Monthly Archives: October 2008

O Halloween mais político de toda a história!

 

Halloween é uma data onde se fantasia daquilo que você quer, ou daquilo que você mais odeia! Poderia se dizer que hoje, a cada 31 de outubro, a nação americana mostra de fato a sua cara (escondendo-a). Estranho. Mas o Carnaval brasileiro também não é assim? Ou o de New Orleans, quando não levam um Katrina na cara? Ou o de Veneza, em preto e branco. Se fôssemos ao pé da letra, racismo e tudo, esse Halloween deveria ser a cara do carnaval de Veneza. Preto e Branco. 

Esse é o dia (ou a semana) onde se “expurga” as bruxas, ou os espantalhos, colocando máscaras, rufando tambores, sendo aquilo que se é, sendo aquilo que não se é.

Quem faz teatro sabe disso muito bem: fazemos isso todos os dias nos ensaios. Fazemos isso todas as noites durante as apresentações!

Andando agora por certos bairros de Manhattan vejo gente fantasiada segurando seus cachorros (também fantasiados – nem o osso é um osso!), esperando a parada, o desfile, assim como Didi e Estragon esperavam a aparição daquele “messias prometido” e que não chegava nunca: Godot. O desfile sai mais tarde no West Village e atravessa a cidade, como todos os anos. Essa eleição parece que não vem NUNCA e mexe com os nervos de TODOS. Deus me livre! Tá todo mundo doido.

Já vi McCains, Obamas, Super-homens, Sarah Palins e milhares de combinações entre uns e outros, até gente vestida de Wall Street, tinha. Ou seja, vestida de nota de Dollar queimada!!! A tradicional caveira – fantasia muito comum nesta data – está meio desaparecida. Ou será que ela virá mais tarde, depois da eleição, de forma realista? Ai meu deus! Pára de pensar bobagem, GT!

Em época de eleição as pessoas fazem questão de AFIRMAR aquilo que são, ou aquilo que NÃO são. Difícil dizer. Afinal, quando alguém se veste de caveira, ela seria o que durante o ano? E quando ela se veste de Super-homem? Ela seria o anti-herói durante os dias infelizes dos meses que nos conduzem até aqui?

Numa nota mais lógica e menos analítica (já encheu o saco isso) até o Larry Eagleburger, que trabalhou para a administração Bush (pai) disse que Sarah Palin não está preparada para ser vice-presidente. Ou seja, numericamente, agora só restam mesmo QUATRO Secretários de Estado do Partido Republicano que apóiam Palin! Os outros todos afirmam que essa mulher, enfim, não presta. Olha que loucura!

Colin Powell, cuja entrevista no Meet The Press ainda está disponível nesse blog, foi um dos primeiros a endossar Obama e dizer que ela não está preparada. Meu carteiro, o Salvatore, que ama Giuliani, acha que as pernas de Palin são mais sexy que as de Joe Biden.

Essas piadas são ótimas num dia como esse, onde os gheists estão soltos, onde Mephisto vai ter que procurar suas botas e Fausto estará reescrevendo seu papel – escondido atrás de uma máscara de, digamos, Idi Amin Dada! Esqueceram dele? Sim, tem muita gente morta ou morta viva endossando muita gente!

CUIDADO! Se você andar na Upper West Side de Manhattan, onde fica o museu de História Natural e muita carcaça de Dinossauro, ou o Dakota, o prédio onde morava John Lennon, Lauren Bacall e Leonard Bernstein e onde Polanski filmou o “Bebê de Rosemary”, uma mulher velha andava com um rádio sintonizada na National Public Radio a toda altura: “Eu não aguento mais: fico olhando as pesquisas de dez em dez minutos”.

Mas Nova York não é termômetro. Al Gore está na Florida fazendo campanha. Aliás, campanha aqui é invisível: não tem bandeiras nas ruas, não tem lambe-lambe. Clean. Clean.

Tão clean quanto “Esperando Godot”, de Beckett, que estréia com Patrick Stewart e Ian McKellen num teatro do West End Londrino, o Heymarket. Tá vendo? O mundo está perdido mesmo! Beckett na Broadway londrina. Pela lógica então…

Gerald Thomas, enfiado numa abóbora (Pumpkin)

 

(Na edição, O Vampiro de Curitiba)

 

 

Advertisements

252 Comments

Filed under artigos

SEJA UM IDIOTA

 

Tenho estado num estado bastante “ofegante” e “ofendido”. O leitor deverá perguntar: Por que ofendido? A resposta não é simples. Bem, talvez seja. Tenho relutado em escrever esse artigo assim como tenho pensado muito se devo ou não manter um blog e, assim como cada homem, mulher, criança, mosca, mosquito nesse planeta, emitir uma opinião, sentimento, sensação, publicar BlogNovelas, roteiros, berrar contra as VERDADES ABSOLUTAS, publicar minhas próprias mentiras… Ou seja, tentar vaga para síndico nessa Babel Virtual e inadministrável de nicknames onde ninguém é ninguém, mas todos sabem de tudo. UFA!

