Monthly Archives: February 2008

importado do Blog do Reinaldo, um LINDO comentario de Nelson Motta

(Escreve Reinaldo):Nelson Motta
Recebi o que segue do querido Nelson Motta. Presto atenção às vezes ao que dizem os inimigos. Mas sempre presto atenção ao que dizem os amigos. A parte mais instrutiva para mim, hehe, é esta: "Falar de humildade, no caso de Reinaldo e Gerald, pode provocar gargalhadas, mas foi uma humildade altiva, independente, orgulhosa, se é que me entendem."
Abraço, caríssimo.
*
Caros Reinaldo e Gerald,
acompanhei por alto – dei boas risadas, mas algumas vezes fiquei meio constrangido com a grossura – o bate-digitos de vocês. Mas não li os comentários, estou trabalhando. Me senti feliz – e orgulhoso de vocês, que respeito e admiro, por razões talvez até opostas – com o entendimento na divergência, coisa de civilizados. Os dois vão se enriquecer no convívio e no confronto, aprender, fazer autocritica. Rir de seus equívocos e exageros. Uma boa lição para os patrulheiros de qualquer causa. Falar de humildade, no caso de Reinaldo e Gerald, pode provocar gargalhadas, mas foi uma humildade altiva, independente, orgulhosa, se é que me entendem. Nada de sabujice, interesses rasteiros, acomodação, apenas consciência de nossa precariedade. Saíram do arranca-rabo (êpa!) meio ralados e arranhados, mas maiores e melhores.Um duplo abraço do amigo.
Nelson Motta
do Vampiro (Ariano) de Curitiba
Sim, ambos têm muito em comum. Mas uma coisa me chama a atenção. Como esses dois são feios, né? Ô povinho feio, gente! Um careca, o outro a cara da Mortícia Addams, he, he… Nesse ponto, muito particularmente, eu me diferencio dos dois: Loiro, 1,90m, olhos azuis meio esverdeados, lábios vermelhos… Prazer, Vampiro de Curitiba!
do Sergio Penteado
Para aqueles que estão pensando que o Gerald "tramou" essa aproximação como uma brilhante estratégia de marketing para alavancar a audiência de seu blog (e que, de fato, acabou acontecendo), quero dizer que, apesar de ele e o Reinaldo Azevedo serem pessoas aparentemente opostas, o fato teve a origem da forma mais fortuita possível.
Um belo dia, passeando pela rede, entrei, como faço às vezes, no blog do Reinaldo, e me deparei com um post que mencionava uma entrevista do Contardo Calligaris, o brilhante psicanalista que, até onde eu sei, é amigo de ambos.
Disparei um e-mail para o Gerald, sugerindo que ficasse de olho para quando essa entrevista fosse comentada, sem segundas intenções, apenas porque imaginei que ele acharia interessante ter a referência da matéria do amigo.
Isso aconteceu domingo passado, e como e um dia meio chato e sem inspiração, o Gerald tem que pensar em algo, escrever e entregar na correria o seu artigo semanal para o "Direto da Redação", que normalmente é reproduzido aqui nesse blog.
O que ocorreu seguida foi que ele, Gerald, ao entrar no blog do Reinaldo, concentrou sua atenção no conteúdo dos posts de lá, e discordou especialmente de um que mencionava a desproporção estatística dos mortos pela ditadura cubana contra a ditadura militar no Brasil na década de 70. E publicou sua opinão, tanto no DR como aqui.
O resto da história todo mundo conhece, caiu para o embate ideológico e para o princípio da matilha, com uma constrangedora troca de insultos (diga-se, mais por parte do RA) ao que o Nelson Motta se referiu (gratuita e pesada, pelo que me cumpre dizer, deveria ser deletada ou simplesmente esquecida como resolução diplomática porque o que o Reinaldo escreveu sobre o Gerald continua lá no blog dele, antes que decidissem "rodar o cachimbo" da paz).
E a partir daí, nos dias seguintes até o episódio da tal "reconciliação" não comentei nada, por inútil. Seria como querer apagar fogo com gasolina.
Mas o fato é que a comunicação eletrônica, por proteger muitas vezes o anonimato dos bloguescribas, incentiva o abuso, particularmente o estereótipo. Parte do pressuposto que quem está com o Reinaldo é um cachorro hidrófobo da direita, quem gosta do Gerald é porra-louca de esquerda enrustido, em que ou se é preto ou branco, zonas intermediárias de dissenção são vistas como fraqueza ou "em cima do muro", sei lá…
Nada mais falso. Continuo achando que, a despeito da divergência de alguns, até ironicamente, as opiniões de ambos convergem em vários aspectos. Eu mesmo, há alguns dias, tive meu comentário publicado nesse blog condenando (pra quem entendeu) com veemência o regime de Fidel Castro em Cuba.
E, depois de desencadeada a polêmica, também disse com franqueza ao GT que considerava a divergência e o debate saudáveis, que o que de fato pode seduzir é um argumento bem colocado, mesmo que não concordemos, e que, sobretudo, ele tinha errado ao iniciar de maneira torta aquela discussão, atacando pessoalmente o Reinaldo Azevedo, com aquela história de "dar dicas", etc. Fugindo ao campo do debate de idéias e argumentos reais, como é próprio de discussões civilizadas, tornou-se alvo dá própria artilharia.
E, mal que se fale do Gerald por sua excentricidade e recorrente incoerência, tem muitas, e grandes, qualidades : é uma pessoa extremamente democrática, que reconhece suas limitações, contrariando a fama de "arrogante" e tem humildade para reconhecer seus erros e também PUBLICA críticas em contrário nesse blog e interessa-se por incentivar um debate saudável.
De algum modo, por enquanto, esse "affair" terminou bem, e decerto não foi golpe de marketing ou uso de nome alheio.
Não é sempre que precisamos pensar o pior em relação a outrem.
Sergio
Do Jorge Schweitzer, o taxista em movimento

Pessoal, Ontem o Gerald Thomas estava aqui no Rio de Janeiro e acabamos nos encontrando… Aproveitei para filmar um bate papo com o nosso amigo… Foram gravados 10 minutos, mas só consegui colocar no ar 6… O final da gravação ele explica o imblóglio com o Reinaldo Azevedo e deixa um recado simpatissímo à ele… Infelizmente não consegui colocar no youtube… Mas conservei a gravação original e, posteriormente, tentarei corrigir colocando a entrevista na íntegra… Vocês podem visualizar o filme no meu blog: http://www.taxiemmovimento.com.br ou no endereço do you-tube: http://br.youtube.com/watch?v=aZG2oG56eBw Abração, Jorge Schweitzer
Jorge Schweitzer

do Carlos

Sergio e Gerald: caracas, vocês viram o anúncio que a Hillary Clinton colocou no ar? vejam esse vídeo no youtube (vá até 1:41) http://br.youtube.com/watch?v=EhTHGk3Foao&NR=1*********Usando as mesmas técnicas do Bush, a retórica do MEDO? Vergonhoso! E Gerald, mais pra frente no mesmo vídeo tem uma performance da Hillary que prova ser uma atriz e tanto. Você pode pensar em contratá-la depois das eleições (que ela certamente não vai ganhar caso sela nomeada). NO MAIS: como faz falta um cara como Christopher Hitchens no Brasil!!! O livro dele: "GOD IS NOT GREAT. HOW RELIGION POISONS EVERYTHING." Imagino o que os guruzinhos e reizinhos virtuais da internet e seus subalternos não diriam sobre esse cara. Provavelmente o queimariam vivo.

do Sergio Penteado

Carlos, ainda não assisti ao vídeo, vou dar uma olhada, depois comento. De todo modo, se for como você diz, não parece muito o "modus operandi" que mais aprecio, mais ainda por ter dito que preferia a Hillary dentre as opções oferecidas. E Jorge, já que o vídeo menciona a evolução do coito por aprimoramentos tecnológicos, frustrei-me ao ver que a brusca interrupção do mesmo sugeriu um coito interrompido…he he he

responde Jorge Schweitzer

Carlos, (na verdade a resposta é para o Sérgio Penteado)…Na realidade, o vídeo é gravado em um formato e transformado para outro que o youtube identifique… Gravo dez minutos ou o equivalente a extensão de aproximadamente 100.000 kb… Este controle ainda não aprendi a controlar pois depende de luminosidade na gravação… E fico a mercê da sorte em conseguir ou não postar a totalidade do vídeo… Conservei os 10 minutos de gravação no original e irei voltar a tentar enquadrar no padrão para que todos possam ver o final da nossa conversa… Já havia avisado o Gerald mesmo antes de colocar no ar as imagens que tive este problema… Ele ficou chateado e eu idem, pois era a parte mais interessante do diálogo que abordava o assunto "Reinaldo Azevedo"… Mas, podes crer, foi falha por ignorância no manejo cibernético e não por 'censura' em não concordar totalmente com o exposto… Jorge Schweitzer


16 Comments

Filed under Sem categoria

comentario do Tales

– Reinaldo diz que é defensor da civilização e da tolerância, que não vai deixar de dizer o que pensa – essa é sua ética, etc e tal. Eu também gostaria de dizer que concordo com muitas das idéias dele. Mas eu gostaria de saber (por que esta é a odiosa impressão que fica pra mim) se ele está de acordo com esta análise: o Brasil teve uma história injustíssima com relação à sua estrutura fundiária excludente. Aí como é que alguém em sã consciência pode achar que só o DEUS-mercado-desenvolvimento econômico-educação pode sanar essa injustiça e chamar o MST de quadrilha criminosa? A reforma agrária não é uma solução?
Tales

resposta do Gerald:

Olha so. Sobre esse tipo do coisa, de analise eu me sinto um total inutil. Nao posso discutir. Nao tenho a info que ele tem. Sobre o MST nada ou pouco sei (falha minha, eu sei). Mas posso discutir Artaud, Beckett ou John Cage, ou como dividir ou "antes e depois" da obra de Arnold Schoenberg ou de Marcel Duchamp na cultura do seculo XX. Claro que entro em politica tambem: mas, geralmente em coisas do passado: Adenauer, Hitler, Clinton, Reagan, Blair, Putin ou os filhos do Putin. Ninguem pode falar sobre TUDO. No momento estou estudando Hemingway e sua relacao com Gertrude Stein e Pound. Nao eh exatamente um "cup of tea". O "Prospero" da Tempestade de Shakespeare eh mais agradavel mais apaioxonante e mais poderoso (apesar de des-tronado).
Aprendi a respeitar o Reinaldo nesses ultimos dias pela ENORME capacidade de informacao e CULTURA e ETICA que esse HOMEM tem. E mais. Volto a pedir que PAREM de rotula-lo como ISSO ou AQUILO. Minha caixa da aol entupiu. Entupiu de gente (amigos?) dizendo (nao vou reproduzir), muitos aplaudindo , outros vaiando. So posso repetir: Me sinto FELIZ com esse encontro porque NINGUEM deve ser PRE-JULGADO. NINGUEM. Tales: nao sou economista. Nao tenho essa pretensao. O Reinaldo realmente me surpreende no que diz respeito a sua incrivel IMPARCIALIDADE. Espero que entendam a nao CONFUNDIR estilo com opiniao. Estilo eh a roupa. Opiniao eh o conteudo: A roupa dele – as vezes – pode ser gritante (assim como a minha tambem eh). Mas o seu conteudo eh baseado em FATOS!
Portanto, esse tipo de pergunta, realmente, tem que ser dirigida a ele. A mim, restam as pobres "impressoes e metaforas"
LOVE
Gerald

do João

Tales, quanto à necessidade de uma reforma agrária nos moldes da propalada pelo MST, tenho minhas dúvidas. É uma proposta arcaica que, a meu ver, faria mais mal do que bem à agropecuária brasileira, que é exemplo de excelência na área. O MST é criminoso, sim, a partir do momento em que invade propriedade alheia, depreda bens públicos e privados, incita a violência. O que você acha da ação do MST na Aracruz? O que você acha de o MST invadir e depredar praças de pedágio? Esse movimento é violento, anti-democrático, contra a Lei e defende teses altamente questionáveis. Isso sem falar da atuação política muito distante das questões agrárias: o MST parece o braço-armado de uma corrente política. Onde tem baderna com fundo político, pode-se esperar a presença do MST e congêneres. O MST é um péssimo agente nessa questão toda: é um fator não de revolução benéfica, mas de desestabilização institucional, o que me parece que é a real vontade desse movimento.

