Resposta da Advogada de David Goldman (aos acusadores brasileiros)

 

 

 

Resposta da Advogada de David a Carta de Lins e Silva

 


Memorando em Resposta a carta enviada ao Conanda e publicada pela Imprensa Brasileira

 

“É de meu conhecimento que correspondencia fora adiantada a Imprensa Brasileira, escrita por Joao Paulo Lins e Silva com o proposito de ser sua versao para acontecimentos ligados ao caso Goldman.

 

A vasta maioria do que foi representado contem depoimentos que nao sao apoiados pelos fatos, e sao apenas hearsay (conversas ocorridas), e portanto nao eh necessario responder a tais acusacoes, principalmente porque nao irrelevantes as determinacoes feitas de acordo com a Convencao de Haia.

 

A Convencao de Haia, nos Aspectos Civis de Sequestro de Criancas eh uma investigacao limitada: Se uma crianca fora ilicitamente removida ou retida longe do estado de sua habitual residencia e por um dos pais que tinha custodia, ou que obteria custodia, para remocao ou retencao? Se a resposta for sim, o retorno da crianca eh obrigatorio.

 

Entretanto, sera sem duvida util para a avaliacao de credibilidade, particularmente aos que tentam legitimamente a entender este caso, a avaliar os varios pontos objetivos, todos apoiados por provas e documentacao provenientes de ambas as partes nas cortes dos EStados Unidos, o que contradizem esta carta.

 

As tentativas do Sr. Lins e Silva de caracterizar este assunto como um problema de nacionalidade nao so eh errado como diminui a importancia do Governo e Judiciario Brasileiros que agora apoiam a aplicacao [de Haia] para o retorno da crianca aos Estados Unidos. Seus comentarios podem apenas ser considerados um ato de desespero, com o intuito de distrair [as pessoas] das obrigacoes do Tratado. Primeiramente, o Sr. Lins e Silva disponibiliza em sua correspondencia uma linha temporal que pela primeira vez contem admissoes que somente comprovam o papel do Sr. Lins e Silva nesta longa e sordida historia, e confirma a antiga suspeita de que Bruna Goldman planejou e premeditou o sequestro do filho de ambas as partes, como suspeitava o Sr. Goldman em entrar com o seu processo judicial em Agosto de 2004.

 

Processo Original de Custodia no Brasil

 

Sr. Lins e Silva descreve as alegacoes como lhe foram contadas por Bruna, e indica que Bruna “decidiu” nao retornar ao Brasil. Mais abaixo, na mesma carta, ele eh cauteloso ao dizer que ela fez esta decisao somente depois de chegar ao Brasil. Entretanto, nas aparicoes que ela fez a Vara de Familia Brasileira ela contou outra historia, que fora uma separacao planejada e que David Goldman permitiu que seu filho viajasse ao Brasil com este entendimento, a corte resumiu os testemunhos, nos quais baseou sua decisao, como o seguinte:

 

“Em junho, apos uso do poder de persuasao, a solicitante pode vir ao Rio de janeiro na companhia de seu filho…continuando com os acordos iniciados nos Estados Unidos relacionados com sua separacao”

 

A historia dela foi apenas descoberta quando a Sra. Goldman tentou usar documentos da Vara de Familia Brasileira no caso em New Jersey e anexou a traducao das decisoes da corte brasileira as suas peticoes nos Estados Unidos, varios meses depois. Obviamente, Sean estava no Brasil ha apenas 2 semanas em 9 de julho de 2004 quando a Sra. Goldman alega que apenas “continuou com o acordo que ela havia iniciado”. Tal linguagem tinha apenas o proposito de falsamente representara ao juiz no Brasil de que sua presenca era apenas o resultado de separacao conjugal planejada por ambas as partes.

 

O Sr. Lins e Silva agora confirma a estrategia que Bruna empregou em seus processos “durante o periodo de tempo em que Bruna foi autorizada pelo americano a ficar no Brasil com seu filho…apareceu perante a corte brasileira e pediu a custodia de Sean, que foi rapidamente dada”. Neste breve “periodo autorizado”, os arquivos do processo provam que Sean foi imediatamente matriculado na “Andrews Baby School, desde junho de 2004, comprovado por documentacao anexada e totalmente adaptado:. Sr. Lins e Silva alega que a Sra. Goldman apenas tomou a decisao apos chegar ao Brasil no dia 19 de junho de 2004, mas aos pedidos a corte refletem que ele fora “matriculado” na escola imediatamente, sem o conhecimento ou consentimento do pai. Em uma tentativa de construir seu caso, ela sujeitou a crianca a um dos muitos psicologos que ela utilizaria ao longo do processo, nunca com o conhecimento ou participacao do Sr. Goldman. Estes argumentos, como tantos feitos pelo Sr. Lins e Silva, foram feitos, e rejeitados perante as cortes de New Jersey.

 

Enquanto se diz que David Goldman estava ciente deste processo, o mesmo nao poderia ser verdade, o que foi estabelecido pelo advogado de Bruna, Peter A. McKay. O advogado da Sra. Goldman foi obrigado a admitir para a corte oficialmente, e tambem por escrito, que o Sr. Goldman apenas recebeu os documentos apoiando o processo movido por Bruna nas cortes brasileiras em 22 de dezembro de 2004, quase 6 meses depois da data qme que o processo fora iniciado. Porque precisamente o tipo de ambiguidade contido na referida correspondencia ja era esperado, o r. Goldman insistiu que nos autos do processo constasse a admissao do proprio advogado como prova (vide carta de Peter McKay datada 7 de janeiro de 2005; favor consultar ordem da corte de New Jersey confirmando que a reclamacoa de custodia nao havia sido servida ate 22 de dezembro de 2004). Ja fora alegado antes, e descoberto pela corte, que a Sra. Goldman propositalmente nao fornecera estes documentos ao Sr. Goldman porque era obvio que as alegacoes que ela havia feito as cortes brasileiras, como as acima, seriam questionadas imediatamente. 

 

Divórcio e Envolvimento de Lins e Silva

 
As outras alegações jurídicas que tenham sido feitas agora nos permite caracterizar a relação do Sr. Lins e Silva e esta criança, de uma forma que merece atenção. Uma leitura cuidadosa desta carta [carta de JPLS] indica que o Sr. Goldman foi notificado do divórcio através de um “funcionário judicial em Brasília”. Essa é uma maneira educada de dizer que ele foi informado de que o divórcio já havia sido realizado quando ele viajou ao Brasil para participar no processo sobre o assunto Haia. Não só o Sr. Goldman recebeu nenhum aviso de Bruna da apresentação do divórcio brasileiro, na verdade seus representantes legais nos Estados Unidos, continuaram a discutir a eventual acusação de uma queixa de divórcio nos Estados Unidos, e continuou a promessa de responder ao conselho de Mr. Goldman e confirmar a sua capacidade de representar os seus interesses nos Estados Unidos. Mr. Goldman mais tarde ficou sabendo que ela já tinha feito seu relatório 2006. 

 

 Mas uma leitura atenta da presente carta indica que o Sr. Lins e Silva diz que Sean Goldman estava “sob o seu cuidado” desde janeiro de 2005. Mais tarde ele admite que “em menos de seis meses a partir da reunião fomos viver juntos”. Não está claro a partir da história de várias reuniões que ele cita em sua carta, quando ele e Bruna se encontraram e sob quais circunstâncias. Mas claramente a sua admissão, estabelece o seu envolvimento com a Bruna de junho de 2004, quando a deslocação ilícita e retenção para o Brasil ocorreu. No momento em que Bruna ainda estava casada, embora este caso ainda estavisse pendente no tribunal de Nova Jersey, e ainda pendentes perante os tribunais brasileiros sobre a Petição Haia (que foi introduzido em Outubro de 2005), o fato de que Sean não estava vivendo exclusivamente com sua mãe e seus pais [os avós], como ela tinha afirmado em sua própria declaração ao tribunal, nunca foi divulgado, até estabelecido nesta carta. O facto que a Sra. Goldman tinha se mudado com seu amante, e que este homem foi incentivado a ser referido como “Papai”, de Sean, para diminuir o papel do Sr. Goldman o “americano” foi um segredo mantido estrategicamente perante juízes que ouviram as audiências tanto no Brasil como nos Estados Unidos, e demonstra falta de cuidado e preocupação com as necessidades do menor.

 

Em anexo está a minha correspondência datada de 18 de janeiro de 2005 dirigida a James Newman, Esquire, do escritório de advocacia Newman, Scarola e Associados, o advogado local que representa os Ribeiros, os avós maternos de Sean. Isto documenta que o Sr. Goldman, que tentou virtualmente dia a dia falar com seu filho, repentinamente “foi incapaz de localizá-lo”, isto coincide precisamente com a admissão do Sr. Lins de que ele tinha se mudado junto com Bruna Goldman e tinham tomado controle de Sean nesta data.Se a Sra. Goldman e sua família tivessen sido tão orgulhosos ou tão certos de suas ações como eles agora opinam, pergunta-se então porque eles continuaram a mentir nos tribunais de ambos os países. É claro que nenhum tribunal, em qualquer país aprovaria em razão um homem se mudar para dentro da casa, com uma criança pequena, enquanto os processos ainda estão em andamento, e um ano antes do divórcio ser requerido. Na verdade, até mesmo a secreta guarda provisória de custódia obtida rapidamente por Bruna, revelada ao Sr. Goldman, em dezembro de 2004 é omissa quanto às intenções da Sra. Goldman fazer outra coisa senão viver a custa de seus pais.

 

 Petição Haia 

 

A alegação de rapto parental internacional, como o Sr. Lins e Silva bem sabe, foi reportada imediatamente com o Departamento de Estado dos Estados Unidos e transmitido à Autoridade Central do Brasil em 3 de setembro de 2004, 46 dias após Sean ter sido abduzido, e somente após os bilhetes de avião para o regresso Sean e sua mãe não terem sido utilizados, e constante tentativas do Sr. Goldman para garantir Bruna seu regresso voluntário foram ignorados. Em anexo a este foi o pedido para Bruna regressar voluntariamente. Se os motivos alegados por Sr. Lins e Silva fossem seguros como foi descrito, ela não teria dificuldade alguma em obter autorização para relocar com Sean para o Brasil. Mrs. Goldman não quis submeter sua provas para que fossem examinadas, ou para que elas fossem submetidas a exame no local da prova, em Nova Jersey, onde as partes viviam, onde Sean ia para a escola e, e onde todas essas acusações seraim imediatamente desmentidas por testemunhas que viviam com esta família. O pedido da petição judicial de Haia foi adequadamente feito perante o Tribunal Federal do Brasil buscando o retorno de Sean, em 17 de novembro de 2004. Mr. Goldman não foi para um escritório de advocacia em São Paulo, tal como descrito [na carta de JPLS], (querendo dizer que ele negligenciou a visitar Sean). Na verdade, ele exercia a sua reparação, como exigido no Tratado (ou seja, Convenção de Haia sobre Aspectos Civis da Abdução Internacional de Crianças), através da assistência dos escritórios diplomáticos de ambos os países, e conselhos organizados no Brasil. O Sr. Lins e Silva sabe que as negociações foram conduzidas, e Mr. Goldman fez proposta após proposta através de advogado para o exercício de acesso nos Estados Unidos e no Brasil, incluindo a oferta para ver Sean em um terceiro país, se necessário, somente para poder ver seu filho. Durante as últimas propostas escritas, os advogados da Sra. Goldman comunicaram que Bruna se recusou a cumprir ou até mesmo ter uma conferência para discutir uma maior resolução. Apesar do Sr. David Lins e Silva descrever David como ter ” perdido repetidamente”, ele tem o cuidado de não compartilhar o calendário ou as questões jurídicas com seus leitores. Em outubro de 2005, o Tribunal Federal do Brasil publicou a sua conclusão de que Sean, tinha sua residência habitual efectivamente nos Estados Unidos da América, para os fins do presente Tratado, e, ainda, que, em conformidade com a lei da residência habitual, New Jersey, Estados Unidos da América, Sean tinha sido indevidamente retido no Brasil. Sr. Lins e Silva sabe que é a determinação da residência habitual, não o fato de Sean gozar dos benefícios da dupla cidadania que determina a responsabilidade de devolver Sean. No entanto, o Tribunal Federal recusou a devolver Sean, baseando-se erroneamente sobre o tempo que a Justiça Federal levou para deliberar e prestar uma decisão. Uma vez que essa posição não é suportada no Tratado Internacional ou encontrados na jurisprudência, o resultado foi imediatamente recorrido.

 

 O assunto permaneceu pendente ao mais alto tribunal de recursos quando Bruna morreu. No entanto o Sr. Lins e Silva, e aqueles que representam Bruna, não divulgaram a sua morte, nem para David Goldman ou para a Justiça Federal no Brasil, na esperança de obter uma primeira decisão favorável. Seu comentário de que “ele [referindo-se a David] foi feito para compreender que as regras do direito, no interesse do menor e, neste caso, que ele ficaria no Brasil com sua mãe” desmente o facto do Sr. Lins e Silva, e seu pai , que é internacionalmente considerado um especialista brasileiro na Convenção de Haia, são ambos bem conscientes de que os preceitos da presente Convenção nunca apoiou a continuação da retenção indevida de Sean. No requerimento agora pendente no Tribunal Federal, o governo do Brasil reconhece e pede o regresso de Sean, e eles continuam a insistir em que, porque a retenção indevida da remoção continou até agora, a residência habitual de Sean é no Brasil. A relação que o Sr. Silva Lins cultivou com Sean só foi possível porque ela foi conduzida em segredo por [eles] terem evitado qualquer tipo de contato significante entre David Goldman e seu filho. Documentos das cortes confirmam que o Sr. Goldman ganhou em juízo o direito de ter acesso ao seu filho e o Sr. Lins da Silva ignorou a ordem e saiu com a criança, causando Mr. Goldman, mais uma vez mais a sair [do país] sem sequer ver Sean. É claro, baseado na mais recente order do tribunal de visitação, que o medo que engendra a obstrução do poder paternal o acesso foi bem fundamentada, em que Sean imediatamente respondeu ao seu pai, com grande físico e emocional afeto e amor, na presença de testemunhas e do psicólogo contratado para observar suas interações. Sr. Lins da Silva está correcto em descrever que imediatamente após a morte de sua esposa ele decidiu “tomar uma iniciativa jurídica …”, na verdade, ele aplicou, novamente em segredo, para ter o nome de David Goldman retirado da Certidão de Nascimento brasileira de Sean, bem como os nomes dos avós paternos. 

 

Mr. Goldman então incluiu Sr. Lins e Silva em sua petição de Haia para afirmar a continuação da retenção indevida de Sean, somente quando se tornou claro que o Sr. Lins e Silva e a família Ribeiro não iria honrar com as ordens dos tribunais dos Estados Unidos seus direitos como o pai de Sean e retornar a custódia de Sean para seu pai. Mr. Goldman foi consistentemente aconselhado a confiar no processo judicial internacional na aplicação da Convenção de Haia sobre os Aspectos Civis de sequestro da criança por parte do governo e do judiciário no Brasil. Confiando no conselho das autoridades centrais de ambos os países, o Sr. Goldman não iniciou nenhuma das sanções penais disponíveis nos Estados Unidos, nem procurou contactar qualquer mídia em relação a este caso, enquanto o assunto permaneceu pendente nos tribunais brasileiros. Mr. Goldman nunca contratou um consultor de imprensa. Uma vez que Bruna morreu, e o segredo e os esforços inadequados contenciosos foram expostos, Mr. Goldman concordou relutantemente para iniciar o árduo processo diplomático, e para permitir a sua estória a ser contada em público, quando ele descobriu sobre a morte de Bruna e a retenção de Sean por Sr. Lins e Silva.

 

Não estando mais sobrecarregado pelas deturpações de Bruna Goldman e de sua família, ou da influência secreta do Sr. Lins e Silva, espera-se que o Tratado Internacional de Direito, nos quais ambos os países contam para com o bem-estar e proteção de todos os seus cidadãos não será mais utilizada erroneamente.”

 

Patricia E. Apy

 

Advogada de David Goldman

  

7 de Março de 2009 

 

 

 

Advertisements

243 Comments

Filed under artigos

243 responses to “Resposta da Advogada de David Goldman (aos acusadores brasileiros)

  1. Paulo Fonseca,adv

    Embora um pouco truncado pela tradução apressada, o conteúdo
    dirige-se sempre para a Convençao de Haia que, certamente, será aplicada pelo STF.

  2. Tene Cheba

    Advogada em seu último parágrafo, desqualificou, sem entrelinhas, o sistema judiciário brasileiro, cuja a sentença será dada pelo Tribunal Federal, mero homologador na aplicação do Tratado.Pegou muito mal, meus amigos.
    Quando a defensora dos direitos de David Goldmam, cita o renome internacional da família Lins e Silva e denúncia uma maquiavélica conspiração, de fazer babá o mais criativo roteirista de filmes de suspense, de tão absurdamente surreal, a defensora bate fundo nesta brincadeira que virou o Brasil. Agora eu sei, nitidamente, o tamanho da obsessão.

  3. Tene Cheba

    Isto vai virar filme, só que provavelmente não será exibido no Brasil.Que linda democracia é a nossa, heim.

  4. juliano

    Abaixo os fundamento do Superior Tribunal de Justiça para negar a volta do menor para os EUA:

    -Este processo não busca definir a guarda do menor; apenas busca
    decidir a respeito do retorno da criança para a residência de onde
    foi transferida, no caso, Estado de Nova Jersey, Estados Unidos da
    América.
    – A Convenção de Haia sobre os Aspectos Civis do Seqüestro
    Internacional de Crianças possui o viés do interesse prevalente do
    menor, porquanto foi concebida para proteger crianças de condutas
    ilícitas.
    – Seguindo a linha de proteção maior ao interesse da criança, a
    Convenção delimitou as hipóteses de retorno ao país de origem, mesmo
    diante da conduta ilícita do genitor em poder do menor, com exceções
    como as existentes nos arts. 12 e 13 do referido diploma legal.
    – Assim, quando for provado, como o foi neste processo, que a
    criança já se encontra integrada no seu novo meio, a autoridade
    judicial ou administrativa respectiva não deve ordenar o retorno da
    criança (art. 12), bem assim, se existir risco de a criança, em seu
    retorno, ficar sujeita a danos de ordem psíquica (art. 13, alínea
    “b”), como concluiu o acórdão recorrido, tudo isso tomando na mais
    alta consideração o interesse maior da criança.
    – Com tal delineamento fático dado ao processo, a questão se
    encontra solvida, porquanto é vedado nesta via o revolvimento do
    conjunto de fatos e provas apresentados pelas partes, tendo em vista
    que esta Corte toma em consideração os fatos tais como descritos
    pelo Tribunal de origem.
    Recurso especial não conhecido, por maioria.

  5. gthomas

    Vou repetir a questao colocada por Samuel Bueno no post abaixo

    08/03/2009 – 19:17
    Enviado por: Samuel Bueno
    Uma das figuras mais estranhas e curiosas que sempre existiu na Humanidade é a do “corno-relógio”, aquele indivíduo que toma a mulher de um outro cara e, por ciúmes do que ela fez com o primeiro que possuiu, procura por todos os meios se “vingar” do antecessor, ferindo-o de todas as maneiras que estiverem a seu alcance.
    Não estou dizendo que este seja o mesmo caso em tela, mas já estudei as histórias de alguns “cornos-relógios” que foram tão além em sua perseguição ao que os “chifrara” presuntivamente, às vezes sem conhecê.los, que, no final, ficou evidente que, na verdade, estavam a fim do cara. Ou seja, um indício de puro homossexualismo latente e recolhido.
    O Dr. Joseph Goebbels foi um típico “corno-relógio”, pois sua mulher, a fogozíssima Magda, antes de conhecê-lo, fora amante do intelectual judeu sionista Haim Arlozoroff, que hoje é nome de rua em Tel-Aviv, uma transversal da Ben Yehuda, Ao que consta, Magda Goebbels nunca esqueceu a cicatriz da brith de Alozão e, insatisfeita, chegou até mesmo a lançar seus encantos adúlteros sobre o Fuehrer (este, ao que dizem, era impotente, monocórdico e coprófago, no que a Eva Braun o ajudava, ingerindo suas chucrutes…). Magda odiava os judeus e, juntamente com seu galhudo, foram inspiradores das medidas mais anti-semitas mais repugnantes do III Reich. Mulher com paixão recolhida é vingativa….
    Mas deixemos de fofocas hstóricas e vamos ao ponto: uma pessoa que se aposse de uma criança que não é seu filho biológico e é natural de um outro país, do qual o infante tem a nacionalidade originária, poderá ser processada por sequestro na legislação brasileira?
    É apenas uma perguntinha técnica, inocente, nada tem a ver com o caso…

  6. omar

    isto é um caso para se cuidar muito bem, lembram o caso de rio grande quando a juiza mandou as criancas de volta para a casa e a mae e padrasto mataram elas, acredito que se puder a crianca deve ter o poder de escolha, mesmo para a idade dela , sabera escolher, os estados unidos tiveram um caso semelhente com a criança cubano, e o estado unidos podem retaliar, sao bons nisso, nao acreditam em justiça e sim poder com usa-la

  7. Tene Cheba

    Não seria melhor definido como o Corno Retardado?
    Ah! Tem o corno Papai Noel, aquele que só voltou por causa das criancinhas.

  8. Tene Cheba

    Ou seja, ele,( David), não pode possuir nada que pertenceu a sua amada Bruna( do Lins e Silva). Segundo a este conceito, nem mesmo o filho gerado por ambos.Patológico.

  9. Sandra

    Lembro de um caso que aconteceu no Paraná com a pequena Bxxx. A menina foi levada creio que para Israel, entregue pela própria mãe para o casal estrangeiro. A menina estava feliz, linda e muito bem cuidada, quando não sei porque, a dita mãe resolveu querê-la de volta. A imprensa local fez um estardalhaço como este que este blog está fazendo, a justiça andou atrás dos pais adotivos da menina, fizeram um banzé. Resultado: a menina voltou a morar com a família biologica numa casa pobre de periferia e algum tempo depois a imprensa esqueceu do caso. Vocês imaginam como está hoje a pequena B?? É isso que a imprensa está querendo quando defende neste caso o pai biológico? Qua amor louco pelo filho é este de aconteceu depois que a ex-exposa morreu? Se ela não tivesse morrido será que o amor seria tão louco assim? Que história é essa dos 500.000 ??

  10. Sandra1

    Gostaria de combinar com minha xará das 22:04 uma qualificação em nossos nomes para não confundirmos os colegas comentaristas.

  11. Carmem Lucia

    Prezado Gerald Thomas porque você defende tanto este pai americano? Com um blog na mão fica fácil exercer influência sobre as massas…
    Poderia nos dizer qual a sua nacionalidade? Onde você nasceu Gerald Thomas? Os leitores do IG agradecem se você nos matar esta curiosidade.
    Att.

  12. Sandra1

    Xará, a menina em questão foi ROUBADA. Era comum isso acontecer naquela época. Santa Catarina e Paraná eram verdadeiros criadouros de crianças para o mundo pegar e levar. Isso diminuiu justamente com a devolução dessa garota.

  13. Sandra1

    E o amor louco não apareceu agora. O processo corre desde 2004.
    Lamento pelo padrasto, mas o pai não viveu a mesma dor? Por que ele não mereceu a mesma piedade?

  14. Sandra1

    E se o David é vagabundo, como tanta gente está dizendo, como ele se sustenta?

  15. Sandra1

    Se não há indícios de que o pai biológico seja um mau pai, e parece-me que não há, a lei deve ser cumprida, senão amanhã a vítima pode ser qualquer um de nós. Qualquer um pode levar nossos filhos e alegar que eles estão bem e acostumados aos novos lares.

  16. Sandra1

    E chocou-me as declarações do padastro. Elas não me parecem compatíveis com alguém da área de direito.

  17. Sandra1

    Ah, uma pausa para desejar a todas as mulheres e à porção mulher de cada homem aqui do blog um ótimo Dia Internacional da Mulher.

  18. O Vampiro de Curitiba

    Acabei de ver a reportagem do Fantástico: Não há mais dúvida alguma. Só resta ao Brasil cumprir os tratados iternacionais que assina e repatriar o menino Sean a seu país e a seu único e verdadeiro pai.

  19. O Vampiro de Curitiba

    Não tem mais como o Governo brasileiro manter em seu território um menor sequestrado.

  20. O Vampiro de Curitiba

    E o menino é a cara do pai!!!
    Não há mais o que se discutir.

  21. Sururu

    Fundamentado no escrito por Juliano e após ver o fantastico. Cabe a dona Hillarry e a David executarem o Haracuru(haraquiri Baiano).
    Me poupem com convenções ou tratados; senão vejamos. Por que? Israel não cumpre nenhuma resolução da ONU???
    Quanto ao seu Geraldo é fazedor de hora e esta incluso nas listagens de 22.
    SDS

  22. Paulo Fonseca,adv

    juliano:
    O cerne da questão é o seguinte:
    “Salvo melhor juízo, o tribunal local contrariou literalmente o artigo 13, “b”, da Convenção, porque deixou de ser comprovado risco grave para a criança. Não se está discutindo qual o interesse do menor. Aqui se está diante de uma Convenção, que coíbe o seqüestro de criança, ainda que realizado pelo pai ou pela mãe, e define qual o juiz competente para processar e julgar a demanda daí resultante. A presente decisão não pode ir além dessa definição” Ari Pargendler. “O que estamos fazendo ao admitir que a consolidação da situação de fato, pelo tempo, impede o retorno? Estamos admitindo que qualquer pessoa possa burlar a Convenção, retirando o filho, com autorização judicial, por um prazo determinado, do país de origem e aqui permanecer debaixo de um processo que pode ser moroso”
    voto divergente de Carlos Alberto Menezes Direito

  23. Sandra

    Sandra1, a menina dessa história que citei, não foi roubada, pelos comentários da época há indícios que a menina foi VENDIDA pela mãe.

  24. Sandra

    Sandra1, você sabe como estava vivendo esta menina depois que foi devolvida para a mãe biológica? Eu sei, largada pelas ruas da vila onde morava.

  25. Sandra1

    Sururu, acredito que a ONU não tem o poder jurídico de Haia. Certamente, não tem a mesma credibilidade.

  26. Ekran

    Vi o Fantastico, também.

    Que haverá sentença a favor do pai natural, não tenho duvida.
    Há uma serie de normas internacionais a cumprir.

    Que isso será melhor para o garoto, tenho muitas duvidas…

    Fico imaginando o que levou os Lins e Silva a comprar essa briga, mesmo sabendo de antemão que a causa é perdida.
    Lutar por causas perdidas, eis uma possibilidade para o amor genuino.
    Os Lins e Silva sabem que vão perder.

    E esse garoto NUNCA será filho de David, pois tem na cabeça tudo aquilo que lhe ensinaram sobre a mãe e o pai.
    Ele leva o garoto fisicamente.
    A alma, fica no Brasil.

    Esse amor paterno vai gerar ódio no filho, que perderá tudo o que tem e conhece como familia.
    O pai terá que amar dobrado esse filho
    sabendo que não será retribuido na mesma proporção.

    Ele banca?
    Vai sair bem mais caro que US$ 350 mil.
    Vai custar a integridade dele.

    Na primeira briga familiar, nem Hillary Clinton, nem Larry King estarão por perto.
    Apenas pai e filho.
    Tebas não é Atenas.

    Que o Deus os ilumine na volta aos EUA.

  27. Sandra1

    Vou assistir a reprise do Fantástico.
    Beijos em todos! Boa noite!

  28. Ekran

    Eis o material do Fantastico de hoje:

    http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1034206-15605,00-GUARDA+DE+SEAN+PROVOCA+DISPUTA+ENTRE+BRASIL+E+EUA.html

  29. gthomas

    Tem uma outra Sandra que entrou ai.
    Sugiro que ela entre com outro nome, tipo, Sandra e uma inicial do sobrenome, pois esse blog so tem UMA Sandra que eh praticamente co-autora do Blog, junto comigo e o Vamp (musa, vamos dizer).

    Enfim, tudo isso pra dizer, OTIMOS pontos levantados pela nossa Sandra.

    Pelo que o Vamp e o Jose Lucio (tradutor da carta e amigo do David) me dizem, o programa correu bem e a favor do David

    Fico feliz.

    Essa mania de sempre chamar todo mundo de vagabundo

    Todo mundo eh vagabundo…vagabundo (estranho essa estranha mania de chamar todo mundo de vagabundo….

    deve ser algum complexo…

  30. Ekran

    No Fantastico (ver link de post anerior, as 23.48) há 3 videos.

    (1) sumario da historia, narrada pelo reporter de Globo nos EUA
    (2) entrevista com David, pai natural
    (3) entrevista com a avó materna do Sean, aqui no Brasil

    O padastro não foi entrevistado, a pedido do mesmo.

  31. RENATO

    o STF VAI devolver a criança, !!!!!!!!!!!o sujeito brasileiro querendo continuar com o sequestro do filho do americano, criança americana….será o que ele quer dessa criança?

    OS filhos de estrangeiros nascidos no BRASIL, ficam aqui, mesmo se os pais são fugitivos do pais de origem, os pais ganham até cidadania brasileira, porcausa do filho.

    NESSE CASO ATÉ ANALFABETO SABE QUE , SE A CRIANÇA É AMERICANA DE NASCIMENTO E SEU PAI ESTA LÁ E SUA MÃE MORREU, ELE TEM QUE VOLTAR……chega de atrazo, ou deve ter outro interesse DA FAMÍLIA BRASILEIRA?

  32. Marcondes

    Tenho certeza que o STF vai lembra do caso Ana Carolina, (jogada pela janela) se esse padastro venha se casar? No Brasil homens não abdicam duma mulher pelos filhos, preferem abandonarem os filhos a propria sorte, ou com parentes, ou obrigam aceitarem a escolhida por ele, que pode ser um monstro, jogar pela janela, etc…. Nos EUA a grande maioria dos homens, escolhem ter um filho, é diferente.

  33. Sandra1

    Xará, não se pode comprar uma criança. Há caminhos legais para adoção. Todos nós corremos riscos quando aceitamos que a adoção seja feita de outra forma. Nossos filhos podem ser roubados amanhã, adotados por uma família mais rica, e nunca mais os veríamos.
    E como assim, há indícios? Dinheiro em conta? Testemunhas? Depoimentos? Por que esses indícios não foram investigados? Por que não apareceram no julgamento?
    E pode ser que a garota ficasse com os pais adotivos e virasse drogada, ou também ficasse largada por aí. Riqueza não é garantia de nada. Cresci em periferia e isso não prejudicou minha criação. O fato é que, no momento em que foi devolvida, os pais biológicos eram bons pais.

  34. Sandra1

    Ekran, isso já aconteceu com o menino uma vez. Ele vivia nos EUA. Foi-lhe tirado: o pai, os amigos, a casa e todas suas referências. A dor que a família brasileira está passando, foi a mesma que o pai passou. Por que a atual separação doeria mais do que a anterior? Se o pai fosse alguma criatura monstruosa, estuprador, espancador, eu compreenderia. Mas ele era um bom pai, e isso, nem a atual família nega. Ele pode não ter o padrão de vida que tem a família brasileira, mas não ser rico não é crime.

  35. Oi, GT e pessoal.

    Eu tb vi o Fantástico. Também acho que o programa valeu para o David, que se explicou bem. Estou acompanhando o caso tb pela Folha. A matéria na Folha é cética: diz que o esforço de David será inútil ou algo assim e entrevista o advogado de João Paulo Lins e Silva — que não deu entrevista ao Fantástico dizendo que o processo corre em sigilo de justiça –o que é o jeito dele manifestar que não está de acordo com a repercussão do caso.

    Uma explicação para Ezir: dê uma olhada aí nesse vídeo que vc vai ficar sabendo mais sobre o pessoal da contracultura e o Agrippino:

    Eu me baseio, sobre o Oswald, na biografia da Maria Augusta Fonseca. O que eu quis dizer que ele só viu REEDITADO, em sua vida, o livro Os Condenados. Claro que ele publicou muito, vc está certa. Escreva lá no blog e a gente conversa.