Hugh Hudson é um dos poucos autores-diretores de  cinema do mundo. Inventor de técnicas lindíssimas, ele conta ‘coisas’ épicas terrivelmente cruéis, românticas e históricas (mortes, guerras, o sofrimento humano, o eterno retorno ou a eterna busca do filho ao útero universal). Hugh está sempre contando a mesma estória, através de seus filmes, seja o tema qual for. O ‘underdog’ – o fodido – é sempre aquele que acaba por contar a saga, desde Al Pacino em “Revolução Revisitada” (que filme deslumbrante, deus do céu!) ou o garoto Tarzan, filho de aristocrata, criado por macacos na África e que vira um “primitivo” e quase é abatido pelos snobs. O mesmo acontece em toda sua obra, assim como na obra de Beckett, seus personagens, apesar da troca de nome, são um só, ou seja, o próprio autor.

Claro que Hugh é humilde e rejeita essa noção. Mais humilde sou eu, e eternamente grato por essa amizade. E? E o quê?  E bestificado com a imprensa brasileira que ignorou sua presença aqui para não sugar da experiência do diretor de “Carruagens de Fogo” seu conhecimento DE VIDA, afinal esse cara ainda é de extrema influência num lugar no mundo que se chama Grã-Bretanha e ramificações!

Bem, nessa minha saída do mundo virtual não quero culpar ninguém a não ser eu mesmo. Tem sido fantástico. Nos últimos dias as conversas tem sido maravilhosas. Mas o que tenho visto, vivido, decepcionante. Ninguém do meu próprio elenco apareceu no debate com o Hugh. Claro, devem ter tido mais o que fazer. Digo, coisas mais importantes. Devem saber tudo sobre a Guerra da Independência Americana (justamente agora, às vésperas de uma outra espécie de “guerra da independência” que acontece dentro dos USA, a eleição de Obama). Claro, essa é a cara de um elenco moderno e informado. E isso me leva às lágrimas e ao desespero.

Nesses dias de eras turbulentas, temos muito o que fazer. Estamos muito ocupados. Todos. Imagino. Cada um tem um blog para administrar. Cada um tem um livro para publicar, virtual ou não. Cada um tem um novo software para instalar, uma viagem programada antes do final do fim do mundo. Ninguém ainda acordou para o fato de que CULTURA… TER CULTURA AINDA É A ÚNICA ÂNCORA REAL QUE TEMOS PARA NÃO SERMOS ENGANADOS, assim como somos enganados em portais como esse, com entrevistas falsas mentirosas, encomendadas, como foi aquela do Lula há uns dias! Um nojo!

Bom exemplo  nos dá o Alan Greenspan. Anos e anos no topo lá do Federal Reserve, pintando e bordando. Até que, na quinta passada, três anos depois de ter saído do Fed, o homem admitiu ter colocado muita fé no poder auto-corretivo do mercado financeiro. Olha só que loucura! Como pode um homem, cuja postura coporal, maneira de se comportar fisicamente e expressão facial, valia pontos no Dow Jones, cuja forma de andar (no dia em que ele dava seu speech,  logo ele casado com a repórter da NBC Andréa Mitchell), a forma de se comportar era analisado e isso em si já era “jogado” na bolsa: como pode ele agora dizer que ADMITE alguma coisa? Depois do CRASH, depois disso que já está decididamente se tornando uma das maiores dores de cabeça da HISTÓRIA (até pro Lula Blindado),   Greenspan se torna “humilde” e retira suas cagadas. Wow! Ele mesmo declarou que está num estado de choque e… Haha!

Eu ia escrever um artigo enorme sobre o Paul Krugman que conheço, remotamente, há anos. Mas não gosto de sites, portais, etc, que mentem. Me sinto mal. Não vejo propósito. Se é para continuar a escrever, posso sempre abrir um myspace, yourspace, ourspace, nospace or some fucking space ou qualquer merda dessas. Ou simplesmente escrever para mim mesmo, como 3 bilhões de pessoas fazem.

