Waly

ONDE ESTÁ WALY?
por Felipe Fortuna

Esta minha foto será vista pelos olhos do invasor?
Como será vista esta minha foto pelos olhos do invasor?
Waly Salomão, "Self-Portrait"


Tiro partido de uma inteligente e sensível interpretação de Silviano Santiago sobre uma foto que flagra Waly Salomão (1943-2003). Seguro de estar diante de "uma visão do homem e de sua obra", o crítico dividiu a foto ao meio, e nela percebeu "dois palcos": num deles, atuava a "boca escancarada" de "um rosto mestiço, de traços excessivos", tudo sintoma de um temperamento e de uma poesia transbordantes; no outro, "a mão argumentativa e o dedo indicador", conjunto característico de quem está denunciando a persistência do tédio no lugar da arte, da rotina no lugar da poesia. Essa análise de Silviano Santiago foi publicada em resenha a Pescados Vivos(2004), quando Waly Salomão já estava morto. Por coincidência, o crítico esteve presente com o mesmo instrumento de corte tanto na estréia quanto na aparição póstuma do poeta baiano. Pois no ensaio "Os Abutres", de 1972 (republicado em Uma Literatura nos Trópicos), demonstrou que Waly Salomão, com Me Segura qu'Eu Vou Dar um Troço (1972), estava afiliado ao método de composição anárquico do Oswald de Andrade de Memórias Sentimentais de João Miramar (1924); enquanto Gramiro de Matos, com Urubu-Rei (1972), "guarda parentesco maior com Macunaíma [1928]", onde o indígena se sobrepõe ao marginal, e o selvagem ao urbano.

Não pretendo expor todas as conseqüências da interpretação acima descrita, muito menos discutir a hipótese de que "Waly sabia que poderia ter sido o sucessor de Drummond", com a qual Silviano Santiago provoca sem querer justificar. O que me interessa, agora, é apossar-me dessa linha abstrata que divide a foto ao meio. Linha quente a cauterizar alguns dos mitos sobre a poesia de Waly Salomão, que devem sua sobrevivência a uma estratégia confusa do poeta (e ele reconhece, em "Persistência do Eu Romântico", que "Poeta mente demais…"). No poema "Desejo & Ecolalia", de Algaravias (1996), quando perguntado sobre o que gostaria de ser quando crescesse, o poeta responde: "-

Poeta polifônico." Inúmeras vezes, em todos os seus livros, Waly Salomão tentaria cumprir o autoproclamado destino – não raro com notas escatológicas ou sexuais, como no verso "Surubas de sensações truncadas", de Tarifa de Embarque (2000). Mas o que se percebe, por fim, é a invencível constância de "dois palcos", de dois pólos, de dois extremos que angustiam a trajetória do poeta.

Num canto da criação está o equilíbrio apolíneo, de todo rejeitado, porque sua harmonia está identificada à conformação e às forças conservadoras; no outro canto está a ação dionisíaca, desinibida e agitada, que o poeta quer trazer não apenas à obra que está escrevendo, mas à vida que vai levando. Ocorre que a dimensão dionisíaca, em sua poesia, nunca é puramente vibrante e espontânea, nunca é autônoma: está sempre em contraponto, como se houvesse uma força maior a seduzir ou medusar o poeta. "Não perder os pés, não entrar pro sanatório – criar condições pra que o delírio seja medida do universo", escreve ele em Me Segura qu'Eu Vou Dar um Troço. O assunto homossexual, em sua poesia, nunca parece liberador ou celebrado de modo vital – ao contrário do que acontece, por exemplo, em Roberto Piva. A linha que divide ao meio permanece, e o poeta não consegue gozar as bacanais que imaginou: o outro lado ainda emite uma melodia encantadora.
Igual e robusta contradição se apresenta no poema "Lausperene", palavra roubada à liturgia católica com a qual Waly Salomão exorciza algumas antologias da "atual poesia nacional" e prega o seu credo:

Belo é quando o seco,
rígido, severo
esplende em flor.
Seu nome: Cabral.
Nome de descobridor.

Os olhos duvidam do que acabaram de ler: o poeta, em versos breves, faz o elogio do nec plus ultra do método e do racionalismo em poesia; e concede beleza à severidade de quem sempre manifestou ojeriza à música. Como se não bastasse, o mesmo Algaravias estampa o poema "Hoje", humoradamente dedicado ao poeta e diplomata Francisco Alvim (tão poeta e diplomata quanto João Cabral de Melo Neto):

O que eu menos quero pro meu dia
polidez, boas-maneiras. (…)
Hoje só quero ritmo. (…)
Está prescrito o protocolo da diplomacia.

