Tag Archives: Gerald Thomas

Adam Miller – the great painter – by Edward Pimenta

Continue reading

Comments Off

Filed under Colaboradores, Uncategorized

“I’m unhappy. But I’m not unhappy enough” (Beckett)

Guess !

Guess !

Guess # 2

Guess # 2

I’M UNHAPPY. BUT I’M NOT UNHAPPY ENOUGH
(Sam Beckett)

Comments Off

Filed under Uncategorized

“A Maquina” in full – click on the link (or watch it here)

http://amaquina.tvgazeta.com.br

Comments Off

Filed under conversa virtual, Uncategorized

Visionary? Unfortunately + John Waters and the Gulf of Mexico, beyond belief !!!!

corpses amidst a johnny Mathis, my painting.

GT over the huge fish spitting OIL banner

I painted those OIL spitting (vomiting) dolphins in London in 2003.

Unfortunately, what we’re witnessing now has gone far beyond that. It’s catastrophic. Catastrophic and beyond proportions.  But should we ALWAYS be amazed? Are these (so called) disasters not foreseeable? Really? Will we be taken by surprise when the NYSE and so on crash again? Or a new war begins somewhere? Are we doomed to being stupid?

What I have found in all of this (around me) is an extraordinary story: hundreds of millions of dollars stolen, papers of extraordinary value, documents never before seen wrapping oil spitting Tuna and fingers pointed at top government officials. Torture, slaughter, abuse, death – and that’s just the beginning of what sounds like a best-selling thriller. But, tragically, it is actually real life.

Time for us to wake up, one day. Some day. Sunday. Sunday might be a good day to wake up.

By the way: Those fortunate enough to have watched John Waters (filmmaker) on the Craig Ferguson Show must have been DELIGHTED to have witnessed a SANE and wonderful chat.

Other than that: OIL is still gushing and the news is pretty fucking bad.

Unfortunate reality in the Gulf of Mexico (painted in London 2003)

Comments Off

Filed under Uncategorized

Sunday update: log book: Blog book:Man Overboard: lecturing people on how to jump ship!

offshore drilling near La Coruña, Spain

I wish I could describe to all of you what enduring this ‘thing’ on the Queen Victoria has been. And this is only the second day!!!!!

HEEEEELLLLPPPPP

MAN OVERBOARD  (we’re told by the fire drill official) to scream if we see someone jump ship of fall into the sea.

I promise you all that I’ll do it in the middle of the night when the waves are high and the surrounding (flat) planet is in complete darkness.

It’s quite incredible that a ship of this size and importance, such as the Queen Victoria, is such a wasteland of plastic imitations of what used to be this Cunard Line of vessels.

Second day and I’m almost jumping ship: yes, “man overboard”. Or overly bored. Quite silly, really, considering that the average age of people here is 100 (or above) dribbling and sleeping over their alcoholic drinks.

Smoke wasted on 100 year old DEAD people

This is a  shopping mall floating along the coast of Spain now, about to turn the corner at La Coruña. High waves and stabilizers almost not working. Swimming pools are fresh water. Silly. Should have one where you could enjoy fresh oil spills and squids and so on…

None of that. Just an elevator going up 10 stories and NO INTERNET IN THE room as promised.

Oh yes, the theater is lovely; looks just like the Metropolitan Opera House.

Food? Amazing. Had the most amazing sole (not Dover) but a real  shoe sole for breakfast in the form of what they call  a “toast”. As for the coffee…well……Need I go further? YES! I want to be able to see LAND!!!

Thanks Captain.

LOVE

G

Sunday: on Tuesday we arrive in Barcelona for…..half  a day. Fish are jumping. Shrimp are shrimping and waves are waving. No, they’re not. Waves are waves are waves and (can you tell?) are waves….

Dress Code on the “Queen Victoria”: daily requirement.

“Sunday: TONIGHT’S DRESS REQUIREMENT.

Formal dress: Tuxedo, dinner jacket or formal dark suit with tie for the gentlemen, Evening dress or other evening attire for the ladies. Please note that the “Formal Dress” code applies from 6:00pm this evening. Out of respect for your fellow guests, the dress code enforced. The Lido restaurant provides an alternative for those guests who prefer a more relaxed evening attire.”

PS: RELAXED????? How can I relax with some of the aberrations I’ve seen? This is absolutely amazing: a sunny day outside and people are going to be getting into their tuxes and long long tacky dresses in order to…….eat!

Fancy that!

LOVE

G


Comments Off

Filed under Uncategorized

Breaking news: London calling. Gordon Brown will resign: 50 is a number stronger than 300: the anti Darwinism has finally arrived: more on Monday

GREECE is in LONDON (British Museum)

BREAKING NEWS

12:15 PM ET

British Prime Minister Gordon Brown Will Resign as Labour Party Leader By September

When 50 is a stronger number than 300

Saint Ives, Cornwall: Rocks that don’t roll, Tristan und Isolde, “my vote counts”, “press the hash key, UK – press the pound key – US”, if Britain were to press the pound key, the City would make billions!”  Hash!

Greece is in shambles, in shreds, in tatters, but if you go to the British Museum, you’d see part of the Greek ruins still there where Sofocles played as a child!”. Athens is burning! Atenas ligadas!!!!! Antenna.

WHEAL DREAMS”

That time, that last time, were the ruins still there where you played as a child…..When was that?” (Samuel Beckett). It’s amazing. But not many people know who he is! “When was that”. I’m looking at the Scilly Isles and, far away, the coast of Ireland, where Beckett was born and where the ruins are where he played as a child. “When was that?”

Have you heard of “Waiting for Godot”, I ask.

“no, not really”, he answers looking at me with small wide open 20 year old eyes.

“Never heard of Endgame, Godot, etc?”

“no, never”.

Hmmmm.

In the National Interest, it’s best to move forward”. Not my words. These are Alastair Campbell’s words. This is our man. Blair’s man. Blair’s conspiracy man. The man who is capable of forging words, forging documents and the man who (ultimately) took the UK into Iraq. I can imagine an Alastair as he would be perceived by Andy Warhol. Imagine all the Campbells, all the Elvises and all the Maos and Monroes together in stark pink and yellow. That’s my man! Star Spangled Banner! Rauschenberg has always been a HOAX. Not Jasper Johns but Robert Rauschenberg. Castelli needed a few and made them up as they came along.

I’m writing from Saint Ives, Cornwall where King Mark no longer reigns and where Tristan, Isolde, Kurwenal and Brangaene fought for their lives, love and revenge. Brazil’s emperor, Don Pedro, gave Wagner the idea: and the most incredibly beautiful opera was born. This is where I walk along its very very incredibly very narrow alleyways and look at the ocean, from the corner of my shy eyes:  “The Boat, The Boat (Das Shiff, Das Shiff) ”, as if it where the delirious last scene of a Richard Wagner opera which ends with the transcending of love and death: his Liebestod. Our lovedeath. Our deathlove.

And looking at the low tide with its boats almost capsized, resting its sides on the sands and on its sides as if a collapsed government, I realize that math has played a huge trick on us: Fifty is stronger than 300. Clegg has managed to become a pop star! Wow!

Everyone wants to go to bed with him: he holds THE power, in spite of the small representation he has. Make sense? Does it?

This proportional vote here in the UK must change. And so must the American system of electing officials who form the electoral college, change. I mean, CHANGE!!!!!

D-Day early morning: Great day. Clegg, Cameron and Brown are seen in a “presidential or prime ministerial manner” standing behind the Prince of Wales , Charles.

UNLOCK DEMOCRACY

Yes, we can.

REFORM THE ELCTORAL SYSTEM

Yes, we can.

Harrods has been sold.

Another Fayed is dead.

I can’t go on. I’ll go on.

Terror: London Calling.

Doomed by ASH clouds whether up here in the North. Or down below, in the Gulf of Mexico.

SHAME.

No we can’t!

Gerald Thomas

9 May 2010

some rocks don't roll

FOOTNOTE: Again a reminder: my TWITTER name is
geraldthomas1 (with the number 1 following my name, as you could easily notice)

any other – especially those badmouthing Brazil – is NOT me!

Em Por-au-Gois:

Mais um lembrete: no twitter eu sou

geraldthomas1 (NUMERO 1 atras)

qualquer outro – especilamente um IMBECIL que so fala mal do Brasil, nao sou eu.

MINE HAS MY PHOTO. MY IDENTITY and leads to my blog.
O MEU TEM A MINHA FOTO, MINHA IDENTIDADE, e tem ligação com meu blog

Comments Off

Filed under Uncategorized

A little fun in life can be funny.

Experimenting with different instruments, since the main instrument I’ve known since I was a child.

LOVE to you all

Gbass fun funny

drum dream

bass fun and drum dream

Comments Off

Filed under Uncategorized

uptdated 5 May: L.I.E – the expressway to doubts, sorrows and longing

L.I.E – The expressway to doubts, sorrows and longing.

No, I’m not going to destroy your mind with descriptions of the Long Island Expressway or, for that matter the GRAND Central, or even the M4 motorway that leads me here. Lies. That’s what we do best.

Maybe the best description for our period (yes, period!) would be the midtown tunnel or the Holland Tunnel. Yes, tunnels. Darkness. Claustrophobia.

The theater is a dark place. It’s the place where we tell the truth by lying. Yet, the system is passing us by just like speeding cars do on the LIE. Except that cars don’t speed on the LIE. It’s a bumper to bumper deal, if anything, especially when the passengers  mouths are  wide shut and approaching the tunnel or the toll booths. Imagine Munch’s silent scream inside one of those tunnels. No, don’t imagine that.

I said, in the previous post down below that “we should rethink ART as the GREATEST form Of ART itself. Not as a fearful act of expression, but as an act of eternal transgression.”

But our bumper to bumper period (yes, period!!) isn’t up to much transgressing. Sucking the past dry, I realize … no, leave it alone: let it be. Let it be nothing. Well, sucking the past dry, we are in a recycling period and that makes me cry. I’m alive.

The current vacuum or void seems to me like an empty stomach starving for new ideas.

And that’s a huge question.

I’ll leave it up to Hamlet to solve.

But Hamlet has never solved a thing!  Yet he thrives in our imagination dead imagine, buried deep inside our brains as the eternal “what to be and what to do” He is the epitome, the prototype and the encapsulation of insecurity, low self-esteem, narcissism and self destruction. If the Hamlet in us ever does look at his own reflection, it will be in a pool of his/our blood just before death, rather than in a thin pool of water.

menopause on an island

I’m in tears while writing this because I’ve just spent hours watching/listening to John Paul Jones (the bass guitarist for Led Zeppelin) and it dawned on me that….No. Leave that alone for the moment.

“Ramble On”

I am simply in a state of wonderment or nostalgia or maybe I’ve come to realize that the Led, as well as Hendrix were products of the Cold War era. I mean, the byproducts of the Beatniks, hippies and all the names that’s fit to print in order to describe the “counter culture days” – or the Anti Vietnam War movement and all the peace and all the love we use to flag around and which has turned into so much hate, hatred, green kale and greed. Let’s say that the real world is more like Eisenstein’s Battleship Potemkin or Dostoevsky’s Crime and Punishment and the blues. Oh yes, the blues.