  36. Sandra1

    Gerald, caramba! Ai, meu ego!

  37. Sandra1

    Estou vendo a reprise da entrevista.
    Acho que o David vai ficar com o garoto.

  38. Ekran

    Mais repercussões do caso Sean, com apoio a familia Lins e Silva. (o numero de depoimentos no site da Epoca já passa de 500, numa comoção nacional que me faz repensar o que entendemos por familia)
    – – – –
    http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDI0-15227-1-63217,00.html

    Eduardo Eugênio de Gomensoro (eebg@globo.com) | RJ / Rio de Janeiro | 08/03/2009 23:19
    Dr.
    Li a matéria de Época sobre o caso do menino Sean e o drama pelo qual passa a sua família brasileira. Conheço João Paulo Lins e Silva desde que éramos garotos, sendo que ele é um dos melhores amigos de meu irmão Rodrigo, dois anos mais moço que eu, e potanto tenho-o como um irmão para mim também. Conheço também toda sua famíília: pai, mãe e irmão e queria apenas deixar aqui registrado que se tratam de pessoas “do bem”. Especialmente o João, que era um garoto muito bacana e que, sem dúvida alguma, se tornou um homeme honesto, digno e verdadeiro. Sua história tem que merecer o apoio de todos nós brasileiros, pais ou não. O fundamental aqui, e não nos esqueçamos disto, é o que o menino Sean deseja para si e até que ponto as frias leis e interesses da diplomacia internacional podem fazer a este pequeno (e perturbado) núcleo familiar: separar um menino de seus avós maternos, sua irmãzinha recém nascida e seu amoroso padrasto que são, em última análise, o seu único elo com uma mãe da qual ele, tão repentina e drasticamente se viu separado. Até que ponto podemos confiar nas intenções desse “pai” biológico, midiático? Até que ponto esse “pai”, claramente ausente, por livre e expontãnea vontade, terá capacidade de suprir a falta dos parentes brasileiros ao longo da iminente adolescência de Sean? Nós brasileiros temos que nos pronunciar a respeito! Força João! Estamos com vocês! (falo por toda a Família Gomensoro que muito lhe quer bem).

  39. Oi, GT, acabo de descobrir o seguinte: existe o blog

    http://contardocalligaris.blogspot.com/

    mas não é do Contardo, segundo os leitores e as pessoas falam no vazio. QUem o fez não se manifesta.

    Mesmo assim, tem textos dele desde 94 e é interessante.

  40. Ekran

    E no site de Epoca tem a reação de jornalistas indignados com o modo como foi pautada a noticia na impensa local. (O que me faz desconfiar ainda mais do modo como “lemos” a realidade no Brasil pelos olhos de quem nos dita a noticia – falta uma imprensa alternativa ao “Reporter Esso” de cada dia)

    http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDI0-15227-2-63217,00.html

    Adriana (adrianam@gmail.com) | SP / São Paulo | 08/03/2009 21:43
    Reportagem TOTALMENTE PARCIAL!
    Sou jornalista e afirmo que a reportagem foi totalmente PARCIAL e favorável para a família Lins e Silva. A revista escutou sim os dois lados, mas diria que deu 90% para o lado dos Lins e Silva e 10% para o pai biológico. Tanto é que só assinantes podem ler o depoimento de David Goldman pela internet. Em diversos parágrafos, a revista se posicionou claramente ao lado da família brasileira. Todos sabem que o jornalismo deveria ser imparcial, mas infelizmente isso não ocorre em nenhum veículo de comunicação. Mas mesmo assim fiquei surpresa com essa atitude da Revista Época, que me parecia ser uma das revistas mais neutras de seu segmento. Em relação a questão de Sean: fico com pena da criança que irá sofrer muito com toda esta história, mas não existe muita coisa a se discutir.Temos de respeitar as leis e Bruna não fez. Deveria ter se separado e pedido a guarda de seu filho usando os trâmites legais. Não interessa se era feliz no casamento e tudo isso que estão levantando. Nada justifica o que ela fez. Se todo mundo usar problemas pessoais para agir contra a lei, em que mundo iremos viver? O pai tem os direitos. Ele não abandonou seu filho. Pelo contrário. Até agora não vi uma reportagem que afirmasse que ele não era um bom pai antes de ela vir embora para o Brasil com a criança. Se não se tratasse de família rica e influente, este caso já estaria resolvido!

  41. Sandra1

    Pela entrevista da própria avó do garoto, não é verdade que a mãe é que sustentava a casa. Ele pagava o apartamento e ela as demais despesas. A avó disse que ela estava num emprego que não gostava. Mas… essa é uma vida de um casal de classe média começando a vida.
    E ele tem avós, primos, tios lá nos EUA. Foi privado de tudo isso e levado para um país distante, falando outra língua. Por que naquela época essa separação não pareceu tão nociva? Por que a separação da irmã choca, mas a com o pai não chocou?

  42. Sandra1

    Agora indo mesmo! Beijos em todos!

  43. Ekran

    A Globo buscou ser imparcial?
    na revista Epoca ou na TV pelo Fantastico?

    E a CNN?
    entrevistou a familia da mãe e do padastro?

    Há quem peça imparcialidade…mas o caso é PASSIONAL.
    E paixões não se resolvem pelo uso da razão.

    Na lei, leva David.
    E terá que levar no coração desse garoto que vai com ele.

    Não concordo com as criticas de imparcialidade da midia (tanto lá, como cá houve clima de TORCIDA).

    Midia imparcial, nem o Diario Oficial consegue ser.
    Nem a seção de obituarios dos jornais.

    A imagem da avó na TV vai cativar muitas familias no Brasil, onde os avôs são os cuidadores das crianças na ausencia dos pais (em trabalho, ou divorciados). A estrategia tem fundamento para o Brasil.

    Se Sean for para os EUA, vai ficar o clima de “perdemos mais uma para os yankees”, que a TV poderá explorar com mais imagens do drama da familia carioca.

    Não gostei da entrevista do David na TV brasileira, muito truncada, ele sempre na defensiva, parecia coisa de marqueteiro de candidato a presidencia nos debates de TV. Infelizmente, não deu pra ver o David como a CNN mostrou no Larry King.

    Mas houve o lado da familia brasileira no Larry King?

    Ação e reação.

    A Globo e a CNN, duas gigantes da midia, orquestrando o desfecho midiatico dessa novela. Se todos assistem Larry King, muitos assistem ao Fantastico. EUA e Brasil passionalmente ligados.

    Justica?
    É um mero detalhe agora para a midia, pois as Americas ficaram pequenas nesse caso de traições e golpes juridicos.

    Quem sabe outros “Sean” não sejam descobertos e pautados nos noticiarios em ambos os paises?

    E o clima de “torcida” vai aumentar…e a diplomacia pode sair perdendo. Nada bom, em tempos de crescente xenofobia nos dois lados do Atlantico Norte.

    Quando as paixoes nos governam, estaremos mais uma vez em Tebas. E Atenas será apenas um museu a ceu aberto.

    (deve estar rolando uma conversa seria entre os editorialistas da TV Globo e da CNN a essa altura para definir a cobertura dos proximos rounds)

  44. Ekran

    Meu ponto Sandra é que a midia está manipulando excessivamente os fatos…eu apoio o David e por isso estou aqui no blog do Gerald ajudando na pauta, MAS tem muita coisa a ser explicada e TEMOS que aprender a vigiar o nosso maniqueismo, sobretudo diante dessa midia orientada PELO e PARA o marketing.

    Aposto que a TV Globo já tem alguem da area de marketing sondando possiveis patrocinadores para um Globo Reporter especial sobre casos similares ao Sean.

    É cash.
    Não tem midia imparcial, em nenhum lugar do mundo.
    (ainda tem uns poucos blogs…)

    09/03/2009 – 01:13 Enviado por: Sandra1

    Ekran, isso já aconteceu com o menino uma vez.

  45. gthomas

    Sim, No programa do Larry King, uma figura SINISTRA falava de Seattle em nome da familia Ribeiro (era um Ribeiro: sotaque tao ruim que mal dava pra entender o que dizia: mas nao dizia muito alem de DIFAMAR ou tentar DIFAMAR o David.

    Bem , acho que esse sifudeu agora

  46. gthomas

    Por favor, continuem postando seus comentarios.
    Pode demorar um pouco pra entrar.
    Mas tudo que eh bom…acaba entrando…

  47. Ekran

    É isso, virou igual a luta de box!
    UM LIXO de cobertura.

    Aonde estão os grandes juristas desse país e dos EUA nos mostrando o que são as leis acerca desse caso? E como casos similares são resolvidos?

    NÃO SABEMOS NADA!
    Se alguem sequestrar um filho meu e levar para os EUA, o que eu faço?

    Esse é o ponto.

    MAS, vamos acirrar os animos e ganhar espaço na midia para vender mais produtos para familias do perfil de David e Sean Goldman.

    David Goldman virou um produto, INDEPENDENTE da vontade dele. A imagem e a historia dele estão sendo manipuladas.

    Sean também, na capa da Epoca, numa TOTAL irresponsabilidade da editora Globo que SABE que esse caso corre (corria) sob sigilo de justiça.

    Existe sigilo após uma capa dessas?

    O mundo está na mão de marqueteiros e cedemos a isso.
    A familia Lins e Silva preparou a imagem da avó fragil.
    David também fez questão de mostrar uma imagem fragilizada que convence nos EUA, mas no Brasil????

    São IMAGENS.
    Aonde estão os discursos e os fundamentos?

    Meu Deus!
    Estamos cegos, iludidos com as imagens.

    Não se trata de verdades e justiça, mas
    qual o melhor marketing da desgraça familiar?

    (os bispos evangelicos da TV aberta aqui no Brasil são experts nisso)

  48. Ekran

    NOVAMENTE: torço (esse é o termo, pois a verdade está comprometida) torço por David e Sean.

  49. Ekran

    Gerald,

    quando eu vi essa entrevista na GNT ficou claro para mim que MANIPULARAM a sua imagem, pelos comentarios “introdutorios” do entrevistador.

    Pra mim, sacanagem pura!
    Padrão Globo.

  50. gthomas

    Eh, Ekran
    assim como tem outras que nao sao manipuladas.

    Depende de como eles estao com os “ratings” naquele momento

    Nesse momento tem um evangelco fanatico tentando entrar xingando o Sobel.

    Pode mandar teu comentario quantas vezes quiser; vai pro LIXO

    Ekran: mais uma vez ENORME OBRIGADO

  51. Ekran

    O “marketing da noticia” de hoje no Fantastico:

    – familias desalojadas nas enchentes em Santa Catarina;
    – 2 arrastoes em edificios aqui em Sao Paulo;
    – quadro humoristico sobre “o Medo” , com enfase na violencia urbana;
    – caso Sean e as 2 familias divididas entre Brasil e EUA.

    Eis o pacote para a classe media aflita e histerica.
    Foi dificil esperar até a materia do caso Sean, houve esse lixo todo antes…como “pratos de entrada” ao telespectador.

    No final, a noticia fica indigesta.

  52. Reinaldo Pedroso

    Decorrente de ações ilegais ou não, Sean está no Brasil há 5 anos. Criou vínculos afetivos, teve conforto, educação, ensino formal, em um período de idade marcante para a sua personalidade.
    David deveria ter permutado a retirada dos avós maternos do processo, pelo direito de visitar o filho com frequência e todas as despesas pagas, até a solução do caso.
    A herança de Bruna deveria ser liberada para Sean na maioridade.
    Meus comentários anteriores pretenderam ser irônicos.

    (Surpreendeu-me a expectativa pela matéria no “Fantástico”, já que a Rede Globo é duramente criticada por tendenciosidade.)

  53. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 04:06
    Enviado por: Reinaldo Pedroso
    “Decorrente de ações ilegais ou não, Sean está no Brasil há 5 anos. (…)”

    Somente agora – vale dizer, depois de ter escrito o comentário em referência – assisti a matéria do “Fantástico”.
    Nada relevante a ponto de mudar minha opinião.

  54. BIQUEI

    Vamos gastar cada centavo que pudermos gastar.
    http://www.ch.com.br.
    Presidente Lula, confirmando o que todos esperavam dos últimos anos de seu governo
    “Depois vocês SIFU”

  55. BIQUEI

    OS Eremildos do judiciário que insistem em esconder-se,
    pensando o que o cidadão não vê;

    Anamages pede que CNJ evite “caça às bruxas”
    http://www.blog.Vasconcelos.com.br
    Audiência expõe juízes à “execração”, diz entidade
    O juiz Robson Barbosa, diretor da Região Centro-Oeste da Anamages (Associação Nacional dos Magistrados Estaduais), vai protocolar requerimento junto ao Conselho Nacional de Justiça, pedindo que sejam estabelecidos procedimentos nas audiências públicas para evitar a repetição dos fatos ocorridos no Piauí.
    Aos sectários do judiciários não custa lembrar Albert Einstein A tradição é a personalidade dos imbecis. querendo na democracia empregar métodos da Ditadura.
    Segundo a entidade, o objetivo é “resguardar a honra e a dignidade do Poder Judiciário, evitando-se a exposição, a execração pública e a ofensa à imagem pessoal e funcional dos magistrados, acusados em público e de forma até leviana”.

  56. BIQUEI

    Já somos refém!
    Obama quiere el petróleo de Lula
    http://www.elpais.com.
    Washington pretende poner fin a su dependencia energética de Venezuela
    Por su cercanía geográfica y la fluidez del diálogo político que ya se ha establecido con su nuevo presidente, EE UU se convierte en el gran comprador natural del oro negro brasileño.
    O Barba passando uma rasteira no parceiro ideológico Vermelho, é o perfil do homem, sempre passando alguém para atrás.
    Fuentes diplomáticas brasileñas recuerdan que el Departamento de Defensa norteamericano decidió reactivar el pasado julio su Cuarta Flota para el Caribe y América del Sur, compuesta inicialmente por 11 buques, entre ellos un portaviones y un submarino nuclear. “Esta decisión no es casual. Ahora más que nunca estamos en el radar de los estadounidenses, ya que existe una cierta preocupación en algunos sectores de ese Gobierno por lo que suceda en esta zona de producción petrolífera”, apunta una fuente cercana al presidente brasileño.
    Eles não sabem o quanto existe, mas já estão contando antecipadamente que serão os maiores.
    Para Petrobras, la viabilidad del pacto comercial dependerá de las cantidades de crudo que se logren extraer. La previsión es que haya petróleo para exportar no sólo a EE UU, sino a otros países del mundo que ya han mostrado interés, como China y Japón.
    Vai terminar entregando nosso ouro negro á troco de banana, sem agregar valor ao produto, criando empregos na América do Norte.
    Brasil insiste en que está más interesado en la venta de derivados, como gasolina, ya que le resultará mucho más rentable que la venta de barriles de crudo. Esto explica que Lula haya decidido apostar por una gran inyección de capital en Petrobras para la construcción de cuatro nuevas refinerías y la ampliación de otras tantas que ya existen. Brasil aumentó sus exportaciones de petróleo y derivados en casi un 10% en 2008, y el 40% de esas ventas fueron a parar a EE UU. El negocio está en marcha.

  57. mnc

    Ola saudações tds vcs,
    Estive outdoor por todo domingo, fui na terra do Pacheco, Belmonte, mara, praia deserta, foz de Rio, no Restaurante do Pedro, Gauiamum cevado, moqueca de robalo e pitu sem economia de leite de coco, e churrasco que ele ofereceu por conta da casa, tudo por noventa reais p quatro,comer até se fartarem e ainda sobrar p marmitex p “dog”.
    No fim da tarde na casa de Regina pontinho, filha do Sr Ivan dos quiabos, doces deliciosos, e p embora guaiumum no leite de coco,em retribuição ,sanfona e violão no bar da irmã dela, p gente mara de Belmonte.
    Na volta banho de rio em mogiquiçaba, por do sol na balsa de Santo André…renovada p enfrentar a semana.

    Além dos tratados e leis, existe o Breast of Court, convicção íntima de uma Juíz, foro íntimo de um Juiz…Se o Sean for perante ao tribunal e pronunciar sua vontade, tenho plena convicção que sua vontade será levada em consideração.

    Há Jurisprudência, um processo como esse, atuei como Sowor-in translator, e quando o Juíz Federal viu o menino em prantos implorando p ficar no Brasil, que não queria embora, que gostava de viver aqui, ponto, A mãe ganhou a custódia definitiva, e é gente humilde do interior do interior do interior de MG. In forma pauperis Justice, Justiça Gratuíta.

    Que Deus ilumine o Discernimento de todos envolvidos nesse drama tão pesado.

    Lendo por cima a contesntação da Adv de David…depois da praia vou reler e reler…quase no final em ato falho do tradutor, escreve ” Estória de Mr Godman , com e mesmo”…e é mesmo p boi dormir na sombra e água fresca, sem precisar ralar, ele tá de olho é nas boutiques da herança.
    Refere-se a mãe de Sean como Senhora Goldman, porque, o David se diz considerar ainda marido, desconsidera o divórcio homologado no Brasil, maridos são herdeiros.
    Already have his number.
    Mr David Money making scheme.
    Volto depois de ler timtim por timtim, tds os coments deste e do post passado…
    Um semana traquila e de sorte a tds.

    Em tempo…nem de graça, com roupa lavada e comida na mesa, viveria nos USA agora, que transitam sua casa doze, inferno astral, n joquei pedra na cruz…castigo por n ter assinado Kioto…invadido o Iraque por conta das armas quimicas que nunca existiram…quem sofre c isso é o valoroso povo americano.

  58. Comentário de ontem enviado por EZIR:

    1. 08/03/2009 – 20:17 Enviado por: ezir
    ESTIMADO PACHECO, UMA DAS VOZES MAIS MADURAS DESTE ESTIMADO BLOG do Sr. Gerald Thomas:
    Gostaria de comentar cada comment seu aqui de hoje e os outros passados tb..
    Obrigada por apreciar minhas traduções e pontos de vista etc. via meus “comments”.
    PACHECO :
    seu INGLÊS É UMA GRAÇA DE ENGRAÇADO.Você conseguiu criar um jeito de falar ingles MEIO DO AVESSO E FAZENDO SENTIDO AO MESMO TEMPO …QUE INCRÍVEL!!! Voce é inimitável!!!
    Compartilho com VOCÊ DAS SAUDAÇÕES À MRS. ELLEN STEWART por TUDO QUE ELA CONQUISTOU NAS ARTES DO TEATRO MODERNO E COSMOPOLITA nesta 3 ou 4º maior METRÓPOLE DO MUNDO, E A MAIOR TENTAÇÃO CONQUISTADA DE TODAS AS MEGA-CIDADES CONTEMPORÃNEAS por TEREM CONSEGUIDO CRIAR O 1º METRÕ DO MUNDO …E TEREM INVENTADO O ESPÍRITO NOVO DE TODAS AS AMÉRICAS DESTE NOSSO “NOVO MUNDO” falado POR TODOS OS ESCRITORES-TESTEMUNHOS DAS CIRCUNNAVEGAÇÕES : O “AMERICAN WAY OF LIFE”.
    Em REVOLUTION REVISITED , o cineasta HUGH HUDSON que tive O ECRÃ DE CONHECER NA PALESTRA DA MOSTRA DE CINEMA , no ARTEPLEX ,e até CONSEGUI TRAVAR UMA CONVERSA MULTI-LINGUAL COM ELE MOSTROU muito BEM este PONTO DE MUTAÇÃO NA HISTÓRIA DE “MAN-HA-A-TAN “ com OS IMIGRANTES travandoA GUERRA DE VIDA OU MORTE AOS DÉSPOTAS-BUROCRATAS INGLESES-GEORGIANOS que NÃO SE CONTENTAVAM COM A MAIOR PARTE DO BOLO…E PASSAVAM POR CIMA DE QUALQUER SER HUMANO para MANTER UMA IDÉIA DE “DINASTIA INGLESA” que JÁ há MUITO TEMPO APODRECIA NOS MODOS E MANEIRAS , COMPORTAMENTOS completamente COMPULSIVOS…uma IMITAÇÃO GROTESCA …às vezes, “DESEQUILIBRADA” DO CARÁTER E DA MODA E COSTUMES DA VELHA E VICIOSA CORTE FRANCESA.
    Então, ACHEI SEU GESTO DE CUMPRIMENTOS À GRANDE MAMA “ELLEN STEWART” de uma beleza GESTOS GESTUAL E-M-B-L-E-MÁ-T-I-C-A
    os quais SINTO ESTARMOS RESGATANDO AQUI …nesta nossa INTERAÇÃO VIRTUAL com este BLOG,que só tem me feito VOLTAR e FAZER NOVAS INTERLOCUÇÕES ( apesar de algumas VISITAS q o sr. Thomas comenta serem “ATÍPICAS”).
    Então, bem, adorei SUAS PIADAS …super CRIATIVAS E BELOS !DROPS ” tipo de ALMANAK…E suas RECEITAS : bem, NÃO TOMO CERVEJA …exceto A ESCURA. Reconheço o ZECA PAGODINHO como uma das FIGURAS CENTRAIS DA MÚSICA DA CULTURA DE MASSA CARIOCA OU DO RIO DE JANEIRO.Sempre assisto ELE e suas entrevistas.Mas, SOU UMA AMANTE ARRAZOADA…E AUSENTE DO CLUBE DOS VINHOS, OU DOS ENÓLOGOS que vivem dando NOTÍCIAS E CONVITES DE DEGUSTAÇÕES lá no Rio, SP, BR inteiro …e ADORO ficar SABENDO DAS FOFOCAS …E DAS RECEITAS , é claro!!!
    UM SUPER DOMINGO PRA VOCÊ …e a ANA LUISA , NETINHOS…E TODO MUNDO !!!
    Um MEMORÁVEL TCHAU NESTE DIA …O PRIMEIRO DIA INTERNACIONAL
    MINHA RÉPLICA

    Ou

    Comentário do comentário

    Efeitos do elogio que Ezir me ( generosamente ) me enviou.

    Primo pela verdade em tudo. Ensinamento do pai ( de coração ) que tive reforçado ( pela avó ) e disciplinado pela mãe. Na verdade de coração todos e todas.
    O pai me ensinou com energia na base do:- faça o que eu digo e não o que eu faço. A avó com o carinho que só as avós demonstram e a mãe talvez com o coração sangrando apoiada com varinha de marmelo quando necessário.
    Que trio. Que saudades.
    Faça assim ordenava o pai.
    Quando eu não fazia:
    – (Zezino (era Zezinho, mas a velha italiana nunca acertava) a mentira tem perna curtas).
    Entrava a mãe já de varinha em punho:
    – Toma menino. Aprenda a obedecer o teu pai.
    Aprendi.
    Entendi.
    Até hoje sou grato.
    Passei a lição aos meus filhos sem cumprir sãs etapas do meu aprendizado. Usei dando exemplos os quais destacava.
    Ensinei-os, por exemplo, a crerem na existência de Papai Noel. deixando claro que o Noel era eu.Embora travestido na ocasião igual aquele criado pela Coca Cola.È possível criar um mundo encantado.
    Mais ou menos o que faço aqui no blog.
    Onde todos entendem que só brincando estou.
    Brincando com coisa séria e sendo sério com brincadeiras (lembram desta frase?).
    Tudo isto escrevi para que entendam o que digo agora:

    Ao ler o elogio de Ezir eu PEIDEI.
    Não sei se existe peido de alegria e contentamento. Mas o que dei certamente foi.
    Fiquei inchando como um sapo ao ler o elogio.
    Parecia que ia estourar. Acho que o peido foi a válvula de escape.tamanho meu contentamento.Ou tudo saia ou eu estourava de alegria.
    – Baby venha ver o que disseram de mim no blog.
    Pausa. Baby leu. Leu e disse:
    – Porreta!E quem é Ezir?È mulher ou macho?
    – Sei lá e pouco me importa. Aos anjos o sexo não se pergunta.
    Resolvido a não comentar mais nada fechei o laptop. Fui tentar dormir.
    Dormir diplomado.
    Diploma de: participante e tradutor ocasional do Bloggeraldiano.
    Concedido por Mestre Ezir e publicado Neste mundo encantado criado por Gerald Thomas,
    Controlado e ajudao por um amigo vampiro cula musa é a Sandra e freqüentado pro uma irmandade virtual de excelentes amigos.
    Tudo isto se eu não fosse prolixo poderia estar resumido assim:

    EZIR, MUITO OBRIGADO.

    Jose Pacheco Filho.
    E
    Todos da Walt – checo.
    Inclusive Papai Noel que está dormindo no Pólo e
    Donald Duck que nem sei onde anda.
    E em Especial do Tradutor não juramentado.

    A VIDA É BELA.
    FAÇA A SEU SER.
    BASTA QUE QUEIRAS ASSIM.

  59. Estimada mnc

    Fiquei feliz em saber de tuas andanças por Belmonte.
    Não sou de Belmonte.
    Amo Belmonte como se fosse nativo. Por lá ter vivido bom tempo.Por lá ter realizado muito do que hoje se soma ao meu modo d vida.
    Sou natural de Itápolis. Cidade pequena( era0 do estado de São Paulo.
    Fui criado desde pequeno em santos.
    De onde sai com 16 anos para entrar na marinha de Guerra.
    E me tornei cidadão do Brasil e de parte do mundo.
    Passando para a reserva e entrando em outra marinha (mercante) continuei pelo mundo afora.
    Com o lar sempre em santos. Com o corpo em diversos portos..
    No momento estou em Caravelas. Aguardando ordens par ida para Vitória.
    Esteja onde eu estiver nossa ponte já temos. É aqui no blog.Não é uma maravilha a internet?
    Por tua descrição de onde comeu só podes ter estado na pousada do Pedro. Que também é taxista.Realmente ele cobra barato.E tenho certeza que se tivesses mencionado meu nome ainda terias um abatimento.
    Do outro lado da rua tinhas o bar do Diogo. os dois são lordes mas cã entre nós eu te digo.Os crustáceos do Diogo são bem mais cevados.vale o aviso para uma próxima vez.
    Poderias também ter ido à Taberna que fica as margens do rio. Preços mais salgados compensados por amabilidades especiais das atendentes.E cozinheiro de primeira linha.pois sendo dentista cozinha aos domingos somente por amor a arte.
    Enfim teu passeio foi realizado.
    Fica meu lamento por não ter estado eu presente.
    Talvez que um dia eu vá a Arraial ou Trancoso.
    Talvez que um dia venhas a Caravelas (vou fixar residência aqui)
    Neste mundo nada é impossível.
    Quem espera sempre alcança.
    Ou então morre esperando.
    O que será.
    Quem sabe é o destino.

    Obrigado.

    Pacheco.

    Você esteve perto do Goiamum gigante?
    Meu neto nem quis chegar perto. Pensou que estava participando de desenho nipônico.
    Rsrsrs

  60. Sandra1

    Reinaldo, o fato do garoto viver nos EUA por 4 anos e de ter vínculos de sangue, família, amigos e sua própria lingua não foi motivo para que a mãe não o tirasse de lá. A família brasileira está pedindo o que negou ao pai e ao garoto naquela época, e colocando em risco os nossos filhos, que podem ser levados de nós e nunca mais entregues, com o argumento: eles estão muito bem aqui.

  61. Sandra1

    Mnc, o cara rala. Vive dos seus ganhos. Pela entrevista com a avó, o casal estava comprando sua casa com seus próprios ganhos e ambos pagavam as despesas, ou a prestação da casa (a avó usou o termo hipoteca, pouco usual no Brasil), que, segundo ela, era paga pelo David, não é despesa?
    Ela disse que a Bruna estava num emprego que não lhe agradava. Bem… todos nós passamos por isso uma vez na vida. Para mim, essa é a história de vida de qualquer casal de classe média começando uma vida em comum. Existem outras maneiras de lidar com os problemas que não seja sumir com o filho de seu país, cortando o vínculo com sua família e com todos ao redor.

  62. Sandra 1

    Você é Sandra mãe da Sandrinha?
    Amor do Chefe?
    Sócia da caverna?
    Eximia tenista de mesa?
    Mestra de alguns que gostam de ler o marcola.

    Defensora intransigente do que é certo?

    Estou me cercando de todos os cuidados possiveis.

    Já confundi um Rodrigo com outros Rodrigos.

    E finalmente você fez esfiha ontem?

    Acho que com todas estas pistas não vou errar

    Obrigado.

    Pacheco.

  63. Então se Sandra 1 for a nossa Sandra que é musa deveria adotar:

    Sandra primeira e unica.

    Salvo melhor juizo.

    A vossas considerações.

    Obrigado.

    Pacheco.

  64. Sandra1

    Sou Pacheco! Usei esse nick porque há outra Sandra comentando no blog, mas, já que o Gerald autorizou, no próximo post volto ao nick original, e peço a minha xará que modifique seu nick para evitarmos confusão. Nesse post, continuarei comentando como Sandra1.

  65. Sandra1

    Ontem não fiz esfiha, Pacheco, mas faço quando você vier a Sampa!

  66. Sandra1

    “Defensora intransigente do que é certo?”

    Intransigente demais, às vezes. Eu preciso de um pouco mais de jogo de cintura.

  67. Pelo que fui informado o senhor David Goldman Comanda barcos nos quais transporta turistas e outros interessados em pescar.
    Portanto é meu amigo do mar.
    E saibam os menos avisados que para exrcer esta profissão o car foi testado e examinado pel US Coast Guard que a exemplo da Nossa Marinha aqui no Brasil é extremamente rigorosa ao expedir certificados de habilitações.
    E é uma atividade muito desgastante.
    Somente e muito recompensada quando estando no mar e por pouco tempo o navegante se desliga um pouco dos problemas que deixou em terra.
    É quando ao nascer ou por do sol no horizonte o cenário nos lembra que nada somos frente a grandiosidade do Universo.
    Somos nada por uns momentos.
    Ou somos tudo.
    Depende de cada um.
    Depende do que acredita.
    Ser ou não ser.
    E depois voltamos a ser o que o Gerald disse.
    Duvida cercado de mentiras.
    E paro agora.
    Quem sabe dizer não dizendo.
    É Tene
    è Cheba.
    E falta muito para eu chegar a ser.
    Cover de Tene Cheba.

    Obrigado.

    Pacheco.

  68. Sandra1

    Mas, “certo”, é apenas o que eu acho que é certo. E adoro um debate onde os meus “certos” são postos em xeque!

    Beijos em todos! Até mais tarde!

  69. gthomas

    Pacheco, sim eh isso que ele faz
    Lobge de ser um vagabundo como certos comentaristas que entram aqui tentam coloca-lo.

    Alias, nem adianta entrar com esse comentario pois tanto eu como o Vamp, iremos simplesmente vetar o comentario. Vagabundo eh quem deve estar escrevendo a mando da familia tal.

  70. OK Sandra. Entendido.

    Beijos para a Sandrinha
    Abraços pro chefe.

    Não sei como, mas espero comer as esfihas.

    Quem sabe.

    Não levarei o Pateta porque ele não se limita.
    Mas com certeza o Donald vai.

    Ele mandou me avisar que está voltando.

    A margarida esta cuidando bem dos patinhos.
    Disse ao Donald que jamais o trairia fugindo com eles pra casa da vovó Donald e se um dia desejar fazer isto avisa o Donald antes.
    E a vovó Donald garantiu que ela jamais deixaria uma pata fazer as coisas erradas.
    Na Walt – checo todos sabem o que é lei.
    Os únicos que não andam bem com a lei são os Metralhas.
    Em compensação eles não enganam ninguém.
    Não vestem pele de cordeiro.
    Nem togas de juízes.
    Não desejam serem políticos.
    São o que são.
    Os metralhas.
    Quisera eu que por aqui muitos humanos pensassem assim.

    Obrigado.

    Pacheco.

