied, “I really like all kinds of dancing.” Though he was not the first modern dancer to study ballet, his way of splicing elements from both genres in his own work was a breakthrough. He was soon invited to teach modern dance at the school.

    The second man to dance in Graham’s previously all-female company, Mr. Cunningham remained a member of it until 1945, appearing in the premieres of masterworks like “El Penitente” (1940), “Letter to the World” (1941) and “Appalachian Spring” (1944).

    Spending time alone in a studio, he began to explore his own ideas about dance. In 1942 Mr. Cage and his wife, Xenia, an artist, arrived in New York; Mr. Cunningham and Xenia appeared in a 1943 Cage percussion orchestra performance at the Museum of Modern Art, as a photo spread in Life magazine records. Cage urged him to choreograph, and the two began to develop what would emerge in the early 1950s as the most radical of their ideas about dance theater: that dance and music should be performed at the same time but prepared separately, both autonomous and coexistent.

    Cage and Mr. Cunningham also became lovers, and the ensuing breakup of the Cages’ marriage was painful. For many years only a few people realized that the Cage-Cunningham relationship was sexual. Although their offstage partnership became an open secret, the subject was not open until 1989, when Cage, answering an unexpected public question about it, surprised everyone by replying, “I do the cooking, and Merce does the dishes.”

    Mr. Cunningham began to present his own choreography in 1942. In 1944, with music by Cage, he presented a performance of dance solos that he later regarded as the true beginning of his career as a choreographer.

    But his own dancing came first; he was the main dancer of his choreography for decades. His animal-like qualities of grace and intensity were as remarkable as his jump. His dance vocabulary owed much to both Graham modern dance (especially its use of the back) and to ballet (especially its use of the legs and feet).

    For many people Mr. Cunningham was also a superlative dance teacher, right up to this year. Although he often spoke of teaching as if it were a necessary evil, he was passionate about it. No other choreographer has asked dancers to move the torso with such rigor and intensity while also keeping the lower body busy. No modern-dance choreographer has ever made more brilliant use of legs and feet.

    In 1947 Kirstein commissioned him to make a dance for Ballet Society (the 1946-48 precursor to New York City Ballet). When Mr. Cunningham asked what kind of piece he wanted, Kirstein, thinking he was being open-minded, said, “Well, I think it should have a beginning, a middle and an end.” Mr. Cunningham, however, steeped in Joyce’s “Finnegans Wake,” thought of how nature doesn’t have finite forms with beginnings and ends. Instead, his mind turning to Joycean and cyclical form, he choreographed “The Seasons” (1947).

    Like Cage and other composers, as well as several painters, Mr. Cunningham also began experimenting with chance as a compositional tool. He used the I Ching in particular, but also cards and dice to determine which parts of the body would be used, which directions, how many dancers. The point had nothing to do with improvisation; Cunningham choreography was very precisely made. Rather, he wanted to banish predictable compositional habits.

    The I Ching is the “Book of Changes,” and Mr. Cunningham’s choreography became an expression of the nature of change itself. He presented successive images without narrative sequence or psychological causation, and the audience was allowed to watch dance as one might watch successive events in a landscape or on a street corner.

    “Psychology doesn’t interest him; zoology and anthropology do,” Mr. Cunningham’s leading co-dancer, Carolyn Brown, once wrote. When another dancer asked what “Minutiae” (1954) was about, Mr. Cunningham took her to the window of the New York studio, showed her the street below and said, “That.”

    Zen Buddhism was another influence. Although Mr. Cunningham’s choreography often featured qualities of attack and conflict, it also expressed a Zen kind of acceptance. Mr. Cunningham, always a superlative dance soloist, now created a dance theater in which the basic condition was soloism. Even in a duet or a trio, each dancer retained marked degrees of independence and detachment.

    The Merce Cunningham Dance Company gave its first performances in 1953, at the Black Mountain College in North Carolina. And it was there that Mr. Cunningham and Cage met the young painter Robert Rauschenberg, who embraced their ideas.

    With Rauschenberg, the company became a three-way demonstration of the autonomy of the theater arts. The dancers often did not know what their costumes, décor or music would be until the dress rehearsal or first night. Mr. Cunningham, Cage and Rauschenberg all found this liberating, and the work cemented them as colleagues. In tours across America, Cage would drive the company van while Rauschenberg took charge of the lighting.

    From the mid-1940s, Mr. Cunningham began using other composers as well, including David Tudor, Christian Wolff, Earle Brown, Morton Feldman and Takehisa Kosugi. Brian Eno, Gavin Bryars and Sonic Youth have been among more recent musical colleagues.

    Mr. Cunningham was himself a remarkable dance partner. One female dancer said the strength and focus he applied made a duet with him the equivalent of a profound sexual experience. Male-female duets always stimulated his creative imagination: he showed how people can be intensely involved and isolated at the same time in a relationship, both cooperating and independent.

    Modern dance had been notable for its earnestness; Mr. Cunningham’s work was often characterized by humor. “Antic Meet” (1958), for example, seemed to satirize the more foolish mannerisms of the Graham dance theater. Much of Mr. Cunningham’s wit arose out of his concentration on pure form. An unpredictable change of rhythm or direction, a brisk figure of nifty footwork could provoke the same smiles and laughter as the jokes in a Haydn symphony.

    Mr. Cunningham finally achieved international fame with a world tour in 1964. As soon as the curtain rose on opening night in London, at Sadler’s Wells Theater, the company members felt that they were receiving a quality of attention they had never received before. The tour included several other European cities and crossed Asia.

    Once, discovering that the company was booked to perform in a space without a proscenium arch, Mr. Cunningham decided to arrange a one-off anthology of separate sections of choreography, using costumes and music different from those of their original contexts. This became a new and important Cunningham genre, the Event. Events provoked questions about how choreography could look when decontextualized and recontextualized. How would a solo from a 2002 work look between a duet from a 1982 work and a 1997 quartet, all before a 1953 Rauschenberg décor and in newly designed costumes?

    Events also stimulated Mr. Cunningham’s love of unconventional spaces for performance; over the years they included the Piazza San Marco in Venice, Grand Central Terminal in New York and a beach in Perth, Australia.

    At the end of the 1964 tour, Rauschenberg and some dancers left the company. In the years afterward the group’s designers included Jasper Johns, Frank Stella and Andy Warhol.

    Mr. Cunningham continued to experiment. In the 1970s he became fascinated by filming dance. But one of the most controversial elements in Cunningham dance theater in recent decades was Mr. Cunningham himself, now aging visibly. Often he gave himself roles in which his seniority was an element in the drama.

    In 1989 he began to explore composing dances on a computer; his first dance made this way was “Trackers” (1991). This became, until late in his life, his main method of dance making. He also increasingly resorted to using a wheelchair and stayed at home while his company toured. He is survived by his younger brother, Jack, of Centralia.

    John Cage died in 1992. Although he had advocated the autonomy of the arts, he was often a controlling figure. Mr. Cunningham once said of life without Cage: “On the one hand, I come home at the end of the day, and John’s not there. On the other hand, I come home and John’s not there.”

    Mr. Cunningham’s dance invention remained fecund after Cage’s death. “Biped” (1999), with computer-generated visual imagery suggesting many aspects of transcendence, proved the single most sensational dance choreographed by anyone in the 1990s.

    Mr. Cunningham remained a man of secrets. Few people knew he had taught himself Russian or had written his own translation of “The Bear” by Chekhov. When he invited Baryshnikov to dance a duet with him in his New York 80th-birthday season (“Occasion Piece,” 1999), he surprised Mr. Baryshnikov by writing to him in perfect Cyrillic script. He took up drawing, frequently combining features of two or more different species to create a convincing but fictional animal.

    Mr. Cunningham often spoke and wrote movingly about the nature of dance and would laugh about its maddening impermanence. “You have to love dancing to stick to it,” he once wrote. “It gives you nothing back, no manuscripts to store away, no paintings to show on walls and maybe hang in museums, no poems to be printed and sold, nothing but that single fleeting moment when you feel alive.”

    http://www.nytimes.com/2009/07/28/arts/dance/28cunningham.html?_r=1&ref=arts

  5. Democrito

    Merce Cunningham life talks by itself…

  6. Glorinha

    Gerald,
    lendo seu sentimento no finzinho do post pensei em procurar algo para dizer…mas de mim tanto e nada…te envio esse pequeno pedaço de um pedaço escrito…

    …os movimentos do corpo são tão vivos, uma obra divina…mesmo quando não estamos mais….ficam assim, num escrito, numa foto, no coração…
    enfim…existe um fim aqui…e o final disto aqui não se sabe…acho que não acontece nunca…
    ou até que estejamos esgotados…e esgotado tudo…e só nos reste o retorno da caminhada, talvez à casa sagrada de um platô iluminado..

    [[]]abraço carinhoso

  7. Democrito

    Martha Graham speaks:

  8. Democrito

    Merce Cunningham and John Cage, 1981:

  9. gthomas

    Estou completamente sem palavras e sem inspiracao pra escrever algo decente sobre o Merce.

    Ele, assim como Backett, eram os mestres absolutos naquilo que faziam.

    Mas eh tudo que consigo dizer. Obvio que 90 anos nao eh tragedia.

    Pina, com 68 eh tragico e inesperado. Isso tudo em 30 dias.

  10. Democrito

    Gerald,

    qdo possivel, gostaria de ler algo acerca do que foram Merce e Cage nos EUA, pois quem viveu proximo a esses mestres certamente tem algo a mais para dizer, ou revelar – não como “gossip” – mas como alguem que teve a oportunidade de conviver, olhar e admirar o trabalho e o impacto na sociedade desses seres humanos unicos que a arte revela de tempos em tempos.

    Thanks!

  11. sue

    ….mais uma *grande* perda no *Cenario Cultural*…
    Sempre que um grande talento / inovador ..se vai !! Me pergunto: O que sera do futuro ? Nesse caso o que sera do futuro na danca?
    Sera que *nascerao* outros para inovar , serem *pioneiros…enfim…talentos tao bons quanto !!!
    Acho que nao….pois a cada geracao ,…, esta se perdendo…se perdendo algo que nao volta….

    ********

    Espetaculo *EyeSpace* ,.., completamente….revolucionario….

    Enfim…

    Que se va em paz…dancar , inovar nos ceus…
    Dor e Tristeza sao para os que ficam na terra , na saudade …aqui !!!

    Beijos

  12. Democrito

    No video acima mencionado para Merce e Cage, Cage fala como na India Antiga não havia essa separação entre musica e dança, que a estrutura de ambas era uma coisa unica…e que eles buscaram resgatar isso na arte que faziam…incrivel!

  13. Desculpem .

    Saio do assunto.

    Ou talvez nào.

    Depende da leitura.

    Glorinha:

    Li o teu trabalho agora la no nossa visào.

    Tentei postar o abaixo e parece que nào deu certo.

    Copio aqui o meu comentário.

    Usei partes do teu e fiz modificados.

    Gloria, Glorinha

    Permita mexer em teu

    Trabalho para dizer

    Que

    Sim existe poema

    que só quem sabe pode fazer

    Dizer para todos o que sentiu

    ë sempre igual

    Aqui na nossa visão

    está no mesmo lugar

    Há sentidos para cada ser,

    diferentes formas do entender

    Quando Glorinha escreve

    sei de mim, mas não sei de você

    o que sente do que eu sinto

    Não faz mal se o que sente

    é diferente do que eu sinto

    Escrevi o que sinto

    sinto isso que reparto

    espalho para o mundo

    A poetisa é você!
    ________________________________________

    Obrigado.

    Desejando leiam o que a Glorinha escreveu em nossavisào.

    Acho que ela deveria postar seus poemas aqui ou no G Diet.

    Aqui se publica até palavrào e coisas de amor acredito que sào bem vindas.O Vampiro é amoroso.
    Ou nào?

    Hein…?

    😉

  14. Gerald.

    Infelizmente artistas dos quais eu nunca ouvira falar antes venho conhecendo por meio do blog.

    Gente de gabarito.

    Verdadeiros e abnegados profissionais.

    Gente de luzes e ribaltas.

    Ficam como referencias em suas artes.

    A Dudinha minha neta mais antiga que é bailarina juvenil do corpo de dancas do municipal de Santos certamente sabe deste homem muito mais do que eu.

    Entào acredito que ele e a outra que se foi a um mes serào continuados.Foram e ficaram.

    E ficarào.

    Para os que dancam e para os que aplaudem.

    Encerremos a cortina devagar e com respeito.

    Esta gente é gente de DEUS.

    Sào ILUMINADOS.

    ESCOLHIDOS.

    Amem.

    Pacheco.

  15. Sandra

    “Você precisa amar a dança para aderir a ela.”

    Nossa…

  16. Sandra

    “Há realmente uma preocupação sobre como você pode preservar os elementos de uma arte que é realmente efêmera, que é como a água. Ela pode desaparecer. Esse é um caminho para mantê-la viva.”

    Eu preciso rever meus conceitos sobre fragilidade.

  17. Sandra

    “Juntos, os dois levaram o silêncio para a dança e reviraram tudo para criar uma nova ordem”

    Gerald, é um prazer frequentar seu blog…

  18. Sandra

    “O Merce esta muito muito perto.”

    Às vezes, tenho a impressão que há pessoas e coisas que não percebo. Que passam por mim sem que eu desperte para sua intensidade. Luzes que não vi…

  19. Glorinha

    Pacheco,
    te agradeço muito, muito mesmo, por estar acompanhando essa minha jornada…não sei para onde mas, jornada…
    vou lembrar sempre…
    [[[[]]]]]

  20. Sandra

    “Alem do mais, a gente via o Merce, sempre fragil, caminhando pelas ruas, passos minimos, minusculos, como um pato ferido.”

    Um corpo frágil, silêncios,… e no entanto….

  21. gthomas

    Sonia Sottomayor foi eleita pra SUPREME COURT (finalmente) por 13 votos contra 6

    a 1 latina na Corte.

    Parabens Presidente Obama!

    Parabens Supreme Justice Sottomayor!

  22. gthomas

    Sabem? Lendo as materias sobre o Merce, da vontade de chorar mais ainda. Nao ha como descrever um grande artista. As manchetes sao ridiculas. “O Homem que quebrou isso e aquilo”…..o fim da picada.

    Ele foi simplesmente um INVENTOR.

    Com se descreveria Leonardo Da Vinci?

    Pintor? Inventor? Um gravador (de gravuras?) Nao, nada disso.

    Merce era muitio mais que isso: agora comparam ele a Beckett.
    Tambem nao ha comparacoes!!!!!

    UNIVERSOS PARALELOS!
    MAS , ENFIM,
    por que esperar vida inteligente em jornais? Eu ja desisti

  23. Rita

    Há quem entenda e defenda que o ser humano só pode ser observado por sua capacidade em responder corretamente questões objetivas e quantitativas.
    Felizmente a ciência, por pura obra de mentes inquietas, demonstra os vários padrões de inteigência inclusive a artística…
    Compreendendo a dança como expressão inteligente e não verbal, arte que observa e projeta a poética da linguagem corporal e os diversos níveis de encanto …
    Tendo conhecimento que em todo o mundo muito poucos desenvolvem esta habilidade, só nos resta aplaudir com alegria a quem concluiu com mérito uma missão e sai dos palcos da vida para brilhar no palco celestial.
    Os anjos dançam…

  24. sue

    ….Por isso que falo…
    JAMAIS nasceu outro *Beckett* …. assim como jamais nascera (surgira) ou Merce….
    Como ficara as geracoes futuras???
    Vivendo, aprendendo e relembrando o passado….

  25. Ana Paula

    Mr. Thomas,

    Pelo que pude ler, o artista fez questão de encontrar meios para que sua obra não se dissolva no tempo.
    Existe publicidade além dos jornais… Não se aflija…
    A memória da arte é muito resistente porque muda vidas.

    Abraços.

  26. A propósito do assunto em pauta, dança …

    GUIA CULTURAL: TEATRO DE DANÇA REALIZARÁ A PRIMEIRA EDIÇÃO DO PROJETO PLATAFORMA ESTADO DE DANÇA.

    De 04 a 06 de agosto, o Teatro de Dança organiza a primeira edição do Projeto Plataforma Estado de Dança, que tem como objetivo ser anual. Os espetáculos acontecerão em tres lugares diferentes da capital paulistana: Centro Cultural São Paulo, Pateo do Colégio e no palco do próprio TD.

    Serão 11 apresentações com 21 espetáculos, entre eles 15 premiados pelo último edital do ProAC (Programa de Ação Cultural/2008), da Secretaria de Estado da Cultura. A programação também inclui mesas com convidados, curadores e programadores da dança nacional e internacional. Para registrar o Plataforma foram convidados tres especialistas que produzirão textos a serem publicados no site do TD.

    http://www.teatrodedanca.org.br

    Beijão a todos !
    Susan

  27. Sandra

    Puxa, Gerald… Você me calou.

  28. Sandra

    Pacheco, 16:00

    Lindíssimo…

    Queria ter conseguido dizer isso.

  29. sue

    ……….por que esperar vida inteligente em jornais….(GT)

    Poxa …Gerald…aonde vamos entao *conquistar mais….puts!!!
    Ficamos todos *perdidos*….pois viver , na vida…nao coseguimos tudo…puts !!! Frustou ……
    Nem todos conseguimos vidas *interessantes aonde possomas crescer e aprendermos mais….

    Voce sempre Magnifico
    Beijos

  30. Fabi Gugli

    O homem que coreografava no silencio

    Comecei a frequentar as aulas no Studio de Merce ha 10 anos.
    Estava em Ny sozinha, queria aprofundar meus estudos, e fui parar numa aula por acaso, no ultimo andar do predio Wesbeth, na Bethune Street.
    Um espaco incrivel, apesar de simples, com uma unica sala bem grande e outra menor para aquecimento. Das janelas gigantescas, podia-se ver Manhatan de um lado e New Jersey de outro. No inverno, via-se a cidade ficando toda iluminada, e no verao o sol demorava a se por, formando uma claridade natural linda que entrava atraves dos vidros.
    Bailarinos vindos do mundo inteiro, do Japao, da Grecia, da Italia, da Colombia, da China, do Canada, da Dinamarca, uma mistura etnica e cultural que eu jamais havia experimentado. E todos com a mesma vontade e fome: aprender a tecnica, a danca desenvolvida por Merce ao longo de sua vida.
    Sempre me perguntei o que havia de tao especial naquele lugar, que me fazia chorar de alegria no meio de uma aula, ao som de uma musica improvisada ao piano, ou ao som da percussao numa contagem em 5, ou em 9. Homens e mulheres que se encontravam diariamente, para realizar uma mesma sequencia de exercicios feita no centro da sala, com uma disciplina bela e ardua. Nas aulas, havia sempre uma aura de respeito, de vocacao e devocao. O Studio fechava tres ou quatro dias por ano somente, no Natal, ano novo, e outro feriado importante. E durante todo o ano, o mestre coreografo estava la presente, ensaiando diariamente sua cia, reensaiando coreografias passadas, cochilando de vez em quando, enquanto seu assistente corrigia sua criacao/partitura.
    Para Merce, a danca nao era uma repeticao de formas e passos, mas uma recriacao do movimento feito por cada bailarino/criador, desafiando o tempo e o espaco
    Merce apostava no risco, o risco como arte, a arte feita no instante presente, neste atimo de segundo, a danca do acaso, do acaso da vida…
    Ensaiava suas coreografias no silencio, seus bailarinos sentiam o pulsar do corpo na batida da musica interna. Uma escuta absloluta de si e do corpo conjunto. O mesmo silencio introduzido na musica, por seu grande parceiro e colaborador John Cage. So mais tarde, as vezes so no ensaio geral, acrescentava a musica, o cenario e o figurino, e assim abria-se o pano para mais uma experimentacao diante do publico.
    Com certeza, o mundo da danca ficou muito menos interessante nesse ano de 2009. Morreu Merce Cunningham e morreu Pina Baush. Que tristeza!!
    Vou sentir muitas, mas muitas saudades.

  31. Sandra

    Fabi, que LIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIINDO…

  32. Marcello Bosschar

    Fico com os olhos cheios de lágrimas… sim A Pina, o Merce… que ano é esse? O que está acontecendo? A dança se retirando aos poucos? Seus grandes corpos, mentes e almas indo dançar somewhere else??? Não vão, por favor, não vão ainda… tanto para ver, para se inspirar, para aprender… não nos abandonem, por favor… “dança, meu coração, dança”!!!

  33. Guilherme - Santo André

    Não conhecia Merce Cunningham , sou um ignorante em matéria de dança, mas não posso ficar triste com a partida de alguém que tenha tido uma vida produtiva de 90 anos. Assim como não fiquei triste com a partida de minha avó, aos 82, nem com a do grande mestre Hélio Gracie aos 95. Senti um baque, claro(no caso de minha avó), apesar de sua convalesença prévia, mas tristeza, não. Ela viveu, não passou pela vida em branco, isso para mim é o que importa. Então parabéns para Cunningham, e que Deus o tenha, para os que, como eu acreditam em Deus.

  34. Márcia

    O senhor das sapatilhas

    Aos 85 anos, o coreógrafo Merce Cunningham continua ativo e traz um espetáculo ao Brasil

    MARCELO BERNARDES, de Nova York

    Jean-Pierre Muler/AFP

    Em 60 anos de carreira, Merce Cunningham não cansou de surpreender. Em 1945, rompeu com sua mentora, Martha Graham, para iniciar um trabalho que mudou as convenções da dança moderna. No começo dos anos 90, criou coreografias no computador. No ano passado, abandonou a trilha sonora avant-garde e fez os 14 integrantes de sua companhia dançar ao som pop das bandas Radiohead e Sigur Rös. Às vésperas de a Merce Cunningham Dance Company desembarcar no Brasil, onde se apresenta no Teatro Municipal de São Paulo (nos dias 7 e 8 de julho) e no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (nos dias 9 e 10), Cunningham continua a surpreender. Aos 85 anos, usando uma cadeira de rodas por causa da artrite e de uma operação no joelho, o coreógrafo ainda tem energia. Dá aulas e prepara uma nova coreografia, a ser apresentada no fim do ano na Escócia. Depois de uma aula, ele falou a ÉPOCA.

    ÉPOCA – Aos 85 anos, o senhor não apresenta sinais de cansaço. O que o mantém jovem?
    Merce Cunningham – O prazer que sinto em olhar os movimentos. Apesar de todos estes anos, ainda fico fascinado quando vejo um dançarino lidar com o movimento, seja num plano de destreza ou de dificuldade.

    ÉPOCA – Há mais de dez anos o senhor começou a usar um programa de computador para desenvolver coreografias. Isso não é uma heresia?
    Cunningham – Talvez no passado, mas não agora. Com o computador, posso desenvolver mais claramente minhas idéias. Sempre foi um grande problema demonstrar o que queria, em especial agora, que tenho artrite e me canso facilmente. Como o computador mostra a passagem de um movimento para outro de maneira táctil, posso avançá-lo rapidamente ou vagarosamente. Isso me ajuda a ver o movimento sob nova perspectiva.

    ÉPOCA – O senhor acredita que o computador vai alterar a dança?
    Cunningham – Ao contrário do que sempre se filosofou, o uso de computador nas artes não criou uma grande revolução. O que aconteceu é que ganhamos uma ferramenta importante, que ajudou a ampliar as possibilidades. O processo de motion capture pode ajudar tanto o diretor de O Senhor dos Anéis a criar um personagem fictício quanto tornar possível que eu crie movimentos sem cansar meus dançarinos.

    Cunningham é indiferente sobre a questão da união homossexual

    ÉPOCA – O senhor fez parcerias com bandas pop como Radiohead e Sigur Rös. Como escolhe as pessoas com quem trabalha?
    Cunningham – Quando John Cage era vivo, eu discutia música com ele. Sempre achei que as pessoas mais interessantes do mundo artístico eram músicos e artistas plásticos. Era uma delícia conversar com Andy Warhol. Assim, a música que o Radiohead faz nunca foi algo estranho para meus ouvidos.

    ÉPOCA – O senhor teve uma prolífica parceria com John Cage e viveu com ele até sua morte, em 1995, sem nunca ter podido oficializar o relacionamento. O que acha da discussão da legalização do casamento gay?
    Cunningham – Eu estava na Califórnia quando a discussão começou. Para falar a verdade, eu já esperava isso há anos. E sou indiferente.

    ÉPOCA – Como é sua rotina?
    Cunningham – Leciono duas vezes por semana e estou trabalhando numa nova coreografia. Por causa da dificuldade de me locomover, adoro ver televisão. O que prende minha atenção hoje é a mesma coisa que prendia anteriormente: filmes de Hitchcock na TV, como A Dama Oculta ou Pacto Sinistro.

    Fonte: revista época

  35. Rio Maynart

    GERALD E MEUS COLEGAS COMENTARISTAS.

    Perdoem-me a minha ignorância! Estou aqui envergonhada!…
    Por que é a primeira vez que ouço falar desta personalidade da dança de nome Merce Cunningham. Ja li e conheci (através de vídeos) grandes nomes da dança como Nurejev (acho q é assim q se escreve…) e Baryshnikov e tinha um conhecimento superficial (atravé de leitura) sobre Pina Bausch, até sobre Lennie Dale, eu conheço algo… Mas foi preciso que um outro gênio da dança, um criador de movimentos, que conseguiu isolá-los até mesmo da música (segundo a matéria acima), morresse para que eu ouvisse o seu nome pela primeira vez e conhecesse o seu rosto através de fotos nos jornais e na net.
    Estou deveras bastante envergonhada com esta minha ignorância.
    PERDOEM-ME! Abços a tds!

    Que Mr. Cunningham encante a todos no Plano Espiritual com a Arte de sua Dança na virtuose de seus movimentos.

  36. Cintia

    “Ela não lhe dá nada de volta, nem manuscritos para guardar, nem telas para exibir nas paredes e talvez pendurar em museus, nem poemas para serem impressos e vendidos, nada além daquele único movimento fugaz quando você se sente vivo”, disse.”

    BACANA isso!!

  37. Oi, GT e pessoal.

    Meus sentimentos!

    Já vi o pessoal do grupo Corpo em BH e fico feliz que alguém do grupo tenha escrito sobre Cunningham.

    AGORA, com pina, Béjart e ele NO CÉU, ATÉ AS ESTRELAS VÃO aprender a DANÇAR!