We’re in 2010. These guys were making the most amazing things and CHANGING THE WORLD  in the late sixties, early seventies. Meaning that 10, 15, 20 years after the Second World War, there really was a REVOLUTION from OLD to NEW.

And now? Nothing. This has all been FORTY years ago. So, what was our crime? What is this fucking punishment?

We are bombarded with LIES and sit still. “or take arms against a sea of troubles and by opposing, end them”, oh Shakespeare my love: that was almost 500 years ago. And now? We sit still and type. We type and wonder.

But it’s all blind, it’s all Braille. We type and type in vain. Better to spit into an empty glass of Barolo, I think.

When Page, Plant, Bonham and Jones formed Zeppelin, or when Hendrix, Mitchell and Reading formed the “experience” there was a UNIVERSE hidden in them. And a universe with a beat, a sound, a bass so loud that it resembled your own heart when in love. YOUR HEART WHEN IN LOVE.

Yes, and the lungs could barely take it.

Very little moves and that motto: “we should rethink art as the GREATEST form Of ART itself. Not as a fearful act of expression, but as an act of eternal transgression…has become nothing but a retrospective and introspective sound I hear, something that my soul hears, my subconscious knows but I sit still.

Yes, perhaps I will give Hamlet a call, after all and arrange to meet his father, the ghost. What better place than, say, somewhere along the LIE?

Gerald Thomas

3 May 2010

PS May 5

Faisal Shahzad, 30, a U.S. citizen from Pakistan, faces charges including attempting to use weapons of mass destruction. BEAT THE SHIT OUT OF THIS BASTARD. MAKE HIM TALK. (yes, I used to work for Amnesty International as a volunteer). Now I just don’t care: Nail him to a chair, beat the m*f* until he gives us all the info about these FUCKING COWARDS!

Comments Off

Filed under Uncategorized

FYI- For Your Information: my ass!

Life is not measured by the amount of times you breathe but by the amount of times that they take your breath away. (George Carlin)

A vida não é medida pela quantidade de vezes que respiramos, mas pelos momentos que nos tiram a respiração.

Claudio Diet (http://www.blog-filho.blogspot.com/) pays an enormous tribute to my (past) work.

the mooning incident in 2003

It’s really moving to see the flashes and crashes of a collage

of things that I’ve written and staged. I’m in a bit of a shock.

That was an FYI (For Your Information, For Your Improvement or For Your Ignorance), or for your eyes only.

In England, Gordon Brown calls a country woman a “bigot”

Here’s the tape:

http://www.guardian.co.uk/politics/2010/apr/28/gordon-brown-penitent-bigot-gaffe-campaign

Poor Brown. All colors are rather shadowy in this forthcoming election. Labour’s election campaign was in disarray yesterday after the “Prime Minister on hold” was forced to apologize to a pensioner and lifelong party supporter whom he had described as “a bigoted woman” for questioning him over the scale of immigration from eastern Europe.

In the US, after days of resistance, Senate Republicans – “Fyied” – agreed to let Democrats open debate on a bill to regulate the financial system. “Senate Republicans”!!!! I’ve always wondered what goes on in their heads. They advocate for a republic. Strange, whereas the Democrats advocate for a democracy. If we live in a limbo, neither, either of the two, which would be the party that truly represents this system???? Arizonism? AriZonaism? Arizo-zionism? Of do we live in an eternal FYI? Hmm.

The photo posted above  has been circulating around the world. It appeared in the New York Times as well as in the Guardian and all other European and Asian publications. Yes, my ass. My arse. My mule. It now seems part of History.

“Which History?”, you might ask. The history of Rio de Janeiro’s Municipal Theater: the so called, Rio Opera House. It’s a majestic building and it was projected  by Emperor Don Pedro in the 1800 + something. Oh yes, Don Pedro went all the way to see Richard Wagner, in Bayreuth. And his mission was to com-mission a new opera: based on love, the impossible love: Tristan and Isolde.

Yes, Wagner’s Tristan was paid for with Brazilian money. Strange, you might say. But this is a fact. Brazil, in fact, owns the rights to one of the famous operas ever composed (Wagner ended up opening the piece himself, both in Dresden and in Munich because Brazil was too slow to build its theater). Brazil is slow. That hasn’t changed.

So, I was booed. But this was not the reason why I mooned the audience.

Who might have been sitting in that vast audience? The theater sits 2.500

But you could swear that there must have been over 3.000 people there, on that cold August day, the day when Haroldo de Campos died.

I was in a state of rage. I was in a state of complete let down. His death to me was almost like a personal let down to me. I was left in a state of abandonment. I was left in a state of ZERO percent.

The richest one percent, an imaginary figure. One percent is imperceptible to the human eye, ear, all of our senses. The richest people of this country own half our country’s wealth, five trillion dollars. This is a strange thought.

One third of that comes from hard work. Is there work which isn’t hard?

Yes, there’s easy work. There certainly is that. But what is it? Please, someone tell me what that would be.

Two thirds of the richest people come from inheritance, interest on interest, and interesting interest on interesting interest. That, if you add the percentage that goes to accumulating to widows and idiotic sons, turns out to be a Mount Sinai of sins and signs.

The news, on TV, printed press or the internet, must – absolutely must, be BAD news: war, no peace, famine, upheaval, the price per paper clip, or clipping the oil clip.

FYI

Quantos construíram um vocabulário teatral?

How many artists have actually built a theatrical vocabulary?

Quantos sequer “pensaram” sua arte?

How many have actually thought art in a philosophical or existential manner?

Estamos sendo traídos pelo sistema: talvez seja hora de pararmos de nos acusar uns aos outros e pensarmos na CENA de ORIGEM. Sim, aquela que os filósofos invocam quando têm de enfrentar a GRANDE CRISE, ou melhor,  GRANDE ARTE, ou seja: a morte!

We’ve been betrayed by our systems. All systems. Who knows, perhaps or maybe or somehow….a word that hasn’t actually been coined or scorned yet will make us think of the genesis of things. All things. I mean, apart from the FYI’s, we should rethink art as the GREATEST form Of ART itself. Not as a fearful act of expression, but as an act of eternal transgression.

And that’s a huge question.

I’ll leave it up to Hamlet to solve.

Gerald Thomas

29 April 2010

Comments Off

Filed under Uncategorized

Strange

vomiting ones life away

Strange to think that we’re all about just surviving, winning, paying bills, getting by, meeting people, answering calls, returning favors, making appointments, falling in love, telling the stories that are there to be told (so many, so unreal it seems), thriving, ‘making it’, stepping up to, stepping down, masturbating thinking of the impossible, taking a look from the distance. Taking a look from a distance, it makes more sense to simply vanish.

These are the words: “for to end yet again” Beckett wrote about. But one thing is to stage these words. It’s quite something else, to be pounded with this feeling over the head.

Every arrival, every departure, a tiny fragment of death. Yet,  the idea of having to “be correct”, “behave correctly” so that we can flip out in our metaphorical lives is insane, yes,  “follow the norm”, a voice says: “follow the norm” and take care of the bills and wondering where the next idea will come from: if it’ll ever come….If it will ever come.

Strange.

Gerald Thomas

27 April, another 27 April amongst so many 27th of Aprils that have gone by.

PS: A vida não é medida pela quantidade de vezes que respiramos, mas pelos momentos que nos tiram a respiração. Life is not measured by the amount of times you breathe but by the amount of times that they take your breath away. (George Carlin)

Comments Off

Filed under Uncategorized

E-Jakull: Bjorg’s revenge

Eyjafjallajokull, that unpronounceable volcano “Jokull” or “E-jakull” (for E-bay shoppers running to buy some radioactive orgasmic ash), prompted inevitable chatter about nature’s awesome fury and the inadequacy of human invention to deal with it. We have become weaklings and that’s a given.  Our major problem is fear itself, I remember hearing some president say, once upon a time.

REVENGE

This picture, of Luiz Damasceno in Nowhere Man must represent something in this article. But what? Is hethe Nowhere Man (my play, 1996) or is he playing me, after the Topamax withdrawal? Had I predicted the entire episode? Or is a victim of the Icelandic ash?

On the whole, Europeans tend to forget about Iceland altogether until some fresh calamity compels their attention, be it financial- the banking implosion – or a furious volcano explosion, spitting and ejaculating over us all: oh E-Kajull !!! Seriously now.

Europe after the Rain” is a painting by Max Ernst I grew up with. Of course, it’s Ernst’s metaphor for a Europe after a War. A huge war. We have become weaklings and that’s a given.

We have dealt with the worst of ourselves and will never come to terms with our own fury about the “existence of the other”. Wars, invasions, exvasions, brutal murders and The Son of Hamas (a double agent for the Israelis and Hamas), are trivia not so trivial.

TOPAMAX

For those who have taken it, you know.

For those who’ve never taken it: Christ! It’s so damn hard to try and lead a life after a 300mg bombardment of this “mood stabilizer”. Coming out of it is more difficult than having to deal with the over testoronized E-Kajull.

An open forum about psychiatric drugs sounds like a terrible web nightmare. With strong moderation, a supportive atmosphere, and even an over-use monitor, however, the Psycho-drugs seem to be a temporary relief. In Portuguese a psycho-drug is termed “psicotropicos”.

Yes, the Tropical nightmare of Tristes Tropiques, by Claude Levi Strauss.

Max Ernst and Claude Levi Strauss would have made a lovely couple.

Mosab Hassan Yousef (the Son of Hamas, codenamed “the Green Prince” by his handlers), was one of the Shin Bet security service’s most valuable sources. What are our valuable sources?

Where’s your head, Agent Kujan? Where do you think the pressure’s coming from? Keyser Soze – or whatever you want to call him – he knows where I am right now. He’s got the front burner under your ass to let me go so he can scoop me up ten minutes later. Immunity was just a deal with you assholes. I got a whole new problem when I post bail.

Strange thoughts, right?

Yes, strange thoughts for a Sunday.

Gerald Thomas

April 25, 2010, lost in space and in my mind,  somewhere between London and NY.

PS: I CAN’T STAND IT ANYMORE. What can’t I stand? EVERYTHING and more than Everything. Bye. I’m going for a wilder side of life!

Comments Off

Filed under Uncategorized

Grounded: no way in, none out

no way in, none out

GROUNDED IN LONDON

No flights in, none out. Imagine that

Sounds like Beckett, looks like Beckett  and plays like Beckett. Including the volcanic ash cloud over our heads”. But it’s not Beckett.

Strange thing, this ‘volcanic cloud’. We’re told to wear masks. But how can I? My face is, in itself,  a mask.

What? Wear one over the other?

My London” isn’t mine anymore”

Better still, doesn’t seem to be. Always safer to speak hypothetically. Why? Because things “aren’t” or things “are”, depending of the time of day or night, depending on so many things that – a City of this magnitude is only (really) nothing but a state of mind. No way in, none out!