Eu ia, também, descrever momentos de um mais-que-maravilhoso jantar com o Reinaldo Azevedo. Mas… Para que seja tudo distorcido? Sorry, estou sem energia para isso agora. Anotei algumas coisas e os momentos mais preciosos serão guardados para momentos mais preciosos (com a autorização do próprio).

Ontem, num vôo, tive o imenso prazer de encontrar com o Jabor, que amo. Difícil ter conversa mais interessante e mais íntima. Nos conhecemos há sei lá quantos anos e… sei lá quantas coisas temos em comum. Feliz da vida, ele vai voltar a rodar um filme. Fomos das origens da Al Qaeda até o fato de que hoje ninguém sabe nada mesmo e não adianta. Ele foi muito gentil em me mandar 2 de seus filmes que assistirei no vôo de volta pra NY. Num de seus sites achei o exemplo ideal do que somos hoje, do que seremos amanhã.
 
SEJA UM IDIOTA

A idiotice é vital para a felicidade.

Gente chata essa que quer ser séria, profunda e visceral sempre. Putz! A vida já é um caos, por que fazermos dela, ainda por cima, um tratado? Deixe a seriedade para as horas em que ela é inevitável: mortes, separações, dores e afins.

No dia-a-dia, pelo amor de Deus, seja idiota! Ria dos próprios defeitos. E de quem acha defeitos em você. Ignore o que o boçal do seu chefe disse. Pense assim: quem tem que carregar aquela cara feia, todos os dias, inseparavelmente, é ele. Pobre dele”. (Arnaldo Jabor)
 
Pois é. Quando me olho no espelho ou para a tela do computador percebo que não tenho mais vida. Percebo que está tudo enfiado aqui dentro. Será isso que quero para mim? Será isso que queremos para nós?
Pensem bem. Sentados diante de telas o dia inteiro na ilusão de que o mudo está aqui dentro enquanto que, na verdade, essa coisa virtual já nos pegou de tal forma que não sabemos mais se somos daltônicos, insensitivos, gelados, compulsivos, exibicionistas, atores sem palco, diretores sem elenco, escritores sem páginas e pintores sem tela.
Vivemos num vácuo que nem astrônomos conseguem explicar, porque, como diz o dito popular, o buraco é mais embaixo.
.
.
Gerald Thomas
.
.
(O idiota do Vamp na edição)
.
.
.

Comentário do Vamp:

 

 “Sobre a entrevista encomendada pelo Comitê Central ao Pravda: No Governo Federal há mais de 6 anos e com a popularidade fantástica do Grande Líder beirando a unanimidade, o PT teria que ter vencido em pelo menos 80% das cidades brasileiras. E o que aconteceu? Perdeu em Floripa, levou uma surra em Porto Alegre, foi humilhado em Curitiba, outra surra em São Paulo, continuou não existindo no Rio de Janeiro. Mesmo no Nordeste, onde o bolsa-esmola é onipresente, o PT venceu em apenas duas capitais. Tem 9 capitais, terá apenas 6, nenhuma realmente importante. E vem o Lula dizer para o velhinho seu amigo que foi a oposição quem perdeu???? O PT virou o partido dos grotões. Só vence onde a miséria impera, onde a bolsa-esmola representa o novo coronelismo. A entrevista foi Eskrotscha!!!”

488 Comments

Filed under artigos

AMANHÃ, QUARTA-FEIRA: SESSÃO EXTRA ÀS 10 DA MANHÃ, NO UNIBANCO ARTEPLEX, ENTRADA FRANCA. HUGH HUDSON E GERALD THOMAS DEBATEM REVOLUTION REVISITED

32ª Mostra Internacional de Cinema

Hugh Hudson Revolution

  

 Al Pacino e Hugh Hudson

 

HUGH HUDSON E GERALD THOMAS DEBATEM REVOLUTION REVISITED NO PRÓXIMO DOMINGO

O diretor Hugh Hudson e o dramaturgo Gerald Thomas vão debater com o público o longa Revolução Revisitada, no Unibanco Arteplex, após a exibição do filme, programada para as 20h do dia 26, domingo. Fica cancelada a sessão de Greystoke, a Lenda do Tarzan, o Rei das Selvas, às 22h.
Hugh Hudson integra o júri da 32ª. Mostra e é um dos homenageados do evento, que está apresentando quatro títulos do diretor.