  71. S u e

    Bom dia amigos…

    Sandrinha (Sandra 1 a musa do Blog) , voce realmente ja respondeu tudo….

    Mas ref ainda sua xara…(08/03/2009 – 22:04 Enviado por: Sandra)
    Nao esta em questao o quanto $$$ cada pai (Biologico ou Padastro) podem dar…..Com certeza o Padastro pode ate ter mais condicoes financeiras…OTIMO , entao porque nao manter a crianca Sean perto do pai NJ , sendo visitado pela familia Brasileira, (isso incluiria Padastro , meia irma…), e a mesma familia Brasileira ajudando-o economicamente no que faltasse ou melhor para os extras…aulas de Portugues …e alguma coisa que achem que falte.

    No mais David trabalha , se sustenta…tem familia tambem !!!
    Quando a crianca estava com a mae…ainda se podia ter alguma ” ….” ….mas agora nao tem duvida na falta da mae , o Pai tem que tomar conta e poder (custodia) do filho…

    O Fantastico de ontem…sei nao..(achei a Globo ainda pendente para o lado da Avo…)…mas quem decide nao sao a imprensa e nem a populacao….e ai esta meu medo…NAO CONFIO nos tribunais…ainda mais quando em questao uma familia tradicional do judiciario Brasileiro.

    So espero de coracao…que essa disputa acabe logo e Sean , se sinta bem , amado e querido por todos em qualquer lugar que esteja…Crianca de 8anos…se adapta muito facil…uma questao de seis meses para fazer coleguinhas e adaptar a escola…..o resto vai fluindo…

    Os adultos que sofrem mais…e sao egoistas…NAO gostam de serem contrariados….

    Continuo na torcida para Sean ficar com o pai…..e nao perder as visitas e ferias com a familia Brasileira.

    Beijos

    Sue

  72. S u e

    Emtempo:
    Talvez a diferenca (na entrevista do Fantastico)que tenha sentido fosse pelo peso do reporter de cada lado…mas enfim !!!

    E a justica tao lenta acaba se passando o tempo…e quanto mais o tempo passa mais chances para os desvios , e ,virgulas, da lei….NAO fazerem o que eh correto !!!

  73. Alo Gerald.

    Sabe o que mais eu estranhei?

    O padastro não ter ido aos estúdios do Globo.
    Dar a cara à tapa.
    Defender no que acredita de divulga.
    Ou divulga e não acredita.

    Lembrei-me de um colega da minha infância.
    Era um menino rico
    Arrumava confusão e na hora da briga corria chamando.
    – Manhê… socorro.
    Os outros paravam.

    A briga não era com a mãe.
    Mas a mãe aparecia.
    E nos ameaçava:
    – Vagabundos moleques de rua. Vou falar com o pai de vocês.

    Ainda bem que ela nunca foi falar com os meus.
    Teriam ouvido poucas e boas.
    Seria enxotada.

    Rsrsrs.

    Ainda bem para ela fique bem explicado.

    Obrigado.

    Pacheco.

  74. gthomas

    Ana Peluso, gostaria de ouvir a sua posicao, ja que o Antonio Peluso vai ter que lidar diretanente com isso, nao?
    LOVE
    G

  75. targinosila

    Eu tenho me omitido de dar opinião porque não sou advogado.
    Eu vejo na atitude desse cidadão Lins e Silva um capricho.
    Quando sai da minha casa meu pai fez a seguinte
    recomendação. Meu filho, não seja nem padre, nem pastor, e nem advogado.
    Nada tenho contra a profissão de advogado,
    tenho vários advogados na família e no circulo de amizades.
    Fico com a opinião da minha mulher.
    Ele que fique com o filho dele e devolva o filho do outro.
    Eu me dou melhor com médicos e engenheiros onde a esperteza não funciona.
    As teses de defesas são as mais estapafúrdias.
    O meu cliente, mega empresário, assinou mas não leu!!!!!!
    O meu cliente comprou acessória do PC Farias e não recebeu !!!!
    O cidadão recebeu uma fortuna para falar um monte de besteiras.
    O pior de tudo isso é que tem juiz que aceita.

  76. Uma das maiores mentiras do mundo é quando um advogado diz:

    – Fique tranquilo.Este caso se resolve rápidinho.

    As vezes o cliente morre.
    E o rapidinho fica esperando Godot.

    QUac QUac Quac

    Viva. Aleluia.

    Donald chegou.

    Depois eu volto.

    Obrigado.

    Pacheco.

  77. S u e

    Pacheco,

    Nao eh so ai nao…trabalho num lugar aonde somos ao todo 35pessoas (90./. mulheres e 80./. Brasileiros) , mesmo David Goldman sendo cliente de uma das meninas , muitos poucos la dentro sabiam da **historia** na integra…
    Eu que tenho divulgado…enfim…feito *reply* de tudo que acho , leio a respeito desse caso….para manter o escritorio *apar* dos acontecimentos…

    Tem muita gente (nao necessariamente humilde que trabalha muitas horas – esses com certeza com mais motivos para …) alienda…que nao sabe nada do mundo…nao se interessa…alias so quer saber o que lhe diz respeito…o que vai influenciar na propria vida…nas acrescenta nem divide…informacoes….

    Mas ainda bem que no mundo existem pessoas muito diferentes……

    ****************

    Obrigada mais uma vez pelo carinho de ontem
    (08/03/2009 – 16:27 Enviado por: Jose Pacheco Filho)

    E Sao Pedro nos enganou….tempo friozinho e chuvoso…esse inFerno (inverno) insiste em continuar…

    Beijos

    Sue

  78. santanna

    “Eu me dou melhor com médicos e engenheiros onde a esperteza não funciona.”
    (Targino, 11:46)

    Targino,

    A esperteza está em todo canto, no mundo todo.
    Se eu fosse vc não confiaria tanto em médicos, por exemplo.

  79. targinosila

    Eu não conheço a Ezir.
    Sou capaz de jurar que ela tem um par de azas brancas.
    uma auréola dourada e uma face resplandecente.

  80. Joana d'Arc

    MNC,
    Tocou em um ponto muito importante, que è a questao da discricionariedade do juiz.Ele nao pode fugir do conteudo objetivo da norma, mas o que significa essa palavra “grave”?

    Nos EUA a decisao dos outros juizes vincula (Sue?), no Brasil depende. Logo, nos EUA sao mais tecnicos, em sendo assim, acredito/acho que a discricionariedade dos juizes americanos acaba ficando mais limitada. Se eles tem que obedecer sempre o vizinho de cima!?
    Por outro lado, às vezes, ajuda que o juiz leia tb as entrelinhas, senao o “direito” se reduz a burocracia…a diplomacia agradece..mas e o cidadao comum?

  81. gthomas

    Ezir, teu email entrou todo truncado, ilegivel. por favor remandar

  82. .
    Sue.

    Estão mexendo tanto no mundo que até São Pedro se atrapalha.
    Onde é só pra chover os homens deixam que alagar.
    Porque se não houver alagamentos.
    O que é que eles vão dizer que consertarão se forem eleitos.
    O mundo foi feito perfeito.
    Cuidaram e cuidam de estragar.
    E nada pode ser feito.

    A não ser:
    Fugir da realidade.
    Sonhando.

    Então sonhe.
    Podes alcançar o teu sonho.
    Depende do quanto.
    Por ele podes pagar.

    Pague e leve.
    Guarde o que é teu.
    Para outro não te roubar.

    Estão roubando tanto.
    O ponto até de matar.
    Só não matam os sonhos.
    E nem podem roubar.

    Sonhos de liberdade.
    Difíceis de alcançar.
    Sonhos que só pertencem.
    Aos que sabem guardar.

    Sue no Central Park ver rosas.
    É possível realizar.
    Basta fechar os olhos.
    E simplesmente:
    Sonhar.

    Obrigado.

    Pacheco.

    Não pretendo elogios.
    Mas agradeço se não jogarem tomates.

  83. Guilherme

    O garoto tem pai, tem que ficar com ele. Simples, mas infelizmente a influência do “padrasto” deve ser responsável por essa complicação absurda.

    Devolvam o garoto ao pai!

  84. santanna

    “Sabe o que mais eu estranhei?
    O padastro não ter ido aos estúdios do Globo.
    Dar a cara à tapa.
    Defender no que acredita de divulga.
    Ou divulga e não acredita.”
    (Pacheco, 11:39)

    Pachequitcho,

    Menos, menos…
    Vc acha que um cara que comprou uma briga de repercussões diplomáticas tem medinho de aparecer no Fantástico?
    Já que estamos dando só pitacos, fico com a hipótese do Ekran; num caso assim, a avó toca muito mais o emocional das pessoas que o padrasto.
    É tudo muito bem pensado.
    Qdo se parte pra uma briga desse porte, a primeira coisa que se deixa de lado é a ingenuidade, óbvio. Em ambos os lados.

  85. santanna

    “Eu não conheço a Ezir.
    Sou capaz de jurar que ela tem um par de azas brancas.
    uma auréola dourada e uma face resplandecente.”
    (Targino, 12:16)

    Targino,

    Isso é elogio ou xingamento? rs!
    Ateus agora admiram seres angelicais?? Esse mundo está mesmo de cabeça pra baixo!

  86. dois advogados, pai e filho conversam:
    – papai! estou desesperado, não sei o que fazer, perdi aquela causa!
    – meu filho, não se preocupe, advogado não perde causa, quem perde é o cliente!

  87. s u e

    Sorte que nao eh a Populacao , nem a midia que decidira o caso !!!
    E o fato do Padastro ter pensado em *tudo*…que da medo…o que nao mais ja foi pensado dentro dos tribunais…para *que o **jogo** seja ganho pelo padastro e familia…..
    Como nao estao **jogando** limpo…eh que nao tenho tanta certeza que David Goldman ficara com custodia de Sean…

    Enfim…esperamos e MUITO ainda pela decisao…depois com certeza um milhao de **recorrer** recorrer…e Sean vai crescendo …ate completar 10anos…e ai tera *opiniao* guase que de decisao com quem quer ficar….

    Estando longe do convivio do pai…sera dificil ele escolher um lado que (nao conhece)….

    Enfim….

    **Jogo** = Sei que nao eh um jogo eh uma vida…mas eh isso que os adultos tem feito, jogado com a vida do menino…

    ********

    Nossa esse poema arrasou..Sr.Pacheco…ops!! vao querer acabar com os sonhos…..

  88. Santanna

    Então se armaram para a avó derreter corações o cara na realidade só quer mesmo é ferir o outro.
    A mulher morreu.
    deixou pra a familia uma criança que foi uma benção de Deus.
    Que corações são estes que querem tirar o filho de outro?
    Porque tanta manobra para segurar o menino.
    Porque exigir sigilo?
    Eu amo meus netos.

    E grito por isto.

    EU AMO MEUS NETOS.

    Amar no papel é facil.
    Quem está botando a boca no mundo é o Goldman.
    Gritou tão alto que até um Senador ouviu.
    Por destino o Senador hoje é presidente.
    O grito encontrou eco.
    Guarida.
    Acolhida.
    Felizmente.
    Porque deste grito.
    Do que resultar deste grito.
    Do silencio.
    Outras vozes serão ouvidas.
    E respondidas.

    Sempre havera um primeiro em tudo.
    Onde passa boi passa boiada.
    O resto é:
    Conversa fiada.

    Obrigado.

    Pacheco.

  89. juliano

    Li atentamente a decisão proferida pelo Superior Tribunal de Justiça que negou a volta do garoto aos EUA. O Tribunal aplicou duas exceções prevista na Convenção de Haia. No Brasil tratados tem força de lei e para violação de lei cabe ao STJ decidir. O STF seria pra violações da Constituiçãob que não é o caso em tela. Mas que fique claro que o STJ jamais decidiu sobre a guarda do menor, apenas que o garoto não poderia voltar aos EUA. Pelo que entendi no Fantastico todas as partes estão sendo submetidas a exames psicologicos pra discutir a questão do vinculo afetivo. Acho isso muito bom, que seja feita essas invetsigações e exames para que o juiz decisa embasado.

  90. Boa tarde a todos, meus caros colegas.

    Sinceramente falando, não gostaria de ter um genro com o perfil do David. Midiático, apelativo e focado em si mesmo; não me parece que esteja pensando no drama maior do seu filho – a perda “irreparável” (morte!) da mãe, há seis meses.

    Sua tragédia pessoal e familiar, a do garoto, e a forma como é colocada pela mídia (show-business) dá a impressão de estar relegada a um segundo plano – infelizmente vejo assim. A Justiça está seguindo seu caminho – isso basta.

    O pai biológico esperou tanto tempo, não? Pois então, que esperasse mais um pouco para expor a vida pessoal do filho nesse show-midiático sofrível e sensacionalista. Lamentável!

    Boa educação, discrição e respeito à memória da ex-mulher deveria pautar seu empenho no resgate do filho, principalmente agora, posto que essa faleceu.

    Aliás, boa educação e respeito cabem em qualquer lugar e circunstancia. O pai afetivo, me parece, é mais ético e humanitário até nisso; não usa de publicidade populista com a imagem do enteado e sua mãe para angariar simpatizantes à sua causa. Tribunais decidirão o futuro do garoto; ele, o pai biológico e o afetivo sabem disso. ´

    Não acredito, ainda, que a família do pai afetivo do garoto esteja “mandando”, recomendando ou seja lá o que for, para que partidários, solidários ou simpatizantes seus, tentem denegrir a imagem de trabalhador contumaz, ou não, do pai biológico.

    Parece-me que não é essa a conduta dessa família, de respeitáveis profissionais da área de Direito, por gerações e mais gerações – trabalhadores, sim, como tantos outros!

    O pai biológico trabalha, tem condições de manter o garoto. Quanto a torná-lo um herói por causa da sua atividade comercial num passado mais recente, creio que é simplista esse enfoque.

    Não se pretende julgar pretensos “heróis” por desenvolverem essa ou aquela atividade. Pretende-se julgar pais; pais-heróis, se assim quiserem rotular, que visam o melhor para seu filho, de forma equilibrada e justa.
    Juízes de direito tem essa tarefa: julgar pessoas, fatos e leis.

    Vagabunda e … a mãe do garoto foi rotulada como tal, pelo que li em alguns comentários daqui. “Corno-relógio” foi insinuado para o pai afetivo … etc… Barbaridades “passionais” da “torcida amiga”?

    Intrigante, esse “diagnóstico” – para não dizer leviano, irresponsável e desprovido de conhecimento real ou mesmo midiático.

    Tomo como minhas as palavras da avó materna do garoto Sean: … “quero o melhor para meu neto – que assim determine a justiça”!!!

    Particularmente falando, “torço” para que o garoto escolha, quando atingir a idade ideal, “com quem quer” viver no seu cotidiano. Sendo mais precisa: “estou na torcida” para que fique com a família materna. Aguardemos decisão da JUSTIÇA!!!

    Beijão a todos! Tenhamos, nós, magnífico dia!
    Susan

    PS.: Pai afetivo e filho passaram por uma bateria de testes psicológicos, semana passada, pelo que se sabe. Pai biológico deverá passar por outros, iguais, nesta semana.

    PS.: Recomendado o Fantástico para apreciação da matéria e … por acaso, teve o mesmo “impacto de comoção geral” a matéria apresentada pelo referido programa, em 01/03/2009 – O BRASIL DOS EXCLUIDOS – IDR (índice de desenvolvimento humano)?

    Que tal … “abraçarmos essa causa”??? Pense nisso, por favor!!!

  91. mnc

    Pachecão meu bom…
    Esse Pedro mesmo, entri la porque era o mais cheio e tinha um pessoal chegado lá por acaso do Prado lá comendo Guaiumum, eles recomendaram, da próxima vamos faxer um São João lá, ai vai dar p incluir no roeiro suas dicas espertas.
    Claro que tiramos fotos debaixo do sureal guaiumum gigante, seu netinho descreveu na lata,,,os monstrenguinhos japas.
    Ta na baixa como bem sabemos…trabalhos sazionais, aluguel de lancha, tenho uns brothres aki em Arraial que só trabalhão no verão, o resto do ano é na vida mansa…bem cada um vive como quer tem coragem p bancar o sonho.
    Agora fapa sério Pacheco, falsificar cheques da mulher e com um sorriso c[inico justificar que foi p pagar o cartão da Bruna…
    Falsificar cheques, me mostra o ponro que te faço o cesto.
    Caravelas é Mara, a estrada de ferro Bahia Minas foi construida por meus antepassados, Ponta de Areia cidade fantasma, já comi muito aratu ai,.
    Há uns posts passados vc disse do carnaval de Caravelas, há uns tantos fui em um baile de máscaras dos nativos…muito pitoresco, a máscaras ninguém mostrava, mulher p marido, irmã p irmã, só p na festa soltar todas as frangas…será que ainda rola…
    Pensamento do dia> galinha que acompanha pato merre afogada.
    Bem atrasada c o almoço.
    bjs.

  92. s u e

    Em tempo:

    Esse eh um ** X ** da questao…
    Todos exames piscologicos serao feitos Brasil….
    sera que da para confiar nos laudos …
    Se tratando de uma familia tradicional , rica e influente???

    *****

    Enfim….

    Sean nao esta convivendo com o pai…
    O certo seria conviver com pai…dar um ano…depois desse tempo fazer os exames psicologicos…tudo bem…nao precisa ser nos USA , nem Brasil…talvez um pais neutro aonde todos sejam desconhecidos/nao tenham influencia…e analisar o que melhor seria para Sean…USA ao lado do pai e familia…ou no Brasil ao lado do Padastro e familia….

    ****

    Como historias…reais…dos outros nos envolvem…tanto !!!

  93. Paulo from the G Spot

    Todos do blog u se interessam pelo caso do Sean devem ler a ultima revista EPOCA que traz ele na capa e muitas fotos novas e alem disso eles acompanharam um dia na vida dele. Nota-se que:
    1) O menininho dos videos nao existe mais, ele cresceu e se tornou
    um garoto brasileiro, gostem ou nao disso.

    2) Ele evidentemente gosta muito de todos que tomam conta dele, inclusive do pai adotivo. Isso tem de ser levado em consideracao
    ou havera um trauma psicologico muito grande.

    3) Ele tera de reaprender a lidar com David, no momento ele nao faz parte da vida dele. Pode ser que isso aconteca ou nao,
    acho que nao ha uma obrigatoriedade d que ele va gostar do David agora…

  94. Carol

    Com todo respeito, essa história já deu o que tinha que dar.
    Fala sério que isso é tão importante assim!

    Que todos sejam felizes, que paguem suas hipotecas em dia, que se faça justiça, que os países entrem em acordo.

    E FIM!!!!

    E sobre o comentário da Susan 13:04 sobre o pai ser “midiático, apelativo e focado em si”. Pra mim, nem é culpa dele. Sinto muito, mas esse é o estereótipo perfeito do americano “médio” e dos EUA em si….E não me sinto mal por pensar assim, sei que os adjetivos dados às brasileiras ….!!!!…..

  95. Susan Judia.

    Só um detalhe.

    O Goldman não esperou quatro ou mais tempo quanto falas.
    ELE ESTA DURANTE TODO ESTE TEMPO BATALHANDO PELA VOLTA DO FILHO.

    Quem disse que ele esperou tanto tempo foi à parte contrária.

    Não estou indo de encontro as tuas sensatas colocações.
    Só estou tentando deixar bem explicado este detalhe que muitos estão olvidando.
    E colocar a mãe para ir ao programa?
    Ora bolas, esta avó e o avô até pagaram para não terem seus nomes envolvidos.
    E o Goldman aconselhado por seu ou sua advogada aceitou o acordo para custear as despesas para reaver o filho que lhe tiraram.
    Queiramos ou não e por diversas razões estamos todos envolvidos.
    Pior seria se estivéssemos nem ai em questões de justiça ou injustiça.

    Obrigado.

    Cachimbo da paz.
    Adoro você e tudo que opinas mesmo quando discordo.

  96. Sandra1

    Susan, por que os vínculos afetivos do garoto com o pai e com o país não pesaram na decisão da mãe? Ele também tinha família nos EUA. A mãe não teve e o padrasto não está tendo o altruísmo que a família brasileira cobra do pai.
    E acho que o pai só apelou para a mídia porque julgou que pressão ajuda. E ajuda mesmo.

  97. Sandra1

    Paulo, o menininho era um garoto americano quando vei para cá, e a família brasileira não se sensibilizou com isso.

  98. FRANCINY CHEQUER

    Boa tarde, fico inojada com a atitude dessa mãe, e dessa pessoa que se diz padrato e advogado, pois ao meu ver ele está mais para o carcereiro desta criança, e a justiça Brasileira poderia ser mais simples pois o pai está apto para continuar a criação desta criança o mais correto e o juizado ir buscar está criança eentregar ao pai, já que a mãe Brasileira fez este papelão, a nossa justiça poderia demonstrar, que o país e diferente das Brunas ou de outras como já vimos a pouco, aquela doente que se auto mutilou e fez outro papelão, sabe aqui no Brasil tudo acaba em pizza, e nós que vivemos aqui, quando vamos viver em outro país achamos que e igual, e não e, infelizmente tem coisas que só acontece aqui, como ainda ter Sarney”s e Fernado Collor’s ainda no planalto paulista, infelizmente o país em vez de caminhar para frente só está retrocedendo

  99. s u e

    Por isso que falo…
    crianca se acostuma **facil** a tudo que eh *condicionado*..Que a justica de um ano para Sean conviver com o pai David aqui nos stados Unidos…depois desse tempo ai sim texte psicologico…opiniao do menino…ele tera vivido as duas realidades (USA e BRA) as duas familias…e talves sabera aonde ele foi / e mais feliz…

    ****

  100. Aninomyous

    Bom dia!
    Que novela! muito cheia de detalhes, é preciso mesmo muita cautela, em se verificando a veracidade dos fatos, de que a mãe usou isso para atingir o pai, então ele deveria ser restituido à guarda do mesmo, afinal não é certo enganar alguém desta forma, principalmente se o cara for gente fina…uma coisa é que no Brasil geralmente a guarda ‘é da mãe’, isso não resta dúvidas se fossem confrontar ambos, mas aí já acontece a reviravolta, ela morreu…mas tem outra…ele tem uma irmã…e tem outra com relação ao tempo que o mesmo já está no Brasil, parece que ele já chama o brasileiro de ‘Pai’ e o pai de ‘David’…muito cruel, melhor eles resolverem com a razão e não com a emoção, e que o proprio ‘filho’ decida com quem ficar, ou se não for possível que a justiça seja imparcial com relação a origem ou classe social, mas levando mesmo em conta o contexto da historia (novela), o ideal é manter os vínculos (laços familiares) pois eles podem ter se separado (pai e mãe) porém o garoto é filho, neto, afilhado, irmão…etc. e o certo seria fortalecer a família ao invés de fragmentar, o que parece que já está acontecendo nesta briga por tutela.
    Uma coisa é a esposa ter sido desleal, outra coisa é verificar se o kra é gente fina ou se ela tinha reais motivos pra fuga, e preservar a criança no que for possível.

  101. gthomas

    Endosso 10O por cento as palavras da NOSSA Sandra e do Pacheco

    09/03/2009 – 13:35
    Enviado por: Jose Pacheco Filho
    Susan Judia.
    Só um detalhe.
    O Goldman não esperou quatro ou mais tempo quanto falas.
    ELE ESTA DURANTE TODO ESTE TEMPO BATALHANDO PELA VOLTA DO FILHO.
    Quem disse que ele esperou tanto tempo foi à parte contrária.
    Não estou indo de encontro as tuas sensatas colocações.
    Só estou tentando deixar bem explicado este detalhe que muitos estão olvidando.
    E colocar a mãe para ir ao programa?
    Ora bolas, esta avó e o avô até pagaram para não terem seus nomes envolvidos.
    E o Goldman aconselhado por seu ou sua advogada aceitou o acordo para custear as despesas para reaver o filho que lhe tiraram.
    Queiramos ou não e por diversas razões estamos todos envolvidos.
    Pior seria se estivéssemos nem ai em questões de justiça ou injustiça.
    Obrigado.
    Cachimbo da paz.
    Adoro você e tudo que opinas mesmo quando discordo.
    09/03/2009 – 13:40
    Enviado por: Sandra1
    Susan, por que os vínculos afetivos do garoto com o pai e com o país não pesaram na decisão da mãe? Ele também tinha família nos EUA. A mãe não teve e o padrasto não está tendo o altruísmo que a família brasileira cobra do pai.
    E acho que o pai só apelou para a mídia porque julgou que pressão ajuda. E ajuda mesmo.
    09/03/2009 – 13:42
    Enviado por: Sandra1
    Paulo, o menininho era um garoto americano quando vei para cá, e a família brasileira não se sensibilizou com isso.

  102. Sandra1

    Divirjo da Susan. Eu aceitaria um rapaz como o Goldman como genro. Ele é batalhador, é bom pai…. Achei-o uma ótima pessoa.
    Acho que vida adulta, ainda mais em casal, é assim mesmo:
    -batalhar para comprar sua casa, dividir despesas, de vez em quanto aceitar um emprego que não gosta, e batalhar para conseguir um que gosta, depender o menos possível dos pais…
    Se a Sandrinha escolher alguém assim, aprovaremos.

  103. mnc

    Suazan vc está totalmente certa, vc é mara.
    N deu tanta mídia o escândalo o Brasil dos excluídos, ontem mesmo em Mogiquiçaba uma senhora com sua netinha catando latas numa praia deserta…ela me disse que não tinha o que comer, porque a VERACEL, gigante da celulose,a pop local não consegue mais pescar com suas canoas artesanais, só grandes barcos que conseguem chegar em águas profundas, os peixes se foram, uma tragédia social…aliviei minha consciência dando a ela o marmitex do Pedro…e dois reais p comprar oito pães.
    Essa tragédia colega ninguem liga, aliás não vou me assustar se amanhã quando eu acordar deparar com eucalíptos em meu quintal, uma praga, onde tem eucalípto nem calango vinga…
    Belmonte mesmo era abastecida c hortaliças por Barrolândia, era uma fartura danada, agora é um oceano de eucalípto.
    Os bravos promotores aqui na Bahia lutam há mais de quinze anos p banir essa praga daqui, que resseca os lençõis fre[aticos e exaure a terra…
    Gente tem uma nova geração de advogados, promotores e advogados que acreditam sim poder mudar o mundo, torná lo mais justo, aposto todas as minha fichas nessa galera do bem.

  104. O destino de uma criança que perdeu a mãe há seis meses esta virando aqui uma espécie de FLA-FLU, com pessoas torcendo por um lado e outras pelo outro. O que o menino deseja e portanto a única razão para motivar qualquer decisão, não é quase discutido. Creio que assuntos dessa natureza não deveriam ser debatidos publicamente. Somente estão aptos a opinar, os que conhecem a criança, suas necessidades, seus traumas com a morte da mãe, sua ligação com a irmã, a sua vontade, etc. Não da para saber, numa reportagem do Fantastico, se o pai, que aluga um barco para viver, estaria nessa “cruzada” se o menino fosse filho de uma brasileira pobre, que com a morte deixara contas a pagar. Alias, não existe nada no mundo que impeça um pai de visitar o filho que ama. Se impedido, gritaria na rua em frente ao prédio ou procuraria o senhor Gerald Thomas que esta sempre a favor de qualquer causa contra o Brasil.

  105. Paulo Fonseca,adv

    juliano:

    Por lapsus calami grafei STF, mas será 16ª Vara Cível Federal do Rio de Janeiro que irá julgar o caso da guarda.

  106. Senhor Gerald Thomas.

    Licença para mudar o Norte do assunto.

    Um assunto puxa outro.

    De antemão peço que reflitam. Poucos entenderão.
    O Gerald sabe do que falo. Os que me conhecem de perto também.Tantos os que lêem o que escrevo quanto aqueles que nem ler deveriam.

    Vamos criar uma hipótese.

    O menino Sean (não sei como parece atualmente) ao chegar ao Brasil era um lindo menino. Olhos azuis( ou verdes ) loirinho,fofinho,americano do norte.
    Modéstia a parte até parecia o meu neto de hoje.
    Que encanto!

    Mas vamos imaginar que se por acaso a historia fosse assim:

    A modelo tivesse casado com um modelo negro americano.
    O filho seria um negrinho.
    A mãe certamente traria do mesmo jeito. Ou teria deixado logo com o pai?
    Supondo que tivesse trazido.
    Como seria o negrinho aqui recebido.
    Teriam dito?
    -Que negrinho lindo!
    Vamos adiante.
    Separação novo casamento e coisa e tal.
    Infelizmente morre a mãe.
    O pai vem buscar.
    Como seria a reação?

    A) Toma que o filho é teu
    B) Não por favor, não leve. Adoramos este negrinho.

    Meus amigos.
    Mais do que a justiça dos homens.
    A de Deus deveria estar na mente de todos.
    Inclusive nas nossas.
    Principalmente dos que dizem amar aquele que disse:

    _ Atire a primeira pedra aquele que não tiver pecado.

    Aviso.

    Aquele que estiver pensando em me taxar de racista vai cair do cavalo.

  107. Joana d'Arc

    O pai estava mal intencionado desde o começo.

    Ele poderia ter feito um acordo, saudavel, sereno, sem esse carnaval todo.

    Pq Bruna fugiu?

    Duas unicas possibilidades:

    1) Ela tinha medo de entrar em juizo em um pais no qual ela era estrangeira e medo da reaçao dele;

    2) Ela sabia que tinha melhores chances profissionais no Brasil;

    3) As duas alternativas anteriores combinadas;

    Ora, se ela ficasse nos EUA, iria ter que trabalhar dobrado para manter as despesas,logo, iria ter menos tempo para ficar com o filho e ainda corria o risco de perder a guarda no tribunal gastando uma fortuna.

    David,
    Ele escolheu o caminho de acusa-la de sequestro, por isso nao pode reclamar dos 4 anos que ficou sem ver o menino.
    Se cada americano que contribuiu com a campanha desse cara doou 10 dolares, essa altura ele ja ta rico . Ninguem pega o cartao de credito para doar menos que isso!
    Numa campanha “apoiada ” por Hillary e Obama, em um pais de 350 milhoes de habitantes, essa hora ele ja ta rico, muito rico.

    Ninguem tirou filho de ninguem, o filho estava com a mae dele. Ele teria passado muitos meses com o filho nos ultimos 4 anos se fosse um cara confiavel.

  108. André M.

    Prezado Gerald

    Ontem, assistindo ao Fantástico, as entrevistas de David e da avó materna, cheguei a seguinte conclusão: Alguem está mentindo de forma muito forte e orientada. Na entrevista da avó, não pude perceber a presença de uma terceira pessoa (além da vó e da jornalista), mas tenho certeza que, se um “orientador” não estava presente, ela deve ter recebido esta orientação antes. Mas na entrevista do David, se percebe claramente que há uma terceira pessoa (que não é focada) e que o pai do garoto se vira para ela várias vezes durante a entrevista (inclusive, quando o jornalista fala dos aventais com a foto de Bruna, ele se vira para a pessoa e diz “essa é nova”). Estamos falando então de um caso aonde nenhuma das partes é mal orientada. E uma das partes está mentindo.

    Os Lins e Silva tem a seu favor o conhecimento do aparato jurídico do estado RJ, porém, agora, o caso passou para a esfera federal, que provavelmente não dominam tão bem.

    O pai do menino tem no site uma estrutura de venda que serve para “financiar” a sua causa. Minha pergunta, não teria ele interesse que esse embroglio todo se resolvesse? Ou não, para manter essa estrutura “rodando”?

    Eu ainda acho que o correto seria devolver o garoto para o pai. Porém, nesse caso, o “achismo” não vale nada. Tem muitos vetores atuando fortemente no processo. Pode acontecer qualquer coisa. Fato é que a mãe veio para o Brasil em 2004 e morreu ano passado, o que tiraria o aspecto de sequestro do caso. O entendimento que o TRF ou o STJ (aonde isso provavelmente irá parar) pode ter é completamente amplo e imprevisível. Eu gostaria que o garoto voltasse para o pai porque sou pai, e assim gostaria que acontecesse se fosse meu filho sequestrado. Porém, se eu fosse um avô materno, pensaria assim? Gerald, tu é pai, mas não é avô materno, o que tu pensaria se fosse avô materno e o teu neto morasse contigo ou muito próximo de ti a 4 anos?