  38. Rio MaynART

    No comentário
    Deste horário
    Uma amiga
    Se envergonhou
    Se desculpou.
    E no final
    Nada mal
    Simplesmente
    Arrazouuuuuuuuuuuuuuuu.

    Prezada amiga virtual.
    Estamos nestes juntos. Eu diria QUE DANCEI NO POST.
    Por esta e outras que adoro a nossa convivência.
    No mínimo aprendemos o que não sabemos.
    Aqui e aos poucos fui sabendo da existência de pessoas maravilhosas. Se não fosse a freqüência com a qual dedico meu ocioso tempo a blogar eu saberia bem menos do que sei agora.
    Aqui tomei conhecimento de La MAM.. Da Judith MaLina( e até do marido )do Boal. Do Zé o Celso. Não confundir com o Dirceu.Tem Zé e Zé tem.
    Enfim de diversos nomes de destaque os quais não faziam parte do limite do meu mundo de conhecimentos.
    Estes dois bailarinos que se foram.
    E pessoas reais que venho conhecendo.
    Minha escolha por este blog foi sem duvidas a interatividade entre nós os freqüentadores e comentaristas.
    Passei um ano lendo e comentando no blog do RA até o dia no qual ele mesmo recomendou uma visita ao blog do Geral.Não deu outra e por aqui estamos.Eu e minha nickgang.
    E amo muito tudo isto.
    Principalmente quando leio a tua declaração livre e espontânea.
    Nada temos para te desculpar.
    Temos sim é que agradecer por seres uma de nós.
    Nos os BLOGERALDÉTICOS.
    Que devemos tentar viver nos amando mesmo na virtualidade.
    Vale a intenção para com o nosso relacionamento e a nossa participação.
    Temos Um que têm todos e somos os Todos que Temos um.

    Beijos.

    Love
    😀

  39. Mas ele sempre estava la. Alem do mais, a gente via o Merce, sempre fragil, caminhando pelas ruas, passos minimos, minusculos, como um pato ferido.

    Isto não sei bem a razão me comoveu.
    A maioridade avançada.
    A tal de velhice.
    Que certamente o artista vencia.Caminhando.A passos minimos e miusculos.Como um pato ferido talvez para quem o visse.
    Quem sabe talvez com um cisne na mente do que caminhava.Ou flutuava em pensamentos.imaginando seu velho corpo em movimento.Pensando.Sonhando acordado.Já coreografando novos movimentos a serem ensinados.

    Quem pode dizer as maravilhas das mentes?

    O que não se pode é desistir.
    Sempre pra frente.
    Não importa o cansaço do corpo.
    Andar e andar.
    Dançar.
    Rir.
    Viver.

    E na hora da partida virar o amor que ficou.

    Ser

    S A U D A D E S.

    😉

  40. Gerald e Fabiana.

    Vocês são ARTISTAS.

    Sei avaliar ou penso saber o quanto estão abalados e tristes.

    Mas vocês sabem melhor que ninquém.

    The show must go on.

    Embora as dores.
    Embora a perda.
    É para o que nasceram.

    Incluindo.

    Rir chorando ou chorar rindo.

    Love.

    Fui.

    Obrigado.

    😀 Um homem que VIVEU intensamente até o final não deveria e acredito que não quer nada parado por sua partida.
    M O V I ME N T O diria ele.

    Dancem por mim talvez esteja dizendo.

    Sei la.

    Alquém sabe?

    😉 😀

  41. A todos BOA NOITE.

    Baby e Boby XXXXXX xx

    😀 >>>>>>>>>>>>>>L———————-I 😉

  42. Reinaldo Pedroso

    28/07/2009 – 03:43 Enviado por: Reinaldo Pedroso

    “Ekran
    Frequentas chat?
    Reinaldo Gaudério”

    Frequenta, sim. Na madruga, sala 3, idade 40/50 anos, do Bol.
    Considero isso ótimo, mas quem diria, não?; todo aquele discurso de que este blog não é espaço digno para o Gerald, e ele, claro; toda aquela frescura sobre comentários & comentaristas…
    Ekran…ecran…écran…e crã!
    Reinaldo

  43. Reinaldo Pedroso

    Vamp, La Pasionaria

    A morte é implacável, “O Retrato do Poder” bailou.
    Reinaldo Gaudério

  44. Reinaldo Pedroso

    28/07/2009 – 11:46 Eniado por: Ana Paula

    “(…) pelo amor de Jerri Adriani…”

    – Quááá!!!

  45. Reinaldo Pedroso

    28/07/2009 – 11:42 Enviado por: Glorinha

    “(…) mantenham as palavras por tempo suficiente para que acreditem no que estão falando…se não, não vale a pena…(…)”

    Beijo, Glorinha.
    Reinaldo

  46. Sandra

    Do comentário da Márcia:

    “ÉPOCA – Aos 85 anos, o senhor não apresenta sinais de cansaço. O que o mantém jovem?
    Merce Cunningham – O prazer que sinto em olhar os movimentos. Apesar de todos estes anos, ainda fico fascinado quando vejo um dançarino lidar com o movimento, seja num plano de destreza ou de dificuldade.”

    No G-Diet, há um vídeo dele assistindo a uma aula. Frágil…

    FRÁGIL??????????????

  47. Rio Maynart

    Obrigada, Pacheco, meu amigo virtual, pela compreensão. Vc é realmente um MESTRE!

  48. Rio Maynart

    Prezado Prof. Pacheco.

    “Temos Um que têm todos e somos os Todos que Temos um.”

    Com essa… Quem arrasoooouuuuuu, foi vc, Pacheco.//rsrs.

  49. Agamenon

    Quem é Fabiana?????

    KISS
    AiG

  50. Cintia

    Nossa, tá lindo o fundo do G-diet!
    E a imagem com as florzinhas, que legal!
    Vou assistir os vídeos daqui a pouco.

  51. Georgia R.

    Pois é. A dança não deixa telas, nada. É absolutamente efêmera.
    Cunningham era um gênio , e Pina …ah… Pina era etérea, divina.
    Grandes perdas.

  52. Cintia

    Já assisti um!
    A velhice é tão tocante, tão mestra, tão linda…
    Os movimentos das mãos de uma pessoa idosa são encantadores…
    Ai gente, já pensou o Gerald bem velhiiinho, dirigindo seus atores??
    Que fooooofo!! 😀

  53. Preconceito, intolerancia.

    QUANDO O BALLET SUPERA O BOXE …

    Filme: Billy Elliot (Inglaterra – 2000)

    http://www.planetaeducacao.com.br/novo/artigo.asp?artigo=24

    Beijão!
    Susan

    PS.: Acredito que muitos de voces tenham visto esse filme – sua “temática” requer reflexão para a maioria de nós?

  54. Sandra

    Puxa… eu…
    Gerald e Fabiana, vocês tocaram…

  55. Sandra

    Boa noite a todos! Beijos!
    Lindos sonhos!
    Que a alma de todos se encha de dança.

  56. Cintia

    Agamenon,

    Fabiana Gugli, atriz.
    Tem o link do site dela aí do ladinho.

  57. A Rio Maynart citou Lennie Dale; lembrei-me dos Dzi Croquetes e de Claúdio Tovar – este foi duramente atacado pelo cantor e compositor Ivan Lins, anos atrás. Motivo divulgado: Ivan Lins não o aceitava, na época, como “padrasto” de seus filhos (2) com Lucinha Lins, por mero preconceito “profissional” – a dança em especial, visto que Claúdio Tovar também é ator e diretor.

    PIRUETAS CONTRA O PRECONCEITO.
    Revista Marie Claire – Edição 130 – Janeiro/2002

    Localizem, por favor, caso haja interesse na matéria.

    Tópicos discutidos:
    – O balé e a favela.
    – O balé, o quartel e o tráfico (território do samba, as favelas do Rio de Janeiro viraram celeiro de talentos para o balé)
    – As sapatilhas, o futebol e o jiu-jitsu.
    – Talento, perseverança e glória.

    Beijão, meus queridos colegas!
    Bom descanso a todos nós!
    Susan

  58. maxwell

    Voltando a vaca fria e esquentando os tamborins digo-lhes que:

    No Brasil, os 513 deputados federais e os 81 senadores têm o mesmo salário mensal: R$16.509,09. Ao longo de um ano, esse montante é recebido quinze vezes por todos os 594
    congressistas. Isso acontece porque além do 13º salário há também um subsídio, no mesmo montante, pago duas vezes por ano, no início e no fim — na prática, um 14º e um 15º salário.
    Assim, ao ano, cada congressista brasileiro recebe por ano R$ 247.680,00 apenas em salários.

  59. maxwell

    A julgar pelo que acontece com as Casas do Congresso Nacional e sabendo-se que as Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores são submetidas a controles e escrutínio
    ainda mais frágeis, pode-se com segurança afirmar que a classe política brasileira está se apropriando direta ou indiretamente de parcelas da renda nacional incompatíveis com o nível de desenvolvimento e de distribuição de renda do país.
    Aquilo que se constata quanto ao Senado e à Câmara dos Deputados pode ser estendido às demais Casas legislativas brasileiras. No Brasil, os salários pagos a deputados estaduais são calculados à base de 75% dos salários dos deputados federais e os salários de vereadores de localidades populosas obedecem à mesma proporção em relação aos deputados estaduais. Além disso, tanto no nível estadual quanto no municipal os integrantes do Legislativo gozam de privilégios financeiros semelhantes aos da Câmara dos Deputados (não raro ainda mais generosos).

  60. Mau

    Os grandes da dança contemporânea estão indo nos últimos anos…

    Será que pressentem o cansaço do corpo pedir a morte???

  61. Mau

    Otimo depoimento da dona Fabi…

    Alias, sentindo falta de Gerald, Fabi e cia ilimitada em palcos paulistanos…

    Nessa época de frio sempre teve algum espetaculo de Gerald por aqui…

  62. Mau

    Voltei de Marte e to achando a Terra uma merda…

    Uma chatice, um frio chato que não me faz produzir nada…Houvera outros invernos que me sentia mais inspirado. Agora nem o frio inspira.

    E não aguento mais saber do mundo, do Brasil, de Sarney, essa bosta toda.

  63. maxwell

    Meu colega de trabalho, conheceu atraves do bate papo uma pessoa. Conversaram, conversaram e aparesentaram -se. Derrepente do outro lado propos um encontro. Meu colega mais que depressa topou o encontro. Ela diz que era loura, bonita, e meu amigo acreditou. Foi ao encontro e constatou que a mesma era loura, bonita e charmosa. Convidou-a para ir ao cinema. E no escurinho do cinema se beijam e esbaldaram. E como é de praxe, levou a mãó lá. E derrepente, encheu a mão.
    E ele ficou bravo.
    Mas ela ou ele espantado gritou: Achei que nas entrelinhas na sala de bate papos você já sabia!

    É mole?

  64. Cintia

    Seu Craudionô,

    Escolhi essa musiquinha pra oferecer pro sinhô, em homenagem ao novo padrão de navegação no G-diet. Passear em novas descobertas por lá já era maravilhoso, e agora então…

    beijocas!

    O Barquinho
    Roberto Menescal/ Ronaldo Bôscoli

    Dia de luz
    Festa de sol
    E o barquinho a deslizar
    No macio azul do mar
    Tudo é verão
    O amor se faz
    Num barquinho pelo mar
    Que desliza sem parar
    Sem intenção nossa canção
    Vai saindo desse mar
    E o sol beija o barco e luz
    Dias tão azuis

    Volta do mar
    Desmaia o sol
    E o barquinho a deslizar
    E a vontade de cantar
    Céu tão azul
    Ilhas do sul
    E o barquinho é um coração
    Deslizando na canção
    Tudo isso é paz
    Tudo isso traz
    Uma calma de verão e então
    O barquinho vai
    A tardinha cai
    O barquinho vai

  65. Alfred E. Newman

    Eita! Que zica!

    É a vida né, todo mundo morre.

    George Russel também morreu 😦

  66. Reinaldo Pedroso

    “(…) Cunningham abriu as comportas para a liberdade na dança. Ele não via, por exemplo, a necessidade de se contar uma história a partir das coreografias, algo que perdurava desde o balé clássico. Para o coreógrafo, os movimentos não precisavam ter uma finalidade ou uma explicação.” (Rodrigo Pederneiras)

    Explicação racional, não. A finalidade é proporcionar prazer estético, emocional. Essa liberdade ocorreu antes na música. Nas artes plásticas também, gradualmente até o abstracionismo. Neste caso, ainda hoje é comum ouvir-se, “- Eu não entendo…”. Ou seja, não há conteúdo literário, historinha, referência identificável da realidade objetiva.

    No Design Gráfico isso pode ocorrer em determinada medida, trata-se de comunicação visual dirigida à grupos de receptores com características comuns, particulares, próprias, dos quais espera-se uma ação.
    Reinaldo

  67. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 00:00 Enviado por: maxwell

    Max
    Prestenção, a diversidade de frequentadores de chat é rica, tem salas para todos os gostos, intenções, afinidades; mais ou menos como blog.
    “Derrepente”, esse teu amigo (…?) escolheu sala errada, ou não.
    Isso que contaste é mentira, mas pode acontecer com babaca.
    Reinaldo Gaudério.

  68. Reinaldo Pedroso

    28/07/2009 – 18:55 Enviado por: Márcia

    “Cunningham – Ao contrário do que sempre se filosofou, o uso de computador nas artes não criou uma grande revolução. O que aconteceu é que ganhamos uma ferramenta importante (…)”

    Pois é, ferramenta; sem ela, Cunningham continuaria criando, revolucionando.
    Reinaldo

  69. Reinaldo Pedroso

    “O Retrato do Poder”

    “Hoje vemos nosso operário-presidente abraçado hora com Ahmadinejad, hora com Collor, hora com Sarney, com Renan Calheiros…”

    Vamp, La Pasionaria
    Te esculhambaram por causa desse parágrafo aí. Os caras não entenderam, eu entendi.
    Assim, ó: o Lula fica abraçado com cada um dos citados durante 60 minutos, ora!
    Reinaldo Gaudério

  70. Reinaldo Pedroso

    Buenas.
    Reinaldo Gaudério

  71. maxwell

    BOM DIA.

    Muito esperto e resolvido este teu colega de trabalho que encontrou a meio a meio e descobriu logo no escurinho do cinema ao enfiar a mào na cumbuca.

    Se fosse mais preparado teria matado bem antes a charada.Bastaria ter procurado pomo de Adào no pescoco ou ter olhado bem para as màos da (o ) loura ( o ) pretendida ( o ).

    Digo que ele me parece ser esperto pois decobriu antes o que o Ronaldào ex Dinho só percebeu ap;os uma estadia em boate.Um programa no hotel e talvez uma chuveirada.E comentam que só se deu conta na hora do acerto das contas e ainda porque a menina aumentou a conta alem do combinado.

    Parabens ao teu amigo e a voce por nos ter contado o fato inusitado.

    Aqui em Vitória tem cada uma que parece mais do que as reais.
    Só nào sei a quantos reais porque passo batido.

    Pois quem entra numa destas corre o sério risco de ser comido.
    Bem diz o ditado que:
    Quem anda com ferro será ferrado.
    Por um puto ou por um viado.
    Correndo o risco de
    Ficar viciado.
    Abracos e

    Obrigado.

    😀

  72. Amigas ( os ).

    Ontem assisti o programa do Datena.
    Amado por uns e odiado por outros e ainda indiferente para poucos.
    Gosto de assitir o Datena.Quando possivel.

    Ontem foi parada indigesta.
    Estão matando,batendo em velhos,molestando criancas e outras barabaridades com nunca antes neste pais.

    Não vou exagerar e jogar a culpa no lula.
    A culpa é de nos todos.
    Sim temos uma parcela de culpa.
    Somos cultuadores mesmo enrustidos da tal impunidade.

    IMPUNIDADE.

    Este é o grande mal.
    A causa maior de tudo.
    Nos erros dos politicos e até nos meninos de rua que cheiram cola e fumam crack.
    A soma de nossas pequenas omissões diárias fazem a liberdade dos infratores.

    Esta la na Biblia.

    QUEM NÀO TIVER PECADO AIRE A PRIMEIRA PEDRA.

    Somos assim tão pecadores.

    Precisamos e urgente mostar a nossa outra face.

    Precisamos ter condicões morais de exigir que separem o joio do trigo.

    Precisamos ter um estilingue para mirar e atirar nossas pedras perto ou longe.

    Precisamos ser os atiradores.

    Antes que comam todo o queijo.

    E que a vaca tussa.

    Ou cafhurdaremos na lama.

    Tal qual suinos.

    Obrigado.

    Pacheco.

    😉

  73. A todos e todas que ai por cima foram carinhosos comigo o meu sincero:
    -MUITO OBRIGADO.

    Francyni:XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

    Baby : A marinha fará hoje inspecão no rebocador Sombrado.

    Em não havendo exigencias a serem cumpridas antes da saida pretendo largar os cabos no amanhecer.Bate e volta em aprox dez dias considerando o reboque a ser feito.

    Areas não ideais para celufonia.
    Fique tranquila.
    Reze.

    E mantenha Skol geladas.

    XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX xxxx au au

    De quando em quando estarei janelando oceis uai!

    Fui por enquanto

    😀

  74. En quanto todos vampiros do mundo chupam sangue o nosso Vampiro dorme polacamente acomodado sem vontade de ser despertado.

    E fico esperando ser moderado.
    Não estou reclamando.
    Mas que fique registrado.

    Obrigado.

    😉

  75. gthomas

    Leio pela 1 vez os comentarios: pro Targino entao, grande conhecedor da danca, Merce Cunningaham nao existiu, Bela maneira SUTIL de eliminar pessoas do planeta. Eta maneira de ver as coisas. Esse cara. Sr Targino, eh simplesmente o MAIOR e mais celebrado de todos os coreografos do planeta. Vc nao imagina a comocao mundial com sua morte. As homenagens que se planejam mundo afora, etc. Mas, pra vc, ele nao existe.
    Acho que vc….(deixa pra la).
    Tinha gente que achava que Beckett nao era autor e muito menos Joyce.
    Tem gente que acha que o proprio parceiro de Merce, o John Cage nao era compositor. Ou que Pollock era pintor.

    A esses nos chamamos de…..de…que mesmo?

    Esqueci
    Estou triste

    Nao quero ofender ninguem

    Essa coisa de Blog esta me levando a uma especie de nivel que eu nao gosto

  76. gthomas

    aprovei os ultimos 11 comentarios.
    tenho rejeitado o tal do Maxwell porque nada tem a ver com o post.
    Vamos ver se ele esta por ai.

  77. Marcela

    28/07/2009 – 19:40 Enviado por: Lúcio Jr

    “…AGORA, com pina, Béjart e ele NO CÉU, ATÉ AS ESTRELAS VÃO aprender a DANÇAR!”

    Noooossaaa, q lindo isso… amei!!!!

    Bjs e bom dia a todos! ♥♥♥

  78. gthomas

    Sim, de fato esta.
    E nada tem a ver com o Merce, com danca , com porrra nenhuma/
    As vezes penso……posso colocar uma materia em branco. Ou seja, postar um NADA. E mesmo assim tem gente que vai colocar suas historinhas nao relacionadas…..

    eh, desisto.

  79. gthomas

    Posso fazer uma sugestao?

    Como esse post tambem saiu da chamada do IG, please, voltem ao debate la de baixo, no post do Vamp.
    tava esquentado e eh algo mais

    no campo que vcs gostam

    eu nao poderia deixar de registrar a morte do mais importante coreografo do seculo XX, o mais inovador, o mais arriscador.
    Agora foi-se, water under the bridge.

  80. Marcela

    29/07/2009 – 09:05 -Enviado por: gthomas

    “…As vezes penso……posso colocar uma materia em branco. Ou seja, postar um NADA. E mesmo assim tem gente que vai colocar suas historinhas nao relacionadas…..

    eh, desisto.”

    GT, desculpe a intromissão, mas não, não desista!! Simplesmente ignore esses comentários nada a ver.. q eles desistem.

  81. gthomas

    Estou realmente “mordido” com o 1 comentario la de cima, o do Targino. Eh inacreditavel Arrotar tamanha ignoracia.

    Eh, ao mesmo tempo, desrespeitar a tristeza de pessoas como eu e dezenas de outras que leem esse blog e que compartilham com essa tristeza: ou seja, a morte de Merce Cunningham.

    Pacheco: o teu powerpoint nao abre.

  82. Tene Cheba

    O comentário da atriz Fabiana Gugli, sem conexões com o formalismo do jornalismo, mas com a sincera dor, foi chocante, um poema sobre janelas e perdas. Atriz que conheço das peças que assistir, disponibilizada, por você, insondável coração generoso.
    Sinto muito, Gerad Thomas.

  83. Marcela

    28/07/2009 – 23:58 – Enviado por: Mau

    “Voltei de Marte e to achando a Terra uma merda…

    Uma chatice, um frio chato que não me faz produzir nada…Houvera outros invernos que me sentia mais inspirado. Agora nem o frio inspira.

    E não aguento mais saber do mundo, do Brasil, de Sarney, essa bosta toda.”

    Ai ai, a Vida é linda, apesar disso tudo.

    Lembra da música do Chico??

    Apesar De Você
    Chico Buarque
    Composição: Chico Buarque

    Hoje você é quem manda
    Falou, tá falado
    Não tem discussão, não.
    A minha gente hoje anda
    Falando de lado e olhando pro chão.
    Viu?
    Você que inventou esse Estado
    Inventou de inventar
    Toda escuridão
    Você que inventou o pecado
    Esqueceu-se de inventar o perdão.

    Apesar de você
    amanhã há de ser outro dia.
    Eu pergunto a você onde vai se esconder
    Da enorme euforia?
    Como vai proibir
    Quando o galo insistir em cantar?
    Água nova brotando
    E a gente se amando sem parar.

    Quando chegar o momento
    Esse meu sofrimento
    Vou cobrar com juros. Juro!
    Todo esse amor reprimido,
    Esse grito contido,
    Esse samba no escuro.

    Você que inventou a tristeza
    Ora tenha a fineza
    de “desinventar”.
    Você vai pagar, e é dobrado,
    Cada lágrima rolada
    Nesse meu penar.

    Apesar de você
    Amanhã há de ser outro dia.
    Ainda pago pra ver
    O jardim florescer
    Qual você não queria.

    Você vai se amargar
    Vendo o dia raiar
    Sem lhe pedir licença.

    E eu vou morrer de rir
    E esse dia há de vir
    antes do que você pensa.
    Apesar de você

    Apesar de você
    Amanhã há de ser outro dia.
    Você vai ter que ver
    A manhã renascer
    E esbanjar poesia.

    Como vai se explicar
    Vendo o céu clarear, de repente,
    Impunemente?
    Como vai abafar
    Nosso coro a cantar,
    Na sua frente.
    Apesar de você

    Apesar de você
    Amanhã há de ser outro dia.
    Você vai se dar mal, etc e tal,
    La, laiá, la laiá, la laiáÂ…Â….

    Elles passam, o Brasil fica! (ai espero).

  84. Gerald.

    Entendo tua insatisfacào.

    Contudo e advogando em causa propria relembro ao amigo que quando iniciei no blog nào me foi exigido teste de conhecimentos teatrais.
    Nào posso dar mais do que tenho.
    Embora me esforce para isto.

    O mais proximo que vi de dancas alem dos bailados da Ana menina e da Duda menina tambem foram os de Lenie Dale nos anos sessenta em boite do Rio de Janeiro.

    Na epoca gostei do que vi.

    A presenca deste hoje meio mesquecido bailarino norte americano foi um marco nas noites do Rio.

    A praca Maua recebia os famosos da epoca e muitos ainda vivos certamente se lembrarào do que estou falando.
    O Lenie fez escola e depois dele um Tal de Star arrazava na boite Comboy que era reduto de marinheiros de todos os portos do mundo e das putas do Rio.

    A emocào mais forte que tive foi em uma noite na qual conversei com Carlos Galhardo que atacava na area buscando Galhar alquém.

    E vou parando porque as lembrancas tambem nos fazem chorar.

    Nào encare como uma reclamacào mas sim como uma justificativa.

    E entrando pelo Google la esta bem explicito que aqui se fala de arte teatro e politica tambem.
    E pelo modo que andamos de politica qualquer MERDA é melhor do que galar nela.

    Abracos e tenha como certo que o MERCE deve estar sorrindo ao perceber tua dedicacào assim como as palavras bonitas que a aluna Fabi dedicou para ele.

    E sendo um velho ele vai rir de outro velho que sou eu.

    Abracos.

    Love.

    Lieb

    ou

    Amor

    E……………PEACE MY DEAR FRIEND>

    😉

  85. Marcela

    29/07/2009 – 09:23 – Enviado por: gthomas

    “Estou realmente “mordido” com o 1 comentario la de cima, o do Targino. Eh inacreditavel Arrotar tamanha ignoracia…”

    Ai GT, me perdõe, eu tbm aprecio arte, música. dança, etc, mas não exija q todas as pessoas tenham a mesma sensibilidade, cultura, conhecimento, vivência de vida q vc,

    Sim eu entendi (acho) q o q o chateia é o fato da pessoa não conhecer e ainda postar aqui isso…se achando…

    Mas temos nossas limitações (falo pro mim), óbvio q tento sempre melhorar, e esse blog me ajuda nisso tbm.

    Aceite meus sentimentos por sua tristeza! ♥♥♥

  86. COMO ASSIM?

    O meu power point nào abre?

    O que é um power point?

    Será o que eu enviei hoje cedo?

    Verei o que posso fazer a respeito.Era pra abrir.Esperarei manifestacàp de outro recebedores.

    A mensagem é linda.

    Tem a ver com a morte.

    Mais ainda com A VIDA e junto a tudo o AMOR.

    Talvez seja melhor que nào abras agora quando estas sob fortes emocões.

    Talvez ELE tenha interferido.

    Talvez que….Que……Sei la.

    Obrigado.

    Pacheco.

  87. Ana Paula

    Bom dia pessoALL,

    susan judia (23:07),

    Falou sobre o filme “Billy Elliot” e propôs uma reflexão… Refleti, Susan!
    Emocionante a forma como aquele filme coloca a dança pelo olhar persistente do menino, o guerreiro.
    Contra o ódio do pai, passos e giros determinados, olha pai, eu te amo e te amando vou dançando até você me compreender…
    E o pai duro, acimentado no mundo, maltratado, olha de verdade pela primeira vez seu filho. E sorri inteiro e até as lágrimas são beijos de vida, ele renasce para a beleza.
    E como ele é lindo!
    A dança também liberta, mesmo sem música!
    Obrigada, Susan…

    Abraços,

    Ana.