No final dos anos 1970 David Puttnam, nome importante do mundo publicitário, decidiu lançar alguns diretores de comerciais de televisão na grande tela, tendo em mente nomes como Hugh Hudson, Ridley Scott, Adrian Lyne e Alan Parker. Todos tinham dirigido grandes sucessos e a maior surpresa foi o filme de Hudson Carruagens de Fogo (1981), sucesso de crítica e de público. Foram quatro dos sete Oscar para os quais havia sido indicado: melhor filme, roteiro original, música e figurino.
Na 32ª Mostra Hudson ganha o merecido destaque. Serão exibidos os filmes Carruagens de Fogo, o deslumbrante documentário Fangio: Uma Vida a 300 km por hora, retrato do piloto argentino Juan Fangio (1977); Greystoke, A Lenda de Tarzan, o Rei das Selvas (1983) e Revolução Revisitada (2008). Este último foi mal interpretado e injustamente tratado em sua primeira exibição há 20 anos. Nesta reedição Hudson colocou uma narrativa feita por Al Pacino, concluindo o filme que havia vislumbrado em 1985. (http://www.mostra.org)

 

Reportagem do UOL: 

Guerra Civil Espanhola

Neste momento, Hudson terminou de escrever o roteiro de um novo filme sobre a Guerra Civil Espanhola, baseado em livros do escritor George Orwell, como “Lutando na Espanha” e “Homenagem à Catalunha”. O ator Colin Firth, de “Mamma Mia!”) interpretará o papel de Orwell. O resto do elenco ainda não foi escolhido.

Embora a Guerra Civil Espanhola tenha ocorrido nos anos 1930, Hudson julga o tema muito contemporâneo. “É um grande assunto, não só político, também humano. As pessoas não fazem mais isso, ninguém vai mais lutar daquele jeito ingênuo, por suas crenças. Atualmente, os únicos que fazem isso são os fundamentalistas. E o fazem de um modo um tanto agressivo e terrível, até fanático”.

Um desses idealistas que foi lutar na Espanha foi o próprio Orwell que, por isso, foi chamado de romântico. Uma visão com a qual Hudson não compartilha: “Alguns dizem que ele era romântico, mas conseguia enxergar longe. Não é a toa que os dicionários hoje registram a palavra ‘orwelliano’. Vivemos num mundo como ‘1984’ agora. Tudo é controlado pelo Estado, mais e mais. Foi isto o que ele previu. E isso veio de sua experiência na Espanha”.

Um outro futuro projeto do diretor é um documentário sobre aneurismas – um mal que acometeu sua mulher, a atriz e produtora Maryam d’Abo, há dois anos. “É algo que atinge as pessoas do nada, alguns morrem, outros ficam paralíticos, outros escapam sem danos. Você não sabe como acontece, pode atingir qualquer um, de qualquer idade”, destaca.

Como se leva muito tempo para produzir filmes, ele também gosta de freqüentar júris de festivais. Ao contrário de colegas como Wim Wenders, que afirmam que ser jurado é uma boa forma de ganhar inimigos, Hudson aproveita bem a experiência “Vejo filmes de gente jovem que eu não veria de outro modo, que nunca chegariam à Inglaterra. Você encontra pessoas, abre seus olhos para outras coisas”. Ele sabe do que fala. Já foi jurado em Sarajevo, Mar del Plata, Tóquio, Istambul, Vladivostok e muitos outros festivais. “Só não fui ainda a Cannes”.

—- Como vim participar do juri da mostra e ser homenageado, resolvi escolher alguns filmes. “Revolução revisitada” é algo que eu queria que as pessoas vissem. “Carruagens de fogo” é um filme muito famoso e ganhou quatro Oscar. “Greystoke” é uma aventura, mas também é um filme sobre identidade e sobre se render a uma sociedade que lhe diz como se comportar. “Fangio” é um filme que mostro pouco e sei que nesta semana há uma corrida de automóveis em São Paulo (Interlagos). Achei apropriado.

Hudson trabalhou tanto com produções independentes quanto com Hollywood, portanto, consegue ter uma visão privilegiada da indústria cinematográfica.

– Quando você é financiado por Hollywood, você tem que dançar conforme a música deles, aceitar os compromissos. É difícil às vezes. No entanto, há muito mais liberdade ao se trabalhar em uma produção independente. Ao se trabalhar para Hollywood, você não tem mais direito autoral, é como trabalhar com televisão. Em uma produção independente, você é o autor. Mas eu não acredito em controle completo, pois cinema é uma mídia colaborativa. Produtores são muito importantes. Um bom produtor tem uma visão objetiva e é um ponto de equilíbrio.

divulgação

Apesar de não gostar muito de falar sobre seus projetos, Hugh Hudson acabou cedendo e contou que já terminou o roteiro de seu novo filme, baseado no livro “Homenagem à Catalunha”, no qual George Orwell narra sua participação na Guerra Civil Espanhola.