    Fico acompanhando. Como sempre, gostaria de mais detalhes que possam questionar as minhas convicções.

    Saudações cordiais

  109. Aninomyous

    Certo, mas covenhamos uma coisa k entre nós, em separado ao que ocorre, é muito estranho que a esposa do kra tenha feito tudo isso sem ele saber, que ele não tenha feito nada para evitar que ela venha ao Brasil…um casal que se ama, percebe um no outro apenas pelo olhar, pela voz, pelos gestos…eles enquanto casal estavam tão ‘frios’ ao ponto de ele acompanhar ‘ambos’ até o Aeroporto sem tentar impedir lá? uma mulher quando vai ‘cair fora’ vc já sabe, não é assim exceto que ela fosse extremamente falsa…em resumo, é um problema que se tornou do ‘Brasil’? então não cabe a ‘eles’ julgar, e sim expor tudo sem omitir nada, o julgamento cabe à nossa soberania…obvio que não é bem assim, podemos alegar de tudo, podemos alegar que é tudo corrupção, mas isso poderia soar tão leviano quanto afirmar que o ‘pai’ mandou matar a ‘mãe’ no parto e algum mafioso executou…especulação é uma coisa, realidade é outra e a justiça deve permear os meandros da lei pautada apenas na realidade.

  110. Aninomyous

    Sem novelas…vi de relance, acho que no ‘Fantástico’ da Plim Plim que a justiça já mandou psicologos avaliarem a situação pela optica da criança, dos avós, do padrasto, e falta apenas o pai passar pelo procedimento…caaaaaaaaaaalma…já já será pronunciado o veredicto…recomentdo que ele não omita nada e seja expontâneo, se quiser chorar chore, se não quiser não finja e tal…e por aí vai, eu vou acompanhar o desfecho apenas por curiosidade, quem vai se dar bem ou mal são os envolvidos, a gente nem vai saber o ‘verdadeiro’ desfecho que é apenas visto na ‘realidade’ pessoal de cada um…

  111. gthomas

    Andre M

    Uma das partes esta mentindo.

    Te garanto que nao eh o David

  112. gthomas

    Se o David olhava pro lado o tempo todo (eu nao vi o programa, nao tenho Globo International) lembre-se que ele estava sendo entrevistado por um reporter cujo dominio da lingua inglesa talvez nao seja tao boa. Entende? No Larry King ele estava solto assim como no Today show ele estava solto e nao olhava pro lado.

    As vezes eu olho pro lado e sabe por que? porque olhar pra lente da camera da uma tremenda aflicao? E sabe tambem por que mais? Porque o pessoal da producao fala pra caralho durante a entrevista. E sabe tambem porque? Porque os refletores te cegam.

    Sou puta velha de dar entrevistas.

    Sei bem como eh essa coisa de olhar pro lado. Nada tem a ver com ser ORIENTADO, NEM DE UMA PARTE OU DE OUTRA

  113. mnc

    Pelo lido no teu comentário tenho agora certeza que o teu almoço junto dos acompanhantes foi realizado no Restaurante e pousado Pôr do Sol.
    O dono Pedro toca a vida de lutas que tem. Ele esposa a filha e mais um filho .
    Embora com pratos típicos baianos o dono não deixa de aos domingos fazer um churrasco. venda ou não o churrasco aparece.
    É o hobby do Pedro. Que mais come e bebe do que vende.Ache até que mais bebe que come.Rsrsrs
    Bem em frente ao goiamum gigante tens lá o bar de outro Pedro. Conhecido e tratado por Pedro bom.Que é bom realmente.Deste Pedro eu tenho pena.está para perder tudo.outro dia aqui no blog comentaram os estragos que as marés andam fazendo inclusive no mundo.Naquele canto de Brasil não é diferente.Muitos perderão suas casa e negócios.
    Percebi em comentário passado que você disse teu filho tem sogra índia com carteirinha da FUNAI. peça para ele perguntar a ela se conhece um pajé de nome índioTige ( nome de pássaro) .Eu conheci na tribo que fica próximo de Coroa vermelha.Homem simples de grande sabedoria.
    Mnc você também falou algo de leve sobre Opus Dei. pode adiantar mais algo a respeito.Só por curiosidade eu gostaria de alguns detalhes teus.
    Um fraterno abraço.
    De um paulista de nascimento.
    Baiano de coração.

    Pacheco.

    Li ainda teu comentário para a Susan.
    Em Mojiquiçaba a miséria é mais evidente.
    Embora pareça ter ligação te garanto que as atividades da Veracel nada têm a ver com a falta de pescado pra os artesanais da área.
    Muito pelo contrário o estabelecimento da Veracel proporcionou empregos diretos para mais da metade dos moradores de Mojiquiçaba e arredores. notadamente os de Belmonte.
    A Veracel era formada por capital da Aracruz celulose e da estrangeira Stora Enzo. Com a crise atual tudo passou para o controle de Antonio Ermírio de Moraes.
    Quanto aos eucaliptos tenho algumas ressalvas.
    Temos de confiar que estudiosos se dediquem e tratem do assunto com toda honestidade e voltados para os nossos interesses nacionais.
    O que mais me assombra é notar que a propaganda mostra um Brasil diferente do que vemos em andanças por locais que nunca são mostrados na televisão. iguais aos que estivestes domingo passado.locais onde de repente estamos extasiados por belezas naturais e de repente figuras humanas nossas Irma e irmãos aparecem mostrando a miséria em que vivem.Oras dirão e as bolsas?
    As bolsas meus amigos não chegam a quem realmente delas precisam.
    E valha-nos Deus

    Obrigado.

    Pacheco.

  114. genro

    Sr Pacheco

    Como Pai de 3 sei bem o desespero que o amigo americano está sentindo. A lei brasileira com muita sensatez premia a mãe pela guarda do filho, o Pai vem em segundo lugar. Ora, o menino será criado por quem? pelos avós? e quando estes se forem respeitando a ordem natural das coisas? o padastro que não quis aparecer? Tenho uma enteada e conheço bem tais sentimentos. Amo-a como se fosse de minha biologia e às vezes acho que é, mas respeito o direito do Pai e contribuo para o engrandecimento de nossa pequena. Que seja feita a verdadeira justiça. Abraços na baby e no Senhor, beijos da juju, biel e du.

  115. Sandra1

    Anino, mesmo que o pai sentisse a separação, o que ele poderia ter feito? Impedi-los de viajar? Desistir de vez da guarda?

    Mas, mesmo assim, a mãe teve a guarda enquanto viveu.

    Olhando-se a situação atual:

    -O garoto já está adaptado.
    Também estava adaptado a seu país de origem quando veio para cá;

    -O padrasto é um verdadeiro pai para ele.
    O pai biológico também era quando o garoto veio para cá

    -Ele tem avós, tios, família, vive muito bem aqui no Brasil;
    Também tinha quando veio para cá.

    -Se perguntarem a ele o que quer, vai dizer que quer ficar.
    Será que se perguntassem a ele há 5 anos: você quer morar no Brasil, longe do seu pai?, ele iria querer?

    -As únicas coisas que a família brasileira reclama do pai é que:
    ele não trabalhava: mito detonado;
    ele já não tinha mais vida íntima com a esposa: O problema era com eles. Agora, na relação com o filho, isso, se for verdade, não interessa mais. Principalmente agora.

    Além do mais, a Convenção de Haia nos protege. Amanhã, a vítima pode ser uma criança levada daqui. Os artigos usados pela família para justificar a permanência do garoto no Brasil só puderam ser usados devido à morosidade da nossa Justiça. É muito fácil: o garoto está há mais de um ano no Brasil. O pai pediu o retorno antes, mas a justiça enrolou, o tempo foi passando,… Desse jeito, nenhum tratado para de pé.
    É o mesmo que condenar uma pessoa, enrolar, o tempo passar, e depois dizer: o crime prescreveu.

  116. Sandra1

    Antonio Rodrigues, você considera alugar um barco um trabalho indigno?

  117. Sandra1

    Pacheco, eu certamente teria dito: Que negrinho lindo!

  118. Sandra1

    Antes de me acusarem de racista, eu comunico que chamo minha filhota de negrinha também! Para mim, esse é um termo muitíssimo carinhoso!

  119. Aninomyous

    Tem a reportagem do Plim Plim na Pág. do Fantastico:
    http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1034206-15605,00-GUARDA+DE+MENINO+BRDE+ANOS+PROVOCA+INCIDENTE+DIPLOMATICO.html

  120. Sandra1

    Toda pessoa que casa com outra de maiores posses está dando o golpe do baú? Mesmo que o casal estivesse vivendo com seu próprio trabalho?

  121. Sandra1

    Beijos em todos! Até mais tarde!

  122. targinosila

    Santana, minha amiga.

    Eu não acredito mas, você acredita e entendeu a mensagem.
    A Ezir é uma pessoa adorável, já falei com ela por telefone.
    Penso o mesmo de vocês todas.
    Quando a gente fala de mulher, fala com o coração e não
    com final do reto.

    Sobre o menino penso o seguinte.
    Uma historia nunca é como se conta.
    A gente fica fazendo conjunturas sobre o sexo dos anjos.
    De repente é igual a historia dos boxeadores cubanos.

  123. Carol

    Pacheco 14:32,

    Se o sr. quer dar a entender que a resposta é A. Pela minha experiência de vida , digo que o sr. está enganado.

    Se, na minha infância, alguém quisesse me levar pra longe da minha família branca, tenho certeza que a resposta seria B.

    A mídia talvez não se comovesse…aí fica a dúvida.

  124. K.Y

    O nosso Mascate um EXPERT em exportação e importação.

    EL MUNDO

    Compran casas en NY a mil dólares

    Debido a la crisis ponen a subasta cientos de casas embargadas en el área metropolitana de Nueva York; subastarán también en Georgia, Colorado, Michigan y Minnesota

  125. Enquanto discutimos um boi de piranha vejam o que está se passando:

    Quando pensamos que o fundo do poço já foi alcançado………

    DIANTE DE QUALQUER PROBLEMA QUE LHE PAREÇA SEM SOLUÇÃO, TOME UMA ATITUDE INTELIGENTE, A SEU FAVOR: ………RESPIRE !!!!!!!

    ERA SÓ O QUE ME FALTAVA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Parece brincadeira – MAS NÃO É !!!!!!!!

    Que beleza !! Saiu no Diário Oficial hoje…Passe para sua lista, pra
    demonstrar nossa indignação. O molusco pepara sua saída e resguarda o
    conforto da D.Marisa, é lógico!

    DECRETO Nº 6.381, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008.

    Regulamenta a Lei no 7.474, de 8 de maio de 1986, que dispõe sobre
    medidas de segurança aos ex-Presidentes da República, e dá outras
    providências.
    O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art.
    84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei no
    7.474, de 8 de maio de 1986,
    DECRETA:
    Art. 1o Findo o mandato do Presidente da República, quem o houver
    exercido, em caráter permanente, terá direito:
    I – aos serviços de quatro servidores para atividades de segurança e
    apoio pessoal;
    II – a dois veículos oficiais, com os respectivos motoristas; e
    III – ao assessoramento de dois servidores ocupantes de cargos em
    comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores – DAS, nível 5.
    Art. 2o Os servidores e motoristas a que se refere o art. 1o serão de
    livre escolha do ex-Presidente da República e nomeados para cargo em
    comissão destinado ao apoio a ex-Presidentes da República, integrante
    do quadro dos cargos em comissão e das funções gratificadas da Casa
    Civil da Presidência da República.
    Art. 3o Para atendimento do disposto no art. 1o, a Secretaria de
    Administração da Casa Civil da Presidência da República poderá dispor,
    para cada ex-Presidente, de até oito cargos em comissão do
    Grupo-Direção e Assessoramento Superiores – DAS, sendo dois DAS 102.5,
    dois DAS 102.4, dois DAS 102.2 e dois DAS 102.1.
    Art. 4o Os servidores em atividade de segurança e os motoristas de
    que trata o art. 1o receberão treinamento para se capacitar,
    respectivamente, para o exercício da função de segurança pessoal e de
    condutor de veículo de segurança, pelo Departamento de Segurança do
    Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.
    Art. 5o Os servidores em atividade de segurança e os motoristas
    aprovados no treinamento de capacitação na forma do art. 4o, enquanto
    estiverem em exercício nos respectivos cargos em comissão da Casa
    Civil, ficarão vinculados tecnicamente ao Departamento de Segurança do
    Gabinete de Segurança Institucional, sendo considerados, para os fins
    do art. 6o, inciso V, segunda parte, da Lei no 10.826, de 22 de
    dezembro de 2003, agentes daquele Departamento.
    Art. 6o Aos servidores de que trata o art. 5o poderá ser
    disponibilizado, por solicitação do ex-Presidente ou seu
    representante, porte de arma institucional do Departamento de
    Segurança do Gabinete de Segurança Institucional, desde que cumpridos
    os seguintes requisitos, além daqueles previstos na Lei no 10.826, de
    2003, em seu regulamento e em portaria do Ministro de Estado Chefe do
    Gabinete de Segurança Institucional:
    I – avaliação que ateste a capacidade técnica e aptidão psicológica
    para o manuseio de arma de fogo, a ser realizada pelo Departamento de
    Segurança do Gabinete de Segurança Institucional;
    II – observância dos procedimentos relativos às condições para a
    utilização da arma institucional, estabelecidos em ato normativo
    interno do Gabinete de Segurança Institucional; e
    III – que se tratem de pessoas originárias das situações previstas no
    art. 6o, incisos I, II e V, da Lei no 10.826, de 2003.
    Parágrafo único. O porte de arma institucional de que trata o caput
    terá prazo de validade determinado e, para sua renovação, deverá ser
    realizada novamente a avaliação de que trata o inciso I do caput, nos
    termos de portaria do Ministro de Estado Chefe do Gabinete de
    Segurança Institucional.
    Art. 7o Durante os períodos de treinamento e avaliação de que tratam
    os arts. 4o e 6o, o servidor em atividade de segurança e motorista de
    ex-Presidente poderá ser substituído temporariamente, mediante
    solicitação do ex-Presidente ou seu representante, por agente de
    segurança do Departamento de Segurança do Gabinete de Segurança
    Institucional.
    Art. 8o O planejamento, a coordenação, o controle e o zelo pela
    segurança patrimonial e pessoal de ex-Presidente caberá aos servidores
    de que trata o art. 1o, conforme estrutura e organização própria
    estabelecida.
    Art. 9o A execução dos atos administrativos internos relacionados com
    a gestão dos servidores de que trata o art. 1o e a disponibilidade de
    dois veículos para o ex-Presidente serão praticadas pela Casa Civil,
    que arcará com as despesas decorrentes.
    Art. 10. Os candidatos à Presidência da República terão direito a
    segurança pessoal, exercida por agentes da Polícia Federal, a partir
    da homologação da respectiva candidatura em convenção partidária.
    Art. 11. O Ministro de Estado da Justiça, no que diz respeito ao art.
    10, o Ministro de Estado Chefe do Gabinete de Segurança Institucional,
    no que concerne aos arts. 4o, 5o, 6o e 7o, e o Secretário de
    Administração da Casa Civil, quanto ao disposto nos arts. 2o e 9o,
    baixarão as instruções e os atos necessários à execução do disposto
    neste Decreto.
    Art. 12. Este Decreto entra em vigor na data da sua publicação.
    Art. 13. Revoga-se o Decreto no 1.347, de 28 de dezembro de 1994.
    Brasília, 27 de fevereiro de 2008; 187o da Independência e 120o da República.
    LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
    Tarso Genro
    Jorge Armando Felix

  126. Aninomyous

    Será então que a avó está mentindo?
    Vídeo: http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM978795-7823-AVO+DE+MENINO+SE+DEFENDE+DE+ACUSACOES+DE+PAI+AMERICANO,00.html

  127. E saibam todos que o genro acima é o meu de verdade.

    Genro entendo a razão do nick.

    Você não é genro.
    è filho de coração.

    Mais do que isto.

    Você é verdade.

    Obrigado.

    Tua Enteada te ama.
    teus filhos idem
    O vo deles também.

  128. K.Y

    Os sugadores da Toga!
    http://www.El Universal.com.
    Antonio Navalón
    Cuenta atrás
    ¡Es la esperanza, estúpido!

    Felipe Calderón no es Franklin D. Roosevelt, pero comparten una intuición certera: lo importante en tiempos de crisis es la esperanza.

    Calderón tiene entusiasmo en que superaremos la crisis, pero su gabinete parece no entender que lo importante es mantener la esperanza.

    Cuando Roosevelt lanzó el New Deal, el presidente de la Suprema Corte de Estados Unidos, Oliver Wendell, consideró que la intromisión del Ejecutivo en la vida económica desvirtuaba la Constitución. Roosevelt respondió con fuerza y dio fin al llamado

    gobierno de los jueces.

    Sabía que la primera norma del buen gobierno es que las medidas para salvar a la sociedad deben llegar a tiempo.

  129. Aninomyous

    Não Sandra, quando a muié casa com o cara rico, é golpe do baú…quando é o cara que casa com a muié rica, ele é gigolô…
    Just a Gigolo…

    Tá complicado! o papo sequestro ou rapto fica pesado pra tentar harmonizar ou resolver amistosamente…isso vai dar pano pra manga…vamos ver, dizem que o Lula vai falar com o Obama, hehehehehe…como é que vai ficar?
    Lula:
    Hey, cupanhero, a criança tá lascada, vocês não podem tirar ela do Brasil!

    Obama:
    Yes, We Can!!!
    Ahahahahahahahaaaaaaaaaaaaa 😛

  130. Ricardo Lavezzi

    Fica claro que os Lins e Silva usaram sua influência para obter um parecer favorável no tribunal aqui do Rio. Indo para a esfera Federal, me parece que o pai verdadeiro terá mais chances de ter o filho de volta.

  131. Carol:

    Não quero dar a entender nada.

    Apenas perguntei.
    E pergunto ainda.

    Repito.

    Se o Sean fosse negro O Lins e Silva amaria como demonstra amar o loiro?
    Os avos teriam o mesmo carinho e desejo de guarda?

    Estou apenas perguntando e não afirmando nada.
    os avos teriam o mesmo empenho?

    Digamos que eu sou interessado no assunto.
    E perguntar não ofende.

    Obrigado.

    Pacheco.

  132. Aninomyous

    09/03/2009 – 16:32

    Enviado por: Sandra1

    Sandra, por isso eu falei que ele não deveria permitir que ela saísse de lá sabendo que ela não voltaria com o filho, se eles são um casal Americano, não se dão bem, ela vai viajar pro exterior, tá na cara que ele ia se dar mal, não?

    Mas falando da criança e da lei, sobre o que vc falou:
    Os artigos usados pela família para justificar a permanência do garoto no Brasil só puderam ser usados devido à morosidade da nossa Justiça. É muito fácil: o garoto está há mais de um ano no Brasil. O pai pediu o retorno antes, mas a justiça enrolou, o tempo foi passando,… Desse jeito, nenhum tratado para de pé.
    É o mesmo que condenar uma pessoa, enrolar, o tempo passar, e depois dizer: o crime prescreveu.

    Se a justiça for seguir seu ‘curso natural’, até sair o veredicto, o pai também já morreu, a avó, o padrasto, e se marcar o neto do Sean vai ter que ler pra ele o resultado de tão véinho que ele vai estar…Ahahahahahahaha… 😀 , tá eu exagerei um pouquinho, a justiça no Brasil, com recursos e tal, só leva uns 20 anos, julgando que já se passaram 5 anos, então só faltam mais 15 anos pra o veredicto final…que nem eu falei, uma lesma consegue atravessar de São Paulo ao Rio de Janeiro neste tempo… com descanços e parada pra tirar fotografia dos locais turísticos…ahhahahahahahahahaaaaaaaa… XD

  133. genro.

    Parabens.

    Ótimo notar que estás lendo.

    Beijos no trio Ternura.

    Aguardo endereçamento localização causa Porto Seguro.

    Veio Pimba.

    Rsrsrs

  134. Aninomyous

    Imagina,…o Sean já veinho, todo torto de bengalinha…aquele oculos de grau ‘fundo de garrafas’…ainda no Brasil…Meu netinho, vê lá pro vô aquela cartinha se é minha ‘pôsentadoria’ que saiu?
    Ai o netinho pega e lê:
    Com relação à paternidade de Sean blah blah blah, nos termos da lei…
    Ahahahahahahahaaaaaaaaaaa
    O Sean, má num é pusssívê, num é minha aposentadoria? quê? repeti…repeti…dando bengaladas na cabeça do netinho….hahahahahahahaaaaa

  135. André M.

    Prezado Gerald

    Entendo a questão da luz forte nos olhos, que fizeste questão de apontar, porém, este problema da luz é mais frequente em gravações em estúdio. Normalmente fora do estúdio a equipe não tem capacidade de instalar a capacidade de lumens que cega as pessoas em estúdio. Porém, devo te dizer que não achei que o David ou a Avô estivessem mentindo. Acho que ambos estão muito bem orientados. E já me enganei outras vezes, e posso ser enganado de novo. A capacidade do ser humano de enganar, simular, fingir, é quase inesgotável.

    Mas a questão que levantei não é essa (se haviam pessoas orientando ou não as respostas da entrevista), pode até ser que, como a avó materna, ele não me parecesse consultando alguém, porém, mesmo assim, me pareceu muito ensaiado, tanto a defesa dele, como a defesa da avó, e pior, achei que as duas entrevistas foram editadas (provavelmente como condição das duas partes para concede-la), não senti aquela coisa de um take só, e o sujeito desembuchando sem dó nem piedade. Achei isso, e tenho minhas dúvidas. Percebo que tu já tomaste partido, e não te culpo.

    Porém, fica sem resposta a minha pergunta. Se tu além de pai, fosse avô materno, qual seria a tua posição em relação ao assunto? O cara que é pai tende a se colocar no lugar do pai e isso acaba influenciando a sua escolha.

    Eu já respondi que, na qualidade de pai, acho o mais justo que o pai fique com a criança, mas me pergunto se teria essa mesma opinião se eu fosse avô materno.

    E de mais a mais, eu acredito que, independente da questão do que achamos justo, os tribunais irão decidir de maneira imprevisível.

    Saudações cordiais

  136. André M.

    PS : Alias, diz o dito popular e desatualizado que “de barriga de mulher, cabeça de juiz e interior de urna, nunca se sabe o que pode sair”. Continua valendo só o do meio, da cabeça de juiz, pois com os exame pré-natais e as pesquisas de opinião, sempre se sabe o que sairá da barriga da mulher e do interior da urna.

  137. Olhem a boiada que esta passando.
    sem contar o assassinato dos seguranças cometidos pelos sem -terra.

    Sem contar que no congresso….bem deixa pra lá.
    parece que o assunto do Sean é o que resta para ser discutido não é?.

    Paradoxal.

    Queriam o mais absoluto sigilo.
    Porque?
    Quem não deve não teme.

    E para informar não sei quem ai por cima.

    Qualquer marinha do mundo só habilita comando de barcos de aluguel depois de examinar completa e inteiramente os que são habilitados.

    O Sean como habilitado para exercer as funções teve sua vida inteiramente devassada.

    Podem acreditar nisto.

    E com todo respeito a mãe falecida na minha opinião mulher que ama o marido não conta detalhes do lado sexual do casamento para ninguem..
    Existe uma coisa chamada respeito.
    Ou será que já não existe até neste detalhe importante da vida de casal.
    Caso já não exista eu não fui avisado nem tomei conhecimento.

    Dalhe Brasil.

    O lula pelo publicado hoje no DO já se garantiu.
    Vou tratar de me garantir tambem.

  138. WRM

    Posso esta enganado, mas tenho a impressão que a página do pai do garoto foi censurada. Quanto clico no link aparece a pg da telefônica aqui em SP.

    http://bringseanhome.org/letter.html

  139. WRM:

    Tente apenas:

    Bring Sean Home.org

    Acredito que terás acesso.

  140. htpp://bringseanhome.org/wordpress/

    Se não abrir chame nosso amigo Google.

  141. ou peça auxilio pro Gerald.

  142. Para dar uma pausa.

    Teste psicologico
    Um homem entra num restaurante e vê uma mulher muito bonita sozinha numa mesa. Ele se aproxima e pergunta:
    — Estou vendo você sozinha nessa mesa. Posso me sentar e te fazer companhia?

    Ao que a mulher responde bem alto:
    — Trepar comigo? Você está pensando que eu sou o quê?

    O rapaz ficou vermelho que nem um peru e saiu de fininho diante dos olhares gozadores de todos no restaurante.

    Alguns minutos depois a mulher se levanta e vai até a mesa dele.
    — Me desculpe pela forma como o tratei ainda há pouco! É que sou psicóloga e estou fazendo um trabalho sobre a reação das pessoas diante de situações inusitadas e…
    — Mil reais? — interrompe ele, gritando. — Você está maluca? Nenhuma puta vale isso!

    Teste é teste.

  143. S u e

    Hum…naopreciso nem rebater / defender os pontos de vista…..basta ler as respostas da Sandra1 (Sandrinha a musa),
    e assinar embaixo….sempre muito sabia….

    Ref a Joana d’ark – Uma uma informacao (cultura inutil)….
    Aqui nos USA a prioridade da guarda / custodia dos filhos TAMBEM EH SEMPRE DA MAE , a nao ser que a mesma nao seja **Puta , prostituta , tenha uma vida idonia….enfim….tenha moral para cuidar das criancas…

    E para assuntos de CUSTODIA , nao se precisa de advogados, pode se fazer tudo custeado pela corte….

    Ou seja nao justifica a mae de Sean , ter **Fugido , rapitado o menino para o Brasil…dizendo ser FERIAS, e nao voltar mais….

    Poderia ter pego a custodia da crianca aqui , feito a separacao aqui…depois pedido ao tribunal , corte autorizacao para mudar de pais como filho….enfim respeitar…horas de visitas , fins de semana , feriados….essas coisas!!!

    Nada justifica…

    Valeu Sandra1…voce realmente uma pessoa sensata e coerente…

    E dificil ler tantas **coisas / barbares** e ficar quieta so de telespectador…..

    Enfim….

  144. K.Y

    A igreja em comun acordo com o Ministério Pùblico foi mais competente,não deixou VAZAR para imprensa, o caso da menina de Iraí.
    Internaram a futura mãe-criança e sequestraram progenitora dentro do hospital.

    Miriam Leitão – Blog do Globo

    Anoitece no dia da Mulher e este silêncio do blog não é falta do que dizer. É tristeza. O caso da menina de Recife foi devastador. Não, ninguém ignora quantas meninas são vitimas da violência em suas próprias casas. Os algozes são os pais, padrastos, pessoas que deveriam estar ensinando e protegendo. Os números são muitos, os casos que aparecem na imprensa são frequentes. Mas a menina de Pernambuco doeu mais.

  145. Aninomyous

    Não se preocupem, neste caso vão dar uma ‘carona oficial’ para a lesminha da lei, e provavelmente o que levaria entre 10 e 20 anos será resolvido em apenas alguns meses.
    Provavelmente os EUA serão contemplados, mas isso não significa que se estiverem errados o Sean será contemplado, a certeza somente vem com uma investigação criteriosa e análise fria de cada caso…no caso levariam uns 10 a 20 anos….huahuahuahuahuahauaaaaaaaa…
    Fui… 😉

  146. S u e

    WRM

    Segue o Link correto:

    http://www.bringseanhome.org/index_port.html

    Esta faltando uma parte no seu link…

    Esse entra certinho….(cai na pagina certa)

  147. lula conversa com jesus cristo
    Lula, Presidente do Brasil, vai a uma igreja

    e se ajoelha na frente de Jesus, rezando:
    – Jesus, estou totalmente arrependido e gostaria de Redimir meus pecados.
    Imediatamente ouve a voz de Jesus:
    – Está bem. Que tens feito?
    – Depois de quatro anos no governo, deixei meu povo arruinado e na miséria.
    – Dê graças ao Pai!
    – Também traí o povo e meu partido, que me deram apoio e, quando precisaram de mim, dei-lhes as costas. Expulsei do partido os verdadeiros petistas!
    – Dê graças ao Pai!
    – Economizei verbas da saúde, educação, moradia, conservação de estradas, pesquisas científicas, tudo para encher os cofres do PT. Mandei comprar toalhas lençóis importados, de linho egípcio,Para o Palácio Alvorada e Granja do Torto. Enchi os depósitos do palácio com todos os tipos de bebidas caras.
    – Dê graças ao Pai!
    – Comprei um avião a jato novo, importado, dando emprego para estrangeiros
    e não para os brasileiros que trabalham na Embraer. É que receber mala preta da
    Embraer ia dar zebra. Protegi as maracutaias do Zé Dirceu, do Waldomiro e do tesoureiro do partido. Comprei votos de deputados e senadores com liberação de verbas de emendas deles ao orçamento.
    – Dê graças ao Pai!
    – Arregacei com os velhinhos cobrando novamente dos aposentados a
    contribuição previdenciária, sem qualquer contraprestação do Estado para eles.
    Comprei o apoio da Rede Globo com liberação de financiamento pelo BNDES, para eles pagarem dívidas vencidas, negocinho de pai para filho com o dinheiro do povo.
    Coloquei o protetor de marginais Tomas Bastos como ministro da justiça.
    – Dê graças ao Pai!
    – Protegi os delinqüentes do MST e dei apoio as invasões do MST para desestabilizar a democracia e tentar dar um golpe e assumir como o Fidel. Agora não sei como fazer para parar aquele bando de bandidos. Dei apoio ao Hugo Chavez, o maior bandido da América Latina.
    – Dê graças ao Pai!
    – Protegi o Meireles e o presidente do Banco do Brasil quando a imprensa apurou as realidades sobre as delinqüências dos dois.
    – Dê graças ao Pai!
    – Mas, Jesus, estou realmente arrependido e a única coisa que o Senhor tem para me dizer é: “dê graças ao Pai”?
    – Sim, agradeça ao Pai que estou aqui pregado na cruz, porque senão desceria dela para te encher de porrada, seu Filho de uma p…., ignorante, analfabeto, deslumbrado, traidor, ladrão, sem vergonha, mentiroso, golpista, corrupto, aproveitador ….
    Vai trabalhar vagabundo !

    Avso geral.

    Estou largando cabos.
    Way point não definido.
    Navegarei sem VHF.
    Boa sorte para quem fica.
    Data regresso indefinida.
    Recados urgentes via pateta.
    Donald Duck zarpa comigo.

    Obrigado.

    Pacheco.

  148. targinosila

    O decreto do presidente esqueceu de excluir os
    ex presidentes de futuras eleiçoes. Quem usa cuida.

  149. Aninomyous

    Olha, não tenha dúvidas de que é melhor ter a Justiça, eu brinco, falo e esbravejo, mas é que eu quero bem! eu desejo ver uma justiça grande e que inspire orgulho e respeito, por isso eu brinco assim, as coisas que demoram e as coisas que são ruins, são diferentes, seja este caso ‘boi de piranha’ ou não, tenho certeza que será esclarecido a contento.
    Fui.

  150. Joana d'Arc

    Sue,

    Qtos anos dura uma separaçao litigiosa nos EUA?

    E’ cediço que se a mae pedisse o tranferimento para o Brasil a Corte lhe daria?

    A Sandra 1 ja viveu fora do Brasil?Ja se casou com estrangeiro?

  151. Eu tambem fui.

    Precaução e canja de galinha não fazem mal a ninquem.

    Beixo bem relembrado.

    Vai valer a ordem que não foi cumprida e o porque do não cumprimento será segredo de justiça.

    Não aposto porque não gosto de jogar.