do Walter/SP

Cartas a um amigo americano – I Olavo de Carvalho Diário do Comércio, 19 de novembro 2007 Quando você esteve no Brasil trinta anos atrás, o panorama de miséria, atraso, opressão e taxas altíssimas de mortalidade infantil por desnutrição parecia ser o resultado inevitável de um regime político dominado por oligarcas rurais corruptos e de uma economia agrícola latifundiária e monoculturista. A reforma agrária, com distribuição de terras e ajuda estatal aos pequenos proprietários, parecia ser o remédio mais adequado para a situação desesperadora de milhões de brasileiros, mas os senhores do poder opunham à sua aplicação uma resistência obstinada, através do Congresso e da mídia. Nos grupos políticos, intelectuais e militares livres de compromissos com os oligarcas, não havia muita divergência nem quanto ao diagnóstico, nem quanto à terapêutica. A necessidade da reforma agrária era admitida pelo consenso geral, só restando saber quem iria promovê-la, a esquerda ou a direita

do diamond – Curitiba

Ao Gerald e ao Teles. Como uma reforma agraria pode ser a solução, quando o MST ja dispoe de terras do tamanho de paises inteiros da Europa e ainda sim boa parte de seus membros dependem da ajuda governamental? A agricultura moderna precisa de investimentos pesados, equipamentos caros e naturalmente, de muita terra para uma produção em escala. O modelo de "pequeno agricultor" não funciona hoje. Veja o exemplo dos EUA. Menos de 1% de sua mão de obra esta no campo. Isso é natural e nao necessariamente gera desemprego. Os empregos sao realocados. Foi a mecanização que permitiu a queda nos preço dos alimentos em 75% na segunda metade do século 20. O livre mercado resolve problemas quando é LIVRE! Mas no Brasil não existe "deus mercado". Estamos em 101º em liberdade economica, entre 150 paises.vide: http://www.heritage.org/Index/countries.cfm E pra encerrar, um excelente trabalho sobre o MST. Radiografia do MST http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=470 abraços!

do Moreirinha

Caro Gerald Fez bem em fazer as pazes com o Reinaldo, aquele precocíssimo (e ponha precocidade nisso) poço de virtudes. Imagine que, segundo ele mesmo, aos 14 anos já lutava contra a ditadura. Fico a imaginar que tipo de luta ele fazia naqueles estertores do regime? Talvez matasse aulas no banheiro do colégio como forma de lutar contra o sistema. Ou será que, no meio da multidão, vaiava paradas de 7 de setembro? Sei lá, mas se ele, o coerente, falou, tá falado, não tem discussão. Tento em postar aqui no seu blog porque no blog do Reinaldo, apesar de ele ser um democrata convicto, um baluarte contra qualquer tipo de patrulhamento, por algum motivo que não consigo entender uma série de uns 30 comentários meus em cinco ou seis dias, não foram publicados. Talvez isso tenha acontecido por algum problema no sistema, pois é claro que anti-patrulha e democrático como é,Reinaldo não os censuraria. Nem ele e nem alguns dos seus leitores que, volta e meia, gritam: Detona ele, Tio Rei!

…e um alerta do Paulo

Gerald, você escorregou feio. O Reinaldo não é IMPARCIAL (presta atenção nesta palavra). Você começou agora. Reinaldo Azevedo é mais complexo do que você imagina. Tome cuidado com ele.
Paulo

Edna discorda :

Gerald, não ligue para o alerta do Paulo. Pelo jeito ele nem lê o Reinaldo Azevedo – embora pretendesse se fazer passar por grande conhecedor. Se ele o lesse, saberia que o próprio Reinaldo já cansou de dizer que não é imparcial, muito pelo contrário. Portanto, Gerald, alguém que deixa tão claro o porquê de suas opiniões só pode ser digno de toda confiança. E você foi suficientemente inteligente para perceber isso. Parabéns.

Nosso amigo Vampiro também :

Paulo, deixa de teoria de conspiração, hómi! O Reinaldão é o cara! Pode-se discordar dele, como eu discordo (ele tem o mesmo problema do Olavo de Carvalho, quando se metem a falar em religião, em deus, só sai merda) mas o cara escreve muito.

E o Mau arremata !

Quem for totalmente imparcial dê um passo para frente.

27 Comments

Filed under Sem categoria

Reinaldo Azevedo em seu blog hoje(http://veja.abril.com.br/blogs/reinaldo/)

Minha sede é de civilização, não de sangue

Os três posts de ontem do episódio "Reinaldo Azevedo-Gerald Thomas"entraram para a lista dos mais comentados do blog: até agora, nada menos de 679 opiniões publicadas – e, creio, umas 200 vetadas pelos motivos que já expus num outro post. A vilania do PCC eletrônico veio para cá em peso e, quiçá, contaminou alguns que não perceberam que adotavam a linguagem e os procedimentos da bandidagem. Temos aqui a brincadeira do "Tio Rei", mas, é evidente, todo mundo é bem taludinho. Cada um sabe de si. Nunca pego no braço de ninguém porque odeio que peguem no meu braço. Entre os 679 comentários, há muitas críticas a mim, algumas bastante duras. É do jogo. Surpreendi? É bem possível. Compreendo as reações negativas, mas não vou me abster de comentar algumas boçalidades.

"E se Lula ligar? E se Mangabeira ligar? E se Não-Sei-Quem ligar?" Esse "não-sei-quem" pode ser preenchido por alguns nomes do lobismo em pele – ou pêlo – de jornalistas. "Você também fará as pazes?" Quanta tolice!

Já relatei aqui, conto de novo. Quando fechamos as portas de Primeira Leitura, recebi um telefonema gentilíssimo do ministro Tarso Genro. É claro que falei com ele. E falo de novo se ele ligar. E ligarei pra ele se julgar necessário ao meu trabalho – se é que ele vai me atender. Lamentou, então, o fechamento da revista (e não especulo sobre a sua sinceridade porque, nesse caso, não me cabe). Tivemos uma conversa educada. Ele me disse então: "Sempre reconheci em vocês adversários ideológicos leais". Achei boas as suas palavras. Sim, Primeira Leitura era adversária ideológica – e não partidária – do PT. Também escrevi uma carta de despedida em que afirmava que não havia culpados para aquilo. Nem PT nem ninguém. Se querem culpados, apresento-me logo. Tenho horror de vitimismo. E era leal. A lealdade que mantenho no meu blog. Qual é meu jeito de ser "leal"? Dizendo tudo, absolutamente tudo, o que penso.

A boa educação do ministro comigo não me tornou um seu aliado. "E se Lula ligasse?" A hipótese é ridícula, mas é claro que falaria com ele. E atenção: não tentaria dar pitaco no seu governo, não. Não tentaria mudar as suas escolhas, não. Não ficaria fazendo críticas pontuais a isso ou àquilo, não. Perguntaria sobre a sua saúde, se Dona Marisa vai bem, comentaria sobre o Corínthians. Se fosse para ele me dar uma entrevista, bem, aí, sim, o papo seria outro.


Há uma diferença gigantesca – e não reconhecê-la é brutalizar o debate, e se há brutos aqui que queiram ir embora, a porta de saída é a serventia da casa – entre relações pessoais e relações marcadas pela representação pública. Quando o sr. Mangabeira Unger afirmou que Lula conduzia o governo mais corrupto da história da República, ele falava em nome de um entendimento da política, do estado, da sociedade, das instituições, que julgava avesso àquela ordem de coisas. Como pôde, depois, ser ministro daquela mesma ordem, sem que ela tenha mudado?

Em seu blog, Gerald Thomas me autoriza a tornar pública a troca de e-mails que antecedeu seu telefonema e a relatar a conversa que tivemos ontem. São e-mails que também avançam de uma certa dureza para a cordialidade, mas publicá-los corresponderia a negar o direito que tenho à privacidade – com Gerald ou com qualquer outra pessoa. Calma lá! Não fui eleito a nada! Não vivo de dinheiro público! Sou um homem absoluta e resolutamente privado. Uma coisa é ter certa curiosidade sobre os caminhos que levam duas pessoas que se estapearam a manter uma conversa civilizada; outra, diferente, é xeretar a vida alheia.

Escreve Thomas no blog: "O que quero dizer é que aprendi MUITA COISA! Que não se ataca simplesmente sem constatar antes quem é: isso é gratuito e leviano. O Reinaldo e eu – óbvio – divergimos em alguns pontos. Mas estamos em TOTAL acordo sobre outros". Alguém reconhece que errou, e eu devo me comportar como um tiranossauro rex? Ah, vão procurar outro pra fazer esse papel!

Sobre Fidel ainda: na conversa, Thomas expressou o seu horror ao ditador e à ditadura. Lembrou, no entanto, que a larga maioria dos cubanos tem fixação pelo Comandante, mantendo em casa o seu retrato, o que não seria habitual em outras tiranias, de direita ou de esquerda. E é verdade. Ponderei que essa devoção tem de ser relativizada, dado que não há liberdade de imprensa, de crítica, de manifestação. E é bem provável que ela seja, em boa parte dos casos, expressão não de alguma forma de afeto ou de adesão política, mas da repressão. Falamos de números, do PIB per capita antes da revolução e hoje; observei que os números sociais de Cuba foram manipulados para baixo em 1959 e são manipulados para cima hoje etc. Descobrimos que ambos detestamos, e por motivos idênticos, o filme Diários de Motocicleta, de Walter Salles, uma espécie de elegia envergonhada ao tiranete Che Guevara – o "Chezinho do Waltinho", conforme chamei. Falamos de Bush – ele bem mais crítico do que eu -, da Guerra do Iraque (ele contra, eu a favor).

Thomas deixou claro que seu "amor" ao comunismo não é inferior ao meu, se é que me entendem. Até porque conheceu de perto, com familiares vivendo nas duas Berlins, tendo de atravessar o muro para levar laranjas (!) ao lado comunista. Ou, ainda, em suas palavras: "Rimos do que temos em comum: o ódio ao PATRULHISMO XENOFÓBICO de MERDA e o (meu) DESENCANTO TOTAL por esse que se chama de presidente aí: o LULA."

Se divulgasse, como ele autorizou (sim, ele tem de autorizar porque é correspondência privada, e prezo a civilização), os e-mails, talvez ficasse ainda mais claro por que aceitei conversar e por que julguei a conversa frutífera, positiva. Mas não vou. Trata-se de uma intromissão inaceitável. Estão querendo transformar numa variante de crime, de trapaça, de traição, o que deveria ser a coisa mais comum do mundo: duas pessoas que vivem do seu próprio trabalho, sem pegar um tostão de dinheiro público, tem suas divergências e acabam conversando.

E os insultos? Estão lá no blog dele. Estão no meu blog. Outros, antes de nós e melhores do que nós, já brigaram e se entenderam. Nem vou citar nomes porque logo diriam que estou tentando pegar carona em biografias alheias, muito mais virtuosas do que as nossas. Mas há um caso no Brasil que se tornou um clássico do confronto e da conciliação.

E finalmente…
No primeiro texto em que relata a nossa conversa, Thomas escreveu: "Desculpe decepcioná-los, mas conversamos longamente ontem por telefone (iniciativa minha depois que percebi que tínhamos muito mais em comum do que contra)." Não era um recado para os leitores deste blog. É que alguns camundongos já haviam se oferecido para "ajudar" Thomas a malhar o "Reinaldo irascível, que briga com todo mundo, o cão sarnento da direita". E Thomas percebeu que era uma gente suja, feia e malvada. Rejeitou a solidariedade dos idiotas.

Terei hoje um dia complicado porque Dona Reinalda passará algumas horas no médico e depois em repouso. Vou buscar as crianças na escola, levar pra lá, trazer pra cá, tudo de táxi, já que não dirijo nem carroça (alguns gostariam de me ver puxando uma, hehe, com o relho no lombo). Por isso, não sei se terei tempo de tomar café com Thomas. Se não hoje, quem sabe amanhã.

Poderia encerrar assim, com Fernando Pessoa de novo: "Como sou rei(naldo) absoluto da minha simpatia, basta que ela exista para que tenha razão de ser". Mas talvez não fosse o melhor emblema do caso. Como ser privado, briguei com Gerald Thomas (e ele comigo) com tudo o que a briga tem de razão e fúria. É um dado da realidade. E passamos a manter uma conversa civilizada, com tudo o que esse termo revela de matizes, cuidados e diferenças.

Um dos adversários de Marat, o grande porra-louca e cortador de cabeças do Terror (Revolução Francesa), disse a respeito de sua fúria homicida: "Dêem um copo de sangue a este canibal, que ele está com sede". Eu tenho sede de civilização e de tolerância. Sem jamais deixar de dizer o que penso. Por isso aprendi a detestar as generalizações estúpidas da esquerda. Por isso aprendi a detestar o "Imbecil Coletivo". A canalha comunista e adjacências é que entende de morte. Eu entendo de vida.

Aos que se foram ou se forem, ainda e sempre, o meu afeto. Aos que ficam, a luta renhida. Aos que chegarem, o convite para novos embates. Lamento ter eventualmente decepcionado os que me imaginavam como uma espécie de "contínuo de mim mesmo" (by Nelson Rodrigues, quase) ou de funcionário burocrata do que imaginavam de mim.