London now belongs to muggers, thieves of all kinds. From what I’ve been hearing or overhearing  and actually underhearing whilst eavesdropping amongst the ashes of yesteryear, everyone is having some sort of a problem with ‘identity theft’, actual theft and, pickpocketting and legends of the sort.

“I’m wired wrong”.  I overheard someone saying something like it. A City can be wired wrongly.

Writing or breathing under the spell of a volcanic ash cloud, makes me wonder if people are actually thinking right, in the right direction, in the writing direction. Uh, this is becoming a complicated way to say that….I saw, I witnessed some incredible Police activity.

London is becoming a dangerous town. Over the weekend, six friends have had their bags stolen, their apartments invaded and “cleaned out” and….I saw a scene close to 10 Downing Street that in 55 years on this planet I don’t recall ever seeing.

A white tall half drunk dude, holding a teddy bear in his hands was (literally) grabbed by the police and MI5, and other security agents on Whitehall, where the fingers or hands of the Big Ben sound like the ending of time itself: the un-Big Bang.

What I saw live is what I see on TV in America: cops from all sides holding a gun to this guy’s head. HOLD YOUR HEAD DOWN – DOWN – DOWN I said DOWN!!!!

Strangely enough, his head was down. And with a gun pointed right at it.

Why?

Could the teddy bear be and IED or a proper explosive?

Then, on Sunday (sunny morning, hundreds of thousands of people walking and sunbathing in Hyde Park…), police cars from all sides, sirens ringing, roaring, groaning from north , east, west and south, STOP. They stop a vehicle!

A white car. This white car was right in front of mine.The driver is grabbed by the most aggressive police activity, brutal forced and yanked out of the car and onto the tarmac.

I didn’t overhear a thing: we were told to MOVE!!!

Clockwise and Anti Clockwise

“PORRIDGE, an episode of crassness.”

What a language assault! Porridge! Imagine that. Oatmeal. Much  easier for the ear and the eye.

That will be the next chapter.

Please be patient. Queen Victoria was. Patient, I mean. See what happens?

Gerald Thomas

19 April 2010

London

1 Comment

Filed under Uncategorized

We are all Polish!

When I look at this photo, what am I to think?

The symbolism is just amazing.

As the body of Poland’s president was returned to this traumatized capital on Sunday, a day after he and dozens of top Polish political and military leaders died in a plane crash in western Russia, the country was in mourning but there was already a sense that its young democracy had passed a major test.

But I do remember what were the most painful moments of my life. The months I spent living in Cracaw, rehearsing Mozart’s unfinished “Zaide”.

Back to that later.

The plane crash, which killed 96 people when the presidential plane went down about a half mile from the runway in the Russian city of Smolensk, was a trial that the 20-year-old democracy was handling with aplomb! Cingrats!  And a goodbye to a Tupolev which shouldn’t have been in the air to begin with, since LOT (Poland’s official airline), got rid of 200 in its fleet, long ago.

Poland – through the eyes and the writing of Jan Kott – is what taught me the works of noneless than William Shakespeare. “Shakespeare Our Contemporary” (next to Peter Brook’s “Empty Space”) is the book of my youth. Far more important than the romantically driven Harold Bloom (also on Shakespeare: “the invention of the human), Kott brings Shakespeare’s words to our century.

Yes, this is it. Shakespeare was Polish. For once, not a Polish joke. Shakespeare hid himself behind the role of Polonius.

And I, therefore, owe my experience in Cracaw to a French millionaire and diletant who backed Zaide, the opera that turned out to be a disaster when it opened at Maggio Musicale in May 1995, In Firenze.

Taking the entire Christian cast to Auschwitz and not shedding one tear. Taking the cast out to witness life!

Yes, that was quite something. Of course I was chastised by all of them when, upon leaving the Camp, right under the recently stolen arch of “Arbeit Macht Frei”, I said to the singers: “I want that hot dog over there”, spreading its odour through the foul air of the deathbed of six million Jews, Gypsies, people with physical anomalies and so on.

I went over to the stand and ordered one. No ketchup. Plain. Must I say that I  puked/threw up/vomited  it all over my girlfriend’s lap during our trip back to Cracaw?  Well, I just said it, but man…..it was worth it.

So when I look at the photo of that crashed plane, what do I think of?

Sturmspiel, my play in  Munich in 1989? Yes, it was  Shakespeare’s “Tempest –Play”, which began with a downed plane hitting Prospero in the balls.

Joseph Campbell would have loved to have seen this, had he not been dead. Yes, Kott would have loved it too: new world of exciting ideas opened up to Campbell while studying in Europe. Campbell’s “The Power of the Myth” brings out what we are and who we are at the time of someone’s death.

Queen Victoria was of mostly of German descent, the daughter of Prince Edward, Duke of Kent and Strathearn and Princess Victoria of Saxe-Coburg-Saalfeld, and granddaughter of George III and the niece of her predecessor William IV.  Queen Victoria was not on the plane that crashed.

Victoria was taught only German until she was three years old. She was subsequently taught French and English as well, and became virtually trilingual. Her mother spoke German with her. Very much like Poland, Queen Victoria was idiomatically raped. Poland has always been raped.

But yesterday’s events were the real tragedy. Unheard of. A premiere in History.

Queen Victoria’s command of English, although good, was not perfect as is the case with so many Polish friends I have.

As Victoria’s monarchy became more symbolic than political, it placed a strong emphasis on morality and family values, in contrast to the sexual, financial and personal scandals that had been associated with previous members of the House of Hanover. Is Queen Victoria a figment of our imagination? Is Poland?

And what symbolism should I resort to when I say that “we’re all a mess” or that “there is a Polish being in all of us”?

On my desktop, table,  rather, I have one only book, staring me in the face: it’s called SON OF HAMAS, which happens to be the diary of Mosab Hassan Youseff.

Last night, a friend sent me, via email, the last episode of “Law & Order Criminal Intent”. The name of the villain was Hassan, who was about to start a new country or reign in Africa, based on pirating. This episode – in itself was a tragedy: Erci Bogosian had been killed in the previous chapter (which I saw at home in NY). D’Onofrio is about to be fired and the entire cast is to be replaced. Why? What went wrong here? Jeff Goldblum (nothing against you , my friend), takes over as the main detective  but the questions remain:

Who is it that kills us and makes us alive so many times per day???

Yes, I had lost eight people in a single concentration camp: Auschwitz and did not shed a single tear. Quite remarkable, hey?

Yet, I saw their faces for the first time. The Germans had kept a very meticulous diary or logbook of who went and how they went. Yes, the did go!

Youseff is a double agent for Hamas and The Mossad. He worked provincially. Shakespeare did not.

Williamsburg or Greenpoint in Brooklyn, where I spent 22 years of my life, was all Polish when Philip Glass and I moved in. Nobody spoke a word of English. It was a province on the East River, in a way.

Yet, I am simply astonished that – on the cover of Murdoch’s “Sunday Times”, the plane crash appears on page 25. Instead, Tiger Woods – coming out of the woods, is on the cover saying the usual ridiculous things.

The entire thing (Kott would agree with me), is obviously a plot. Woods never ever “betrayed” his wife or had any affairs. This was all arranged to call attention to the world’s most boring sport: golf.

Just as James Cameron is on the front page of the New York Times defending the survival of a dull group of Brazilian Indians. Cameron is now

a Xingu River defender. I mean, I couldn’t help but have a nervous attack. I mean, let’s play this down. I had a laughter attack. More suitable.

“Save the Rain Forest Campaign” (remember?). The Polish president died in the woods, but not in a forest. It was foggy but it wasn’t raining.

Sting assaulting (Yes, that is the right word, ‘assaulting’!) along with the former owner of the Bodyshop raping some image of the Amazon. Raping the campaign of its principles, of its money just as (never mind). I cannot afford to be sued.

Yes, a meeting atop the “round tower” of the Hilton Hotel in São Paulo, opposite the infamous Copan building. No, I won’t get into details.

There’s a Pole inside all of us. There’s a Polish being inside all of us. Kantor, Grotowski, Chopin, Joseph Conrad and Copernicus and, of course, Polonius (Shakespeare). Who is for real in all of this?

Would it be Yousef, the “son of Hamas”?

I remember being given Access to the underground passages beneath the Wailing Wall in Jerusalem and coming out on the other side: Via Dolorosa, Via Cruxis where tourists would be carrying a fake cross and…

(no, never mind that either).

Sturmspiel, at the Munich State Theater dealt with all these issues, plus one: the Berlin Wall. Yes, about a year before it collapsed. I am its author and director. Now, someone wants to make a movie out of what Die Zeit ridiculed at the time.

Nothing like the passage of time. It wrinkles us as if we were raisins. It dumbs and numbs us, as we become wiser and more adventurous.

In Jerusalem, I simply wanted to stay on. Meaning, stay a little longer to see all the gold the Roman’s hid underneath the Holy Land. And so, I said to my crew: “bye, I’m staying/ dry land/dry desert, dry opera and the Dead Sea where I floated for hours ….and the Mud? Dead Sea Mud.

I used it for a long time, after all, Ahava packages it.

Nobody is packaging the mud that overwhelms Rio de Janeiro after a week of constant flooding!

Christ! Brazil is so provincial. PACKAGE THE MUD AND SELL IT internationally as DEAD RAIN.

The President of Poland dies in an unprecedented crash and the New York Times recognizes its importance: the horrifyingly beautiful photo of the crashed plane is on the front Page of the NYTimes. That was yesterday.

While Folha de Sao Paulo prints two photos of Jose Serra, a possible candidate in the next election for President in  Brazil.

Queen Victoria determined that Engel-Land was an island as Hamlet had also done, via Rosencranz.

But the real island belongs to those who choose not to see, blindness by choice.

Brazil is an island and its blindness infuriates me. And before I infuriate anyone out there any further let me say this: the death of the Polish president touched me in an unprecedented manner. Since Solidarienosk, Walensa and all the people who got rid of Jeruselski, I am, as we all are, Polish at heart. It was the airborne division from Poland, their pilots and so on, that saved England in a major way.

Why? Because our blood is NOT holy and we’re NOT eternal. This is something they, the Polish understand.

Why the fuck is it, that we are incapable of understanding suffering in such a dignified, horrendously vivid way?

Gerald Thomas

London -11 April, 2010

Comments Off

Filed under Uncategorized

Welcome to the new blog: “same as the old blog”? No.

Hello everyone.

This blog will not accept comments as did the old one. This is a page where I’ll express my views, post videos, talk about various issues, but I, after more than 2 million visits and…I don’t know how many comments (I think the number totals around 83.000) , this new blog will be  “my internal monologue” and/or diary which I will share with you, about the bright side of life and the daily atrocities.

This is where we left off:



So, for now, welcome aboard.