  88. Tene Cheba

    Gente estacionada, sem movimentos, já escoados, transportados pelas dores e horrores, repousam, vivos, semimortos, semi vivos, entre o teto e o piso, comprimidos em seus pequenos espaços.
    Não percebem a dor de perder, plenos em seus cadáveres, com algum delocamento, estes pobre seres, da vazia plenitude, do pobre movimento.

  89. GERALD.

    TENTE ABRIR COM PDF 995.

    Eu nem sei o que é isto mas um engenheiro aqui da empresa que consultei disse vai funcionar.

    Espero.

    Obrigado.

    🙂

  90. Sandra

    Gerald, a morte é um assunto do qual fugimos.

    Essa morte, em particular, me calou. Sobre a morte do Michael Jackson, falamos muito, pois foi truncada, fora de hora, estranha,…

    Mas essa foi muito abençoada. Merce só deu um passinho para cima. Ele já estava muito acima de nós. Quando não temos que falar da estranheza da morte, da morte fora de lugar, resta-nos falar sobre … A MORTE.

  91. Marcela.

    COMO ! É que se fazem estes coracõeszinhos.

    Ensinas?

    Amei e gostaria de aprender.

    Grato.

    Pacheco.

    😀

  92. Sandra.

    Arrazouuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu!

    O que nào é novidade.

    Tambem gostaria de ter escrito isto.

    Love.

    Pacheco
    😉 enquanto a Marcela nào nos ensina a fazer coracào vai carinha.

  93. Sandra

    Cintia falou que a velhice é bonita. Mas… depende da vida que se constrói. Uma vez perguntei aos colegas como eles gostariam de ser no último dia de suas vidas. Acho que uma morte bem-vinda tem o rosto de uma vida bem vivida.

  94. Sandra

    A morte de um artista que viveu intensamente, um dançarino que dizia que se encantava com a dança de seus alunos, mesmo os inábeis (será que se encantava com a dança das estrelas, das árvores, dos rios,…?) parece tão… digna… A chave de ouro para uma linda vida. Mas, no entanto,… essa pessoa elevada faz falta em nosso mundo.

  95. Luciana

    Tene Cheba

    Por que se preocupar tanto com seres rastejantes, se vc pode ocupar seu tempo com pessoas realmente importantes e dignas de toda a atenção do mundo das pessoas que apreciam a dança como o Merce Cunningham.
    Bem, comentário cada um tem o seu, é livre.Mas não consigo entender como tem pessoas que ainda perdem tempo com seres que eles abominam, até parece que não abominam tanto assim, será que não é uma pontinha de inveja destes seres rastejantes , de serem como são,de terem coragem de ser como são, de terem suas opiniões , mesmo não agradando a gregos e troianos, são opiniões. Na visão de alguns,são simplesmente vermes,bem, são questionamentos que faço,somente…

  96. Sandra

    Lembrei-me novamente de Luzes da Ribalta. A vida se encerrando com um show e com uma dança.

    Merce deve ir, Gerald. Vocês devem deixá-lo ir. Precisam do seu tempo, da sua tristeza. Deve dar um grande desamparo, mas vocês também têm luz, e essa luz vai chamá-los para a vida.

    O que vocês escreveram, você e Fabi, e as coisas lindas que Merce disse, foram suas almas sangrando. Eu estava, como você disse, discutindo, no outro post, com as garras afiadas e os olhos cheios de sangue. E muitos não conseguiram me calar, mas vocês conseguiram. Depois que li o post, voltei ao anterior, mas não consegui mais comentar.

    Porque minha alma se encheu de dança, da sua visão da força e da fragilidade daquele artista, da visão da Fabi, sozinha em NY, olhando a linda cidade e dançando.

  97. gthomas

    29/07/2009 – 09:50
    Enviado por: Sandra
    Gerald, a morte é um assunto do qual fugimos.
    Essa morte, em particular, me calou. Sobre a morte do Michael Jackson, falamos muito, pois foi truncada, fora de hora, estranha,…
    Mas essa foi muito abençoada. Merce só deu um passinho para cima. Ele já estava muito acima de nós. Quando não temos que falar da estranheza da morte, da morte fora de lugar, resta-nos falar sobre … A MORTE.

    Sandrerrima: A do Michael esta se transformando em homicidio aqui nos US. Ontem a casa do medico foi invadida (legalmente com um warrant) pela policia de Las Vegas e o FBI. Confiscaram caixas e computers. Ta virando uma novela.

    A da Pina, 68 anos, tambem foi prematura,

    Concordo com vc: Merce viveu bem e trabalhou ate o ultimo minuto! Blessed!

  98. Sandra

    Gerald, é uma maneira de não deixarem que MJ vá. Mas não adianta. Isso tudo é para nós que ficamos. Eles: MJ, Pina, Merce,… já fazem um grande show no Céu.

  99. Sandra

    Saindo agora. Cai a maior chuva em Sampa. A chuva acompanhou todos os momentos marcantes de minha vida: a última conversa com meu pai, o nascimento da minha filha… Eu gostaria de morrer num dia de chuva.

    Beijos em todos.

  100. Glorinha

    Sandra…

    chuvas para você…mas não hoje, não hoje…nem amanhã…
    talvez daqui 200 anos (rs…)
    []

  101. Glorinha

    Bom dia para todos!

    de fato acho que estão lavando o tablado no céu…nessa chuva…tem muita gente boa por lá….
    [[]]

  102. Glorinha

    alguns imaginam o céu quando falamos no cessar da vida aqui…
    não imagino outro céu senão esse que meus olhos habitam…
    tão cheio de tudo…tão próximo do nada….
    não sei… algumas vezes penso em cometas….gametas…na vida encapsulada…
    não somos livres ainda…
    ainda…
    [[]]

  103. Glorinha

    a vida tão forte..e nós tão frágeis
    a vida não é frágil, se transforma
    o ser humano em suas capsulas não sabe como se manter
    fora…pois aprende a enxergar capsulas
    e creio, há tantas outras formas de se estar vivo…
    não aprendi a olhar direito…olhos que enxergam meio a meio…
    me deixam assim, menos inteira…
    []

  104. Alfred E. Newman

    Começo este comentário com o maior de todos os clichês:

    A única certeza que temos na vida é de que um dia iremos morrer.

    O que é essa tal de morte?

    Porque tememos ela?

    Qual a razão para morrermos?

    Muitas vezes esquecemos de viver por medo de morrer. Não viajamos de avião, de carro, não arriscamos para nada, ficamos estáticos e vivemos apenas esperando.

    Um dia ela chega, e aí? O que você fez? Você viveu? Amou? Chorou? Sorriu? Arriscou?

    A vida passa rápido, pois é, essa é outra verdade. Cada segundo conta e daqui a pouco já estamos partindo.

    Outro clichê:

    No universo nada se cria, tudo se transforma.

    A morte faz isso, nos transforma e nos transtorna.

    Existem milhões de teorias e religiões que tentam nos mostrar o que acontece depois da morte.

    Essas idéias muitas vezes absurdas acabaram por escravisar boa parte da humanidade e criar muitas guerras. Na verdade, ninguém sabe o que acontece. Temos apenas esperanças.

    Mas não é só dessa morte que gostaria de falar e sim daquela que transforma nossas vidas. A grande mudança que nos mostra que um outro caminho é possível.

    A morte pode ser boa, pode ser uma virada, um novo começo.

    A morte de nós mesmos, ainda que respiramos após…

    Como aquele viciado que se cura, o solitário encontra pessoas queridas, o ladrão se arrepende, o dependente cresce, a esposa abusada se liberta, o tímido se torna galanteador, etc.

    Pode ter um lado ruim também, Michael Jackson já estava morto há muito tempo.

    Não podemos ter medo da morte, ela virá de qualquer jeito, mesmo estando vivos.

    É uma mudança e só. É boa ou ruim, dependendo de nós mesmos.

    Hoje eu morri…

    (Alfred parecendo Paulo Coelho). 😉

  105. Sandra se morrer em dia chuvoso
    Vais chover no molhado.
    Os que te levarão
    No caixão
    Ficarão ensopados.
    As lagrimas serão molhadas
    As flores encharcadas
    As despedidas abreviadas
    As voltas pra casa apressadas.
    As saudades aumentadas
    Vozes inimigas caladas
    Não tendo a quem dar pedradas
    Os alunos terão folga
    E a Diretoria apavorada.
    Procurando outra substituta
    Que esteja a altura
    Da então ausente
    Falta sentida
    Depois da partida
    E nos Ca do blog
    Num arraso total
    Buscando A Sandra
    Nossa guia geral
    Então abandone
    Idéia esquisita
    Envie teus beijos
    No entra e sai
    E tenha bem certo.
    E convicção
    Um beijo bem grande.
    Do Pachecão

    Muitos anos de VIDA.

    A VIDA É BELA.

    😀

  106. Cintia

    bom dia …

    Morte de Jackson marcou dia mais triste na internet, diz estudo – UOL

    NOVA YORK (Reuters) – É possível dizer o quanto estamos felizes? Sim, de acordo com cientistas norte-americanos que inventaram uma maneira de medir a felicidade de milhões de blogueiros e descobriram que a morte de Michael Jackson foi um dos dias mais tristes, enquanto a eleição dos Estados Unidos foi o dia mais feliz em quatro anos.

    Peter Dodds e Chris Danforth, um matemático e um cientista do Centro Avançado de Computação na Universidade de Vermont, criaram um “sensor” para monitorar 2,3 milhões de blogs e reunir frases que começassem com “eu sinto” ou “estou sentindo”. Cada frase recebia, então, uma pontuação de felicidade desde 1 ponto até 9, dependendo de um sistema de pontos fixados a 1.034 palavras. Por exemplo, “vitorioso” marca 8,87 pontos, “paraíso” 8,72, e “suicídio”, 1,25.

    Eles disseram que esse “medidor de felicidade” mostrou que o dia da eleição norte-americana, em novembro do ano passado, foi o dia mais feliz em quatro anos com um pico na palavra “orgulhoso”, enquanto o dia da morte do “Rei do Pop” foi o mais triste.

    “A proliferação da assinatura pessoal online, como a dos blogs, nos dá a oportunidade de medir os níveis emocionais em tempo real”, disseram em um artigo intitulado “Medindo a felicidade de expressões escritas em grande escala: músicas, blogs e presidentes”.

    O estudo dos cientistas, divulgado esta semana no Journal of Happiness Studies, envolveu a reunião de cerca de 10 milhões de frases.

    “Nosso método é apenas aplicável a textos de grande escala, como os que estão disponíveis na Internet. Qualquer frase solta não poderia mostrar muito. Há muita variabilidade em expressões individuais”, disse Dodds.

    Os cientistas disseram ainda que os autores dos blogs tendem a ser mais jovens e mais educados do que a média, e representam amplamente a população norte-americana.

    Além disso, os autores também escrevem em um ambiente neutro, onde se sentem confortáveis, ao contrário de outras pesquisas de felicidade, em que os participantes são colocados no foco da atenção.

    “Eles pensam que estão se comunicando com amigos, mas (desde que os blogs são públicos), estão lendo sobre os ombros dos outros”, afirmou Danforth.

    Os pesquisadores disseram que seus resultados também contradizem dados recentes da ciência social que sugere que as pessoas sentem basicamente o mesmo em todas as etapas de sua vida.

    O novo método indica que os adolescentes jovens são mais infelizes com um uso desproporcional de palavras como “doente”, “ódio”, “estúpido”, “triste”, “deprimido”, “entediado”, “solitário”, “louco” e “gordo”. E então, as pessoas se sentem mais felizes até chegar a velhice, quando a felicidade diminui.

    Mas os cientistas disseram que era impossível saber exatamente o que ocorre na cabeça das pessoas.

    “Nosso estudo é uma exploração de dados”, disse Danforth. “Não é sobre o desenvolvimento de uma teoria”, acrescentou.

    (Por Belinda Goldsmith)

  107. Silverio Cardoso Corrêa

    Ontem eu estava assistindo a REDEMINAS e estava passando um balé contemporaneo.

    Tirei o som a TV e continuei a assistir. Não fez falta mesmo o sim. Apenas a imagem traduzida pelos corpos em movimento foi bastante.

    Mas me pareceu que a música acrescenta um certo “tempero” na dança.

  108. Ana Paula

    Um professor de física lançou o seguinte desafio:

    A morte era morte quando o coração parava.
    Depois a morte virou morte quando o cérebro parava.
    Qual é o próximo estágio da morte?

  109. sue

    Gerald , Querido…
    Voce nao eh um *Blogueiro* …(nao esquenta…)
    Voce aqui , digamos , escreve sua alma , sobre fatos atuais, sobre sentimento, cultura , conhecimento VIDA…teatro…vivencia..

    Essas pessoas que *insistem* em nao …seguir nao entender …elimina-os…uma hora eles cansam , desistem de serem *burros* !!!

    …o NOVO …DIFERENTE …sempre tera uma resistencia a ser aceito…pelo *PADRAO NORMAL* (que aprendemos que eh normal)…
    Muitas vezes so reconhecidos num longo futuro afrente ,…, muitas vezes depois de falecidos ….

    Por isso pessoas *impares* como Becker , Joyce , Merce…VOCE , …,muitas vezes nao sao compreendidos ,…, eh mais facil dizer que NAO SAO , so que …conhecer…acreditar num *NOVO…na Diferenca….
    E curtir , aproveitar o BOM O GENIAL….

    Beijos,.., curta suas Saudades….

    Temos ainda dois anos (ate desaparecer a cia de Merce – Segundo ele pediu e lemos no POST) para curtir e os que nao conhecem conhecer sua danca , sua tecnica , sua arte…

    Beijos

  110. Glorinha

    Pacheco…(11:02)

    arrasou…. (pequeno mas grande entende!)
    []

  111. Juro que a minha intencào é apenas tentar alegrar o ambiente.

    Se nào gostarem nào contarei outra ….Hoje.

    Todo o mundo se pergunta: – Por que para os terroristas árabes é tão fácil se suicidar?

    Aqui estão as 21 possíveis razões:

    É proibido:
    01º – Sexo antes do casamento;
    02º – Tomar bebidas alcoólicas;
    03º – Ir a bares;
    04º – Ver televisão;
    05º – Usar a Internet;
    06º – Esportes, estádios, festas com mulheres;
    07º – Tocar buzina;
    08º – Comer carne de porco;
    09º – Música não religiosa;
    10º – Ouvir rádio;
    11º – Barbear-se;

    Além disso:
    12º – Tem areia por todos os lados e nenhum buggy para se divertir;
    13º – Farrapos em lugar de roupas;
    14º – Come-se carne de burro cozida sobre bosta de camelo;
    15º – As mulheres usam burka e não dá para ver nem a cor dos olhos;
    16º – A esposa é escolhida pelos outros e o rosto é visto só na procriação;
    17º – Sexo depois de casado só para procriar e feito no escuro com a mulher vestida com o shake;
    18º – Reza-se para Alah:
    – 06:00 às 09:00
    – 12:00 às 15:00
    – 16:00 às 18:00
    – 21:00 às 00:00
    – No pôr do Sol;
    19º – A temperatura básica nos paises árabes é entre 45º e 58º (em alguns lugares até mais altas);
    20º – Para economia de água, banho apenas uma vez por mês, nas partes mais sujas (pés).

    E finalmente;
    21º – Ensinam que, quando morrer, vai para o paraíso e terá tudo aquilo com que sonha!

    Fala a verdade… Você também não se mataria???… BUDA GUEU BARIU!

    Fique com Deus

    Obrigado a quem me enviou e também a quem me aturou.

    Piadista.

    🙂 The show must go on

  112. Cintia

    Olá Sandritcha!

    Eu acho a velhice bonita sempre… Velhinhas e velhinhos sempre me comovem, mais do que bebês…
    Bebês são umas gracinhas, mas são como todos aqueles livros novinhos em folha nas estantes, que ainda não foram comprados nem lidos, ainda não têm sua própria história.
    Idosos são os livros antigos, que de tanto serem lidos, manuseados, consultados, revistos, já têm a encadernação gasta, carcomidinha, páginas amareladas, rasgadinhas, manchadas.. mas o conteúdo ainda está todo lá, intacto, a ser compartilhado e usufruido até o ‘fim’.

    É bem verdade que existem velhinhos mal humoradinhos… mas de uma maneira geral a velhice tem um efeito ‘plaina’, sai eliminando todas as rebarbas de arrogância, soberba, falsidades…
    E as mãos e os tais passinhos… frágeis sim, mas acima de tudo grandes guerreiros!
    É por isso que eu aaamo velhinhas e velhinhos! 🙂

    Bem, a morte… é como diz o RAlves, o que seria de uma bela sonata, ou de um lindo poema, ou de um beijo de amor, se eles não acabassem nuuunca?

  113. 29/07/2009 – 11:19

    Enviado por: Glorinha

    Pacheco…(11:02)

    arrasou…. (pequeno mas grande entende!)
    []

    Querida.

    Claro que entendo.

    Só sou doido varrido e louco sào os outros.

    XXX

    A Baby nos lerá.
    Ela está em Caravelas.
    Eu em Vitória.
    Prestes a zarpar.
    Navegar
    Chegar
    Nào atracar
    Voltar rebocando.
    Chegar.
    E ……………….Ai é que vai o patrão determinar.

    Pois manda quem pode e obedece quem tem juizo.

    Servida?
    Vou almocar.

    😀

  114. Ana Paula.

    Pessoalmente eu acredito que:

    Todo aquele que não exalta a vida já é morto e nem se deu conta.

    Exaltar a vida = Perdào + Amor = Luz

    Luz =DEUS.

    😉

  115. Democrito

    Merce at work:

  116. Democrito

    Eu vi uma apresentação do Grupo Corpo, certa vez, num festival em Campos de Jordão. Estava com minha esposa, recem-casados, uma fase incrivel da minha vida, e achei que não havia nada que pudesse ampliar a minha satisfação em estar vivo, mas ao ver a coreografia do Corpo, baseada em Merce Cunningham, acessei algo alem do que eu conhecia em mim como sensibilidade e plenitude.

    Até hoje carrego comigo o impacto dessa apresentação e só posso aplaudir de pé a todos os profissionais da dança e da musica que nos proporcionam esse tipo de experiencia que nos perrmite um extase que perdura em nossas almas para sempre.

    God bless you, Merce.
    God bless you, G.

  117. Cintia

    ‘Obamis’ é óóótimo, rs!

    Cacildis!
    Há 15 anos, o País perdia um brasileiro de verdade

    Fernando Figueiredo Mello – IG

    “No bar…

    – Seu Mané, o senhor tem um copo de leite de capivara de Barra do Piraí?

    – Ah, não tem, não.

    – O senhor aí não tem leite de mula manca sem cabeça?

    – Mula manca sem cabeça? Não, não tem, não!

    – Pô, mas que massada. O senhor não tem nem leite de perereca aí?

    – Leite de perereca? Também não tem!

    – Não tem leite de ganso manso?

    – Ganso manso? Nem isso tem!

    – Deus é testemunha que eu queria tomar leite! Bota uma cachaça aí, hehehehe…!

    Ele foi um brasileiro. Um brasileiro de verdade.

    Apaixonado. O samba, o Flamengo, a Mangueira. O humor do cotidiano. Do bar, do ponto de ônibus, dos amigos, da mulher…

    Antônio Carlos Bernardes Gomes, um brasileiro.

    Para o Brasil todo, ele foi apenas Mussum. O querido Mussum.

    Do cacildis, do forevis, da cachacis.

    Há 15 anos, ele se foi. Aos 53 anos, não aguentou um transplante de coração e faleceu em São Paulo.

    Foram quase 30 filmes com Os Trapalhões e mais de vinte anos de humor na TV brasileira.

    Hoje, Mussum é um ícone. Está em camisetas, no MSN, na internet. Virou até Obamis!

    Cacildis!

    É, Mussum, rir é o melhor remédis!”

  118. Sue.

    Sabes que te adoro.

    Mas hoje me permita discordar da tua colocacão.

    Acho e acredito que devemos ter todo tipo de comentário oriundos de quem quer que seja.

    Se nào lermos o feio como saberemos o que é belo?

    Da discussão bem colocada e respeitosa nasce a luz dos fatos.

    Sei que nossa vontade em principio é confortar o Gerald que estava mais ligado e proximo ao falecido.

    Sei que tua intencão foi a mais bela possivel.
    Entào peco pelos que não devem ser excluidos.

    Nào podemos desconhecer contra quem e contra quais pensamentos devemos nos preparar para que em 2010 não sejamos enganados meis uma vez.

    Obrigado.

    Lembrancas aos Kidos.

    Permita!

    XXX

    Pacheco.

    😀

  119. Xiiiiiii!!

    MODERADO?

    AGAIN?

    In Lunch Time Also?

    Sem duvidas ainda levo o titulo de Campeão da moderacão.

    Obrigado.

    😉

  120. Amiga que está na janela.
    Recebi teus dois e-mails. Um melhor que o outro e ambos bem vindos.
    Penso ter entendido.
    Sou e sempre serei agradecido por tuas belas palavras que traduzem uma verdade e também demonstram a tua nobre e bela intenção.
    Infelizmente não poderei atender o que sugeres.
    E acredite que tenho fortes razões. Tão graves que nem ouso dizer quais são.
    O motivo de estar aqui te respondendo é porque com outro e-mail e sozinho não consegui. Aqui me sinto forte e protegido entre amigos e amigas. Das quais és uma apesar da tua relutância e regressar ao nosso convívio.
    Entre. A casa do Gerald é nossa casa também Maria.
    Fique com deus.
    Obrigado.
    Pacheco.

    😀

  121. Drica

    Gthomas,

    Qdo acessei pela 1.vez este blog, acreditei estar tratando de arte, vida, sentimentos…

    Sinceramente, fiquei chocada com o seu “desprezível”, … agora, como vc com Merce(não os estou comparando), … fiquei triste e quiz defendê-lo(este velhinho de 101 anos).

    Porém, respeito sua visão, mas não desprezo o artista, que integrou artexarquitetura nos espaços públicos ao alcançe da sociedade, e que aprendi, estudando, a importância histórica que deixa a este país de 3.mundo, abrindo portas aos seus contemporâneos.

    Para entendê-lo, postei alguns comentários, de pessoas ilustres e não-equivocadas(em meu parecer, seja dito).

    Exagerei??? Talvez, pelo excesso.

    Foi minha primeira incursão em blog.

    Recebi, alfinetadas, … doloridas!!!

    Reagi, citando Nietz.

    Num fim de domingo, lendo alguns comentários, me abri, tentando ser compreendida.

    Desculpei-me, citando Drumond.

    Com o post do Vamp, fiquei impactada. O texto foi excelentemente escrito, independente do contexto, mas os comentários…

    E hoje, após suas colocações, pensei: Qual a função da arte?

    R:Sensibilizar, externar as angústias, alegrias, dores…

    Use-a, você o sabe fazer muito bem!

    Lembrei de Daniel Piza(Estado SP): “Pina tbém tratou muito dos instintos primitivos do ser moderno”.

    Merce e Pina, com esplendor o fizeram, … e que exemplo deixaram!!!

    Não se importe com os comentários negativos, eu tbém não, e aqui vou continuar, mesmo que silenciada, porque descobri nova forma de aprender, lendo vc.

    Viva a Liberdade de expressão!!!!!!!

    Meu respeito á sua tristeza … e, a de todos que se sensibilizaram por estas duas grandes perdas.

    P.S.: Cíntia, obrigada pela acolhida.

  122. gthomas

    Desculpem mas terao que ficar sem modertacao por um tempo.

    estou sozinho.

    nao sei o que aconteceu com o Mr Vamp

  123. “”11:05 Enviado por: Cintia
    bom dia … Morte de Jackson marcou dia mais triste na internet, diz estudo – UOL””

    eu ja tinha lido e visto uns videos que tratam destes novos softwares que cuidam do inconsciente coletivo .

    podem medir o grau de humor mundial , mas também prever acontecimentos através da multiplicação de ideias que são transformados em palavras na net .

    é muito interessante . meio que um ‘big brother’ ao contrário . com estes programas eles ” podem ” também prever o fim do mundo , baseado em quantas vezes nós blogueiros , comentaristas ou jornalistas falamos sobre isso .

    “” O Web Bot Project, cujo objetivo inicial era programar um método conhecido como web spidering para navegar na rede, buscando palavras ou números que poderiam relacionar-se e desse modo prever uma alta ou baixa de ações na bolsa de valores, seria capaz de prever também acontecimentos de outros tipos.

    Em julho de 2001, o Web Bot Project informou que um fato ocorreria nos Estados Unidos, modificando os rumos da política mundial. Em 11 de setembro do mesmo ano, grupos terroristas derrubaram as Torres Gêmeas de Nova York e atacaram o Pentágono em Washington.

    Agora o mesmo Web Bot Project detectou que outro fato de conseqüências devastadoras pode ocorrer em 2012, mas não determina que tipo de acontecimento seria este. “”

    http://urbansurvival.com/simplebots.htm

    cuidado ao teclar , pessoal ….

  124. maxwell

    Pobre alma evoluida, fonte de impropérios debiloides, pitoniza dos errantes, a fumaça que inebria a coluna que sustenta a tua pobre vida parte do pote de sua sabedoria mesquinha.
    Vislumbre as manchas negras que empesteia vosso caminho ululante. O suco rebelde aspergido da escumalha da fonte que oras bebe isemina a calha do vosso olhar. É isso.

  125. Marcela

    29/07/2009 – 09:52

    Enviado por: Pacheco

    Marcela.

    COMO ! É que se fazem estes coracõeszinhos.

    Ensinas?

    Amei e gostaria de aprender.

    Grato.

    Pacheco.

    Ah tão fácil, vc tecla ALT e o nº 3 juntos (aliás tem váários q dá pra fazer teclando ALT + nºs. -experimente.)

    Não respondi antes pq tô no trabalho e não posso ficar acessando o blog o tempo todo ( agora hora do almoço).