Por Reinaldo Azevedo

do Heitor Bonfim

Gerald Thomas causou um terremoto de 7,5 na escala Richter no blog do Reinaldão. Foi muito interessante a diversidade de reações. Mas o Reinaldo, mesmo, já disse que seus leitores querem sangue.

do Vampiro de Curitiba

Bom dia! Sou leitor assíduo do Reinaldo Azevedo. Confesso que só depois dessa "briguinha" vim a conhecer seu blog. Tudo muito bem, tudo muito bom, mas vem cá: E as tais "dicas" sobre sexo que você havia prometido a ele, hein? Foi sobre isso que conversaram? Foi por aí que você o seduziu? Nos conte tudo, não nos esconda nada, he, he… Fico feliz por ter mais um blog para ler… Abraço!

do Jorge Schweitzer

"camundongos já haviam se oferecido para "ajudar" Thomas a malhar o "Reinaldo irascível"… Aí o caro Reinaldo exagerou e como 'oferecido' devo esclarecer que somente pretendia conhecer as medidas glúteas do Azevedo já que ele possui o mesmo sobrenome que a Andressa Garota Melancia da Dança do Créu e imaginava parentesco… Pô, ficar amigo do Gerald e atacar seus amigos é uma tática sacana-abraço-de-afogado que pretende afastá-lo de quem lhe admira… Não gostei da brincadeira… Camundongo é a puta que o pariu!

do Daniel

Não dava mesmo pare entender uma discussão naqueles termos… é realmente reconfortador saber que pessoas inteligentes e civilizadas -algo cada vez mais raro no Brasil – são capazes de superar picuinhas inúteis causadas por um comentário infeliz… bastava olhar o blog do Reinaldo para ver que ele jamais tentou relativizar barbáries de direita ou de esquerda… Gerald, vc realmente se mostrou um homem livre, algo que sempre transpareceu nos seus trabalhos…

do Laion

De chutador do traseiro a copidesque do "tronco de enchente".Essa é boa. Certa feita René Descartes empreendeu uma série de ataques contra a teologia e seus expositores.Porém, foi orientado:"Não publique nada, antes de conhencer vida e obra de Tomás de Aquino." Assim fez, e descobriu que São Tomás já havia antecipado e respondido a possíveis refutações a suas idéias. Descartes Passsou a comungar das idéias de São Tomás. RA ñ é René e Gerald ñ é São Tomás. Mas ficou a lição: Nunca ataque biografias, pontos de vista, etc,sem antes conhecê-los. Inteligência não coaduna com aleives.

do Carlos (US)

Sim, a "capacidade" de Reinaldo Azevedo de acumular fatos é proporcional à sua capacidade de manipular seus leitores. Só que não vai ficar atacando os leitores desse blog gratuitamente e passar em branco. Cansou. E quem escreveu aqui em defesa desse blog está sendo ridicularizado sem defesa. Reinaldo Azevedo escreveu que VETOU umas 200 mensagens ONTEM. E justificou: "A vilania do PCC eletrônico veio para cá em peso e, quiçá, contaminou alguns que não perceberam que adotavam a linguagem e os procedimentos da bandidagem". Pois bem: minha mensagem foi vetada. Não sou camundongo muito menos bandido, senhor Reinaldo Azevedo. Essas táticas de manipulação são fétidas e isso aproxima você, Reinaldo Azevedo, dos procedimentos da bandidagem que mencionou. Seu nível é baixo demais e é lamentável que a internet brasileira já esteja tão corroída e putrefata tendo você e outras aberrações guiando a locomotiva da estupidez. Fui vetado por discordar e por discutir de forma respeitosa.

É grave e mentiroso dizer de que as mensagens vetadas adotavam a linguagem e os procedimentos da bandidagem. Estou chocado com o nível de manipulação das pessoas na internet. É possível, através de generalizações, insultos, desinformação e completa ignorância, DESTRUIR a reputação de outra pessoa, principalmente quando "guiadas" por pessoas que pouco se importam com o resultado de suas irresponsabilidades. Repito: escrever que as mensagens vetadas naquele blog vem de pessoas que adotavam procedimentos de bandidagem é uma afirmação MENTIROSA e uma OFENSA contra as pessoas sérias que AINDA circulam pelos blogs. Lamento.
Carlos

10 Comments

Filed under Sem categoria

Minha conversa com o REInaldo

Estou no Rio, no meio do tumulto e, portanto, sem acesso a computador. Mas fiquei numa felicidade ÚNICA quando o tel tocou no meio de uma reunião: era o Reinaldo, dizendo que estava comentando o meu post aqui de baixo. Acabo de ler o que ele escreveu. No Blog dele: Ana, se vc estiver lendo isso, please, pode reproduzir o texto dele aqui tambem: Reinaldo, se vc quiser, tenha a total liberdade de reproduzir a nossa troca de e-mails que precederam o telefonema, pra que a coisa fique transparente. Ou não. O que quero dizer é que aprendi MUITA COISA!

1- Que não se ataca simplesmente sem constatar antes quem e: isso é gratuito e leviano. O Reinaldo e eu – óbvio – divergimos em alguns pontos. Mas estamos em TOTAL acordo sobre outros!! Falamos sim sobre Fidel. Nao chegamos a nenhuma CONCLUSÃO, senão a de sempre: DITADURAS são HORRENDAS. mas me expressei quanto à peculiaridade desse "enigma", "estranho" que ainda é adorado dentro de sua própria ilha. Comparamos com o Hoenecker da ex DDR (pelo fato d'eu ter cruzado tantas vezes o Checkpoint Charlie ou o Bahnhof Friedrichstrasse) pra levar laranjas e macas pra família do lado de lá: e como isso me doia. Como era HORRRRRÍVEL aquilo ali.

2- Rimos sobre o que temos em comum: o ódio sobre o PATRULHISMO XENOFÓBICO de MERDA e o (meu) DESENCANTO TOTAL por esse que se chama de presidente aí: o LULA. Ja escrevi sobre o Lula e Bush no Tendências e Debates na pag 3 da Folha. Preciso sair. Mas escrevo mais. Como disse antes, achei o Reinaldo uma pessoa Maravilhosa. Por favor, PAREM com estereótipos!!!! Se vcs querem ver sangue, matriculem-se nos Gracies. Vejam luta livre ou vão à luta! Entre nós? Vamos nos encontrar, espero, e tomar um belo café brasileiro e reclamar da vida. Ou celebrá-la, o que é mais o nosso estilo.
VIVA
LOVE
Gerald

PS: Ah, e para aqueles que afirmam que eu "ganhei" muitos leitores por causa dele: Ótimo. É uma HONRA! Eu mesmo lerei o blog dele! Mas é bom lembrar: blog é de graca. Teatro ainda é pago e tem que se estacionar, pegar taxi, etc,…essas coisas. Quem dera a vida fosse resolvida aqui, nesse espaço virtual.

Comentários de hoje sobre o assunto de Reinaldo Azevedo (http://veja.abril.com.br/blogs/reinaldo/):
"Alguns leitores me perguntam se é verdade, outros acham que é assim que se faz, e há aqueles que estão nos acusando de prima-donismo etc e tal. Bom, vamos lá. Sim, é verdade o que vai acima. E acho, como diria Louis a Ricky, em Casablanca, que pode ter sido o "início de uma bela amizade". Com uma diferença em relação ao filme: Louis era um corrupto simpático. Eu e Gerald não somos corruptos – e há muita controvérsia sobre se somos simpàticos.

Olhem aqui: faz a guerra quem pode e promove a paz quem pode ainda mais. Será que deveríamos ficar trocando porradas vida afora, embora, como ficou claro numa longa conversa, tenhamos hoje em dia mais convergências do que divergências? Já imaginaram a cena? No limite de nossas forças, lá na frente, dois velhinhos (olhem a minha esperança, hehe…) lutando pelo… passado? Começaram a nascer convergências de divergências as mais claras, as mais explícitas, sem meias-palavras. Como gosto. E eu acho isso muito bom. Na nossa guerra e na nossa paz, não há um miserável tostão de dinheiro público. Não estamos engabelando ninguém.

E que se note: os vagabundos de sempre tentaram emprestar sua "solidariedade" mafiosa a Gerald – vocês sabem: as ratazanas… "Ah, não liga, não; o Reinaldo é assim mesmo. Ele também bate na gente; ele é um brucutu". Sabem a coisa de que mais gostei nesse processo todo? Gerald dispensou essa solidariedade dos canalhas; quando ele percebeu a qualidade dos que se alinhavam contra mim, sacou que havia algo de errado: "Epa? O que essa gente quer comigo?" E tomou a iniciativa de me ligar. E a conversa, de fato, foi muito boa.

Alguns tontos gostam de me transformar num monstrengo, que sai por aí a distribuir porradas, sem olhar. Lutam desesperadamente para que eu os transforme em vítimas aqui no meu blog pra exibir, depois, as chagas: "Olhem o que aquele direitista e reacionário disse de mim" E, então, outros tão imbecis e irrelevantes quanto eles próprios se solidarizam: "Ah, ele é horrível mesmo!"

Ocorre que, lamento dizer, nesses confrontos, quem está com a civilização dos indivíduos, do "menos estado, mais sociedade", da vitória da vontade sobre os mercadores do coletivismo, somos nós, os que estamos do lado de cá da linha, os que não queremos participar, na melhor das hipóteses, desse arremedo de "neo-estato-nacional-desenvolvimentismo" e, na pior, desse stalinismo liofilizado, à espera da água quente das contradições para, então, evoluir para uma ditadura.

Sim, conversamos, sim. E foi uma conversa agradável. Os camundongos (eram ratazanas, mas a realidade já lhes aplicou um downgrade) fingem acreditar na existência de uma conspiração de homens maus, que eu integraria, porque, assim, podem bater a carteira do público sem que ninguém perceba. Mas vejam que surpreendente!, eu gosto é de civilização. E foi sobre ela que conversei com Gerald nesta madrugada.

E os bobinhos que têm a pretensão de ser inimigos meus ou de VEJA continuarão em sua cantilena triste e solitária."

"A reação dos leitores

Às 15h38, publiquei o post sobre a conversa desta madrugada com Gerald Thomas. São 18h16: liberei, até agora, 217 comentários e vetei 34. Entre os 217, a maioria, como podem ver, é de apoio e compreensão amiga. Mas:
– há quem, leitor freqüente e colaborador deste blog, tenha anunciado o rompimento com a página. Lamento. Bocatto, por exemplo, não gosta mais de mim. Continuo a gostar dele;
– há quem se diga decepcionado pura e simplesmente;
– há quem me compare a Lula, a "metaRmofe ambulântio"…;
– há os que perguntam: "E se fulano ligasse? E se Beltrano ligasse"? E aí listam todos os adversários políticos e intelectuais do blog e do blogueiro.

Está tudo ali. Há para todos os gostos. Entre os 34 vetados:
– há alusões grosseiras à suposta sexualidade de Gerald, à minha e à de parte da humanidade;
– há petralhas disfarçados de "reinaldistas", gente que não reconheço, propondo uma cruzada contra o blog… O "Reinaldismo" não existe: é uma invenção do petralhismo;
– há mesmo alusões a um suposto acordo secreto… É, vai ver que sim, né? Seria, mais uma vez, a "Conspiração Judaica"??? Será que Gerald e eu andamos manipulando verbas do Orçamento, usando cartões corporativos? Reeescrevemos os Protocolos...?
– E há aqueles que agridem os próprios leitores do blog: "Estão vendo? Vocês foram trouxas em confiar no Reinaldo".

Bem, o conjunto da obra me remete à morte de Pinochet, quando desejei que ele ardesse no fogo do inferno. Alguns ficaram muito decepcionados. Como? Então eu não era um pinochetista? Quanta decepção! Não! Não era! "E se o comunismo tivesse vingado no Chile? Não teria morrido mais gente?" Teria, sim. Mas e daí?

Perde seu tempo quem achar que vai entrar neste blog para encontrar justificativas morais para canalhas que torturam e matam pessoas indefesas, por mais criminosas que sejam, que estão em poder do Estado.

O meu paradigma é a civilização democrática, é o estado de direito. Evito o tema porque detesto esses heroísmos de propaganda. Mas comecei a lutar contra a ditadura aos 14. Aos 15, fugia da polícia. Minha ficha está lá. Sou anticomunista, sim. Ah, é démodé? Problema meu. A maioria das teses das esquerdas não passa de empulhação e elogio da incompetência. É o que eu acho. Isso me rende muitos inimigos? Não ligo. Cada um arque com o peso das suas escolhas. Com um pouco de esforço, eu receberia uma indenização: o monstro totalitário contra um garotinho de 15 anos. Mas eu escolhi. Mando à merda esses caras que também escolheram e que depois se borram, cobrando ressarcimento da "ordem burguesa" com a qual queriam acabar. A minha única ressalva é a indenização justa aos familiares daqueles que morreram sob a guarda do estado – a minoria dos 424 mortos da ditadura. Ocorre que as indenizações hoje contemplam milhares – até Lula – de aproveitadores.