LOVE

Gerald Thomas

London and NY

Comments Off

Filed under Uncategorized

About my imitators: “Peça falha ao homenagear o cinema”, says Folha de S Paulo

São Paulo, quarta-feira, 07 de abril de 2010


Crítica/ “Cinema”

Peça falha ao homenagear o cinema

Em espetáculo sem rumo e sem estilo, Felipe Hirsh perde-se entre o exagero e a representação que se quer realista

Nada contra as preferências do Hirsh cinéfilo, mas com essas incisões ele apequena a proposta e se revela sem rumo nem estilo, como se fosse mais importante soar genial do que servir à obra. Essa fraqueza fica explícita nos três momentos em que as luzes da suposta sala de cinema se acendem.

No mais provocativo, quando os atores permanecem olhando o público em silêncio por minutos, repete-se gesto de Gerald Thomas de vinte anos atrás, com menos brilho e mais afetação.
“Cinema” queria ser uma bofetada no gosto do público. Consegue ser chato, apesar de desempenhos vigorosos dos intérpretes, da linda iluminação e do cenário funcional de Daniela Thomas.

PS from GERALD: in the (s0 called) pause/frozen frame where the critic writes: “quando os atores permanecem olhando o público em silêncio por minutos, repete-se gesto de Gerald Thomas de vinte anos atrás, com menos brilho e mais afetação”, he is referring to M.O.R.T.E, (1990) where the actors STARE at the audience for SEVEN amazing minutes, bringing the audience into a frenzy: eventually, these SEVEN minutes became a “stage of exposure” for artists present in the theater as what we call “the public”, i.e. the theatergoer.

In Taormina, Italy, as well as in many other parts of the world, poets came on stage, dancers climbed onto the stage and the SEVEN minutes became known as a performance outlet for the lesser known….

BUT the imitator has never traveled with his pieces. He’s what we call a tapeworm or a provincial and ‘local’ frustrated non-author, doomed to die where he was born.

Gerald Thomas, London Aril 9, 2010

Comments Off

Filed under Uncategorized

Gerald Thomas fala ao GLOBO

gerald post novo1

gerald post novo2

gerald post novo3

———————————————————————————————

VERSÃO IMPRESSA

jornal o globo

(O Vampiro de Curitiba na edição)

1,892 Comments

Filed under release

Cortina de Fumaça

        

São Paulo, domingo, 02 de agosto de 2009 

              

 

Cortina de fumaça

Ecoando discurso de um fumante inveterado, seu personagem em “Restos”, monólogo de Neil LaBute que estreia em São Paulo dia 20, ator Antonio Fagundes critica a Lei Antifumo e diz que vai “peitar” a medida e acender cigarro em cena

 

Rafael Hupsel/Folha Imagem

Antonio Fagundes, 60, que vai estrelar o monólogo “Restos’, sob direção de Márcio Aurélio; ator encarna fumante que, durante velório, relembra a relação com sua mulher, vítima de câncer
.
LUCAS NEVES

 

DA REPORTAGEM LOCAL 

 

Se todo ator incorpora traços dos tipos que interpreta, parece que Antonio Fagundes, 60, escolheu o que levar de seu personagem em “Restos”, de Neil LaBute, antes da estreia no dia 20, em São Paulo, no teatro Faap: o ataque à patrulha antitabagista.
Em cena, dirigido por Márcio Aurélio (“Agreste”), ele encarna um fumante inveterado que repassa -com suspiros saudosistas e certa birra dos modos contemporâneos- as fases de sua relação com a mulher cujo corpo está sendo velado.
Ela morreu de câncer, ele está na fila. Pouco importa. “Guardem seus panfletos ou qualquer outra merda sobre o assunto, ok? A vida é minha, pelo menos o que resta dela”, diz à plateia.
O texto de LaBute é farto em rubricas que pedem um cigarro à mão. Mas a Lei Antifumo que entra vigor na sexta no Estado de São Paulo impede que atores fumem em cena sem autorização judicial. É aí que Fagundes toma emprestado o tom incisivo do personagem:
“Vou peitar isso e fumar. Temos um problema de censura. É um precedente grave se a gente não fala nada. Fiquei surpreso que os fumantes tenham ficado quietos. O brasileiro está muito quieto para tudo. Espero que os fumantes não votem nas pessoas que aprovaram essa lei. É engraçado, porque parece que o [governador José] Serra é ex-fumante. Não tem coisa pior do que ex”.
Para Fagundes, “começa assim; amanhã, vão dizer que não pode beijar na boca porque passa gripe suína; depois, não pode mostrar assassinato [em cena], porque é contra a lei. As pessoas ainda não perceberam, a liberdade não se perde de uma vez. Os puritanos proibiram o teatro na Inglaterra por décadas pois achavam que era satânico. Caminhamos para isso”.
Sem patrocínio para a montagem de “Restos”, o ator também tece críticas ao debate sobre a reforma da Lei Rouanet, que concede às empresas que investem em produções artísticas isenção de parte do Imposto de Renda devido.
“As pessoas que redigem a lei deveriam entender o mecanismo de produção de teatro, saber quanto custa manter um espetáculo em cartaz, anunciar num jornal. Não tem ninguém nessas comissões que já tenha feito teatro? [Quando se fala em mudar a lei] Dá a impressão de que é um movimento rancoroso, do tipo “só estes caras que não precisam [por serem famosos] recebem dinheiro”. É claro que precisam!”
Por conta das restrições previstas na Rouanet aos gastos com divulgação, os espetáculos estreiam, segundo Fagundes, com “morte anunciada”. “Você fica em cartaz por pouco tempo. Ou seja, se antes se falava em espetáculos de elite, agora são peças para a elite da elite, porque não são só para quem pode pagar, mas para quem corre para pagar”, observa.Seu Zé e Dona Maria
Ao longo dos 43 anos de carreira teatral, transitou com desenvoltura entre a dramaturgia engajada do Teatro de Arena, musicais da Broadway, montagens de clássicos (como “Macbeth” e “Gata em Teto de Zinco Quente”) e empreitadas de risco, como “Carmem com Filtro”, estreia de Gerald Thomas na cena paulistana. Sempre com uma piscada de olhos para “seu Zé e dona Maria” -como se refere ao espectador pouco familiarizado com teatro.
“Estamos acostumados a ensinar filosofia a quem não sabe ler. Parte-se do princípio de que quem foi lá [ao teatro] sabe tudo”, afirma. “Defendo a tradição teatral para um público que não a conhece. Sempre pensei assim: só vou fazer experiência na minha vida quando tiver feito o resto todo. No Brasil, parte-se para a inovação antes de se ter experiência.”
Daí seu descontentamento com o abandono “da cortina, da sala convencional”. “Criaram-se espaços que não são teatros. Você pode inovar sem deixar de dar ao público conforto. Já cansei de sentar em cima de prego. Não acho interessante. A gente não tem mais maquiagem, grandes figurinos, cenários, efeitos. O próprio texto deixou de ter surpresas.”
Não é o caso de “Restos”, dotado de uma reviravolta que, nos momentos finais, atira no colo do público um segredo oculto pela cortina de fumaça. 

 

Proibição do cigarro no teatro incomoda artistas

Lei que entra em vigor esta semana exige autorização judicial para fumar em cena

Exceção a cultos religiosos não se aplica a espetáculos cênicos; para atores e diretores, legislação ameaça liberdade artística

JOSÉ ORENSTEIN
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Onde tem fogo tem fumaça. E é na boca de cena que a coisa começa a esquentar. A partir de sexta-feira, dia 7 de agosto, entra em vigor em todo o Estado de São Paulo a lei que proíbe fumar em ambientes fechados de uso coletivo.
No extenso rol de lugares proscritos estão cinemas, bares, lanchonetes, boates, restaurantes, hotéis, centros comerciais, bancos, supermercados, açougues e… teatros.
Quem quiser acender um cigarro, cachimbo ou charuto “cenográficos”, deverá pedir autorização judicial, explicando o porquê de a fumaça ter que se espalhar pelo palco. Ao juiz caberá decidir se o fumo é de fato imprescindível na construção dramática.
A medida vem preocupando alguns atores e diretores, que veem na lei um cerceamento da liberdade artística. É o caso da atriz Mika Lins, que está em cartaz no Sesc Consolação com a peça “Memórias do Subsolo”, uma adaptação do livro de Dostoiévski. “Eu fumo dois cigarros em cena, a frente do cenário tem um monte de bitucas. Faz parte da concepção do espetáculo, é quase um acessório de pensamento”, afirma.
“Acho o fim. É um absurdo essa história de ter que se justificar. Sei que tem multa, mas estou disposta a pagar ou recorrer na Justiça”, diz a atriz. A penalidade deve recair sobre o dono do estabelecimento.
Antonio Rocco, que dirige o teatro N.ex.t. -para onde Lins muda sua peça a partir do dia 11-, diz não estar preocupado. “É uma lei de saúde pública. Não foi pensada para espetáculos teatrais. Isso vai mudar.”
Salvo-conduto
Já o ator e diretor Celso Frateschi, em cartaz com duas peças no teatro Ágora -que não utilizam cigarros-, diz achar “patética” a lei. “Se tiver que usar cigarro em cena, vou usar sem dúvida. É uma hipocrisia uma cidade que não controla a poluição dos carros fazer isso. É quase revoltante”, comenta.
Além de tabacarias e afins, cultos religiosos “em que o uso de produto fumígeno faça parte do ritual” têm salvo-conduto.
“É uma incoerência que soa quase como um privilégio. Por que não há uma exceção de natureza artística?”, pergunta o diretor José Henrique de Paula. Sua peça “As Troianas”, em cartaz no Instituto Cultural Capobianco até dia 16, usava cigarros em cena, mas eles foram retirados a pedidos da instituição. “Não era um objeto crucial para a narrativa. Era um elemento que apenas ajudava numa concepção mais realista da peça”, conta.
O diretor do teatro Oficina, José Celso Martinez Corrêa, que está ensaiando a peça “Cacilda!!”, com cenas em que se usa o cigarro, dá outra interpretação para a lei: “O teatro é um culto religioso, dionisíaco. Então, tá liberado!”.

 

“Teatrinho realista”
Rodolfo García Vázquez, diretor da peça “Justine”, que entra em cartaz no final do mês no Espaço Satyros, engrossa o coro: “Eu não sei qual a diferença entre ato religioso e artístico… Por que proibir só na arte?”.
Quem tem opinião diferente é Gerald Thomas. Radicado em Nova York, o ex-fumante acha a lei “ótima”. “O cigarro é uma merda, não dá barato, só traz câncer e miséria. As pessoas têm que parar de ver seus ídolos fumando”, diz Thomas. Para ele, não é só questão de saúde. “É uma besteira esse teatrinho realista, que precisa de uma mesa, de uma cadeira, de um cigarro. O artista tem que transcender isso tudo.”
  