    Bjs a todos ♥♥♥

  126. Gerald.

    O Vamp levou tanta paulada pelo post anteriror que deve estar pior que o Massa.

    Ou quem sabe aMASSAndo alquém ou ainda sendo aMASSAdo pela senhora Polaca,

    Vampiro vampiro meu

    Onde estas agora meu coracão chora
    Quero estar contigo.

    Alguem no passado cantava uma musica que comecava assim como esta ai em cima.
    Só não lembro agora quem era o cantor.

    Alquém sabe quem foi?

    Obrigado.

    Fui

    Terá sido o Anisio Silva?

    Acho que a maioria nem sabe de quem estou falando.

    No Brasil só é lembrado o morto que deixa dividas a pagar.

    Pais de memórias curtas.

    Infelizmente.

    Teste rápido.

    Qual o nome do palhaco que dizia:
    – Como vai?
    Com vai , vai vai.?

    Vale um beijo e uma lambida do Boby.

    Eu disse do Boby.

    Eu nào disse da Baby.

    😀

  127. Sandra

    Estou calada hoje… Ainda estou pensando nas palavras que li, nos videos, no auto-retrato de Rembrandt…

  128. maxwell

    Mr Gerald Thomas, acho que tem outro Maxwell, no pedaço, pois há um mês não entro na internet. Como vc diz que está rejeitando o “Maxwell, não deve ser eu.

  129. Gerald

    Sózinho?

    COMO ASSIM SÓZINHO?

    E

    DEUS?

    E

    Nós.

    Náo leu?

    -Somos todos por Um e o Um etc ?

    Ta la em cima e Rio Maynart entendeu tudinho.

    Puxa vida!!!!

    Tas abalado mesmo hein?

    Sorry.

    Smile.

    Try.

    Don’t give up.

    Be strong.

    Love.

    😀

  130. Fulgêncio Jr.

    Muito legal;
    Pacheco e Cíntia pela descontração.
    Mussum, buda gueu bariu, era
    muito engraçadis.

  131. Sandra

    Muitas imagens vêm à cabeça: a dança na chuva de Gene Kelly… Tão diferente do padrão dos musicais. Quando alguém começa a dançar, num musical, o mundo inteiro conhece a música e os passos da dança. Mas naquela linda dança, as pessoas passavam fugindo da chuva, olhando espantadas aquele louco encantador.

    O vídeo que o Claudio deixou no G-diet com os dançarinos dançando num parque, sem música…

    Fabi dançando, olhando NY, sob o olhar de um artista apaixonado pela dança.

  132. previsões do web-bot . o oráculo da internet :

    “””” Problemas no mercado de derivativos em julho-agosto de 2009
    Travamento no mercado de ações em setembro de 2009
    Crises cambiais em outubro de 2009
    Crises internacionais em novembro de 2009
    Desvalorização acentuada do dólar em novembro de 2009
    Protestos em larga escala por causa da pandemia de gripe suína no outono-inverno de 2009
    Falência de cidades/estados (americanos) em novembro de 2009 e verão de 2010
    Hiperinflação no valor dos alimentos no outono de 2009 – primavera de 2010
    Mortes generalizadas por fome em 2010
    Nova guerra começa no outono de 2009
    Colapso do sistema de saúde americano no outono de 2009 – verão 2010

    Israel ataca Irã – isso acontece até o fim de 2009
    Erro no ataque de Israel libera pó radioativo Iraniano, provocando a morte de milhões e posteriormente afetando mais de um bilhão de asiáticos em razão da contaminação das plantações, colheitas e causando escassez global de alimentos, saques, motins, etc. Isso vai fazer com que o mundo de volte contra Israel. Esta crise social generalizada gera violência e desordem, e traz uma reação contra as religiões. Multidões atacam os ricos em todo o mundo. Revolta popular na américa por volta de março de 2010. A elite é alvo da violência. Descontrole social e governamental generalizado.

    O Vaticano é roubado em 2011 e os líderes religiosos são investigados.

    As estruturas e sistemas humanos começam a falhar (energia/água/alimentos/saúde) no inverno de 2009-2010

    Grandes terremotos entre novembro de 2009 e setembro de 2010

    Algum tipo de restrições a viagens.

    Até o fim de 2011 a população mundial sofre um abalo emocional sem precedentes.

    A grande crise nos atinge em 25 de outubro de 2009. Ela pode iniciar com o ataque de Israel ao Irã, ou com a pandemia de gripe suína ficando extremamente letal. 10 dias após o início desta crise, o governo Obama começa a enfrentar problemas e um posterior caos.
    Distúrbios na magnetosfera do Planeta afetam a consciência humana e as plantações gerando crise social ligada a falta de alimentos
    Confitos em Roma e dentro do Vaticano
    Algum evento costeiro. Especialmente na costa leste dos EUA.
    Fome e escassez de alimentos aumentam os problemas globais
    Protestos e revolução
    Multidões vão migrar para o Sul
    AMÉRICA DO SUL VAI TER UM IMENSO AVISTAMENTO UFOLÓGICO.
    Mais um evento no verão de 2010 ligado a existência de vida extraterrestre.

    [ Créditos: equipe porque2012.com ] “””””””
    …………………………………………..

    quem diria … a morte não será a pior opção …

  133. Sandra

    O Artista está próximo ao Criador. Quem chega tão perto da vida e da morte?

  134. Sandra

    Saindo de novo. Beijos em todos!

  135. Contrera

    desolado.
    muitos motivos.

  136. maxwell

    Minha cara Glória
    Forte é a morte
    Que sucumbe a vida
    A morte é transformação
    Pois morre pra nascer
    Nascer de novo para uma nova vida
    A vida é tão frágil minha querida
    Que o vaso que a circunda
    Temos que ter todo cuidado
    Pra que não quebre
    Porque do contrário não seria vida
    Pra que pudessemos apreciar
    Em todo seu explendor

  137. gthomas

    AOS DESACOSTUMADOS

    ….SIM….ao nascer, a 1 coisa: levamos um tapa na bunda, de cabeca pra baixo e berramos’

    e passamos a vida “aos moans and groans from the cradle to the grave” como dizia Beckett

    Sim, Pacheco: sozinho na moderacao! Pode?

  138. Minha Ana mandou isto que copio para voces.

    PRESTE BEM ATENÇÃO NA ÚLTIMA FRASE…AS VEZES LAMENTAMOS POR ALGO QUE ESTÁ DANDO ERRADO….MÁS TUDO TEM UM PROPÓSITO DE DEUS!!

    JESUS CRISTO

    Não teve nenhum empregado, no entanto chamaram-no Soberano.

    Não teve nenhum diploma, no entanto chamaram-no professor.

    Não tinha nenhum medicamento, no entanto chamaram-no Doutor.

    Não teve nenhum exército, no entanto os reis temeram-no.

    Não ganhou nenhuma batalha militar, no entanto conquistou o mundo.

    Não cometeu nenhum crime, no entanto o crucificaram.

    Foi enterrado num túmulo, no entanto vive hoje.

    Sinto-me honrado por servir tal chefe que me Ama!

    Se você crê em Jesus Cristo, envie isto há todos os seus conhecidos e não simplesmente ignore.

    Se ignorar, lembre-se exatamente o que Jesus disse:
    ‘Se me negar na frente dos homens, negá-los-ei na frente do meu Pai no céu’.

    ‘Às vezes, quando tudo dá errado acontecem coisas tão maravilhosas que jamais teriam acontecido se tudo tivesse dado certo’.


    Luciano da Matta

    Este Luciano é legal.

    Obrigado

    Pacheco.

    😀

  139. gthomas

    …eh uma pena que Deus nao possa ficar na moderacao de vez em quando…..

  140. Gerald Thomas

    ACHTUNG

    Von der Aufnahmevorrichtung das sepulture?

    Von was wir sprechen?

    Was ist, für ein Zeit pra allein zu sein, das auf den Ausländer so viel allein Zeit im Leben und gleichmäßig war?

    Er ist nicht allein.

    Das Alzheimer verehrt allein meinen Freund.

    Lieb

    AA

    😉

  141. DEUS NA MODERACÃO??!!!!>

    SERIA O MEU FIM.

    MEU DEUS!!!!!.

    Sabia que não deveria abusar.

    Vou saindo de leve.

    Orando.

    Ainda tenho tempo.

    ALELUIA 😀

  142. ‘To the times, when everything of the made a mistake one happens so wonderful things that never they would have happened if everything had given OK.

    😉

  143. ‘Ai tempi, quando tutto del ha fatto un errore uno accade cose così meravigliose che non sarebbero accaduto mai se tutto avesse dato perfeto

    🙂 ‘

  144. ‘A los tiempos, cuando todo de hizo un error uno sucede las cosas tan maravillosas que nunca habrían sucedido si todo había dado pronto

    :D’

  145. ‘إلى الأوقات, عندما جعل كلّ شيء من الغلطة واحدة يحدث أشياء رائعة هكذا أنّ أبدا هم حدثوا إن كلّ شيء كان قد أعطى [سرتو’.].

    E bronto buda bariu.

    Num faiz mais nada hoji brimo.

    ;D

  146. Fulgêncio Jr.

    gthomas, essa foi foda, rsrsrs

  147. Oi, Gt e pessoal. GT seu amigo Chomsky anda opinando sobre Honduras:

    Chomsky opina sobre Honduras
    Washington – Un grupo de intelectuales estadounidenses, entre los que se encuentra el lingüista Noam Chomsky, pidió hoy a la secretaria de Estado, Hillary Clinton, que se oponga a la celebración de elecciones adelantadas como solución a la crisis de Honduras.
    En una carta abierta dirigida a Clinton, 35 profesores universitarios y expertos en América Latina urgen a promover sanciones contra el nuevo Ejecutivo que encabeza Roberto Micheletti, para asegurarse la vuelta al gobierno del destituido Manuel Zelaya.

    “Otra cosa que no sea la urgente restitución del presidente Manuel Zelaya en el cargo sería una usurpación de los deseos del pueblo hondureño”, señalaron en referencia a la posibilidad de un adelanto de las elecciones previstas para noviembre.

    “La democracia tiene que ser restaurada antes de que las elecciones tengan lugar”, indican los intelectuales.

    Para Dana Frank, profesora de historia de la Universidad de California y una de las firmantes de la carta, es “extremadamente importante que no demos ninguna concesión a aquellos que han perpetrado golpes militares”.

    Si se acordara adelantar los comicios previstos para el próximo noviembre “se establecería un peligroso precedente”, subrayó.

    El día de la destitución de Zelaya, el 28 de junio, se iba a realizar una consulta a los hondureños para ver si aceptaban que en las elecciones de noviembre votaran también sobre una Asamblea Nacional Constituyente encaminada a reformar la Carta Magna en 2010.

    Zelaya mantuvo la convocatoria de la consulta, a pesar de que había sido declarada ilegal por el Parlamento, el Ministerio Público y la Corte Suprema de Justicia. Según sus opositores, el objetivo era abrir una vía para la reelección presidencial, no contemplada en la Constitución hondureña.

    Los firmantes de la carta consideran que hubiera sido imposible hacer la reforma de la Constitución antes de las elecciones y que Zelaya había dicho que no buscaba la reelección, al tiempo que muestran su preocupación porque desde Washington se apoye como solución el anticipar los comicios.

    Además se refieren a la resolución de la Organización de Estados Americanos (OEA) que suspendió la participación de Honduras y pidió la restitución de Zelaya, para reclamar al Gobierno de EE.UU. que “se asegure de su reinstauración (la de Zelaya) promoviendo sanciones económicas contundentes”.

    Consideran que unas elecciones adelantadas “tendrían lugar bajo el régimen golpista que ha suspendido las libertades civiles y donde no existen las condiciones para unas elecciones libres”.

    El profesor emérito de la Universidad de Harvard John Womack; el escritor y cineasta Saul Landau y los expertos en América Central Héctor Pena y Greg Grandin son algunos de los que firman la carta.
    Publicado por Fabricio Estrada en 8:11 0 comentarios Enlaces a esta entrada

  148. gthomas

    Alte Affe, Alte Affe….
    dein Deutsch ist schrecklich!

    se ao menos um dos apostolos pudesse dar uma aliviada aqui….

  149. 29/07/2009 – 14:11

    Enviado por: gthomas

    …eh uma pena que Deus nao possa ficar na moderacao de vez em quando

    ELE sempre esteve na moderacào.
    De uma humanidade desmoderada.
    Assim consta nos meus antigos registros deixados em bau milenar.
    Conservado pelos tempos.
    E agora descobertos por um golpe do bau.
    Acredite quem quizer.
    Duvide quem tiver juizo.
    E viva a vida .
    Ou salve-se.

    意志是你的。

    債家
    😉

  150. gthomas

    Bela resposta, Pacheco!

  151. maxwell

    As religiões são placas
    Placas para os desavisados
    Aqueles dos cainhos errantres
    Para serem doutrinados
    Jesus não é doutrina
    Jesus é amor
    O Cristo que nele viveu
    É o mesmo que habita o meu coração
    A minha consciência é cristica
    O meu pensamento é holístico

    Se os evangelios fala de Jesus
    As epístolas paulinas fala da doutrina
    Para amansar o coração do homem
    Para se ter uma vida correta
    Dentro do seio das religiões

  152. targinosilva

    Ruptura
    Um dos principais destaques de sua carreira foi a ruptura na união entre dança e música.
    Nas obras de Cunningham, não é o som que determina os passos.
    Música e dança convivem de forma independente.

    Enviado por: targinosilva
    A dança tem que ter uma relação com o compasso
    da musica, senão, não existe, o que diria a Ezir,
    a semiótica.

    Enviado por: gthomas
    Leio pela 1 vez os comentarios: pro Targino entao, grande conhecedor da dança, Merce Cunningaham não existiu, Bela maneira SUTIL de eliminar pessoas do planeta. Eta maneira de ver as coisas. Esse cara. Sr Targino, eh simplesmente o MAIOR e mais celebrado de todos os coreógrafos do planeta. Vc não imagina a comoção mundial com sua morte. As homenagens que se planejam mundo afora, etc. Mas, pra vc, ele não existe.
    Acho que vc….(deixa pra la).
    Tinha gente que achava que Beckett não era autor e muito menos Joyce.
    Tem gente que acha que o próprio parceiro de Merce, o John Cage não era compositor. Ou que Pollock era pintor.

    Mr. Thomas.

    Esta havendo um grande equivoco.
    Eu estou acostumado a dançar em cima de ritmo.
    Não consigo conceber uma dança sem musica, é mímica.
    Pra mim a dança é uma linguagem de gestos e movimentos pautados pela musica.
    É apenas uma opinião.
    Se posso discordar de Deus, posso discordar do coreógrafo.
    Não vai aqui nenhum desrespeito a sua morte ou sua importância no cenário artístico.
    Pra mim a morte é um acontecimento natural. É como fazer aniversario, tão breve é a vida.
    Desde a minha infância, convivo com a morte.
    “Aprendi a dizer não e ver a morte sem chorar”.
    Não tive a menor intenção de menosprezar o artista, nem deixar de lastimar a sua morte.

  153. Marcio M

    Vejo que o tema de hoje é dança & homosexualidade (sim, porque Merce era gay).
    Nos anos 90 eu vi uma peça, acho até que era dirigida por Gerald Thomas, na PUC de São Paulo, na qual todos os atores terminavam a peça no maior SAMBA, lembro-me de ver sambando Ney Latorraca, Fernanda Torrres e outros. Se não me falha a memória, Gerald Thomas entrava no final para receber os aplausos juntos com os demais atores. Ele ficava bem na ponta, jamais no meio.
    Nesse mesmo anos 90, quem cruzasse a praça Roosevelt em São Paulo lá pelas oito horas da noite do domingo certamente observaria uma grande reunião de rapazes – somente rapazes – que lá ficavam a conversar. Sei lá como chamar isso, mas era algo certamente gay. Juro por Deus que uma vez vi o Gerald Thomas com seu cabelão lá no meio da garotada.

  154. maxwell

    Meu caro Pacheco
    O home é forte mesmo
    Não há quem possa com ele
    Pois a qualquer perigo que o ronde
    Ele joga pedra na caixa de Marimbondos de Fogo
    E a todos se afugenta
    Pois com ele ninguem se aguenta
    E sua supra renal é grande
    Aguentando toda falação
    Passando por cima de tudo e a todos
    Sem se dar conta
    Que o que fazes
    Arraza meio mundo
    Mas a sua cara de pau
    De leso, louco e bigode
    Impede o freio
    O freio da sensatez

  155. Glorinha

    Marcio M….

    belos cabelos do Gerald…

    desculpe, tentei mas não consegui captar nada melhor nas letras que vc teclou…

  156. Ana Paula

    Marcio M,

    Contanto que todos eles tenham mais de dezoito anos, sem problemas.

  157. Kritisierter Deutscher ist vom WordLingo.

    Eu non terr nenhum culba,

    😀

  158. Errata

    O comentárrrio das 15 33 é do Alter Alfffe para o Gerald Thomas.

    Estarrr errado no enviado onde naum deverrria estarr a none da Gerrald.

    Conserrtarr o leiturra faiz uma grande favorrr.

    Agraradeco muito tudo mundo obrigado.

    ;D

  159. Marcio M.

    E dai que voce viu o Gerald no meio da rapaziada?

    O que quer dizer com isto?

    Alguma insinuacào?

    Quer dizer que se voce for em Caravelas e me ver com uns amigos que sào homos só por isto vais botar a boca no trombone?

    Ou só insinuas pra cima de quem é destaque?

    É duro ser democratico.tem horas que eu penso que o lula está certo.Com tipos assim só levando na base dos OTÄRIOS.

    Sofres de algum complexo?

    Se abra.

    Aqui só temos amigos.

    E as amigas sào muito compreensivas.

    Algumas poderiam te ajudar.

    Conte para elas o que te aflige.

    E pode beber no >>>>>>>>>>>>>>>>>>>(__@__).

    Mereces por ser falador.

    😉

  160. 29/07/2009 – 15:18

    Enviado por: maxwell

    Meu caro Pacheco
    O home é forte mesmo
    …………..

    maxwell.

    Homens fortes tem vergonha na cara.
    Ele não é forte.

    NÓS É QUE SOMOS FRACOS.

    Abracos bem fortes.
    Esperancas fortissimas
    Que saberemos votar em 2010
    Enterrando de vez por todas

    os FRACOS.
    Corruptos.
    Safados.
    Ladròes e FDP.

    este FDP vai por conta dos que estào em filas de hospitais carregando seus filhos e nào tem o apoio do governo que afirma ter tudo controlado.

    Sào uns filhos da puta.

    Cujas senhoras màes devem sofrer ao se lembrarem que estas bestas já foram nenens.

    Deus que me perdoe.

    Amem.

    🙂

  161. Alexandre

    Gerald: faz tempo que não escrevo aqui, você sabe. Prefiro escrever por email. Não tenho mais interesse de opinar online primeiro porque não tenho mais tempo para ficar respondendo e segundo porque todo mundo sabe de tudo no mundo virtual. Fora isso, os clubinhos que são criados tornam a coisa um tanto gosmenta.

    Passada essa introdução, é bom dizer que junto da palavra “conhecido” deve vir a irmã: desconhecido. Junto com John Cage, muito se falou e se admirou desses dois artistas, MAS NADA mudou em termos de apreciação estética dentro da sociedade. FORA DOS GUETOS, o que rola é Lago dos Cisnes mesmo. E música erudita é Mozart ou Beethoven e OLHE LÁ, saiu disso o pessoal pede pra sair do teatro. Claro, Tchaikovsky também “vale”, principalmente se for com o balé…e…acaba por aí. Por isso quando morre um artista desses, muito se fala, mas não se lamenta o suficiente. Dizem que se alguém plantar uma única semente, isso já é o bastante. Eu não diria “SE”, eu diria que NO MÁXIMO vai se plantar uma semente, mas isso com um esforço descomunal e com muita sorte e muita propaganda. Caras como Cage e Cunningham sabiam fazer seu market pessoal, se não nem essa semente teriam plantado. Vamos abrir o jogo, em New York o marketing é 99%. O 1% restante é algum amigo.

    O mundo da dança é bastante curioso: de um lado você tem milhares de bailarinos que não conseguem se mexer caso não tenham um metrônomo amplificado dentro do ouvido ou alguma música que seja mais regular do que um relógio suíço. Do outro, existe a ala mais “aberta”, que parecem querer abraçar o teatro mas sem nunca conseguir chegar nem perto porque a próxima “pirueta” vai ter que aparecer mais cedo ou mais tarde!!!

    Abraço. Avise quando chegar…
    Alexandre

  162. Alexandre

    Claro que quero dizer “MARKETING pessoal”…não “MARKET” pessoal…mas vale, enfim, pode ser MARKET também. SUPERMARKET pessoal, paga um, leva dois.

    Alexandre

  163. Considerações bloguistas.

    Do modo que estamos em passo a passo cada dia mais me convenço.
    Em breve teremos duas categorias.
    Os de bem que serão os BLOGINS e os do Mau que serão os BLOGOUTS
    No Lugar do Moderador teremos UM BLOGSHERIFE
    E Estaremos o OK Curral nos blogbangando.bang pra todos os lados.
    Eu faço criticas de leve. Com finesse com o gosta o Claudio. Como manda o bom figurino.
    Malho e atiro no lula com gosto. Mas não aumento e nem invento. Tudo o que eu atiro já foi atirado e não explicado.
    Que tal se todos cooperassem para paz e harmonia?
    Antes que o QUEIJO derreta e a vaca dispare e fuja do planalto sozinha.
    Todos eles deverão ser presos um dia.
    Se soubermos reagir e escolher o Big Boss certo para dirigir a fazenda e evitar o ataque dos índios.

    Obrigado.

    Aio Silver

    Lone Ranger 😀 ( Puta merda! Legal )

  164. Alexandre.

    Agradeco se voce me avisar onde e quando estou em clubinho gosmento.

    GOSMENTO?

    Nào sei nem como usar este nick.

    Portanto do teu limào nào posso fazer limonada.

    lamento te desapontar.

    Agradeco orientacào tua senhor acima da gosma que enxergas ou sentes aqui.

    Obrigado

    Pacheco ou GOSMADO 🙂

  165. Alexandre;

    por favor leia isto abaixo.

    Nos guetos que dizes tem mais do que lago dos cisnes.

    E minha neta Dudinha foi premiada.

    Ela com 13 aninhos é bailarina do municipal de Santos.

    Se ela desejar vou pedir para que te atualize.

    O corpo diz o que as palavras não podem dizer.”

    “The body says what words cannot”
    (Martha Graham)Academia

    Modalidades
    Baby Class
    Ballet Clássico
    Dança Irlandesa
    Sapateado Americano
    Street Dance
    Dança de Salão
    Jazz
    Flamenco
    Dança do Ventre
    Aula Anti-Stress
    Alongamento

    Dança Irlandesa
    Sapateado irlandes sofreu influências dos Celtas, nomades e Ingleses entre outros. Anteriormente o estilo do Sapateado Irlandês dava ênfase a uma forma fechada, pernas mantidas próximas, sem chutes largos com pequenas voltas ou sem voltas, e obviamente sem deslocamento. O “Erich Jig” (Gingado Irlandês) exigia, então, de seus bailarinos um rápido e complexo trabalho dos pés, com os braços próximos ao tronco. Este estilo preferido para competições de Step-Dancing mudou em meados dos anos 50 e 60, quando foram acrescentados os “traveling steps”, circular “lead-in’s”, “sevens-and-threes”, imprimindo característica de um estilo moderno de step-dance.

    Obrigado

    Avo de uma pequena estrela.Pelo menos para mim.

    😀

  166. Pai.

    COMO É DURO SER PACIENTE E TOLERANTE.

    DAI-ME FORCAS SENHOR.

    O B R I G A D O .

    🙂

  167. Sapateado “mandou ver”

    Modalidade demonstra evolução e que ainda há muito chão para bater pés

    Joel Gehlen

    No sapateado, as meninas das categorias jovens “mandaram ver” muito mais do que as de idade avançada. Na última noite competitiva desse 19º festival de Joinville, as garotas entre 13 e 16 anos esbanjaram alegria, bem à vontade. Claro que erraram, mas acertaram bastante. Conforme avançaram as categorias, apequenou-se a ousadia, com apresentações niveladas. Em relação aos anos anteriores, o sapateado evoluiu.
    Tecnicamente, os participantes podem ser divididos entre os que fazem da música apenas um acompanhamento para movimentos de braços quadris e troncos, totalmente dissociada do som vindo dos sapatos, e aqueles que souberam dialogar com os pés e o play back. Essa harmonia é um item fundamental para o bom desempenho do sapateado.
    Outro aspecto que se depreende da noitada é o verdadeiro casamento entre a mão e a luva do sapateado com a ginga brasileira. Tem tudo a ver. Não foram poucos os grupos que conseguiram sapatear ao som de suingues tropicais.
    A grande apresentação da noite foi a do grupo Vera Passos, de Fortaleza, que mostrou uma bela capela (sem música de fundo). A turma orquestrou uma sinfonia coreográfica de pés, intitulada “Samurai”, de Vera Passos, rica em elementos e passos orientais, a performance foi sincrônica, tendo um conjunto afinadíssimo e ocupação espacial que lembra uma batalha de Akira Kurosawa.
    Outro destaque foi a República do Movimento, grupo de Taubaté (SP), terra de Monteiro Lobato, que soube deslizar ao mesmo tempo com graça felina e vigor nas batidas, pecando, porém, na hora de dialogar com a música. O CBS Tap Factory, representante de São José dos Campos, foi um bom exemplo da total entrega entre som da batida e música de play back nas duas coreografias apresentadas, “Unsquare dance” e “Tremelê”, ambas de Steven Harper, que incorpora bem o molejo à brasileira.
    O La Danse Arte e Cia, do Rio de Janeiro, aproveitou bem um elemento recorrente do sapateado: o tom de brincadeira. Também soube compor personagens distintos e utilizar diferentes tonalidades de batidas, o que fez lembrar um diálogo entre pés. Fez bonito. Alguns grupos fariam melhor se desligassem o som mecânico. É o caso do Arabesque, de Araguari (MG), que teve bom desempenho, arejado e festivo, mas a música foi para um lado e os sapatos para outro. Apreciável também o único representante do sapateado irlandês, modalidade de difícil execução, a companhia sorocabana Phoccus.