Mas daí a acharem que posso ser condescendente com ditaduras, por mais virtuosas que se queiram, ou com torturadores? Ah, mas não mesmo!!! Disse então: "Vocês que esperam isso de mim não têm o que fazer aqui".

Arco, como sempre, com o peso das minhas escolhas. Falei, sim, com Gerald. Falo com quantos queiram falar comigo, desde que não me peçam para o coonestar o crime, a lambança, a trapaça – sobretudo o maior de todos os engodos: a vulgar dialética dos bandidos, que acreditam que o bem pode derivar do mal; que apostam que pode nascer o "homem novo" das ditaduras virtuosas.

Meu mundo é o dos homens livres – e quem não pode perdoar é escravo de seu rancor. Eu não sou. Sou apenas subordinado ao que consegui fazer do que fizeram de mim.

E finalmente: há pessoas sinceramente decepcionadas, sim. Respeito-as. Talvez um dia também possam, segundo seus critérios, me perdoar. Talvez não. Há a hipótese de que eu esteja errado? Sempre há. De novo, cumpre arcar com o peso das escolhas, pelas quais sou o único responsável."

"

Eu sou UM

Olhem, daqui a pouco, vou sair para um jantar – não é com Gerald Thomas, ainda… Vocês viram que passei boa parte da tarde avaliando comentários. É justo. Um blog é feito, em grande parte, pelos leitores. Cobram que eu "revele" o que foi que nós conversamos. Epa! Aí já acho um pouco demais. Mas não me furto a tratar da dimensão, vá lá, pública da coisa.
– vocês acham mesmo que, caso Thomas tivesse tratado Fidel como herói, a conversa teria evoluído bem?;
– vocês acham mesmo que, se ele tivesse feto a apologia das ditaduras, que a conversa teria encontrado solo fértil para prosperar?;
– vocês acham mesmo que, se ele fosse, sei lá, um admirador do comunismo, tudo teria se dado de forma tranqüila?;
– vocês acham mesmo que, se ele tivesse feito a apologia da estatismo cultural, que teríamos avançado na conversa?

Não! Eu não vou reproduzir o que ele me disse. Isso é com ele. E faz se quiser. Há muita gente lendo O QUE NÃO ESTÁ ESCRITO e ignorando O QUE ESTÁ ESCRITO.

Mais: tentam me intrigar com Olavo de Carvalho, que é meu amigo, o que nunca escondi. Por que o faria? Ao contrário. Sempre escrevi: é uma amizade que me honra. Pensamos as mesmas coisas? Às vezes, sim; às vezes, não. No essencial, acho que concordamos.

Aos que vêm com agressões baratas, respondo com o Lisbon Revisited – 1923, de Fernando Pessoa (Álvaro de Campos):

Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.
Assim, como sou, tenham paciência!
Vão para o diabo sem mim,
Ou deixem-me ir sozinho para o diabo!
Para que havemos de ir juntos?

– Quando me virem aqui a defender ditaduras, de esquerda ou de direita, então cuspam na minha coerência;
– quando me virem aqui a defender o aparelhamento do estado em nome do bem comum, então cuspam na minha coerência;
– quando me virem aqui a defender a substituição da sociedade pelo estado, então cuspam na minha coerência;
– quando me virem aqui a defender o coletivismo em lugar da vontade do indivíduo, então cuspam na minha coerência;
– quando me virem aqui a afagar ratazanas, mascates e anões morais, então cuspam na minha coerência;
– quando me virem aqui a defender a mudança ad hoc da lei para permitir negócios bilionários na telefonia, então cuspam na minha coerência.

Mas, se me virem aqui a exaltar a tolerância e, ao mesmo tempo, a expressão radical das diferenças, então exaltem a minha coerência.

Um Reinaldo que se alimenta de doses diárias de sangue excita a fantasia tanto de meus detratores quanto de admiradores que não quero ter? É possível. Pois é. Só avanço na jugular quando é estritamente necessário. É que tem sido muito necessário. Daí muita gente confundir a necessidade com um gosto.

Aí me diz o outro: "Você vai perder leitores". Acho que não. Acho que vou ganhar. Mas, se perder, anotem aí: não sou escravo nem da audiência.

Neste ano e meio, se existe um convite permanente neste blog, é este: SEJAM LIVRES. E a maior de todas as ditaduras, como escreveu Olavo em livro, é a "imbecilidade coletiva".

Eu sou UM."

Por Reinaldo Azevedo

17 Comments

Filed under Sem categoria

Eu e Reinaldo, Reinaldo e Eu

Desculpe decepcioná-los, mas conversamos longamente ontem por telefone (iniciativa minha depois que percebi que tínhamos muito mais em comum do que contra). Foi ÓTIMA a conversa. ÓTIMA. Essa troca de ofensas não leva a nada. Absolutamente nada. Li o blog dele e amei. Conversamos madrugada adentro, divergimos sobre poucas coisas, concordamos sobre TANTAS outras! Fiz um amigo. Espero que ele tambem.
Gerald (and the rest is NOT silence)

50 Comments

Filed under Sem categoria

Frases em tongues

Em ale limao

"und Du? Kerr engraxarrr mein Sapatu?"

em Francois

"Et tois? Est que vou voulez engraxez mons sapat?"

em Portugois

" Man ist was man Ist. QuerU commeter deine wonderfully POLISH, oh Poland, shoes"

und so weiter
GT

Sashtishfeitosch? meine FREUNDE? Und…..rrrrrrraus!

31 Comments

Filed under Sem categoria

Blogueiros: pensem em outra coisa! minha profissao vai bem obrigado!

Ich meine, MY Theater!THANKS
GT

otimo comentario

Eddie] [Curitiba]
Os tarados já estão todos em posição, querendo "pau retórico". Estão esperando de ti, Thomas! Não tem jeito, enquanto não forem "retoricamente enrabados" não vão sossegar. Até um tal Olavo de Carvalho ficou sabendo da festa e parece que tá te oferecendo a bunda agora. E eles querem participar também, é claro! A ereção desse povo deve ser realmente difícil, pra procurar prazer na internet assim de forma tão desesperada. Imagine a cena, os pobres tarados bem-nascidos, impedidos de exercitar seu sadismo no mundo real, onde se fazem de pudicos, se realizam mesmo é no virtual, quando sintonizam os tais blogs (que são até falados agora) e começam a se masturbar languidamente com cada palavra chula, cada esporro, cada impropério. Pudera. Donzelas furadas que são, só podem experimentar o prazer de ser enrabados e humilhados aqui na net. É por causa de tarados como eles que tem tanta gente tentando impedir que crianças tenham acesso ao conteúdo da mídia eletrônica. Com razão, como se pode ver.

otimos comentarios (anonimos, nao sei porque) (medo do que>)
Porque o preço de 75,000 vidas, economia em frangalhos, ditadura sem liberdade política, de opinião, econômica, onde a criatividade é tolhida e a garganta dissidente é cortada, é um preço justo a se pagar para a manutenção de uma sociedade Comunista? Quantos teatros tem cuba per capta, em relação a Nova Iorque? Quantos habitantes de cuba podem escolher a profissão de artista de teatro? E quais peças poderiam ser encenadas em Manhattan que são proibidas em Cuba? Qual é o custo da Utopia comunista Cubana, seus reais benefícios e pergunte-se se VOCÊ deseja ser a pessoa a pagar esse custo. Porque muitos Comunistas de Butique acham lindo a Cuba Troféu, mas não viveriam numa sociedade como aquela de maneira nenhuma.
FIXtheMAD2 | eee@uuu.com | 27/02/2008 15:29
Responder este comentário

outro:
Discuta o Mérito, os argumentos usados, os números, a lógica, as referências. E no meio dessa discussão, e introduza as ofensas e chacotas como tempero. Se o argumento é formado unicamente por ofensas aos aspectos privados da vida do adversário, então se trona pobre a discussão, insossa e prova o quão miúdo e leve é o argumento retórico. Esse é o problema das esquerdas, que se revelam por essa formula cansada, e depois de diminuir a pessoa, partem a conclamar que lhes seja removido o direito de expressão, que sejam demitidos e excluídos da arena pública. Querem um pensamento homogêneo, querem que somente os memes das cartilhas sejam reproduzidos, e por saberem tais idéias, fracas. As defendem de forma canhestra. Debata o mérito!
FIXtheMAD | spam@menot.com | 27/02/2008 15:29

Ja Ja, Mein General! Sofort!!!! At your feet! Done! I mean, done deal!
GT

14 Comments

Filed under Sem categoria

Casa do Saber e Alcatel – Lucent

Agradeco aos dois: foi lindo. Adorei. Obrigado por tudo, mesmo com o barulho dos talheres de hoje, valeu! foi 'unique'
Gerald

PS: em relacao a quantidade de comments que continuam entrando……deus do ceu!!!!! GET A LIFE! vcs nao tem mais o que fazer nao? gostam de uma briguinha? Tune in to Ultimate fighting! mas parecem ter amado meu blog! ou o http://www.geraldthomas.com e a quantidade de reportagens de jornais do mundo inteiro . nao?
aah….entendi……sao desempregados mesmo, sem nada pra fazer !

ich war provoziert durch deine aggression. es ist seltsam genug: von dem einen verlassen zu werden wegen eines anderen und dieser andere weiss von nichts. Und jetzt BASTA pasta! LOVE Gerald

Finalmente entrei no Blog do cara! Parabens! Ele me ama! Nao tem mais o que fazer mesmo! Vamo la! "Circo de Rins e Figados" com o Nanini, 2005 (so exemplos recentes): 90.000 pessoas. (ja que o nosso homem gosta de continhas): Terra em Transito: Varios paises e (PASME Herr Reinaldo: a Barbara Heliodora amou o TEXTO: pronto, caia no chao! Mas como JORNALISTA a tua OBRIGACAO eh SABER disso!!!!!!!! Va aos arquivos Ja! A longa lista de pecas e operas pelo mundo esta no http://www.geraldthomas.com. Mais uma Rainha Mentira (esta por ai rodando…junto com Terra em Transito) ja passpu por varios paises.

By the way: Quer pisar no palco dearest? Teatro do absurdo prova que NADA PROVA NADA! Mas eu provo! Tai. Vc obcecou comigo. O publico nao me despediu at all. Antes tivesse. Estou desesperadamente procurando emprego de BLOGUEIRO PAGO! Sorry pelo tumor no cerebro. Eu nao sabia. Alias, estou te conhecendo agora. e quer saber de uma coisa? Um abraco em vc./

20 Comments

Filed under Sem categoria

o tal blogueiro, tadinho

Ate agora nao sei o nome dele. Mas ele sabe o meu. E como!!!! Sabe tudo sobre a minha vida, fingindo que nada sabe, Dissimulacao perfeita da imprensa marrom, digo, amarela, da qual fui assunto em suas paginas (Amarelas, na Veja). Ele? Nada. um mero anonimo blogueiro sem obra, sem nome, identidade, falando sobre a vida dos outros, ja que nao tem a sua propria obra. Entendo, deve ser uma merda isso mesmo! Digo, parasitar em torno da vida de gente famosa!!!.Funcionario publico travestido de jornalista da nisso mesmo. Mas eu sou artista, vida em todos os lugares…deve dar mesmo agua na boca ne? !
Enfim, estou me divertindo com os "irados" comentarios. Amei quando uma amiga me leu o comentario dele (ferido, tadinho, com o meu artiguinho), me chamando de analfabeto em tres linguas: CAN YOU REALLY MASTER THE ENGLISH LANGUAGE, MR. BLOGGER? HEIN DOCTOR NOTHING?
Keep up the good work. You seem to need it desperately. Eu nao!
LOVE
GERALD

Vou usar a tatica dele: nao publico mais comentarios insultosos ou que me desrepeitem! Fodam-se!

50 Comments

Filed under Sem categoria

Os Idiotas – do diretodaredacao.com

OS IDIOTAS

NY – Não, não é Dostoievski, mas com a entrada de Ralph Nader na disputa presidencial (mais uma vez) o nível de idiotice chega ao cúmulo. O ego de Nader não se basta. No programa "Meet the Press" de hoje, ele critica o Partido Democrata por não discutir os "verdadeiros temas". Não é verdade! Nos intensos debates entre Obama e Hillary, os dois não têm feito outra coisa: desde "no child left behind" até trazer as tropas de volta do Iraque, assuntos econômicos e internacionais ou o que fazer com os emigrantes ilegais. O último debate foi até transmitido em espanhol pela Univision pombas, para atender o público latino! Nader quer mesmo roubar votos. Creio que o homem, o ex-defensor do consumidor, conspira mesmo com os Republicanos. Foi assim na última eleição (quando ganhou três milhões de votos que, potencialmente, poderiam ter ido para o Kerry). Enfim, um idiota!