PS: Moral da história: Se não formos capaz de fazer teatro, poesia, qualquer coisa “dependentes” de um “prop”, ou seja, de um objeto cênico ou uma mamadeira qualquer, é porque o ator é muito ruinzinho mesmo, ou porque não consegue mesmo usar o pouco que tem da sua imaginação para criar metáforas e deixar o PÚBLICO pensar ou imaginar coisas. Não é à toa que ninguém aguenta mais essa caretice: pior, essa caretice traz CÂNCER!!!!! Não, Zé Celso, nem TUDO é dionisíaco (tadinho de Dionísio! Daqui a pouco batida de tânsito também é “dionisíaco!”). E beijar, como diz o Fagundes, nada tem com fumar. Não se tranta de censura e sim de BOM SENSO. O público precisa de “roles models”. E os role models podem se beijar à vontade, mas não às custas da maldita indústria tabagista!

 

Gerald Thomas

 

(O Vampiro de Curitiba na edição)

 

887 Comments

Filed under release

Nada a Declarar

Londres- A BBC mostra uma reportagem sobre o Exército Iraniano que luta contra os traficantes do Afeganistão, que trazem heroína através dessa fronteira. Parece ser essa a maior guerra contra o narcotráfico no mundo! Será? Mais uma vez estou diante de fatos produzidos ou reproduzidos pela mídia (parte do artigo anterior, aqui embaixo). Será essa guerra “contra as drogas” maior do que a da… (bem, vocês sabem o que estou pensando. E se não sabem, deveriam saber)?
 
Recessão: Um dos mais revolucionários e inovadores de todos os tempos, EVER, John Cage, tem uma peça para piano que se chama “SILENCE”. E, nessa peça, um pianista (o original, David Tudor) sentava ao “piano temperado” (uma invenção de Cage, se não me engano), e NADA fazia, por 14 minutos.
 
Bem, recessão econômica pode ser vista dessa maneira. Algo acontece, sim. Mas nada acontece. Digo, algo acontece, sim. Existe o instrumento, existe um músico e até uma partitura. Existe até uma expectativa enorme de música no ar, mas o que se ouve nada mais é do que um enorme RUÍDO do que habitualmente chamamos de silêncio. Cage compôs isso na década de 50, depois de várias recessões econômicas e artísticas. Depois de uma falência múltipla de órgãos ou valores ideológicos. Fim da Segunda Grande Guerra. Início do Sonho Americano, início de um grande fim. Qual fim?
 
Aquele que, ao mesmo tempo, Beckett descrevia em seu deserto em “Esperando Godot”. Uma entidade que não vinha. Uma promessa que não chegava.
 
Até hoje nos sentimos incomodados com a partitura de Cage. Até hoje nos sentimos incomodados com a “partitura dramática” de Beckett com as montagens recentes da Broadway e daqui, do West End. É visível o quanto o “grande público” ainda não está preparado pra “entender” Beckett. Então, “Esperando Godot” é aplaudido por uma platéia que, na verdade, se incomodou com os silêncios RUIDOSOS deixados nas entrelinhas não ditas ou malditas entre Didi e Estragon, ou nos geniais monólogos de Lucky.
 
Não queremos entender o vazio. Não estamos preparados pra ele. Portanto, a mídia nos enche de ervilhas. Essa reportagem da BBC, assim como ver a foto do jogador Ronaldo em plena capa do respeitoso jornal paulistano em pleno sábado (não é mais só a foto do GOL nas segundas, agora tem jogador na capa, também aos sábados, brasileiros!!!), me deixa um tanto quanto receoso quanto a tentar explicar o inexplicável: “um dia não terei mais nada a declarar”. Sim, um dia, nós não teremos mais nada a declarar.
 
Estaremos MUDOS diante das conflitantes e concomitantes notícias: nada prova nada. Jura? O exército iraniano? Mas justamente esse Irã que tanto ostracisam???? Caramba! “Sim”, diz um oficial da armada contra as drogas iraniano, “o mundo ocidental nos deve muito, já que um saco desses, nas ruas de NY ou de Londres, custa 80 mil dólares! Mas não nos dão um tostão porque acham que estarão armando o Exercito Iraniano”. Pois é. Está posto o dilema!
 
Está estabelecido o conflito, como dizia um personagem a outro em “Electra Com Creta!” Ah, os tempos! Como passam…
 
NADA A DECLARAR:
 
Temos o instrumento. Temos a partitura. Vemos o que vemos. Mas o que enxergamos? As guerras – apesar de serem aristotelicamente explicáveis e perfeitamente lógicas (se justificadas por um lado ou pelo outro) – não passam de encenações sangrentas e que devoram milhões de almas. Milhões. Não fazem NENHUM SENTIDO. NENHUM. 

Me perdoem por não fazer sentido nesse texto. Mas é como estou hoje. Sinto-me como uma massa, como uma pasta, irregular, inexplicável, triste, vazia, ruidosa, sem nada a declarar e, no entanto, querendo dizer tanta, mas tanta coisa e… sem conseguir dizê-lo.

Mas não sou John Cage: não consigo (ainda) criar um espetáculo no qual alguém senta e NADA toca por 14 minutos. Meu recorde foi em M.O.R.T.E. (Movimentos Obsessivos e Redundantes pra Tanta Estética) em que eu coloquei os atores em posição de total estática, rígidos como estátuas de sal e acendi as luzes da platéia, por 7 minutos. Mas isso foi em 1990. Quarenta anos depois de Cage.

Estou morto.

 Me perdoem, não tenho nada a declarar.

 

Gerald Thomas

 

 
 

(Na edição: O Vampiro de Curitiba)

 

 

589 Comments

Filed under artigos

Animal Canibal Pizza

.

Tempos macros e tempos micros

New York- Tem gente encenando “Esperando Godot” em tudo que é canto. Aqui em NY é John Goodman (no papel de Pozzo) e o (palhaço) Bill Irwin. E em Londres Sir Ian McKellen e Patrick Stewart são Didi e Estragon. As produções poderiam ser tão “convencionais” quanto aquelas da década de 60, com Zero Mostel e Burgess Meredith.

Nada mudou.

Nada de novo. Lama na cara, roupas rasgadas e com aquele spray típico que falsamente dá aquele look de envelhecido. Beckett está nos grandes palcos do mundo (ou seja, Broadway ou West End), mais uma vez.

Nunca houve tanto Beckett no ‘mainstream’, ou seja, nos grandes palcos dos grandes teatros! Quem diria! Quem diria, hein, Walter Kerr? Esse crítico do NY Times, que renunciou já faz algumas décadas por ter julgado mal “Esperando Godot”, dizendo tratar-se de uma peça “onde nada acontece, em dois atos”, depois reconheceu tratar-se da obra mais importante do século XX. E despediu-se dos seus leitores do New York Times dizendo que, já que havia feito um erro crasso desse tamanho (o de não ter reconhecido o talento de Beckett), quantos outros talentos ele também não teria deixado de enxergar?

Pronto. Fim de Kerr. Fim de Jogo. Foi-se um crítico. Fica Beckett.

O dramaturgo irlandês que eu conheci era muito engraçado. Suas peças e textos são muitíssimos engraçados. Não são hilários somente porque são escritos para palhaços ou ex-palhaços na beira de um ataque de nervos, mas o homem em si era um irlandês tipicamente no exílio (como quase todos). Pensam torto, falam torto, andam com a Irlanda na cabeça, mas não retornam.

Mas chega de Beckett. Será que chega mesmo? Muitos autores são confinados a sua própria memória. Muitos deles vivem numa prisão, mesmo estando livres.

Pois é: outro dia li na Folha Online um triste texto sobre o Boal. O que dizia? Ah, sim, dizia que ele vendia livros em Amsterdam ou qualquer lugar “lá fora”. Ora, que besteira a se dizer sobre o Boal. Com tanta coisa importante a ser dita sobre alguém que “pensou o teatro” como Augusto Boal (mais tarde o crítico da Folha consertou isso, graças a deus), tinha que prevalecer justamente aquilo que o pobre coitado sempre combateu!

A idéia do Brasil ainda é do “lá fora” e o “aqui dentro”. Vocês vivem numa prisão? Que horror essa mentalidade lusa (justamente TUDO que Boal não representava. Ou não queria representar), de viverem confinados a um país de dimensões continentais mas se comportando como se estivessem naquela ilha minúscula a qual Hamlet, já considerado louco, é mandado pro confinamento: a Inglaterra.

Correção: a minha Inglaterra é enorme! Só Londres… ah, esquece!

Quando eu era macrobiótico era assim. Havia poucos restaurantes aqui em NY.

Eu morava num loft na 23 com Lexington (perto de onde moro hoje – quantas voltas eu já dei em volta dessas ilhas: ah, as ilhas! Que sub-produto mental de nosso estado de ser!) e o Fernando estava com 6 anos. Matriculei-o na Little Red School House na Bleeker com 6 Avenida e, quando estava tudo no lugar, quando estava tudo certo, caí – amarelo como um táxi – com hepatite (que me diziam), provavelmente peguei 6 meses antes visitando presos políticos brasileiros, quando ainda trabalhava para Amnesty International, em Londres.

Os médicos do Bellevue Hospital não sabiam o que fazer comigo! Eu também não. Eu caminhava lentamente os quarteirões do meu loft… Parecia o Lex Luthor, ou o próprio Didi, diante de Estragon tentando achar a sombra de uma árvore. Não haviam árvores nesse trajeto da rua 23 até a 1 Avenida.

Depois de sofrer meses e não ter forças pra me levantar da cama, finalmente a macrobiótica entrou na minha vida: eles, os “Men in Black”, vieram de Boston e esvaziaram minha geladeira! “Como assim? Eu não posso mais beber Coca-Cola? Nem açúcar? Nem pão? Nem queijo?” Eu estava aos berros como uma bicha histérica enquanto o Fernando morria de rir. Os ‘médicos’ macros faziam eu engolir um chá de araruta, gengibre, umeboshi e shoyu. Buuhh.

Três dias depois eu estava de pé e ÓTIMO.

Existe cura para a grande dramaturgia. Existe cura praqueles que se sentem ilhados dentro de suas cabeças provincianas porque nunca ‘pensaram’ suas artes ou nunca deixaram sua marca na história.

Um desses chás, por exemplo, e pimba! Não há limite geográfico que resista! A psicanálise e um chá macrobiótico e seria o fim da dramaturgia internacional. Estaríamos todos curados!

Por que esse post? Porque “a vida tem que seguir seu curso” (essa frase é de “Fim de Jogo”, do mesmo Beckett). Nossa vida, nossa dramaturgia é baseada em nossos traumas e nossos traums (sonhos, em alemão). Não ousem tirá-los de nós!

Os comentários dos últimos dois posts estão excelentes. Excelentes! Na verdade acho uma pena interromper o papo de quase 800 comentários pra ter que iniciar tudo novamente aqui. Mas parece o próprio ciclo da vida, esse “nada” que temos que alcançar, esse espaço NULO (void) no UNIVERSO, a falta de ego, o nosso NADA, como aquela mulher em Rockaby (Cadeira de Balanço) que enxerga a vida através da veneziana ou da persiana e diz assim: “one blind up, fuck life”!

Ah, claro, se hoje ainda sou macrobiótico?