    ——————————————————————————–

    Coube à Escola de Bailado M. de Santos o 1º lugar na variação feminina

    O Alexandre :

    A Eduarda estava nesta turma de gueto Santista que tirou o premio.
    E nenhuma ]e gosmenta nem tem avo gosmento.

    Obrigado.

    Se voce leu agradeco em dobro.

    Note que nos diversos grupos teve um que dancou sem musica.Leia tudo e depois opine com certeza do que esta falando

  168. Ana Paula

    Pacheco,

    “Baby Class”… Coeficiente de fofura no mais alto grau! 😀

    Me lembro de uma apresentação do Lago dos Cisnes com a Botafogo em que, antes das bailarinas entrarem, tinha essa breve performance de crianças entre 3 a 5 anos, vestidas de frutinhas.
    Algumas chorando, outras brincando, quase todas completamente fora de sincronismo. Uma delícia.
    Sério mesmo, nem precisava vesti-las de frutinhas. Iluminaram o show antes do tempo.

    Abraços.

  169. Fui.

    Desculpem.

    Sou humano.

    Limitado portanto.

    Estava sendo um lindo dia mas agora estou todo gosmento.

    Pudera aparece um Alexandre o GRANDE e os mortais se trumbicam.

    KKKKKKKKKKKKKKKKKK,

    Bem dizia o velho senador Doido varrido:

    -Loucos sáo os outros.

    hahahahahahahahahahahahahahahaha ;;) byefui

  170. Azul (Meninas Super Poderosas)

    Meninas , (aceitamos apio dos meninos do BEM)

    Comecaram…Magnifico,atolado , sozinho (trabalhando)…Esse Marcio M. sem nada melhor para fazer …escrevendo *barbaridades* dos anos 90….
    Psiu…silencio….
    Vamos manter a paz , em homenagem…
    Nao da para ler e ficar quieto !!!
    Fica BEM MAGNIFICO !!!

  171. oscar wilde

    MÁRCIO M.

    estava preparando 1 comentário-PONTO DE VISTA meu sobre TUDO Q ASSISTI e LI e aprendi sobre O REVOLUCIONÁRIO COREÓGRAFO DA” DANÇA DO ESPAÇO” , acima de todos os ELEMENTOS DA DANÇA e do TEATRO: o movimento VOLUNTÁRIO E INVOLUNTÁRIO, A MÚSICA, O SOM , e o SILÊNCIO…e o ATO em CENA ( c a inclusão de OBJETOS) com os nossos SENTIDOs e CONSCIÊNCIA (“AWARENESS” e RECOGNITION como explica a Sra. Nevelson, amiga dos 2 Merce e JOHN CAGE ).

    SIM..porque deu pra perceber aqui e na FOLHA DE SP e noutros jornais q A PRINCIPAL MARCA de MERCE CUNNIGHAN foi apenas RECONHECIDA pelo nosso MESTRE Mr. GERALD THOMAS, via seus SOLOS ( adesão aos concepções de DANÇA de MERCE ) com as performances e atuações de , principalmente, FABIANA GUGLI, com suas idéias muito bem elucidadas DA ARTE deste MESTRE da 4ª Arte mundial, Merce Cunnighan.

    Estamos de LUTO, e cobrindo tudo COM nossas PALAVRAS OU NOSSO SILÊNCIO.Afinal, foi 1 SÉCULO quase DE DANÇA REVOLUCIONÁRIA E EXEMPLAR, de TODOS OS VALORES da DANÇA CLÁSSICA RÍGICA TRADICIONAL , SEVERA, até…transformados em DANÇA da “SUSTENTÁVEL LEVEZA DE SERMOS”, uma DANÇA CLÁSSICA CONTEMPORÂNEA , com os ALONGAMENTOS e a FIRMEZA no ESPAÇO e nos PÉS sobre o ESPAÇO AMPLO ou TRANFORMADO, PENSADO…DESCOBERTO em sua FÍSICA e ATMOSFERA, sua ELEMENTARIDADE, enquanto “ORGANISMO PULSANTE”.

    Há tanto o que escrever e falar de MERCE CUNNIGHAN c seus parceiros e MESTRES DE AVANT-GUARDE tb como JOHN CAGE , e todos os pintores ADMIRADOS por nosso igualmente EXTRA-ORDINÁRIO Mr. Gerald THOMAS SIEVERS…!!!

    Só não consigo compreender porquê AS PESSOAS falam de MÚSICA como se MERCE CUNNINGHAN rompeu C A MÚSICA…………………..É , TUDO AO CONTRÁRIO !!! Ele incorporou TUDO da FÍSICA DO CORPO e do ESPAÇO e DA ATRAÇÃO E RETRAÇÃO no ESPAÇO , tudo provado cientificamente. Ele LEU TUDO BEM e incorporou TUDO p a NOVA LEITURA como JACQUES LACAN c FREUD!!!

    E , as PESSOAS , mesmo , as q falam dele O AMANDO , e o CONHECENDO – A FABIANA E Mr. GERALD THOMAS compreenderam BEM esta DINÂMICA DO ESPAÇO e do ACASO ou do AR , destes ELEMENTOS de sua TÉCNICA…a MÍDIA ,
    com algumas exxeções , mas mesmo assim, AS PESSOAS têm uma VISÃO de música como SÓ A HARMONIA C MELODIA …e ELE, MERCE , as USA o TEMPO INTEIRO.Mesmo, no SILÊNCIO ou nas PARTITURAS DE RUÍDOS , ali OUVIIIIIMOOOOOS, as percuSSÕES…os RITMOS ORGÂNICOS do INTERIOR …e DO CORPO de nosso PLANETA TERRA-MÃE!!!

    Esta concepção do ESPAÇO enquanto PERSONAGEM está TODA permeada NA obra de nosso MR. GERALD THOMAS, vide CADA PEÇA dele, nestas últimas de suas fase de anos 90 , c os SOLOS de FABIANA GUGLI. As DESCOBERTAS e aplicações destas INOVAÇÕES dos MESTRES REVOLUCIONÁRIOS- LIGHTS, LEITORES CORRETOS CONSCIENTES de TODAS as ARTES estão ali ESTAMPADAS em cada PSICOMOTRICIDADE , dinÃMICA, e FENOMENOLOGIAS materializadas c ENGENHOSIDADE por MR. GERALD THOMAS em suas OBRAS-PEÇAS, todas. Particularmente, aS ANALOGIAS PHILIP GLASS e JOHN CAGE c MERCE e GERALD vieram c O VIDEO das ALMOFADAS PRATEADAS e a PERCUSSÃO( ver BLOG G-DIET) c tambores ou sapateados OU AS ONOMATOPÉIAS da PEÇA” MATOGROSSO”, e CIRCO DE RINS E FIGADOS( ver video PHILIP GLASS-THOMAS em http://www.geraldthomas.com)…

    Mas , há em todas UMA PULSÃO da VISÃO do META-ESPAÇO e as ÚLTIMAS DESCOBERTAS da física e BIO-QUímica, e ELETRO-STÁTICA E DINÂMICA… EM tudo Q mR. gERALD thomas SIEVERS cria e REALIZA em palco.

    ….agora, Márcio M. associar MR. GERALD THOMAS por estar com AMIGOS “GAYS” á uma SEXUALIDADE …e tecer RACIOCÍCIOS ERRôNEOS ou MALICIOSOS …como se todos q andam ou se encontram ou tenham amizades sejam DA MESMA SEXUALIDADE…é tentar VIRAR VOYEUR do OUTRO…pelo DESEJO de SER mais O OUTRO do que a si próprio …não ACHA?

    Se andar c GAYS faz de 1 HOMEM-GAY também .Então, eu q frequentei meios com LÉSBICAS e FEMINISTAS, seria UMA “GAY” também , apesar de ser sempre PAQUERADA por elas, e conhecê-las…ter ido em festas…vê-las se BEIJANDO …e até EM TROCAS DE CARÍCIAS para mim, CONSTRANGEDORAS…e não EXCITANTES.

    Quem é paquerado e amado por GAYS é GAY também? JÁ assumiu UMA NOVA OPÇÃO SEXUAL??? Há atrizes COMO A CLáudia RAIA com 1 super número de FÃS GAYS e TRAVESTIS …e q é confundida ÁS VEZES , e teve q se pronunciar por SUA FEMININIDADE…já há muito CASADÍSSIMA!!!

    Mas, A ESCOLHA SEXUAL de uma PESSOA tem relação c sua ARTE? Se assim fosse TODOS OS PINTORES E CANTORES DE ÓPERA ,caprichosos, e cheios de AFETAÇÃO , seriam GAYS?????…vou continuar em meus escritos…Ezir

  172. Fulgêncio Jr.

    PACHEEEEECCCCCCCCOOOOOOOO!

    faláccccccccciiiiiiiiaaaaaaaaassssssss.
    puts.

  173. oscar wilde

    ALEXANDRE, o grande,

    Acho q vc está enganado…Apesar do PÚBLICO em geral adorar espetáculos MASSANTES ou repetitivos como OS q ainda estão por aí, se O Mr. Gerald THOMAS fizer 1 super peça CLÁSSICA com uma ÓTIMA LEITURA de época e adequação p as EXPECTATIVAS ou O MOMENTO CULTURAL q ESTAMOS vivendo de EFERVESCÊNCIA INTELECTUAL , com certeza O TEATRO vai estar LOTADOOOO…haverá SUCESSO DE BILHETERIA…e ELE estará TRIUNFANTE!!!

    O que mantém 1 PÚBLICO FIEL e CATIVO ao 1 ESTÍMULO ou TENDÊNCIA não é a MENTALIDADE e a REPETIÇÃO de HÁBITOS …e sim , UMA BOA ALIANÇA entre PESSOAS REALIZADORAS AFIns.

    Ontem vi aquela PEÇA da LOLA e LULI , c DESENHOS RABISCADOS e em cartaz num shopping com tudo em cima p CRIANÇAS. Foi possível pq é O MOMENTO de parcerias DE CRIAÇÃO, e de ENCONTROS DE PESSOAS pensando ARTE e CRIAÇÃO e FATURAMENTO. Há até O ITEM “OFERECIMENTO” p os CRÉDITOS.

    TUDO depende de OUSADIA…e vc PENSAR “eu quero TANTO ” E PARAR nesse PENSAR” explica O Merce CUNNIGHAN em sua EXPERIÊNCIA de atrair PÚBLICOS como à de nosso MESTRE GERALD thomas – O ÚNICO A CONSEGUIR LEVAR TODA A “ENTOURAGE” para TURNÊS MUNDIAIS como MEGA-ARTISTAS ( so O “ALICE” c a VOZ ” ART NOVEAU” de GAL COSTA) ficou em cartaz e viajou por 03 ANOS!!!…

    ahhh! Alexandre VC está é c pensamento LIMITADO…e des-informado, desculpe!!!

    Aqui, NO mercado de São PAULO, tudo faz SUCESSO. Fiquei BOBA de ver ontem na PAULISTA O NÚMERO DE FILMES em cartaz, como , aqueles q virarão LOGO , ALUGUEL e só como “hallloween” (????agora????é de TERROR!!!).Por que o público é SÁDICO , é BURRO? não PORQUE tem HISTÓRIA, tem TEMPEROS de ATRAÇÃO DE PÚBLICO …e É ASSIM que VOU A UMA FESTA …e É POR ISSO que EU AMO …e ME EXTASIO de ASSISTIR ÁS peças E videos DE MR. GERALD THOMAS: porque ELE ENFEITIÇA ? …não, POR que ele sabe FALAR com o DESEJO DO PÚBLICO …e NOS TOCAR c as + diferentes FÓRMULAS de se FAZER TEATRO e ESPETÁCULO p a SOCIEDADE …para o MERCADO das ARTES no Brasil e no MUNDO, entende? …volto + tarde!!! Saudações a todos!!!
    Ezir Miriam

  174. Sandra

    Boa tarde!
    Pacheco, simplesmente AMEI a descrição da minha morte!!!!!!!!!!!
    A chuva e a vida chamando os que amo para a vida.
    Uma transição silenciosa, chuvosa… Uma comunhão com o Universo!!!!!

  175. Oi, Gt e pessoal.

    Essa frase abaixo é para vc responder para o pessoal que aparece aqui e te enche o saco:

    “Eu não tenho condições nem vontade de dizer o que quer que seja sobre mim ou, mesmo, sobre meu futuro, e, por meio deste, pela última vez vos conclamo a tomar conhecimento deste fato, seus cuzões.”

    [“Ich bin nicht in der Lage noch willens irgendetwas ueber mich oder gar meine Zukunft zu sagen, und ich fordere euch hiermit zum letzten Mal auf, diese Tatsache zur Kenntniss zu nehmen, ihr Arschloecher.”]

    Entre nós, Peter Handke é mais conhecido como parceiro cinematográfico de Wim Wenders: “O medo do goleiro diante do pênalti” [Die Angst des Tormanns beim Elfmeter], “Movimento Errado” [Falsche Bewegung] e “Asas do Desejo” [Der Himmel über Berlin].

    Pouca gente sabe que o próprio Handke filmou duas de suas narrativas: “A mulher canhota” [Die linkshändige Frau] e “A ausência” [Die Abwesenheit].

    De Handke, no auge do boom translatício (1986/87), eu traduzi, para a Editora Brasiliense, “O medo do goleiro diante do pênalti” e “Bem-Aventurada Infelicidade” [Wunschloses Unglück], as duas narrativas enfeixadas num só volume. Foi um suor convencer o editor a usar na capa a palavra “narrativas”. Pensando em inglês, ele teria sapecado “novelas”.

    É preciso dizer que, para nós, Handke foi trazido sem respeito à cronologia de sua obra, com os títulos sendo lançados a esmo, sem qualquer parâmetro crítico. Apenas mais um pós-moderno, poderia ter dito algum resenhista no calor da hora.

    Só não podiam faltar, nas edições brasileiras dos autores alemães traduzidos, referências ao nazismo, aos horrores da guerra, ao holocausto e etc. Se possível, uma suástica na capa. Incluir o meu posfácio foi igualmente uma luta.

    Os escritores de orelhas e contracapas, e os há, quase nunca sabem muito bem o que fazem. Por pouco, a contracapa de “O medo do goleiro diante do pênalti” não me sai com um Handke alemão, lutando ferozmente contra o nazismo e contra os horrores da guerra. A tempo, consegui alertar o escritor de contracapa (não foi tão simples, pois ele alardeava larga experiência no ramo): Handke é austríaco e nunca fez do nazismo ou dos horrores da guerra o seu assunto. Apenas acusava os autores do pós-guerra, os pais da pátria, os campeões da causa alemã – e isso lhes rendeu dois prêmios da Academia Sueca – de combaterem o nazismo e os horrores da guerra com a mesma linguagem que os havia produzido.

    Handke foi menino prodígio. Suas peças-faladas foram êxitos incontestáveis. Sua importância para a geração de 68 está longe de poder ser devidamente equacionada.

    Entre nós, pouca gente sabe que Handke foi um dos maiores nomes do teatro alemão do último quartel do século XX.

    “Insulto ao Público” [Publikumsbeschimpfung] ficou cinco anos em cartaz num teatro em Frankfurt. Até que Handke proibiu sua encenação por tempo indeterminado, considerando superado o efeito de choque que fizera o seu êxito. E para evitar, suponho, sua agatachristianização. Só voltou a liberá-la nos anos 90.

    Vi “Insulto ao Público”, na encenação de um grupo amador de Porto Alegre, em 1973. Foi no Teatro São Pedro, em São Paulo, com o apoio do Instituto Goethe. Eu não sabia quem era Handke. E o Brasil já passava a receber um escândalo europeu daqueles anos revolucionários, sem saber que ele era isso. Ter chegado tão rapidamente ao país é um feito que fala em favor de seu autor.

    Vi “Insulto ao Público” mais duas vezes, na Berlim pós-queda-do-muro, em 1993, nas encenações, diametralmente opostas, de um grupo de Berlim e de um grupo polonês.

    Um artigo comemorativo dos trinta anos de Handke, publicado na internet por Celeste Aída Galeão (tese sobre “Die Hornissen”, USP, início dos anos 70), ignora as minhas traduções de “O medo do goleiro diante do pênalti” e de “Bem-Aventurada Infelicidade”. A autora ficou livre de ter de levar em conta a minha releitura de Handke, para o Brasil, no posfácio: “O mundo é velho, não é verdade, Sr. Loser?” Quinze anos se passaram e, lamentavelmente, é esse o texto mais completo e crítico já escrito sobre Peter Handke entre nós. O boom translatício foi bom enquanto durou. Hoje, a nossa defasagem em relação à literatura alemã, é só conferir, aumentou de 20 para 30 anos.

    Sobre “O medo do goleiro diante do pênalti”, sobre esse título que já era o título do filme que o Instituto Goethe fazia circular pelos bolsões cult da nossa intelectualidade, alguns gostariam que ele fosse diferente. Gostaria de brindá-los com um excesso: “O cagaço do guarda-redes no instante em que se vai bater o tiro de onze jardas”.

    Handke ficou sendo, para nós, um autor de narrativas meio esquisitas. Nós, os tradutores, poderíamos ser culpados por isso, em vários sentidos. Uma vez, na Brasiliense, alguém lamentava ser Handke ilegível para brasileiros. Alguém sugeriu ser demasiado Europa Central para o nosso paladar tropicaliente. Quem sabe ainda me refaça, em futuro próximo, do arrevezamento estilístico que me foi atribuído na época do lançamento. Tinha e não tinha razão o único resenhista do livro quando do lançamento: Erwin Theodor Rosenthal. Ainda volto ao tema.

    Pouca gente sabe que Handke escreveu poemas em prosa, contos curtos, ensaios que ainda continuam atuais. Que contribuiu com a radiodifusão austríaca antes de se tornar uma celebridade. Peitou o Grupo 47, apontando para o equívoco de sua opção pelo realismo. Relatar realisticamente os horrores da guerra, é preciso que se diga, também faria prolongar os “horrores do pós-guerra”, para usar a expressão feliz de Hubert Fichte. A instituição literária achou ótimo. Heinrich Böll foi prêmio Nobel de Literatura em 1972. Günther Grass foi laureado em 1989.

    Só em 1993, estando em Berlim, pude compreender a razão pela qual, subitamente, tanto Wenders como Handke passaram a ser malvistos, personas non gratas para a inteligência brasileira. Haviam pecado contra a mídia internacional a serviço da globalização. Haviam desafiado, mais uma vez, o stablishment. Tudo como nos velhos tempos. Ou, se quiserem, como no velho oeste. A mídia divide o mundo em bandidos e mocinhos. A nova intelectualidade francesa saliva fartamente. E a periferia engole e balança o rabicó. Ter denunciado, durante a Guerra da Bósnia, a “demonização dos sérvios”, pode ter custado a Peter Handke a perda da própria paciência. O menino prodígio dos anos 60, que não perdoava a burrice da esquerda universitária, fez por não merecer o lugar que lhe caberia na história da literatura alemã do pós-guerra e das guerras localizadas que passaram a proliferar pelo mundo. A frase que encabeça este artigo é Handke em seu estado mais característico: indignação pura.

    Enquanto isso, um bando de cuzões continua a fazer sermões pios contra os horrores da guerra, contra o nazismo e contra o genocídio, e a dormir (serenos?) sobre todos os horrores que pairam sobre uma cultura administrada em seus mínimos escaninhos.

    É preciso rever, com urgência, a história da literatura alemã, senhores germanistas pelo mundo afora. Urge reler Peter Handke, para não nos esquecermos de que a indignação é hoje artigo em falta. E terá de ser reconquistada.

    Em “Insulto ao Público”, Handke dava o seu grito de liberdade, propondo, aos fanáticos por conteúdos, a consciência aguda e revolucionária de que a linguagem é sobretudo jogo, que não se deve ficar boiando a esmo, à superfície das palavras e das frases.

    Handke propõe um mergulho em profundidade. Contra a crença no realismo da representação, usava a imagem do pássaro que bica uma natureza-morta. Em “Insulto ao Público”, quatro atores conversam longamente com os espectadores sobre tudo o que diz respeito à instituição do teatro, declarando ser a platéia o acontecimento da noite: “Vocês são impagáveis.” Nessa conversa com o público, perpassam todas as grandes teorias do teatro. Isso toma dois terços do texto, quando uma frase introduz a sessão de xingamento: “Mas, antes disso, vocês serão insultados. Porque insultar é também uma maneira de nos comunicarmos.”

    Como diz Celeste Aída Galeão, em seu desinformado artigo na internet, Handke é o autor do pós-guerra que mais traduções mereceu no Brasil. Mas, como ela e com ela, o público brasileiro ficou sem saber quem é mesmo esse tal de Peter Handke.

    Handke continua atual. Um dia será preciso dizer isso com bastante firmeza. Por enquanto, os adeptos do realismo ainda podem prosseguir em seu sono de mais de um século. Mas a realidade jamais os perdoará por terem-na reduzido a um único modelo de interpretação: o modelo realista.

    Qualquer semelhança com o “pensamento único” destes nossos tempos globalizantes, não é, nunca foi apenas uma coincidência. Alguns quiseram que assim fosse.

    _____________________________________

  176. Maga Patalógica

    Marcio M

    Conta pra nós essa estória direitinho… pq essa de…

    …. “estava passando por um lugar gay….e vi gay…hahaha é

    muito velha.

  177. Cintia

    Lata d´água na cabeeeça! Lá vai Mariiia! Lá vai Mariiia!
    Olá pessoal!
    Vim baixar minha trouxa por aqui! 😀

  178. Cintia

    Fulgêncio,

    Saravá, meu Rei!
    hehehe hohoho hihihi…!

    *message for you lá no outro post, tá!

  179. sol - sampa

    Devido ao que li hj aqui fui a navegar, como sempre faço buscando ao sabor das palavras chaves que nos levam para lugares inesperados e assim como Alice caí pelo espelho ciber numa partitura de Vivald e dela para esse filme que quero recomendar aos desavisados como eu da existência desse belíssimo passeio, a la “Chagall”, por nossa casa, para dentro denós mesmos.QueridoGerald, queridos companheiros de navegação aqui vai o boarding pass http://www.youtube.com/watch?v=uf8Nt759-y0&NR=1

    Com todo amor

  180. Antonio Moraes

    Assisti apenas uma coreografia ao vivo do Merce, no municpal de SP, já faz alguns anos. Os bailarinos eram irregulares – ou seria uma das propostas dele ? Apesar disto sai impressionado com o trabalho. Já conhecia de alguns filmes sobre dança – o itaú cultural, durante poucos anos patrocinou uma mostra de filmes de dança, organizada por uma antiga crítica da área que escrevia para o estado. Mas de tudo isto lembro muito pouco. Quase nada, na verdade. Estes registros deveriam ser digitalizados e disponibilizados na internet. Eu pagaria para vê-los. O google já fez isto com livros, mas com as mídias audio-visuais é mais complicado, pois quase tudo ainda está protegida por leis de copyright. É verdade que existem algumas supresas. Por exemplo, a obra de Joyce está disponível de grátis para todos na Internet, pois um sítio canadense, país onde os direitos sobre a obra dele já expiraram, a disponibilizou.

  181. Cintia

    Masp bate recorde de público e anuncia nova grade de exposições

    da Folha Online

    “Nesta quarta-feira (29), o Masp (Museu de Arte de São Paulo) divulgou o recorde de público de 346.665 pessoas em 10 anos. O número corresponde às visitas registradas entre janeiro e junho deste ano.

    A última grande exposição na casa –além das dedicadas ao Ano da França no Brasil– foi a do artista brasileiro Vik Muniz, que ficou em cartaz de abril a julho.

    Para agosto, o museu anuncia três grandes mostras. A primeira delas, “Yang Shaobin no Brasil: Primeiros Passos, Últimas Palavras”, começa na quinta-feira (13). No dia seguinte, a casa inaugura “Vera Chaves Barcellos: Imagens em Migração”. Última a entrar em temporada, “Onde a Água Encontra a Terra” tem início no dia 20.”

  182. Drica

    Mudando o rumo…
    Dica de literatura aos blogueiros de plantão

    -The Catcher in the Rye conta, numa narrativa em primeira pessoa, alguns dias na vida do adolescente Holden Caulfield, que acaba de ser expulso da sua terceira escola bem às vésperas do natal, nos EUA do pós-guerra. Numa linguagem simultaneamente criativa e coloquial (o que dificulta a vida dos tradutores), Caulfield vai revelando, aos poucos, algo sobre o seu passado, sua família e seus conhecidos, ao mesmo tempo em que vagueia por New York pulando de uma encrenca para outra. E, para alguém entediado e deprimido como ele, nada melhor que uma encrenca para manter o interesse.

    O texto segue a linha joyceana do fluxo de consciência, com as frases jorrando aos borbotões como se saídas diretamente da cabeça do narrador, saltando de um assunto para o outro sem grande cerimônia, parecendo obra do acaso. (Na verdade, tudo isto é planejadíssimo, e existe até mesmo um capítulo no qual, sob uma sutil máscara, é discutido o papel das digressões na narrativa.) Em The Catcher in the Rye o fluxo de consciência funciona particularmente bem, pois permite expressar a instabilidade emocional do protagonista não somente no conteúdo da narrativa mas também em sua forma.

    Holden Caulfield é ao mesmo tempo o herói e o vilão da história. Vítima de si próprio e de sua sensibilidade ao que o cerca, divertidamente mentiroso, assumidamente covarde, parece buscar uma espécie de redenção ajudando desconhecidos e cultuando sua irmãzinha de dez anos. Mas o que realmente o incomoda é o vazio e a falsidade das pessoas, que por mais promissoras que pareçam sempre acabarão por se revelar como mais uma decepção. Isto não faz de The Catcher in the Rye exatamente uma leitura animadora, mas ainda assim existe algum resquício de inocência e ingenuidade infantil em Holden Caulfield, e também um humor (negro, é claro), que não deixam o livro afundar num poço de pessimismo e depressão.

    Texto gentilmente cedido pelo autor. Nemo Nox é editor do blog Por um Punhado de Pixels e do site Burburinho, onde este texto foi originalmente publicado.