  152. Correção:

    Deixo bem relembrado

  153. FRANCINY CHEQUER

    Oi Sandra, sabe muitos acham que uma mulher casar com alguem um pouco melhor e golpe do baú, as vezes sim ou as vezes não, sabe eu também acredito que com o tempo o amor constroi coisas maiores com o convivio, sabe para muitos isso pode criar uma abismo entre o casal. Mas ao meu ver o maior abismo que pode haver entre um casal não e o financeiros, mas sim o abismo intelectual, essa e a causa que mais destroi casais, sabe não adianta um rosto lindo, ou um corpo, pois com o tempo isso pode acabar, e o que vai restar???
    Sabe o dinheiro e bom, para que tenhamos uma vida confortavel, que tenhamos as contas pagas em seus prazos, mas infelizmente para muitos o dinheiro e tudo, e tem mais piores são os que só olham a beleza externa, onde iremos parar em vez de caminharmos para frente evoluirmos, estamos cada vez piores, pessoas egoistas, mães que matam os filhos e vice versa, outras que sequestram os filhos, e por ai vai, sabe em alguns momentos fico pensando se colocar uma criança neste mundo vale a pena, se não será mais uma pessoa a sofrer, mas eu ainda acredito na humanidade, e tb na justiça neste caso.

    Eu primeiro preciso claro arranjar um homem lindo, rico e inteligente para colocar um filho no mundo, alguem conheçe um sobrando

    Brincadeira gente
    mil beijos

  154. S u e

    Boa Noite a todos….

    Estou deixando os *amigos…

    Fui…..

    PS:

    Estava lendo artigos(Posts) antigos, achei cada um MARAVILHOSO…nossa acho que vou fazer uma busca ao *tunel do tempo* (risos)

    Magnifico GT
    Realmente voce esta de Parabens….(Voce e seus colaboradores, sua equipe…)

  155. S u e

    Joana d’ark….

    A Guarda de um filho se resolve rapidinho…maximo de 4 a 6 semanas…da entrada do pedido…
    O pedido para deixar o pais (Sair USA para o Brasil…) demora no maximo tambem 6semanas…Se o Juiz vai deixar ou nao???

    Seria o que fosse melhor para a crianca…

    A corte USA julgaria se seria melhor…Sean morar no Brasil ou USA…a diferenca que estaria em comum acordo…e sempre perto do PAI E DA MAE….mesmo separados…respeitando as visitas e convivio da crianca com os dois (Pai e Mae)

  156. Joana d'Arc

    Queridas mulheres,

    Como sempre os homens defendendo o pobre ex que foi “abandonado por um mais rico” …e as mulheres, como sempre, detonando umas as outras!
    Obvio que essa mae pensou em tudo antes de uma decisao assim…Ela nao era burra, ao contrario, era bem inteligente.
    A gente nao sabe como era o dia a dia dela, simplesmente nao sabe…

  157. Sandra 1 é a “antiga” daqui, pelo visto, não? Sandra-musa! Amei! Nada como mais um “momento Caras” para nos descontrairmos – adorei essa cavalheiresca e carinhosa “tirada” do GT! Um “mimo” e tanto, né, Sandra? Agora, sério …

    Sandra, venho acompanhando, faz pouco tempo, o andamento desse caso que ganhou “ares de imbroglio internacional”. Semana passada, se não me engano, fui a primeira a comentar que a Revista Veja trazia matéria sobre o assunto. Comentei, até, que a julguei imparcial. Tempos atrás, alguém aqui questionou o andamento desse “processo”. Ninguém comentou. A “garota” que escreveu … pedia “notícias sobre o andamento do caso”…

    Não gostaria de ter o David como genro, disse. Continuo pensando assim. Motivos? Muito provàvelmente a filha se confidenciava com sua mãe, ou amigas mais próximas, sobre seus problemas conjugais. Talvez até nem o fizesse. Muitas mulheres sentem-se desconfortáveis, inseguras, impotentes ou mesmo culpadas, etc. na discussão das suas relações afetivas; seus conflitos pessoais.

    Na reportagem de ontem, da TV Globo, essa avó afirma, sem titubear, que o pequeno Sean comentara com ela acerca de um soco que seu pai desfechara contra sua mãe. Uma criança “marca bem” esse tipo de agressão física.

    Deve, imagino, ter presenciado discussões verbais mais acaloradas, que culminaram nessa atitude do pai. Pode, inclusive, ter observado crises de choro ou tristeza da mãe. São especulações minhas, evidentemente. Acredito que vá se apurar esses fatos, se julgados de importancia relevante.

    Voce passa-nos a idéia de ser excelente mãe, dentro daqueles parametros que idealizamos, no coração e na mente, para definir ou sentir a envergadura da palavra em si.

    Continue assim, Sandra, mesmo nas maiores adversidades que eventualmente possa encontrar à sua frente. Parabéns, mes-mo!
    Um beijo,
    Susan
    _________________________________

    Pacheco, querido meu…. Telefonemas, tickets de embarque aéreo, restaurantes, registros de hotéis, etc… etc… muito certamente serão aferidos para se buscar a veracidade das palavras do pai biológico. E a mídia? Oba … ou … Hã (rs)?

    Esteve cinco vezes por aqui, alega. Fez contato direto (telefonemas, e-mails, cartas, etc) com mãe, padrasto e avós???

    Há que se provar essas tentativas de contato e aproximação do Sr. David – se julgarem necessário. Penso, até, que o imbroglio em si dispensa, juridicamente, essas “provas”. Advogados, please! Help (rs)!!!

    Por outro lado, essas “provas” do pai David viriam de encontro, acho, à necessidade da opinião pública que “torce por ele”.
    É ou não é, Pacheco (rs)? Pense nisso “vô” babão – e quem não é, né (rs)?

    Quanto à avó … Pacheco, pelamordeDeus (rs). O pai afetivo, não usou a figura da “mamãe”! Ele já é bem grandinho (rs)! Voce sabe que não foi esse o motivo que levou “vovó do Sean” frente às cameras de TV! Vejamos; imaginemos …

    A “coisa” chegou a tal ponto, creio, que esse homem está se reservando o “direito de não aparecer na mídia” por uma questão de ética, talvez até pessoal e não necessàriamente profissional.
    Ele é corretíssimo, penso. O “astro da mídia” não é ele! Não pretende “roubar as cenas” do outro personagem.

    Não responde a nenhum crime ou processo, pelo que sabemos; logo, “querer aparecer na TV” ou não, é uma decisão dele. Eu, por exemplo, no lugar dele, ignoraria completamente esse “circo midiático” e dele me recusaria participar – esse “ôba-ôba” televisivo não seria “minha praia”. E “olha que sou fotogenica” (rs)!!!

    Se convocada pela Justiça, daí sim, o faria e muito provavelmente essa “aparição” não seria nas TVs. Ah! Os paparazzis, repórteres e jornalistas …. deixemos para lá, por enquanto (rs).

    A avó materna me pareceu muito equilibrada, coesa, sensata, carinhosa, amorosa e emocionada, etc… etc… Representa a “figura materna” (duas vezes) – provàvelmente não teve como se negar a essa “apresentação televisiva”, considerando-se o rumo e estardalhaço provocado pela mídia geral e seu ex-genro.

    Estou tentando terminar este coment faz duas horas e meia!!! Fui interrompida a todo instante (gente, telefone, cachorro, gato) – “complô contra mim” (rs)?

    Beijão pra você e …

    Pacheco: Tente procurar, por favor, se é que desconhece: HABEAS-PINHO! Não sei porque “cargas d’água” … acho que vai amar!!!

    Beijão, querido amigo; pai e avô!!!
    Susan

  158. Sra Sandra :
    Já que me pergunta, lhe respondo. Alugar um barco, minha senhora, para mim não significa “trabalho indigno” ou digno. Como não fiz tal afirmativa, essa classificação talvez seja fruto do seu próprio preconceito. Alugar um barco daquele tamanho, segundo penso, não é um trabalho, mas a obtenção de uma renda. Disse apenas, minha senhora, que uma rápida entrevista de televisão não mostra se uma pessoa, sem profissão ( cujo sustento provem do aluguel de um pequeno barco ) estaria numa “cruzada” pelo filho, se a falecida mãe tivesse deixado dividas, ao invés de rica herança. Declarei e aproveito para repetir, que não existe poder ou força no mundo capaz de impedir um pai de se encontrar com seu filho querido. Em ultimo caso, ele denunciaria aos gritos na rua, em frente ao prédio a sua situação, ou procuraria esse blog, que esta sempre pronto a defender qualquer causa contra o Brasil.

  159. Joana d'Arc

    Sue,
    Logo, nao era certo que o juiz concedesse o transferimento para o Brasil…Alem disso ela deveria trabalhar full time e ele continuaria com os seus horarios flexiveis …

    Um casamento è uma sociedade.As vezes empresas sao obrigadas a se transferir de seus paises para outros com mao de obra mais barata. E’ a mesma coisa, em casos de casais mistos, eles tem que pensar onde os dois podem prosperar igualmente.Os frutos desse investimento quem vai perceber è o filho.

    No caso ele tinha menos a perder …e tinha a faculdade de ceder…mas ele preferiu acusar a mae do filho de sequestradora…

    Foi esperto, ta rico agora, vai ficar com o Sean .

    Mas nao venham me dizer que esse cara è uma vitima!!!!

    A unica vitima nessa estoria è o Sean.

  160. mnc

    1. 5. Have you bothered to investigate Maria Augusta Carneiro Ribeiro’s background? I did and it turns out she has been associated with kidnappings in the past and been in prison for her terrorist actions (see: US Ambassador Elbrick). She’s hardly a reliable source for comments on this case given her own associations with kidnapping and her kinship with a kidnapper.

    Colei esse trecho, carta dirigida ao globo em protesto a matéria publicada em defesa de Mr Goldman.

    Tiraram um esqueleto do armário, todos nós temos um, que atire a primeira pedra…
    A mãe da Bruna por ter um passado de militância contra ditadura, envolvida no sequestro do embaixador Elbrick…golpe abaixo da linha da cintura…fazendo conjecturas aliatórias,,,a avó de Bruna fo acuada cm este background, certamente quando se viu indiciada como co autora na remoção de Sean p o Brasil, uso esse termo pois nem o tratado usa a terminologia sequestro em tais situações,.
    Cento e cinquenta mil dolares, convenceram o Mr David a retirar os nomes do pais de Bruna.
    Eles tiveram os bens bloqueados…
    Chantagem das baratas.
    O David ama tanto o Sean, que só quatro anos, uma semana depois que Bruna faleceu, pediu oficialmente ao MP o direito a visita, por que não fez isso antes em suas tantas vindas ao Brasil.
    Estratégia orientada pelos advogados p configurar retenção de menor.
    Língua n tem osso mesmo, ele oficializou o documento assinando de renúncia ao seu direito a herança, se alguém ai souber me informe, por favor.

    Pacheco my dear,,,opus dei…uma ordem ultra conservadora da Igreja, poderosa, no livro código da Vince, a trama enfoca bem o modis operands da turminha opus dei…

    A veracel aqui vai ter que repor as terras afanadas dos índios, perdeu em última instância..
    Ia passar na aldeia onde a bisa de minha nora mora, ´vive na oca, acocorada fumando cachimbo, peito de fora, tomando cauim e fazendo manauê, na aldeia em Cabrália, mas estava tarde, ainda tinha mais uma balsa p pegar, na próxima vou lá.
    Minha nora é cafusa, estuda Direito, e vai me dar netos daqui mais um tempo, tenho ela como filha, ontem eles brigaram, ficou com ciúme das meninas de Belmonte, que olhavam muito p meu filho…mas já estão fazendo as pazes, briguinhas hemhemhem de casal, passa.
    Se alguém tem o doc que mostra a renúncia da herança, vou passar a ver Mr Godman com um olhar mais complacente.

    Abçs tds.

  161. Sra Sandra:
    Desculpe-me tomar mais o seu tempo, mas para finalizar, gostaria de lhe dizer tambem que o destino de uma criança que perdeu a mãe há seis meses e esta sendo ameaçada de ser levada para outro pais, longe da família que a criou, não deveria ser assunto de debate aberto em blogs. Nem eu, nem a senhora, nem ninguém aqui conhece a criança e sua intimidade para estar palpitando sobre o seu futuro. A vida particular de uma pessoa é assunto muito serio, para estarmos aqui “torcendo” para isso ou para aquilo. Espero que as autoridades que irão decidir, tenham a isenção e a coragem para apoiar a vontade do menino, seja para voltar aos braços do pai americano ou ficar com sua irmã.

  162. gthomas

    Antonio Rodrigues
    Vc se engana. E redondamente.

    Tem gente que conhece a crianca SIM. O Pai. E o pai esta aqui por perto. E tambem conheceram as crianca o deputado que viajou com o pai pro Br em fevereiro.

    Quem nao sabe porra nenhuma sobre o assunto eh o Sr.

    E ja que o Sr ficou sabendo de TUDO isso via Blogs
    de-se por contente e satisfeito, ou simplesmente encolha o rabo e desapareca!

  163. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 14:32
    Enviado por: Jose Pacheco Filho
    “Senhor Gerald Thomas.
    Vamos criar uma hipótese.
    O menino Sean (…) ao chegar ao Brasil era um lindo menino. Olhos azuis( ou verdes ) loirinho,fofinho,americano do norte.
    Modéstia a parte até parecia o meu neto de hoje.
    Que encanto!
    (…)
    A modelo tivesse casado com um modelo negro americano.
    O filho seria um negrinho.
    (…)
    Supondo que tivesse trazido.
    Como seria o negrinho aqui recebido.
    Teriam dito?
    -Que negrinho lindo! (…)”

    “Modéstia a parte até parecia o meu neto de hoje.
    Que encanto!”

    Colocaste o racismo sob ótica estética.
    Reinaldo

  164. Roberta

    Se é notório que trata-se de um sequestro, se há leis internacionais que não estão sendo respeitadas, se não há nenhuma restrição ao David como pai…CUMPRA-SE A LEI! Não há o que questionar. Esse é o lado racional.

    Olhando agora com o coração…

    Uma criança americana foi tirada do seu país, da companhia do seu pai, da sua cultura, parentes, amigos, escola, etc. Agora quem o tirou de tudo isso, que mesmo sem razão tem o apelo dos laços sanguíneos e afetivos, não está mais entre nós. Mas AGORA outra pessoa que nunca teve nenhum laço com o garoto antes do seu sequestro QUER ficar com ele. É mole?

    Ainda com o coração…

    …e se o Sean fosse o nosso filho? Hein?

  165. S u e

    Joana D’ark

    Ficariamos ate…sei deus quanto dicutindo pontos de vistas….divergentes !!!
    So que nao se trata de nenhum dos dois mudarem as vidas: Se trata que mae esta falecida e pai sem contato com filho.
    Se ela a mae fizesse a coisa *politicamente correta* , hoje ela nao estaria sendo *taxada como seguestradora (que foi) nesse caso eh considerado.
    Pois se mudou-se para o Brasil levou o filho para MORAR definitivamente , sem consentimnento nem do pai , nem do Juiz …como a crianca morava aqui com mae e pai…a custodia teria que ter sido resolvida aqui em NJ..(USA) …e so depois mudancas de cidades , paises….

    Talvez por Bruna e sua familia saberem que no Brasil a lei eh de quem tem mais poder (conhecidos) e $$$,optaram por fazer as coisas dessas formas arrevilia….

    Enquanto mae viva…era realmente mais dificil…afinal mae tem direito a custodia do filho…mas infelismente mae se foi…agora eh a vez de Sean conviver ccom seu pai mais proximo…para quando tiver idade para decidir com quem quer ficar ter todos argumentos…para isso !!!

    Enfim pontos de vista muito diferentes….

  166. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 20:17
    Enviado por: Antonio Rodrigues
    “Sra Sandra:
    (…)
    Nem eu, nem a senhora, nem ninguém aqui conhece a criança e sua intimidade para estar palpitando sobre o seu futuro. (…)”

    Eu não te conheço intimamente, e posso te responder.
    Repetindo o que já disse, na minha opinião – agora – o melhor para Sean é ficar no Brasil.
    Mas, “lei é lei”.
    Reinaldo

  167. santanna

    1.Targino 16:55, muito deselegante da sua parte usar esses termos.
    2. Pacheco, é óbvio que a moça já não amava mais o americano né. Se não não teria colocado o menino embaixo do braço e caído fora, pedindo logo depois o divórcio. Além disso, a avó apresentou durante a entrevista do Fantástico mais uma versão para a situação da vinda pro Brasil.
    3. Susan, além da hipótese do Ekran, da aparição da avó como figura de mais peso emocional, tb acho a sua visão da não aparição do padrasto muito possível. Aliás, tô com vc em todos os seus comentários relativos ao caso.

  168. S u e

    Joana D’ark

    Sao pontos de vista muito diferentes…
    Mas so para finalisarmos (se nao poderiamos ficar ate sei deus quando discutindo esse assunto e suas leis)….

    Certo da transferencia realmente NAO ERA…mas o Politicamente Correto…o certo seria pegar a custodia do filho aqui e resolver aqui…afinal eles moravam aqui…

    Entao o que ela fez de ir de *ferias* e nao voltar com a crianca sem nada decidido eh o que entao?? (Rapto , seguestro…)

    Talvez tenha feito isso sabendo que no Brasil as leis maiores sao de quem PODE $$$ mais e de quem tem conhecidos..(Jeitinho Brasileiro) e apostou as fichas nisso…e deu certo…ate que ela morreu….

    Mas nao acho justo que Sean cresca nao tenha oportunidade de crescer,conviver , conhecer melhor o pai…para daqui a pouco quando puder decidir com quem quer ficar…possa ter argumentos…para decodir com certeza!!!

    Enfim…Joana….nao creio que 90./ da populacao viva como gostaria com trabalho dos sonhos…enfim..muitos o fazemos para garantir o melhor para os filhos…para seguir leis…por nao podermos simplesmente fazer e pronto…
    Se nao pegariamos uma arma e matariamos todos os **inimigos** e todos que nos atrapalham…

    Se leis nao servem para serem cumpridas???

  169. S u e

    Essa *mercadoria de computador deu como erro acabei mandando dois recados para Joana (Gerald ou Vamp – nao sei quem esta na moderacao please aprove so o primeiro…o segundo e repeticao com outras palavras)..

    Obrigada e boa noite a voces!!!

  170. Paulo from the G Spot

    Acho que a solucao eh dar um green card brasileiro ao David e tambem arrumar um emprego cuidando do iatch da familia Lins & Silva em Buzios. Tai o jeitinho brasileiro em acao. O cara aprende Portugues e ainda fica perto do filho.

  171. S u e

    Numa coisa concordamos (…)
    A unica vitima eh o menino…Sean…

    Mas assim como em TODAS separacoes as unicas vitimas sao sempre os filhos….

  172. Paulo from the G Spot

    História real que ganhou o primeiro lugar no Criminal Lawyers Award
    Contest:

    Um advogado de Charlotte, NC, comprou uma caixa de charutos muito raros
    e
    caros.
    Tão raros e caros que os colocou no seguro, contra fogo, entre outras
    coisas.
    Depois de um mês, tendo fumado todos eles e ainda sem ter terminado de
    pagar
    o seguro, o advogado entrou com um registro de sinistro na companhia de
    seguros.
    Nesse registro, alegou que os charutos “haviam sido perdidos em uma
    série
    de pequenos incêndios”.
    A companhia de seguros recusou-se a pagar, citando o motivo óbvio: que o
    homem havia consumido seus charutos da maneira usual.
    O advogado processou a companhia… E GANHOU.
    Ao proferir a sentença, o juiz concordou com a companhia de seguros que
    a
    ação era frívola. Apesar disso, o juiz alegou que o advogado “tinha
    posse de
    uma apólice da companhia na qual ela garantia que os charutos eram
    seguráveis e, também, que eles estavam segurados contra fogo, sem
    definir
    que tipo de fogo seria. e que, portanto, ela estava obrigada a pagar o
    seguro.
    Em vez de entrar no longo e custoso processo de apelação, a companhia
    aceitou a sentença e pagou $15,000 dólares ao advogado, pela perda de
    seus
    charutos raros nos incêndios.

    AGORA A MELHOR PARTE:
    Depois que o advogado embolsou o cheque, a companhia de seguros o denunciou,
    e fez com que ele fosse preso, por 24 incêndios criminosos!!! Usando o
    próprio registro de sinistro e o testemunho dele, a companhia de seguros fez
    com que o advogado fosse condenado por incendiar intencionalmente
    propriedade segurada e fosse sentenciado a 24 meses de prisão, além
    de uma multa de US$24.000,00.
    Moral da história: Do outro lado também tinha um advogado. Só que melhor e
    mais esperto!!

  173. S u e

    Roberta…fechou..seu comentario das 20:42…

    Fechou disse tudo…

  174. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 17:47
    Enviado por: Jose Pacheco Filho
    “Carol: (…) E perguntar não ofende.”

    Neste blog tens visibilidade?
    És prolixo compulsivo?
    És blogadicto?
    Reacionário?
    Incoerente?
    Inseguro?
    Imaturo?

  175. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 09:50
    Enviado por: Sandra1
    “Reinaldo, (…)”

    “Direito teu.”

  176. Verdades ou mentiras?

    Estão olvidando certas considerações que parecem importantes:

    Se a mãe trabalhava fora e o pai ficava em casa então quem cuidava do menino era?
    Se a mãe apanhava do marido então quando os pais dela foram lá a visita ela comunicou ou não aos pais?
    Se o pai sabendo que a filha apanhava e não vivia feliz ele deveria comunicar a policia ou ao menos a embaixada ou não?
    Se o pai tivesse sido avisado que a mulher e o filho não voltariam ele teria concordado com a viagem de férias ou não?
    Se os pais da mãe do menino sabiam da intenção da filha eles calando e saindo na moita foram coniventes ou não?
    Se a mãe foi agredida pelo pai ela deveria ter registrado ocorrência ou não?
    Uma mulher que não tem mais relação sexual com o marido o acusa de abandono ou não?
    O telefone é um meio adequado para se comunicar a um pai que não terá mais seu filho de volta ou não?
    Se você estiver sem dinheiro e alguém lhe oferecer uma grana para tirar o seu nome de um processo no qual você é apenas parte do litígio você aceita ou não?
    Se você acha que aceitar dinheiro é errado você acha que quem ofereceu o dinheiro ou não?

    Você acha que quem nada deve nem nada teme precisa dar dinheiro ou não?
    Se você torce pelos Lins você acha que outros possam torcer pelo Goldman ou não?
    Esta tão falada herança você sabe o valor ou não.

    Quando o Goldman veio atrás do filho que herança existia se a mulher era viva?

    E para encerrar você torce contra o Goldman realmente porque não gosta do cara ou porque não gosta do Gerald?
    Você realmente acredita que o Pacheco vai para o mar ainda hoje?

    Obrigado.

    Pacheco.

    Quem responder não a ultima pergunta já entrou acertando.
    As outras dependem da cabeça de cada um
    .Cada cabeça uma sentença.

  177. mnc

    Errata…a carta rebatia a matéria em que os parentes brasileiros davam sua versão da história…portanto do lado David.
    Hilário Paulo do G Spot…
    O Pacheco tb contou uma de advogado bem engraçada.
    Aí vai mais uma…
    O Tião Martins, jornalista escreve coluna diária no Jornal Hoje em dia de BH, tem um personagem, Dr Fontes, tenho certeza que ele baseia as peripécias do Fontes, na vida real.
    Dr Fontes é um velho advogado cobra criada…uma das dele…
    Seu Filho o Fontes Junior, estudou Direito contra vontade, por imposição do pai,.
    Ao longo do curso foi se apaixonado pelo Direito e quando enfim graduou, carteirinha da OAB na mão, assumiu o escritório, Dr Fontes pai tirou umas férias e deixou o escritório por conta do Junior.
    Terminada as férias, o Junior todo orgulhoso relata ao pai …
    Sabe aquele processo que se arrastava há dez anos sem solução, pois é paizão, resolvi em uma semana…
    Dr Fontes pulou da cadeira….Seu jumento, aquele processo ajudava a pagar nossas contas há dez anos.

  178. Tene Cheba

    Bom, não resta dúvida, uma questão de embarque. Rápido tribunal, Sean tem que dar o fora daqui.Suma Sean, vai embora, não diga que fica, heheh, não pode, por lá as grandes pipas, os tamarindos, por lá maracujás, grandes poemas, grandes praias, por lá não tem Iemanjá.Bom Sean, até logo Sean, vai com Deus.
    Este país é teu, você brasileiro.
    Hey Sean, Dona Maria.

  179. Sue;

    Querida amiga virtual.
    Toda regra tem exceção.
    Conheço pelo menos uma separação que a maior vitima foi o pai.
    Não vitimado diretamente pela lei dos homens.
    Ou lei de Deus.
    Ou lei alguma.
    Vitimado porque apagou um filho da mente.
    Simplesmente porque o filho esqueceu de
    Honrar pai e mãe.
    E decisões de pai não podem nem devem ser julgadas por filhos.
    Ainda mais por filhos que se dizem filhos de Deus.
    Entre o céu e a terra xiste muito mais do que etc …
    Prefiro dizer:
    Entre problemas de familia tem muito mais merda a medida que cavamos.
    Até mesmo a não prevista em leis.
    Não tenho culpa se a escura iluminou minha velhice.
    Isto que para muitos nada significa é o X do problema.
    Da exceção que mencionei acima.

    Por isto e por causa disto é que sempre digo:

    A VIDA É BELA.

    E querendo eu posso ver rosas ai onde só existem tulipas.
    Assim como Sinatra que via um mundo cor de rosa,
    E dizia estar cinco doses atrazado.
    Embora todos saibam o quanto sofreu.
    E deixou a quem o escuta como eu
    A liberdade de antes do fim de fazer de:

    MY WAY

    [nou a fazer o que eu copio.

  180. Tene Cheba

    Brasil é o país dos otários, ou dos espertos, Brasil país das porradas, Brasil que acolhe, que exploram, dos bichos, Brasil colônia, Brasil sem café.Brasil com z, Brasil sem fé, Brasil que abriga, todas as distorções.De araque, todas as aves pousam aqui, de araque, de araque aquela praia, de araque, de araque de araque, as areias, a Tijuca, meu mundo hostil.

  181. Correção.

    Abaixo de MY WAY o escrito nada significa.

    Serve apenas para uma pessoa.

    Que não é nenhum de vocês.
    O endereçado sabe o que é.

  182. Eduardo

    Isso que os avós estão fazendo é sequestro. Esses velhos já tiveram filho, já tiveram a sua vez, agora estão querendo cuidar do filho que não é deles. A velha alega um monte de coisa, mas não mostrou comprovante de nada na TV, além de gaguejar demais. Ela alega coisas que a própria filha não confirma por não estar viva. O filho não é deles! Cada um cuida do seu. Porque que eles não adotam um. Tem tantas crianças sem pai e mãe.

  183. Pessoal.

    Para distrair um pouco.
    depois vocês continuam advogando

    cadastre-seou efetue ologin
    piadas

    categorias

    novas piadas

    mais votadas

    mais comentadas

    imagens

    vídeos

    ringtones

    jogos online

    piadas no seu site

    cadastre piadas

    Procurar piadas
    ok

    Piadas de Joaozinho
    JOAOZINHO NA ESCOLA
    – Joãozinho, qual é o seu problema?
    – Sou muito inteligente para estar no primeiro ano.
    Minha irmã está no terceiro ano e eu sou mais inteligente do que ela.
    Eu quero ir para o terceiro ano também.
    >
    A professora, vendo que não vai conseguir resolver este problema, o
    manda para a diretoria.
    >
    Enquanto o Joãozinho espera na ante-sala, a professora explica a
    situação ao diretor.
    O diretor diz para a professora que vai fazer um teste com o garoto.
    Como é certo que ele não vai conseguir responder a todas as perguntas,
    vai mesmo ficar no primeiro ano. A professora concorda.
    Chama o Joãozinho e explica-lhe que ele vai ter que passar por um
    teste; o menino aceita.
    >
    O Diretor pergunta para o Joãozinho:
    – Joãozinho, quanto é 3 vezes 3?
    – 9.
    – E quanto é 6 vezes 6?
    – 36.
    O diretor continua com a bateria de perguntas que um aluno do terceiro
    ano deve saber responder. Joãozinho não comete erro algum.
    O diretor então diz à professora:
    – Acho que temos mesmo que colocar o Joãozinho no terceiro ano.
    A professora diz: – Posso fazer algumas perguntas também?
    O diretor e o Joãozinho concordam. A professora pergunta:
    – O que é que a vaca tem quatro e eu só tenho duas?
    Joãozinho pensa um instante e responde:
    – Pernas.
    Ela faz outra pergunta:
    – O que é que há nas suas calças que não há nas minhas?
    O diretor arregala os olhos, mas não tem tempo de interromper…
    – Bolsos. (Responde o Joãozinho).
    Mais uma:
    – O que é que entra na frente na mulher e que só pode entrar atrás
    no homem?
    Estupefato com os questionamentos, o diretor prende a respiração…
    – A letra “M”. (Responde o garoto.)
    A professora continua a argüição:
    – Onde é que a mulher tem o cabelo mais enroladinho?
    – Na África. (Responde Joãozinho de primeira.)
    E continua:
    – O que que entra duro e sai mole pingando?
    O diretor apavorado!…. E o Joãozinho responde:
    – O macarrão na panela.
    E a professora não para:
    – O que é que começa com “b”, tem “c” no meio, termina com “a” e para
    ser usada é preciso abrir as pernas? O professor fica paralizado!!!
    E o Joãozinho responde:
    – A bicicleta.
    E a professora continua:
    – Qual o monossílabo tônico que começa com a letra “C” termina com a
    letra”U” e ora está sujo ora está limpo?
    O Diretor começa a suar frio…..
    – O céu, professora!
    – O que é que começa com “C” tem duas letras, um buraco no meio e
    eu já dei para várias pessoas?
    – CD !
    Não mais se contendo, o diretor interrompe, respira aliviado e diz
    para a professora:
    – Puta que Pariu!!!! Põe esse moleque como diretor, que vou fazer
    minha matrícula no terceiro ano. Errei todas!
    >
    Boa noite e até amanhã a todos.

    Obrigado.

    Pacheco.

    Vou dar um pulo até o Uruguai.Ver se a Nau 22 já está no fundo.O Gerald esqueceu da nau da blog-novela.E eu era quem tinha de ficar vigiando no ultimo capitulo.os outros estavam dormindo.Esqueceram? Eu não.

  184. mnc

    Pacheco,
    My way, minha música predileta que o Sinatra canta…amo o Sinatra.
    Now the end is near…
    I did my way…
    O fechar das cortinas.
    Uma boa noite p vc.
    E p toda aldeia.
    Durmam os sonos dos justos, quando o sono chegar, sure.

  185. Paula Pedrosa

    Pobre Sean…

  186. Eduardo

    Nenhum blá, blá, blá, político, jurídico, de vizinho, de abelhudo ou até mesmo de parente interessa. O que interessa que o cara é o pai do menino e pronto. Ninguém vale mais que pai e mãe. Não interessa pedaço de terra (Brasil, USA), não interessa que o cara faz pra viver, não interessa se ele brigou ou não com a mãe do menino. Isso tudo não tem nada a ver. O que interessa que ele que é o Pai. Este é o mérito.

