Harold Pinter: O Silêncio do SILENCIADOR

 

O SILÊNCIO dos Silêncios.

  

New York – Este ano de 2008 ainda tinha que engolir mais um! Justamente o dramaturgo que fazia do silêncio a sua pausa dramática. Nascido em Portugal, de uma família judia com o nome de Haroldo Pinto, Pinter chegou na Inglaterra cedo. Como todos os bons playwrights “ingleses”, ele também era um outsider. Stoppard, ainda vivo e muito vivo, nasceu na república Tcheca. Beckett (de quem Pinter se diz “aprendiz”) era irlandês, Shaw, igualmente, da ilha vizinha à Inglaterra e assim por diante.

Mas o que importa tudo isso? Ah, os silêncios nas peças de Harold Pinter. Sim, eles nos causavam um certo desconforto. Causavam na platéia dos anos 60 e 70 um enorme, digo, enorrrrme, desconforto. Justamente por ser um outsider, Pinter via a aristocracia Britânica criticamente, mas queria desesperadamente fazer parte dela.

Em seu casamento quase doentio com Lady Antonia Fraser (cujos livros vendiam mais que os dele), Pinter conseguiu subir de “classe”, algo importantíssimo numa sociedade dividida em classes, em bairros “posh” ou “working class“, em sotaques, como a de Londres, que em si só tem cinco distintos sotaques, acentos, variados.

Harold Pinter, em THE SERVANT – raramente colocado no palco – dá um show do que é um texto hegeliano. Sim, um pouco de Beckett. Um pouco de “Fim de Jogo “(se insistem, se “ele”, o próprio Pinter queria moldar seus textos a partir de Beckett, do mestre de quem ninguém escapou nesse século XX que passou) Por que Hegel? Escravo, senhor, aquelas coisas: o poder do não dito, o “desdito”, o “mal-dito”… uma relação de poder não resolvida entre classes (na Inglaterra de hoje e sempre da qual Edward Bond e David Hare e Alan Bennett também escrevem).

Pinter não mantinha vínculos com Portugal. Nao falava mais o português. Stoppard também nada tem a ver com os Tchecos ( a não ser recentemente, quando decidiu rever suas raizes). Beckett saiu da Irlanda, mas mesmo encrustrado em Paris – e tentando escrever em francês – Samuel Beckett nunca abandonou a língua Joyciana que vem a ser, essencialmente, um irlandês onomatopéico. Nelson Rodrigues sempre foi um brasileiro apaixonado. Mueller um alemão que olhava na direção dos gregos e de Shakespeare e de seu mentor, Brecht. Como se vê, o século XX foi pontuado por autores que deixaram sua marca por algo “unique” e, no entanto, semelhante. O quê? O Bairrismo!

Quando eu ouvia dizer que havia um Pinter sendo montado fora de Londres (fora do Royal Court, pra ser preciso) eu achava muito estranho. Nada contra. Mas sua linguagem era, essencialmente, londrina, assim como a de Nelson é, essencialmente, brasileira: dificil de ser traduzida ou entendida por outras culturas.

Eu não conheci Harold Pinter. Mas ouvi Backett falando várias vezes sobre ele. Não eram elogios, propriamente. Nem reclamações, tão pouco. Eram desabafos. Alan Schneider, o diretor que me deu muita dor de cabeça quando eu queria colocar no palco, aqui no La MaMa, a prosa de Beckett nos anos 80, foi atropelado em Londres por um Ciclista (que eu chamo de Godot) ao depositar no correio do bairro de Hampstead (o bairro onde eu moro quando estou em Londres) uma carta para Beckett. Como americano, esqueceu de olhar pra direita e, pum! Veio um Godot e o atropelou. Mas, o que se conta, nos meios teatrais, é que Schneider estava encenando Pinter no Everyman Theater – um pequeno teatrinho lá no alto do morro do bairro chique. E seu elenco… bem, deixa pra lá… estamos em pleno Natal… SILÊNCIO!!! PSIU! Atores olhando uns pros outros por 3 minutos. Tensão total. Um homem morto na rua, atropelado: trata-se do diretor. Golpe do autor? Do autor de “THE ACCIDENT”? Seria demais !

Pinter-Schneider – Beckett. Hummm! Certa vez, bêbado como um tatu, o autor dos silêncios que “liam a introversão dos sentidos daquilo que não se dizia um pro outro explicitamente, mas, no olhar, se expressava e se ofegava” (Terra em Trânsito, GT 2007), quebrou um salão de barbeiro inteiro ao saber de um “affair” de Antonia Fraser. Depois se acalmou. Ele próprio estava com a sua amante.

Ah, a Londres de Mayfair, de Belgravia!!!

Cancêr no esôfago também consumiu Heiner Mueller. Prêmio Nobel… hummm…. Beckett o recusou, Pinter o aceitou. Hoje, além de ser Natal, não é um bom dia para críticas. Rest in peace and in your final silence Mr. Pinter, I hope you’ll find that there isn’t such tremendous noise to disturb youI mean, there is an extremely noisy silence right at this very moment. Yes, there is. Throughout the stages of the world your name is being called out. Can you hear it? Can you hear it? We’re calling out your name.
Farewell, Mr. Pinter or should I simply say, have a good Homecoming.

Gerald Thomas, New York.
On The Day Christ was born.
2008

PS: abaixo desse post: o vídeo de “UM CIRCO DE RINS E FÍGADOS” com Marco Nanini onde Pinter é mencionado junto com Genet, Beckett e outros dramaturgos.

PS 2: Por que será que tanto Beckett quanto Pinter decidiram morrer no Natal ou perto do Natal?

Estranho… muito estranho! Pelo menos Pinter não nasceu no dia da Páscoa, como Sam.

 

(Vamp na edição)

178 Comments

Filed under artigos

178 responses to “Harold Pinter: O Silêncio do SILENCIADOR

  1. Meus sentimentos, Gerald, pelo falecimento do “Haroldo Pinto”!

    Gerald, veja só o que encontrei, vc gostaria de se tornar autor de romances e contos? Olha aí essa ghost-oportunidade:

    Escritor conceituado se predispõe a vender, na qualidade de ghost writter, os direitos totais de livros (inéditos) de sua autoria. No momento, dispõe de 6 livros de ficção (romances e contos) prontos para edição, todos eles com a editoração efetuada (revisão, diagramação e capa).

    Tal proposta se torna atraente apenas para pessoas com poder aquisitivo suficiente para publicação e divulgação da(s) obra(s).

    Ghost writer é um profissional de alto nível que redige textos para terceiros, trabalhando anonimamente. Após concretizada a transação ele desaparece e a propriedade intelectual (a autoria) passa a pertencer ao contratante, que pode dela dispor de acordo com as suas conveniências.

    Contatos:

    serescritor.escritor@gmail.com

    escreverghost@gmail.com

    ghostescritor@gmail.com

    escritorghost@gmail.com

  2. Contrera

    um se vai, nós ficamos.

  3. Contrera

    um fica, nós vamos

  4. Antonio Moraes

    A ótima Juliana Galdino está em cartaz com “O Quarto”, de Pinter. Montagem claustrofóbica, que merece ser vista.
    A Faber and Faber editou em quatro volumes as peças de Pinter. Não custam caro. Em português a Relógio D’água – editora portuguesa – também editou-o. Pode ser achado na Liv Cultura.
    Faber and Faber também editou Beckett. De interessante – e que eu ainda não tenho – são os “Theatrical Notebooks of Samuel Beckett”.

  5. Antonio Moraes

    Os dois – Beckett e Pinter – são essenciais na formação cultural de qualquer ser que se diz PENSANTE. Além disto a obra deles não é para consumo rápido e descartável.

  6. Gerald Thomas

    Beleza de homenagem a Pinter. O inglês de seu último parágrafo é de uma eloquência tão profunda que o silêncio nele contido deve ter chegado até Harold Pinter, esteja ele onde estiver. Uma poetisa paraibana escreveu que “quando morremos partimos para o infinito na busca do eterno”. Posso imaginar Pinter nessa viagem de puro silêncio.

  7. gthomas

    Obrigado pelos comentarios
    foi meio escrito as pressas.
    estou tentando melhorar
    Fail
    Fail again
    Fail Better

  8. Cristiane barreto

    Tinha Pinter como um dos meus dramaturgos preferidos. Tentei até utilizá-lo como tema e objeto de pesquisa em mestrado “A dissimulação do Eu nas personagens de Pinter”, mas não obtive êxito. Não existiu nenhum professo/orientador no programa da Escola de teatro – UFBA que tivesse interesse na época, ano passado, por Pinter. Cheguei a adaptar algumas obras e transformei em DISSEMLE, até montei. Prefiro o seu estilo de escrever e sua maneira de absurdo do que a de outros. Acho, por exemplo, Beckett importantissímo, mas não me movimenta a montá-lo pela sua maneira negativa de ver o mundo, o homem, suas relações, a existência. O lado caótico não me estimula. Também as disdacálias excessivas acabam por limitar exageradamente qualquer concepção para seus textos. Já Pinter possui um olhar mundo e do ser humano que me agrada mais. Quando ele falava que paramos na rua para ver uma briga entre duas pessoas, mesmo sem saber quem são, o motivo da briga, etc, para mim é este recorte da vida, este fragmento que me interressa e que explica o absurdo para mim e o transforma em algo bem mais complexo do que o realismo/naturalismo/chatissímo.

  9. Cristiane barreto

    Ops: Quis dizer: DISSEMBLE

  10. 1) Se vc viu Sérgio Britto/Becket em “Um ato sem palavras”, fica evidente a eloqüência do silêncio.

    2) Os grandes poetas da Polônia morreram no exílio, ou foram exilados. Realmente a contribuição dos emigrés à literatura mundial tem sido significativa. Joseph Conrad (Korzeniowski) é um bom exemplo disso.

  11. 1) Se vc viu Sérgio Britto/Becket em “Um ato sem palavras”, fica evidente a eloqüência do silêncio.

    2) Os grandes poetas da Polônia morreram no exílio, ou foram exilados. Realmente a contribuição dos emigrés à literatura mundial tem sido significativa. Joseph Conrad (Korzeniowski) é um bom exemplo disso.

  12. MARIA ZILDA

    Onde está o português??????
    Deixa de ser exibido!

  13. gthomas

    “Ato sem palavras ” eh de Beckett e nao de Pinter caro Tomasz

  14. gthomas

    Maria Zilda
    nao entendi, mas tambem, nao tem que se entender tudo ne?

  15. carioca

    Será que o cara estava mesmo com essa bola toda? hummmmm não sei não xará!

  16. Ana

    Puxa vida, o que mais me chamou a atenção foi o fato do nome verdadeiro dele ser Haroldo Pinto… Será que se ele tivesse mantido seu nome, teria sido tudo igual?

    Algo me diz que ao mudar o seu nome, ele mesmo tornou tudo diferente. De cara.

  17. maria novellino

    Meu filho, eu sou uma velha senhora que achava você um garoto chato. Depois de ler o que você escreveu hoje, não acho mais.

  18. Sandra

    Gerald, que lindo…
    “I mean, there is an extremely noisy silence right at this very moment. Yes, there is. Throughout the stages of the world your name is being called out. Can you hear it? Can you hear it? We’re calling out your name.”

  19. gthomas

    Sra, Maria Novellino: Ufa! depois de mais de 30 anos de vida publica….finalmente passei pela sua aprovacao! Eh o que conta!
    Obrigado
    LOVE
    G

  20. Sandra

    Tanto o Natal como a Páscoa representam transformações. No cristianismo, o Natal está relacionado ao nascimento, e a Páscoa, à morte. São de arrepiar tanto a coincidência quanto a inversão. Bem, a inversão é relativa.