Mas o que dizer dos revisionistas, dos articulistas, dos jornalistas, dos artistas, do mundo em geral? Confesso que não sei: prestes a pegar mais um avião em direção ao hemisfério sul, me pego lendo isso de um outro blog, ligado a revista Veja:

—-"Os três citados (Frei Beto, Oscar Niemeyer, Chico Buarque) não têm nenhuma vergonha de se apresentar como "amigos de Fidel" – o cantante, com direito a retrato no Museu da Revolução, anda meio quieto; só se pronuncia ultimamente por meio dos porta-sacos. Defendem um assassino compulsivo como se falassem de um grande herói humanista. Demonstro, no texto da VEJA, que Fidel "é 435,86 vezes mais assassino do que os generais brasileiros, que encheram de metáforas humanistas a conta bancária de Chico Buarque". E atenção: não considerei as 78 mil pessoas que morreram tentando fugir do vagabundo; só as 17 mil assassinadas em terra firme. Caso se considerem as 95 mil vítimas do Coma Andante, ele matou 730,76 pessoas por cem mil habitantes. A ditadura brasileira se contentou com apenas 0,3 por cem mil. Não! Eu não ignoro nem faço pouco das vítimas. Repudio ditaduras. Betto é que reza para Fidel sobre cadáveres. Niemeyer é que ergue edifícios de empulhação ideológica sobre os corpos. Chico é que verte o seu lirismo em meio aos mortos."—– (fim do trechinho do tal blog)

Espera ai, Sr. Blogueiro, trocadilheiro nada engraçadinho! Com Fidel ou sem Fidel, com Hitler ou Pol Pot, com ou sem Milosovec, ou Stalin, com ou sem Robert Mugabe ou Idi Amin Dada, não vou aqui comecar a criar um incesto entre blogs. O que seria isso? Um "clogg", um "in-lock"? Enfim, se quizermos comparar crimes humanitários não precisamos de máquinas calculadoras, mas o blogueiro aí da Veja, apesar de querer colocar muitos números e estatisticas em seu blog, acho que falta sexo em sua vida. Você pratica isso por acaso? Está com a vida sexual em dia? Precisa de umas dicas? Esse blogueiro está com os ponteiros no mesmo lugar que Nader: nele próprio!!!!

Os militares brasileiros mataram, toruraram, desapareceram com um monte de gente. Os argentinos, os uruguayos e os chilenos também. Não me venha o senhor aqui com maquinazinha de merda fazer a apologia disso ou daquilo. Isso é tentar reescrever a História de uma das piores maneiras e destruir a dignidade das famílias que sofrem, até hoje, a perda da vida de milhares, digo, milhares de vidas inocentes (muitos estudantes) sacrificadas em nome de nada. Eu disse nada. Em nome da brutalidade pura, do capital estrangeiro, do investimento obscuro, do totalitarismo sem forma, sem idealismo, do regimento militar de ultra direita, financiado e orientado pela CIA. Não acredita ainda? Leia o livro de Philip Agee! Não acredita ainda, vá aos inúmeros livros lançados, na época pela isenta e excelente Amnesty International. E ainda tem gente que defende os militares? Quanta gente imbecil ! Caramba!

Estamos entrando numa nova era ideológica, digamos assim, estamos entrando numa nova era com fome ideológica. Essa fome não tem paladar, devora qualquer coisa que vier, portanto cuidado com a gastrite!. Vivemos numa era cega, sem parâmetros. Qualquer blog pode dizer qualquer coisa, ja que a garotada não tem realmente noção de quem foi Ben Gurion, Malcolm X, James Baldwin, Truman, quem foi Lord Mountbatten ou a porra de Ben Johnson. Não adianta aqui ficar 'name dropping'.

Mas essa nova fome ou era pede um novo tribunal de Nuremberg , como se pudesse haver outro. Não seriam julgados criminosos nazistas. Seriam julgados os Idiotas que escrevem em Blogs. Quem sabe eu mesmo não seria o primeiro réu?
Gerald Thomas

50 Comments

Filed under Sem categoria

Jornal do Brasil – caderno B de domingo 24 de fev 2008

Entrevista | Gerald Thomas – "Ando meio descrente de arte"

O polêmico diretor Gerald Thomas, 53 anos, não gosta de se repetir. Por isso, detestou a experiência como ator, em 2006, quando fez Asfaltaram o beijo, em São Paulo. Ele baixou as calças no palco na estréia da ópera Tristão e Isolda no Rio, em 2003, e reforça a imagem de que gosta mesmo é de chocar. "Teatro é provocação, sim. Música também é. Não faço propaganda da provocação, mas propago a provocação através da minha arte e através do desconforto eu chego ao ponto G". Nesta entrevista ao JB, de Nova York, o encenador, que ministra cursos na Casa do Saber, na Lagoa, no Hotel Unique, dia 26, mostra um pouco de descrença com a arte. Thomas reclama da falta de subsídio da Companhia de Ópera Seca, que ele fundou em 1985, da preocupação com a sustentação dos atores e da burocracia na aprovação de verbas.

Por enquanto, não há planos para novos espetáculos no Brasil, mas a atividade continua forte em Londres, onde faz um trabalho com o National Theatre, e Nova York, onde administra um espaço desde o ano passado, quando se desligou do La MaMa Experimental Theatre. "É um lugar empoeirado que eu estou tentando transformar em teatro. Fomos 10 diretores que ganhamos do prefeito Michael Bloomberg espaços e estamos tentando captar entre U$ 750 mil (R$ 1, 2 milhão) e U$ 1 milhão (R$ 1,7 milhão) para levantar uma sala de espetáculo", conta. Atuando em 16 países, o encenador elege o público brasileiro como o preferido. "Amo o público brasileiro. Acho menos blasé e menos estúpido do que, por exemplo, o cartesianismo dos britânicos, que querem discussões cotidianas no palco, assuntos sociais sem fantasia".

O senhor escreveu em seu blog contra a censura ao carro alegórico da Viradouro, frisando que falava como artista, e não como judeu. Na sua opinião, também pode haver censura a peças como The producers, que carnavaliza o tema do Holocausto, prestes a chegar aos palcos do Rio? Podem existir dois pontos de vista distintos? O artista tem, por princípio, afinal, de defender a liberdade de expressão?

Não pode haver censura. Nunca. Cada um deve ter o direito de dizer o que quer. Aqueles que não gostaram do que viram podem se manifestar. Mas censurar, nunca.

Como funciona hoje seu trabalho Brasil-Alemanha-Londres-Nova York? Onde o senhor tem passado mais tempo?

Procuro não pensar muito a respeito, senão enlouqueço. Mas fico mais entre Nova York e Londres, com ocasionais escapadas para Munique e São Paulo.

Sobre a Cia de Ópera Seca. Há subsídio governamental?

Zero, nada, niltch. Nem um tostão. Mas nem meio centavo. Nem me fale em dinheiro, porque perdemos não sei quantas oportunidades desde outubro de 2007 por causa disso. A companhia sofre. Eu me viro pelo mundo, mas e os atores com promessas de empresas e de associações dizendo que vão dar respostas aos nossos projetos em um mês, e nada? Depois vem um "depois do Natal", e nada. Depois vem um "depois do carnaval", e nada. E assim vai indo.

Como o público brasileiro se compara com o de outros países?

Eu amo o público brasileiro. Acho menos blasé e menos estúpido do que, por exemplo, o cartesianismo dos britânicos que querem discussões cotidianas no palco, assuntos socias sem fantasia. O brasileiro, nesse sentido, sempre foi fantástico.

O senhor tem o hábito de pôr em cena celebridades que não atuaram antes. Quem será o próximo alvo?

– Juro que não tenho pensado nisso. Tenho me concentrado em outras coisas. Ou melhor, em atores mesmo! Ou melhor, em formar atores que já estão aí e que precisam cada vez mais de informação.

Ano passado, o senhor pisou no palco como ator pela primeira vez. Como foi a experiência? O que o motivou?

– O que me motivou foi uma coisa simples: atuei em uma de quatro peças que compunham um espetáculo chamado Asfaltaram a Terra. A minha parte chamava-se Asfaltaram o beijo e era uma homenagem a Beckett, com quem convivi e cujas adaptações fiz aqui no La MaMa (teatro de Nova York onde Thomas começou a carreira em 1984). Adoro mostrar, ou melhor, demonstrar para os atores (num tom de brincadeira total) como seria possível fazer tal ou tal cena (me diverti com Marcos Nanini em Londres há duas semanas, por exemplo, caindo da cadeira em restaurantes e coisas desse jeito), mas decididamente não sou ator, odeio a repetição e não gosto de ter que repetir marcas.

Como foi a trajetória dessa série de quatro peças que o senhor encenou no Rio e em São Paulo?

Asfaltaram a Terra consistia em Terra em trânsito, que estreou no Oi Futuro, no Rio, junto com Rainha mentira. Depois de ter viajado pelo mundo, é possível vê-la no YouTube como Earth in trance, no La MaMa, com a mesma Fabiana Gugli. Bloco de gelo em chamas, escrito para Luiz Damasceno e enorme elenco, percorreu o circuito paulista.Brasas no congelador, escrito para Serginho Groisman e enorme elenco, também. Asfaltaram o beijo era uma homenagem a Beckett na qual odiei atuar. Terra em trânsito (ou Earth in trance) foi encenada em Nova York e Munique, em inglês, no Rio, na Argentina, em espanhol, junto com Rainha mentira, que estreou no Oi Futuro e passou pela Argentina.

'Rainha mentira' e 'Terra em trânsito' participam do Festival de Teatro de Curitiba no mês que vem. Qual é a opinião do senhor sobre mostras teatrais?

Hoje me reservo o direito de não ter mais opinião prévia sobre nada. Seja sobre o efeito da feijoada sobre o comportamento dos crocodilos nos everglades da Flórida ou sobre festivais de teatro. Depois de passar por lá eu te digo. Ando meio descrente de arte. Acho que deveríamos tentar salvar o mundo. Que tal? Levantar as calças e meter o pé na lama: ou talvez pegar em armas mesmo e cuidar da injustiça social e racial que não parece ter um fim nunca. Viva Obama!

O senhor se preocupa em pôr um quê de provocação em todos os seus espetáculos?

Teatro é provocação, sim. Música tambem é. Arte-ficio é provocação. Agit-prop já é outra coisa. Não faço propaganda da provocação, mas propago a provocação através da minha arte e através do desconforto eu chego ao ponto G, ou GT. Pegue Brecht, pegue Duchamp, Artaud ou qualquer um. Sempre foi assim.

Quem é hoje, na opinião do senhor, o maior dramaturgo vivo? E o maior diretor?

Tom Stoppard. Não aprecio a especialização de diretor. Essa profissão, isolada, não existe.

O que o senhor faria hoje sem a internet?

Seria ótimo. Não estaria dando entrevistas à meia-noite depois de uma viagem transatlântica, tendo trabalhado a metade do dia num outro continente.

Perfil – Gerald Thomas

Nascido em 1954, o diretor teatral morou nos EUA, na Inglaterra, no Brasil e na Alemanha. Radicado em Nova York, iniciou a carreira no La MaMa Experimental Theater, em 84, com um texto de Samuel Beckett (1906-89), All strange away.

8 Comments

Filed under Sem categoria

FALHAS NA COMUNICAÇÃO EM TEMPOS DE INTERNET

São Paulo, sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008


coluna da Mônica Bergamo

GERALD E A CASA

Gerald Thomas está "p… da vida" com a Casa do Saber. Foi avisado pela escola que sua aula de direção, no dia 25, tinha "inscrições insuficientes" e que poderia ser cancelada. "Eles não anunciaram o curso.
Fiquei puto porque comprei uma passagem [Thomas mora em NY] que custa o triplo do que eu iria ganhar. Não sou palhaço pra ficar aqui, esperando um sim ou não", diz. Segundo Mario Vitor Santos, diretor-conselheiro da escola, todo curso depende das inscrições e o processo é normal. "Já nos desculpamos mutuamente."
PS do Gerald: Pronto, agora está propriamente divulgado! Não faltarão mais inscrições!