  187. ezir

    DIGNÍSSIMO SR. GERALD THOMAS , e a TODOS , comentaristas participantes deste debate:

    Acho que talvez eu não devesse opinar nesta matéria, porque me sinto como num caso da justiça de UMA FAMÍLIA FAMOSA que de repente vem à tona e TODO MUNDO, A REDE DE TELEXPECTADORES INTEIRA FICA SABENDO …e vira ALGO COMO UM FINAL DE UMA NOVELA …OU UM ASSUNTO DE PROPORÇÕES QUASE-GLOBAIS. Acho que neste ponto , o PAI , DAvid , AUTOR DA AÇÃO fez muito bem em tornar TUDO UM SENSACIONALISMO ( COMO A AVÓ COMENTA , achando UM ABSURDO , ele CHEGAR A ESTE PONTO…). Para uma pessoa CHEGAR A UM CERTO PONTO diante de UMA FALTA DE SABER sobre SEU AMOR E SEU FILHO, FRUTO DA GERAÇÃO DA RELAÇÃO DE AMOR E DE ÓDIO que ELE E A EX-MULHER, FALECIDA, CRIARAM foi porque ALGO FALHOU …E SE ROMPEU para além da PRÓPRIA RELAÇÃO …ou SEJA . ROMPEU O LAÇO DA “FALA” deles enquanto SUJEITOS , HOMEM E MULHER , como REFLEXOS DE SEUS ATOS DE APROXIMAÇÃO E DE PRODUÇÃO DE SIGNIFICANTES DE AFETOS enquanto SUBJETIVIDADES DESEJANTES. Meu PSICANALISTA DR. Mauro Dias , EXPLICA BEM ESTA “FALTA” ENTRE 02 PESSOAS, O “EU” E O SEU OUTRO AMADO-ENVOLVIDO e AS CAUSAS que geram ESTE CÍRCULO VICIOSO DE REPETIÇÕES E DE “MAL-ENTENDIDOS E EQUÍVOCOS” em que OS DOIS FALAM…SE DEFENDEM…BUSCAM SUAS FORÇAS…OU SE REPULSAM…E SE NEGAM…OU …SE ATRAIEM…SE SEDUZEM POR FORÇAS DE SEUS INCONSCIENTES que OS COMPELEM A AGIR NUMA POSIÇÃO ALHEIA À SUAS CONSCIÊNCIAS DE POSIÇÃO DENTRO DO MUNDO REAL , DO AQUI E AGORA DOS SENTIDOS DE SUAS PRESENÇAS E VALORES COMO UM CASAL…UMA FAMÍLIA neste CASO que ERA PERFEITA…E por UM SENTIDO OCULTO…POR UMA AÇÃO DE DISTANCIAMENTO por força DAS DISTÂNCIAS FÍSICAS E CONTINENTAIS …CONSEGUIRAM “BATER”PÉ em suas DIFERENÇAS E RADICALIDADES …até O PONTO QUE TIVERAM QUE COLOCAR OS OUTROS-O EXTERIOR- A JUSTIÇA para VIR FALAR POR ELES já que ELES perderam AS RAZÕES DE SEUS VÍNCULOS…SEUS LAÇÕS SOCIAIS…INTERIORES A DOIS E PROFUNDOS.
    Eu , particularmente, sofri UMA EXPERIÊNCIA DE SEPARAÇÃO DE MINHA MÃE …com pompas de um rapto , porque fui proibida até de falar dela. Ela ,depois de esforços , E POR TER ENCONTRADO O HOMEM-ADVOGADO DA VIDA DELA , conseguiu me ‘TRAZER DE VOLTA” com efeitos de RESGATE…E TUDO FOI PORQUE EU CONSEGUI ENCONTRAR UMA PROVA…UM MOTIVO SÉRIO …JUSTIFICATIVA DE PESO para ELA CONSEGUIR UM MANDATO DE CUSTÓDIA: Meu pai me tirou da ESCOLA …como não admitia ISSO e ERA DEFINITIVO…PRINCÍPIAL pra mim…ESCREVI UMA CARTA DE CUNHO PRÓPRIO que FOI A PROVA …DE MINHA VONTADE …E DAS CONDIÇÕES COM QUE ELE ME TRATAVA. A AVÓ do GAROTO alega ele NÃO QUERER O PAI , por O PAI ter tido UMA CRISE DE RAIVA e ELE TER VISTO ELE “SOCAR” O ARMÁRIO.
    Isto foi um momento na vida a dois deles q talvez tenha feito a MAÃE decidir NÃO VOLTAR PRA EUA , PRA ELE…aproveitando AS DISTÂNCIAS. Mas, NÃO SE JUSTIFICA…Já QUE O DAVID NUNCA FOI AGRESSIVO COM ELA , A MÂE …e o FILHO. É normal A GENTE, E NUMA RELAÇÃO AS PARTES TEREM “DESCARGAS EMOCIONAIS”. Eu , particularmente, NÃO VIVERIA UMA RELAÇÃO EM QUE UMA HORA O MEU HOMEM ME BEIJA …E VAI PASSEAR COMIGO …E OUTRA HORA …ELE FICA AGRESSIVO…E SE DESCONTROLA …e NÃO CONSEGUE ACEITAR TRABALHAR SUAS FRAGILIDADES …E DIFICULDADES DE LIDA COM NOSSO EMOCIONAL …E COM NOSSOS TRAUMAS.
    A MAIORIA dos CASAMENTO LITIGIOSOS ( EU acompanhei de DENTRO E NO MEIO DA COISA o CASO DE MEU IRMÃO FALECIDO…O qual foi um excelente PAI DE FAMÍLIA …mas VIROU …DEIXOU que SEU PASSADO DE COMANDO …E IMITAÇÃO DA INFLEXIBILIDADE DE MEU PAI O ESMAGASSE POR DENTRO …mesmo tendo diante e pra TUDO esta IRMÃ dele que FEZ DE TUDO PRA ELE VIVER E VOLTAR A TER SAÚDE E SER FELIZ…MAS COM HUMILDADE …ACEITANDO NOSSOS PONTOS FRAGEÍS…A CHORAR….E SE DEIXAR-SE VER PELO AVESSO…NÃO TER VERGONHA DO QUE A GENTE NÃO CONSEGUE APRENDER …E ATENDER na RELAÇÃO AMOROSA COM OS OUTROS). Já encontrei HOMENS E MULHERES SEMPRE SUPER MASCULINIZADOS E “ARMADOS” em que apesar da gente SER UM ANJO …E AJUDÁ-LOS A ENTRAR NA ORDEM CORRETA DO PENSAMENTO E DA PULSÃO DA VIDA …eLES ficam teimando …são ARROGANTES E PREPOTENTES…E chega uma HORA …A GENTE TEM QUE ENTREGAR PARA NOSSO DEUS ETERNO , como diz a Irene Ravache.Espero que o DAVID seja feliz nos andamentos e desdobramentos novos …e possa aprender a entender o porquê tudo se desenrolou assim …e se assegure desta FORÇA DE TODOS para buscar e USAR formas de RECONQUISTAR A CONFIANÇA E O AMOR DE SEU FILHO q ele tanta ama. Boa noite a todos, Ezir

  188. gthomas

    Gostei do Eduardo.

    Eduardo: otimo, vc!

    Ezir, vou ler com calma.

    Estou aqui, baratinado, tentando colocar as coisas em ordem

  189. Tene Cheba

    O céu azul, o mar sem horizontes,
    o vento que tenta, a onda sem força,
    a areia fria, os pés descalços,
    a cerveja quente, a marola, a maresia,
    viajo no dois sete e quatro, abro a janela,
    pequena, contemplo com muito tempo,
    do tudo, de tudo, com muito pouco,
    minhas marés, sem Luas.
    Este país eu amo, não tem bombas, quero dizer tem, mas não explode.
    Este site é nosso, muitos desdém, mais retornam, comem e cospem, não nos ignoram.
    Mas, este sítio de milhões de alqueires é nosso, caso partam, te hospedem e, te dão café, beba, mesmo que o fumo, malhado, importado, de primeira, fale mal de ti.

  190. Sandra

    Ekran, esta criança não foi sequestrada, ela veio para o Brasil COM a MÃE, correto? A palavra sequestro está sendo utilizada pela torcida americana para difamar a família brasileira.

    09/03/2009 – 02:24
    Enviado por: Ekran
    É isso, virou igual a luta de box!
    UM LIXO de cobertura.
    NÃO SABEMOS NADA!
    Se alguem sequestrar um filho meu e levar para os EUA, o que eu faço?

  191. Sandra

    Eduardo, o que mais tem no mundo é pai sem mérito, deixando os filhos à mercê da vida e sendo sustentados e criados pelas mães. Não morro de amores por este tipo de pai.

    09/03/2009 – 22:39
    Enviado por: Eduardo
    Nenhum blá, blá, blá, político, jurídico, de vizinho, de abelhudo ou até mesmo de parente interessa. …. que interessa que ele que é o Pai. Este é o mérito.

  192. Roberta

    Pacheco:

    Posso copiar o seu comentário das 21:37hs para postar em outro fórum de discussão sobre este assunto?

    Achei as suas colocações muito pertinentes. Abraços.

  193. Tene Cheba

    O céu azul, as areias,
    o Sol, escaldantes Lua, sem por,
    radial a mim, que cresce simples.
    Meu mundo sem mitos,
    meu mundo sem brisas,
    mundo escaldante,
    mundo que me obriga a pisar,
    escrotas sutilezas, o mundo vai acabar, meu caixão sem gavetas,
    sem poesias,
    teclas sobre pizzas, lixos sobre nadando,
    mares, bandeiras, cores mortas.

  194. FRANCINY CHEQUER

    vampiro os comentarios estam sumindo quando estou enviando

  195. Tene Cheba

    As pedras muitos milhões de anos por ali,
    que formato, sem geometria, Descarte não percebeu, meus mundos passaram, ventos sopraram, sem estação, o bonde não parou, bonde sem velas, sem trilhos, que o vento levava.
    Vento que pulsava, empurrava as ondas, pequenas ondas atrevidas, simples marolas, não me enganavam.
    Leves seres, neves de quatro polegadas, que acumulam, na varanda, na sacada, algo sem cores, compacto, branco, sem arcos, sem prismas, sem decodificadores.
    Mundo preto e branco.

  196. ronald

    Já que tem assuntos diversos…

    Pacheco.
    Lembra o game da Volvo Ocean Race?
    Pois bem, tem 170.000 barcos.
    Saimos de Qindao, China, a 23 dias 23h 32 min, a liderança da flotinha(virtual) está a caminho do cabo Horn.
    Estou a 5189 milhas do Rio de Janeiro, a 143milhas do líder, em 121 lugar.
    137º40′ W
    41º45 S
    E voando a 23 nós de velocidade.
    hehehe
    Esperando a brexa no vento para tentar dar o pulo do gato.
    Abraços

  197. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 16:12
    Enviado por: gthomas
    “Se o David olhava pro lado o tempo todo (eu nao vi o programa, nao tenho Globo International) (…)”

    Não vou dizer o óbvio.
    Reinaldo

  198. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 23:29
    Enviado por: Sandra
    “Ekran, esta criança não foi sequestrada, ela veio para o Brasil COM a MÃE, correto? A palavra sequestro está sendo utilizada pela torcida americana para difamar a família brasileira.”

    Trata-se de nomenclatura.
    Apenas reproduzi esse comentário para mostrar que pelo conteúdo é facilmente identificável qual Sandra é a autora.
    Reinaldo

  199. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 20:53
    Enviado por: santanna
    “1.Targino 16:55, muito deselegante da sua parte usar esses termos.”

    Santanna, te referes ao ridículo eufemismo para cu?
    Beijo,
    Reinaldo

  200. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 16:32
    Enviado por: Sandra1
    “-O garoto já está adaptado.
    Também estava adaptado a seu país de origem quando veio para cá;”

    Sim, estava, em uma fase da vida que nós mesmos não lembramos.
    Sei, sei, “direito meu” e “lei é lei”.

  201. Reinaldo Pedroso

    10/03/2009 – 00:09
    Enviado por: FRANCINY CHEQUER
    “vampiro os comentarios estam sumindo quando estou enviando”

    “Sumiu” um meu também.
    Reinaldo

  202. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 22:39
    Enviado por: Eduardo
    “Nenhum blá, blá, blá, (…)”

    Isso mesmo! Dá-lhe Eduardo! Foda-se tudo e todos!
    O espermatozóide era do David e pronto!
    Reinaldo

  203. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 20:42
    Enviado por: Roberta
    “(…)…e se o Sean fosse o nosso filho? Hein?”

    Roberta, se o Sean fosse nosso filho, nada disso aconteceria.
    Reinaldo

  204. Reinaldo Pedroso

    09/03/2009 – 22:43
    Enviado por: Jose Pacheco Filho

    “Reinaldo Pedroso: ”

    Pacheco, o teu comentário foi moderado.
    Reinaldo

  205. A nossa amiga Susan Judia recomendou que eu procurasse o Habeas-Pinho.
    Procurei.
    Encontrei.
    Li.
    Amei
    Copiei para dividir com vocês.

    Envio:

    Habeas Pinho

    Na Paraíba, alguns elementos que faziam uma serena foram presos. Embora liberados no dia seguinte, o violão foi detido. Tomando conhecimento do acontecido. o famoso poeta e atual senador Ronaldo Cunha Lima enviou uma petição ao Juiz da Comarca, em versos, solicitando a liberação do instrumento musical.

    Senhor Juiz.
    Roberto Pessoa de Sousa

    O instrumento do “crime”que se arrola
    Nesse processo de contravenção
    Não é faca, revolver ou pistola,
    Simplesmente, Doutor, é um violão.

    Um violão, doutor, que em verdade
    Não feriu nem matou um cidadão
    Feriu, sim, mas a sensibilidade
    De quem o ouviu vibrar na solidão.

    O violão é sempre uma ternura,
    Instrumento de amor e de saudade
    O crime a ele nunca se mistura
    Entre ambos inexiste afinidade.

    O violão é próprio dos cantores
    Dos menestréis de alma enternecida
    Que cantam mágoas que povoam a vida
    E sufocam as suas próprias dores.

    O violão é música e é canção
    É sentimento, é vida, é alegria
    É pureza e é néctar que extasia
    É adorno espiritual do coração.

    Seu viver, como o nosso, é transitório.
    Mas seu destino, não, se perpetua.
    Ele nasceu para cantar na rua
    E não para ser arquivo de Cartório.

    Ele, Doutor, que suave lenitivo
    Para a alma da noite em solidão,
    Não se adapta, jamais, em um arquivo
    Sem gemer sua prima e seu bordão

    Mande entregá-lo, pelo amor da noite
    Que se sente vazia em suas horas,
    Para que volte a sentir o terno acoite
    De suas cordas finas e sonoras.

    Liberte o violão, Doutor Juiz,
    Em nome da Justiça e do Direito.
    É crime, porventura, o infeliz
    Cantar as mágoas que lhe enchem o peito?

    Será crime, afinal, será pecado,
    Será delito de tão vis horrores,
    Perambular na rua um desgraçado
    Derramando nas praças suas dores?

    Mande, pois, libertá-lo da agonia
    (a consciência assim nos insinua)
    Não sufoque o cantar que vem da rua,
    Que vem da noite para saudar o dia.

    É o apelo que aqui lhe dirigimos,
    Na certeza do seu acolhimento
    Juntada desta aos autos nós pedimos
    E pedimos, enfim, deferimento.

    O juiz Roberto Pessoa de Sousa, por sua vez, despachou utilizando a mesma linguagem do poeta Ronaldo Cunha LIma: o verso popular.

    Recebo a petição escrita em verso
    E, despachando-a sem autuação,
    Verbero o ato vil, rude e perverso,
    Que prende, no Cartório, um violão.

    Emudecer a prima e o bordão,
    Nos confins de um arquivo, em sombra imerso,
    É desumana e vil destruição
    De tudo que há de belo no universo.

    Que seja Sol, ainda que a desoras,
    E volte á rua, em vida transviada,
    Num esbanjar de lágrimas sonoras.

    Se grato for, acaso ao que lhe fiz,
    Noite de luz, plena madrugada,
    Venha tocar á porta do Juiz.

    Obrigado Susan.Valeu .
    Tenham todos um excelente dia.

  206. Quando O Sean saiu de New Jersey realmente não foi seqüestrado. Disseram ao pai que ele e a mãe estavam vindo com os avos para passarem um período de feria e depois voltariam.

    O seqüestro fica caracterizado quando a mãe participa ao pai que o menino não vai mais regressar para os estados Unidos.
    Participa por telefone.

    Igualzinho ao modo operante dos seqüestradores aqui do Brasil.

    E já que estamos no assunto saibam todos que hoje se comemora o dia do telefone.
    Aparelho muito útil, mas que eu detesto.
    Quando você o utiliza para falar com alguém não consegue olhar a pessoa nos olhos e não pode ter certeza do que realmente estão te dizendo.
    Acho o telefone um meio de comunicação pessoal mais impessoal que existe.
    De todo modo e por ser o dia do aparelho:

    Salve o telefone.
    Cuidado com o uso.
    Hoje em dia estão te gravando.
    Mas só quando deves algo.
    Você está devendo?

    Obrigado.

    Pacheco.

    Também não gosto de telefone por causa de possuir uma deficiência auditiva no escutador esquerdo.

  207. O Vampiro de Curitiba

    Pessoal, post novo lá em cima.

  208. mnc

    Queridos bomdia.

    O Pelé em seu momento sexologo, proderiu esta pérola recentemente> O cara n precisa ter pau grande, Tem de parecer que tem, pose, atitude de quem tem.

    Violar tratados, o suje que fala do mal lavado…vede abaixo


    10/03/2009 – 05h58
    Pequim diz que navio dos EUA infringiu leis internacionais

    Pequim, 10 mar (EFE).- O Governo da China afirmou hoje que o navio americano que, segundo os Estados Unidos, foi intimidado por cinco embarcações chinesas no domingo, perto da ilha de Hainan, infringiu as leis internacionais e chinesas sobre o uso de águas territoriais.

    “As reivindicações dos EUA são totalmente inexatas e confusas, e são absolutamente inaceitáveis para a China”, disse hoje o porta-voz da Chancelaria chinesa Ma Zhaoxu, em coletiva de imprensa.

    “A embarcação da Marinha americana Impeccable infringiu as leis internacionais e chinesas e estava realizando atividades na zona exclusiva econômica do Mar da China Meridional sem a permissão da China”, afirmou o porta-voz.

    Segundo o porta-voz, o Governo chinês apresentou um protesto formal perante o americano. Ma, em nome do Governo, pediu a Washington a “cessação imediata dessas atividades e a tomada de medidas para evitar incidentes similares no futuro”.

    GT benzinho, lets change the subject.
    O Nanine dirigido por vc é Mara, mercado de rins e fígados, os Marines, me identifiquei,,,naquela hora que ele fala ” puxa cozinhava tão bem, pensava que fazendo boa comida eles iam gostar de mim”…e todas aquelas caixas de papelão…
    Águas de março fechando o verão, sabiá imudecendo, hora de levantar acampamento.
    Me despedir do mar…guardar esses amplos verdes azuis na memória do coração, turismo hospitalar em BH, controle oncológico de minha mãe sanfoneira, encorporar uma doutora da alegria p amenizar a barra, dourar a pílula…
    Beagá tem seus encantos,,.o quefode é a área hospitalar, a maioria dos hospitais lá estão concentrados no mesmo local, o que faz vc pensar que o mundo tá doente, são milhares deles…multi infermidades…
    Sábado tem aniversário de Jujú minha netinha, no interior das Minas infinitas, antes de BH pit stop com filha e netos amados.
    P São João eu volto com certeza….o filhão fica tocando sua vida.
    Minha vida é esta, subir Bahia e descer Floresta…na Rua da Bahia perto do Drumond, Nava e Sabino, tem essa frese escrita numa placa de cobre…s[o naum lembro de quem é…

    Ondas de afeto e carinho a tds, vou me jogar no mar e levar a sanfoneira p hidro talassoterapia.

  209. Pingback: Popular People » Blog Archive » Resposta Da Advogada De David Goldman (Aos Acusadores Brasileiros …

  210. Sandra1

    Reinaldo, minha filha se lembra da sua classe, do nome de cada colega, do antigo colégio, de amigos que não vê mais,… De quase tudo o que aconteceu quando tinha 4 anos. Ela tem a idade do garoto.

  211. Sandra1

    Joana, não vivi fora do Brasil nem casei com estrangeiro, mas:
    -já paguei as despesas da casa, enquanto meu marido pagava a prestação. E eu saia no lucro;
    -já pequei empregos em lugares distantes, jornadas de trabalho massacrantes,…

    Nossos pais nos dariam um apoio se pedíssemos, mas… estava na hora de começarmos nossa própria vida, e isso, por nossa própria escolha. Quando você faz essa escolha, sua vida não é flores.

    Eu não sei o que se espera de um casamento com estrangeiros, ou morar fora do país, mas para quem assumiu um filho que não estava planejado, o rapaz foi bastante digno. É claro que se a gravidez fosse planejada, ele teria tempo de fazer uma transição na sua carreira com um pouco mais de calma, mas, não havendo essas condições, ele nunca deixou de batalhar.

    E a disputa não é entre o pai e a mãe, mas entre o pai e o padrasto. E não vejo nada que inferiorize o pai em relação ao padrasto.

  212. Sandra1

    Mnc, toda vez que você viola um tratado, você paga um preço. Corremos o risco de voltar a ser criadouro de crianças para o mundo.

  213. Desculpem-me, mas repito aqui o comentario enviado erradamente para o post abaixo.

    Alguém precisa explicar ao senhor Gerald algumas coisas básicas. É claro que um país tão socialmente injusto como o Brasil não poderia ter uma justiça perfeita. Basta observarmos os atos dos ministros da nossa suprema corte se mobilizando para defender o banqueiro ladrão Daniel Dantas e esconder as falcatruas do governo FHC. Agora ficar aqui usando como exemplo de retidão a justiça americana só pode ser ingenuidade ou ma fé. Como pode haver justiça num pais onde a tortura é legal ? Como pode haver justiça num pais que mantém pessoas presas durante anos sem processo legal, sem contato com advogados ? Que justiça é essa que não processa um presidente que engana toda uma nação a fim de declarar uma guerra motivada por interesses economicos ? Que justiça é essa que ainda não condenou o ex-vice presidente, apesar de todas as acusações que pesam sobre ele ? Basta olhar o infindavel processo do assassinato de Kennedy para se constatar que la, como em muitos outros lugares, a justiça é cega quando chega perto de poderosos.
    Acrescentando ao que disse um comentarista, pergunto ao senhor Gerald como o seu protegido, naturalmente americano, pretende levar essa criança para os EUA, caso ganhe na justiça. Aplicando uma injeção de anestesico no menino? Usando uma camisa de força ? Esparadrapo na boca ? Amarrado com cordas? Ou talvez numa daquelas jaulas para transporte aereo de animais ? Afinal lei é lei e tem que ser cumprida, não interessa o querer e o bem estar de uma criança. Não interessa tambem que o menino possa, como milhares de outras crianças pelo mundo, preferir conviver com seus avos.
    Sr. Geraldo: o que os brasileiros lhe fizeram de tanto mal, para o senhor odiar tanto o Brasil ? Me desculpe a observação e a intimidade, mas as vezes me parece um pouco de masoquismo as sua vindas ao pais, já que tem tanto desprezo pelo povo, por seus costumes, suas instituições, sua cultura. Eu, por acaso, prefiro muito mais um povo, como o senhor insinuou, desocupado, que fica dançando o carnaval, do que outro que se vangloria do poder de suas armas, de invadir e bombardear nações longínquas.

  214. Joana d'Arc

    Sim Sandra 1,

    Concordo com vc sobre lutar juntos, se sacrificar etc..

    O que quis dizer è que a ministra sò nao deu o menino ao pai pq existe uma perda recente da mae, somar o choque cultural a perda da mae pode ser prejudicial para o desenvolvimento psicologico da criança. Ela pode se sentir rejeitada pela familia da mae ou em culpa de ter de deixa-los.

    Qdo a mae foi embora dos EUA a perda do Pai nao era irreversivel.

    Esse pai quis pagar o preço de nao ver o filho pra continuar acusando a mae de sequestradora, queria a guarda integral.

    Se ele tivesse renunciado a guarda integral, feito um acordo sereno e procurado passar as fèrias com o filho todos esses 4 anos, seria muito menos traumatico para esse menininho.

    Minha tia è psicologa ha vinte anos aqui na Italia, de vez em qdo ela faz algumas pericias para o tribunal.

    Recentemente, ela me contou horrorizada sobre um caso de uma menina Romena.

    A menina tinha uma doença rara e nao podia engravidar, porem, aconteceu um milagre e ela engravidou de um rapaz italiano. Se ela abortasse nunca mais poderia ter filhos…

    O rapaz tb assumiu a menina e a criança, so que nao deu certo o casamento. O rapaz dois anos antes de pedir o divorcio começou a gravar todas as conversas telefonicas da menina, alem de gravar todas as brigas- so qdo ela se alterava! Depois, ele e os pais pediram a guarda da criança, queriam que a menina voltasse pra Romania . A menina entrou em desespero e esta lutando pela guarda do filho.Toda a equipe de peritos se sensibilizou e esta tentando ajudà-la.

    Isso è so para mostrar que mesmo qdo o cara assume a criança, a gente nao sabe o que està por tras.As vezes è o contrario, as vezes o cara compete com a mae pelo amor da criança, as vezes o cara esta tentando fazer uma especie de lavagem cerebral na criança ja pensando em ficar com ela em caso de disputa judicial…

    Entendo que alguns nao concordem com os metodos tupiniquins de justiça e que se revoltem, mas a justiça nao se esgota em uma convençao apenas…

    O tipo de sequestro que se refere a Convençao è aquele que vem embutido de mà-fè. Sera que essa mae agiu com ma-fè ou medo?

  215. Sandra

    Joana, por que o padrasto não pode, agora, fazer esse mesmo acordo amigável? Dar a guarda ao pai e visitar o menino nas férias? Você fala como se o pai ainda estivesse disputando a guarda com a mãe. Ela teve a guarda do menino enquanto viveu.

  216. Paulo Fonseca,adv

    Disputa envolve lei brasileira, americana e tratado

    Por Alessandro Cristo
    Alessandro Cristo é repórter da revista Consultor Jurídico

    Para julgar quem é a verdadeira família do garoto Sean Goldman — disputado pelo pai americano e pelo padrastro brasileiro —, as Justiças do Brasil e dos Estados Unidos terão que resolver um impasse jurídico, que mistura as legislações do Brasil, dos Estados Unidos e os tratados internacionais.

    Estão em jogo leis que tratam do sequestro internacional de menores, da consanguinidade, da paternidade socioafetiva e da proteção psicológica e emocional da criança, entre outras. Os elementos a serem considerados no caso são tão complexos que dividem opiniões até mesmo de especialistas que trabalham juntos no mesmo escritório.

    Os advogados Julian Abdo e Estela Franco, do escritório Abdo, Abdo & Diniz Advogados Associados, são um exemplo disso. Especialista em Direito Internacional, Julian Abdo aposta que o pai biólógico, o americano David Goldman, deve ficar com a criança.
    “O direito do pai é consanguíneo, ninguém pode tirar isso dele”, afirma. Além disso, o fato de a falecida mãe do garoto, Bruna Bianchi, ter sequestrado a criança em 2004 e a trazido ao Brasil sem o consentimento do pai, exige a análise do caso à luz da Convenção de Haia, que qualifica o crime.

    A especialista em Direito de Família Estela Franco discorda. Ela acredita que o garoto Sean já tem no padrastro, o advogado João Paulo Lins e Silva, a figura paterna, e que tirá-lo desse contexto poderia causar danos psicológicos. “O Direito de Família e da Infância brasileiros, desde a promulgação da Constituição Federal em 1988, vem primando pelo interesse superior da criança e pelo princípio da dignidade”, diz.

    Apesar de sua posição, Julian Abdo afirma ser próximo dos avós maternos de Sean. “Muitos ficaram surpresos com o que penso, mas sou pai e defendo o que é justo”, afirma. Para ele, nem mesmo o pior tipo de processo que um pai pode sofrer — uma ação de destituição de pátrio poder, que tira do genitor a responsabilidade pela criança — tem o poder de anular a paternidade. “É por isso que muitas mães presas criam os filhos no presídio”, explica.

    Até o pedido de indenização feito por David Goldman contra a família no Brasil tem uma explicação para Abdo. Como o valor pedido teria sido baixo para os padrões americanos nesse tipo de ação — Goldman pediu US$ 150 mil, quando são frequentes processos de mais de US$ 2 milhões nesses casos —, a intenção seria a de forçar que Sean fosse levado aos EUA, onde uma medida cautelar expedida no país poderia dar ao pai a guarda do filho. “Esse valor só cobriria o custo judicial. Foi uma ação estratégica”, diz. A tática poderia dar certo, já que, em território americano, não dependeria de uma chancela da Justiça brasileira, mas a suposta tentativa não vingou e terminou em um acordo.

    Hoje com oito anos, Sean já passou três com o padrasto. Esse tempo, segundo a advogada Estela Franco, foi o suficiente para criar laços socioafetivos entre os dois. “Por esse motivo, uma mudança radical seria marcante para o garoto, que tem uma rotina, uma língua e vínculos afetivos como referenciais”, explica. Para ela, analisar o caso apenas do ponto de vista da consanguinidade é um retrocesso. “A socioafetividade é uma construção baseada na Constituição Federal e no Estatuto da Criança e do Adolescente. Não é um pai que a criança procura, mas uma figura paterna”, diz.

    A questão criminal, no entanto, ainda pode prejudicar as intenções da família brasileira, segundo a advogada. “Pela Convenção de Haia, essa criança estaria irregular no Brasil.” Porém, como há um conflito de normas, o caso pode parar nos tribunais internacionais. “Algo tem que ser feito rapidamente, caso contrário a criança será retirada do país devido a um requisito formal”, alerta. A advogada lembra, porém, que é contraditório os EUA falarem sobre a convenção. “Eles não assinaram acordos sobre adoção, por exemplo.”

    Quem é o pai

    Sean nasceu em 2000 nos Estados Unidos, onde David Goldman e Bruna moravam. Em junho de 2004, Goldman autorizou Bruna e o filho a passarem férias no Rio de Janeiro. A passagem de volta estava marcada para 11 de julho de 2004. Dois dias depois, ela ligou dizendo que não retornaria com o filho aos EUA e disse que o pai só veria a criança novamente se aceitasse o divórcio na Justiça brasileira. Bruna entrou então com uma ação na Justiça do Rio para ter a guarda do filho e contratou o advogado João Paulo Lins e Silva para conduzir o processo. Casou-se com ele em 2007, mas morreu durante o parto da filha deste casamento no final de 2008.
    O pai biológico moveu então um processo judicial pela guarda da criança, já que, com a morte da mãe, seu direito como pai seria líquido e certo. Ele também registrou o sequestro do filho nos termos da Convenção sobre os Aspectos Civis do Sequestro Internacional de Crianças, de 1980 — a Convenção de Haia. Por esta convenção, o Brasil deve localizar a criança e promover sua devolução para que o caso seja julgado pela Justiça do país onde o menor morava antes. É por força dessa convenção que a União atua no caso e defende que Jean volte a morar com o pai nos Estados Unidos.

    O padrasto também entrou com uma ação, pedindo o reconhecimento da paternidade afetiva e a substituição do nome do pai biológico pelo seu na certidão de nascimento de Sean. O advogado conseguiu a guarda provisória do menor, além de obter uma liminar na 13ª Vara Cível do Rio proibindo o jornal Folha de S.Paulo e o site criado por David, Bring S. Home, de veicularem qualquer coisa sobre o caso.
    Brecha internacional

    Esse tipo de disputa internacional é mais frequente do que se pensa, como diz o advogado Jamil Abdo. Só no escritório são conduzidos mais de 20 casos semelhantes. A maioria é de pais que, propositalmente, levam os filhos sem o conhecimento do companheiro para países onde a lei não considera o sequestro do filho uma contravenção. “O mais comum são os Emirados Árabes Unidos. Tenho sete casos envolvendo sequestros para lá”, conta. Por considerar a autoridade do homem superior à da mulher, a Justiça do país não concede pedidos de busca de menores feito por pais em outros países.