  21. gthomas

    Stycer, obrigado pela reciproca de ontem
    Ja que a visita pessoal eh impossivel, que ela seja, ao menos, virtual.
    Como era, quando era ao vivo….era ao vivo e virtual….
    coisa de judeu.

  22. Amor que coisa essa história do Schneider, kkkkkk!! Adorei… por via das dúvidas sempre olharei para ‘as duas mãos’ ao dirigir Stoppard ou quem quer que seja…
    Linda homenagem…. Ah, entendi qdo vc me falou que por aqui (ig) as páginas nao podem ser muito ‘pesadas’ pras pessoas carregarem já que a maioria acessa por banda discada!
    O seu Blog carregou imediatamente mais rápido que o meu, até estou comentando por aqui já que e-mail demora horrores com esse modem da Tim no interior!
    Beijos natalinos querido… e fiquei mais impressionado ainda com o ‘sincronismo’ macabro destas dadas levarem gente tão importante… Credo!
    ;P

  23. kurtz

    Na verdade, o pai dele que era português. Harold Pinter nasceu em Londres mesmo.

  24. Sandra

    Puxa… um texto CARREGADO de sentimento.
    Lindo…

  25. gthomas

    Caetano Vilela sera o diretor da Cia de Opera Seca. Teremos dois nucleos, como se fosse. Nao se trata exatamente de nucleo um e dois. Mas o Caetano vai estrear (deixo que ele proprio de a noticia) um texto de Stoppard inedito no BR e praticamente no mundo inteiro com a Opera Seca.
    Como nunca fizemos isso antes, acho que eh aqui o lugar pra se dizer isso.
    Ah, sim, olha pros dois lados!!!!!!
    O transito em Londres (como motorista de ambulancia sei bem) eh calmo> mas basta uma unica bicicleta e pum. Vc esta no chao.
    Ah, consegui anexar o reloaded aqui
    LOVE
    G

  26. gthomas

    Kurtz: obrigado pelo esclarecimento: mas existem controversias.
    Numa enorme entrevista a BBC que eu vi e nao faz muito tempo, ele mesmo dizia ter nascido em Portugal> however, tanto faz.

  27. jose alexandre da silva

    Para aqueles que buscam entender o que seja teatro, esta homenagem do nosso gênio Gerald Thomas ao gênio Harold Pinter, é uma verdadeira aula. Deve ser lida e relida.

    Thank you Pinter
    Thank you Gerald

    Danke Müller

  28. gthomas

    Sandra: as vezes eh dificil escrever sobre alguem como Pinter, Passei a vida inteira NAO querendo me aproximar, entende? Passei a vida inteira ouvindo e lendo seus textos e vendo suas pecas mas NAO me encantando e, no entanto, reconhecendo seu TREMENDO valor (mais atraves dos filmes do Losey).
    Agora ele foi.
    Agpra muito se escrevera.
    Agora, quem sabe a historia coloca os pingos nos “i”,

    Jose Alexandre da Silva: Obrigado.
    LOVE
    G

  29. gthomas

    Em 1957 estreou como dramaturgo com “The Room” . Uma de suas primeiras obras “The Birthday Party” (‘A festa de aniversário’, 1957), inicialmente um fracasso, com o passar dos anos se tornou uma de suas peças mais encenadas.

    Sua posição enquanto clássico moderno está ilustrada pela criação, a partir de seu nome, de um adjetivo que descreve uma forma de atmosfera e de um entorno particular nas peças de teatro: ‘pinteresque’.

    Segundo o comunicado da Academia Sueca há três anos, “no cenário típico de Pinter estão seres que se defendem contra intrusões forâneas ou contra os próprios impulsos, entrincheirando-se em uma existência reduzida e controlada”.

    “Outro tema principal é o caráter fugitivo e inalcançável do passado”, prosseguia a nota de anúncio do vencedor da Academia.

    Desde 1973, Pinter também era conhecido como um fervoroso defensor dos direitos humanos.

    Além disso, também escreveu novelas radiofônicas e roteiros para cinema e televisão. Entre seus trabalhos mais conhecidos nesta área estão ‘The Tailor of Panama’ (‘O alfaite do Panamá’, 2001),’ The Handmaid’s Tale’ (1990), ‘Accident’ (1967), ‘The French Lieutenant’s Woman’ (‘A mulher do tenente francês’,1981) ou ‘Breaking the Code’ (1996).

  30. O Vampiro de Curitiba

    FELIZ NATAL a todos!

    Acabei de chegar em casa, nem sabia que tinha texto novo.
    Pra ser bem sincero, nem sabia que Harold Pinter havia falecido.

    É, Gerald, esse ano de 2008 tá levando gente até nos últimos diazinhos… Que passe logo, credo!

  31. O Vampiro de Curitiba

    Gerald, grande texto! Delicioso! Só você para nos fazer ter prazer em ler um texto mesmo sendo sobre um assunto tão triste.

  32. PARA UMA CIDADE COM 3 SOTAQUES … O QUE PODE UM GAROTO FAZER NUMA CIDADE FRIA E UMIDA COMO LONDRES A NAO SER SER ESCRITOR DE PEÇAS DE TEATRO
    S PAULO ´E ASSIM …TEM MAIS DE 2 SOTAQUE VAO NA MOCA E REPAREM COMO É DIFERENTE DOS JARDINS EUROPAS
    OU VÁ AO RIO EM ONDE DO ZONA NORTE É MERRRRMO PASSAMOS PARA O JA FAMOSO É MEISXMO ?… ZONA SUL COM A LINGUA PRESA DE LEVE … ADOLECENTEMENTE ENQUANTO A IRMÃ MAIS VELHA ANDA COM AQUELE ANDAR MALEMOLENTE
    TUDO É SEXO NATAL E MORTE
    NA TV HOJE JA VI CRISTO MORRER 3 VEZES GOSTEI MAIS DA SEGUNDA MORTE ONDE O DISCURSO FOI MELHOR É
    E CRISTO NAO FOI UM VENDEDOR DE SUBIMARINOS O QUE ACHAM DO BRASIL
    NO NATAL DAR PARA SI SUBIMARINOS?
    UTILISSIMOS NAO SEI COMO O PAIÍS SE AGUNTA SEM NOVOS SUBMARINOS ENPURRADOS GUELA ABAIXO PELO PELO NAMORADO DA EX TOP MODEL EX MICK JAGGUER E EX ERIC CLAPTON PERGUNTEM AO GLAMURAMA O QUE ELA ACHA DISSO TUDO. PRAIAS LINDAS
    PORTARIAS SENDO BAIXADAS
    NAO QUERO JORNAIS NEM TELEVISOES
    E LIGA PRA O LULA….COITADO DO PRESIDENTE CADA ABACAXI QUE PARARECE TIRANDO O HELICOPTERO DO LULA NADA MAIS ME INTERESSA NESSE GOVERNO EM TERMOS MATERIAIS .
    NAO TEM UMA DEPUTADA LINDA A PONTO DE EU LARGAR MINHA ESPOSA E 3 FILHOS E FUGIR PARA O CARIBE …
    IMAGINEM GISELE …CONTRAI MATRIMONIO COM UM NEGOCIANTE DE ARMAS E PRESIDENTE DE UM PAIS DE PRIMEIRO MUNDO E VEM AO BRASIL VENDER UM PORTA A VIAO AMÉRICANO ATOMICO QUE SERA PINTADO DE BRANCO TRANSFORMADO EM HOTEL FLUTUANTE UM PARAÍSO DO LUXO DA LUXURIA …..? COMO SE CHAMARÁ ESSE PORTA -AVIAO?

    QUE NOME VC COLOCARIA NO SUBMARINO ?

  33. PARA UMA CIDADE COM 3 SOTAQUES … O QUE PODE UM GAROTO FAZER NUMA CIDADE FRIA E UMIDA COMO LONDRES A NAO SER SER ESCRITOR DE PEÇAS DE TEATRO
    S PAULO ´E ASSIM …TEM MAIS DE 2 SOTAQUE VAO NA MOCA E REPAREM COMO É DIFERENTE DOS JARDINS EUROPAS
    OU VÁ AO RIO EM ONDE DO ZONA NORTE É MERRRRMO PASSAMOS PARA O JA FAMOSO É MEISXMO ?… ZONA SUL COM A LINGUA PRESA DE LEVE … ADOLECENTEMENTE ENQUANTO A IRMÃ MAIS VELHA ANDA COM AQUELE ANDAR MALEMOLENTE
    TUDO É SEXO NATAL E MORTE
    NA TV HOJE JA VI CRISTO MORRER 3 VEZES GOSTEI MAIS DA SEGUNDA MORTE ONDE O DISCURSO FOI MELHOR É
    E CRISTO NAO FOI UM VENDEDOR DE SUBIMARINOS O QUE ACHAM DO BRASIL
    NO NATAL DAR PARA SI SUBIMARINOS?
    UTILISSIMOS NAO SEI COMO O PAIÍS SE AGUNTA SEM NOVOS SUBMARINOS ENPURRADOS GUELA ABAIXO PELO PELO NAMORADO DA EX TOP MODEL EX MICK JAGGUER E EX ERIC CLAPTON PERGUNTEM AO GLAMURAMA O QUE ELA ACHA DISSO TUDO. PRAIAS LINDAS
    PORTARIAS SENDO BAIXADAS
    NAO QUERO JORNAIS NEM TELEVISOES
    E LIGA PRA O LULA….COITADO DO PRESIDENTE CADA ABACAXI QUE PARARECE TIRANDO O HELICOPTERO DO LULA NADA MAIS ME INTERESSA NESSE GOVERNO EM TERMOS MATERIAIS .
    NAO TEM UMA DEPUTADA LINDA A PONTO DE EU LARGAR MINHA ESPOSA E 3 FILHOS E FUGIR PARA O CARIBE …
    IMAGINEM GISELE …CONTRAI MATRIMONIO COM UM NEGOCIANTE DE ARMAS E PRESIDENTE DE UM PAIS DE PRIMEIRO MUNDO E VEM AO BRASIL VENDER UM PORTA A VIAO AMÉRICANO ATOMICO QUE SERA PINTADO DE BRANCO TRANSFORMADO EM HOTEL FLUTUANTE UM PARAÍSO DO LUXO DA LUXURIA …..? COMO SE CHAMARÁ ESSE PORTA -AVIAO?

    QUE NOME VC COLOCARIA NO SUBMARINO ?

  34. DESCULPEM ESQUECI DO ROLLS ROYCE 1953 PRETO DOADO POR ELIZABETH II nao abro mao desse rolls tambem

  35. DESCULPEM ESQUECI DO ROLLS ROYCE 1953 PRETO DOADO POR ELIZABETH II nao abro mao desse rolls tambem

  36. Amor, merci, merci!!! vi o reloaded add! arrasou, estou tentando publicar o post com as news-09, leeeeento mais logo logo sai!!!
    Beijo

  37. gthomas

    Caramba Mario:

    1- Londres tem sotaque entre Classes e nao sotaque regional. Isso eh inteiramente diferente do Merrrrmo ou Mexmo, no Rio.

    2- Porta avioes: Hotel MonoNucleose!

  38. Sandra

    “Passei a vida inteira ouvindo e lendo seus textos e vendo suas pecas mas NAO me encantando e, no entanto, reconhecendo seu TREMENDO valor”

    Se eu entendi? Mais ou menos… Veja o que você sangrou… ou chorou (depois não entendem porque o admiro):

    “Cancer no esôfago também consumiu Heiner Mueller. Prêmio Nobel… hummm…. Beckett o recusou, Pinter o aceitou. Hoje, além de ser Natal, não é um bom dia para críticas. Rest in peace and in your final silence Mr. Pinter, I hope you’ll find that there isn’t such tremendous noise to disturb you. I mean, there is an extremely noisy silence right at this very moment. Yes, there is. Throughout the stages of the world your name is being called out. Can you hear it? Can you hear it? We’re calling out your name.
    Farewell, Mr. Pinter or should I simply say, have a good Homecoming.”