    Comentário: Relógio angustiante / Ana Seffrin

    Salinger comanda a narrativa de maneira surpreendente. Holden é o típico garoto americano incomodado com a mesmice, a ignorância e principalmente a falsidade. O mundo lhe incomoda tanto quanto ele “incomoda” o mundo. De fato ele sempre precisa de uma encrenca para se sentir preenchido. Possui um vazio dentro de si, uma legítima angústia. O livro é simplesmente espetacular e com toda certeza, todos guardam um pedaço de Calfield dentro de sim. Um dos melhores livros que já li na vida

  183. ARTE FLAMEJANTE, FANTÁSTICA, EXÓTICA …

    – É quase impossível falar-se em “dança contemporanea”, na Europa, sem associar-se ao nome de Ismael Ivo – coreógrafo e bailarino de 49 anos, brasileiro, paulistano da periferia pobre e radicado na Alemanha desde 1985.

    – Poucos brasileiros sabem, por exemplo, que um dos maiores coreógrafos do mundo é, há bastante tempo, um afrobrasileiro chamado Ismael Ivo. Bailarino de vanguarda, que é considerado um marco na dança moderna por mesclar balé moderno com danças afrobrasileiras e o butô japones. Os brasileiros que sabem disso são os próprios coreógrafos ou estudantes de balé e os poucos apreciadores de dança artística – que podem pagar para assistir a um espetáculo.

    BRASILEIRO DIRIGE EVENTO DE DANÇA NA BIENAL DE VENEZA.
    Publicado em 27/04/2009 por Redação (Brasil Cultura)

    Um dos mais importantes eventos do mundo da dança escolheu como diretor um brasileiro ousado, capaz de abraçar ao mesmo tempo a burka islamica e a tanga indígena, para oferecer um amplo retrato do corpo nos dias de hoje.

    Na edição deste ano da Bienal de Veneza, intitulada Body Attack, o coreógrafo e dançarino Ismael Ivo quer dar diferentes amostras de como distintas culturas lidam com o corpo. O coreógrafo visa mostrar como o corpo pode ser um instrumento político, uma arma capaz de resistir à opressão.

    “O que acontece com o corpo? Por que em algumas sociedades ele é coberto, é reprimido?” – pergunta o coreógrafo brasileiro. As respostas devem ser dadas por artistas de 14 companhias de Cuba, Irã, Canadá, Itália, China, Japão, Estados Unidos e Costa do Marfim.

    A Bienal de Veneza é mais conhecida pela exposição de artes, mas também abriga teatro, música e dança.
    “A Bienal não é um supermercado de arte. Ela é um centro no qual voce respira arte e participa de novas visões artísticas. Foi isso que tentei fazer dentro do programa de dança. Quero fazer dela um espelho que reflita a linguagem do corpo na atualidade e a projete no futuro”, disse o coréografo.

    O evento é o único a ocorrer a céu aberto, às margens dos canais de Veneza, e promete ser um dos pontos altos do festival.

    Um dos espetáculos que promete ser dos mais contundentes do evento vem do Irã , Letters from Tentland foi concebido pela coréografa alemã Helena Waldmann e a dramaturga Susanne Vincez.

    Elas levaram para o palco seis bailarinas iranianas, que se movem dentro de tendas que revelam acontecimentos violentos. No espetáculo, as mulheres, nos dizeres de Ivo, se “despem” da sua religiosidade e “soltam os burros”.

    Na Bienal de Veneza, Ivo participou diretamente da criação das coreografias das companhias convidadas.
    Dessa maneira, conseguiu incluir na programação um grande número de espetáculos inéditos. “Antes que os coreógrafos começassem a realizar ensaios, fui até eles. Pesquisei e descobri artistas que estavam buscando algo novo e hoje nos unimos num trabalho conjunto. Estabelecemos um diálogo muito interessante”.

    Beijão a todos!
    Susan

    PS.: O Festival Internacional de Dança Contemporanea foi até 02 de julho.

  184. Ana Paula.

    Estou te lendo agora aqui no hotel.
    Narras das crianças que entraram com a Ana Botago ( é Ana não é ).
    Pois bem a Ana Luiza com três aninhos entrou vestida de morango ou parecida e eu na platéia quase estourando de emoção. Hoje a filha dela a minha neta mais antiga segue no caminho da dança. Coisa séria e de disciplina. São jovens selecionadas e já até premiadas.
    Enche-me de orgulho.
    Ela e suas amigas são exemplos a serem seguidos.
    Felizmente não são de guetos e nem gosmentas.
    Claro que fiquei puto da vida com o cara que tentou nos esnobar.Não gosto de ser rude com ninguém mas não levo desaforo para casa.A ultima vez que entrei desaforado na rua e chorando em casa o Gustão me abraçou e disse: -Moleque escute:
    -Volte, resolva teu problema e volte sorrindo.
    Voltei, encarei e voltei sorrindo. Com a boca sangrando, mas sorrindo.
    Portanto amor com amor se paga.
    E pedradas também.

    XXX

    Obrigado.
    🙂

  185. Cintia

    “Cíntia, obrigada pela acolhida.”

    Drica,

    You’re wellcome!

  186. Drica.
    Agrada -me ler teus comentários.

    Grandes ou curtos.

    Isto importa?

    Não.

    MASPRECISAVASCONTAROLIVROTODINHO?

    Não vou nem ler.

    Adorei o narrado e a economia que farei.

    Até tive uma ideia e vou começar agora a contar a respeito do power point que o Gerald não abriu.

    Aguarde que assim que terminar estarei enviando

    XXX

    Obrigado.

    Pacheco.
    😀

  187. “Compartilho com voces”, queridos colegas meus …

    Revista Raça Brasil

    Ismael Ivo – Raiz negra da dança contemporanea, ele evoca corpo em movimento, contorcionismo e beleza.
    Por Janaína César

    – Voce tem um trabalho muito forte ligado a Márcia Haydée; como foi que voces se conheceram?

    – Em 2002 voce apresentou o solo Mapplethorpe, uma homenagem a Robert Mapplethorpe. Por que?

    – Como voce recebeu o convite para ser curador da Dança de Veneza?

    – Qual foi a reação da direção da Bienal quando voce propos sua pesquisa corporal como tema da mostra?

    – Em Iluminata, a coreografia que voce criou para a abertura da Bienal passada falava, entre outras coisas, de morte, mas não é a primeira vez que voce usa esse argumento em uma montagem sua. Em Mapplethorpe era a simbologia para a libertação da alma.
    … “A morte sempre me encheu de curiosidade. Não como libertação da alma, mas como questionamento do corpo, é nisso que se centra o meu trabalho. O corpo e a utopia do corpo. O que é e que tipo de representação simbólica, social, existencial há. O meu trabalho, na realidade, tem inspiração puramente existencial”.

    – O tema da Bienal do próximo ano será o erotismo. Corpo, alma e ciencia e ano que vem eros. É o fim de uma trilogia?

    – O que voce pensa sobre a situação da dança no Brasil?

    – O Ari Candido dirigiu um documentário – O Rito de Ismael Ivo – sobre voce.

    – Um sonho na gaveta?

    – Ismael Ivo por ele mesmo.
    … “É esse bailarino afrobrasileiro que um dia resolveu acreditar que era possível e até hoje continua se surpreendendo com o resultado disso”.

    Entrevista (respostas! rs) estão em:
    http://racabrasil.uol.com.br/Edicoes/105/artigo36294-2.asp

    Beijão a todos!
    Susan

  188. Cintia

    O Marcio M tem verdadeira fascinação pela
    cabeleira do Gerald.
    Já reparei.
    Conversa vai, conversa vem… e de repente, pimba!
    ele tasca o cabelão do Gerald
    no meio da conversa!

  189. Drica

    “As pessoas estão sempre atrapalhando a vida da gente”.
    (Holden)

    Merece umas considerações a mais.

    O ser humano é um animal social. Mas também político, conforme Aristóteles, o que implica interesses, conflito e identidade. Nesse sentido, quando constituímos nossas identidades ao longo dos cotidianos (e o plural aqui é válido), constituímos um sistema de gostos e desgostos – coisas e pessoas que apreciamos e as que repudiamos. Cada pessoa tem o seu próprio sistema e, assim, cada pessoa diferencia-se das outras todas. Mas a diplomacia social nos faz con-viver (viver com) as diferenças dos outros e evitamos o rompimento pela dor moral que ele nos traria. A personagem do livro não estava imune à isso. Por ser uma narração em primeira pessoa, o desabafo é, na verdade, intimista e não significa um diálogo público. De fato, vivemos pensando coisas sobre outras pessoas as quais não poderíamos nem teríamos a coragem de dizer em público, mesmo à amigos próximos ou ao padre do confessionário.

    Sim, Durkheim estava certo ao dizer que precisamos organicamente dos outros. Mas há o elemento interessado mesmo dentro da moral. Não rompemos a diplomacia social com as pessoas que “vivem atrapalhando a vida da gente” para evitar abalos maiores em nossa forma cotidiana de lidar com a vida.

    Tags: cotidiano, O apanhador no campo de centeio, vida em sociedade

    Essa entrada foi postada em Fevereiro 28, 2008 às 6:34 pm sob a(s) categoria(s) Teoria Social
    Site: Tempos Pós-Modernos

  190. VALE A PENA LER TUDO.

    Narrativa do Power point que o Gerald disse que não abria.

    E se abriu depois não sei.

    Dois irmãos estão jogando bola de gude.
    O menor o Julio diz:
    -Irmão eu te amo.
    Distraído o irmão nem liga e responde:
    -Cala a boca e preste atenção no jogo. È tua a jogada.
    A noite o pai o senhor Jacó chega a casa cheio de problemas.
    Julio se aproxima e diz:
    -Pai eu te amo.
    -Ora menino! Estou cheio de problemas agora. Falamos depois.
    Julio vai para o quarto e fica em um canto chorando sozinho.
    A mãe entra e pergunta:
    -O que foi meu querido?
    -Mãe eu te amo.
    A mãe o abraça e diz:
    -T te amo querido e sempre brincarei contigo.
    Julio vai para a cama.
    De noite levanta e fica olhando o irmão que desperta;
    -Irmão eu te amo.
    -Que merda Julio vai dormir.
    Julio entra no quarto do pai que percebe a presença.
    -Pai eu te amo.
    -Moleque já para a cama! Endoidou? Já é bem tarde.
    Passa a noite fria.
    Ao amanhecer seu Jacó nota a falta de Julio para o café da manhã
    Sobe e entra no quarto. Levanta a coberta e encontra Julio mudo e pálido sem respirar. Jacó grita e os demais sobem. Julio estava morto. Em suas mãos crispadas um bilhete por Julio escrito.
    -Tive um sonho com Jesus dizendo que eu teria de ir para o céu e que deveria me despedir.
    Mãe. Obrigada. Sempre te amarei
    Papai e irmão amo vocês dois também.

    Fim

    E eu que estou chorando digo que amo todos vocês.
    Aproveite e diga o mesmo a quem esta ao teu lado ou telefone para teus amigos e diga.

    EU TE AMO.

    É isto mais ou menos que há no PPS que eu mandei para o Gerald e para outros amigos.
    Obrigado.

    Drica ai está.Não exatamente como no PPS.

    Mas tem o mesmo conteudo.

    Obrigado.

    Pacheco.

    😉

  191. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 19:22 Enviado por: Antonio Moraes

    Antonio
    Qual a tua avaliação do show de Bob Dylan?
    Reinaldo

  192. Baby não com sigo ligar pra você!Bjs boa noite 😉

  193. Boa noite a todos e muito obrigado por mais este dia.

    Fiquem com ELE.

    ELE já esta com nós.

    Vou para a ………………..L————————i dormir ou rolar ?

    Eu disse rolar .
    Eu não disse ralar.

    Baby durma com os anjos. XXX x au au 😀

    Os demais tambèm. 😉

    Inté manhã proceis tudim

    A VIDA É BELA OU NÃO É ?

  194. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 09:50 Enviado por: Sandra

    “Gerald, a morte é um assunto do qual fugimos.”

    “fugimos” = tu e o Gerald?

    Eu não fujo, falo a respeito na boa.
    Reinaldo

  195. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 14:53 Enviado por: targinosilva

    “A dança tem que ter uma relação com o compasso
    da musica, senão, não existe, o que diria a Ezir,
    a semiótica.”

    Targino
    Embora não concorde com a tua opinião, não vejo ofensa nesse teu comentário.
    Pode-se dançar sem música, basta dançar. Não falo em bailes.
    Mímica conota expressão de mensagens codificadas.
    Reinaldo

  196. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 14:11 Enviado por: gthomas

    Não posso mesmo, sorry.

  197. gthomas

    Mais uma vez, peco desculpa na demora da liberacao dos comentarios. Mais uma vez pareco estar agindo sozinho aqui.

    Nao sei o que esta havendo.

    Mas garanto que nao ira continuar assim

  198. Sandra

    Boa noite!

    Reinaldo, então acho que você não a conhece muito bem.

  199. Sandra

    Gerald, tudo bem se o blog ficar um tempo sem moderação. Todos fazem isso.

  200. Drica

    Cíntia, Gracias!

    Mrs. Pacheco, até que enfim, vc me ouviu(digo, leu).
    “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”

    Amanhã seria meu último dia aqui, voltaria as atividades normais, mas as aulas foram adiadas para dia 17/08, snif…snif…, por isso, até amanhã.

    Boa noite!
    Bom trabalho, Gthomas!

  201. Sandra

    Márcio M, e o que isso importa?

  202. Tene Cheba.

    A esbeltez do corpo, tal como a arte esculpida ou pintada revela nossas alienações, melhor, a necessidade desta. O contrário do racionalismo seria a capacidade de captar a arte, de abstrair e importar daquela visão que lhe faz bem ou mal? Não sei, de fato não sei mesmo, ao ler os comentários de participantes desse Blog, com mais acesso ao mundo das Peças, das artes, e, discorrerem sobre estes temas tão elegantemente, fico imaginando o que de fato é lógico nesse Universo, que não é estéril, mas muito pueril, muito escasso, pobre e sem espelhos. Digo, dentro da escola do pensamento humano, quando os gênios, não conseguem entender a nossa singularidade, sempre abismados ante o estranho belo, sempre vorazes com seu criador. Mas, tudo é quase tudo, e o pouco que falta para esta entera, se dilata perpetuamente. A morte, esta incongruência ou tortura, sob o estado permanente da lucidez, alterando os nossos sensos, percepções, nos motivando a chorar, e de maneira generosa esparramando todos os frutos colhidos.
    Sendo simples, entendo que sou mínimo, sendo mínimo, entendo que sou frágil, sendo frágil, necessito da fé, necessito das interações internas, em mim, perante os murros que me dou todos os dias.
    É isso aí.

  203. Sandra

    Merce Cunningham tinha muita coragem. Pudemos ver que, até hoje, século XXI, as pessoas são julgadas pela sua sexualidade, e pela profissão.

  204. Sandra

    Beijos em todos! Saindo!

  205. Marcio M . a foto dos rapazes está no G-diet . tem post novo lá .

    ezir comentou . ezir tô te usando .

    parabéns a todos : 1000 visitas até hj .

    parece pouco ? é para poucos , mesmo .

    obrigado gerald , por todo o apoio e inspiração .

  206. Baby!boa noite também meu amor durma com os anjos
    Amo-te mais que tudo amor da minha vida 🙂

  207. ezir

    Dear CLÁUDIO, babbino caro!!! 1.000 visitas lá na sua E-ZINE???

    Congratulations, MI CARRIIISSSSIMOOOO EDITOR E-ZINE de BLOG PARALELO!!! …pensei agora a pouco: óTIMO , vc MOSTRAR os COMENTÁRIOS não como “CAIXA TÉCNICA ” a parte,mas EXCIBI-LOS como COMENTÁRIOS DE ARTE também. É O MÁXIMO tudo isso C A CARA de nossa TRADIÇÃO GERALDTHOMASIANA SEMIÓTICA ÍCONICA-ORQUESTRAL!!! Ezir

  208. ezir

    SANDRA, se não me informassem…vi UMA FOTO dele JOVEM lá no G-DIET em q ELE ganhou um prêmio, e fora considerado O HOMEM mais lindo da dança. Super VOZ, como a de nosso Gerald THOMAS. Um homem c ESCOLHAS AUTÊNTICAS de como VIVER a VIDA e ser O EPÍTOME de um NOVO LUGAR p a DANÇA, p além do LUGAR CLÁSSICO CONVENCIONAL ( o FÍSICO) : os PLANOS do AR INVISÍVEL . mas TÁTIL. ezir

  209. ezir

    cláudio,

    bing e google+ fuçafuça+indianajones. ezir

  210. ezir

    Mr. Gerald THOMAS, deu p notar q há 1 certo equilíbrio entre a monitoração de postagens E o período de STAND-BY…ou descansar mesmo-STOP.imagino! Espero q tudo se ajeite. Ezir

  211. ezir

    DRICA, estou em regime de palavras, mas “CATCHER IN THE RYE” foi um de meus 1ºs livros no curso DE LITERATURA E LÍNGUAS INGLESAS na PUC-SP.

    Ele foi considerado o LIVRO SIMBÓLICO dos JOVENS AMERICANOS CANSADOS do ESTILO de VIDA AMERICANO ou “american WAY of LIFE”.

    Mr. SALINGER ficou famoso pq ABOLIU a frase NARRATIVA COMPLETA, e criou o estilo frases curtíssimas OU mal-terminadas OU cortadas NO MEIO . Espelhava OS SINTOMAS de tédio do personagem-jovem símbolo da juventude ENRAIVECIDA OU INSATISFEITA c a VIDA de consumo , e as perspectivas curtas, ou o futuro PENTECOSTAL das famílias americanas. Ex. Johnny CASH, JERRY LEE LEWIS, e Elvis PRESLEY.

    FOI A BÍBLIA da JUVENTUDE NOVA ou CONTRA-CULTURA REBELDE e de BOCA-SUJA, de PALAVRÕES ou estilo “DESPACHADÃO ” de ser DOS ADOLESCENTES filho-da-mamãe e papai q começa A PENSAR o quanto A SOCIEDADE BEM-VESTIDA e EQUIPADA era HIPÓCRITA , e cheia de EXCESSOS ( comer sandwiches demasiado , e ficar gordoooo, muita TELEVISÃO e TÉDIO, VIDA FÚTIL; REGIMES P EMAGRECER, o remédios milagrosos, moralismos etc. ).

    lí naquela época , mas não consegui gostar, li muito mal, pq ele é grande, e A LINGUAGEM parecida c a DE “OS AMANTES” de D.w LAWRENCE ( q ANAIS , escritora ÚNICA, E ADMIRADORA do GROSSO mas AUTÊNTICO e SENSUAL “Henry MILLER”, ela RESENHOU muito E ADORAVA D.w.Lawrence ).

    j.C.SALINGER é o Lawrence da AMÉRICA, a LITERATURA mais PRÓXIMA dos ADOLESCENTES DOS anos 50. Então, O USO nas escolas e colégios…É um gênero de narrativa subjetiva MODERNA e q pode fluir .

    E u, com meus 19 aninhos, preferia LER mais OS CONTOS. Mas, li um dos LIVROS de cabeceira – ACHO Q foi DE MR. Gerald THOMAS , q o CITOU muito AQUI NO BLOG – INTEIRO ” 1984″.

    q parei no meio, por causa DA GROSSERIA de RETRAÇÃO da lin guagem daqueles HOMENS das MINAS no interior da INGLATERRA. “Catcher in the RYE” foi daqueles livros q vc se sente forçado a LER pq TODO MUNDO te indica…

    Como nosso MESTRE DA MÚSICA NOVA , J. CAGE diz NA ENTREVISTA c os TRÊS , a Sra. NOVELSON – PULSÃO DE VIDA pura , FALA ORGÂNICA comemorando c OS DOIS – ” NOSSO TRABALHO é para ACABAR com a OPRESSÃO que existe ENTRE OS PRÓPRIOS ARTISTAS”. E , os livros TÊM q SER INDICADOS E FORÇADOS , ÀS VEZES , sim !!! Mas, ENSINADOS , monitorados…ACOMPANHADOS na leitura com UM LEITOR E LEITORA PROFESSORA instruidos , MAS SENSÍVEIS, DEDICADOS…tranquilossss…e CONSTANTES, PACIENTES…!

    Boa NOITE , Drica! Ezir

  212. targinosilva

    Ha alguns anos atrás eu assistia festivais de balé,
    conduzido por um amigo, cuja filha era bailarina.
    Uma coisa me saltava aos olhos:
    quando uma jovem bailarina rodopiava e fazia
    uma coreografia arriscada, era aplaudida,
    Alguns gritavam: bravo!!! bravo!!!.
    Quando os meninos, mestres salas dos mares,
    emprestavam as suas forças para rodopiar, no alto,
    as bailarinas não eram aplaudidos com o mesmo entusiasmo.
    Eu via, nisso, um preconceito velado, contra os meninos bailarinos.

  213. Cintia

    Bem, como já deve ter dado pra perceber, estou sem saber o que falar sobre o Merce, pq não o conhecia, assim como a Pina, e só agora tive essa oportunidade de conhecer o trabalho de ambos.
    Mas! Me lembrei de um coreógrafo brasileiro por quem tenho muita simpatia! : Ivaldo Bertazzo.
    Encontrei algumas coisinhas que coloco abaixo.

    beijos! e boa noite a todos.

    “Ao contrário da maioria dos coreógrafos do primeiro time – de Rodrigo Pederneiras, do grupo Corpo, à carioca Deborah Colker –, Bertazzo consegue destaque mesmo sem estar à frente de uma companhia organizada. Qual a chave para se manter sob os holofotes? Trata-se de um profissional talentoso, sem dúvida. Mas seu segredo reside no jeito peculiar como aliou a atividade de coreógrafo à de professor: um lado alimenta o outro. Bertazzo é o representante no Brasil de um método de terapia corporal desenvolvido nos anos 70 por uma pesquisadora belga. Somando a essa base européia elementos de danças étnicas e outras influências, criou um método didático reverenciado. Com seu jeitão teatral e irreverente, conquistou uma legião de fãs e fez amigos valiosos. “O Ivaldo sempre aproveitou o carisma para comercializar bem seu trabalho”, diz a crítica de dança Suzana Braga. “Como ele dá aula para a nata da sociedade, os contatos ajudam na hora de brigar por patrocínio”, opina o ator Raul Barretto, seu ex-colaborador.”

    “*Como teve início a idéia de levar a dança para comunidades de baixa renda?

    I.B. – Eu tenho uma escola há 33 anos que trabalha o corpo de uma classe privilegiada financeiramente. O corpo da periferia eu não conhecia, não sabia como levá-lo a níveis de erudição gestual, não sabia que dificuldades iria encontrar. Essa curiosidade me motivou. Tive de trabalhar com o concreto, com a forma e criei o Cidadão Dançante.

    *O que significa o Cidadão Dançante?

    I.B. – O Cidadão Dançante mostra que o corpo é ferramenta de comunicação e que não pode ser ignorado. Precisamos do corpo para o trabalho, de qualquer tipo. Mesmo sentado em uma cadeira de escritório, você precisa do corpo, de uma postura adequada. Artisticamente, o conceito de Cidadão Dançante traz níveis expressivos diferentes do que estamos habituados a ver. O público paga para assistir uma pessoa que é igual a ele, que investiu meses em uma qualidade expressiva.

    *O senhor criou uma metodologia diferenciada que prega a consciência dos movimentos. O quanto a consciência corporal pode trazer autonomia, elevação da auto-estima e fortalecimento da identidade, principalmente no caso de jovens de baixa renda?

    I.B. – Os resultados de um trabalho como esse são muito demorados. Porém, é perceptível que o corpo passa a ser tratado com um pouco mais de dignidade e deixa de ser apenas um objeto de consumo. Os princípios que iniciei foram os da organização motora e o primeiro passo foi mudar o comportamento de abandono e soltura pejorativa do corpo.

    *Como se deu a interação desses jovens com os outros bailarinos?

    I.B. – Foi muito produtivo. Ter corpos de classes sociais diferente em confronto impulsiona a compreensão de como cada classe resolve o movimento. Uma menina que faz balé desde cedo, que tem imensa facilidade de articular o corpo, se confronta com outra, da periferia, que parece feita de metal, porque no começo ela é dura, mas é mais forte. O encontro de distintas classes e corpos traz novas linguagens para o futuro das artes cênicas. Ainda estamos plantando essas idéias, mas é certo que não se pode ter pessoas somente de uma classe social no trabalho artístico. A reação dos participantes, a princípio, é de curiosidade, de encantamento, o que permite experiências do tipo ‘eu resolvi o movimento desse jeito, mas olha que interessante como o outro está fazendo, que resulta na mesma coisa, mas por outros caminhos’.

    *O senhor trabalhou com jovens, no Complexo da Maré, RJ, por três anos. Como foi a recepção deles e qual o resultado desse projeto?

    I.B. – Como com qualquer pessoa, lá eu tive de começar com o mais fácil. Deitar no chão, organizar a estrutura do corpo, arrumar a postura, fazer coisas interiorizadas. No início, eles tinham muito desconforto, ficavam irritados, porque eles queriam movimentar-se. Mas, no começo, é necessário passar por situações e conflitos com a sua capacidade de organização e interiorização até alcançar a alquimia.”

  214. ezir

    DRICA,

    O parágrado ” q parei…” SE LIGA ao:”…ela -Anais- resenhou muito e adorava D.W.Lawrence”. ezir

  215. ezir

    TENE CHEBA ,

    para falar da MOR-TE , prefiro falar da VIDA. E hoje, ao assistir ao VIDEO da Sra. NOVELSON c CAGE e CUNNINGHAN e ele dizendo , SE COLOCANDO da forma mais orgânica compassada, ritmo pp sobre o que significava p ela ESTAR ALI DIANTE DE 2 MESTRES DAS ARTES …mais q ESTIMULADA ela SE SENTIA APRECIANDO…e ela diz TANTAS BELEZAS sobre TERMOS CONSCIÊNCIA ‘AWARENESS ” de nossa VIDA , da VIDA em NÓS, tudo q fazemos sendo DE 1 VALOR tal Q SE TRADUZ na VIDA , na semente constante de nossa VIDA , centro de TUDO… q estou pensando em transcrever e PUBLICAR aqui.
    À moda de MR. G.THOMAS e PACHECO e VAMP : “LIEBSTOD” para NÓS! Ezir

  216. Sandra

    Voltando.
    Targino, vi apresentações de balé onde meninos eram uma raridade. As plateias tinham por eles uma grande simpatia, como têm pelas meninas que solam nas artes marciais. Mas já vi muita mãe afastar os meninos de apresentações de balé dizendo: Deus me livre! Já pensou se ele quiser praticar?
    Por que pessoas que aplaudem essa iniciativa em outras crianças têm medo quando são seus filhos que optam por fazer algo fora do padrão? E, curiosamente, as mães fazem isso mais que os pais.