4 Comments

Filed under Sem categoria

sao 9 da noite aqui nos EUA e OBAMA engole a Hillary na CNN

em Austin, Texas!
Hillary tenta ainda "atacar" o Obama que recebeu o endosso de todos os jornais do Texas. O carisma dele eh simplesmente inacreditavel. Ela esta sendo "picuinha" e tentando pega-lo por algo que ele falou ha uns dias, dizendo ter sido plagio. Ele esta falando agora dos REAL ISSUES, justamente aquilo que ela o acusava de nao fazer. Ou seja, OBAMA ALL THE WAY
Gerald

do Sergio Penteado
É…isso é da campanha, né ? Eu já havia manifestado aqui a minha preferência pela Hillary, mesmo achando o Obama boa opção, mas talvez com menor condições de congregar "lobbies" para a governabilidade. Ontem, com essa história do John McCain "sexcapades", aumentou em muito minha simpatia (que já era grande) pelo Barak. Gerald, você que é (também) americano, me explique : porque os anglo-saxões (e derivados) têm essa obsessão pela vida sexual, adultério, moralismo de fachada ? É um tal de perfilar mulher junto com microfone, afirmar uma falsa castidade, fidelidade…como disse o Jabor ontem, Obama é mais "jazz", mais relax. Mas, tal como foi Fidel Castro, quiçá a projeção de um sonho (menos para 17 mil que jazem em covas abertas pelos paredóns, menos para homossexuais perseguidos pelo Estado maior que a Ilha). Eu, você, a Ana, o Peter, o Carlos somos obviamente pessoas diferentes, mas temos em comum sonhar para acreditar na vida. Em algum momento eles se concretizam ou rompem.
Sérgio

Sergio, essa coisa moralista aqui eh muito complicada mas serve pra um artigo ou um discurso! mas o FHC e o Lula nao se acusaram da mesma coisa coisa? LOVE GT

do Carlos
[Carlos (sempre OTIMISTA)] [US]
Pequeno adendo: com a notícia do affair do McCain, por mais patético que seja tanto a notícia quanto o affair, o NYTimes talvez tenha sutilmente chamado a atenção das eleições para os MILHÕES e MILHÕES dentre a população americana que IGNORAM por completo a existência do massacre no Iraque. Os milhões que acham que Charles Darwin deveria ter sido queimado vivo porque o pastor da igreja disse que deveria, e os outros milhões que não fazem idéia de onde ficam nem Brasil, nem França, nem Japão, nem a África inteira e nem os próprios Estados Unidos. É essa a população que vai decidir as eleições. Talvez agora algo vai chamar a atenção deles, algo que lhes interessa, finalmente. Ou seja, a vida sexual do outro. E eu pergunto: existe algo pior do que um americano ignorante? Sim, um americano ignorante e republicano. E não me venham com essa de que os republicanos não são isso que está aí representado por Bush. Não adianta querer lavar as mãos sujas de sangue agora. Tarde demais.

11 Comments

Filed under Sem categoria

Deputados e Senadores Americanos Num Crash Landing no Afganistao

Enquanto os SERVIOS nao tem jeito mesmo: so se o TITO voltar do TUMULO !!!!! Nao aceitam a independencia de Kosovo e a embaixada dos EUA esta em chamas!
Isso eh o inicio da SEGUNDA fase do genocidio: Slobodan Milosovec pode estar morto, mas I N F E L I Z M E N T E , seu espirito de porco, vive.
Gerald
PS: entre os deputados, Charlie Rangel de NY, o Kerry (que correu como presidente nas ultimas eleicoes) e Joe Biden que estava nas primaries ate as New Hampshire

5 Comments

Filed under Sem categoria

Blog da Leila, reporter

ÓTIMO BLOG, nao deixem de ir lá.

http://leilacordeiro.blogspot.com


LOVE
GT

2 Comments

Filed under Sem categoria

FIDEL CASTRO

"Exilados dentro da propria memoria"

New York – Agora ele quebrou o femur. E quando velho quebra o femur, o futuro eh previsivel. Fidel Castro sempre sera uma figura iconica, enigmatica, simbolica de tantas coisas que nem um semiologo, desconstrutivista dedicado somente a essa causa conseguira desvendar o seu misterio por completo.

Ele eh uma especie de Joseph Stalin misturado com Marilyn Monroe. Ja foi ator em Hollywood, recusado pela industria, nao eh um intelectual como foi Cienfuegos ou Che Guevara, mas esta la no poder desde a Revolucao de Sierra Maestra, em 1959.

Caramba. Seus discursos levavam – as vezes – 9 horas.
Quem aguenta uma peca de teatro de Peter Brook, como Mahabarata, de 9 horas, sentado no conforto de um teatro ao norte de Paris? Poucos. No entanto, Fidel falava com tanta conviccao, que era gostoso ouvi-lo, mesmo praqueles que nao eram exatamente seus fieis.

Explico: Alejo Carpentier, escritor, grande escritor nascido na Suica mas Cubano de nacionalidade, foi forcado ao exilio. Muita gente, como se sabe, foi forcada ao exilio. Ate hoje, a garotada nao pode se juntar em volta de um computer pra trocar emails, trocar "chats" com coleguinhas ao redor do mundo. Sao presos. Na China a internet tambem eh controlada, mas a China virou um pais techonologico e Cuba parou no tempo.

Alguns parecem achar isso lindo. Claro, eh lindo mesmo pra se filmar, pra se fotografar, pra se ter como "backdrop" ou locacao de cinema ou shoots de modelitos com suas perninhas sexis, enquanto o populos local olha, e os Buicks e Plymouth "turtle" da decada de 50 desfilam atras.

Gabriel Garcia Marquez eh Colombiano, grande autor de um livro so, alias bem solitario mas que vale 100 anos. Se diz "cubano" de coracao. Enigmatico tudo isso nao? A CIA ja tentou envenenar Castro, queimar sua barba, fazer o diabo, mas o cara esta la. Algo admiravel. E algo me diz que existe um pacto secreto que a America "quer" uma ilha comunista, na ponta da qual, a base Americana de Gitmo, Guantanamo, tortura prisioneiros islamicos ate hoje, sem atendimento justo, sem advogados, sem porrra nenhuma.

Mas porque deter o poder por quase 50 anos? Raul ,seu irmao, eh somente poucos anos mais jovem. Uma parte de Cuba ja eh um "resort" pra turistas Eurpeus, ja que precisam de Euros e Libras esterilinas (ou dolares, ja que os Americanos dao um jeito de irem pra la, sem terem seus passaportes carimbados). O que sera de Cuba? Wim Wenders fara um Buena Vista numero 2, com o Hotel Marriot tendo pintado tudo e cobrando ingressos estrondosos?

Tem uma coisa: o espirito cubano eh , de fato, maravilhoso. Das ilhas todas, eh o que mais salta, E Fidel, Che, Cienfuegos, sem duvida fizeram essa diferenca. Essa consciencia politica nao existe nos balneareos vizinhos.

Por um lado, preciso manifestar minha tristeza. Por outro, sempre torcia pra que Fidel "amadurecesse" e aceitace a dialetica do mundo. Como a Russia? Nao, nao como a bandalha lucrista que tomou conta da Russia, mas que ele cedesse um pouco no que diz respeito aos direitos humanos, a liberdade de imprensa e essas coisas FUNDAMENTAIS numa sociedade primaria.

Hoje, Fidel finalemente deu sinal de fraqueza. Esse eh um enorme sinal. Enorme pra um ser tao grande numa ilha tao pequena. Um Gulliver caindo. Caido. Mas, ao mesmo tempo, olhem o mundo em volta: e o que as corporacoes, as industrias farmaceuticas fazem conosco, os nossos governos? Todos mentem, todos corrompidos,

A diferenca eh que, assim como eu, podemos sentar e teclar, berrar, cantar, encenar os nossos desncantos e nossas furias sem irmos pro Xadres por causa disso!

E, no entanto, escrevo sabendo de todas essas contradicoes com uma lagrima caindo do meu olho. Estranho nao? Eta baia dos Porcos!!!!!! Quanta memoria? Guantanamera!

Gerald Thomas

27 Comments

Filed under Sem categoria

Jose Padilha e Braulio Mantovani: BRAVO !

Frase

O mais importante é a vitória do cinema brasileiro. Na equipe de "Tropa", estavam pessoas que trabalharam em "Central do Brasil" e "Cidade de Deus'; uma equipe técnica que se formou ao longo da retomada [da produção nacional]. O prêmio é para o cinema brasileiro.
JOSÉ PADILHA
diretor de "Tropa de Elite"

Da Folha de hoje

PS: Modesto. Nao precisa. Jose, aquele encontro no elevador do Hotel Staybridge em Sampa foi breve. Mas vi o filme aqui em casa (NY) . Parabens pros dois (Mantovani tambem). Entendo que queira homenagear o cine brasileiro. Mas te guerrearam como bulldozers! Agora o soco foi teu! Enjoy ! Eh gosotoso! LOVE GT

8 Comments

Filed under Sem categoria

SER ou nao SER – coluna dedicada ao congressman TOM LANTOS da California sobrevivente do Holocausto, falecido no ultimo dia 12

" Congestion Charge"

Londres – Tem algo de muito estranho sobre o prefeito Ken Livingston. Todos falam mal dele. Ele fala mal do proprio Primeiro Ministro, mete o pau da propria coroa (eh um confesso comunista) e colocou uma um tribo de Ghana e outra da Nigeria pra multarem (por causa de 1 minuto) em 50 libras, quando o teu parquimtro expira. Eh bom lembrar que – em algumas areas centrais de Londres – o parquimetro ja custa umas 6 libras por 2 horas numa simples vaga. Voce paga via cartao de credito por por telefone, ou colocando moedinha (pay on display). Ah, mas tem a "Congestion Charge". Quando eu ainda morava full time la, exilado de Bush em 2003, ela custava 5 libras por dia. Hoje custa 8 por dia. E fala-se em subir pra 25 por dia. VINTE E CINCO LIBRAS POR DIA?????

Vale lembrar tambem que Londres eh hoje a cidade mais exuberante da Europa. O que quero dizer com isso? Quero dizer mais cara e a mais LINDA! Quero dizer com isso que onde o luxo eh visto de uma forma que choca o olho nu ou o olho vestido. Ha nas ruas mais carros alemaes de luxo do que na propria alemanha. Mais Lamborguinis e Maserattis e Ferraris e Jaguars e Rolls Royces e os carros mais inacreditaveis parecendo crustaceos moveis, "roaming" pelas regioes ate nem tanto nobres. Qualquer café eh deslumbrante, seja em Primrose Hill (onde Engels morou), seja na Fotnum and Masons) ou – irrelevante dizer, a Harrods. Nao ha melhor fish and chips do que no Live Bait. Nao ha melhor comida Indiana do que no Punjab na Neal Street.

Pegue uma unica 'moldura" da cidade como a Great Malbrough Street com Regent e Carnaby, la onde ficam a Turner House (CNN International) e a Sky News e a loja Liberty's. Ou pegue qualquer ponto de Covent Garden (menos a Long Acre que esta sendo escavada, assim como a Westbourne Grove tambem virou um buraco): tudo esta lustroso, iluminado, as pessoas estao produzidas, altissimo astral. Tudo LIMPO, ao contrario de NY onde os carros estao um lixo nao um luxo. Mas porque escrevo essas bobagens? Virei o Ralph Nader? Nao, quero tracar uma latitude e longitude sobre o Livingstone comunista em sua cidade ultra luxuosa.

Digo isso com um pe atras.

Caminho todos os dias , as 8 da manha, com o mais intimo dos amigos, em Hyde Park. Visto de Longe parecemos dos espioes trocando informacoes numa novel de John Le Carre ou Anthony Burgess. Alias, numa ultima caminhada, ele me da de presente, dois livros incriveis: os "Essays" de George Orwell e "Shooting an Elephant". Mas alem de trocar livros e fofocas sobre o mundo cinematografico do qual ele faz parte, tambem falamos mal dos "fucking foreigners" como se fossemos dois reacionarios do National Front. Nao, nao somos. Sou fanatico e ativista por Obama. Ele, um ativista pela Labour Party.

Mas na Iglaterra sou ingles, nos EUA sou Americano, no Brasil, brasileiro (carioca com orgulho) e na Alemanha , alemao. Esse nowheremanismo, me deixa onde? Me deixa num posto de observador. E nessa conversa meu amigo me confessa coisas sobre o governo Britanico que nao quero ouvir: a ruina da infra-estrutura, apesar da ostentacao externa. Bem, isso eh tipico de qualquer ex-imperio. Mas de onde vem tanto dinheiro? Porque as pessoas sao tao ricas?

"O Reino Unido eh o Segundo maior investidor nos EUA!" diz ele. (quem sera o primeiro, me pergunto?) Bandalhas que ainda assombram o ex-governo Blair com o 45-minute report que Alistair Campbell forjou pra que a Gra Bretanha se juntasse a Bush na invasao do Iraque, hoje eh um enorme cover-up , mesmo com artigo atras de artigo sendo publicado pelo diarios "honestos", como o maravilhoso The Guardian.