    Minhas lágrimas, quando li, foram a chave de ouro para fechar esse lindo Natal (com crise e tudo).

  39. Sandra

    Beijos em todos! Feliz Natal!

  40. seba

    gerald, querido
    texto lindo ( o que não me surprende)
    saudades do silêncio-mas a gente (estranha)do teatro não morre
    fica poraí,porra aí
    besos

  41. Marco Jamel

    Bravo Gerald….Você está cada vez melhor…Pinter merece…

  42. gthomas

    Seba? Qual Seba (lemos?)

    Eh verdade.

    Nao morre.

    Fica porr ai.

  43. Ekran

    Tks, Gerald!

    O post sobre Pinter era essencial e vc nos trouxe Pinter com uma vitalidade que dá até vontade de imaginar Pinter sob Gerald nos palcos…why not?

    Estamos ainda no dia de Natal e pedir presentes faz parte da tradição.

    Axé!

  44. Ainda em tempo de desejar a vc Gerald e a todos um feliz natal, Muita alegria acompanhada por boas risadas de desopilar fígado.
    O riso afasta o medo da morte.
    È pra lá que todos vamos inexoravelmente.
    Até lá é viver cada momento com se fosse o último.
    Saudações arraianas é verão na Bahia.

  45. AMIGO THOMAS…

    FELIZ NATAL!

    CONTINUE PRESENTE NA CULTURA DO BRASIL… É PRECISO!

    Um poema…

    VIVA A VIDA! VIVA O AMOR!

    ( Lailton Araújo )

    As cores dão os tons às águas e as matas
    O sol e a lua brincam de iluminar paisagens
    No passado, tal candura era poesia virgem
    Mirando o futuro, sem violência germinando
    Quem não vê o tempo mudar é um lunático
    Quem não vê o tempo passar é sossegado

    Na Era de Aquário, Plutão foi rebaixado…
    Quais serão as velhas e novas revelações?
    Homens pisaram no pó que a ventania levou
    E a ampulheta registrou na forma analógica
    É sinal que a palavra amar é algo complexo
    Os amantes se perdem na poeira sem amor

    As lembranças explodem como feixes: luzes
    Marcando as fases, mil ponteiros universais
    Quem não conhece, não poderá conhecer…
    O segredo da criação e da evolução humana
    Como separar o corpo da alma? Sem alma…
    A vida é renovada a cada ato com e sem amor

    Viva a vida! Mesmo sem a luz vinda de alguns
    O céu à noite brilha! As estrelas reaparecem…
    Só um sorriso reabre as portas da felicidade
    Que a tristeza fechou nas guilhotinas urbanas
    O espírito sem um corpo não brilha ou evolui…
    Um corpo sem espírito é água, pó, lua ou sol!

    Grande abraço.

    Lailton Araújo

  46. gthomas

    Se quiserem ver o speech de Pinter na aceitacao do Nobel em 2005 onde ele mais ou menos explica seu processo de criacao (coisa estranha…..muitos se recusam a faze-lo) …..

    esse eh o link

    http://thelede.blogs.nytimes.com/2008/12/25/harold-pinter-in-his-own-words/

  47. Reinaldo Pedroso

    “Enviado por: Ana

    Puxa vida, o que mais me chamou a atenção foi o fato do nome verdadeiro dele ser Haroldo Pinto… Será que se ele tivesse mantido seu nome, teria sido tudo igual?”

    Ô, Ana…! Isso não é importante, apenas uma curiosidade no bojo – no bojo é ótimo, adoro mais pronunciar. Mas quando se escreve e lê pronuncia-se mentalmente. Haroldo também é legal. . Bojo, Haroldo…Bojo, Haroldo…Afonso, também. Bojo, Haroldo, Afonso…Bojo, Haroldo. Afonso… – de um texto substancial.
    Não é, Geraldo?

  48. Ekran

    being pinteresque…

    The Oxford English Dictionary´s definition of ‘Pinteresque’ is as follows: “marked especially by halting dialogue, uncertainty of identity, and air of menace.”

    The Financial Times, for one, defined Pinteresque as ”full of dark hints and pregnant suggestions, with the audience left uncertain as to what to conclude.”

    Toward a definition of pinteresque: playing games with dramatic irony (http://ir.lib.sfu.ca/bitstream/1892/7678/1/b1655436x.pdf)

    Enquanto houver controversias sobre o que se é ser “pinteresque”, teremos espaço para redescobrir Pinter na lingua inglesa e nas suas possiveis (e provaveis) traduções.

    Salve, Pinter!

  49. Nina

    Gerald,

    eu acho que ouvi vc contando essa história do acidente numa entrevista com o Calligaris… estou certa?

  50. Nina

    Sim…

    O SILÊNCIO É ENSURDECEDOR

    mas para alguns, prá outros pode ser constrangedor, um alívo, um prazer, um enorme buraco negro.

    O silêncio da morte, só diz que não há mais o que dizer… é o único necessário e o mais assustador.
    O silêncio é traiçoeiro, pareceser oco, mas mora no alto da torre, na curva das tormentas, de janela aberta prá que entrem os demônios.
    Os anjos também.
    Também não entendo a morte, mas isso é melhor ou menos assustador que o silêncio?

    Lindo texto Gerald Thomas

    ah… tem também o silêncio da saudade… e isso é um fado português

    Beijos
    Boa Noite a todos

  51. Nina

    queria ver o vídeo agora, mas ah..
    tem dias que nem deveriam existir
    discussões incessantes que nem deveriam sair do silêncio
    e…
    exauta
    me rendo

    não posso ficar fascinada agora.

    tem razão Thomas:

    Hoje, além de ser Natal, não é um bom dia para críticas. Rest in peace and in your final silence , I hope you’ll find that there isn’t such tremendous noise to disturb you. I mean, there is an extremely noisy silence right at this very moment. Yes, there is. Throughout the stages of the world your name is being called out.

    Can you hear it? Can you hear it? We’re calling out your name

    Cant you hear me?????????????????????????????

  52. Graça Fernandes

    Manhattan, B´way, summer of 1967
    Antes de qualquer outra visita a qualquer lugar de NYC o que
    importava era assistir a “The Homecoming”. E assim foi o que
    considero como batismo na big apple, prazer igualado apenas
    por – anos depois -“The Go-between” e “The French Lieutenant´s Woman”. Todos igualmente arrebatadores, viscerais e intensos.
    Impossível não se apaixonar por Jeremy Irons. Dos “angry young
    men” HPinter é a quem mais admiro.E, se necessário for escolher, prefiro Pinter a Edward Albee, deste, “Who´s afraid of Virginia Woolf” magistralmente dirigido pela fera Mike Nichols creio ser o retrato mais dilacerado e desajustado de dois casais vividos por Richard Burton-Liz Taylor e George Segal e a lourinha
    anódina vivida por, como é mesmo o nome ? Mas, absurdo dos
    absurdos é perder alguém tal qual Pinter e ainda há pouco tempo, Samuel Beckett. Ainda bem que temos vc, Gerald Thomas.
    Formei gerações (filha e primos) vendo suas peças. Um ex :
    “The Flash and Crash Days”.
    Até mais,
    Graça Fernandes

  53. Reinaldo Pedroso

    22/12/2008 – 22:29

    “ E eu sou livre para não estar nem aí.”, sei…Sandra, sei…

    25/12/2008 – 18:44

    Enviado por: Sandra

    “-Como seriam as pessoas que não têm nenhum comportamento considerado alienado? Exatamente, segundo eu, elas são CHAAAAAAAAAAAATAS!!!! ”

    Reinaldo

  54. Graça Fernandes

    Manhattan, B´way, summer of 1967
    Antes de qualquer oputra visita a qualquer lugar de NYC o que
    importava era assistir a “The Homecoming”. E assim foi o que
    considero como batismo na big apple, prazer igualado apenas
    por – anos depois – “The Go-between” e “The French Lieutenants´s Woman”. Todos igualmente arrebatadores,
    viscerais e intensos.(Impossível não se apaixonar por Jeremy
    Irons). Dos “angry young men” HPinter é a quem mais admiro.
    E, se necessário escolher prefiro Pinter a Edward Albee, deste,
    “Who´s Afraid of Virginia Woolf” dirigido pela fera Mike Nichols,
    é o retrato mais nítido de dois casais desajustados e vividos
    por Richard Burton-Liz Taylor e George Segal e a aquela
    lourinha anódina, qual é mesmo o nome ? Mas absurdo dos
    absurdos é perder em tão pouco tempo Samuel Beckett e, agora,
    Harold Pinter. Ainda bem que temos você, Gerald Thomas.
    Formei gerações (filha e primos) vendo suas peças, por ex.,
    “The Flash and Crash Days”.
    Até mais
    Graça Fernandes

  55. Graça

    Manhattan, B´way, summer of 1967
    Antes de qualquer outra visita a qualquer lugar de NYC o que
    importava era assistir a “The Homecoming”. E assim foi o que
    considero como batismo na big apple, prazer igualado apenas
    por – anos depois – “The Go-between” e “The French Lieutenants´s Woman”. Todos igualmente arrebatadores,
    viscerais e intensos.(Impossível não se apaixonar por Jeremy
    Irons). Dos “angry young men” HPinter é a quem mais admiro.
    E, se necessário escolher prefiro Pinter a Edward Albee, deste,
    “Who´s Afraid of Virginia Woolf” dirigido pela fera Mike Nichols,
    é o retrato mais nítido de dois casais desajustados e vividos
    por Richard Burton-Liz Taylor e George Segal e a aquela
    lourinha anódina, qual é mesmo o nome ? Mas absurdo dos
    absurdos é perder em tão pouco tempo Samuel Beckett e, agora,
    Harold Pinter. Ainda bem que temos você, Gerald Thomas.
    Formei gerações (filha e primos) vendo suas peças, por ex.,
    “The Flash and Crash Days”.
    Até mais
    Graça Fernandes

  56. Braga

    2008, o teatro derradeiro do absurdo. Descanse em paz.

  57. Reinaldo Pedroso

    Sandra
    O Geraldo faz, quando faz, breve comentário sobre os meus comentários através – isto mesmo, através – de ti. Nega-se a descer ao rés-do-chão para responder-me diretamente.
    Gostaria de saber o autor da reprodução que ilustra o topo deste blog.
    Se sabes, me diz. Senão, faz a intermediação com Deus e me diz.
    Pode ser?
    Gracias, desde já.
    Reinaldo

  58. Ilse

    Agora no festivo Natal, o Harold Pinter completa o seu silêncio com o eterno jaz silencioso da inevitável morte.
    Que descanse em paz e façamos um minuto de silêncio em homenagem a sua memória.

  59. Reinaldo Pedroso

    Quáááááá!!!!!!!

    Sandra
    “…o autor da reprodução…” é quem fotografou, copiou ou escaneou!, e isto não me interessa. Quero saber o autor do original da ilustração do topo e do pé deste blog.
    Reinaldo

  60. gthomas

    Desculpe Reinaldo mas de paranoicos o Blog ja tem muitos. Nao precisamos de mais um. Eu sou eu, Sandra eh ela mesma. Se vc clicar no numerozinho debaixo do RSS (chama sitemeter) vai ver o pais que esta online agora se clicar, la dentro, em LOCATION,
    de estiver NEW YORK, esse sou eu.

    Quanto a tua pergunta, qual era mesmo?

  61. Ana

    Reinaldo Pedroso: eu acho importantíssima a mudança de nome, sim. Para mim ele negou sua nacionalidade portuguesa, e com isso abriu espaço para sua re-nacionalidade inglesa. Gerald mesmo comenta o desdém dele pela aristocracia, sendo casado com uma aristocrata. Isso leva a pensar que tudo o que ele nega/ negou, talvez esteja mais próximo de sua essência. É bastante inusitado o fato dele deixar de ser Haroldo Pinto para se transformar ou transmigrar-se para Harold Pinter. Sua criação talvez tenha começado com essa negação.