    O curioso é que minha filha já conversou com muitos pais, protegendo o direito de escolha dos amigos. Ela não entende porque uma menina pode fazer judô e um menino não pode fazer balé. O mundo das meninas e dos meninos é separado. Na minha época, achava-se que isso era imposição cultural. Mas acho que as crianças se incomodam quando essa separação é imposta.

  217. Sandra

    Beijos em todos!
    Noite!

  218. ezir

    Mr. Gerald Thomas, agora , o Sr. está menos (-) 2 horas c nosso fuso horário. Como em ZURIQUE , tudo ia mais rápido, agora o Sr. tem + TEMPO q nós…imagino q seja bem legal: 26 horas NUM DIA!!!WOWWW!!! Boa noite p o Sr. Quero conhecer + o MESTRE M.CUNNINGHAN. ezir

  219. Tene Cheba.

    O meu Pai, tinha uma estranha obsessão pelo pão, a noite sempre passava pela padaria e comprava dois pães, o atendente partia os pães em dois, embrulhava e os amarrava, tinha que ser assim, o Velho exigia. As vezes, meu Pai pedia que fosse no seu serviço, ir para lá até que era legal, ficava com meus Manos mais velhos, a gente brincava, brigava, encarnava, era legal, depois, mais cedo eu vinha com o Velho, e, sempre parava naquela padaria, vez ou outra seu coração sorria para mim e pintava um docinho, bombocado e queijadinha, ah, tinha o sonho, e este pesava, quando pinta, jantar era um tormento, cheio de arengas nos meus ouvidos. Tempo que jaz, tempo morto, finito que parecia infinito, o antes que virou outrora, os trens, os ônibus, e, toda aquela arquitetura que jamais terão os mesmos traços. Foi-se.Tic-tac, tic-tac, tic-tac, …,oo.

  220. S u e

    Boa Noite!!!
    Noite linda….apesar da chuvinha fina de verao !! Mas muito LINDA muito linda a noite!!!
    >>>>>

    Lendo os comentarios …nossa essa foto…*Danca com cadeira….
    Muito *LESGAL* …lesgal (legal) mesmo !!!

    Os videos do G Diet estao otimos…parabens menino Claudio !!!

    ******************

    Ezir….

    O fuso horario agora de NYC para Brasil (Sul , suldeste , nordeste , central oeste) …nessa epoca do ano eh de apenas uma hora para tras.(Aqui NYC 11:06pm – BRA 12:06am)….
    Pois estamos com HORARIO DE VERAO…

  221. S u e

    Sandrinha,

    Minha filhota faz *Top Dance* (Sapateado) , desde os 3anos, …, e na turma dela sempre sao tipo 7 , 8 meninas , para no maximo 3meninos….No Jazz menino eh mais raro…
    Uma pena mesmo !!! ..mas acho que esse *pre-conceito (preconceito) e dos pois , pois na turma de adultos o numero de homens e mulheres sao bem parecidos !!!

  222. Cintia – 22.39hs.

    Voce não “dançou”, não (rs) – muitíssimo pelo contrário! “Brigadão”, garota, por mencionar as “cositas” do trabalho do Ivaldo Bertazzo – que muita gente desconhece´também, não é mesmo?

    Beijão pra ti (ops, isso me parece “gauchês” …)
    Beijão pra ti, Reinaldo – o “gaudério” (rs)
    ________________________________

    O mundo da dança …
    Robert Altman “dançou feio” por causa desse filme …

    Título original: The Company (2003)
    Título em portugues: De corpo e alma
    Tema: companhia de ballet e seus bastidores

    UM ALTMAN INCOMPREENDIDO E APAIXONANTE.
    Por João Marcelo F. de Mathos
    09/06/2004

    http://www.criticos.com.br/new/artigos/critica_interna.asp?secoes=&artigo=666

  223. Um alemão e o outro “meio” judeu (!!!???)): o “Mestre” e seu discipulo, a amizade, a profissão; a pátria, a guerra …

    Do filme “Copenhagen”

    Este filme brilhante (2002) retratado em 1941, delinea a relação entre Niels Bohr, único físico alemão detentor do acelerador de partículas e dos domínios da fissão nuclear e Werner Heisenberg, premio Nobel de Física pela criação da Mecanica Quantica e autor do “Principio da Incerteza”. Ambos foram grandes amigos afastados pela guerra. Num discurso intimista e profundo, o filme transcreve um diálogo singular sem fugir à estrutura sóbria característica dos personagens. A seguir, alguns trechos de tais diálogos:

    – Quando da visita de Heisenberg a Bohr, este observa que quando há mágoas antigas, o presente se dissolve no passado e, numa conversa entre 3 pessoas, um se ausenta pois que não vê a si mesmo, não percebe sua pessoa inserida no contexto, restringindo a conversa entre dois sòmente.

    – No momento em que Heisenberg analisa a relação harmoniosa entre Bohr e sua esposa Margrethe, Bohr põe-se a refletir: “1 + 1 pode resultar em diversas somas. A matemática adquire um aspecto curioso quando aplicada às pessoas”, e responde: – “Porque não sou a soma mas a metade de 2”.

    – “Algumas coisas apenas pensamos, pois não há nada a dizer. A paisagem muda de aspecto à cada esquina da escuridão humana, onde só estão os rostos de nossa infancia”.

    – Da reação em cadeia: “Uma verdade dolorosa leva à duas outras. Algumas obrigações são irreconciliáveis”.

    – Da falsidade: “Os sorrisos hostis são sorrisos que não nos pertencem”.

    – Sobre a bomba atomica: – “Quando nossos filhos se deitarem sobre o pó que levantamos, não haverá mais a incerteza, porque não haverá decisão. Nada restará”.

    BOM DIA!!!
    Susan

    PS.: Não sei exatamente porque me lembrei desse filme – devo estar sonada, sonhando, sei lá ,.. (rs)

  224. Pina, Merce Cunning eram a alegria de muita gente; hoje estão num outro contexto, não é verdade? “Viverão” eternamente na memória de seus familiares, amigos, admiradores …

    Nosso “LOCUTOR DAS DIRETAS-JÁ” … Completa 60 anos de idade e “vive” num outro contexto, percebem a diferença? Tudo indica que não se lembre nem dele mesmo … Mas nós nos lembramos! Nos lembraremos ainda por muito tempo …

    BOM DIA!!! Tenhamos todos excelente dia, “né” mesmo, minha gente amiga? Tchau, tchau!

    Susan

  225. Reinaldo Pedroso

    Pergunta de uma ovelha: “- Ide e pregai minhas palavras!” Quem deve fazer isto?

    Resposta do pastor de ovelhas: – Sou da opinião que todo cristão tem que saber pregar, porque Jesus ordenou.

    Ruído na comunicação dá nisto, pregaram-no.
    Reinaldo

  226. S u e

    Boa Noite…
    Fico por aqui nessa noite *solitaria*…

    See you….

    Magnifico BONS sonhos….

    Galera…amanha…novo dia !!!

  227. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 21:33 Enviado por: claudio diet

    “parabéns a todos : 1000 visitas até hj .
    parece pouco ? é para poucos , mesmo .”

    claudio
    Para que eu não entenda errado pela terceira vez – incluído o teu e-mail – poderias clarificar isso?
    Reinaldo

  228. u e

    ….alias lendo tantas noticias ,…, enfim…tantas perdas…perdas de talentos, pessoas amigas , perca de *econinia*…perca de tido….fico pensando hoje 30.Julho.2009,,,ja se passou 7meses…um ano que prometia mudancas consideraveis…Eh elas vieram ,.., nao na forma que gostaria,…(so coisas boas e produtivas)…mas vieram !!!
    Quem imaginou ….nimguem !!
    Pois eh,…, verao esta acabando (termina dia 7.Sep – No Labor Day)..as aulas recomecam (ano letivo)….e TUDO DE NOVO , nada novo !!!….Ai vem Thanksgiving , Natal, Ano Novo….enfim !!

    Obrigada a todos pela cia !!!

    Alias esse ano acho que as *tristezas* estao batendo o record ,.., record de *grandes* acidentes de aviao,.., mortes de pessoas queridas,..,…perda de tempo ,.., tempo mal aproveitado !!!

    Hei !! Parem a *terra* quero *descer* ,…, estou cansada de remar , remar e chegar a lugal algum…(ou seria Lugar Nenhum)

  229. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 21:05 Enviado por: Sandra

    “Reinaldo, então acho que você não a conhece muito bem.”

    A morte?
    Pessoalmente, não.

  230. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 14:55 Enviado por: Marcio M

    “Vejo que o tema de hoje é dança & homosexualidade (sim, porque Merce era gay).”

    O tema é dança, Cunninghan. Poderia ser também homossexualidade.

    “Nos anos 90 eu vi uma peça, acho até que era dirigida por Gerald Thomas, na PUC de São Paulo, na qual todos os atores terminavam a peça no maior SAMBA, lembro-me de ver sambando Ney Latorraca, Fernanda Torrres e outros. Se não me falha a memória, Gerald Thomas entrava no final para receber os aplausos juntos com os demais atores. Ele ficava bem na ponta, jamais no meio.”

    Impressionante…

    “Nesse mesmo anos 90, quem cruzasse a praça Roosevelt em São Paulo lá pelas oito horas da noite do domingo certamente observaria uma grande reunião de rapazes – somente rapazes – que lá ficavam a conversar. Sei lá como chamar isso, mas era algo certamente gay. Juro por Deus que uma vez vi o Gerald Thomas com seu cabelão lá no meio da garotada.”

    Chocante…

    Marcio, a tua mãe pode ser uma santa, mas tu és um fdp.
    Reinaldo Gaudério

  231. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 15:26 Enviado por: Ana Paula

    “Marcio M,
    Contanto que todos eles tenham mais de dezoito anos, sem problemas.”

    Ana
    Sobre os rapazes de domingo na Praça Roosevelt?
    Não existe idade legal para orientação sexual, te referes a prostituição.
    Reinaldo

  232. S u e

    Em Tempo…

    Para quem ainda nao viu…vale MUITO a pena , ver os novos videos do Gerald Thomas…nossa rrepia …emociona nos videos , imagina isso tudo ao vivo !!!

    Muito muito bom…uma terapia maravilhosa !!!’

    Boa Noite (USA) ,

    Bom dia (Brasil…)

    Beijos

    http://www.geraldthomas.com

  233. Reinaldo Pedroso

    30/07/2009 – 04:20 Enviado por: Reinaldo Pedroso

    Pedofilia, não. O Marcio observou bem, eram rapazes.
    Reinaldo

  234. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 20:26 Enviado por: Reinaldo Pedroso

    Blues Etílicos…?

  235. Reinaldo Pedroso

    30/07/2009 – 04:37 Enviado por: Reinaldo Pedroso

    Drogas, além do Marcio?

  236. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 21:05 Enviado por: Sandra

    O que me preocupa na morte são as ciorcunstâncias.

  237. Reinaldo Pedroso

    29/07/2009 – 21:05 Enviado por: Sandra

    Um orgasmo fulminante seria legal.

  238. bom dia todos

    ezir , a transcrição do video será muito bem-vinda . o video tem sua importancia histórica e acho que muitos se interessariam em conhecer o pensamento dos artistas daquele perídodo , os esquisitos anos 70 .

    cintia , “os meninos da rua paulo” é um ícone literário . eu me emocionei quando li , aos 14 anos , acho , e ontem , apenas em procurar a melhor imagem para minha a associação de ideias no G-diet . bom , eu sou menino e acredito que as meninas precisam abstrair um pouco mais para entender e gostar do livro .

    pedroso , como vc pega no meu pé ! e como vc Não compreende meu digamos “estilo”. não quero polemizar mais neste blog , promessa , mas vc me instiga . quanto ao ” G-diet para poucos ” : é apenas uma expressão . quer dizer que eu não estou preocupado com QUANTIDADE , mas com QUALIDADE . (e vc ainda me obriga a citar clichês … ) .

    30 de julho . mais um golpe na escrota elite paulistana . mais uma loja chique tania bulhões alvo da polícia . continuo achando que as grandes organizações criminosas do país não são ‘comando vermelho’ ou ‘pcc’ . chamam-se fiesp e febraban .

  239. Ana Paula

    Bom dia pessoALL,

    Ainda sobre dança, em um âmbito que eu posso me colocar pois perdoem a ignorância, mas estou conhecendo por aqui e agora grandes artistas. Fora do circuito Rio-Sampa, fica difícil.

    Alguém se lembra do barulho dos passos do MJ (e seus dançarinos) nos clipes? Aquilo era bom demais. Não suprimir o som que faz o movimento dos corpos deu uma nova perspectiva sobre a dança filmada e coreografada do pop. Tudo de bom.

    A dança e a energia! Quantos sons…

    Abraços.

  240. Ana Paula

    Reinaldo (04:20),

    Você me interpretou com preguiça.

    “Não existe idade legal para orientação sexual, te referes a prostituição.”

    O assunto não era homossexualidade. O contexto foi manipulado. O comentário invejoso. O cara quer de qualquer jeito o status de esqueleto no armário. O que eu fiz foi dar uma resposta que a cabeça de merda dele entendesse, algo como: se o seu problema é esse, então é problema SEU.

    Abraços.

  241. Fulgêncio Jr.

    Ô Comissário do Polvo, para com isso né?
    Elite eu?
    Quanto AO FRANÇOIS me desculpe (até pensei nisso,
    tem aquela atriz Françoise Fourton, mas deixa pra lá)
    é que esses nomes europeus têm uns peguinhas, mesmo
    sabendo eu que um certo Fulgêncio à muito tempo atras
    veio daquelas bandas (sul da Itália), tem até um São Fulgêncio por lá.
    Quero ver confundir é o meu.

  242. O Vampiro de Curitiba

    Bom dia, pessoal!

    O meu último texto terminava com a frase:

    “Lula, esse semideus criado pela Imprensa, também tem muito dela. Cuidado, B(r)asil! Dorian vai lhe enfiar uma faca na cabeça!”

    Pois é! Quem levou a facada na cabeça (ou nas costas) fui eu. A partir de hoje não escrevo ou comento no blog do Gerald. Por enquanto fico apenas na revisão e moderação. Quem sabe daqui um tempo eu aprenda a escrever sobre alta costura ou sobre culinária.

    Beijos!

  243. Azul

    …..
    Ops !! Vamp…
    **Nao se va…nao abondone o blog por favor , pois sem voce vamos sentir muitas saudades!! **

    Espero que coracao que nao seja *nenhum* Stress muito grave….
    …..estarei na torcida para tudo *acabar* bem….

    Bom dia…..

  244. Ana Paula

    Vamp,

    Se você fizer isso eu vou mandar devolver o livro do Dalton que eu comprei nas Americanas.com. Sério mesmo.
    Não faz isso comigo não! Não faz isso com a gente não!
    Sugestões:
    1 – Endurecer a moderação quando o assunto for política: se aparecer capeta babando de ódio, nem passa;
    2 – Peça a outra pessoa que modere para você, vai reduzir bastante o seu stress;
    3 – Manda um “vai se fuder” sempre que quiser; verbalizar liberta!

    😦

  245. Ana Paula

    ERRATA-NON-ERRATA:

    Vamp,

    É “vai se fuder” e não “vá se foder” mesmo, você não leu errado.

  246. Glorinha

    Vampirinho….
    chateamos você com alguma coisa Vamp?
    se foi isso mil desculpas!
    [[]]

  247. Glorinha

    Ana Paula…

    [[]]abraços procê!

  248. Glorinha

    Me apague Vamp…

    mas Vamp, será que vc pode me enviar um e-mail?

    não conheço outro vampirinho e se conhecesse não seria como você…
    não deixe ninguem te morder…. e se morderam, tem cura…

    [[]]

  249. ezir

    BOM DIA , comunidadeee!!!…hoje acordei assistindo “nowhere MAN” , lá no UOL…e aquela música “je T´AIME, MON AMOUR”…

    Cláudio, VOU TRANSCREVER aquelas IMPRESSÕES E pontos de vista da SRA. “NEVELSON” sobre seus 2 amigos JOHN CAGE e MERCE CUNNINGHAN…porque ela FALA nesse PONTO DA PULSÃO de VIDA – e não de MORTE LACANIANA – e …de todos os ensinamentos q pratico sobre esse LUGAR-ÍCONE-vida-FRUIÇÃO e não A LÓGICA CARTESIANA-SERIALISTA COMPULSIVA. Lugar de NOSSA ALMA…de ONDE nós nunca DEVEMOS sair…e de ONDE podemos VER e atuar c TODAS AS FORÇAS …mesmo as CONTRÁRIAS…e NOS SENTIR + regeneradas (os) BEM de DENTRO p FORA …mm q O FORA chegue tentando “passar por cima”…Deste LUGAR-VIDA …NADA nos SOBRE-LEVA pq em si nossa PULSÃO ensina a RETORNAR e RESPEITAR…AMAR e des-ARMAR…e T-U-D-O passa , flui, se des-vela…desenvolve …re-solve…nos rea-liza…sem TENSÕES OPRESSORAS…somente A EX-TENSÃO dos MOVIMENTOS…e de nossas AÇÕES de CRIAÇÃO dia-a-dia…em continuums os + ECCÊNTRICOS e inex-pectáveis §§§§§§§ na horizontal = INFINITAS SERENIDADES e ATOS de PAIXÃO e DESEJO para todos VOCÊS…!!! Ezir
    …especialmente à nosso Mr. Gerald THOMAS e ao TRIO-tocador de toda ESTA PARAFERNÁLIA que é 1 BLOG-DIÁRIO-OBJETIVISTA-OBRA ABERTA-FÃ CLUBISTA TEATRAL …ushii! …Acho q consegui cobrir a idéia deste BLOG GERALDTHOMASIÂNICO…então. Bom dia de INVERNO p nós….e DE VERÃO …ao nosso Mestre de “nowhere MAN” e “mATOGROSSO” …e …LÁ no UOL tem muita PEÇA desde o INÍCIO da CARREIRA de nosso Mr. Gerald THOMAS:…..

    É Teatro de WEIMAR umas tantas vezes, e turnê e ÓPERAS pra lá e pra cá…apresentações durante o ano inteiro,…viagens c as TROUPES…especialmente a CIA de ÓPERA SECA …agora 2009 dirigida pelo MAIOR ILUMINADOR e ENCENADOR-DIRETOR novo CAETANO VILLELA (…em futura TEMPORADÍSSIMA em PARIS , no Teatro de Chatelêt…que ALTA CULTURA…high-tech-SENSÍVEL,minha Santa Madre Concepção)……………………………………………….>ezir

  250. Cintia

    Ué!! Ah não!!
    Poxa, toda hora agora é um susto aqui!
    Não, Vamp!!!
    Nem mesmo comentar??? Que aconteceu???
    Ah, essa não!!
    Eu protesto veementemente e tristemente!
    😦
    😦
    😦

  251. Ariadne

    Glorinha,

    Abraços pra você também!
    Eu sou meio brutal (sem querer),
    Veja se com a sua doçura consegue dissuadir o Vamp dessa desistência.

    Bjos.

  252. Ana Paula

    Glorinha,

    Onde lê-se Ariadne, é a Ana Paula… 🙂
    Computador compartilhado dá nessas coisas.

    Abraços.

  253. ezir

    VAMPIRE DE CURITIBA…também VC atingiu 500 points num só dia…fiquei preocupada c a SAÚDE de vcs DOIS, vc e Mr. THOMAS…

    Aquilo parecia 1 TRIBUNA…ou 1 RODA VIVA em ROTAÇÕES INTELIGENTES…e EXPERIMENTAIS…!!!E vc foi até o FINAL DO DIA sem parar…VOCÊS são o DAVID COOPERFIELD dos BLOGS …q dorme 10 min …CONSEGUINDO SE AUTO-DESLIGAR…como ele pode?

    …às vezes , as PARADAS são NECESSÁRIAS…para NOVOS HORIZONTES abrirem-se sobre NOSSAS BIO-CULT-DINAMI-CIDADES…

    Espero q tudo esteja BEM-ESTAR pleno e puro EQUILÍBRIO!!! Sem “smoke” cigarettes…Non…non…non…e CAFÉ só de especiarias!!!

    P.S. mas, VAMPIRE!!!quando li aquela frase…pensei “ah!!! tudo BEM, porque NÃO É uma METÁFORA …nem FIGURA DE PENSAMENTO …e sim , uma FRASE-DE-EFEITO já q vc fez UMA ANALOGIA …e não 1 COMPARAÇÃO DIRETA…OBVIAMENTE!!! …afinal, ninguém INCLUSIVE “TOCOU” nesta frase ( ela NEM EXISTIU p os PARTICIPANTES …).A maioria ficou “CONFUNDINDO VC c o GERALD …sem nem MESMO OLHAREM e LEREM direito o TÍTULO e a AUTORIA do artigo-post )…como não CONSEGUIAM “perceber” as FRASES E INDICAÇÕES + ÓBVIAS do TEXTO-post. Any way…!!! Super 5ª feira pra você, professora POLACA e TODA A FAMÍLIA …e esta CIDADE-modelo DE MEIO AMBIENTE e respeito à bio-DIVERSIDADE, Curitiba,PR.

    Take care, e take a breath!!! Vamos RES-PIRAR …como a Sra. NEVELSON nos faz RESPIRAR VIDA com sua ENTREVISTA NOTÁVEL ( q vou tentar transcrever…).Ezir

  254. Cintia

    Poxa Vampitcho…
    Vc escreveu um post maravilhoso que resultou em mais de 500 coments. num só dia, e agora… isso.
    Muito chato…

    beijos…

  255. targinosilva

    Vampiro.

    A coisa mais difícil, hoje em dia, é expressar opinião.
    Você pode ser crucificado por uma opinião.
    Existe muito patrulhamento.
    Como disse o Mr. Thomas, você tem que ser sutil.
    Assim você fala para as mentes mais evoluídas
    e não representa muito perigo, porque poucos entendem.

  256. Zeca

    Ontem na CNN vi uma reportagem sobre o racismo em Paris, Texas (não, nada a ver com o filme de Wim Wenders). Imagens que me arrepiaram até a alma. De um lado brancos, quase albinos, seguravam uma bandeira que levava estampada a suástica. Do outro, negros que berravam em uníssono demarcando território. Os brancos-racistas que seguravam a bandeira gritavam algo do tipo: ESSA TERRA É NOSSA, VOCÊS, SEUS PRETOS TÊM DE SAIR DAQUI, PRECISAMOS LIMPAR NOSSA TERRA!!! Os negros berravam por justiça, pelo direito de berrar. Tudo começou porque um rapaz negro foi assassinado por um branco. E o cara está livre leve e solto orquestrando mais um assassinato. O jornalista entrevistou a família do garoto morto, alguns moradores e membros do New Black Panther Party. Em Paris, Texa, 20% da população é negra. Eles não são a maioria e precisam se esgoelar todo santo dia para se afirmarem. Há algumas semanas um professor negro de Harvard precisou arrombar sua casa para poder entrar, pois havia perdido as chaves. Sua vizinha chamou a polícia e o cara foi preso, mesmo dizendo que aquela era sua residência. Como assim? O racismo continua tão igual ou pior que antes. As minorias devem continuar ad infinitum o AFFIRMATIVE ACTION senão serão pisoteadas, massacradas, aniquiladas.
    Como disse Gerald num post recente: “Se somos tão solitários, por que não somos mais solidários?”
    Que tudo que Merce e Pina deixou nos sirva de lição!

  257. Glorinha

    sabe Vamp, há dias em que lembro de uma palavra que vc disse em um comentário de um post faz muito tempo…
    vc disse “tudo Fake…”
    penso nisso quando não encontro algo que me diga qualquer coisa…

    talvez eu seja Fake e aqui o real…

    te abraço Vamp, vc sabe que gosto de você muito e te respeito pacas… (a sua Polaca não me leve a mal pois é esse gostar de coração sabe..esses que não se explica e nem precisa)

    []

  258. ezir

    Nosso VAMPIREEEEE DE CURITIBA !!!…seu TEXTO foi UM TIPO DE PARÓDIA-ESTILIZAÇÃO…há milhões de TEXTOS assim por aí…mas só UM GAG-MAN ou 1 HUMORISTA podia fazer aquela frase-DE EFEITO DESLIZANTE…O filósofo profr. EMÉRITO Dr. OTHON GARCIA em ” comunicação em prosa moderna” …um CLÁSSICO q todos os POLÍTICOS e DOCENTES , DOUTORES …todos INTELECTUAIS usam e APRENDEM por ele explica SUPER BEM , este ESTILO DE FRASE…

    Então, NÃO HOUVE nada q NÃO FOSSE LITERATURA PURA naquele SEU TEXTO , q pela primeira vez VC reuniu TODOS os SENTIDOS , agora c a DOMINANTE “ARTE E TEATRO” nos TEMAS DE DISCUSSÃO deste BLOG do Sr. Mr. Gerald THOMAS.!!!…espero q tudo se equilibre sempre BEM!!! Abraços DE AMIGA LEAL pra VOCÊ . Ezir

  259. Sandra

    Vamp, pelos comentários que passaram, imagine o que você bloqueou.
    Eu vou discordar das minhas amigas e dizer que, sim, você precisa de um tempo para repôr suas energias.
    Mas não se abata por quem baba ódio e nada constrói.

  260. Glorinha

    Bom dia para todos!!!

    apesar das nuvens de chuva que vejo no horizonte,
    entendo que elas, as nuvens de chuva, tem direito a existir…
    eu as admiro então…pois existem…

    [[]]

  261. Glorinha

    Sandra…

    eu não havia entendido que o Vamp estava cansado…entendi algo como chateado sei lá….
    se for assim…bem, então, concordo com você…

    Vamp…se for assim, viro a casaca (que coisa horrível virar a casaca)….e te digo “vá descansar na caverna e volte com as asas renovadas…” rs….
    [[[]]]

  262. Sandra

    Zeca, discordo. Um assassino deve ser preso independentemente de sua cor ou credo.
    Pelas entrevistas que li, Merce não era um ativista gay. Entendi que ele achava que isso era algo menor diante de sua dança.
    Acho que uma minoria deve ter o direito de ser minoria sem usar uma placa no pescoço indicando isso.