– O filme terá Colin Firth. George Orwell é um homem muito profético. Ele escreveu “1984” e vivemos hoje em um mundo como o que ele descreveu. Tudo é controlado. Tudo o que ele disse está se tornando realidade – disse o diretor, que está agora captando recursos para o filme, que terá também no elenco Geoffrey Rush. – Não sei quando começarei a filmar. Demora muito mais do que pensamos.

Neste domingo, após a exibição de “Revolução revisitada” no Unibanco Arteplex às 20h, Hugh Hudson e o dramaturgo Gerald Thomas debatem com o público.

“Carruagens de fogo” – Sexta-feira, dia 24/10, às 22h30, no Unibanco Arteplex 1. Domingo, 26/10, às 16h, no Unibanco Arteplex 1

 

“Fangio – Uma vida a 300 km por hora” – Domingo, 26/10, às 18h20, no Unibanco Arteplex 1

 

“Revolução revisitada” – Sexta-feira, dia 24/10, às 20h20, no Unibanco Arteplex 1 e domingo, 26/10, às 20h, no Unibanco Arteplex 1. Sessão seguida de debate com o diretor Hugh Hudson e o dramaturgo Gerald Thomas

————————————————————————————-

Election Special Issue

Barack Obama, Forever Sizing Up

 
Damon Winter/The New York Times

A FACE IN THE CROWD A supporter, dressed in a T-shirt perfect for the occasion, listened to Senator Barack Obama speak in New Hampshire this month at Mack’s Apples in Londonderry.

 

PESSOAL, VEJAM ESTE VÍDEO, É SÓ CLICAR NO LINK ABAIXO:

 

 http://www.cnnbcvideo.com/index.html?nid=AUW5pfFCWpkqs_EvA8KzRzQ1MTkxNg–&referred_by=11598762-RxAPZLx

 

446 Comments

Filed under release

O que temos "aprontado" no SESC Av. Paulista e também vai virar a BlogNovela

 

KEPLER, O CÃO ATORDOADO

 

Reflexões… (observações dos ensaios)

 

Por Ruy Filho

 

Tentar diagnosticar nossa identidade, já seria um desafio imensurável. Tratar o diagnóstico, então, pelo prisma da arte, associando esta ao poder, torna a abordagem ainda mais complexa.

 

Tudo inicia na exposição de corpos dependurados. Escolha anunciada do próprio criador. “Porque eu coloquei ali”. Mas há mais no que aparenta ser apenas um início de espetáculo. Não são meramente atrizes de ponta-cabeça. Os corpos, expostos como estão, re-significam-se no que possuem de mais óbvio e, portanto, menos percebível ao primeiro olhar já viciado em traduções: são corpos, meramente. Como as figuras de Francis Bacon.

 

Bacon traduz não a mera perda da identidade contemporânea, pois esta seria facilmente confundida com o que há de superficial na maneira como agimos, pensamos e nos mostramos. O que apresenta é nosso interior degenerado, corpos sem pele, cuja estrutura horrível dá imagem, cor e berro a nossas neuroses e solidões desde de sempre, em contínuo.

 

Os dois corpos no fundo do palco são, como se mostram, então, os mesmos e seus próprios duplos espelhados; o corpo sem pele e a casca solta, a voz e o silêncio do próprio criador. E, ao se auto-arremessarem sobre a parede sem exigir qualquer dramaticidade que não o mero gesto, reafirmam sua condição de corpos.

 

Espelhados igualmente, dois outros assumem o palco. Kepler se funde ao seu cão e entrega a este sua reflexão. Tornam-se o mesmo e outro. Enquanto o cão representa a razão, o homem se mostra adestrado e submisso a dar rotina ao animal. Como se estivéssemos cada vez mais voltados a priorizar nossa sobrevivência instintiva ao invés da nossa capacidade em conduzir a outros caminhos, outras possibilidades.

 

A repetição do texto inicial sugere estarmos ainda na mesma cena. Uma reapresentação da primeira. Assim, o animal e seu dono são os mesmos. Tanto quanto os dois corpos dependurados são apenas um. Feito a criação que serve para representar o criador e este a si como própria criação…

 

À razão do cão, contradiz a expurgação descontrolada da merda. Dejeto limitado a existência de um desejo concreto. O corpo absorve o necessário e devolve o que há de mais impróprio pelo resto, pelo lixo. A merda traduzindo, assim, a vida. E, segundo Artaud, representando o divino em nós, pois lembra nossa capacidade em nos purificarmos, a tentativa de sermos melhores do que somos deixando para fora de nossos corpos o que se faz desagradável, e que há algo além. Ou alguém. A merda, portanto, serve de prova da existência de Deus. Deus, entendido aqui, como o maior ou primeiro criador.