    Em tempo: a ilustração do topo é do autor do blog, bem como a do rodapé.

    bjs

  62. Ana

    Aliás (e imitando a Sandra nas múltiplas alternativas), criamos para:

    a. negar
    b. afirmar
    c. resistir
    d. insistir nas alternativas a., b., c.?

    bjs para todos, até amanhã/ hoje.

  63. Cristina

    Sartre recusou o prêmio Nobel, a notoriedade e o dinheiro do prêmio poderiam fazer com que ele perdesse a liberdade. Concordo com Sartre, o dinheiro te coloca dentro da sociedade, dentro do sistema, quanto menos precisamos do sistema, maior a nossa liberdade.
    O Jornal Nacional noticiou a morte de Harold Pinter, e foi a primeira vez que ouvi falar do importante dramaturgo inglês, ganhador do Nobel. Como sou ignorante! Nem vi seus filmes, talvez eu tenha visto “A mulher de tenente francês”, não lembro.
    Em Londres há distinção de classe social pelo jeito da pessoa falar, e o sotaque é muito diferente, não dá nem para entender o inglês povão, é quase um dialeto, algo parecido com o sistema de castas hindu. Uma sociedade que se diz liberal tem um rígido sistema de classes. É diferente dos diversos sotaques paulistanos, a sociedade de classes brasileira não é rígida, há muita mobilidade social, para cima e para baixo.
    Com a globalização e o avanço das grandes corporações multinacionais surge uma nova burguesia, que são os tecnocratas, um misto de funcionário público com burguês.

  64. Cristina

    “Pinter dedicou-se nos últimos anos a disparar ácidas críticas à Guerra do Iraque, na qual o Reino Unido foi fiel seguidor da administração americana de George W. Bush. Ele chegou a escrever que o então primeiro-ministro britânico Tony Blair era um “criminoso de guerra” e que os Estados Unidos são um país “dirigido por um bando de delinqüentes, seguidores de nazi-fascistas”. ”
    http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20081226/not_imp299022,0.php

  65. Reinaldo Pedroso

    “26/12/2008 – 02:46

    Enviado por: gthomas
    Quanto a tua pergunta, qual era mesmo?”

    Quem é o autor do original da ilustração deste blog, Geraldo?
    Reinaldo

  66. Nina

    ah.. acho que sei…

    Reinaldo isso faz alguma diferença prá vc?
    de verdade?
    pq se incomoda tanto
    pq não deixa os 2 em paz?

    sabe Reinaldo, na boa, essa conversa é antiga e chateia, e é muito rasa e inútil essa coisa de quem é quem no papel de quem.

    Me diz, pq Geraldo?
    pq desenhos?
    pq essa raiva?

    só me diz

    tenha um ótimo dia…….

  67. Nina

    Cris

    teus comentários sempre acrescentam, concordando ou não
    obrigada!

    Ilha Bela te faz muito bem…

    ah se eu pudesse…

  68. Nina

    Ana

    eu diria

    nenhuma das alternativas anteriores

  69. Nina

    vou sair na chuva ininterrupta de sp…

    gostaria de deixar prá vcs: Vamp, Sandra, Reinanldo e Cristina, antes de ir, um pedaço do prefácio de Asas do Desejo, meu filme preferido, dentre tantos preferidos:

    “Quando Deus, infinitamente desiludido, fez preparativos para afastar para sempre da terra e abandonar a humanidade ao seu destino, aconteceu que alguns dos seus anjos o contrariaram e intervieram em favor da causa dos homens: devia dar-lhes ainda mais uma oportunidade.

    Deus irado com seu protesto, desterrou-os para o então mais terrível lugar do mundo: Berlim.

    E depois afastou-se.

    Tudo isto teve lugar no tempo que hoje se designa por últimos anos de guerra.

    E assim os anjos caídos estão presos, desde entao, nesta cidade, para sempre, sem esperança de salvação, ou mesmo de regresso ao céu.
    Estão condenados a ser testemunhas, eternamente, nada mais do que espectadores, sem poder sequer influir o mínimo sobre os homens ou intervir no curso da história.
    Nem sequer um grão de areia pode ser movido por eles.”
    (Wenders – 1987)

    talvez as coisas estejam diferentes hoje, talvez….2008
    conheço 3 anjos caídos
    eles agora sofrem.

    Gostaria de deixar pro Gerald também, mas ele não vai ler…

    beijos de chuva!

  70. Nina

    tudo, mas tudo que eu queria agora era deitar na areia de Barra do Una, tomar sol ouvindo música e cheiro de mar………….

    ……………………………………………………………………………………………………

  71. ronaldo

    Gthomas

    BRAVO,

    Sentimento é o que não faltou em seu texto…..Estou torcendo para que 2008 acabe agora ou daqui a pouco…..

  72. Nina

    bairrismo, ….Portugal
    pena não podermos escolher onde nascemos, mas… talvez depois….

    engraçado, nasci em sp, até os 12 fui criada em outra cidade, bem diferente e ODEIO com todas as letra sp

    mas queria ter nascido em Portugal, e estar em Algarve até hj.
    ligação de alma com Portugal.

    Alguém especial de lá, certa vez me deu uma música, que prá mim é como dar flores…. a música se apodera de mim e eu dela, é só minha por um instante.

    dou prá vcs…

    Com Dulce Pontes e Madredeus

    http://br.youtube.com/watch?v=MSIGWEcR5Dc&feature=related

    LINDA LINDA LINDA LINDA LINDA LINDA LINDA COMO O MAR

    Fui bailar no meu batel
    Além do mar cruel
    E o mar bramindo
    Diz que eu fui roubar
    A luz sem par
    Do teu olhar tão lindo

    Vem saber se o mar terá razão
    Vem cá ver bailar meu coração

    Se eu bailar no meu batel
    Não vou ao mar cruel
    E nem lhe digo aonde eu fui cantar
    Sorrir, bailar, viver, sonhar contigo

  73. Nina

    nossa estou aos prantos vendo Dulce Pontes dançando no mar

    BELEZA, si lo hai

    quanta beleza
    quanta….. no silêncio e fora dele

  74. Glorinha

    Bom dia a todos!!!

    Nina…que lindo!!!

    Vou lá ler o texto e depois volto…espero…
    [[]]

  75. Nina (aos prantos de tanta beleza)

    pois é Glorinha
    e nesse instante
    aos prantos
    coincidência ou não
    acabei de ganhar outra
    de longe, longe
    a mesma
    de amalia Rodrigues
    de alguem que não sabia nada
    sobre o que estava eu escrevendo aqui

    que coisa….
    estou completamente atordoada

    http://br.youtube.com/watch?v=89JbzIhIwlE&feature=related

  76. ronaldo

    Senhras e Senhores devemos (todos) ler estas obras.

  77. Ekran

    trecho do discurso de Pinter para o Premio Nobel recebido em 2005:

    ” Truth in drama is forever elusive. You never quite find it but the search for it is compulsive. The search is clearly what drives the endeavour. The search is your task. More often than not you stumble upon the truth in the dark, colliding with it or just glimpsing an image or a shape which seems to correspond to the truth, often without realising that you have done so. But the real truth is that there never is any such thing as one truth to be found in dramatic art. There are many. These truths challenge each other, recoil from each other, reflect each other, ignore each other, tease each other, are blind to each other. Sometimes you feel you have the truth of a moment in your hand, then it slips through your fingers and is lost.”

    E ainda dizem que a Metafisica está morta…ao menos para Pinter, não.

  78. sue

    Quando tomei conhecimento atravez dos noticiarios sobre a morte de **Pinter** pensei…Como sera que Gerald Thomas esta recebendo a noticia???

    Pois infelizmente mais um Genio se foi , mas ja vinha lutando contra um cancer a anos…que descanse em paz…pelo menos fica sua obra eternizada para toda uma vida…

    Bom fim de semana a todos

    Sue

  79. Ana

    Nina, se é n.d.a., o que seria, então.

    Eu acho que é para resitir. Arte é a única forma legítima de resistência.

    Sandra, gostei do aumento de alternativas, mas não entendi: “não criamos”?
    Não criamos para “eu sou o Gerald”. Não entendi.

    Gerald, claro que vc ainda responde, mas não respondeu. Desculpe se pareceu uma ultrapassagem de veículos. Sorry, ok?

  80. Ana

    Ué, cadê meu comentário?

  81. Ana

    Já achei… Foi parar lá em cima…

  82. Ana

    Sandra, ok, entendi até a f. A g (de Gerald) não entendi. Seria “não criamos para não sermos o Gerald”? Diga. Quando encontrar esse lá em cima, como se eu tivesse respondido antes da sua pergunta. Ó Santa Língua Lusa! (refiro-me aos códigos, aos códigos de programação, todos malucos, malucos como realmente o são).
    bjs!

  83. gthomas

    Bom, Reinaldo: se vc esta se referindo a algum Geraldo, acho que voce errou de blog.

    Meu nome eh Gerald. com D no final

    quanto as ilustracoes (eu ainda respondo….) a do fundo desse blog, aqui embaixo, eh da OpEd Page do NYTimes, coisa que eu tinha que fazer quase todos os dias porque pagava. O LaMaMa quase nao pagava,
    Os de cima, foram rabiscos pra Luartrovado, uma adaptacao de Pierrot Lunaire de Schoenberg que montei no SESC Pinheiros em 2007.

    Ta bom, Reynold?

  84. gthomas

    ENTENDEU AGORA REYNOLD?

    E SE NAO ENTENDEU

    VA NA http://www.geraldthomas.com e clica na porra da materia

    A FIGURATIVE LANGUAGE

    da revista PRINT de 1983.

    La tem tudo que eh Grafico meu. Pronto, Penetelho!

  85. Londrina

    Vamp,Gerald.
    Como passaram o natal.??? Andei meio sumida e não deu nem tempo pra desejar feliz natal a todos.
    Espero que todos tenham tido um ótimo natal.

    Vamp, adorei o seu comentário sobre o ateismo.,numa resposta que vc deu a uma das participantes do blog.

    Vamp, admiro a sua coragem. Não é facil dizer que é ateu num país onde as pessoas se dizem crentes(qdo eu digo crente me refiro a crença e não a religião)(Estou dizendo isso ,pqe disse isso uma vez e um comentariasta disse ,eu não sou crente sou catolico) As pessoas ainda associam crente a religião.

    Acredito que muitas dessas pessoas que dizem “SE DEUS QUISER” GRAÇAS A DEUS” falam automaticamente numa força de expressão, pqe nem acreditam no que estão dizendo.

    Acredito sim, que no futuro o ateismo deve aumentar e as pessoas vão dizer que são ateus sem aquela cobrança que é feita hoje qdo alguém se diz ateu.
    É ,vampinho , a coisa tá feia.!! Não para de morrer gente., né?
    Beijos.

  86. Sandra

    Gerald, você desenha MUUUUUUUUITO!!!!

  87. gthomas

    Sandrerrima: desenhava. nao desenho mais. Sem tempo.