Sou vidrado na Cristiane Amampour. Isso explica alguma coisa? Explica. É uma forma diferente de macrobiótica. Sim, porque se você tem a total compreensão do que significa o yin e o yang, você não precisa mais seguir rigidamente nada. Isso deveria ser um exemplo para os partidos políticos radicais. Isso deveria ser um exemplo para aqueles que colocam bombas em seus cintos e se jogam pra dentro de uma multidão e se explodem.

Isso deveria ser um exemplo de transparência de que estamos aqui num processo temporário e efêmero, quase besta, e que Godot jamais virá. E quem ganha dinheiro, muito dinheiro, doutrinando meninos e meninas dizendo que ele já chegou ou que ele já está aqui, acaba asssado num campo qualquer numa Animal Canibal Pizza ou enterrado até a cabeça como o personagem Winnie em “Oh, Que Belos Dias!”, de… ah, claro, quem mais? Samuel Beckett, evidentemente. O anti-Godot.

Gerald Thomas

.

(Vamp na edição)

606 Comments

Filed under artigos

Novos videos com Gerald Thomas, Zé Celso e Judith Malina. E: Zé Celso em New York a Caminho de New Orleans. Ou seja: New Zé!

Obs: Novos vídeos da palestra em New York no final do post, embaixo das fotos.

O evento de ontem no Theaterlab foi de tamanha importância que só posso dizer uma coisa: proporcionou o encontro que não acontecia desde 1971: Judith Malina (Living Theater) e  Zé.

O que dizer de uma obra tão estupenda? Tão… suprema? São quase 4 horas de DVD (e olha que eu odeio ver peça de teatro em vídeo ou DVD), mas aquilo é um filme, com dinâmica e lumiere e espírito de  quem vive  dentro da física e a metafísica, a dor da vida e a beleza da morte, e a tragédia da besteira de como a humanidade se arrasta através da hipocrisia (clássica, no sentido do erro crasso, clássico). Uma obra! Uma OBRA!

Zé Celso é, de longe, um dos maiores  encenadores de todos os tempos “dos mundos”. Claro, vestido de louco, de bobo (fool) ou de puck, como nas Bacantes, ou como um sincero SER Feliniano contador de estórias. Ontem no debate ele berrava, cantava. Eu berrava, mas não cantava. Falávamos de Rivotril e ríamos!

Algumas perguntas pertinentes:  “Por que suas produções não viajam?” Eu tomei a liberdade de responder. “São máfias que fazem grupos ou cias teatrais viajarem ou não. Às vezes não são máfias. Às vezes o convite é geníuno. Mas NUNCA se trata do diretor querer ou não. Estamos todos nas mão dos “diretores ou programadores de festivais” ou das grandes casas de teatro no mundo.

É de se questionar mesmo porque o Zé não viajou o mundo nesses 50 anos de Oficina. Mas, querem saber? Ainda terá os próximos 50 para fazer o que não fez até hoje.

Eu não pude deixar de ressaltar a importância de Marcelo Drummond no Oficina nesses últimos 20 anos. Além de ser um ator engraçadíssimo, ótimo, maravilhoso, ele fez a “oficinamachine” (como Hamletmachine de Heiner Mueller) andar. Ovacionei-o de pé!

Hoje eu levo o Zé e Marcelo ao quartel general do Living Theater. E assim, os pingos são colocados nos devidos “is”. Ah, sim! Flora Sussekind estava na platéia. Uma teórica maravilhosa.

Estou sem palavras deliberadamente porque elas (redondas como as bolas) redundam uma festa orgiástica daquele tamanho, daquela proporção farsesca, comparada com o tamanho da barriga do Pereio ou os pênis e vaginas de tanta gente do coro. É melhor mesmo ficar com as imagens do fogo que queima no planalto central ou no centro do palco do Teatro Oficina em São Paulo e que frita nossos cérebros, assim como frita a carne humana passageira de atores passageiros, da vida passageira, de seres neoclássicos passageiros, dos clássicos em geral e da História  que existe em todos nós.

 

 

 

 


Gerald Thomas

 

(O Vampiro de Curitiba na edição)

627 Comments

Filed under artigos

Zé Celso em New York

.  

Zé Celso

Ah, vai ser uma delícia recebê-lo. Há anos não nos vemos! Escrevo, emocionado e orgulhoso, de Zé Celso e de sua companhia maravilhosa de atores “reais”, nobres, engraçados, farsescos, berrantes, bacantes, na boca do lixo, na boca de cena do teatro aberto ao berro do mundo, ao grito para o mundo: esse mundo que não pára nunca de estar no caos. 

Então, eu pego os dois no aeroporto, o Zé e o Marcelo, e os trago aqui em casa para começar uma longuíssima conversa que terá prosseguimento com o testemunho do público no Theater Lab (informações aí em baixo). Zé é o grande artista do teatro, de todos os teatros, de todas as formas de teatro, dos “Sertões” até Schiller, e faz um Hamlet que eu chamei de “O maior Espetáculo da Terra”. E era mesmo. Raramente fiquei tão emocionado em teatro. EVER!!!!  

A premissa do Zé em teatro não precisa ser explicada. Como o pessoal aqui vai receber o DVD das “Bacantes”, não sei.  São entendimentos e compreensões distantes, já que a carnavalização e a antropofagia não fazem parte (culturalmente) do cotidiano cultural americano. Mas Nova York não é a América, propriamente. A Antropofagia aqui se dá em outro nível: é política. É a fagia mesmo, a do ataque bélico. Não a do ‘happening’, que Oswald de Andrade gozoso misturou na semana de 22, e nem aquela que Julian Beck despiu como se fosse o “Nu Descendo a Escada”, de Duchamp. 

Com Zé Celso quero poder enxergar o fantasma, os fantasmas ideológicos que existem em mim. Ou melhor, quero poder enxergar os denominadores comuns que nos unem. Por que falei em fantasma? Porque o pai assassinado de Hamlet era um fantasma e Zé Celso é o pai do teatro brasileiro ainda VIVO e muito vivo, o que talvez nos torne um tanto quanto… Mortos. Na verdade estamos todos imobilizados em nossas ações, como o príncipe dinamarquês. E acho que no “Q&A” (perguntas e respostas), depois da exibição do vídeo, vai rolar muito sobre quem somos, o quanto valemos além das palavras, palavras, palavras.

 

Welcome to New York, Zé Celso!

 

 

Gerald Thomas 

 

       THEATERLAB    137 West   Fourteenth   Street  – New York 

presents

The North American premiere screening of


AS BACANTES 2009

 

Zé Celso

 

     As Bacantes 2009 is a lyrcial Brazilian

 re-creation of Eurípedes’

tragi-comedy-orgy The Bacchae as told

in the context of Carneval, first staged

by Ze Celso in 1996.

April 2, 2009 beginning at 5 PM

(3 hrs 35 min w/ intermission)

with English Subtitles

FREE Admission

 

followed by a Q&A with Brazilian theater legend

Ze Celso (José Celso Martinez Corrêa)

in his first US appearance

 

Hosted by playwright & director Gerald Thomas

 

Reservations Recommended – 212-929-2545

 

 

Na edição: O Vampiro de Curitiba

Colaboração de Patrick Grant

324 Comments

Filed under artigos, release

Estamos Queimados

“MOSES UND ARON”

Gerald Thomas

Imagens disponibilizadas por Patrick Grant no link abaixo:

http://www.youtube.com/watch?v=NBh-7jEtDuw

 cena de moses und aron

Cena da Ópera “Moses Und Aron” (Schoenberg) dirigida por Gerald Thomas.

 

1998

*”MOSES UND ARON”, de Arnold Schoenberg, na Ópera de Graz. De longe o ponto alto da carreira de mais de 20 anos de Gerald Thomas. Com Arturo Tamayo na regência (um maravilhoso colaborador) e um coro extra da Letônia (totalizando 260 pessoas no palco), essa produção foi uma indignação. Custos? Pornográficos demais para se citar na recessão cultural de hoje. O cenário de Guenther Domenic foi um escândalo (especialmente na cena final, em que o monte Sinai se movia como uma aranha. No topo, o próprio Moisés, gaguejando, sem palavras, olhando para a decadência promovida por Aarão, seu irmão, abaixo).

Thomas ambientou a ópera em um estúdio de TV, como se fosse um programa de entrevistas barato como o de Jerry Springer, em que a platéia se manifesta o tempo todo, gritando, interferindo e assim por diante. Gerald Thomas fez um inventário do desconstrutivismo com essa ópera inacabada, colocando em cena todos os ícones da arte do século 20 (de Duchamp a Pollock, Koons, Warhol, Hélio Oiticica e Christo). A iconoclastia também foi a grande questão, simplesmente porque (por razões muito pessoais) Thomas acredita que o século 20 já analisou tudo o que tinha de analisar, destruiu tudo o que tinha de destruir e colocou sob uma lente de microscópio muito precisa todos os cacos do mosaico que possivelmente existiam. Os semiologistas franceses fizeram sua parte. Agora, como disse Karl Loebl brilhantemente em sua revista ao vivo no canal ORF, “Gerald Thomas muito inteligentemente encenou as conseqüências do conflito entre os dois irmãos e tudo o que pode ser lido no meio”. A produção foi elogiada como uma das melhores de todos os tempos e Nuria Nono Schönberg em pessoa estava lá e pareceu muito comovida com o que viu.

  —————————————————————————

BURN NOTICE – Uma nota achada num cruzamento perigoso!

New York – Caramba! Percebo que não escrevo artigo novo desde Londres, numa Segunda- feira em que a cidade parou por completo: neve, tudo parado. Até trouxe um exemplar de cada jornal e chega a ser engraçado: “FOREIGNERS , bloody foreigners”. Parece que a neve (a mais forte em 18 anos) e o despreparo são tudo culpa dos estrangeiros.

Virou um Monday, Bloody Monday, ou melhor, um snowy Monday. Todo mundo plantado em seus lugares e xingando um europeu do leste. Até os indianos e paquistaneses xingavam os europeus do Leste!

Mas deixemos a xenofobia pra lá. Outro dia me peguei mandando um alemão pra um lugar terrível, tipo Dachau ou Buchenwald. Logo eu! Numa discussão terrível e apaixonada sobre arte e comunicação apela-se e chega-se a denominadores comuns baixos, baixíssimos! Um horror!

Ontem, após dar uma aula na Julliard (atrás do Alice Tully Hall, onde fiz o “Flash and Crash Days” com as Fernandas em 1992), mal consegui atravessar a rua de tanto vento! Metáfora? Nada. Era o vento mesmo nos levando! Era o tempo real atacando nossas peles nessa temperatura quase primaveril, para essa época do ano, nessa Manhattan.