 

É disso que tratou Piero Manzoni ao expor seu próprio excremento como obra de arte, ou a Madonna de Chris Ofili, pintura ornamentada por fezes. O que esses artistas estão apresentando é a tese de que o sagrado não existe além e sim no próprio homem, na experiência concreta do corpo que traduz em si mesmo criação e criador. Pois somos o todo e o único, todos e ninguém.

 

Como responder, então, o paradoxo entre “a arte tem a cara do poder” e “o poder tem a cara da arte”? O que parece ser a mesma coisa, expõe uma problemática crucial para chegarmos a tal da identidade. Na primeira questão, a arte é colocada como artifício, instrumento de determinação de uma ordem pela subjetividade da estética; na segunda, o poder se fantasia de subjetividade para esconder sua manipulação. Mas nem tão distantes estão. Equilibram-se na existência do próprio homem como fruto responsável por ambas, já que tanto arte quanto o poder são atributos da necessidade humana de superar o meio, seja ele simbólico (e portanto cultural e natural, entendendo que a origem etimológica das duas palavras são a mesma) ou político.

 

E é esse homem, essa figura, transformada em mulher, que vemos surgir da figura do cão. Se deus é o criador de tudo e todos, então a mulher é responsável pela continuidade da vida. É ela igualmente criadora. A humanidade se configura, portanto, na existência da criação como instrumento de adoração do criador. Adoração exposta em desejo ao próprio corpo, como o streptease do ator (metáfora da necessidade de abdicarmos de nossas máscaras sociais para nos reencontrarmos puros e originais), como a idolatria ao inacessível, ao inquestionável, ao que cala, representado pelo Santo Graal (face existencial de criador supremo).

 

O Homem se afasta de seu duplo. Tem esquecido de compor sua humanidade pela junção do ser e do existir. E a individualidade solitária faz com que, ao nos afastarmos de nós mesmos, nos afastemos de nossa capacidade crítica em ouvir e comparar.

 

Não se trata de valorizar morais ou fundamentos éticos religiosos. Pelo contrário. A peça avança sobre a condição iconoclasta de maneira mais vertical, propondo o próprio homem (criador de si mesmo) como ícone a ser desconstruído ao reivindicar sua capacidade de se recriar e re-significar. Desconfigura a face sagrada e ri de sua face animalesca.

 

A questão, agora, é compreender onde nos reconhecemos então. O que resta deste homem transformado pela história em representação da própria história? Na solidão autodestrutiva, na surdez descomedida, como encontrar nossa identidade?

 

Estamos, como Kepler, isolados por e em nossos próprios discursos. Sem deuses, sem diálogos, sem respostas, pois perdemos a capacidade de fazemos perguntas. Silêncio e ausência. Se tivesse que resenhar sobre nossa identidade hoje, a partir do espetáculo, diria que estamos fadados a fracassar em sermos nós mesmos.

 

 

 

Ruy Filho

 

162 Comments

Filed under convidados

Deprê parte 2: o que fazer? Ou: "O Dia em que fui processado por Tom Cruise"

 

Este post deve ser lido com o de ontem, o da “depressão”, etc., aqui embaixo. O que eu tenho feito nesses anos todos? Qual tem sido meu trabalho direto e indireto nos palcos do mundo desde que trabalhei na Amnesty International em Londres? Fácil de responder? Difícil?

Não. Acho que não. Os que me chamam de hermético, polêmico, controverso, etc., devem ter lá suas razões. Mas já passei por todas as provas. Oitenta e tantos espetáculos e óperas depois, por sei lá quantos paises, o substrato vem a ser esse: fácil atacar!!! Eu mesmo ataco em blogs. Ataco em entrevistas! E, para quê?

Pra nada. Pra absolutamente nada.

Meu trabalho nos palcos de teatro do mundo nada mais tem sido senão uma tentativa de integração de culturas. E por quê? Porque venho de uma cultura fragmentada. Venho dessa coisa chata chamada Iconoclastia e Desconstrutivismo. E um povo que se afastou ou foi afastado: Yin e Yang. Na balança final, um atrai o outro.

Acabou. Há anos venho tentando somar os cacos do que sobraram para formar um novo mosaico: mas sobrou alguma coisa?

Vejo como se torna simples ATACAR pessoas, ferir pessoas. Eu mesmo sou um mestre nisso. Mas, para quê?