    A Folha sobre Pinter, Traduziram errado Kitchen sink drama (quer dizer TEATRO REALISTA)

    Um dos maiores autores de teatro contemporâneos, o dramaturgo, diretor, ator e poeta inglês Harold Pinter, Prêmio Nobel de Literatura em 2005, morreu anteontem à noite, aos 78 anos, em Londres.
    Ele sofria de câncer no esôfago, diagnosticado em 2002. A notícia foi dada por sua segunda mulher, a escritora Antonia Fraser, que também declarou: “Foi um privilégio viver com ele por mais de 33 anos. Ele nunca será esquecido”.
    Pinter escreveu mais de 30 peças, com destaque para “Volta ao Lar”, de 1964. Também poeta, assinou ainda textos para rádio e TV, e roteiros, como “A Mulher do Tenente Francês” (1981). Um de seus últimos trabalhos foi o roteiro do filme “Um Jogo de Vida ou Morte” (adaptação para a peça “Sleuth”, de Anthony Shaffer).
    À emissora de televisão BBC o crítico de teatro do jornal “Sunday Telegraph”, Tim Walker, disse que as peças de Pinter tinham “longos silêncios, em que os personagens nem sempre iam a algum lugar, algo bem parecido com a vida real. Ele trouxe realismo ao teatro.”
    Em entrevista à emissora de TV britânica Sky News, Michael Billington, amigo e biógrafo de Pinter, afirmou que o dramaturgo “era uma figura política, um polemicista e empreendeu duras batalhas contra a política externa americana […], mas na vida privada ele era o mais leal dos amigos e mais generoso dos humanos.”
    Pinter nasceu em 30 de outubro de 1930, no East End londrino, filho de imigrantes judeus. Em meados da década de 50 começou a escrever peças, sendo “O Quarto” a primeira a ser publicada, em 1957. Um ano depois, “Festa de Aniversário” foi montada no West End londrino, logo saindo de cartaz após receber péssimas críticas. Foi somente com a segunda peça, “O Zelador” (1959), que se firmou como um dos mais importantes dramaturgos do país.
    No Reino Unido, Pinter era associado ao grupo Angry Young Men (jovens irados), movimento cultural no teatro, literatura e cinema britânico de meados dos anos 50, cujo vetor nos palcos foi o “kitchen sink drama” (drama pia da cozinha): peças que descreviam situações domésticas da classe operária. Atualmente, sua influência como dramaturgo é sentida nos trabalhos de Patrick Marber, na Inglaterra, e Sam Shepard e David Mamet, nos EUA.
    Em 2002, o dramaturgo se referiu à doença num poema publicado no “The Guardian”: “Células cancerosas são aquelas que esqueceram de morrer.” Em 2005, Pinter disse, em entrevista à BBC, que não iria mais escrever peças: “Acho que parei de escrever agora, mas não parei de escrever poemas. Acho que o mundo já teve peças minhas o suficiente.”

  88. sol -sampã

    Gerald, obrigada pelo presente de natal – Liebstod.Obrigada por fazer minha vida menos superficial.Do fundo do meu coração um beijo.

  89. Sandra

    Ana, adorei a questão com alternativas. Posso adaptá-la para meu estilo?

    Aliás (Ah, manterei esse aliás! É a minha cara!), não criamos para:

    a. não negar
    b. não afirmar
    c. não resistir
    d. não insistir nas alternativas a ou b ou c.
    e. todas as anteriores (olha a pegadinha! );
    f. nenhuma das anteriores ( continuem ixxxpertos!);
    g. eu sou o Gerald;

    Perguntas: – Para que criamos?
    – Eu sou o Gerald?
    – Como foram de Natal? ( O que tem isso a ver? Credo! Não posso ser educada?)

  90. Sandra

    “Células cancerosas são aquelas que esqueceram de morrer.”

    ESQUECERAM de morrer…

    Isso foi …

  91. sol -sampã

    Polemicista ..gosto disso.

  92. Ana

    Gerald, eu acho que algumas pessoas estão escrevendo com a máquina em horário de verão e outras, não. Bom, o horário de verão, acredito, não afeta todos os estados brasileiros, sem contar quem está fora do Brasil. Por isso a postagem sai fora de ordem. O sistema (WordPress) “lê” “como hora”, o fuso configurado na administração do blog. Acho que passando o horário de verão, tudo volta ao normal. Se não voltar, deve haver um jeito de indexar a postagem por outro valor. IDs, por exemplo. Vou fuçar no meu WP mais tarde, e se descobrir uma outra forma de indexação de comments, te aviso, ok?

  93. Sandra

    Se o nome do Harold não era Harold? Só faz diferença para quem quiser entendê-lo, e suas escolhas.
    Eu só quero conhecer uma pessoa até onde ela me permite. Então, para mim, não faz diferença.

  94. Liliane

    Caro G,

    (G=habilidade nata para fazer amigos de forma a mantê-los o mais distante possível)

    Legal aí a habilidade para decorar nomes. Risinho amigável de quem acabou de acordar com extremo mau humor. Parabéns!

    Por que nos blogs que leio ( o único que tenho lido é o do próprio) as pessoas se interessam por comentar a postura alheia?

    Já reparou como as chuvas torrenciais são belas? Já reparou na beleza dos incendios? Vc gosta de desastres? Enfiml,…

    Tanto assunto e pessoas são o objeto de interesse predileto da candinha.

    Eu cá de minha parte tenho procurado controlar em oração ( senhor, ajuda-me a não falar péssimo dos blogs que leio) A minha intimidade com o Criador ( como deve ter percebido) não anda boa. Ele não tem atendido minhas preces.

    Mas, sim…
    Voltando ao meu superinteressante comentário.

    Já pensou em escrever ou já escreveram ( Lá em cima tenho certeza de que faltou alguma pontuação, ,mas estou com preguiça de procurar vou colocar um ponto e vírgula que deve servir para alguma coisa: 😉 sobre convenção de loucos?

    Não acha que seria interessante? Pessoas loucas que vivem em mundos diferentes ( diferentes do mudo que os normais vivem) interagindo ? Não acha que seria legal?

    Eu não acho.

    Por isso acho que deveria escrever sobre o sol se pondo. Ou sobre batedeiras e martelos que são coisas simples, porém complicadas de serem entendidas.

    Faz tempo que eu não converso com o Marcelo. Vou deixar aqui um recado para ele ( para o caso coincidente de que ele apareça e que ele leia exatamente o meu comentário) :

    Oi Marcelo, tudo bem com vc?

    Ow G, ganhou presente de papai do céu?

    Eu sim.

    Aprendi a controlar a euforia. Não é lindo? Está parecendo que aprendi? Não?
    E de papai Noel, vc ganhou algo?

    Teh

  95. Sandra

    Quem está por trás de cada nick? Aceito saber apenas o que cada um quiser contar.

  96. Sandra

    ESQUECERAM de morrer…

    O único heterônimo de Fernando Pessoa que morreu foi Caeiro, que ele considerava o mestre de todos os demais, inclusive o seu. Foi o único honrado com uma vida completa. E uma vida completa inclui a morte.

    A Páscoa cristã é uma celebração da morte, mas a vê como um renascimento. A morte, o nascimento… Essas coisas se misturam. Misturaram-se agora, e, pelo jeito, misturaram-se com Beckett.

  97. Sandra

    “Escravo, senhor, aquelas coisas: o poder do não dito, o “desdito”, o “mal-dito”… uma relação de poder não resolvida entre classes … ”

    Puxa…

  98. Sandra

    “Como se vê, o século XX foi pontuado por autores que deixaram sua marca por algo “unique” e, no entanto, semelhante. O quê? O Bairrismo!”

    E você, Gerald? Localiza-se em algum lugar? Não necessariamente o lugar onde nasceu, ou onde cresceu, ou onde vive… Eu não consigo situá-lo num único lugar. Eu também não consigo situá-lo em nenhum tempo. Isso deve ser sensacional!

  99. gthomas

    Londrina: foi tudo otimo, obrigado,

    Ana: os comentarios aqui no IG sao meio doidos: uns vao parar la em cima, outros ca embaixo…..sugiro ao IG um sistema de googlesearch pra comentarios!!!

    Sandra: onde eu me localizo? Ainda estou com 50 e muitos anos. Nao me vejo na obrigacao ou na intencao de me definir numa “regiao” ou outra: talvez fosse melhor dizer o que eu disse ontem numa reuniao sobre teatro- escrevo sobre o nomadismo e sobre a diaspora das pessoas; nada a ver com judeus, mas a diaspora cultural constante!!!!! Hoje, a merda toda que se ve por ai na tv e na internet

  100. Sandra

    Gerald, a gente não se define numa região. É ela que nos escolhe. Às vezes, você pode odiar um lugar, mas não adianta, você pertence a ele. Acho que o mundo te escolheu.

  101. gthomas

    do Blog do Alberto Guzik

    o teatro perdeu uma de suas vozes maiores. morreu neste dia de natal de 2008 o inglês harold pinter, um senhor dramaturgo que foi premiado com o nobel há três anos. escritor notável, autor de textos muito poderosos, recusou o realismo estrito nas suas peças perturbadoras e contundentes. um homem de grande estatura intelectual e moral, que sempre esteve a favor das causas certas, tornando-se uma das vozes mais esclarecidas de seu tempo. neste ano em que tanta gente notável partiu, a morte de pinter é um golpe a mais. e profundo. ele foi vitimado pelo câncer contra o qual lutava há anos. a ausência de pinter lança uma nota sombria neste dia que é de festa e celebração. nessa hora lembro que devemos a estréia profissional de pinter no brasil a antonio abujamra. na década de 60, pinter já havia sido encenado aqui por estudantes de teatro. mas em 1964 o bruxo abu apresentou no teatro cacilda becker, que funcionava na sede da federação paulista de futebol, na rua brigadeiro luís antônio, uma versão de “the caretaker”, que batizou de “o inoportuno”, com seu grupo, o teatro decisão. no elenco estavam emílio di biasi, fauzi arap, e sérgio mamberti, se não me engano. nunca vou esquecer o impacto daquele estranho e forte texto não realista, que apesar de tudo é realista. quase quatro décadas depois eu o revi, numa montagem de selton melo em que o título do texto se reaproximou do sentido original, “o zelador”. o impacto e a força continuavam os mesmos da década de 60. coisa igual pode ser dita de outros textos do autor, como “o aniversário”, “volta ao lar”, “traição”, que continuam exibindo agora o mesmo impacto que exerciam na estréia. poucos dramaturgos conseguem isso. pinter foi um deles. um dramaturgo para seu tempo e para os tempos futuros, pois retratou um desconforto de viver que não acaba nunca.

    p.s. jerry thomas escreveu um texto gênio sobre pinter, onde informa que o autor era português, nascido em lisboa, filho de judeus, e que seu nome de batismo era haroldo pinto. a família foi para a inglaterra quando o futuro nobel ainda era um bebe.

  102. Sandra

    Meu palpite é que não faz diferença você ter 10, 50 ou 90 anos. Não faz diferença nem você se fixar em um lugar. O mundo te escolheu.

  103. Sandra

    Reinaldo, eu sei que “te” e “você” são incompatíveis, viu?Acho melhor já dizer isso, senão você vai comentar esse assunto INTERESSANTÍSSIMO em TODOS os futuros comentários.

  104. Sandra

    Beijos em todos!

  105. Sandra

    Só uma volta rapidinha. Ana, a resposta certa é a g. Como eu pedi para assinalar a que não está certa, isso significa:
    -que eu não sou o Gerald;
    -que não tenho a menor idéia da razão para criarmos;
    -e que eu desejo que todos tenham tido um ótimo Natal.

    Agora sim! Beijos em todos!

  106. gthomas

    Acabei de liberar comentarios da Liliane
    e nao consigo ve-los na tela.

  107. gthomas

    Ana, entendi

  108. Cristina

    Nina,

    Eu é que agradeço a você pelas lindas músicas e palavras.

  109. Nina

    Ana

    no mundo, não existem respostas de “alternativas” para algumas questões, pq criamos é uma delas.