  263. Glorinha

    melhor…
    fui de mim….
    []

  264. Sandra

    Glorinha, as duas coisas vêm aos pares.

  265. Cintia

    Targino,

    Ontem, no ônibus, lembrei de vc, da sua comparação políticos/”religiosos”.
    Tinha dois cartazes colados, um acima do outro.
    O de cima:
    ” NÃO PERCA SEU BOLSA-FAMÍLIA.
    REFAÇA SEU CADASTRO.”
    O de baixo:
    “I CONGRESSO PROFÉTICO –
    LEVANTADOS DAS CINZAS E DO PÓ.”
    rs… humor negro..!

  266. Glorinha

    Sandra…

    talvez, mas não achei que era esse o caso…
    de qualquer forma, nada sei… então não sei nada…
    só sinto…
    muito,
    [[]]procê,Sandrinha e chefe…

  267. Sandra

    Reinaldo, a PRÓPRIA morte é apenas uma parte do conhecimento sobre ela.

  268. Zeca

    Sandra, é óbvio que um assassino deve ser preso.
    Eu não disse que Merce era ativista, muito menos ativista gay.
    Pelo contrário. O que ele nos deixou (assim como tantos outros grandes) nos serve de lição na medida em que sua coreografia, em determinado momento, por mais efêmera que fosse, era um momento de beleza.
    As minorias não usam placa no pescoço (sic) pois já levam a marca na cara.
    Independente do que você acha, o RACISMO existe e só tem aumentado.

  269. Zeca

    Gerald, você merece o Oscar da paciência e da coragem por manter esse blog de pé todos esses anos! Escrevi sobre uma reportagem que vi ontem à noite na CNN e conseguiram ler na minha mensagem (aliás, algo que não escrevi) que Merce Cunningham era atitista gay!!! ha ha ha
    Beijão, querido!

  270. Sandra

    Zeca, mas qual a lição que Merce deixou? Ele virou um ativista? Ele deixou que O QUE ELE É POR INTEIRO brilhasse além da marca na cara.

  271. ezir

    ZECA, o racismo tem aumentado na CABEÇA de quem se sente ‘PERSEGUIDO”…Discuto muito e sempre discuti c meus amigos NEGROS …e de TRADIÇÃO DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA contra o RACISMO no Brasil. SoU de AVÓ NEGRA ,e família “esbraquiçada”, mas TENHO ÍNDIO e BRANCO nas VEIAS e na PELE.

    Fiquei CHOCADA ao VER meus PP FAMILIARES c este DISCURSO DE NEGAÇÃO tanto os mais DE PELE BRANCA ou PARDA ou MULATA ou NEGRA mesma.

    o PRECONCEITO e a AUTO-NEGAÇÃO e RECUSA p se AUTO-PERCEBER mais LIVRE , sem “perseguições AUTO-INDUZIDAS” , ou “paranóias REINCIDENTES, q voltam”, ou “VISÕES MAL-RESOLVIDAS ” , ou “ressentimentos” Tudo ISSO faz parte da RELAÇÃO de quaisquer PESSOAS , de quaisquer RAÇA ou CREDO ou CRENÇA!!!…

    Apesar q os NEGROS e toda a COMUNIDADE , q é 40% da população brasileira estão de PARABÉNS por terem CONSEGUIDO SE ENTENDER entre ELES mesmos…ABRANDAR “a mágoa” e “discriminação HISTÓRICA – NÃO-ancestral!”…e CRIAR um série de MOVIMENTOS e ATITUDES de valorização da COMUNIDADE NEGRA …e DE ELEVAÇÃO DE SUA AUTO-ESTIMA como SUBJETIVIDADES e CIDADÃOS…!!! Bom dia, Ezir

  272. Cintia

    Vampildo,

    Seja lá o que for decidido…
    fique bem.

  273. Glorinha

    Para todos do blog…mando um…

    Sorriso…

    Bolinha de papel colorida
    nasce grande…nascente no peito, inunda o coração sobe…
    desce pela garganta
    volta por entre os dentes
    cresce na alma, explode no gargalhar, luzes…
    maroto às vezes, solene nunca, novas magias…
    Sorriso escondido, sorriso aberto
    barulhento e sem nexo
    fogo que expande, calor que emana
    Sorriso sem dentes, sorriso da alma
    Sorriso entre os dentes também vem da alma, o coração sabe disso
    Sorriso, despertar dos pássaros as possibilidades
    entrega mensagens, felicidade, amizade
    desfaz lágrimas, seca feridas…constrói.
    Sorriso que não é meu, quando o tenho logo entrego ao mundo
    Sorriso…você sorri agora?
    Sorrindo te mando, um sorriso e todo o universo que vem e vai com ele….
    []

  274. Cintia

    Dilma diz que Brasil está maduro para “eleger presidenta”

    Maurício Savarese
    Do UOL Notícias
    Em São Paulo

    “Após café da manhã com a presidente do Chile, Michele Bachelet, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou nesta quinta-feira (30) que os brasileiros já têm maturidade política para eleger uma mulher para o Palácio do Planalto. A petista é uma potencial candidata à sucessão presidencial em 2010.

    “Não vejo porque o Brasil não tenha [maturidade] para eleger uma presidenta. Pode ter metalúrgico, negro e pode ter uma presidenta. O Brasil está maduro politicamente para perceber que sua multiplicidade pode ser representada de várias formas”, disse Dilma em um hotel de São Paulo onde se reuniu com a presidente do Chile.
    …”

    Ha ha. Duvideó-dó.
    Vamos ver a qtas anda o machismo dos homens E mulheres do povão brasileiro.

  275. ezir

    ZECA,

    as leituras c “mal-ENTENDIDOS” ou FALTA DE TREINO e educação c o OLHAR e o RETORNO p VERIFICAÇÃO são características da PARTE-PERCENTAGEM de ERRO de todas as EXPERIÊNCIAS EMPÍRICAS imediatas, E CORRIDA c a Palavra.

    Portanto, a “mal-entendido” É uma OCORRÊNCIA pertinente , e mais flagrante NOS BLOGS, já q A REVISÃO E M0DERAÇÃO são DINÂMICAS.

    Agora, FIQUEI “PASMA E DES-CONFIADÍSSIMA” c as MATÉRIAS de SITES DE NOTÍCIAS aqui NA INTERNET quando fui LER ALGUMAS c as NOTAS sobre o filme do CAETANO VELOSO…e FOI TERRÍVEL me deparar c ERROS e FALTA DE CHECAGEM dos FATOS e das INFORMAÇÕES sobre a VIDA dele . Até PENSEI : acho q A MAIORIA DAS CELEBRIDAS E ARTISTAS famosos ,ou q “são FALADOS” por aí NA IMPRENSA nem LIGAM mais , DEPENDENDO DA MÍDIA ou VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO.

    Ou seja, FALAR “MAL” , hoje em dia, é FALTA DE LEITURA PROFISSIONAL PREPARADA da PP IMPRENSA.

    Há teses aí CITANDO estes ERROS dos pp MEIOS DE COMUNICAÇÃO q possuem 1 SUPER INFRA-ESTRUTURA e…cometem ERROS DE OBSERVAÇÃO ABSURDOSSSS….de IN-CONSCIÊNCIA PURA na LIDA com a INFORMAÇÃO e a REALIDADE das coisas e DA VIDA.

    A CARÊNCIA DE CAPACITAÇÃO é , primeiramente, de LEITURA não só FUNCIONAL …mas PERCEPTIVA de DETALHES E NUANCES …e EFEITOS …e PRÁTICA com OS “DESVIOS e CONTRADIÇÕES” dos TEXTOS , mais q UMA APRESENTAÇÃO e EXIBIÇÃO da VERDADE, do REAL das PALAVRAS do AUTOR, mesmo, por si mesmo!!! Bom dia , Ezir

  276. Sandra

    Cintia, eu votaria em dona Ruth para presidente. E não voto na Dilma.

  277. Zeca

    Ezir, legal isso que vc escreveu sobre os “mal-entendidos”.

    Sandra, desculpe cortar o seu barato, mas em que mundo vc vive?

  278. Sandra

    Zeca, mas foi você que foi do exemplo do Merce à ação afirmativa.

    Eu acho que ação afirmativa cobra um preço alto: simplesmete pauta como uma pessoa deve usar o cabelo, as roupas, com quem deve se casar, que música deve escutar, que escritores deve admirar,… para uma vaga na universidade com um carimbo de cotista na cara.

    Para depois, dizermos: Obama é doutor SEM COTAS!

  279. Zeca

    Gerald, socorro!!!

  280. ezir

    ZECA, eu quis dizer:

    – DEVEMOS APRENDER A FAZER LEITURAS CUIDADOSAS como OBSERVADORES INTÉRPRETES de bom nível de COMPORTAMENTO INTER-ACIONAL.

    -DEVEMOS mostrar CONSCIÊNCIA DE PERCEPÇÃO da LINGUAGEM , do USO DAS PALAVRAS pelo AUTOR ALI naquele CONTEXTO.

    -DEVEMOS estar sempre NESTE LUGAR do OBSERVADOR, para PERCEBERMOS os “FENÕMENOS” de uso das palavras por um AUTOR …ou FALANTE comum cidadão, porque O INCONSCIENTE da gente “fala NOUTRA CENA” ali junto à pp CONSCIÊNCIA do autor PENSANTE. Veja , AQUELES MOMENTOS em que ALGUÉM percebe ALGO q não NOTAMOS…e dizemos ” EU podia JURAR que…”.

    É q NOSSA LÍNGUA E LINGUAGENS são “SE-MIÓ-TICAS puras” E há MUITA COMPLEXIDADE em UMA simples FRASE já q agora 1 PALAVRA não é só 1 CÓDIGO c 1 SIGNIFICADO FIXO :

    ….uma PALAVRA é SIGNO em AUTO-TRANSFORMAÇÃO e METAMORFOSES …e q SÓ 1 TEATRO bem ESTILIZADO …e ULTRA-VANGUARDA ( com de MESTRE Gerald THOMAS ) consegue dar 1 FRAÇÃO de idéia sobre AS “FIGURAÇÕES ” ou “CONOTAÇÕES” …e “roupagens” DE CONTEÚDOS LINGUÍSTICOS e extra-LINGUÍSTICOS e INTER-ACIONAIS q 1 frase ENCERRA…1 mais simples frase…ORAL ou ESCRITA.

    Super DIA p todos nós e vc, Zeca! Ezir
    -DEVEMOS

  281. Sandra

    Zeca, vivo num mundo em que MJ precisava usar cabelo afro, independentemente de como cantava e dançava.
    E as filhas de Obama também.

  282. Zeca

    Sandra, AFFIRMATIVE ACTION em português é DISCRIMAÇÃO POSITIVA.

    É um conceito terrível, mas necessário.

    Sem ela o “negócio” estaria pior do que está!!!

  283. Cintia

    Sandritcha,

    Mas vc não é referência, pq não é o que chamo de ‘povão’.
    Volto àquele meu ponto, de que quem reelegeu o Lula foram N e NE.
    E aqui pra cima a cultura do machismo ainda prevalece.
    E a Dilma então, com aqueles ares de sargentão… duvido muito mesmo.

  284. Fulgêncio Jr.

    Parece que estamos em Israel,
    estão querendo ressuscitar certas pessoas
    já teve o “ACM” agora dona Ruth, a fila anda.

  285. Sandra

    Não, não são necessárias. E são perigosas. Criam tribunais de deuses para classificar pessoas em brancos, negros, amarelos, pardos e indígenas olhando fotos e julgando se essas pessoas se comportam adequadamente: como usam o cabelo, as roupas, se são ativistas bonzinhos…
    Esses mesmos deuses classificaram diferentemente gêmeos univitelíneos: um era branco, o outro negro.

  286. Sandra

    Fulgêncio, sou fã de carteinha da dona Ruth. Ela é, até hoje, minha referência.

  287. Sandra

    Saindo agora! Beijos!

  288. Ana Paula

    Sandra,

    Eu não voto na Dilma nem na dona Ruth.

  289. Ana Paula

    Se eu fosse surtar toda vez que alguém na área de tecnologia aqui no trabalho fizesse uma piadinha machista, já estaria tomando sopinha de canudo.

  290. Cintia

    O que é isso de DISCRIMINAÇÃO POSITIVA?
    Tô por fora, ‘tendi nada.

  291. Zeca

    Essa semana fui ver BRÜNO e HARRY POTTER.

    HARRY POTTER suportei uma hora e meia e saí do cinema. Não aguentava ver aquele mundinho de merda (que nem de FAZ DE CONTA é). em HARRY POTTER tudo é politicamente correto demais, certinho demais. reparei que em cada plano, no fundo, sempre atrás dos atores principais havia um figurante “minoridade visível”: de origem negra, asiática, talibã (!!!). e todos com cara de paisagem (eles deviam estar entediadíssimos).

    Só que: essa porra de Harry Potter pauta como levas de adolescentes devem se vestir, se portar diante do mundo, ver o mundo.

    Por que HARRY POTTER é um fenômeno?

    BRÜNO vi até o fim. Ri muito. Em alguns momentos achei que Sacha Baron Cohen ia longe demais. Mas depois pensei comigo: será que ele vai tão longe assim?

    BRÜNO também é um fenômeno. Só que o oposto do que HARRY POTTER prega. BRÜNO nos joga na cara que somos cínicos e que não temos coragem de dizer o que pensamos por aí senão seremos processados, assassinados, linchados.

    Além de cínicos, somos pernósticos e perversos.

    Baron Cohen-Brüno tira sarro do BONO logo no começo do filme. Bono, o novo messias! E quem aparece cantando no final do filme??? O próprio.

    Harry Potter e Brüno saem da mesma indústria. E hoje essa mesma indústria investe no politicamente correto e asséptico e no pseudo trangressor.

    Talvez a primeira década do século XXI seja a mais cínica da História.

  292. Vampiro de Curitiba – 10.25hs.

    Surpresa? Não! Olhos mais atentos já “desconfiavam” …

    Pode ser que esteja enganada … Venho percebendo, há algum tempo, que a ESTUPENDA REPERCUSSÃO DE SEUS TEXTOS pode estar incomodando muito mais no terreno do “ciuminho pessoal” do que naquele das cláusulas contratuais “dos” Igs “da vida” (rs). Ah, “deuses meus” !!!

    “Facada nas costas”? Bem, meu caro, foi feito um “banzé danado” (rs) porque voce “rouba a cena” – é simples assim o motivo de tantas farpas, alfinetadas e chiliques, não?

    Sucesso para voce – competencia e “carisma” voce tem de sobra e nós o (re)encontraremos por aí – até qualquer hora dessas, “viu, amigão” querido?

    Beijo e abraço “cheinhos” de carinho, respeito e admiração!

    Susan

  293. Zeca

    Sandra, mas MJ não queimou o couro cabeludo naquele show?

  294. VAMP , música dedicada a vc no G-diet .

  295. Zeca

    Outro exemplo de cinismo numa nota que acabo de ler:

    “Papa cancela viagens por conta da gripe H1N1”.

    Mas Jesus não lavava os pés dos leprosos?

  296. Cintia

    Fulgêncio,

    Não me parece que a fila esteja realmente andando.
    Há quase 30 anos é a mesma churumela de Lula isso, Lula aquilo…

  297. Franciny Chequer

    Meu caro e querido Vampiro, fica a seu criterio postar o que estou lhe enviando, o texto ao qual vc está se referindo O Retrado do Poder, ao meu ver está muito bem escrito e além de coerente, e infelizmente para nós o povo também está correto, sabe eu sempre leio todos os textos, as vezes participando ou não, com neste aqui, eu so coloquei um ponte vista, pois quando não sei algo ou não entendo direito, prefiro ler para aprender, e o seu texto eu o li varias vezes e entendi, não fiz outros comentarios, pois eu concordo plenamente com ele.
    Infelizmente hoje as pessoas adoram falar sobre tudo mesmo sem saber ao certo o que está sendo dito e estam dizendo, isso e bem triste, pois temos que aprender sempre, e muitos dos seus textos eu aprendo, e muitas vezes eu já debati com vc, mas vc sabe que sempre com um grande respeito por sua opinião, e não a sua como de muitas pessoas que aqui postan, não gostaria mais de entrar aqui e não ler um texto seu e acho que o Gerald ache o mesmo, pois vc sempre escreveu e se coloca muito bem, e vc não e um simples MODERADOR, mas sim um apaziguador, e também um Contestador, e em muitas vezes eu posso lhe falar uma caro e querido amigo, e atravez de vc, e dos seus coselhos eu aprendi e fiz amigos pois até hoje me comunico com aquelas pessoas que de inicio brigavamos aqui e vc mesmo nos aconselhou a conversarmos e isso foi uma coisa maravilhosa, pois eu falo com Rodrigo Contrera, Carlos e ex Blog, o Corvo, pois hoje eu digo a vc eu o considero um amigo, um conselheiro e vou lhe dizer mais uma coisa , não sei se partindo de uma pessoa simples como sou que eu o admiro e sou sua grande Fãããããããããã~.

    Mil beijos
    Franciny Chequer

  298. Cintia

    “Mas Jesus não lavava os pés dos leprosos?”

    Xiiii, Targino acaba de encontar seu eco!

  299. MOSTRA EM SÃO PAULO REVE HISTORIA DO DIRETOR DE TEATRO ZÉ CELSO.

    São Paulo – Aos 72 anos, o diretor José Celso Martinez Correa diz não ter medo da morte, mas que gostaria de viver por muito tempo. Com o desejo de ter sua obra reconhecida ainda em vida – e não de virar nome de rua depois de morrer – ele confessa que ultimamente se emociona com facilidade.

    Na década de 1980, em Brasília, Zé Celso gravou um vídeo bradando os versos do samba de Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, que dizia “se alguém quiser fazer por mim, que faça agora”. A partir de hoje, o diretor e fundador do Grupo de Teatro Oficina tem seu pedido atendido, com a Ocupação Zé Celso, exposição no Itaú Cultural, em São Paulo, que divide com o público toda sua trajetória.

    Com 12 espaços cenográficos, a mostra aborda pràticamente a vida inteira do diretor, já que traz fotos inéditas de Zé Celso ainda bebê até uma conversa que ele teve na semana passada pelo Skype com a curadora Elaine César. Além disso, um ambiente é formado com cerca de mil anotações feitas por Zé Celso durante seu processo criativo.

    “Ninguém vai ver tudo. Existe um excesso proposital, porque o Zé é um excesso. Ninguém consegue acompanhá-lo por inteiro. Existem mil Zés Celsos”, diz Marcelo Drummond, ator do Teatro Oficina há mais de 20 anos, e um dos curadores da mostra.

    Serviço – Ocupação Zé Celso
    De: 30 de julho a 06 de setembro de 2009
    Itaú Cultural (Av. Paulista, 149 – Capital de SP)
    De terça a sexta, das 10 às 21hs., sábados e domingos, até 19hs.
    Entrada franca

  300. Cintia

    Claudio!

    Que foooofo!!!
    😀

  301. ok , se o programa achou que “oi zeca” bastaria , oi zeca basta .

  302. targinosilva

    Cintia.
    do post anterior.

    Não é o meu ego. É a logica que eu tenho.
    Procuro ser racional.
    Deus não protege ninguem, nem o Papa.
    Ai vem aquela historia do livre arbitrio.
    Se eu tenho livre arbitrio eu não preciso de Deus.
    Tudo corre por minha conta, tudo é um jogo dentro das regras naturais.

  303. Fulgêncio Jr.

    P/ Ana Paula (12:46)
    na dona Ruth, eu sei porque.

  304. Fulgêncio Jr.

    P/ Cíntia (13:21)
    Qual fila?
    a dos que morrem nao deve ser,
    a dos que fizeram um governo decente?
    a dos que ressuscitaram (tem gente que quer que ande), mas
    nao acredito.
    Qual fila, 30 anos… me responda por favor?

  305. Ana Paula

    Fulgêncio Jr. (13:57),

    É? Por que?

  306. Fulgêncio Jr.

    Só se ela ressuscitar.

  307. Ana Paula

    Huahauahauahuahauahuaahuah, nem me lembrava disso, muito boa…. 😀

  308. Priscila Dias

    Sem dúvida 2 grandes perdas deste século,espero que suas instruções artísticas sobrevivam em mãos capacitadas.

  309. Reinaldo Pedroso

    30/07/2009 – 09:41 Enviado por: Ana Paula

    Tá.
    Abraço.

  310. Reinaldo Pedroso

    30/07/2009 – 08:38 Enviado por: claudio diet

    “pedroso , como vc pega no meu pé ! e como vc Não compreende meu digamos “estilo”. não quero polemizar mais neste blog , promessa , mas vc me instiga . quanto ao ” G-diet para poucos ” : é apenas uma expressão . quer dizer que eu não estou preocupado com QUANTIDADE , mas com QUALIDADE . (e vc ainda me obriga a citar clichês … ) .

    claudio
    Eu não pego no teu pé, eu comento comentários que me levam a comentá-los. Neste caso, a tua confirmada presunção discriminadora. Então, consegui – isto mesmo – visitar o G-diet apenas 4 vezes. Esta pequena quantidade é compensada pela minha qualidade de frequentador?
    Sou instigante?, isto é positivo.
    Quanto aos clichês que eu te obrigo a usar, remixa.
    Reinaldo

  311. Reinaldo Pedroso

    30/07/2009 – 11:44 Enviado por: Sandra

    “Reinaldo, a PRÓPRIA morte é apenas uma parte do conhecimento sobre ela.”

    Sim, a última.

  312. Sandra

    Reinaldo, a última, mas não necessariamente a mais difícil.

  313. Reinaldo Pedroso

    30/07/2009 – 21:04 Enviado por: Sandra

    Não afirmei que é a parte mais difícil, depende das circunstâncias, isto sim. Mais difícl é admitir a morte, é instintivo.

  314. Ana Paula

    Eu admito a morte. Só espero que ela não me admita tão cedo.

  315. Rio Maynart

    Pacheco (Comentário 29/07 às 20:22h)

    Eu já tinha visto esse PPS e confeso que fiquei comovida, como tb fiquei agora ao ler a mesma mensagem de amor no seu comentário.

    Confesso, caro Pacheco, que ainda não aprendi a dizer “EU TE AMO” com tanta facilidade.

    31/07/2009 – 10:14

    Enviado por: Ana Paula

    “Eu admito a morte. Só espero que ela não me admita tão cedo.”

    ANA.

    A morte não aparece cedo nem tarde. Ela só vem no tempo exato.

  316. regina angela peccin

    É bom quando um pessoa famosa aborda um assunto tão tenebroso como o martírio dos animais, que a pessoas comuns
    muitas vezes não têm instumentos para combater.
    A ignorância e a crueldade humanas não têm limites. Por isso
    pessoas com consciência devem se posicionar e denunciar
    esses crimes contra nossos irmãos “menores”, nossos
    companheiros tão amorosos no planeta.

  317. jose

    grealdo vc é uma KOISa

  318. babado

    “a inveja não leva ninguém a lugar nenhum”

  319. Ney

    Bem a começar pelo PT, o que é isto, um disco voador, um teco teco das antigas, um sonho que passou? Sim um sonho que passou. Por que fui PT, por que era um sonhador, um iludido que ainda existia pessoas de bem na politica, que ainda existia uma Partido político que iria brigar pela descência, um partido que iria brigar contra a corrupção que nos atormentar a um montão de anos, um partido, ou melhor, assim temos que dizer, acreditamos num homem que com seu carisma pregou tantas coisas boas, se esforçou tanto para limpar a sujeira dos anais de Brasilia, um homem que, junto com seu partido era contra tudo e contra todos que se diziam governo, pois, não parecia coniver com a situação drastica e horrível que passava nosso Pais seis anos atras, ou um pouquinho mais, nós acreditávamos e como acreditávamos, votei 25 ano neles, como me enganei.
    Então com o decorrer do tempo pensei, tudo não passa de uma grande mentira, tudo hipocresia, tudo falsidade, até mesmo a mídia, com seus comentáristas que parecem dizer a verdade, e veja que esta lá, junto com Lula lá um grande (kkkkkkkkk) reporter, virou repobre, digno de dó e o pior que, quando perder esta boquinha voltará a criticar governos, sistemas, decisões, PT com seus revolucionários Zé Dirceu, José Genuino, Mercadante, Suplyci e tantos outros, tudo balela, todos vaquinha de presépio, onde o dono colocar fica, sem falar e sem vacilar, dificil ver e sentir como fomos enganados, que tristeza ver que ainda, o povo de menos cultura do norte e nordeste, que não tem acesso aos veículos de informações, ainda vão acreditar nas balelas de homens iguais este que comandão nosso pais, chegando lá com a cara lavada dizendo que Bolsa Escola tirou o povo da fome, que salário mínimo dá pra ter uma vida tranquila, igual a propaganda da TV do casalsinho simpatico que antes não vivia com seus salário mínimo e que agora até sobra, meu Deus que hipocresia de um governo, e piro que ainda pensam vamos fazer por que o povo não presta atenção e é um povo de memoria curta, vamos continuar a enganar é fácil.
    Até mesmo Marina Silva, se desfila do PT, e quando da filiação no PV, fala uma frase que temos que prestar muita atenção “Estou fora do PT mas estamos no mesmo caminho”, então o que pensar, que esta senhora não será concorrente de Dilma, então me pergunto o que será então, mais um candidato nos moldes do Lula, e ele Lula deve estar morrendo de ri com tudo isso, pois sabe, mais uma vez, será o grande vilão da história, mesmo com sua desonra aos milhões de eleitores, como eu, que acreditou nas mudanças e sabe quando irão acontecer.
    Bem para finalizar, esta muito deficil, então vemos os que acreditamos não existe mais, PT que era a esperança do povo brasileiro, vamos ter mais um sigla e não mais um partido, teremos sim um Presidente (a) mas não teremos governo, teremos sim vários minitérios mas sem atuação e pior termos um Superior Tribunal de Justiça que prática a injustiça, então chegamos a conclusão continua a mesmo podridão, a mesma corrupção e as mesmas bandalheiras, em nosso Brasil que tanto amamos.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s