Louco para voltar pra casa e não para o hospital onde está  Ellen Stewart e lidar com médicos e enfermeiras, cada um falando uma língua, cada um falando um dialeto, como se tudo viesse de Punjab ou de… sei lá. Estresse causa isso! O trânsito também causa isso. Vou jogar o celular no lixo! Pronto. Deve ser o início da cura, como disse belissimamente o Billl Mahr ontem no “Larry King Live”, logo antes de sabermos da notícia do crash do avião que levava uma viúva de uma vítima de 11 de setembro. Como falar sobre isso? E como não falar?

 “BURN NOTICE” é o seriado mais legal, mais ágil e mais cínico da TV americana. Leva no USA channel e não em canal aberto (ainda). É impressionantemente ligeiro, deliberadamente charmoso, profundo quando quer ser, e diabolicamente romântico e semi-tropical, já que tudo é baseado na vida de um EX isso e EX aquilo e tudo acontece em Miami. Adoramos os rejeitados que dão banhos no sistema e ainda narram como se deve fazer pra construir armadilhas em torno dele.

 “Mas a vida não começa hoje nem ontem”, eu dizia para os alunos da Julliard. Ria-se muito. E eu com eles.

 “Não,  a arte tem mil e dois precedentes. E nós, 44 presidentes!” Eles ouviam, num telão,  um crítico ao vivo (Karl Loebl, da TV estatal ORF) fazendo uma crítica linda e comovente da minha encenação de “Moses und Aron”*, de Schoenberg (1998, Graz, Áustria), e é justamente aí que o MUNDO pára. Ah, sim: Quando é que o mundo pára? Quando precisamos que pare para uma reflexão do que fizemos. Quando tem gente em volta precisando de nós e nós precisando dela. Quando a arte de hoje virou uma cópia estranhamente boba da arte de ontem. Não, nada morreu. Mas está na UTI, assim como a Ellen.

 

Obama e o pacote de estímulo.

Não, de Obama eu falo mais perto de completar UM MÊS. Será que agüento?  Será que meu coração agüenta?

 “Burn Notice” é um seguimento natural de “Rockford Files” da década de 70, com James Garner, que vem a ser um seguimento natural do detetive Phillipe Marlowe, do escritor Raymond Chandler.

Onde as coisas começam? “Onde nós determinamos que elas comecem”, respondi para uma aluna. Senão enlouquecemos. Estão tentando traçar paralelos loucos entre Obama e Lincoln (sim, mesmo Estado, abolição  da escravidão…) e mesmo com o pacote econômico de FDR.  Mas não há paralelos. Existem cruzamentos. E, como nos mostram os heróis ou anti-heróis da TV, como Michel Western do “Burn Notice” ou James  Garner do “Rockford Files” – como  é da história da arte, como Duchamp e o próprio Schoenberg – cruzar verdades ou criar um futuro virtual  pode ser perigoso.

Pior ainda: pode ser somente uma tática semântica. Pior ainda: pode ser somente uma arma de propaganda.

 

Gerald Thomas

 

(O Vampiro de Curitiba na edição)

 

255 Comments

Filed under artigos

É neste Sábado, às 15:00 hs em New York

 

PS: Estamos com problemas técnicos na liberação dos comentários, o que pode vir a causar demora na aprovação. Tenham paciência.

.

Ainda sobre o problema técnico, o pessoal do IG está trabalhando:

Caro Gerald,
Realmente o problema do sumiço dos comentários foi só no seu blog. A equipe de tecnologia do iG me diz que a grande quantidade de comentários excedeu a capacidade do sistema que temos para fazer as cópias de segurança periódicas de todos os blogs. A nossa equipe conseguiu recuperar os comentários, mas não todos, por causa do horário da última cópia de segurança. O problema ainda não foi resolvido definitivamente, portanto pode acontecer de novo. Hoje nossa equipe vai começar a instalar uma máquina exclusiva para o seu blog para agüentar o volume de comentários para que o problema não volte a acontecer. A previsão é terminar esse trabalho na segunda-feira.
Abraços,
Caique Severo
.
.
PS do Vamp: Gerald, de New Iork, nos traz noticias nada boas sobre o estado de saúde de Ellen Stewart: Ellen  encontra-se internada e em situação muito preocupante.   

173 Comments

Filed under release

Philip Glass on Gerald Thomas

Philip GLASS on Gerald THOMAS from Patrick Grant on Vimeo.

 

Composer Philip Glass speaks about playwright, director and long time collaborator Gerald Thomas and his Dry Opera Co. Interview conducted January 2009 by Patrick Grant in New York City.

_________________________________________________________________________

Gerald Thomas

 

 

Nascido em 1954, Gerald Thomas passou a vida entre a Inglaterra, o Brasil, a Alemanha e os Estados Unidos, formando-se como professor de filosofia e começando a vida teatral no La MaMa Experimental Theater. Lá, Thomas adaptou e dirigiu 19 estréias mundiais de peças dramáticas e em prosa de Samuel Beckett. No início dos anos 80, Thomas começou a trabalhar com Beckett em Paris, adaptando novas ficções do autor. Destas, as mais notórias foram “All Strange Away” e “That Time”, estreladas pelo legendário fundador do Living Theater, Julian Beck, em seu único trabalho como ator teatral fora de sua companhia.

Em meados dos anos 80, Thomas envolveu-se com o autor alemão Heiner Müller, dirigindo suas obras nos Estados Unidos e no Brasil, e começou uma duradoura parceria com o compositor americano Philip Glass.
 

Philip Glass

 

 

Philip Glass (Baltimore, 31 de janeiro de 1937), compositor americano que está entre os compositores mais influentes do final do século XX. Sua música é normalmente chamada de minimalista, (embora não aprecie esta expressão) caracterizada pela repetição de elementos musicais mínimos. Seu trabalho é influenciado pela música oriental, pelo serialismo e pelo aleatorismo.
Glass é  um compositor muito prolífico tendo produzido inúmeros trabalhos entre óperas, sinfonias, concertos, trilhas sonoras para filmes e outros trabalhos em colaboração com outros músicos. Tem dois filhos e atualmente possui residência no estado de Nova Iorque nos Estados Unidos e na província da Nova Escócia no Canadá. É defensor da causa tibetiana.

 

(Vamp na edição)

 

100 Comments

Filed under Vídeo

Stop The Bleeding + Gerald Thomas faz palestra em NY

STOP THE BLEEDING 

CHEGA DE SANGUE

New York – Que loucura! Sento aqui numa Terca-feira de manhã e penso que já passou uma semana desde que o Presidente Barack Obama estava lá no Capitolio, alguns minutos passados de meio dia, mão sobre a bíblia e: Pimba! O mundo se mexeu, lágrimas de alegria e ondas de calor contagiaram o planeta.

No entanto, algumas poucas mínimas pessoas no mundo continuam discutindo “se” Obama isso ou “se” Obama aquilo: ora bolas! Ele é e pronto! Será que alguns mortos vivos estão mais mortos do que vivos? Que chatice!

Ontem à noite foi ao ar uma entrevista exclusiva pela TV Al Arabiya em que Obama fala claramente sobre o caminho louco e nada lúcido que Israel e os Palestinos estão tomando nessa constante guerra sem fim. Falou também que o plano dos Saudis tem um prazo (aliás, era uma vez uma aliança entre a dinastia Bush e os Saudis)  e ele está se esgotando e que é melhor voltar para mesa de negociações!

Jobs. Foi o PIOR dia no mundo dos JOBS! Não do Steve Jobs (talvez no dele também), mas no plano de empregos: 70 mil empregos se foram, bem, pra cucuia hoje neste país! Mais 70 mil desempregados graças às administrações anteriores e uma economia cuja moradia tinha o endereço fixo: nos 7 pecados capitais.

Enfim, de volta à semana passada (túnel do tempo): Fechando Guantânamo e dizendo na cara de Bush que “aqui na América não se torturara mais”. Que mensagem essa! Quer dizer: então “se torturou!” Então admite-se que torturaram. 

Isto, em si só, já é um passo. Mas quem ainda tem ‘reservas’ quanto ao fechamento do pedaçinho da ilhota Cubista, ou se torna um cidadão americano ou afaste de mim e se cale-se! “Ah, não seja tão cínico! Todo mundo tem o direito de opinar! ” E tem mesmo. Mas as besteiras que são ditas…”vão direto se aliar a Al Qaeda…”, dizem vozes do além.

Não, não vão! Quando a gente lê essas bobagens, essa ‘nivelagem de tabloide’ geralmente nao vem de consultores como o Peter Bergen. O Bergen é o maior especialista em ‘counter intelligence’ e já teve o desprazer de sentar numa toca com o Bin Laden. Sabe tudo. E mais! Segundo pesquisas dele (aliás nada mais do que mero senso comum), não existe essa “lenda” dos caras (ex-terroristas) simplesmente se juntarem novamente a grupos de onde vieram por um único e simples motivo (e é simples mesmo) :

Depois de tanto tempo sob ‘comando ou domínio americano’ esses sujeitos simplesmente seriam vistos como infiltrados e qualquer um, seja no Afeganistão ou no Paquistão, ou seja onde for, olharia para eles com uma tremenda desconfiança! ÓBVIO, não é?????? Pombas!

O mundo ainda tem mais pra Rush Limbaugh do que imaginei. Deus me livre! 

Quem é ele? Naveguem, meus queridos! Naveguem e vejam o tamanho do inferno republicano e seus vícios Oxy-Contin e outros dopaminadores! Ah, e falando em travessuras: O ex-reverendo Ted Haggard! Hetero CONVICTO e pego no flagra com outro homem e depois mais outro homem, e cheirando methanfetamin, seu império evangélico trilionário e republicano veio abaixo. Claro! 

Mas chamá-lo de gay, jamais!!! Jamais!!! Com ele e sua mulher a coisa tem que ser semântica, entende? É “same sex attraction”. Bem, perdeu tudo. Está procurando emprego. A filha da Nancy Pelosy (representante do Partido Democrata na nossa House) fez um documentário pro HBO sobre a boneca e, bem… vamos assistir com compaixão! Sim, faz UMA SEMANA que o mundo se livrou daquela imagem. Qual? A melhor mesmo, a melhor de todas naquela Washington DC (fora um lindíssimo sentimento “Woodstockiano”, sem a nudez ou as drogas ou a lama), foi a de um Dick Cheney saindo, indo numa cadeira de rodas: um inútil, um aleijado, um Hamm de Beckett, um canastrão, um Dr. Strangelove, um amputado! E nem Clov do lado tinha. Hamm tem que ter Clov do lado. Esse é o verdadeiro FIM DE JOGO!!! (Notem que Ham= presunto + Clove= cravo, quando um é enfiado no outro e entram no forno, dão uma bela refeição de Natal. Canastrão também está implicado e Clov deriva de Clown). Cheney, portanto, na posição do comandante aleijado por “caixas que movia em sua casa” (só faltava estar cego), estava na cerimônia como um mendigo clownesco amputado do meu dramaturgo predileto irlandês! I HAVE A DREAM… agora virou I’M LOOKING at REALITY and it’s GREAT!