    Criamos pq somos humanos e se não criamos ficamos doentes. Criamos pq nossa imagem está sempre espreitando em nosso espelho e nossa falta nos reflete o espetáculo da criação. Em graus diferentes.
    A morte é o fim da criação
    E pode acontecer em vida
    Está acontecendo exatamente agora.

    bjs Ana

  110. Nina

    mas a questão ainda é o silêncio
    o silêncio
    o silêncio
    o silêncio
    (5x)

    ele pode ser mortal, ou devastador

    What I need is a good defense
    ‘Cause I’m feeling like a criminal
    And I need to be redeemed
    To the one I’ve sinned against
    Because he’s all I ever knew of love

  111. Nina

    SILÊNCIO

    me curvo, não suporto mais ele, nem palavras que são equivalentes a ele de tão vazias…..

    “há uma infinidade de pequenas janelas
    penduradas no vazio.
    A cada janela aberta uma cena diferente
    se revela.

    A vista é um espelho.
    Assim, quando você fita seu próprio reflexo e nota os olhos
    de desespero sobre si, é fácil senti-lo agarrando e apertando seu coração.”

    me calo agora

  112. Ekran

    Gerald, porque vc não faz uma peça com Pinter como personagem? E com Beckett também? Esses “personagens” vivos no palco, sem concessões a nossas “leituras saudosistas” que fazemos deles…talvez vc seja um dos pouquissimos que poderiam encarar tal montagem.

    Axé!

  113. Nina

    Tem um livro que se tornou filme, inclusive premiado, que ao meu ver reflete muito sobre voce.

    Se ainda não viu, vai a dica, se viu, faça uma reflexão.

    “O escafandro e a borboleta”

    Feliz Ano novo

  114. Nina

    Collor querido

    sim eu vi esse filme
    acertou eu amei
    me revela sim
    muito delicado sr. collorido

    bj

  115. Nina

    boa noite
    até algum dia

    bj a todos

  116. O Vampiro de Curitiba

    Boa noite, meus amores! Comeram bastante chocolate? Ahh, não! Chocolate é na Pascoa, né? Então, ganharam muitos presentes?
    Eu tô meio assim… solitário… hoje a noite não tem luar, e estou sem ela…

  117. O Vampiro de Curitiba

    Londrina, querida, só agora ví seu comentário. Estava com saudades de você, sabia? Não some, não, tá? Com você por perto, gosto mais de mim.

  118. Ana

    É, Nina, está acontecendo agora, ao redor do mundo todo… Louca pulsação, essa. Aliás, qual pulsação não é meio doida, me diz?

  119. Nina

    voltei só prá dizer
    que Gerald escreve lindamente

  120. Reinaldo Pedroso

    “26/12/2008 – 15:45

    Enviado por: Sandra

    Gerald, você desenha MUUUUUUUUITO!!!!”

    Concordo integralmente, Sandra, por isto perguntei.
    Sou cartunista, ilustrador e professor aposentado do Curso de Design Gráfico da Universidade Federal de Santa Maria/RS, nesta ordem de importância para mim.
    Reinaldo

  121. Reinaldo Pedroso

    Nina, Ana, Sandra e Gerald
    Estou em um Cyber, por isto não responderei suas mensagens agora.
    Reinaldo

  122. Ana

    Sandra, seria a inércia a força não criativa o não criadora. O que faz a inércia enquanto em corpo inerte? Ativa seu potencial?

    Agora, esse comment, por exemplo, vai parar lá em cima contrariando a lógica da ação de resposta antes da pergunta.

    Ainda bem que só postei perguntas, também.

  123. Ana

    Sandra, seria a inércia a força não criativa o não criadora? era uma pergunta…

  124. Sandra

    Ah Ana, havia um erro nas minhas alternativas. Eu disse Não criamos, e não assinale a errada. Eu não deveria fazer pegadinhas lógicas com o cérebro cheio de vírus!

  125. Sandra

    Reinaldo, por que não perguntou diretamente ao Gerald?

  126. Passei para conhecer e… Aprender

  127. Sandra

    Vamp, Natal não precisa ser convencional!
    E aí? Comeu muito chocolate?

  128. Sandra

    Nina, o poema é belíssimo!

  129. Sandra

    Ana, quando ensino velocidade a meus alunos, digo a eles que a pegunta “por que as coisas continuam se movendo?” está incorreta. O certo seria perguntarmos: Por que as coisas param?

    Por que NÃO criamos?

  130. Valéria

    Vi pouca coisa montada do Pinter . Aliás, a última foi no Riocena, eram quatro cenas… Li “Volta ao Lar” há muito tempo, mas sempre me lembro de umas frases que o filho fala pro pai,entre outras.
    Também assisti à peça ” O Zelador”, com a direção do Michel. Eu sempre penso em voltar a lê-lo… Confesso que não tenho muito o que dizer sobre. Tudo em suspenso, talvez tudo imaturamente esquecido…

    É, o silêncio é iminência, como alguém já disse.
    É um horizonte…

    E o silêncio colocado no palco é sempre opaco… e ficamos lá… É um bom lugar pra se colocar e ouvir nossos silêncios, violentos ou não. Capazes de nos envolver, de nos afastar, de nos aterrorizar, de nos marcar pra sempre, de nos… enfim sem fim, o infinito
    e também uma atitude; geradora e gerada.

    Lembro do Gerald contando que em M.O.R.T.E ficava-se em silêncio e na imobilidade durante sete minutos e então… e então coisas aconteciam neste drama-silêncio: este ato provocava outros muitos atos…
    Um dia vc podia contar sobre estas experiências, né Gerald? O que estes sete minutos (era isso?) de silêncio provocavam na platéia. Adoraria ouvir/ver mais sobre isso. Tem gravado???

    Gostei de ler sua experiência sobre o Pinter. E me deixou curiosa pra saber do olhar do Beckett… Mas

    O resto é Drummond em Nudez: “Não cantarei o mar: que ele se vingue de meu silêncio nesta concha”

    Mas ainda resta a rabanada.

    inté

  131. Sandra

    Ana, a inércia diz que, se você está parado, continuará sempre parado, caso nada ocorra para mudar isso, e, se estiver em movimento em linha reta e a passo constante (MRU), continuará assim indefinidamente, caso nada ocorra. Aliás, esses dois estados são indistinguíveis. Assim, é errado perguntar: o que faz com que uma bola continue em movimento? Nada faz. Isso é natural. Na verdade, o mundo faz com que ela pare. Qual é o estado natural do ser humano: criar ou não criar?

  132. Sandra

    Ou a criação é nosso estado natural ou é a força que nos tira desse estado: parado ou a passo constante?

  133. Sandra

    Somos naturalmente criativos e o mundo nos cala? Ou, se não formos à luta, ficaremos num estado de não-criação?

  134. Sandra

    O artista procura o mundo, ou é o mundo que lhe molda?

  135. Sandra

    Boa noite a todos! Vou curtir meus vírus e delirar na cama!

  136. gthomas

    Sandra: Essa pergunta eh terrivel e ninguem ate hoje sabe responde-la. Se o artista eh moldado pelo mundo em volta ou vice versa eh uma das mais profundas perguntas que existem, ou talvez uma das mais simples: mozart escrevia sobre isso.
    Muitos debatiam essa questao ate teosoficamente e, no entanto, no caso de Harold Pinter, ele nao passava (odeio ter que dize-lo) de um simples plagiador de Samuel Beckett.
    LOVE
    G

    PS a explicacao esta no proprio video de aceitacao do Nobel quando ele diz que se refere a cor Negra como “mulher” ou decide chamar seus personagens de A, B,C ou D….

    Deus do Ceu,,,,,o 1 a fazer isso foi Sam Beckett tao explosiva e explicitamente,…..

  137. Olá!! Gosto muito do seu jeito de escrever apesar de acarmos que não temos nada em comum. Mas me sentiria extremamente lisongeada se você pudesse fazer a caridade de dar uma olhadinha no meu blog e dzer se estou indo pelo caminho certo. Preteno escreveer sempre sobre coisas corriqueira, com pitada de humor sarcástico, mas sempre expressando MINHA opinião. Já tenho alguns seguidores, fora os ue o lêem esporadicamente e gostam muito. Será que se tivesse algum tempinho sobrando, faria isso? Desde já agradço e já fico feliz pelo contato.
    Reforçando: http;//monyapadovini.blogspto.com
    Beijos e bençãos

  138. Ana

    Nossa, levei bronca hoje, de uma pessoa que insiste que Harold Pinter nasceu em Londres, a 10 de outubro, e sofri a desconfiança de outra que, pesquisando no Google, descobriu a mesma coisa. Como sempre, defendi a informação passada por vc, Gerald, pq é o que eu sempre digo (principalmente quando se trata de vc), “o Gerald não é pouca coisa”. Ou seja, não vai sair por aí, com a antena que ele tem, dizendo qualquer asneira.

  139. gthomas

    Ana, por mim o Pinter pode ter nascido em Londres, em Leeds, em Liverpool ou em Manchester ou ate em Dover. I don’t care. Se nasceu em Lisboa ou Porto ou acabou a vida bebado com vinho do Porto , esse eh somente um detalhe.

    Somente um detalhe: o que mais importa eh a sua obra, ou melhor a sua imitacao dos trabalhos de Beckett.

  140. Ekran

    “a imitação dos trabalhos do Beckett”…taí o script a ser montado. É isso, o que levaria alguém a passar sua vida imitando os trabalhos de outro? os “doze trabalhos de Pinter”, um Hercules as avessas, é isso ,Gerald. Quanta gente boa passa a vida assim, sob eclipse e não brilha? Pinter brilhou? Sei lá! Eis o tema e daria uma baita controversia, que é do tipo que se mais precisa nesses dias de “politicamente corretos”…

    e hoje eu vi uma noticia de que os agentes da CIA estão usando Viagra para “negociar” com os informantes no Afeganistão. Da-lhe, Pfizer!

    Axé!

  141. Ekran

    sobre imitações…tem gente que passa a vida “à sombra” dos grandes mestres…musica, literatura, pintura,cinema,teatro…a caverna de Platão ilustra seres que confundiam as sombras com seus proprios eus, refletidos nas paredes, até que um deles sai e enxerga a realidade…ser bem sucedido com imitações NÃO é o mesmo que brilhar com luz propria, e diante do atual tsunami de mediocridade na musica,na literatura, na pintura, no cinema e no teatro, poderia afirmar que estamos nos acostumando a ficar na caverna…covardemente.

    (as vezes alguém atira um par de sapatos na nossa cara, mas fingimos que não é conosco)

    Gerald, eu A-D-O-R-E-I a sua entrevista com o Michel Melamed, sobretudo naquilo que você expõe sobre a mediocridade. O problema é que a maioria dos novos talentos não compra essa briga. E os grandes talentos já consagrados só assistem, de camarote.

    E tem pouquissimos, como você, que põem o traseiro pra fora, se necessario.

    Minhas esperanças estão no teatro…as demais artes já ficaram enlatadas demais, prontas para consumo e descartaveis já na resenha. E as resenhas, meu deus!

    See you!

  142. Reinaldo Pedroso

    26/12/2008 – 22:50
    Enviado por: Sandra
    Reinaldo, por que não perguntou diretamente ao Gerald?

    24/12/2008 – 01:12
    Enviado por: gthomas
    24/12/2008 – 01:04
    Enviado por: Sandra
    Reinaldo, o que você faz pela África além de cobrar o Gerald para fazer algo pela África?

    Pois eh….amam cobrar aquilo que nao conseguem crocodilhar
    essa fila de reptilizacoes!!!!