    Na Alemanha, a dificuldade é a falta de assinatura da Convenção de Haia. Em um caso defendido por Abdo, uma mãe brasileira pedia à Justiça a devolução do filho levado pelo marido. Mesmo sendo a apreensão de menores considerada prioridade no mundo todo, como não havia acordo firmado entre os países nesse sentido, a ação acabou arquivada. “Depois que cresceram, as meninas voltaram ao Brasil e hoje moram com a mãe”, conta o advogado.

    Um dos casos que ainda dão trabalho ao escritório é o de um pai que viajou em férias para os EUA, levando os três filhos, todos menores. Ao desembarcar, uma discussão deu início a uma guerra judicial entre ele e a mãe das crianças. Mesmo tendo assinado uma autorização permitindo a viagem dos filhos — exigência legal internacional —, a mãe denunciou à polícia que eles haviam sido sequestrados pelo pai. A Justiça gaúcha mandou o pai trazer as crianças de volta, mas ele recorreu aos tribunais americanos, que rejeitaram a ordem brasileira, alegando soberania. No entanto, a mãe conseguiu o que queria. “Autoridades policiais daqui abordaram as crianças nos EUA na casa do pai durante sua ausência e as trouxeram sem passaporte, o que é irregular. Foi tipicamente um sequestro”, afirma Abdo. O caso ainda tramita no Judiciário.

  217. Eduardo

    As pessoas ficam dizendo que o menino está adaptado a família. Eu pergunto, que família? Avós não são família. Família é pai e mãe. Avós, tios, etc, são parentes. Dizem que devem perguntar ao menino. Oras! É claro que ele vai preferir o ambiente atual, isso é natural a qualquer pessoa. Se eu perguntar pro meu filho se ele quer ir embora do parque, é claro que vai dizer que não. A decisão de ir embora do parque não é dele. Quem educa é quem decide. Não há decisão paralela. O menino tem que ficar com o pai e pronto!

  218. Eduardo

    Sandra, com certeza ele não é esse tipo de pai. Senão, não estaria pedindo o próprio filho de volta. E de mais a mais tem um ditado que diz: Em briga de marido e mulher não se mete a colher. Se ele é um bom pai ou não, não muda o fato de ele ser o pai.

    09/03/2009 – 23:33
    Enviado por: Sandra

    Eduardo, o que mais tem no mundo é pai sem mérito, deixando os filhos à mercê da vida e sendo sustentados e criados pelas mães. Não morro de amores por este tipo de pai.

  219. mariacampos

    raly em washington DC das 2:00 as 5:00 pm
    durante o encontro do Lula com Obama!

    http://bringseanhome.org/BSHRallyFlyer.pdf

    parabéns pelo apoio!

  220. Pingback: Popular People » Blog Archive » Resposta Da Advogada De David Goldman (Aos Acusadores Brasileiros …

  221. Paulo Sérgio Schneider

    Gostaria de fazer um comentário sobre a guarda do menino de 8 anos cujo pai luta na justiça pela guarda (David Goldman)
    Tive um problema semelhante só que no Brasil mesmo, minha ex mulher era promotora de justiça e faleceu (ela e a mãe) num acidente de automóvel, como ela era promotora de justiça houve coorpotrativismo dos colegas da justiça e lutei por vários anos pela guarda dos meus filhos, fui humilhado pela justiça, mesmo pagando pensão por vários anos, chegaram a dizer que nunca tinha sido pai dos meus filhos, mesmo sendo feito um estudo social de 26 páginas onde nada me desabonasse e até meu filho com 12 anos tendo dito perante a juíza promotores e os que detinham a guarda que queria ficar co o pai não me foi concedida a guarda, até processado por subtração de incapaz eu fui quando meu filho fugiu da casa da tia e eu fui buscá-lo e entreguei-o na primeira hora do dia seguinte e avisei que ia fazê-lo mesmo assim me processaram como se fosse um marginal (tenho provas). Por isso queria dizer que a justiça brasileira é tendenciosa e atendem aos interesses deles e não tem condições de julgar um caso desses , tenho isso como exemplo próprio pois fui massacrado por esta justiça que de justa não tem nada. Paulo Sérgio Schneider

  222. Aretha Fiskaa

    Nao tem o que se falar mais sobre esse assunto, esta bem claro que a quarda tem que ser do PAI BIOLOGICO, no caso se o PAI BIOLOGICO estivesse morto, ai entao seria talvez aceito que a guarda fosse dada ao Padrasto, mas diante desse caso que o PAI BIOLOGOCO esta PRESENTE , e JUSTO que ele tenha a guarda.

  223. Ricardo Zardo

    O guri tem que ficar no RIo mesmo, esta integrado a vida carioca, é um carioquinha, imagina levar o coitadinho para aquele país calvinista. Tem coisas que valem muito mais do que foi escrito friamente de foram genérica num tratado por engravatados engomadinhos, que adoram querer governara a humanidade.
    Não é assim tem que reagir a isso é um atentado pior arrancar essa criança daqui.

  224. Carlos Daison

    Tem o que falar sim, dona Aretha Fiskaa
    Pai biológico e nada para mim podem ser a mesma coisa.
    E nesse caso é o que acho que é.

  225. José

    Em primeiro lugar, o STF não tem nada a ver com esse peixe. A Convenção sobre Efeitos Civis do Sequestro Internacional de Crianças tem status de lei federal e tem sido apreciada em último grau de recurso pelo STJ.

    Em segundo lugar, a aplicação fria e objetiva da Convenção como pretende a advogada nem sempre é observada pelos países do hemisfério norte. A própria Convenção admite que se a criança houver permanecido no país para onde foi sequestrada por mais de um ano, o judiciário local deverá apreciar a vinculação da criança com esse novo país de residência e decidir, sempre, no superior interesse da CRIANÇA.

    Isso quer dizer que se a criança estiver melhor ambientada no novo país, esse deverá ser considerado o novo país de residência habitual, e o poder judiciário local deverá resolver também a questão da guarda e das visitas. Ou seja, se o poder jucidiário brasileiro entender que a criança está bem ambientada no Brasil, poderá, com amparo na Convenção, decidir que aqui é o novo país de residência habitual e decidir a questão de guarda e visita.

    De qualquer forma, esse menino brasileiro nato, filho de pai americano, deverá, nos termo da Convenção, ter sua situação de residência habitual decidida pelo poder judiciário brasileiro.

    Agora só falta o Geraldo Tomas explicar por que uma pessoa tão interessada como ele nesse caso não deu uma lidinha na Convenção inteira antes de falar e escrever sobre o tema.

  226. Regina Passos

    Eu sou mãe, o que a Bruna fez foi terrivel , ela já foi punida!
    Resta agora corrigir esse erro….o menino tem pai e qual o impedimento para que ele retorne para os braços do pai?
    Qual o interesse dessa familia em reter o Sean no Brasil?

  227. “Esse pai quis pagar o preço de nao ver o filho pra continuar acusando a mae de sequestradora, queria a guarda integral.”

    Isso nao e’ verdade.
    Se prestarmos atencao na entrevista dada por Joao Paulo Lins e Silva a Globo, ele mesmo leu um documento onde diz “”Se até aqui não houve visitação, isso se dá porque, muito embora não tenha sido negado pela mãe da criança essa possibilidade, seus respectivos advogados sempre condicionaram o reencontro pai e filho à assinatura pelo requerido David de acordo de visitação que seria a aceitação da jurisdição brasileira sobre as questões relativas à guarda do menor e que esse acordo o pai do menor jamais poderia subscrever, visto que resultaria no impedimento à continuidade de ação de busca e apreensão, cujos autos se encontram remetidos ao Supremo Tribunal Federal”.

    Repetindo, a visitacao e contato com o filho estava condicionado a assinaturas de domentos onde o pai abriria mao da custodia do filho e que aceitasse um ato completamente ilegal vindo da mae e familia da mae do garoto.

    Eu chamo isso de chantagem. For the lack of better world.

    Tambem ja esta provado, que a decisao da vara de familia do Rio foi baseada em mentiras contadas por Bruna e Joao Pauo. Basta ler a carta que ele mesmo enviou pra emprensa.

    E por falar nessa carta. A julgar pelo vocabulario, me pergunto, em que faculdade de direito esse moco se formou?

  228. ups…For the lack of better word :0

  229. upssss! For the lack of better WORD

  230. upssss! For the lack of better WORD :0

  231. upsss! For the lack of better WORD.

  232. Carta do advogado de David no Brasil.

    São Paulo, 16 de março de 2009

    Ao
    Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente

    Ref.: Sean Goldman

    Prezados Senhores,

    Reportamo-nos a este Conselho na qualidade de procuradores do Sr. David George Goldman, cidadão estadunidense que, desde meados de 2004, trava árdua e comovente batalha judicial perante os Tribunais brasileiros, na tentativa de repatriar aos Estados Unidos da América seu filho menor, Sean Richard Goldman.
    Há poucas semanas, tivemos conhecimento de que o Sr. João Paulo Bagueira Leal Lins e Silva endereçou correspondência a este Conselho e à mídia brasileira, fazendo referência ao caso do menor Sean Goldman.
    Na correspondência, o Sr. João Paulo chega a se referir ao Sr. David Goldman como “…marido vagabundo…”, expondo ao público, de maneira degradante, (supostos) detalhes da vida íntima do primeiro casamento de sua esposa Bruna.
    Não é intenção desta resposta rebater as afirmações do Sr. João Paulo de que Bruna não mantinha relações sexuais com o Sr. David Goldman, ou de que este não teria desejo por sua esposa durante o casamento. Não.
    O Sr. David Goldman não se rebaixará a tanto. Muito embora tenha litigado contra Bruna perante os Tribunais brasileiros e americanos por mais de quatro anos, o Sr. David Goldman jamais formulou acusações desabonadoras contra a mãe de seu filho.De fora parte as críticas – sempre insistentes e reiteradas – à atitude de reter Sean fora dos Estados Unidos contra a vontade do pai e contra a lei americana, o Sr. David Goldman, durante mais de quatro anos de litígio entremeado por mais de duas mil páginas de autos processuais, jamais expôs a intimidade de Bruna a quem quer que fosse, senão na exata medida do necessário à prova do seu direito ao repatriamento do menor. Não será agora que o Sr. Goldman se excederá.
    De mais a mais, salta aos olhos a irrelevância dos detalhes da rotina sexual do casal David-Bruna para a solução da controvérsia posta, relativa ao repatriamento do menor Sean aos Estados Unidos da América.
    O Sr. David Goldman também não desperdiçará o tempo deste Conselho tentando convencer este ou aquele a respeito de quem era o provedor financeiro da família quando ainda casado com Bruna.
    E isso fundamentalmente porque, ainda que o Sr. Goldman realmente fosse um “…marido vagabundo…”, conforme diz o Sr. João Paulo, ainda que Bruna fosse a provedora exclusiva da família quando casada com David, isto não daria à mãe de Sean o direito de reter seu filho fora dos Estados Unidos em contrariedade à vontade do pai e à vontade da lei vigente em Nova Jérsei, onde a criança vivia desde o seu nascimento.
    Inobstante isso, alguns dos aspectos financeiros levantados pelo Sr. João Paulo serão sim abordados adiante, no decorrer destas linhas, não apenas porque o Sr. David foi acusado de praticar crimes de extorsão e estelionato, como também porque o esclarecimento de algumas

    inverdades ajudará este Conselho a dar a devida credibilidade ao que diz o padrasto do menor Sean.

    Esclarecidos os pontos que não serão os fulcrais desta carta, passemos, pois, aquele que o será: a incrível e, repita-se, comovente batalha judicial promovida pelo Sr. Goldman, em dois continentes distintos, para reaver a companhia de seu filho.
    Sobre este ponto, a carta assinada pelo Sr. João Paulo tenta fazer crer que o Sr. Goldman, depois da retirada de seu filho dos Estados Unidos da América, teria se esquecido da criança. Teria se conformado. Teria sumido e, “…sentindo cheiro de dinheiro…”, teria reaparecido apenas mais de quatro anos depois, quando soube da morte de sua ex-mulher.
    O Sr. João Paulo, a certo ponto, diz, questionando a pureza do interesse de David por seu filho: “Repare que se tivesse realmente sofrendo ou interessado não teria começado a gritar 4 anos e meio depois. Teria feito na semana seguinte da vinda de Bruna ao Brasil!!!”.
    Este subscritor confessa-se perplexo.
    Bruna veio ao Brasil em 16 de junho de 2004, com autorização do Sr. David para que permanecesse no Rio de Janeiro apenas para aquilo que seria um curto período de férias. Já no dia 19 de junho, Bruna, ao telefone, comunicou ao Sr. David que não retornaria aos Estados Unidos, e que manteria Sean consigo no Brasil, independentemente da vontade do pai do menor.

    A autorização de viagem confeccionada pelo pai da criança permitia que Sean permanecesse fora dos Estados Unidos única e exclusivamente até o dia 18 de julho de 2004. A partir deste dia, a partir do dia 18 de julho de 2004, configurou-se a retenção do menor Sean fora de sua residência habitual, contrariamente ao consentimento de seu pai e em violação à legislação de Nova Jérsei.
    David Goldman, então, imediatamente, começou a “…gritar…”.
    Trinta e seis dias depois, em 23 de agosto de 2004, o Sr. David Goldman ajuizava demanda judicial perante o Judiciário de Nova Jérsei, pleiteando a guarda de seu filho e o imediato retorno deste para os Estados Unidos.
    Em 26 de agosto de 2004, a Corte Superior de Nova Jérsei proferiu a primeira das três decisões do Judiciário estadunidense – todas solenemente ignoradas pela mãe de Sean – que determinaram à Bruna e aos avós maternos da criança que providenciassem o imediato retorno do menor aos Estados Unidos.
    Pouco mais de uma semana mais tarde, em 3 de setembro de 2004, o Sr. David Goldman – àquelas alturas plenamente confiante na responsabilidade internacional do Brasil – denunciou a remoção de seu filho para o Rio de Janeiro ao Departamento de Estado dos Estados Unidos da América, acionando o mecanismo de cooperação judiciária internacional previsto na Convenção de Haia sobre os Aspectos Civis do Seqüestro Internacional de Crianças. O Brasil aderiu à Convenção, promulgada pelo Decreto nº 3.413/2000.

    Passado mais algum tempo, vendo-se já em outubro de 2004 e ainda aguardando a conclusão dos procedimentos de cooperação internacional previstos na Convenção, o Sr. David Goldman percebeu que não poderia esperar mais.

    Contratou advogados no Brasil e, servindo-se de uma das opções franqueadas pela Convenção, deu início diretamente perante a Justiça Federal do Rio de Janeiro a procedimento judicial tendente ao repatriamento de seu filho aos Estados Unidos da América. O referido processo teve início em 16 de novembro de 2004, menos de quatro meses depois de consumada a retenção de seu filho no Brasil à sua revelia.
    Em 22 de dezembro de 2004, o Sr. Goldman foi citado para os termos de ação de guarda de seu filho, proposta por Bruna perante a Justiça Estadual do Rio de Janeiro. Fez-se imediatamente presente nos autos da demanda e contestou o pedido, pleiteando também o imediato retorno de seu filho aos Estados Unidos da América.
    Em cerca de quatro meses desde que recebeu a notícia de que seu filho não retornaria voluntariamente aos Estados Unidos, o Sr. David Goldman acionou o mecanismo de cooperação judiciária internacional cabível e, não bastasse, adiantou-se e se envolveu em três demandas judiciais, duas delas num país distante do seu dezenas de centenas de quilômetros, cuja língua não falava e onde tinha estado anteriormente apenas em férias, e por poucos dias.
    A única coisa que o Sr. David Goldman não fez, foi Justiça com as próprias mãos.
    Sequer pensou em vir ao Brasil retirar seu filho do Rio de Janeiro sem o consentimento da mãe do menor – no que agiria à semelhança de sua ex-esposa. Não.

    O Sr. Goldman preferiu confiar nas instituições brasileiras. Preferiu confiar no império da lei, que lhe parecia muito clara. Afinal, o Brasil, apenas uns poucos anos antes, assinara uma Convenção internacional que, compreensível até aos mais leigos, expressamente determina o retorno de uma criança para o país de sua residência, naqueles casos em que dali retirada à revelia do consentimento de um dos genitores.
    O Brasil fez as seis semanas previstas pela Convenção – isso mesmo, a Convenção prevê o repatriamento da criança em seis semanas – se transformarem em meses, e os meses se transformarem em anos. Em mais de quatro longos anos.
    Sobre o processo, há de se perceber o seguinte.
    Primeiro, a Justiça Federal brasileira reconheceu, em todas as Instâncias, que Bruna houvera praticado o ato ilícito previsto no artigo 3º da Convenção de Haia. Que houvera retido Sean no Brasil em contrariedade à lei aplicável vigente em Nova Jérsei, onde o menor desde sempre residira.
    O motivo da derrota deste pai foi outro, muito mais cruel.
    É que, muito embora reconhecendo que Sean fora removido para o Brasil em contrariedade à legislação aplicável, e que, por isso o repatriamento seria em princípio plenamente cabível, a Justiça Federal entendeu que, àquelas alturas, quando do momento do julgamento, em outubro de 2005, muito tempo já se passara, e a consolidação da situação de fato da criança recomendava a sua manutenção no Rio de Janeiro em companhia da mãe, inobstante configurado realmente o ilícito previsto no artigo 3º da Convenção.

    A pergunta que surge é óbvia: o que poderia este pai ter feito de maneira diferente? O que poderia este pai ter feito para evitar que o tempo passasse? Para evitar que a sentença que reconheceu o seu direito não passasse de um prêmio de consolação, sem efeito prático algum?
    A resposta é uma só: nada; este pai não poderia ter feito nada de maneira diferente.
    Este pai não poderia ter vindo ao Brasil e retirado seu filho do Rio de Janeiro sem uma ordem judicial brasileira que lhe amparasse. Este pai precisava recorrer ao Judiciário. E teve o seu pleito negado não porque não possuía o direito que alegou possuir, mas apenas porque o tempo passou.
    Se isto só já não fosse injustiça suficiente, há mais uma circunstância digna de nota, relativa ao tempo de tramitação da demanda de repatriamento.
    Conforme já anteriormente referido, a demanda foi ajuizada em 16 de novembro de 2004. Mas, em 24 de maio de 2005, o andamento do processo foi paralisado pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região, a pedido de Bruna, no âmbito de um recurso apresentado por esta para contestar a competência da Justiça Federal.
    A paralisação do andamento do processo – repita-se, determinada a pedido de Bruna – perdurou até o dia 21 de setembro de 2005, quando o recurso foi julgado e rejeitado pelo TRF-2, confirmando-se a competência da Justiça Federal. Somente então, somente em 21 de setembro de 2005, o andamento do processo foi retomado. Poucos dias depois, em 13 de outubro de 2005, foi proferida a sentença que reconheceu a efetiva existência do ilícito do artigo 3º da Convenção, mas recusou o retorno de Sean para sua casa porque muito tempo houvera se passado.

    Recapitulemos. O pai precisava ir ao Judiciário. Não tinha outra opção. Pediu à Justiça Federal o retorno de seu filho para os EUA em 16 de novembro de 2004. O processo permaneceu paralisado, sem rigorosamente nenhum andamento, durante quatro meses, isso por força de um pedido feito pela própria Bruna. Posteriormente, quando o retomado o andamento do feito, e proferida sentença, reconhece-se o direito do pai, diz-se que ele tem razão, mas afirma-se que muito tempo se passou, e que por isso o retorno da criança para casa não é possível.
    Ora, que Justiça é esta? Que Justiça é esta que permite que o tempo faça perecer o direito daquele que tem razão, numa causa envolvendo interesses tão caros, como o futuro de uma criança?
    Este pai não se resignou, contudo. Fez uso de todo e cada um dos recursos previstos na legislação brasileira. Apelou. Pediu liminares. Viu o TRF-2 afirmar, expressamente, que ele, David Goldman, não apresentava quaisquer condições inadequadas de criar e educar seu filho, mas que, mesmo assim, o retorno da criança para casa não seria possível. Buscou socorro junto ao Superior Tribunal de Justiça. Não foi bem-sucedido, mais uma vez não porque não tivesse razão, mas porque muito tempo se passara. Bateu às portas do Supremo Tribunal Federal.
    Este pai, acusado de omissão e ausência pelo Sr. João Paulo, fez tudo o que pôde.
    Lutou desesperadamente contra o mal mais pernicioso do Judiciário brasileiro, que é a sua morosidade. Chegou à mais alta corte de Justiça de um país que não é o seu, de um país, repita-se, cuja língua não fala e cujas instituições não compreende.

    Quando aguardava sua derradeira chance, Bruna tragicamente perdeu a vida.
    O Sr. David Goldman jamais foi capaz de compreender por que o Judiciário brasileiro não determinava – como não determinou até hoje – o retorno de seu filho para casa.
    A lei era clara. Ele, David Goldman, jamais fora acusado por Bruna e pela família materna de qualquer coisa que fosse. Aliás, ao ensejo deste tema das acusações, chega a hora de dar um basta.
    Porque tudo isto que o Sr. João Paulo afirma em sua correspondência a este Conselho, e tudo isto que os familiares brasileiros de Sean têm espalhado à elite carioca e à mídia, tudo isto é novo.
    Jamais houve acusações contra o pai de Sean, enquanto viva a mãe da criança.
    Ao contrário.

    Agora, afirmam que Sean, antes de completar quatro anos de idade, ou seja, ainda nos EUA, teria relatado à sua avó que o pai lhe dissera que Bruna não lhe amava. Bruna, então, já no Brasil, ao saber desta “…barbaridade…” cometida pelo pai de seu filho, decidiu aqui permanecer. Agora, os avós maternos de Sean dão entrevistas a veículos de imprensa afirmando que David era violento, que esmurrava e socava móveis e paredes.
    Mas é curioso que aquela “denúncia” supostamente feita por Sean à avó, de que seu pai estava a envenenar a imagem de Bruna junto ao pequeno, jamais veio à tona antes desta carta escrita por João Paulo, quase cinco anos depois de desfeito o casamento de David com a mãe da criança.
    Oportunidades para isto não faltaram.

    Os autos dos processos em que se envolveram as partes já totalizam mais de duas mil páginas, sem que nunca tivesse havido qualquer acusação – veja-se, não se trata de ausência de prova: trata-se de ausência de acusação – desabonadora da conduta de David como pai.
    Os avós maternos de Sean apresentaram declarações juramentadas à Corte Superior de Nova Jérsei, dando sua versão dos acontecimentos. Declararam não ter nenhum conhecimento de problemas no casamento de sua filha, e afirmaram que confiavam plenamente no Sr. David Goldman. Referidas declarações constam dos autos dos processos judiciais em trâmite no Brasil e nos EUA.
    Os avós maternos de Sean viajaram aos Estados Unidos cerca de um ano depois da remoção de Sean para o Brasil, para prestar depoimento nos autos da demanda judicial que lá tramitava. Depondo, não relataram qualquer fato desabonador da conduta do Sr. David Goldman, seja como marido, seja como pai. Reafirmaram que confiavam em David Goldman. A transcrição destes depoimentos consta dos autos dos processos judiciais em trâmite no Brasil e nos EUA.
    Mas a testemunha mais confiável que o Sr. David Goldman apresentou aos tribunais brasileiros e estadunidenses foi a própria Bruna, mãe de seu filho.

    O Sr. David Goldman dispõe de gravações de conversas telefônicas mantidas com Bruna depois da remoção de Sean para o Brasil, ou seja, depois de iniciado o litígio. Referidas gravações constam dos autos dos processos judiciais em trâmite no Brasil e nos EUA, e delas se tira, apenas a título de exemplo, o seguinte diálogo entre o casal recém-afastado:
    “…David: veja, este é o ponto, Bruna. Casamentos sempre têm seus altos… quando nós começamos a namorar, seu pai e sua mãe, sua mãe ia deixá-lo. Casamentos têm seus altos e baixos, fases de crises, fases sem crise, e você disse que seu amor se transformou em amizade… Hey, se você é um amigo, ainda tem amor, Bruna. As pessoas são…
    Bruna: Não, este não é… este não é um amor como homem, este não é um amor como homem. Minha parte sexual… não se desenvolveu mais e está esmagada. E isso para mm basta. Basta para mim, sabe. E… é difícil… sabe, é muito difícil…
    David: Exatamente, Bru.
    Bruna: Eu realmente te acho um rapaz excelente. Você é um pai maravilhoso e… Eu não conseguiria ter ninguém melhor. E fico feliz de termos um filho juntos, muito feliz de você ser o pai dele…”

    Noutra passagem da conversa, Bruna queixa-se de que o marido não lhe dava a atenção desejada por ela. E por qual razão? Bruna acusa David de ter olhos apenas para Sean, esquecendo-se por completo que o pequeno também tinha uma mãe. Que ironia, considerando-se que, agora, este pai é acusado de desamor para com o filho…
    Veja-se que não se está aqui a fazer afirmações destituídas de embasamento. Não se está aqui a narrar uma versão, como faz o Sr. João Paulo em sua carta. Estas conversas aconteceram, estão gravadas e estão nos autos dos processos. São fatos comprovados. Não são especulações deste ou daquele.
    Noutra ocasião, Bruna, já no Brasil, encaminhou mensagem eletrônica a uma de suas amigas, afirmando, mais uma vez expressamente, que “David é um grande cara e eu não me arrependo de nenhum minuto, mas nossa história de amor estava acabada… Sinto muito por David por causa do Sean…”. A mensagem consta dos autos dos processos judiciais no Brasil e nos Estados Unidos.
    Bruna, muito embora jamais tendo viajado aos EUA para depor, também apresentou declaração escrita, assinada e juramentada à Corte Superior de Nova Jérsei. Nesta declaração, também não formula qualquer espécie de acusação contra o pai da criança.
    Muito ao contrário.

    Mais uma vez ironicamente, uma das queixas de Bruna ao tribunal de Nova Jérsei era a de que David estaria construindo com Sean uma relação de “best buddies” (“melhores amigos”), enquanto que ela, Bruna, entendia que este não seria o tipo ideal de relação entre pai e filho. Trata-se, aqui, de mais um fato comprovado. Esta declaração, escrita, assinada e juramentada por Bruna, consta dos processos judiciais, tanto no Brasil, quanto nos Estados Unidos.
    Aliás, é de se notar que Bruna realmente se queixava de ter de trabalhar em dois períodos para ajudar a sustentar a casa em Nova Jérsei. Muito embora trabalhar para ajudar no sustento da casa seja a realidade de mais de 50 milhões de brasileiras, Bruna não se sentia à vontade com isso.
    Mas a própria Bruna, nesta mesma declaração, queixa-se de uma outra circunstância: reclama que um dos motivos que contribuíram para o seu desejo de se separar foi o fato de que seu marido, aos finais de semana, saía para trabalhar em seu barco às 4h da madrugada, retornando apenas já tarde da noite…
    As ironias continuam.
    Bruna deixou David acusando-o de dar atenção apenas ao filho, de ser “melhor amigo” apenas do filho, esquecendo-se da mãe. Agora, em busca do filho, David é acusado de não amá-lo.
    Bruna deixou David acusando-o de trabalhar demais em detrimento de lhe dar a devida atenção. Agora, em busca do filho, David é acusado de “…marido vagabundo…”, de “…americano que não tem emprego…”.
    Ainda não é tudo. Laudo da Justiça Estadual do Rio de Janeiro, realizado em dezembro de 2005, afirma o seguinte sobre Sean e seu pai: “…percebe-se que Sean demonstra interesse em estar com o Sr. David, referindo-se ao mesmo de forma bastante positiva…”. Este documento também consta dos autos dos processos judiciais.

    David é ainda acusado de extorsão. É acusado de ter exigido 150 mil dólares dos avós maternos de Sean, em troca da retirada de “…infundadas acusações de seqüestro…”. É ainda acusado de estelionato. De ter falsificado cheques e esvaziado a conta-corrente de Bruna, depois da vinda desta ao Brasil.

    Atenhamo-nos aos fatos, a fim de verificar se estes, os fatos, sustentam a versão do Sr. João Paulo.

    Nos EUA, David processou também os pais de Bruna (e ainda é acusado de omissão…). Alegou que os avós estavam dando suporte emocional e financeiro à remoção de Sean. Afinal, Bruna, no Brasil, estava a residir na casa de seus pais. Como alegar que não havia envolvimento? Se, de um ponto de vista humano, era perfeitamente compreensível que os pais houvessem acolhido a filha, nem por isso de um ponto de vista jurídico o acolhimento não traria conseqüências.
    Em dezembro de 2006, já dois anos e meio depois da remoção de Sean para o Brasil, na data marcada para o julgamento da causa contra os avós, os advogados dos pais de Bruna ofereceram um acordo ao Sr. David Goldman. Ofereceram o pagamento de 150 mil dólares, em troca da retirada de seus nomes do processo.
    David aceitou a contragosto. Naquele momento eram já dois anos e meio de batalhas judiciais. De caríssimas batalhas judiciais, em dois continentes diversos, incluindo viagens internacionais. Assinou-se o acordo e, é claro, dele David fez constar expressamente que o processo, no que dizia respeito a Bruna, à guarda de Sean e ao retorno deste aos EUA, continuaria normalmente.
    Se não aceitasse o acordo, David provavelmente hoje não estaria mais perseguindo o retorno de seu filho. Se não tivesse aceitado o acordo, David não teria mais recursos financeiros para continuar buscando o retorno de Sean para casa. Perderia o processo para o superior poderio econômico da família de sua ex-esposa.

