Monthly Archives: May 2006

A Varig VIVE e vive como nunca!

Advertisements

27 Comments

Filed under Sem categoria

hoje, domigo, as 18h

São Paulo, domingo, 28 de maio de 2006

TEATRO

PEÇAS DE GERALD DESTINAM RENDA AO SOU DA PAZ
Parte da renda da bilheteria arrecadada hoje pelos espetáculos "Brasas no Congelador" (com Serginho Groisman) e "Terra em Trânsito" (com Fabiana Gugli) será revertida para o Instituto Sou da Paz. As peças pertencem à quadrilogia "Asfaltaram a Terra", de Gerald Thomas (que também inclui "Asfaltaram o Beijo" e "Um Bloco de Gelo"). A sessão acontece às 18h, no Sesc Vila Mariana (r. Pelotas, 141, tel. 0/xx/11/ 5080-3000). O ingresso custa R$ 30 e dá direito às duas peças.

6 Comments

Filed under Sem categoria

os pucks e punks de hoje

4 Comments

Filed under Sem categoria

ESCLARECIMENTO

Escareco para os produtores e patrocinadores (e o publico) que estarei de volta em cartaz com Asfaltaram o Beijo nas duas ultimas semanas no SESC Vila Mariana. Ou seja, no total so terei deixado de fazer 3 apresentacoes por estar ausente do pais.

Gerald

10 Comments

Filed under Sem categoria

eu vou, eles ficam

estou voltando pra NY com um gosto amargo de derrota. Nao sei exatamente porque: dos 4 trabalhos, deixo 3 em repertorio com um elenco maravilhoso (que orgulho gente!). Mas saio meio derrotado com tanta confusao de horario, com tanta gente ainda achando que sao 4 pecas todos os dias…ou sei la o que. Ainda mais essa: tem um grupo ai que conseguiu um mega subsidio roubando um titulo (e ideia) meu….um projeto antigo, ja aprovado em outras instituicoes, um absurdo. Isso tudo me afasta do Brasil. Vou dar um tempo. Viva o Brasil e viva todo mundo. O publico tem sido barbaro, o SESC tem sido barbaro…..

vou sentir muitas saudades.

vou mesmo

Gerald

40 Comments

Filed under Sem categoria

DUAS PECAS POR DIA!