    24/12/2008 – 14:27
    Enviado por: gthomas
    Sandra: adorei as suas respostas aquele cobrador

    Sandra, as mensagens acima justificam porque não perguntei diretamente ao Gerald quem é o autor das ilustrações do blog.
    Reinaldo

  143. Reinaldo Pedroso

    “26/12/2008 – 10:03
    Enviado por: Nina

    ah.. acho que sei…
    Reinaldo isso faz alguma diferença prá vc?
    de verdade?
    pq se incomoda tanto
    pq não deixa os 2 em paz?
    sabe Reinaldo, na boa, essa conversa é antiga e chateia, e é muito rasa e inútil essa coisa de quem é quem no papel de quem.
    Me diz, pq Geraldo?
    pq desenhos?
    pq essa raiva?
    só me diz
    tenha um ótimo dia…”

    Nina
    “Quem é quem?”, me importa, sim.
    “Geraldo”: o Gerald entendeu, tanto é que me chamou de Reynold.
    “Os desenhos” são ótimos, por isto.
    “Raiva”, não, irreverência provocativa. Agora já sei com quem(!) estou falando.
    Gracias, um ótimo dia pra ti também.
    Reinaldo

  144. Reinaldo Pedroso

    26/12/2008 – 15:36
    Enviado por: gthomas

    Bom, Reinaldo: se vc esta se referindo a algum Geraldo, acho que voce errou de blog.
    Meu nome eh Gerald. com D no final
    quanto as ilustracoes (eu ainda respondo….) a do fundo desse blog, aqui embaixo, eh da OpEd Page do NYTimes, coisa que eu tinha que fazer quase todos os dias porque pagava. O LaMaMa quase nao pagava,
    Os de cima, foram rabiscos pra Luartrovado, uma adaptacao de Pierrot Lunaire de Schoenberg que montei no SESC Pinheiros em 2007.
    Ta bom, Reynold?

    Gerald
    “(eu ainda respondo….)”. Por que não? Além do mais, a minha pergunta oportunizou informares aos frequentadores do blog coisas do seu(deles) e teu interesse.
    “Rabiscos”, soa menor. Rafes (roughs), são o melhor da criação gráfica, visualizar rapidamente idéias. A fluência espontânea fica registrada no traço.
    Reinaldo

  145. Reinaldo Pedroso

    Ana
    Tentei ser irônico no todo da mensagem em questão.
    Mas, eu não negaria minha nacionalidade brasileira , nem mudaria o meu nome para Reynold Stoned(?) por qualquer razão.
    Beijos
    Reinaldo

  146. Paulo G.

    O Geraldo que ele se refere eh aquele entrevistador americano
    (ainda existe?)

  147. Nina

    Entendi Rinaldo

    é que talvez vc não acompanhe, mas essa de quem é quem é um assunto antigo por aqui e relamente já encheu o saco.
    Mas entendi pq prá vc é importante saber.
    Poderia ter perguntado diretamente, concordo com a Sandra
    e se estiver interessado nos desenhos, realmente muito lindos, veja o livro de Silvia Fernandes: GT Um Encenador de si mesmo, tem alguns desenhos de G.
    Me desculpe pelo meu entendimento errado.

    Vc foi professor de design gráfico?
    temos algo em comun

    bom dia!

  148. Nina

    Ana,
    bom dia!

    só posso te responder dentro do que sei, não sou atriz, nem autora, então te digo (a questão é complexa mesmo como disse gerald, mas teve gente que tentou responder)

    Winnicott, pediatra psicanalista ingles, acreditava que a criatividade era inata, havia o potencial que poderia ser desenvolvido pelos pai ou equivalentes na infância ou pelo terapêuta na idade adulta. Para ele o ato criativo estava diretamente ligado a capacidade de brincar. (na infancia ou na vida adulta) e de poder criar objetos transitórios que preenchessem o vazio de estar só. É ali que se dá a criatividade, no estar só. Digo eu: hj, está cada vez mais difícil ficar consigo mesmo.
    Freud nunca falou em criatividade, mas em narcisismo, em relação com objeto, em objeto especular, e analisou muito a cultura e a arte. Prá ele talvez seja algo interno, mais ligado à sublimação. Poucos tem acesso a esse dispositivo de criação, pois é um mecanismo de defesa altamente elaborado. Digamos que tem a criação zinha e a criação maior para poucos, por exemplo Gerald Thomas. Freud não acredita em nada potencial a ser desenvovido, ele acredita que o mundo é uma merda. Não é esperançoso como Winnicott
    E aí vem Jung e pira de vez, a criação é mística, inerente a um inconsciente coletivo, e um processo natural de amadurecimento da psique, que se dá principlamente após os 30 anos. Para Jung a arte é puro inconsciente, por isso os loucos criam melhor.

    Sei lá, espero não ter sido chata, mas é disso que posso falar com mais segurança.

    Mas, toda arte, seja lá qual for, é da ordem do fascínio humano, e aí prefiro me ausentar dos conceitos lacanianos, antes que Geral me bloquei prá sempre. Para Lacan arte é Agalma, sim a do Banquete de Platão.. se se interessar procure, é um conceito incrível sobre arte e falta.

    bjs Ana e Sandra

  149. Nina

    ah Ana tem um filme que mostra um processo interessante de criação.

    Cama-se Lucia y el sexo de Julio Medem

  150. Nina

    e claro a linda ficção A Pele, sobre o processo criativo de Diane Arbus

  151. Paulo do ponto G.

    Paul Krugman na entrevista ao Washington Post:

    How bad do you think this is going to get?

    Awful. Without a major stimulus package — sorry, I guess the politically correct term is now “economic recovery plan” — I’d say that we were definitely headed for double-digit unemployment. Right now the economy is clearly falling as fast as, or faster than, it was in 1981-82, which was a terrifying slump. If Obama doesn’t come up with a massive plan, and possibly even if he does, this is going to be a slump that pushes 10 million-plus Americans below the poverty line, and more.

  152. Paulo do ponto G.

    And how soon do you think it will be before Republican ideologues start blaming Obama for making it worse? Grover Norquist is already making the claim that the bear market is a result of the 2006 election — he says investors started dumping stocks because they were afraid of the inevitable tax hikes coming down the road. How do you fight that?

    To some extent you can’t fight it — people will believe what they want to believe. If they can make FDR the cause of the Great Depression, they can do anything. But one thing progressives can do is make sure that the story of the Bush administration is told, in all respects. There’s going to be huge pressure from the usual suspects to let bygones be bygones, to forget about everything from torture to reckless disregard of financial warnings. But I want truth and reconciliation across the board, and progressives have to make it clear that it was an ideology, not an act of God, that made this crisis possible.

  153. Assassinaram os escrúpulos e a ética. Uma esquerda hipócrita que permite indenizações milionárias aos grandes executivos e o triunfo do predador sobre o empreendedor. Esta esquerda está na política, nos meios de comunicação, na economia. Ela tomou o gosto do poder. A crise da cultura do trabalho é uma crise moral. Vou reabilitar o trabalho. Deixaram sem poder as forças da ordem e criaram uma frase: “abriu-se uma fossa entre a polícia e a juventude’. Os vândalos são bons e a polícia é má. Como se a sociedade fosse sempre culpada e o delinqüente, inocente. Defendem os serviços públicos, mas jamais usam o transporte coletivo. Amam tanto a escola pública, mas seus filhos estudam em colégios privados. Dizem adorar a periferia e jamais vivem nela. Assinam petições quando se expulsa um invasor de moradia, mas não aceitam que o mesmo se instale em sua casa. *Essa esquerda que desde Janeiro de 2003 renunciou o mérito e o esforço, que atiça o ódio contra a família, contra a sociedade e contra a República. Isto não pode ser perpetuado num país como O Brasil e por isso estou aqui. Não podemos inventar impostos para estimular aquele que cobra do Estado sem trabalhar. Quero criar uma cidadania de deveres. “Primeiro os deveres, logo após os direitos.”

  154. Nina

    Sandra e Ana

    Estou aqui vendo pelo canal brasil o documentário “Doces Bárbaros”, muito emocionante de um tempo que não vivi.

    Mas o que me chamou a atenção foi o julgamento de Gil, filmado, por ter falado sobre o uso da maconha, e a condenação a um hospital psiquiátrico, acho que em 76 com 34 anos. Lá ele produziu muita arte.

    Meu deus, isso é histórico. E eu só estou aqui por causa disso.

    Se a vida é uma merda…
    ” Amarra teu arado a uma estrela
    E aí tu serás
    O lavrador louco dos astros
    O camponês solto dos céus
    E quanto mais longe da terra
    Tanto mais longe de deus”
    (Gil)

    amo esse homem!

    e hj onde estão todos? sinceramente não gosto de Betânia, nem de Gal, tolero Caetano as vezes.
    Envelhecer é se perder de si?

    Gil! Gil! Gil! viva Gil! ainda vou te conhecer rapaz…

  155. Nina

    caralho

    eles cantando juntos Faca amolada é lindoooooooooooo

  156. Sandra

    Reinaldo, por que o medo de ser gentil? Viu os desenhos assim que entrou no blog.

  157. Sandra

    Será que a imitação não é o primeiro passo para a criação? Se Pinter a fez com tanto talento, será que não tinha uma luz própria que o permitiria ir além? Por que isso não ocorreu?

  158. Sandra

    Mozart, Winnicott, Freud, Jung,… Puxa!…
    De O Banquete, lembro-me da discussão sobre o amor.
    Boas referências para um dia frio e chuvoso!

  159. Pura merda!!

    Nina

    Gil, Paulo Betti e Chico Buarque sujaram totalmente sua biografia, hoje para min são nada, absolutamente nada ou simplesmente MERDA PURA!!

  160. gthomas

    Paulo G

    O Geraldo Rivera ainda existe: esta na Fox.

    Quando vc acha que ele nao poderia fazer mais coisa chata nesse mundo ele surge na Fox News num programa qualquer: mas vamos la: ele foi o primeiro Jerry Springer da Historia. Isso ele foi.

  161. Paulo do ponto G.

    “Existem almas vazias que têm sede de sensações fortes para encher seu deserto interior. Elas se inclinam, por isso, para o mal.”( Wilhelm Reich, 1951, p.121)

    Talvez você nunca tenha ouvido falar em peste emocional. Talvez nunca tenha lido nada específico a respeito, mas com certeza já deve ter tido alguma experiência desse gênero. A peste emocional geralmente aparece velada, por trás de boas intenções, no intuito de ajudar o outro e a sociedade. No entanto, com o passar do tempo, a pessoa acometida por essa “doença”, vai invadindo todos os espaços, como uma erva daninha invade uma plantação ou um câncer invade um organismo vivo, dominando tudo o que está a seu redor.

    O indivíduo acometido pela peste emocional pode estar ao nosso lado, dentro de nossas casas, de nosso circulo de amizades, de nosso trabalho, ou então, ser totalmente desconhecido e estar distante. Mas é real!

    Em casa, junto à família, o indivíduo acometido pela peste emocional, em troca de poucos minutos de prazer difama o irmão, o filho, os país e outros familiares, sejam eles próximos ou não. Faz de conta que brinca de esconder coisas importantíssimas, mas esconde de verdade; finge ser o filho ou o pai bondoso, mas odeia quem está por perto e pode atrapalhar os seus planos; tem um espírito vingativo mesmo que leve alguns anos para que suas idéias se concretizem; mata por herança, apólice de seguros, poder e muito mais.

    No trabalho, a pessoa que tem a peste até parece ser um bom colega, mas usa uma máscara, quase sempre imperceptível, cujo prazer é denegrir, difamar e destruir tudo aquilo que não foi construído por ele, do jeito dele, submisso a ele. São pessoas que gastam grande parte do tempo desenvolvendo vírus de computador para destruir programas importantíssimos, valiosos, que levaram dias, meses e até mesmo anos para serem construídos, só para ter uns poucos minutos de prazer sádico e doentio, vendo a desgraça dos outros.

    Um educador acometido pela peste emocional alega que as crianças são difíceis de educar e por isso seus métodos severos e autoritários são necessários, encontrando toda espécie de argumentos superficiais para apoiar sua convicção de que age pelo bem da criança.