Na capa da edicao de sexta passada, o Guardian devota quase a capa inteira a uma figura que dominou Washington DC por quase 25 anos e que , pra quem leu os livros publicados depois dos ataque de 11 de setembro, virou um "household name", Prince Bandar, da Arabia Saudita. Amigo pessoal de Bush, na epoca em que nao usava turbante e ainda ainda usava jeans e era embaixador "permanente" na Capital Americana, o cara tinha passé livre pra qualquer administracao , seja os Bush ou os Cintons (ou esse imbecilico que nos amaldicoa ai). Agora, com a roupa tradicional arabe, os Saudis ameacam o Ocidente com um plano: o 7 de Julho em Londres, que matou nao sei quantos no metro de King's Cross e no Onibus em Russell Square era somente o inicio de um plano de ataques. Porque? Nao, o 'official secrets act" protégé o governo britanico de soltar qualquer 'sensitive information'.

Visto saindo da 10 Downing Street, Bandar carrega o mesmo sorrisinho ironico na cara de quem sabe de TUDO e mais mas jamais revelara nada sobre os Bin Ladens, sobre 11 de setembro, sobre quem sabia ou nao sabia o que. Quando se ve a foto da selecao inglesa de futebol fazendo o salut nazista pra Hitler, percebe-se o quanto a balanca politica eh sempre por um tris e o monopolio da mentira esta na mao de poucos e nos ficamos aqui nessa masturbacao inacreditavel do "ser ou nao ser" hamletiano que nos levara a loucura de Ofelia ou a espada envenedada de Laertes. Mas o resto sera silencio? Leiam "Ecomomic Consequences of Peace" (me falha o autor) e vejam que foi a propria Inglaterra que 'proporcionou' Hitler ou sua acencao. Mas nesse ponto eh mais conveniente nao se tocar, obvio. Mais conveniente escrever a Historia com as maos da conveniencia e da hipocrisia. Hoje Kosovo esta livre no papel, mas nao do terror dos servios.

Enquanto isso, tabloides de boca de metro como o Evening Standard trazem, escondidos na sua pagina 22 (o que deveria ser a sua capa: "Car Makers could take Mayor to court over 25 pound Congestion Charge)" e em cartaz no National Theater uma peca do Peter Handke "A Hora em que nao sabiamos nada um sobre o outro", bem sujestiva para esse reino, apesar d'ele ser austro-alemao.

Os carros luxuosos desfilam. Em Wardour Street com Gerrard (China Town) as casas de Dim Sum estao super lotadas (foi troca de ano chines, semana passada). Hoje veem se mais acidente de transito na inner London do que quando eu era motorista de ambulancia la. E dos feios. Na esquina da Finchley Rd com Adelaide Rd um carro de cabeca pra baixo e o mais novo modelo da BMW, completamente arrebentado, justamente no ultimo dia em que Mohammed Al Fayed – depois de 90 e poucos dias trentando provar que a coroa britanica matou seu filho Dode e a pricesa Diana, parece estar acabando em pizza.

Hoje eh mais facil achar o melhor café espresso do mundo em Londres, seja nos Cafes Rouge, Nero, Blanche ou nos Starbucks ou mesmo em qualquer beco que se encontre. Na epoca em que eu era adolescente la, o que existia era a "cup of tea" . Apesar do Imperio Britanico ir catar café no Brasil, na Nigeria, Kenia e outros paises e arrastar seus sacos nao torrados pra Londres pro London Coffee Exchange, tomar café mesmo era num "transport café", junto com baked beans on toast, o que minha mae, costumava chamar de "suco de guarda chuva"

Me despeco do meu amigo. "Same time tomorrow?" "Same time". Trocamos um beijo rapido, sabendo que o meter maid ou warden da "clamping" unit esta prestes a nos fisgar (e, by the way, escrevo no dia de Kosovo livre, no papel mas nao dos Servios) e me recuso a comentar a grana que rola entre Paul McCartney e Heather Mills!) e que todas as CCTV cameras estao apontadas pra cima da gente: Eh, Mr Tamborin Man, sing a song for me, tinker taylor soldier spy. Aqui nessa enorme festa "posh" de Porsches somos todos culpados antes de provas do contrario.

Gerald Thomas (parecido com o que saira mais tarde no diretodaredacao.com)

15 Comments

Filed under Sem categoria

O FOGO NO MERCADO DE SHARIA

Munique e Londres – Começo falando de um intenso fogo que toma conta do Mercado Candem, bem aqui ao lado de ondo moro quando estou em Londres. Um fogo real e figurativo. O real é aqui, no Mercado de Camden, também chamado de Dingwalls Market ou de Camden Lock, um dos centros de venda de drogas e de ecstasy, de artefatos punks e de tudo que é brick-a-brack ligado à tatuagem. Aqui tem gente com os cabelos pintados de azul, verde e com as roupas mais criativas do mundo. Foi aqui, há três décadas, que começou – numa barraquinha – o "Body Shop" que ainda nem tinha sua própria embalagem.

Nao se sabe o quanto o fogo consumiu do mercado. Nem a causa. Mas há uma especulação, cochichada nos cafés da cidade: o incêndio veio dois dias após o Arcebispo de Canterbury, na melhor das intenções, declarar que a lei de Sharia (islâmica) deveria ser integrada à lei que rege esse país monárquico. Pronto. Foi a gota d'agua para que a imprensa caísse com todo seu peso cínico pra cima de Rowan Williams, o homem mais alto na Igreja Aglicana. Uma espécie de Papa exótico e liberal que fala diretamente com a Rainha e com o "speaker" do Parlamento e com a House of Lords.

Estão caindo em cima desse homem magro e alto e bem sensivel que somente tentava "integrar" os islâmicos a esssa ilha de loucos lindos (Mad dogs and Englishmen), para evitar o que acontece hoje na França (fogo nos carros e conflitos constantes entres muçulmanos e a população local) e aqui: os ataques de 7 de julho de 2005 no metrô e em ônibus em King's Cross e Russell Square.

Aqui já estamos na terceira geração de paquistaneses (assim como a França esta na terceira geração de, digamos, argelinos ou outros árabes). O Arcebispo deu essa declarção porque, de fato, o Al Qaeda e outras organizações radicais recrutam (e o fazem com sucesso), os "excluídos". O arcebispo só tentava tentava incluí-los. Digo, incluir as regras de suas religiões, mesmo que sejam aos nossos olhos, grotescas, terríveis , etc.

Mas quem somos nós pra julgar? Seja de uma forma ou de outra, religião só existe para separar e dividir o ser humano e torná-lo inimigo do outro. A campanha eleitoral americana que o diga. O carnaval carioca que o diga, com a ridícula proibição do carro alegórico da Viradouro por exibir um tableaux com imagens do Holocausto. Pronto. Já vem a sociedade judaica e consegue uma censura!

Não existe nada pior que censura. Não há nada pior que se calar o ser humano: isso sim leva a uma combustão interior que, acumulada, leva à guerra. Justamente o que o Arcebispo visava evitar. Justamente o que revivi nos meus curtos dias em Munique onde trabalhei tanto nos ano 90 e onde estive até anteontem. Pois lá, em Marienplatz, onde Hitler e Goebbles discursavam, eles acabaram por pintar a "cara do inimigo' através do terror e da mentira e – principalmente atraves da ditadura. A ditadura é calcada na censura, na proibição do pensamento e da liberdade de expressão.

Ali mesmo, no centro de Munique, existe um museu greco-romano lindo, lindissimo, inspirador e praticamente pós-moderno que o imperador Maximilano Ludwig ergueu no meio dos 1800. Ele se chama Glyptotecke. Lá dentro podemos ver as mais lindas reconstruções (quebradas, reconstruidas, mutiladas) de corpos perfeitos em marmore, das batalhas de Troia e outras lutas gregas. O fascinante e metalinguístico é que as forças aliadas – em plena segunda guerra mundial – bombardearam Munique e, por consequência, a Glyptotecke. Bombardearam uma guerra figurativa. Em 1959, com ajuda do dinheiro americano (plano Marshall) ela foi meticulosamente reconstruida. Um pouco mais machucada, mas recolocada de pé. E ali esta o mais belo espelho de quem somos: se temos jeito ou não, não sei.

Mas, de uma forma ou de outra, sempre renascemos, sempre estaremos de pé. Um pouco mais fracos, um pouco mais fortes. O que me apavora é o fato de estarmos cada vez mais imbecilizados. E por que? Porque se os judeus não têm humor (assim como Mel Brooks teve, assim como os próprios negros têm) para rirem da sua própria tragédia, do seu próprio passado trágico, então nada aprendemos e não poderemos ir pra frente, viramos um caranguejo. E esse crustáceo – no símbolo do Zodíaco – significa o câncer!!!

PS – Já tinha fechado a coluna, quando soube de mais um fato estarrecedor aqui no Reino Unido. Uma plataforma de petróleo, uma das maiores (um hotel plataforma) no mar do norte – o "Safe Scandinavia", ao norte da cidade de Aberdeen, na Escócia – estava sendo evacuada pela Royal Air Force depois de uma denúncia de bomba. Uma mulher ligou para um jornal em Glasgow soltou a ameaça. Isso há uma hora atrás. Tudo ligado à proposta do Acebispo de Canterbury, que foi tão mal recebida. O que mais virá por ai?

Gerald Thomas do Diretodaredacao.com

23 Comments

Filed under Sem categoria

Em Londres, sem conseguir acessar o blog

Gerald pede para avisar que se encontra em Londres, sem conseguir acessar o blog, e que espera logo estar de volta.

4 Comments

Filed under Sem categoria

Aqui na Alemanha ja foi TUDO proibido

Foi no TERCEIRO REICH – Nao escrevo necessariamente como descendente de Judeus. Escrevo como artista. Mas nessa Munique, aqui do lado do Hotel, na praca Marienplatz que descrevo em Rainha Mentira, Goebbles e Hitler fizeram seus discursos famosos que comecaram com a ascencao do partido Nacional Socilalista – Nazi. Menos de uma decada depois, nao somente a chamada "cultura alema" (tao reclamada de volta nos discursos) estava sendo "devolvida" as porradas pelo regime, como Krystalnacht estava acontecendo e EUGENICS ( a experimentacao com corpos humanos) estava tendo seu inicio pratico (foi inventado nos EUA), mas Todos os credos e o comunismo e TUDO aquilo que NAO era a cara ARIANA comecava a ser DEMOLIDA.

A PROIBICAO eh uma desgraca unica. Ela nao deveria vir JAMAIS como iniciativa de uma entidade judaica. Nao deveria JAMAIS existir como um pensamento ou ser institiudo como tal por um governo que quer se dizer livre e que diz ter intelectuais no governo que foram, eles mesmos, vitimas da DITADURA MILITAR, por terem expressado suas opinioes. Afinal Caetano e Gil estavam no palco do TUCA em Sao Paulo e levaram vaias da extrema direita em 68, antes da prisao e do exilio forcado em Londres. Eh PROIBIDO PROIBIR pode soar concretamente poetico, metalinguisticamente genial, mas eh, antes de mais nada uma profunda realidade> e estar na Alemanha, a 20 minutos de Dachau, um dos piores campos de concentracao, nao somente pra judeus, mas pra ciganos, africanos, etc. eh sentir VERGONHA que o Brasil de hoje interfira de tal maneira grotesca judicialmente numa alegoria (ja por definicao algo exageradamente grotesco) a ponto de proibi-la.

Quanto a maneira Americana de se votar: ONE PERSON ONE VOTE: Hey ! Let's make another leap for mankind and do away with the electoral college and these delegates and Super Delegates and Housewifes and Super Duper Housewifes! Why make matters so fucking complicated? Why confuse the voter? COME CLEAN PEOPLE, and rewrite an ammendment! NOW, SUPREME COURT (je suis begging – imploring – as well as so many millions of others: the current system is a failed one!)

Gerald, Munchen, Quinta 8 Feb 2008

24 Comments

Filed under Sem categoria

de Munique, Alemanha, o lugar do holocausto

E nem por isso de acordo que deveriam ter censurado o tal carro alegorico do Viradouro. Sou completamente CONTRA a censura, apesar de que metade da minha familia ter morrido nos fornos dos campos de concentracao: mas liberdade de expressao eh sagrada. Deixa os caras falarem e mostrarem o que querem. Depois, a gente fala o que quer deles. Nao eh assim que deveria ser?????? Censura NAO!!!!