Quando, em 1999, escrevi uma resenha sobre o filme não tão genial do Kubrick “EYES WIDE SHUT”, que assumia que um casal não trepava mais, para fazer a metalinguagem numa estória de Schnitzler (sobre um casal que não conseguia mais manter relações sexuais) , fui violentamente contra-atacado pelos agentes de Tom Cruise e Nicole Kidman.

Quando ameacei que iria adiante e revelaria o que eu sabia sobre suas vidas pessoais, pararam imediatamente com o processo.

Mas isso tudo é tão imbecil visto em retrospecto. O que me interessava era o jogo que eles (o casal) haviam topado fazer com um Kubrick já em estado terminal.

Hoje, em Kabul, capital do Afeganistão,  uma corte suprema sentenciou o jovem jornalista Sayed Parwiz Kambakhsh a 20 anos de prisão. Um jornalista!!!!! Por pouco ele não leva a pena de morte. Isso deveria REPERCUTIR em todos os veículos do mundo, assim como a cabeça degolada de Daniel Pearl (até filme virou!). A jornada de Seymour Hirsch pelo Cambodja virou filme também!!!

Afinal, quando digo que São Paulo virou uma província, eu errei.

Nós viramos uma província desgraçada.

Aqui dentro de nossas cabeças! Enquanto não nos libertarmos desse MONSTRO que ATACA um ao outro sem parar, como se fosse uma farpa desprendida de qualquer EMOÇÃO, uma coisa desprendida de qualquer alma, nunca conseguiremos ser algo, um ser íntegro. E isso nada tem a ver com qual país, qual cidade.

Sim, atacar sempre será muito fácil.

Mas, manter-se “antenado”, antenado no MUNDO, nu, despido e antenado, prestando atenção, sim, isso sim quer dizer algo. E o quê? Quer dizer que nossas almas serão mais generosas e mais abertas e nosso JUÍZO será um pouco mais HUMILDE porque, afinal de contas, somos somente humanos. Não somos e não podemos brincar de ser… deus.

Gerald Thomas

Parabenizando a todos por 5 meses de BLOG aqui no IG

(O Vampiro de Curitiba na edição)

132 Comments

Filed under artigos

Depressão: ou pessoas que se reúnem e não conseguem mais conversar

Nesses dias que antecedem a eleição americana e essa tensão doida (na qual me incluo, não apenas como especulador, mas como militante maluco e doador de sangue!), vou me permitir uns segundinhos a falar de outra coisa. Algo que raramente se lê em algum periódico ou raramente se comenta em alguma roda social: a frieza com que um trata o outro (e nem ouve mais o outro).

O uso descarado de uma máscara (antigamente somente presente nos meios teatrais, agora difundida em todas as latitudes), e que faz gelar o mais gélido dos nórdicos, mesmo que em climas tropicais.

Seja nas coxias de um teatro no final do espetáculo de uma amiga ou num encontro com um correspondente de jornal ou num ‘encontro” casual na casa de alguém, parece que tudo se transformou numa aberração. Ninguém parece querer mesmo ouvir. Ou não tem raça ou peito para isso, ou não tem mais interesse. Os egos estão tão, tão, tão inflados que enquanto um fala o outro está preparando o seu discurso ao invés de estar prestando atenção a uma coisa que usávamos chamar de diálogo!

Acabou?

Não sei. Mas as pessoas estão tão tortas ou entortadas de bebidas ou outros entorpecentes que me pergunto: qual é o sentido social desses encontros? Por que “estar junto”? No final ou no dia seguinte, será que estão felizes de terem segurado tanta bandeira de nada e por tanto tempo e dado tanta risada e tanta risada de si mesmos? Será que suas bocas continuam borradas e tortas ou será que agora se olham no espelho e… se lembram de uma só frase????

Esse circo de horrores  pode também ter outro nome: depressão. Isto é, onde as auto-imagens não se agüentam mais e precisam ser superadas com clichês absurdos. Claro, com tanto “google” isso, “google” aquilo, ninguém precisa mesmo saber quem era quem, “Quem mesmo?”… Gente que não sabe o que diz, mas fala aquilo que ouviu em algum lugar. Repetem o nada já repetido, como um telefone sem fio.

Papagaiam (sim, como verbo) coisas ridículas, e acham lindo as besteiras que papagaiam, e morrem de rir, ou se empostam, como postas ou bostas de peixe,  assim como estátuas de bronze de tão rígidas em seu discurso nulo, vazio.

Damien Hirst tem razão! Chega a ser político, ás vezes. Hirst deveria esquartejar a sociedade agora ou colocá-los debaixo d’agua. Torpedos, mosquitos, carrapatos, cães que latem e não mordem, ou vomitam de tanto beber.