    De acordo com Reich (1983), algumas formas de educação, como por exemplo, enfaixar o bebê tolher seus movimentos, alimentar conforme horários estabelecidos pelo médico, avó ou pela própria mãe, amarrar as mãos do bebê, etc, é a expressão da praga emocional do adulto e tem como resultado o encouraçamento do bebê que, posteriormente, fará um esforço desesperado para não se lembrar da possibilidade de prazer na primeira infância. Diz Reich (1983): Quase toda mãe sabe profundamente o que a criança é e do que ela precisa, mas a maioria das mães segue teorias falsas e perigosas, de teóricos superficiais, em vez de ouvir seus próprios instintos naturais.

    Uma pessoa acometida pela peste emocional,como não consegue se promover pelo esforço próprio, busca se promover por meio da destruição do outro. Em vez de escrever seus próprios livros vive em busca de erros nos livros dos outros para poder criticá-los, no intuito de destruir a qualidade das obras. Apega-se a títulos e se esquece da qualidade de trabalho que o outro pode ter, impedindo dessa forma o progresso; atribui ao outro a culpa e ignorância que são dele próprio; tem inveja e ódio de tudo o que é saudável, denegrindo e esmagando realizações que muitas vezes podem ser honestas e importantes.

    Uma pessoa acometida pela peste emocional tem forte tendência a formar círculos sociais e nunca ficar sozinho, ao mesmo tempo em que “caminha com arrogância, tentando destruir sua própria existência e bem–estar maldizendo com criador da vida” ( Reich, 1953, p.279); Fofoca e difamação dão a ele uma satisfação perversa; tem grande capacidade criativa , mas odeia o trabalho, a não ser que o lidere, pois é líder “nato” e sabe muito bem como dominar os mais fracos, apresentando fanatismo religioso e cultural extremista e uma sexualidade geralmente sádica e pornográfica.

    Mas que doença é essa?

    De acordo com Reich (1933, p.461), “a peste emocional é uma biopatia crônica do organismo”. Nesse caso, reich utiliza o termo biopatia para se referir a todas as enfermidades causadas por uma disfunção básica do sistema neurovegetetivo, no qual existe um comprometimento emocional muitas vezes acompanhado de um comprometimento físico, por conseqüência.

    Ainda segundo Reich, (1948), a origem da peste emocional se dá no berço, ou seja, quando existe um contato físico, energético e emocional precário por parte de quem faz a função materna junto ao bebê, seguido de uma educação compulsiva e autoritária, o que dá margem a uma possível desestruturação energética e de caráter, e constitui a base para a manifestação de uma biopatia. Primeiramente, o organismo responde contraindo-se; em seguida, responde com as doenças físicas e ou orgânicas. Reich (1948) procura explicar essa contração do organismo humano a partir do medo, um medo corporal, sentido pelo corpo todo, que se contrai como defesa. É, então, desse medo que também surge à peste emocional, que apesar de não ser transmitida de mãe para filho de maneira hereditária, “É inculcada na criança desde os primeiros dias de vida” (Reich,1933,p.461)

    As pessoas acometidas pela peste emocional quase sempre possuem uma quantidade muito elevada de energia biológica, acompanhada de uma rígida couraça caracterológica e muscular. Daí a explicação para a rigidez de pensamento e agressividade, visto que a pessoa acometida pela peste é produto de uma educação compulsiva e autoritária.

    Tal como a esquizofrenia ou o câncer, a peste emocional é uma doença endêmica. No entanto, Há uma diferença notável: manifesta-se essencialmente na vida social e está intimamente ligada ao Caráter neurótico. Isso não significa, entretanto, que todo indivíduo neurótico seja acometido por essa doença.

    O conceito de peste emocional não implica terapeuticamente em uma depreciação. Como doença que é, pode ser tratada. O importante é sabermos reconhecer a peste emocional em nós mesmo se nos outros e procurarmos ajuda para isso. Se a humanidade soubesse discernir os momentos em que está se sentindo com a peste emocional, se fizesse respeitar e a tratasse, tudo seria diferente.

    È bem como diz reich (1933, p.491): “só o restabelecimento de vida amorosa natural das crianças, adolescentes e adultos pode livrar o mundo das neuroses de caráter e da peste emocional em diversas formas”.

    Referências bibliográficas:

    REICH, W(1933) Análise do Caráter. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

    _________.(1948) La Biopatia Del Cáncer. Buenos Aires: Martins Fontes, 1995.

    _________.(1951) O Assassinato de Cristo. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

    _________.(1953) People in trouble. New york: Farrar, Stratus and Giroux, 1976.

    _________.(1983) Bambini del Futuro. Milano: Sugar Co Edizioni, 1987.

    José Henrique Volpi é Psicólogo, Psicoterapeuta Corporal, Especialista em Anátomo-Fisiologia, Psicodrama e Vegetoterapia Caractero-Analitica.

    Mestrado em Psicologia da Saúde (Neuropsicofisiologia). Diretor do Centro Reichiano de Psicoterapia Corporal, Curitiba/PR.

  162. Nina

    27/12/2008 – 13:59

    Enviado por: Pura merda!!

    “Nina

    Gil, Paulo Betti e Chico Buarque sujaram totalmente sua biografia, hoje para min são nada, absolutamente nada ou simplesmente MERDA PURA!!”

    Sr. Merda

    não sei se sujaram, sei que são pessoas diferentes e talvez ao envelhecer ageste se perde de alguma forma.
    Diria que Chico Buarque não me diz e nunca me disse nada, a não ser através do meu pai, que ouvia muuuuito e acabei decorando as letras, o tal do Paulo Betti nem sei quem é.

    Mas Gil, é Gil prá sempre

    “Onde vc mora, mora o meu coração
    quando vc chora, chora tudo que olho
    na minha solidão…
    Se vc namora, ora meu deus
    que feliz deve ser
    o mortal que provar
    desse mel que escorrer
    dos teus lábios então..”

    me curvo

    VIVA GIL!!!!!!!!!!!!!!! Sr. Merda

  163. Nina

    Oi Sandra,

    acho que não, a imitação é o oposto exato da criação, mas talvez permita se descobrir.

    isso que vc chama de luz própria, eu chamo de outras coisas, mas dá tudo no mesmo

    bj

  164. Nina

    Collorzinho

    inspirador de minha estrelinha.
    No seu comentário acima está falando do que ou de quem?
    Perdi alguma coisa ou vc esva sonâmbulo?

    beijinho

  165. Nina

    Pacheco

    cade vc! saudade!

    vou ver o novo post lá em cima

  166. gthomas

    Divirtam-se com a parte 3 de CIRCO DE RINS E FIGADOS
    ACIMA DESSE POST

  167. Ana

    Nina, o documentário Doces Bárbaros é realmente um luxo, até prá mim, pq peguei a coisa com o bonde andando… Nasci no meio do sucesso deles todos, então quando deu para começar a entender, eles estavam fora do Brasil. Chico é e SEMPRE SERÁ Chico. Foi minha primeira descoberta na música brasileira.

    Queria entender pq vc acha que ele e Caetano sujaram suas bios.

    Responde lá em cima (no post de hoje) (entre parênteses mesmo). bjs

  168. Reinaldo Pedroso

    “27/12/2008 – 12:40
    Enviado por: Sandra
    Reinaldo, por que o medo de ser gentil? Viu os desenhos assim que entrou no blog.”

    Sandra
    Não tenho “medo de ser gentil”. Prefiro sincero.
    Claro que notei os desenhos do Gerald – sei agora – mas, antes quis avaliar empiricamente o perfil psicológico e cultural dos frequentadores do blog. Me situar, se entendes.
    A propósito, em vez de “irreverência provocativa” como respondi à Nina, seria mais adequado “provocante”.

    “26/12/2008 – 16:27
    Enviado por: Sandra
    Quem está por trás de cada nick? Aceito saber apenas o que cada um quiser contar.”

    Sandra
    Não uso apelido, meu nome é mesmo Reinaldo Pedroso, está no meu e-mail.
    Aceito contar apenas o que quiseres saber.
    Reinaldo

  169. Reinaldo Pedroso

    Nina
    “…veja o livro de Silvia Fernandes: GT Um Encenador de si mesmo, tem alguns desenhos de G.”

    Vou ver, sim, gracias. O título tem tudo a ver.
    O que temos em comum, Nina?
    Reinaldo

  170. Júlia

    Olá Gerald, olá a todos,
    Lindo texto.
    Estou de volta à civilização..não SP ainda, mas Ctba. Triste notícia que acabo de ler…mas que belo texto você escreveu. Se ele pudesse ler ele se sentiria muito honrado.
    às vezes tentamos cobrir o silêncio com palavras e às vezes as palavras não dizem nada…eu estava lendo um Walt Whitman do meu pai hoje, e decidi comprar um livro dele porque estar em silêncio lendo Whitman me fez gritar por dentro e chorar sem lágrimas e sem som. Mas agora com esta notícia talvez compre um livro do Pinter…
    Sem mais palavras…por enquanto.
    Boa noite
    beijos
    Júlia

  171. Júlia

    Nina!
    Lucia e o sexo é ótimo. A Paz Vega é ótima. Já viu “el otro lado de la cama”? as músicas são de chorar de rir…
    feliz natal querida…
    Feliz natal a todos…

  172. Reinaldo Pedroso

    “27/12/2008 – 13:59
    Enviado por: Pura merda!!
    Nina
    Gil, Paulo Betti e Chico Buarque sujaram totalmente sua biografia, hoje para min são nada, absolutamente nada ou simplesmente MERDA PURA!!”

    “Pura merda!!”

    1º- Tens autocrítica, teu nick é a tua cabeça.
    2º- Gil compõs coisas lindas. “Domingo No Parque” , “Se Eu Quiser Falar Com Deus”, por exemplo. Já o Ministro, cometeu “Esperando Na Janela, Ai, Ai”. Acontece…
    3º- Paulo Betti é a cara do “Amigo da Onça”, de fato.
    4º- Chico arriscou-se na literatura. Mas, como escritor é um admirável compositor de MPB.
    5º- Gil, Betti e Chico devem estar preocupadíssimos com a tua opinião.
    6º- No vocabulário que usas e entendes: foda-se.

    Reinaldo

  173. Reinaldo Pedroso

    “Pura merda!!”

    Assim como tu, tenho autocrítica
    Minha mensagem não ficou clara, ainda não acordei completamente; vou refazê-la.

    Reinaldo

  174. Sandra

    Reinaldo, se eu entendo… É… Mais ou menos… Quanto a se situar, já deve ter percebido que temos um espectro de opiniões e estilos que vai do infravermelho ao ultravioleta. Acho (opinião mais que pessoal) que essa é a caracteristica desse blog.

  175. Contrera

    prefiro manter silencio.
    e o lucio junior virou o maior exibido, isso virou.
    contrera

  176. yes, nois pode!

    Tô assando um lagarto no ano novo, quero ser um lagarto ao sol, ano novo que já começou velho com algum criminoso ligando uma Rave na minha ‘oreia’ às 6:00 da madruga, isto me lembra que Rave é invenção de judeu drogado, pena, eles têm um Mediterrâneo repleto de vida na porta de casa, mas celebram com poluição sonora de algum bagulho eletrônico fabricado pelo trabalho escravo de algum chinês mulambento.

    Se eu fosse presidenti decretaria luto de três dias no ano novo. Só de sacanagi, masssss …. eu não sou, sou apenas um paulista que viu soltarem 144 mil balões, que a lei proibe, ora a lei.

    Mas noço presidenti é assim, povo, sempre perdendo o trem das onze, de dia diz que fica indignado com as mortes na Palestina, mas de noite, bêbado ou, pior, sóbrio, comemora em Fernando de Noronha o Ano Novo, O Presidenti Arnesto convidou todos à protestarem contra a guerra, mas nem pôs uma placa na porta avisando que foi pescá.

  177. EU TENHO UM CAM MACIMO

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s