Folha de Sao Paulo, sabado 7 de maio

TEATRO

Em "Um Circo de Rins e Fígados", dramaturgo retoma vigor da década passada e divide responsabilidade com atores

Nanini ilumina a angústia de Gerald Thomas

SERGIO SALVIA COELHO
CRÍTICO DA FOLHA

No fim da peça, em meio à fumaça recortada por focos de luz, o protagonista dá seu último adeus à platéia, que não sabe mais se ri ou chora. Sim: é Gerald Thomas de volta, com o vigor da década passada, como se via em "Carmen com Filtro 2" ou "The Flash and Crash Days".
Não se trata simplesmente, no entanto, de uma volta para trás. Importantes lições foram assimiladas: cada vez mais Thomas compartilha com os atores a responsabilidade pelo espetáculo, que agora se equilibra entre uma estética cênica meticulosa (Thomas, como de hábito, assina texto, direção, iluminação, trilha, cenografia e projeto gráfico, e tem no figurinista Antonio Guedes um parceiro à altura) e um texto que se apóia na performance, não raro no improviso, dos atores com a missão de desautorizar os Movimentos Obsessivos e Redundantes para Tanta Estética (ou seja, negar a M.O.R.T.E., título de sua última grande montagem de transição). E, para essa função, tem agora o privilégio de contar com Marco Nanini.
Assim, a montagem se impõe como uma explosiva fusão entre uma opressiva atmosfera expressionista e um humor negro libertador, que vem direto do surrealismo de Genet e Beckett. O impacto visual do cenário -grandes painéis saturando a cena de significados, para logo em seguida serem retirados e deixá-la desolada- relembram o público que o autor demiurgo é, na origem, um artista plástico.
O fato de esses painéis serem reproduções em grande escala de esboços para montagens antigas dá pistas sobre a própria trama da peça. Thomas, durante muito tempo, desenhava suas peças em vez de escrevê-las, até que um dia, saturado de si mesmo, experimentou em "Nowhere Man Unplugged" (o palco nu), simples suporte para seu ator Luiz Damasceno.
O mundo, no entanto, seguiu sendo um pesadelo, e as obsessões visuais voltaram a assombrá-lo. No fundo do poço, a saída foi arrumar um novo alter ego para poder se observar de fora. No começo da peça, portanto, Marco Nanini, depois de sonhos agitados, acorda e se vê transformado em Gerald Thomas, no seu limbo de criação, tendo apenas hipocondria e erudição como armas originais.
Isso é um trabalho para o super-Nanini. Pondo o público no bolso a cada cena, sem perder nunca o fio da meada da angústia com a falta de sentido do mundo, eis um raro exemplo de ator visceral e distanciado ao mesmo tempo, que comove pelo riso, que diverte com a desgraça mais mórbida. Cada cena é calibrada para ser esgarçada por ele, e frases em princípio pueris, como "Nada prova nada" e um melodramático "Maldito momento!", se tornam bordões a serem lembrados por muitos anos.
A alegria de Nanini ilumina as trevas da obsessão geraldiana, sem desautorizá-la. A própria voz em off do autor, marca registrada de suas peças, pode agora estar bem menos presente, em uma serenidade quase olímpica, ela que já foi tão resfolegante.
E a Musa-Bailarina, outra personagem fixa, aqui a cargo da múltipla Fabiana Guglielmetti, escapa do linchamento, mas não de David Lynch, em uma caricatura comoventemente pueril. Quanto ao coro persecutório, outrora tão esmagado de responsabilidade, agora visivelmente se diverte muito com as marcas criadas por Dani-hu com a verve de Jackie Chan e que Luiz Damasceno tornou orgânicas.
No fim da peça, em meio à fumaça recortada, depois de passar por obsessões passadas e enfrentar os mesmos simulacros e becos sem saída, o protagonista dá seu último adeus à platéia -mas já é tarde demais para morrer.
Ele agora encarna não só Gerald Thomas, mas todo o teatro brasileiro, dos jovens fomentados à sábia indignação de Walmor Chagas, que, em meio à precariedade e desrespeito, se recusa a ser vencido. Que soe o hino nacional, pelo samba de Ivo Meirelles: Gerald Thomas está vivo, e o teatro não morre tão cedo.


Um Circo de Rins e Fígados

5 Comments

Filed under Sem categoria

5 responses to “Folha de Sao Paulo, sabado 7 de maio

  1. Alciar Vólia de Sobral] [Olinda/PE/Brasil

    Sr. Gerald Thomas e Produção da
    peça “Um Circo de Rins e Fígados”
    Por favor tragam esse espetáculo ao Recife.
    Um grande abraço e a minha admiração pela sua inteligência brilhante.
    Alcimar

  2. Croft] [RJ - RJ - Brasil

    Estou tentando escrever, mas parece que ñ vai dar pra continuar e enviar, pois ñ vejo o quadro (janela) completa), etc. Como enviar? Meu PC é fusquinha e tudo isso é uma merda!

  3. Terpsi

    e novamente o acaso nos brinda… Muito prazer, Gerald Thomas, sou Terpsichore Strega.. a seu dispor – Esta vida é uma piada, um circo.. hahahah Estou me coçando de vontade pra ver os rins e fígados e quiça trocarmos algumas figurinhas 😉

  4. Coelho

    Grande peça! Grande Nanini! Grande Gerald Thomas! Grande Grande tudo tudo…
    Só faltou o Nanini cantando ” Festa no Ape” … no original em romeno…
    ________/)/)___________
    _______(‘;’ )___________
    ____(”) (”)_’)o__________
    Ma-ia-hii
    Ma-ia-huu
    Ma-ia-hoo
    Ma-ia-haa

  5. Fabio] [sao paulo

    Grande peça! Grande Nanini! Grande Gerald Thomas! Grande espetáculo, incluindo todos os detalhes. O som é perfeito e faz parte das cenas, assim como os figurinos, atores, painéis. Bravo!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s