Veja-se bem: o contraditório, aqui, não é apenas apregoar o incompatível em estética ou em literatura; é também omitir a experiência diplomática como um sinal bem fundo do poeta pernambucano. Recorde-se, entre outros exemplos, a ironia contida em alguns versos de "Sobre o Sentar-/Estar-no-Mundo", de A Educação pela Pedra (1966):

por afetuoso e diplomata o estofado,
os ferem nós debaixo, senão pregos,
e mesmo a tábua-de-latrina lhes nega
o abaulado amigo, as curvas de afeto.

Chega-se assim à mais dolorosa linha que divide ao meio a poesia de Waly Salomão: a que deixa o poema num palco, e a letra de canção no outro. Muito ainda será escrito sobre os aspectos dessa distinção, sobretudo por excesso de amadorismo. Ao contrário do que se pensa, o poeta baiano seguramente abandonava o musical Orfeu e buscava acolhimento junto a… Apolo, o deus da poesia. Mais e mais se firmava em Waly Salomão a certeza de que o livro – e o poema literário – iriam conter o mel do melhor que estava produzindo e ainda produziria, não fosse a morte prematura: havia como que um ideal de abandonar o caos e a dispersão e organizar as palavras da tribo (Mallarmé em vez de Nietzsche). No afã criador, fazia questão de preservar um princípio: a letra antecedia a música, "numa espécie de altivez do poeta". Nessa fase final, de diligente revisionismo, foi o poeta – e não algum crítico – quem estabeleceu a incontornável separação entre o poema e a letra de canção, até com algum exagero: em entrevista ao jornal Poesia Viva (número 24), chegou mesmo a declarar que a clássica "Vapor Barato" era uma canção com "letra sub-literata". Seja como for, permanecerá forte a tensão de Waly Salomão, poeta que se preparava para ser, uma vez mais, diferente. Era exigente consigo e com o Brasil – e confundia ambos com um só lugar, o seu lugar, onde sempre pareceu difícil encontrá-lo por inteiro.


DEMAIS!!!!
Sandra

[Carlos] [NY]
Gostaria de juntar uns pontos aqui e "desjuntar" outros: seria essa questão do poeta polifônico do Waly Salomão o próprio 'conflito' do artista brasileiro e até da própria sociedade brasileira?? Waly queria separar sem separar, isso é que é polifonia. Letras de música seriam sua forma de atingir aos que jamais o leriam, os que jamais o entenderiam. Seria isso decorrente do nosso complexo oriundo dos idos da catequização? Seria a frustração impregnada do país dos contrastes? Ou tem a ver com a necessidade de comunicação mesmo e com a idéia de "entrar e sair de todas as estruturas" como o monofônico Caetano disse? Parêntesis: Caetano, esse que é um dos maiores publicitários já nascidos no país, somente pode ser comparado ao sujeito que vende cigarro com imagens de pessoas surfando, galopando e respirando felicíssimas os ares limpíssimos do campo. O engodo do uso da poesia concreta em fórmulas musicais de 300 anos atrás é comparável a isso. No caso do "Caê", é medo, não coragem.

Nesse pais de rrrs e sssss é difícil encontrar homem que não se desdobre pra sobreviver. Sobreviver aos assombros escancarados do dia-a-dia e as suas próprias necessidades; desencontradas, as da alma das do peito. E a mente que fica no andar de cima vai dando razão e encontrado brechas, até colori e dança quando cantam as muitas cafuzas daqui, seja qual for a fonia que aprenderam ao longo dos anos. Bom seria se fosse mesmo assim, tudo bem separadinho! Onde é musica é musica, onde é poesia, poesia; Onde é a carne e onde é a alma?
Ana Carolina

12 Comments

Filed under Sem categoria

12 responses to “Waly

  1. Carlos] [NY

    Valeu Ana. Não sei se essa aceitação de si mesmo é tão independente do “externo” como você disse. À princípio eu concordo contigo, mas vejo exemplos e exemplos e não sei se é assim. Não sei se é “antes de tudo” a aceitação de si mesmo. Mais e mais é a questão da comunicação que parece agir, salvo alguns casos raros de total independência. A questão da angústia que o Caca e o Contrera colocaram é de fato combustível do artista. Mas a angústia é inerente a todos. O passar do tempo, as memórias, o que acabou e jamais voltará, a certeza do fim, os fracassos…Sei lá, no meio de tudo isso evitamos a angústia de uma forma bem simples: vivendo ou achando que estamos vivendo.