Nervosissimo com o super Tuesday, mesmo a alguns quilometros de Dachau
Gerald

PS Vi que o Pancho escreveu que demitiram o IVO. Caramba. Como assim???? Nao posso ficar em paz nem um segundo???? Nem aqui pra lidar com assuntos delicados? Como saber mais sobre o que aconteceu com o Ivo? Pancho, me escreve. A CNN nao da nada sobre isso, e a Suddeutschezeitung tambem nao. Serio: eg a vitoria dos Giants e o Super Tuesday e a Merkel LOVE GT

8 da manha aqui na capital da Bavaria, 2 da manha em NY…..e eu nervoso como um cao acompanhando o chart do NYTimes online!!!! Wie? Wo? Was? Habe ich etwas gesagt? Chove la fora em Marienplatz, chove la fora em Schwabing

Luis Lago: Liberdade de expressao SEM RESTRICOES!!!!!! eu escrevo acima SOU CONTRA QUALQUER TIPO DE CENSURA (I am against any form of censorship, or vessel, boat or goat!) no Censoring Goats! EVER!!!!! GT

comment do taxista em movimento
Pois é, meu caro Luiz Lago… Todas as escolas, de todos os grupos e de todos os Estados brasileiros retrataram a crueldade com que os escravos foram trucidados no varejão e ninguém se sentiu atingido… Posso estar enganado, mas duvido que o carnavalesco da Viradouro se atreveria a debochar do massacre dos judeus… Defendo a liberdade total de expressão e adoraria ver alguém botar o nariz para fora do armário se expondo em mostrar sua deformidade para eu poder caçá-lo com as mesmas armas… Jorge Schweitzer
Jorge Schweitzer (Rio)

26 Comments

Filed under Sem categoria

ST – essa eh a sua assinatura: nowhere man!

SAUL STEINBERG

New York – No dia em que só se fala no super bowl aqui e em que o Rio deve estar imerso em samba (que saudades meu deus!), e os leitores silenciam em relação a esta coluna (não no blog), chego a me perguntar porque escrevo!

Malas prontas para Munique, Salzburg e Londres, não estarei aqui para o Super Tuesday. Talvez seja bom pro batimento cardíaco, sei lá. Na Pace Gallery, da rua 57 entre Park Ave e Madison, tem uma linda e simples exposição de Saul Steinberg, as "Mesas".

Curioso. Curioso como escrevo ou falo pouco desse homem que me influenciou a tal ponto que hoje não desenho ou pinto mais. Se vocês forem ao http://www.geraldthomas.com e clicarem em "press", vão encontrar o artigo "A Figurative Language", publicado na revista Print na década de oitenta, irão notar que eu publicava com uma frequência anormal os meus desenhos na OpEd Page do New York Times e em outras publicações. Era assim que eu sobrevivia. De teatro, não se sobrevivia, os workshops no La MaMa e as peças de Beckett chegavam a dar despesas.

Conheci o trabalho de Steinberg atraves de dois mestres: Ivan Serpa e Ziraldo. Mais Ziraldo, que me mostrava, página por página a importância desse Romeno judeu novaiorquino. Jamais pude imaginar que, um dia, estaria sentado em seu apartartamento/estudio, aqui na rua 75 com Park mostrando os meus desenhos, assim como mostrei meus desenhos pro Ziraldo aos 13 anos de idade.

Éramos dois: Daniela e eu. Ela, Daniela Thomas, filha do próprio Ziraldo e eu, na casa de Steinberg. Imaginem que loucura, "You've got the eyes of a wondering Jew" (você tem os olhos de um judeu errante). "Que merda!" , pensei.

Frio, calculista e total gênio, Steinberg foi boicotado por seus contemporâneos. O que faz um Jackson Pollock mais importante que ele? Não se sabe. Talvez seja a guerra dos judeus, digo, o turf disputado entre Clement Greenberg (o mentor dos expressionistas abstratos, como De Kooning, Barnet Newman e Pollock) e Harold Rosenberg, crítico, teórico, mas com muito menos força. Ser "figurativista" ou ilustrador nas décadas que finalizaram o século passado significa mais ou menos a mesma coisa, nos olhos de alguns críticos.

Graças a algumas "forças" superiores, Steinberg ganhou uma enorme retrospectiva no Whitney Museum e na Serpentine Gallery em plena década de setenta. Isso quando as instalações estavam em plena ascencão e o "artista" estava se repensando. A grande coisa de Steinberg é que ele desenha ou pinta o próprio artista pensando, em todos os seus estilos, e ainda gruda seus pincéis e instrumentos mortos ou moribundos numa ex-mesa de trabalho e os expõe! E, em se tratando de uma retrospectiva, ele mesmo se satiriza, o que não acontece com ninguém desde Andy Warhol, pois o "artista" iconoclasta é um sério, um deprimido, um idiota total!

Steinberg, a respeito de si mesmo, já nos anos 70, desenhou um Coelho (o animal mais rápido) sentado olhando pro Oeste, montado numa tartaruga (o mais lento) que caminha para o Leste. Retrospectiva. Era a sua morte lenta e a lenta morte de sua representação e de todos os pequenos e delicados valores que se diluíram nesse mar de baboseiras, onde a imensidão quantitativa parece ter ocupado o espaço relativo ao seu valor e à delicadeza da observação semiótica.

Representação desvalorizada pelos marchands, e por aqueles que não conseguiram enxergar que a luzinha acesa em Guernica de Picasso era somente uma camada de óleo sobre tela, mais uma, somente mais uma depois de tantas e tantas tentativas quebradas numa guerra nada civil entre o abstrato e o figurativo e o expressionismo.

Levei o Contardo Calligaris pra ver essa expo. Depois conversamos e caí numa crise depressiva. Ouvir o Contardo é refrescante. Ouvir um grande amigo é gratificante, mas as memórias são tristes. Nasci com o holocausto na cabeça e isso não tem jeito mesmo. Escrevo antes de partir para Munique, Alemanha e ouço que um carro alegorico celebra o tal holocausto.

Viva a imbecilidade mundial. Saul Steinberg, que morreu em 99, escapou de Hitler, depois de se formar em arquitetura em Milão. Romeno de nascimento – acabou na República Dominicana, aguardando o seu visto para os USA em 1940 – Saul deve estar rindo em algum lugar, já que seus livros "Passport", "Inspector" ,"Illuminations" e as mais de cem capas da revista New Yorker, nada mais são do que carimbos que não significam nada, e impressões digitais no lugar de nossas caras! Viva!
Gerald Thomas
diretodaredacao.com

14 Comments

Filed under Sem categoria

Contardo Calligaris momentos antes do seu embarque, ainda em NY

Ele, em seu quarto muitíssimo legal no Lombardi, na "midtown east side", após visitarrmos a exposição de Saul Steinberg, "Tables", na Pace Gallery na rua 57, um pouco antes dele voltar para o Brasil.

Saudades já, querido!

Gerald

5 Comments

Filed under Sem categoria

AND now REPUBLICANS??? especially YOU, McCain????

Dozens Killed in Worst Baghdad Attack in MonthsBy STEPHEN FARRELL and GRAHAM BOWLEY
Published: February 1, 2008
BAGHDAD – Twin bombs struck two markets in central Baghdad on Friday, killing dozens in the worst attack in the Iraqi capital for many months.
Wathiq Khuzaie/Getty Images
An injured Iraqi at a hospital in Baghdad.

The New York Times

Wathiq Khuzaie/Getty Images
An Iraqi man, injured in a bombing at a pet market, at a hospital in Baghdad on Friday.

The second hit minutes later and barely two miles away at the New Baghdad pet market. Both markets are on the east side of the Tigris River, and both are in mainly Shiite areas. But they are popular with both Shiites and Sunnis.

Early reports put the death toll from both attacks at more than 50. The bombings were carried out by women wearing explosive vests, witnesses said.

comentario de
Gustavo] [Gainesville, FL]
Carlos, vc claramente ao contrário da grande maioria dos 50 milhões de idiotas e ignorantes que reelegeram Bush não deve ter estudado numa escola pública de um sistema de educação falido e manipulado por uma rede de ensino ratificada por Franklin Pierce décimo quarto presidente e democrata que ratificou a porra da NEA. A mesma NEA que obriga estudantes universitários (internacionais inclusive) a saber dados irrelevantes de história e geografia ao invés de assuntos realmente importantes – razão pela qual eu sei que o décimo quarto presidente era um FDP. O fato dele ter sido democrata ou não pouco importa, o que importa realmente é que hoje a maioria que vota é ignorante por não ter educação de verdade. No mais, também dá pra ver claramente que vc não sabe o que esse partido representa hoje.

do Sergio Penteado

Gustavo, não vivo aí nos EU como você e naturalmente sou bem menos informado sobre as questões e mazelas da política e da vida doméstica americana. Parece-me que os republicanos tradicionalmente sustentam-se sobre três pilares : conservadorismo de costumes, austeridade fiscal e segurança nacional, interna e externa. Mesmo assim, nem McCain e nem Romney representam tipos puros no cumprimento desses quesitos (McCain se opôs à proibição do casamento gay e a expulsão dos imigrantes ilegais, Romney manifestou-se a favor do aborto). De todo modo, querem jogar para a torcida republicana, dizendo-se ambos "o mais conservador da disputa" De todo modo, parece que a próxima terça apresenta situaçaõ complicada para eles, porque de 20 estados, 8 têm populações latinas expressivas. Acho bom Obama aprender algumas palavras em espanhol. Hillary não. Quanto aos 50 milhões de idiotas daí, digo que os daqui deixam cartões de crédito corporativo arregaçarem o Brasil e ninguém faz rigorosamente nada.
Sérgio

do Carlos

Gustavo, como brasileiros, sabemos bem que educar um povo é perigosíssimo, não é à toa que nunca foi uma prioridade em nosso país. Mas daí a culpar o décimo quarto presidente dos EUA (coincidentemente democrata?) pelos resultados das duas últimas eleições? Quanta asneira não se aprende na escola…seja pública ou privada! Agora culpar o currículo escolar pela re-eleição de um assassino em 2004? Não entendi. E você poderia por favor explicar O QUE o partido republicano representa hoje?? Baseado em alguns "poucos fatos" (massacre do Iraque, déficit, mentira generalizada, sistema de saúde podre, máfia Cheney, criacionismo, etc), talvez eu tenha uma vaga, muito vaga idéia do que o partido republicano representa, mas estou aqui pra aprender.
Carlos

10 Comments

Filed under Sem categoria

Estou EMOCIONADO com o debate em Hollywood entre

OBAMA e HILLARY no Kodak Theater que acabou agora. Celebridades como Spielberg , cantores, atores, o diabo a quatro e outros na plateia, os dois candidatos mostraram que AINDA existe possibilidade de UNIAO entre os dois quando perguntados ja bem no finalzinho se um cogitaria ter o outro como vice . ALTISSIMO asrral, eu estou aqui aos prantos e peco desculpas.
Hoje, num Dunkin Donuts em Boston durante o dia, provoquei uma galera: NINGUEM votaria em republicanos. Todos estavam esperando esse momento HISTORICO de hoje a noite, e nao era ficcao de cinematografica: um negro e uma mulher. Edwards caiu fora.
LINDO VER UM PARTIDO SE REUNIFICAR.
Em alguns meses, derrubaremos os miseraveis dos republcanos!
Ai que alivio meu deus!
O ticket Obama X Hillary, pergunta de Wolf Blitzer bem no final do debate promovido pela CNN – Politico.com e Los Angeles Times, foi simplesmente UMA PERGUNTA LINDA! e a resposta um ALIVIO.

"How do we take our country into new directions? This has nothing to do with color or gender! "
Barack Obama

GT

cometario
Gerald: o que assisti do debate me fez pensar alguns óbvios: 1- COMO PODE qualquer indivíduo americano votar num Republicano depois desses trágicos 8 anos de Bush no poder??Tem que ser ou MUITO MESQUINHO ou muito BURRO ou os dois pra votar em Republicano novamente; 2- Pelo lado democrata, FINALMENTE Obama e Hillary estão se unindo!! Isso é essencial pra levantar o partido e pra realmente começar a atingir a opinião pública, senão fica um atirando no pé do outro e isso não levará a nada; 3- Uma chapa com OBAMA e HILLARY (pra vice) seria MUITO FORTE. Seria a única chance e espero que isso se concretize para o bem do mundo todo. Uma chapa com Hillary pra presidente e Obama (pra vice) é ALTO RISCO DE PERDER; 4-O mais óbvio de tudo: QUALQUER REPUBLICANO no poder SERÁ A CONTINUAÇAO e o aprofundamento de uma HORRÍVEL TRAGÉDIA.
Carlos

Gustavo na Florida reponde ao Carlos
Todo Republicano Carlos? Isso é desconhecer o partido. No meio tempo recomendo a quem se interessar assistir: Hillary, The Movie. Aqui tem o trailer: http://www.hillarythemovie.com/trailer.html

10 Comments

Filed under Sem categoria