14 Comments

Filed under Sem categoria

Contardo, sempre brilhante e muito obrigado

CONTARDO CALLIGARIS

Palavras vazias

Aos 12 anos, fiquei um mês de cama. Não me lembro se foi por uma gripe ou algo mais sério, mas sei que passava meu tempo lendo. Alguém me oferecera um tratado sobre o Diabo: era uma longa compilação, desde a queda de Lúcifer até os cultos satânicos modernos. O livro terminava com um apêndice que explicava as diferentes maneiras de convocar o demônio.
Era crucial evitar que Satanás, uma vez convocado, se apoderasse de minha alma sem oferecer uma contrapartida valiosa -tipo: "Dano-me para a eternidade, mas você fará meus deveres de casa até o fim de meus estudos". Ora, o livro propunha rituais minuciosos (pentagramas, círculos de sangue etc.) que eram impossíveis de realizar no meu quarto. Salvo um: uma fórmula de duas páginas, cuja simples leitura em voz alta garantiria que o capeta se apresentasse manso e bem-disposto. Problema: a fórmula só funcionaria se ela fosse lida sem erros; uma letra fora do lugar bastaria para que o diabo aparecesse na minha frente indignado e poderosíssimo. Detalhe: o texto era composto por uma série de nomes diabólicos com uma concentração de consonantes de dar inveja a uma lista telefônica polonesa, e o risco de errar na pronúncia era considerável. Na solidão de meu quarto, comecei a ler em voz alta. Dezenas de vezes, amarelei antes do fim. Mas, logo, recomeçava. Por quê?
Não acho que estivesse a fim de encontrar o capeta, tampouco tinha um pacto importante para lhe propor, mas não resistia à sedução de palavras que, segundo o livro que estava na minha mão, teriam o poder de evocar o próprio espírito do mal.
Pois bem, o best-seller mundial do último ano é "O Código Da Vinci", de Dan Brown. No seu rasto, vêm "O Enigma do Quatro", de Caldwell e Thomason, e "O Clube Dante", de Matthew Pearl. Isso, sem contar "O Historiador", de Elizabeth Kostova, ou "O Terceiro Segredo", de Steve Berry.
Na minha (prazerosa) leitura, são romances que pertencem ao filão de "O Nome da Rosa", de Umberto Eco (1980).
Fora o sucesso de público, o que a história de Maria Madalena tem a ver com os vampiros ou com o terceiro segredo de Fátima? Por que juntar esses romances num mesmo "filão"?
Certamente, eles satisfazem ao gosto "new age" pelas coisas arcanas e "espirituais", ou seja, encorajam-nos a acreditar que a vida seja mais misteriosa do que ela é. Desse ponto de vista, eles não são diferentes das façanhas de Harry Potter e da magia de Paulo Coelho.
Mas não é só isso: todos os romances que mencionei contam histórias em que as palavras têm um valor muito especial. Morre-se por um livro inédito de Aristóteles, mata-se por um evangelho apócrifo; uma frase pronunciada em voz alta comanda a aparição do vampiro; quase sempre, o segredo está em alguns textos que é preciso encontrar, ler, meditar e interpretar perfeitamente -textos em que cada letra conta.
É bem possível que o motivo do sucesso atual desses best-sellers seja, então, o esvaziamento dos discursos que enchem o dia-a-dia de nossos ouvidos: a nostalgia por uma palavra magicamente plena e eficiente bate forte num momento (ou numa época) em que as palavras que nos interpelam parecem curiosamente fúteis.
Em sua maioria, as falas públicas (das quais somos os destinatários) não apostam na nossa capacidade de entender, memorizar, pensar e julgar; sobretudo, elas supõem de antemão sua própria irrelevância: desprezam sua capacidade expressiva, seu texto e sua mensagem. O que é despejado em nossos ouvidos cultiva apenas aquela função da linguagem que Jakobson chamava "função apelativa", ou seja, a função pela qual quem fala quer nos induzir a agir segundo seus desejos.
Criminosos convictos nos falam de ética pública e pedem cumplicidade, políticos desqualificados nos prometem futuros radiosos e pedem votos, publicitários mentirosos nos garantem a felicidade a preço de banana e pedem compras. O texto não tem importância nenhuma, só importa que ele nos convoque.
Nos primórdios da psicologia comportamental, Pavlov condicionou um cachorro para que salivasse a cada vez que ele escutava uma campainha. Pois bem, espera-se que sejamos como o cachorro de Pavlov no meio de um concerto de campainhas, salivando sem parar e sem pensar.
Em suma, estamos na posição do capeta de minha infância, mas recebendo fórmulas incoerentes. O capeta, em princípio, ficaria furioso. E nós?
Bom, aparentemente, em compensação, somos seduzidos por histórias em que as palavras contam, pois escondem (e, eventualmente, revelam) um sentido, histórias em que a ação é fruto de uma atenta meditação do que foi dito e está escrito.
Aparte: estreou na semana passada, no Sesc Vila Mariana, em São Paulo, a nova peça de Gerald Thomas, em homenagem a Samuel Beckett, "Asfaltaram a Terra". Na verdade, são quatro peças breves (apresentadas duas de cada vez, em dias alternados), com Serginho Groisman, Luiz Damasceno, Fabiana Gugli e o próprio Thomas como protagonistas. Ninguém melhor que Gerald Thomas consegue transformar em espetáculo a extraordinária cacofonia que assombra os ouvidos modernos.

8 Comments

Filed under Sem categoria