  2. Ana Carolina

    Nesse pais de rrrs e sssss é difícil encontrar homem que não se desdobre pra sobreviver.
    Sobreviver aos assombros escancarados do dia-a-dia e as suas próprias necessidades;
    desencontradas, as da alma das do peito. E a mente que fica no andar de cima vai dando razão e encontrado brechas, até colori e dança quando cantam as muitas cafuzas daqui, seja qual for a fonia que aprenderam ao longo dos anos. Bom seria se fosse mesmo assim, tudo bem separadinho!
    Onde é musica é musica, onde é poesia, poesia; Onde é a carne e onde é a alma?

  3. Ana

    Carlos, claro que não vamos transformar isso em discussão. Acho que o artista, antes de tudo, quer ser aceito por si mesmo. Ao verdadeiro artista, nem importa se é ou não aceito pelos outros. A arte é demolidora, nesse ponto. Ela é soberana. O artista é o canal pela qual ela passa e transpassa feito flecha. E ele quer aceitar essa condição de alvo. Ele quer ser aceito por si, para depois ser aceito pelos outros. Só para mostrar, talvez, que ser alvo não é algo tão estranho quanto parece. Algo assim. Amanhã continuamos o papo. Muito enriquecedor, por sinal! Bjs.

  4. Contrera

    artistas ADORAM sentir angústia. mas apenas para se expressarem melhor. a fonte da angústia, a eles não faz a menor diferença.

  5. Contrera

    waly está morto. wally, depende do joguinho.

  6. Carlos] [NY

    Ana, eu sei que você admira o Caetano e não quero transformar isso numa discussão em torno dele. Mas sempre achei Caetano um publicitário e minha crítica é estética mesmo. Acho que o trabalho dele sempre foi distante do discurso. O medo ao qual me refiro é a passividade estética. Por exemplo, toma-se um Itamar Assumpção. Tem sempre algo “perturbador”. O cara provocava não como um publicitário das palavras, mas com uma estética mais torta, que instigava algo mais. Não discuto a beleza da obra do Caetano, isso é outra coisa. Mas minha pergunta ainda é sobre essa polifonia do Waly Salomão…essa coisa do Brasil de tocar o social. Isso é condição de legitimidade da arte? E a necessidade de comunicação? Praquê comunicar? Pra ser aceito? Mas ser aceito pra que e por quem?? Enfim, são questões que não vão render um debate maior, por isso mesmo eu as faço aqui antes de desaparecer novamente.

  7. caca

    talvez o ator seja também uma casca apolínea, as vezes rejeitada, recheada por um caos dionisíaco e pela nossa angústia

  8. Ana

    Carlos, acho que o Caetano pode sentir tudo, menos medo. E acho que ele pode ser tudo, menos monofônico. Mas também não chega ser totalmente polifônico. Talvez ele fique no meio. Não sei. Já concordo com o que Caetano coloca, de entrar e sair de todas as estrutura, mas não só em relação a Waly, isso bate ponto. Chico consegue ser polifônico repetindo versos. Suas letras subdivididas em políticas, croniquetas, românticas (não é bem isso, mas na falta de outro termo, segue esse) (talvez “amorosas” caia melhor), e seu passeio pelo samba, choro, canções dramáticas, enfim. Sem falar em Arnaldo Antunes, que não sossega: faz de tudo um pouco e quase tudo EXCELENTE! Acho que monofônico mesmo é o rap. Apesar de algumas letras excelentes.

  9. Carlos] [NY

    Gostaria de juntar uns pontos aqui e “desjuntar” outros: seria essa questão do poeta polifônico do Waly Salomão o próprio ‘conflito’ do artista brasileiro e até da própria sociedade brasileira?? Waly queria separar sem separar, isso é que é polifonia. Letras de música seriam sua forma de atingir aos que jamais o leriam, os que jamais o entenderiam. Seria isso decorrente do nosso complexo oriundo dos idos da catequização? Seria a frustração impregnada do país dos contrastes? Ou tem a ver com a necessidade de comunicação mesmo e com a idéia de “entrar e sair de todas as estruturas” como o monofônico Caetano disse? Parêntesis: Caetano, esse que é um dos maiores publicitários já nascidos no país, somente pode ser comparado ao sujeito que vende cigarro com imagens de pessoas surfando, galopando e respirando felicíssimas os ares limpíssimos do campo. O engodo do uso da poesia concreta em fórmulas musicais de 300 anos atrás é comparável a isso. No caso do “Caê”, é medo, não coragem.

  10. Sandra

    DEMAIS!!!!

  11. Ana

    A polifonia sempre merece aplausos mais calorosos! Pelo pouco que conheço da obra dele: um condutor atômico!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s