Juro. Estou impressionado (ainda) com o não entendimento dessa BABEL nessa virada do século, milênio, que seja.

Depressão não significa, necessariamente, um ser humano metido debaixo das cobertas, não conseguindo abrir a porta num ataque de pânico. Depressão pode ser quando duas ou três pessoas acham que estão conversando mas, se traçadas num gráfico, essas três linhas de conversa vão para três pontos diferentes do universo e não formam um triângulo. E quando acham que estão se olhando nos olhos, que olhos porra nenhuma! Pior que peixes mortos. Peixes vivos, esperando o abate, vivos, mas já em postas!

Gerald Thomas em São Paulo, onde, nos restaurantes, ao contrário de outras capitais mundias, todo mundo só fala um idioma, inclusive os garçons: que província!

PS: Sempre houve isso, óbvio, mas talvez agora tenha piorado: a classe teatral está menos teatral e o resto da população adotou o que há de mais podre na classe teatral.

 

 

 

(Vamp, meio deprê, na edição)

336 Comments

Filed under artigos

Colin Powell endossa Obama: amigo de McCain e ex Secretário de Estado de Bush; um choque pros Republicanos

Vejam o vídeo do MEET THE PRESS, o programa de maior prestígio (há mais de 50 anos) dos EUA. O apresentador Tim Russert morreu há alguns meses. O programa,  agora, está sendo apresentado por Tom Brokaw.

 Se a janela não abrir, clique no link abaixo:

http://www.msnbc.msn.com/id/21134540/vp/27265490#27265490

 

LINDÍSSIMA A ENTREVISTA

CHOCANTEMENTE LÚCIDA!

EMOCIONANTE a ponto de levar qualquer um às lagrimas. Por favor, não percam!

 

 Gerald Thomas

——————————————————————

By STEPHEN OHLEMACHER, Associated Press Writer Stephen Ohlemacher, Associated Press Writer:

 

 

WASHINGTON – Colin Powell, a Republican who was President Bush’s first secretary of state, endorsed Democrat Barack Obama for president Sunday and criticized the tone of Republican John McCain’s campaign.

Powell said both Obama and Republican John McCain are qualified to be commander in chief. But he said Obama is better suited to handle the nation’s economic problems as well as help improve its standing in the world.

“It isn’t easy for me to disappoint Sen. McCain in the way that I have this morning, and I regret that,” Powell, interviewed on NBC’s “Meet the Press,” said of his longtime friend, the Arizona senator.

“But I firmly believe that at this point in America’s history, we need a president that will not just continue, even with a new face and with the changes and with some maverick aspects, who will not just continue basically the policies that we have been following in recent years,” Powell said.

“I think we need a transformational figure. I think we need a president who is a generational change and that’s why I’m supporting Barack Obama, not out of any lack of respect or admiration for Sen. John McCain.”

Powell’s endorsement has been much anticipated because he is a Republican with impressive foreign policy credentials, a subject on which Obama is weak. At the same time, he is a black man and Obama would be the nation’s first black president.

Powell said he was cognizant of the racial aspect of his endorsement, but said that was not the dominant factor in his decision. If it was, he said, he would have made the endorsement months ago.

Powell also expressed disappointment in the negative tone of McCain’s campaign, his choice of Alaska Gov. Sarah Palin as a running mate and McCain’s and Palin’s decision to focus in the closing weeks of the contest on Obama’s ties to 1960s-era radical William Ayers.

He said McCain’s choice of Palin raised questions about judgment.

“I don’t believe she’s ready to be president of the United States,” Powell said.

Powell, as secretary of state, helped make the case before the United Nations for the U.S.-led invasion of Iraq, launched in March 2003. A retired general, he also was the nation’s top military commander, chairman of the Joint Chiefs of Staff, during the first Gulf war under President George H.W. Bush.

McCain disagreed with Powell’s decision and said he has been endorsed by four other former secretaries of state, all veterans of Republican administrations: Henry Kissinger, James A. Baker III, Lawrence Eagleburger and Alexander Haig.

“Well, I’ve always admired and respected Gen. Powell. We’re longtime friends. This doesn’t come as a surprise,” McCain said on “Fox News Sunday.”

Asked whether Powell’s endorsement would undercut his campaign’s assertion that Obama is not ready to lead, McCain said: “Well, again, we have a very, we have a respectful disagreement, and I think the American people will pay close attention to our message for the future and keeping America secure.”

Powell said he does not plan to campaign for Obama.

 

298 Comments

Filed under Sem categoria