    Esta é, então, a verdade sobre aquele acordo: tratou-se de um ato pelo qual a parte financeiramente mais forte fez uso de seu poder econômico para ver-se imediatamente excluída de um processo, considerando-se que a parte financeiramente mais fraca precisava de recursos para continuar lutando por um bem muito maior.
    Mas é possível ainda ir mais além. Se as queixas formuladas contra os avós maternos de Sean eram assim tão infundadas como se tem dito, por que é que foi feito o acordo? Por que é que não se aguardou que o Judiciário americano rejeitasse um processo que era assim tão absurdo?
    Aliás, não era preciso aguardar muito mais, já que o acordo foi feito no dia do início do julgamento. Se eram assim tão infundadas as queixas, por que pagar 150 mil dólares para encerrar o processo, considerando que as tais queixas, se de fato absurdas, seriam rejeitadas pela Corte no julgamento que então se iniciaria?
    Deixa-se ao leitor a tarefa de concluir de que lado está a imoralidade…
    No seio deste mesmo processo iniciado em Nova Jérsei, David ainda pediu à Corte que bloqueasse todos os bens da família de sua ex-esposa nos Estados Unidos. Isto, com a finalidade de garantir, no futuro, a satisfação de uma eventual ordem judicial que condenasse a família a lhe reembolsar custas processuais e honorários advocatícios.
    A Corte Superior de Nova Jérsei, em 26 de agosto de 2004, atendeu ao pedido de David. Congelou todos os bens da família nos Estados Unidos, incluindo uma casa, no valor de 500 mil dólares, e a conta-corrente de Bruna, que tinha um saldo, à época, de cerca de 3,9 mil dólares.
    Se David tivesse alguma intenção de esvaziar a conta-corrente de sua ex-esposa, teria pedido ao Tribunal americano para bloqueá-la? Que sentido faria isso, se a intenção fosse retirar os recursos da conta? Seria obviamente muito mais simples não fazer nada, não mencionar as contas e deixá-las sob livre movimentação.
    Mas há mais:

    O Tribunal americano ainda impôs multas à Bruna, pelo descumprimento da ordem que determinava o retorno de Sean aos EUA. Até agosto de 2005, a multa era de mil dólares por mês. Depois de agosto de 2005, a multa passou a ser de mil dólares por semana.
    Bruna também já estava condenada, em agosto de 2005, ou seja, com apenas um ano de processo, a restituir ao Sr. David Goldman cerca de 68 mil dólares, a título de custas processuais e honorários de advogado.
    Façamos as contas. Seriam 12 mil dólares de multas entre agosto de 2004 e agosto de 2005. Entre agosto de 2005 e agosto de 2008 (mês em que morreu Bruna), seriam mais 156 mil dólares em multas. Acrescendo-se a isto os 68 mil dólares de custas processuais e honorários cuja restituição foi determinada em agosto de 2005, então se chega, já, a 236 mil dólares, isto sem contar todas as custas processuais e honorários incorridos a partir de agosto 2005, e sem contar quaisquer custos relativos aos processos brasileiros e às viagens internacionais.
    Se este pai tivesse alguma intenção de auferir vantagem financeira, será que não lhe seria muito mais lucrativo simplesmente não fazer acordo algum, e, ao invés disso, pedir ao Tribunal americano que procedesse à venda judicial da casa dos avós de Sean, que estava congelada nos autos do processo e que valia cerca de 500 mil dólares?
    Todos estes valores referidos nas linhas anteriores, e o congelamento dos bens da família nos EUA, estão devidamente comprovados por documentos, nos autos dos processos judiciais que tramitam no Brasil e nos EUA. Mais uma vez, não se está a especular. Está-se a falar de fatos, e de fatos comprovados.
    As alegações de que o Sr. Goldman estaria a vender canecas, broches, aventais a fins, bem, basta a qualquer um acessar o portal criado por conhecidos de David na internet, e se verificará que não existe nada disso.
    A alegação de que o Sr. David residiria “de graça” numa residência comprada por Bruna também não corresponde aos fatos comprovados nos autos dos processos. A própria Bruna, na declaração juramentada que apresentou à Corte Superior de Nova Jérsei, afirma expressamente que a residência do casal foi comprada em parte com valores dados ao casal por seus pais como presente de casamento, e em parte com valores pertencentes a David, por força da venda da casa anterior em que este residia quando solteiro. Este documento, repita-se, consta dos autos dos processos, tanto no Brasil, quanto nos Estados Unidos.
    Há, também, a patética questão da herança.
    Diz o Sr. João Paulo que Bruna, depois de vir ao Brasil, revelou-se uma empresária de sucesso, e que o Sr. David estaria interessado apenas no controle da herança a ser recebida por seu filho Sean.
    Pois bem. Em primeiro lugar, a só circunstância de que David já busca insistentemente o retorno de seu filho aos EUA desde 2004 é mais do que suficiente para demonstrar o quanto esta alegação não encontra sustentação nos fatos. Se David já promovia sua luta pelo retorno do filho enquanto Bruna era viva, como pode alguém afirmar que o pai somente quer a companhia de Sean para controlar a herança que o menor receberá?
    Não faz nenhum sentido.
    Mas, se a herança de Sean é uma preocupação assim tão forte de João Paulo e sua família, que fiquem eles tranqüilos. O Sr. David Goldman não tem nenhum interesse em quaisquer bens que possuísse sua ex-mulher no Brasil. Encontrem a forma jurídica que melhor lhes convier, redijam o documento que bem entenderem, e o Sr. David Goldman o assinará, deixando que quaisquer bens adquiridos e/ou conquistados por Bruna depois de sua vinda para o Brasil sejam controlados e/ou transferidos a quem melhor lhes aprouver.
    Não se trata de dinheiro. Nada importam as questões financeiras.
    O Sr. David Goldman, desde o início deste seu calvário, já gastou mais de 360 mil dólares tentando levar seu filho de volta para casa. Já esteve no Brasil diversas vezes, sozinho ou acompanhado de pai, mãe e amigos. Basta ver os carimbos de entrada no Brasil em seu passaporte.

    Jamais pôde ver seu filho. Jamais obteve autorização para isto.
    E quando obteve, não pôde cumpri-la.
    O Sr. João Paulo deixa de mencionar em sua correspondência a este Conselho que, em outubro passado, a Justiça Federal do Rio de Janeiro proferiu ordem estabelecendo regime de visitas em favor do pai da criança. A partir de então, dizia a decisão, o Sr. David poderia estar com seu filho sempre que se fizesse presente no Brasil, das 20h das sextas-feiras às 20h dos domingos.
    No dia 16 de outubro de 2008, uma quinta-feira, o Sr. João Paulo interpôs recurso contra esta decisão. Seu pedido foi apenas parcialmente atendido pelo TRF-2, que manteve a visitação, mas determinou que esta tivesse início não mais às 20h da sexta-feira, mas sim às 8h do sábado. O TRF-2 ainda baixou determinação expressa proibindo a exposição pública da criança durante a visitação, sob pena de supressão do direito de visita.
    Às 8h do sábado, dia 18 de outubro de 2008, o Sr. David Goldman fez-se presente no local determinado pela decisão judicial, a saber, a residência do Sr. João Paulo, acompanhado de dois oficiais de Justiça, dois agentes federais e um segurança particular.
    Sean não estava. Muito embora houvesse determinação judicial ordenando que o menor estivesse à disposição do pai naquele dia, horário e local, o Sr. João Paulo, segundo informações, havia viajado com a criança para fora do Rio de Janeiro.
    Nos dias imediatamente seguintes, o Sr. João Paulo apresentou petição à Justiça Federal, justificando sua ausência. Disse que não sabia que a visitação ocorreria naquele sábado, dia 18 de outubro. No entanto, conforme documentos constantes dos autos do processo judicial, João Paulo já estava intimado e houvera até interposto recurso contra a decisão.

    Disse João Paulo, ainda, que foi uma sorte a ausência do menor na ocasião, pois o pai da criança, um aproveitador, comparecera ao local com mais de uma dezena de jornalistas, repórteres e câmeras de televisão. João Paulo chegou a alegar que transeuntes pensaram que uma novela seria gravada no local, tamanha a movimentação de câmeras e pessoas. João Paulo, com isso, baseado na decisão do TRF-2 que proibia a exposição de Sean, pleiteou a supressão do direito de visitas do pai.
    Chamados pela Justiça Federal a explicar quem se encontrava presente na ocasião, os oficiais de Justiça, com a fé-pública de que desfrutam, certificaram nos autos do processo: não havia sequer uma câmera, sequer um repórter, sequer um jornalista acompanhando o pai de Sean na ocasião.
    João Paulo foi condenado pela Justiça Federal, por litigância de má-fé e ato atentatório à dignidade da Justiça, tudo por deliberadamente tentar alterar a verdade dos fatos. Expediram-se cópias do processo ao Ministério Público Federal, para que se investigasse se houve o cometimento do crime de desobediência, previsto no Código Penal.

    Diante disso, fica a pergunta: pode-se confiar nas afirmações de que Sean sempre esteve à disposição do pai? Esta conduta é a mais consentânea com a de alguém que jamais teria criado embaraços ao contato entre pai e filho?
    Não, não é. E os familiares brasileiros continuam impondo restrições ao relacionamento entre pai e filho, mesmo depois de celebrado, ao final de seis horas de tensa audiência no Superior Tribunal de Justiça, um acordo de visitação.

    Muito embora o acordo franqueie a David o direito de estar com o filho entre 8h e 20h, todos os dias, sempre que estiver no Brasil, o Sr. João Paulo pleiteou à Justiça Federal, recentemente, que o pai somente pudesse ver o filho nos dias 12 e 13 de março de 2009, quando estava no Brasil, à partir das 18h, em vista de compromissos escolares da criança. A Justiça Federal do Rio de Janeiro, obviamente, indeferiu o pedido do Sr. João Paulo, baseando-se no sensato argumento de que a perda de apenas dois dias de aulas não representaria nenhum prejuízo ao garoto, se considerado o benefício do restabelecimento de seu relacionamento com o pai.
    Muito embora vendo seu pleito indeferido pelo Judiciário, o Sr. João Paulo não interrompeu suas tentativas de dificultar a visitação e o contato entre pai e filho. O acordo não prevê restrições para passeios, mas o Sr. João Paulo e a família brasileira não permitem que a criança deixe o interior de seu luxuoso condomínio. O acordo não prevê supervisão, mas o Sr. João Paulo e a família brasileira impõem a presença de uma terceira pessoa. O Sr. João Paulo e família chegaram a fazer com que esta terceira pessoa portasse um gravador de áudio, permanecendo sempre a dois passos de pai e filho, não lhes dando privacidade nem por um segundo sequer e intimidando a criança de maneira vergonhosa. O Sr. David Goldman fez um breve vídeo, no qual se pode ver a pessoa incumbida da supervisão à visita e o gravador por ela utilizado. Mais um fato comprovado.
    Repete-se, então, a pergunta: este é o comportamento de alguém que jamais pretendeu dificultar o contato entre pai e filho?
    O Sr. David Goldman também já tentou fazer acordos com a família de sua ex-esposa. Desde o início do processo, foram diversas as abordagens para visitação. Mas a família no Brasil jamais permitiu.
    Primeiro, deixaram de atender aos telefonemas que o pai fazia diariamente a seu filho.

    O avô paterno de Sean, depondo perante o Tribunal em Nova Jérsei, afirmou expressamente, com frieza assustadora, que seu advogado lhe alertara para o fato de que ele não era obrigado a falar com alguém que o estava processando. Disse o avô, então, que, a partir dali, todas as vezes que ouvia a voz do Sr. Goldman ao telefone, desligava imediatamente.

    Mais uma vez, não se trata de especulação e de alegação vazia. Trata-se de fato comprovado pela transcrição do depoimento do avô da criança, documento este constante dos processos judiciais no Brasil e nos Estados Unidos.

    Em 18 de janeiro de 2005, a advogada norte-americana do Sr. David remeteu correspondência aos advogados da família materna, afirmando que o pai da criança não mais estava conseguindo conversar com seu filho. Mais um fato, comprovado documentalmente.
    A família passou a se recusar a receber os presentes que o pai remetia a Sean. Pacotes devolvidos estão nos Estados Unidos, à disposição de quem desejar vê-los. Fotos deles estão nos autos dos processos judiciais, no Brasil e nos EUA. Mais fatos comprovados.
    Houve propostas para visitação em um terceiro país, num ambiente neutro. Houve propostas para visitação no Brasil. Qualquer acordo sempre foi condicionado a que o Sr. Goldman abrisse mão de continuar perseguindo o retorno do filho. Isto, quando a família simplesmente não rejeitava as iniciativas do pai, sem qualquer resposta, educada ou mal-educada, consistente ou inconsistente.
    Tão logo soube da morte de Bruna, o pai de Sean entrou em contato com a família materna, novamente propondo acordo. Abriu as portas de sua casa, para que Sean retornasse em companhia dos avós e até de seu padrasto. Ofereceu um período de transição, durante o qual o contato entre pai e filho se faria no Brasil, com vistas à posterior viagem de retorno aos Estados Unidos.

    Tudo recusado pela família materna, que impedia até mesmo um contato, mínimo que fosse, entre pai e filho. Aliás, a família materna omitiu do Sr. David Goldman o falecimento da mãe de seu filho. David soube da tragédia por jornais brasileiros. A família omitiu até do Judiciário a morte da mãe de Sean, apresentando petição ao Supremo Tribunal Federal poucos dias depois, sem fazer menção ao fato, como se nada tivesse acontecido.
    Casos de remoção internacional de criança são difíceis. Quem milita na área – como o Sr. João Paulo, por exemplo – sabe que não é raro que o pai ou mãe deixados para trás fiquem anos a fio sem contato com o filho. É uma experiência dolorosa, e quem não a viveu jamais poderá compreendê-la inteiramente.
    Mas ser deixado para trás, ter seu filho arrancado de seu colo, lutar por Justiça durante anos, e ainda ser chamado de vagabundo, aproveitador e estelionatário, isto está além da imaginação.
    O Sr. João Paulo parece se orgulhar ao afirmar – de maneira não verdadeira, aliás – que Sean pouco se lembraria de seu pai, ao afirmar que Sean não falaria inglês, ao afirmar que Sean não teria recordação de sua vida nos Estados Unidos.
    É triste que seja assim.

    Sean deveria ser encorajado a falar inglês e a relembrar do país em que nasceu. Deveria ser encorajado a restabelecer seu relacionamento com o pai e a exercer sua nacionalidade americana. A nacionalidade, a cultura, a língua e as relações familiares são direitos inalienáveis de toda criança, conforme prevê a Convenção sobre os Direitos da Criança, da qual o Brasil também é signatário.
    É lamentável que a família brasileira comemore o fato de que Sean está privado destes direitos que são fundamentais, destes direitos cujo exercício se presta a construir verdadeiramente uma pessoa, no sentido pleno da palavra.
    A carta remetida pelo Sr. João Paulo a este Conselho trata da remoção de Sean para o Brasil como um mero detalhe. Como se a remoção internacional de uma criança fosse um ato comezinho, sem maior importância.
    Não é. É grave.
    Tão grave, que mereceu a conclusão de uma Convenção internacional a seu respeito, Convenção internacional esta que está entre as mais populares do planeta, apresentando, hoje, mais de 70 países aderentes.
    A rigor, é até difícil compreender a discussão travada hoje.

    Sean vivia com mãe e pai. Foi retirado pela mãe de seu país, à revelia da vontade do pai. Este pai fez tudo o que pôde para levar seu filho de volta para casa. A mãe morre. E a criança não volta para o pai.
    Diz-se que o interesse da criança, agora, passado tanto tempo, é permanecer no Brasil com o padrasto.
    O “interesse da criança”: esta expressão vem sendo usada, neste caso, para justificar todo tipo de arbitrariedade, em detrimento de direitos deste pai que são tão constitucionais quanto o direito da criança à proteção integral.
    Primeiro não era adequado a Sean retornar aos Estados Unidos porque se tratava de decisão liminar, e o interesse da criança indicava prudência.
    Depois, não era adequado porque, embora se tratasse já de julgamento final, muito tempo já houvera passado, e o interesse da criança indicava a necessidade de manutenção das coisas como estavam.
    Mais tarde, o interesse da criança não autorizava a ruptura dos laços criados com os familiares maternos, muito embora laços da mesma natureza, mas com os familiares paternos, houvessem sido rompidos injustificadamente pela mãe de Sean, sem que isto tivesse sido objeto de qualquer reprimenda de quem quer que fosse.
    Agora, finalmente, alega-se que a menor tem uma meia irmã, e que o interesse da criança indica que não se deverá separar os dois pequenos. Ainda se alega que a irmã representa para o menor a mãe recentemente perdida, e que o interesse da criança não permite que esta imagem da mãe seja afastada.

    Curioso é que o interesse da criança em crescer e viver com seu pai jamais foi objeto de consideração.
    A bem da verdade, o interesse da criança, este sim o único interesse indiscutível da criança, era não ser removida, contra a sua própria vontade, contra a vontade do seu pai e contra a vontade da lei, do lar em que residira sempre, desde o seu nascimento.
    A criança tem direito fundamental à proteção integral. Mas e o pai? Não tem direito fundamental à tutela jurisdicional efetiva? Que tutela efetiva é esta que é negada não pela ausência do direito invocado, mas porque o processo moroso impede uma decisão?
    O pai não tem direito fundamental a um processo célere? Que processo célere é este que dura cinco anos?
    A criança tem, sim, direito fundamental à proteção integral. Mas a mesma Constituição, que prevê a proteção integral da criança, não veda a auto-tutela? Não institui o monopólio estatal da força, impedindo a Justiça pelas próprias mãos?
    Mas o Judiciário brasileiro até aqui está protegendo aquele que se serviu da auto-tutela para a proteção de seus direitos, aquele que se adiantou e arrebatou para si a criança, à revelia da lei aplicável e das formas institucionais de solução de controvérsias.

    Aquele que buscou amparo dos Poderes Públicos, aquele que buscou amparo nas instituições, aquele que teve respeito suficiente pelo próprio filho para buscar resolver o problema mediante o uso dos meios institucionais de solução de controvérsias, bem, aquele pouco importa.
    Aquele é um gringo, vagabundo, aproveitador e estelionatário.
    Diz-se que o interesse da criança indica que agora é melhor deixar tudo como está. No Brasil, o interesse da criança parece indicar que o melhor é fazer deste menor, já órfão de mãe, também um órfão de pai.
    Diz-se, ainda, que o interesse da criança indica que se deve ouvi-la. Muito conveniente. Sean está há quase cinco anos sob os cuidados de uma família aos olhos de quem seu pai é um gringo violento, vagabundo, ganancioso, aproveitador e estelionatário. Será que, nestas condições, uma criança de oito anos é capaz de expressar livremente suas opiniões? Será que podemos deixar à escolha de uma criança de oito o seu próprio futuro?
    Toda esta discussão é indescritível.
    Esta criança jamais poderá rever sua mãe. Mas ela tem um pai. E tem a vida toda para reconstruir um relacionamento paterno que lhe foi retirado à sua revelia. Com a mãe, tragicamente, não pode haver retorno. A companhia está perdida para sempre. Mas com o pai, ainda há tempo. Aliás, há muito tempo. Há uma vida inteira.
    Esta carta, já por demais longa, poderia terminar por aqui. Mas o Sr. David Goldman não pode se furtar a mais algumas considerações.

    O Sr. João Paulo, tão logo falecida Bruna, deu início a procedimento judicial pelo qual pretende ser reconhecido como novo pai de Sean. O Sr. João Paulo pretende retirar o nome do Sr. David Goldman da certidão de nascimento de seu filho, substituindo-o pelo seu próprio.
    Sean Richard Goldman se transformaria em Sean Bianchi Carneiro Ribeiro Lins e Silva. Seus avós paternos não seriam mais o velho Barry Goldman e esposa. Seriam Paulo Lins e Silva e esposa.
    Não é preciso ser doutor em Direito Civil para perceber que o pleito é rigorosa e terminantemente impossível, de um ponto de vista jurídico. Existem ex-mulheres, existem ex-maridos, mas não existem e não podem existir ex-pais. Mesmo assim, a demanda foi recebida e processada pela Justiça Estadual do Rio de Janeiro.
    Mas a pergunta que fica é: há quanto tempo o Sr. João Paulo Lins e Silva vive sob o mesmo teto que o menor Sean?
    Na demanda antes referida, ajuizada em 28 de agosto de 2008, João Paulo afirma que já convivia com a criança há mais de quatro anos e meio. No entanto, quatro anos e meio antes de agosto de 2008, Sean ainda estava nos Estados Unidos da América.

    Em audiência realizada no Superior Tribunal de Justiça em 6 de fevereiro de 2008, João Paulo e seus advogados iniciaram a assentada afirmando que o menor já convivia com o padrasto por cinco anos. Algumas horas mais tarde, ao final da audiência, estes cinco anos já se transformavam em apenas três. A audiência foi gravada, e a veracidade desta afirmação pode ser conferida por quem desejar.
    Mas, nos autos das demandas judiciais anteriores, travadas entre Bruna e David, existe laudo pericial, produzido pela Justiça Estadual do Rio de Janeiro, que afirma que, em dezembro de 2005, Sean morava exclusivamente com sua mãe, na residência dos avós.
    Alguém, então, está faltando com a verdade.
    O perito judicial da Justiça Estadual do Rio afirma que, em dezembro de 2005, Sean residia com a mãe e os avós, na residência destes. João Paulo, na carta encaminhada a este Conselho, afirma que “…em menos de seis meses após nosso reencontro já estávamos morando juntos…”, ou seja, ainda em 2004.
    Repete-se: alguém está faltando com a verdade.
    Confiando-se na palavra do perito judicial, que, ao menos em tese, deve partir da imparcialidade, então se pode concluir que, na melhor das hipóteses, Sean reside com seu padrasto desde janeiro de 2006.
    Bruna faleceu em agosto de 2008.

    A discussão aqui, então, gira em torno de se excluir da vida de Sean um pai que o criou e educou até ter o filho retirado de seu convívio contrariamente à sua vontade, um pai que vem lutando por Sean desesperada e incessantemente há quase cinco anos, tudo para deixar a criança na companhia de um padrasto com quem ela, ao tempo da morte da mãe, convivia há apenas dois anos e meio?
    É disso que se trata?
    Por incrível, por absurdo que possa parecer, é. É disso que se trata.
    João Paulo e a família materna pretendem fazer crer que existe um embate entre Brasil e Estados Unidos.
    Não é verdade. A história bem é mais simples.
    É o caso de uma criança que foi retirada de seu pai à revelia da vontade deste. De um pai que fez todo o possível, que enfrentou todas as dificuldades que distância, língua e cultura lhe impuseram, para reaver a companhia da criança. E que, depois da morte da mãe, deve tê-la de volta consigo, independentemente de tudo o que passou.

    A discussão aqui, então, gira em torno de se excluir da vida de Sean um pai que o criou e educou até ter o filho retirado de seu convívio contrariamente à sua vontade, um pai que vem lutando por Sean desesperada e incessantemente há quase cinco anos, tudo para deixar a criança na companhia de um padrasto com quem ela, ao tempo da morte da mãe, convivia há apenas dois anos e meio?
    É disso que se trata?
    Por incrível, por absurdo que possa parecer, é. É disso que se trata.
    João Paulo e a família materna pretendem fazer crer que existe um embate entre Brasil e Estados Unidos.
    Não é verdade. A história bem é mais simples.
    É o caso de uma criança que foi retirada de seu pai à revelia da vontade deste. De um pai que fez todo o possível, que enfrentou todas as dificuldades que distância, língua e cultura lhe impuseram, para reaver a companhia da criança. E que, depois da morte da mãe, deve tê-la de volta consigo, independentemente de tudo o que passou.

    Diz João Paulo que o Governo está a persegui-lo. Que a Advocacia Geral da União, sustentada com seus impostos, está a persegui-lo. Determinado senador exigiu, da tribuna do Senado, que o Executivo se afaste do caso. O Ministro dos Direitos Humanos será convocado a dar explicações.
    Tudo por falta de informação.
    Existe uma Convenção internacional relativa ao tema. O Governo brasileiro assumiu soberanamente, por força de ato do Presidente da República aprovado pelo Congresso Nacional, a responsabilidade internacional de promover o repatriamento de crianças nestas condições.
    Cabe ao Governo cumprir sua obrigação. Cabe ao Governo pedir o repatriamento do menor, e a legitimidade do Governo para fazê-lo já foi confirmada em casos anteriores não apenas pela Justiça Federal do Rio de Janeiro, mas também pelo Superior Tribunal de Justiça, em Brasília.
    E se a Convenção é aplicável ou não, isto será decidido caso a caso pelo Poder Judiciário. Se o caso é de repatriamento de Sean aos EUA ou não, isto será decidido pelo Poder Judiciário.
    O Sr. João Paulo bem sabe que não está sendo perseguido. Ele bem sabe que a Advocacia Geral da União patrocina atualmente mais de 40 processos pretendendo o repatriamento de menores, sob a égide da Convenção, para os mais diversos países do mundo.
    E bem sabe porque atua em ao menos um deles.

    O Sr. João Paulo advogava, até pouquíssimo tempo atrás, em ação de repatriamento de menor proposta pela Advocacia Geral da União em face de uma mãe brasileira residente no Rio de Janeiro. Defendia, naqueles autos, os direitos do pai estrangeiro. Defendia fervorosamente a correção e lisura do envolvimento do Executivo na causa, bem assim a aplicação da Convenção de Haia.
    Não existe perseguição. O Executivo está agindo no cumprimento de um dever internacional livre e soberanamente assumido pela República Federativa do Brasil, e está agindo sob a égide do princípio da impessoalidade.
    É direito do Executivo pedir o repatriamento do filho do cliente estrangeiro do Sr. João Paulo, assim como é direito do Executivo pedir o repatriamento do filho da ex-mulher do Sr. João Paulo. E é direito do Sr. João Paulo defender-se. E cabe ao Judiciário dizer quem tem razão.
    Não percamos o foco. Aqueles que pretendem fazer Sean permanecer no Brasil buscam desviar a atenção, tirando os olhares daquilo que realmente importa, daquilo que é efetivamente relevante.
    Para a solução desta questão, deve-se investigar apenas se a remoção desta criança para o Brasil foi lícita ou ilícita, de um ponto de vista da legislação de Nova Jérsei, onde a criança residia.
    Se a criança saiu ilicitamente dos Estados Unidos, então todas estas alegações formuladas pela família brasileira haverão de ser investigadas nos Estados Unidos da América, único país que, de acordo com a Convenção de Haia, detém jurisdição internacional adequada para cuidar do caso.

    Assim, restabelecida a verdade dos fatos, e retomado o foco da discussão, pede-se a este Conselho, sempre respeitosamente, que adote as providências que entender cabíveis ao caso.
    Cordialmente,

    Ricardo Zamariola Junior
    OAB/SP nº 224.324

    1

  233. Monica Coutinho

    O caso é de tamanha ilegalidade que o texto do Thomas e comentários acima falam por si só.

    Amigos, G. Thomas, e todos que concordam com a ilicitude e ilegalidade do caso, assinem a petição on-line para que Sean retorne ao convívio do seu PAI!!!

    http://bringseanhome.org/index_port.html

    Monica

  234. Pingback: Fique por dentro Divorcio » Blog Archive » Resposta da Advogada de David Goldman (aos acusadores brasileiros …

  235. Regina

    Saudações, Gerald

    Veja um discurso proferido pelo pai do padrasto em 2007.
    Tema: Síndrome da alienação parental e a aplicação da convenção de Haia (acredite se quiser…)

    Parte1:

    Parte 2:

    Parte 3:

    Parte 4

    O texto também está disponível no site BringSeanHome:
    http://www.bringseanhome.org/linsesilva_speech.html

    Algumas afirmações proferidas no discurso:
    “A colaboração internacional é fundada, basicamente, na solidariedade entre os povos… não pode o país frustrar a devida aplicação dos métodos dos quais dispõe para o pronto retorno da criança ilicitamente retirada de seu lar.”

    “A resolução da matéria deve ser rápida… qualquer dilação de tempo tem conseqüências psicológicas severas sobre o ser humano em formação.”

    “O Brasil, ao ratificar as convenções internacionais sobre a matéria, assumiu um compromisso público perante a comunidade internacional. Não pode pretender escapar deste, sob pena … de ser percebido como Estado desidioso no trato com crianças.”

  236. o que me deixa irritado com pessoas como esse tal de gerald, e que eu como outros assalariados fomos massacrados nos anos do governo do muito letradao collor e henrique , acredito que esse cidadão nem sabe o que e marcar um cartão de horas trabalhadas, e pergunto , o que ele falou do tremendo desemprego causado nesse periodo e pelo plano mirabolante do serra

  237. Syleide

    http://syleide.blogspot.com/2009/03/comentario.html
    Publico aqui um comentário que foi feito por Alfredo Aguiar no site de Barbara Gancia e também no vi o mundo de Carlos Azenha.

    enviado por Alfredo às 02h21 em 26 de Mar de 2009
    Parece irreal, é surrealista!
    O filho é dele mas o dono sou eu
    Se ouvíssemos essa frase vinda de um índio de alguma tribo silvícola, quem sabe de algum desses países de cultura tão estranha a nossa em que as leis seguem critérios tão curiosos quanto insólitos, não pareceria impossível de ser dita por alguém que não tenha tido acesso a cultura ou educação mínima adequada, mas pasmem vem de uma pessoa que não somente tem formação didática e jurídica sobre o tema mas que escolheu pautar sua vida profissional em luta contra essa monstruosidade.
    Tento, e não consigo graças a Deus, imaginar o que passa na cabeça daquele que é pai mas não pode ser o “dono”, não sei se eu como pai resistiria, me fluem instintos animais que preferiria não saber existirem dentro de mim, confesso que a primeira coisa que me passa pela cabeça é mandar o padastro ir ter uma conversa ao pé do ouvido com o coisa ruim, com passagem só de ida. Eu não conheço o Sr. paulo lins & silva mas quando ouço seus “argumentos”me dá ánsia de vomito. Também não conheço o Sr. Goldman, mas me parece que deva ter recebido transfusão do sangue de algumas baratas em alguma parte de sua vida, só isso para explicar tanta paciência com as piadas que a justiça brasileira lhe conta a cada decisão. Só uma força sobrenatural para entender ser tão achincalhado pelo algoz de seu filho!
    Fico imaginando como no mundo atual se possa aceitar a tentativa judicial de tentar tomar o filho amado de outra pessoa, só o ensaio já deveria ser um escarnio prontamente rejeitado pelo judiciário, mas eureca, não só aceitaram como deram ganho de causa ao meliante, não que a justiça brasileira seja conhecida por ser justa, mas perecia que existiam alguns limites em seus atos, não existem mais, é a Sodoma e Gomorra institucionalizada.
    O que a justiça brasileira vem fazendo, com o apoio de setores da sociedade e do vergonhoso senado é dar um papel de propriedade sobre uma criança para esse Sr. lins & silva, algo que parecia ter desaparecido com a abolição da escravatura, a justiça acaba de abolir o exame de DNA e aceitar o extrato bancário como determinante de paternidade, nem Maquiavel em dia inspirado teria atrevimento de escrever tal comédia.
    É isso? Não, não é só isso, existem defensores, porque um manicômio não seria completo sem os loucos. As teses? As mais diversas – o bom colégio, – o sobrenome lins & silva e a mais estúpida – o tempo que o menino está em “poder” do padastro, em que a justiça os defensores se apóiam? Imagino que paternidade com data vencida, quem sabe uso capião, talvez direito adquirido! Nada pegava, então inventaram o termo: Convivência Sócio Afetiva!!! Maravilhoso termo!!!! Juizes, senadores e toda casta de socialites se rendem a ele, até eu pensei em pegar aquele carrão da minha vizinha e “conviver” com ele na garagem por algum tempo, mas pensei que poderia não dar certo, um carro é um bem muito valioso, não é como um moleque qualquer. Você já imaginou que se pegar um simples urso de pelúcia e esconder em seu quarto um juiz pode lhe prender e você terá que inegavelmente devolve-lo , mas você pode se apropriar do filho de outra pessoa com consentimento da justiça se o seu sobrenome tiver algum peso monetário?
    E querem que nós humanos normais entendamos isso como natural?
    E justo?

  238. Syleide

    Este padrasto só é advogado por causa do nome da família mesmo!

    O cara não sabe escrever: http://oglobo.globo.com/rio/ancelmo/dizventura/texto.asp

    Não sabe falar:
    http://pdfmenot.com/store_local/2b234959a3eb005e97548c497f4ad013.pdf

    – Videos de Paulo Lins e Silva no programa Happy Hour da GNT exibido em 24/04/07
    Parte I: http://www.youtube.com/watch?v=nwmt6afx1sQ&fmt=18
    Parte II: http://www.youtube.com/watch?v=EV4h_lprjq0&fmt=18
    Parte III: http://www.youtube.com/watch?v=XFR2nuPp75Y&fmt=18
    Parte IV: http://www.youtube.com/watch?v=4Tdy6sZyMlE&fmt=18
    Parte V: http://www.youtube.com/watch?v=GkLZvJsJOBU&fmt=18
    Parte VI: http://www.youtube.com/watch?v=FqgC0isQsCU&fmt=18

    Vejam a eloquência do rapaz:

    Ativem a legenda que pus neste trechinho apenas…

  239. Syleide

    Ah, neste link, vejam a íntegra da entrevista de JPLS ao jornal O Globo dia 15/03: http://pdfmenot.com/store_local/2b234959a3eb005e97548c497f4ad013.pdf
    Tem um desenho feito por Sean em sinal de afetividade a JPLS. Notem que Sean escreveu “from sean to joão paulo”.
    Ou seja, ele não esqueceu o Inglês coisa nenhuma, nem chama JPLS de pai!

  240. c

    Sobre sequestro de crianças por pai ou mãe vale visitar o site
    http://www.takeroot.org.
    Gostei deste espaço e me diverti especialmente com o Pacheco.
    Valeu, andava meio jururu, submersa na lagoa, só o nariz de fora.

  241. Yasmin

    Que bizarro, por que todo mundo já está contra o padrasto da criança?
    Já estão dizendo que a Mãe sequestrou o filho, mesmo quando tudo já foi justificado. Ninguém vai embora por nada. Deve ter havido algum problema no ‘conto de fadas’ dos EUA.

    Brasileiro é mesmo sacana. Não defende nem outros brasileiros.

  242. cida lopes

    dulpa cidadania como tira uma sou casada com filho de portugues

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s