Continuamos sendo um país de sonhadores. Mas aqui, ao contrário dos outros lugares, lutamos pelos sonhos com… todos os artifícios. Chega a ser kafkiano: 

Bernie Maddof é um dos lados criminosos da “coisa”. Somos todos sonhadores (sufixo: dores). E cometeremos os mesmos erros e acertos sempre, não? Sempre. É uma questão cíclica, ciclotímica, histórica, histriônica, natural, naturalista, representada, interpretada, diplomática, irada, irrigada, ironizada e, quem sabe, às vezes… um periodozinho de TRÉGUA!

 

Gerald Thomas

(cumprindo o contrato, batendo ponto e batendo no ponto!)

 

 

 

(O Vampiro de Curitiba na edição)

429 Comments

Filed under artigos, release

Pânico do Mundo?

 

 

 

“Considerando o cenário contemporâneo”, escreve João Carlos do Espírito Santo, “no qual impera o hedonismo em detrimento da razão e das buscas do bem comum, é importante entender em que solo deitamos nossas sementes, aos olhos de quem nos apresentamos.”

Fiquei mudo por um tempo olhando a tela. Sim. Sim. João Carlos é uma pessoa com a qual me correspondo com frequência. Muita frequência. Mais que um ombro amigo, um psicanalista e intelectual que aprecia Rosa, Haroldo de Campos, Joyce e, obviamente, Freud.

Ainda olhando o cenário e tendo um certo pânico do mundo com o que está acontecendo depois que o nosso Governador Patterson anunciou: “O Estado de Nova York está num déficit de 15 bilhões, ou trilhões ou terrabites, ou a minha emoção em descer aqui pra Washington DC pra ver a Inauguration do nosso Obama em OITO dias no meio dessa tremenda CRISE econômica que afeta amigos, parentes, dentes, pentes e escovas de cabelo, caspas, aspas e tal…e Gaza e as mortes e Israel, e Ellen Stewart e as peças de teatro que tenho que entregar e não tenho tempo, tempo, tempo….O MUNDO me consome. Como responder, João? Como?

Respondo citando Artaud:

“Jamais, quando é a própria vida que nos foge, falou-se tanto em civilização e em cultura. Há um estranho paralelismo entre essa destruição generalizada da vida, que se encontra na base da desmoralização atual, e a preocupação com uma cultura que jamais coincidiu com a vida, e que é feita para governar sobre a vida.

Antes de retornar à cultura, observo que o mundo tem fome, e que ele não se preocupa com a cultura; e que é apenas de maneira artificial que se quer dirigir para a cultura pensamentos que estão voltados unicamente para a fome.

O mais urgente não me parece tanto defender uma cultura cuja existência jamais salvou um homem de ter fome e da preocupação de viver melhor, e sim extrair disso que se chama de cultura ideias cuja força viva seja idêntica à da fome.

GT: Aliás, citei Artaud, mas não sei se estou de acordo totalmente. Vou te dar um exemplo mais específico, João Carlos. Essa foto ai em cima, dos soldados se abraçando, o que significa isso? O que pode significar isso quando soldados (seja de onde forem) se abraçam e comemoram a vitória? Qual a dívida humana de inocentes do outro lado desse abraço? Quanto custa cada vez que um soldado toca no outro? E justamente nesse momento onde escrevo uma peça chamada Body Parts (Pedaços de um Corpo).

João: Nas buscas do bem comum, é importante entender em que solo deitamos nossas sementes, aos olhos de quem nos apresentamos.

Mas, há sempre uma trilha do meio, uma possibilidade de, sem perder nos princípios básicos, naquilo que nos constitui e nos dá sentido à existência, manter a travessia, coerentemente. Há uma patologia fomentada nos espaços da Internet, que permite, em função do anonimato, expressões que – no tête-à-tête – não aconteceriam, pois covardes não firmam posições, não dão a cara à tapa, são, por excelência CANALHAS.

GT: Vivemos várias vidas. Não vivemos linearmente. Não pensamos linearmente. Daí a importância de Joyce, daí a importância de Pollock. Enquanto dirijo um carro, e no CD player estudo uma opera de Wagner, me emociono com uma ária qualquer, mas não perco o foco de PRA ONDE estou indo e o movimento dos carros. Tenho que frear, quando os carros freiam. Sei que estou indo visitar alguém que me importa, uma visita/appointment que me trará algo de importante: um diretor artístico de uma opera. Portanto, estou nervoso. Tenho, digamos, dois amigos no carro. Eles conversam entre si. A conversa é política. Não posso deixar de ouvir o que dizem e, portanto, “sentir” e me envolver com o que estão dizendo.

1- emoção com a opera que está tocando

2- atenção no trânsito

3- tensão com o encontro

4- prestando atenção às pessoas na rua, aos detalhes dos loucos e não loucos que atravessam a rua, aos “tipos” que me chamam atenção….

5- a conversa que rola no carro

6- desconforto físico, o cinto de segurança que me estrangula, misturado ao cachecol por causa do frio

7- olhando sempre no relógio preocupado com o horário

8- a opera no CD player está chegando a um clímax e eu subo o volume e me emociono mais: isso me traz lembranças de quando eu..(não sei mais, dirigi essa opera em, a, b, c ou d e com quem eu estava nessa época, entende as ramificações?). Ou meus pais me contando sobre essa opera em alemão ou inglês quando menino etc….

Ou, ainda, como falhei ou fui um sucesso e a casa vindo abaixo e o que eu podia ter melhorado….quando dirigi tal opera…

TANTAS COISAS TANTAS COISAS…

Marcelo Rubens Paiva: Há uns tempos, criticavam uma obra de arte que tivesse começo, meio e fim, “detalhes” que indicavam acomodação e incapacidade de inovação. Podia até ter começo, mas meio e fim, era o fim! A regra: não facilitar para o público. Se quisessem algo mastigado, nem azedo nem amargo, que comessem pizza em frente à TV, gênero inferior e vendido por natureza, dizia-se. O lance era complicar, para indicar o ilogismo da vida e da morte, o lance era confundir, para baixarmos a guarda da audiência, penetrar com um jab nos lapsos, conquistá-la por desvios ao dissecar o núcleo dos mitos e arquétipos; imagens do inconsciente coletivo.

GT: Eu sei, mas isso foi demolido pelos iconoclastas ou pelos desconstrutivistas. Eu fui um deles. Ou o último vírus nessa grave epidemia. E agora? Body Parts? Ainda? Ainda destruindo. Não. Reconstruindo.

João Carlos: O teatro, e você pode desdobrar isso, aprofundar o que te digo, pede engajamento, mesmo que seja o mais superficial, pois a pessoa, dentre todo o universo de peças em cartaz, escolhe uma, organiza sua agenda para também se apresentar publicamente, pactua um tempo de entrega,

Marcelo R Paiva: Um escritor tinha de fazer o curso de mitologia do Juanito Brandão e ter em mãos o dicionário de símbolos de Juan-Eduardo Cirlot. A arte buscava os personagens de sua origem, mas se afastava de seu formato e se inspirava no caos.

GT: Mas o que é o teatro ou esse Pânico do mundo ou essa lucidez avassaladora? Não será uma vontade louca de olhar essa foto e transformá-la numa cena teatral onde a primeira frase diz assim: “amanhã, acordarei melhor, todos acordarão melhor, mesmo sem rins e sem fígados, ou com meio rim, com parte do fígado. Se um “deus” nessa nossa incógnita (não é surpreendente eu estar dizendo isso?) eu jamais teria estado no lugar certo na hora certa. É isso não é? O que me fez estar aqui nesse momento da vida foram as circunstâncias. Eu beijo as calçadas por onde andei por elas terem me dado a oportunidade de ter andado, aprendido a viver the rough side of life muito cedo, mas as beijo. Por isso, Saint Genet. Por isso, sai tão cedo de tudo, sempre saio cedo de tudo e não acredito em sucesso, não acredito nessa superficialidade de sucesso, uma vez que, colocado no CD player ….o Stravinski… “The rite of Spring” …com Leonard Bernstein regendo….e ensinando…., parece que o mundo pode, sim, ter um final feliz e em paz…..

Sim, Graças a tudo. Ellen Stewart está melhor agora, 10 da manhã de segunda nessa gélida New York. Pode piorar à tarde. Tudo me dá medo. São dias tensos. Mas já foi diferente? Quando leio, e com muito interesse, os comentários do Blog, e às vezes me irrito com o nível de agressão, penso em desistir.

Penso em cair fora e seguir os conselhos da Ellen: “escreva pra Teatro, Gerry, esqueça essa coisa de Blog”. Mas eu subo aqueles 67 degraus que me levam ao apartamento dela lá no 5º andar e penso nessa foto dos soldados e nas mortes e nas tantas explosões, e no fogo de uma lareira e na posse de Obama e nas economias falidas e nos seres humanos falidos porque é cão contra cão. Cão come cão!

E o teatro sempre foi o espelho disso: Hamlet, seu melhor expoente até hoje. Ah sim, o canibalismo verbal. Tem aqueles que amam chamá-lo de antropofagia. É que virou, digamos assim, “moda”, roubar e não devolver. Roubam vidas. Roubam identidades. Roubam-nos uma década. Uma década de inutilidades: e agora? Agora é remover o LIXO de nossos quintais. Praqueles que tem um quintal.

Gerald Thomas

582 Comments

Filed under Sem categoria

ENTREVISTA COM GERALD THOMAS AO GNT

A entrevista foi ao ar nesta Sexta-feira, dia 12/12/2008, no programa “Agenda”, do GNT.

 

312 Comments

Filed under Vídeo

A Estréia de BATE MAN (Bait Man) de Gerald Thomas

13/12/2008 DO BLOG DO CAETANO VILELA:

.

O Ator, o Diretor, o Autor e o entendimento sobre o Tempo


“Decantar o vinho, como pode o teatro, enfim… É tempo, tempo entendeu, é o tempo que o teatro tem que ter, teatro não, uma câmara de tortura. Precisa de tempo, tempo.
Teatro e tortura, amizade e literatura e um bom vinho precisam de TEMPO.
(Gerald Thomas/”Bait Man”)
.

Marcelo Olinto sob a minha luz, dirigido por Gerald Thomas e fotografado por Daniela Visco no Sesc Copacabana

.
Faltou tempo! A citação acima vem do novo espetáculo dirigido e concebido por Gerald Thomas para Marcelo Olinto. Todos concordam que faltou tempo para que o espetáculo ficasse melhor… poucos dos envolvidos nesta produção concordam que faltou tempo para ‘decantar’ deste evento uma nova ‘amizade’.
Trabalho com Gerald há uns 10 anos, nos separamos por um tempo para eu cuidar da minha carreira e nos aproximamos quando nossas agendas permitem. A vida dele sempre foi uma loucura inter-continental, sua cabeça sempre esteve em, no mínimo, três países ou cinco cidades ou duas culturas, dez projetos, ou, ou, ou…
Acredito na empatia entre criadores, ator e diretor num processo tão autoral precisam ‘estar siameses’ em fase de produção de um novo espetáculo. Depois de mais ou menos 3 semanas de ensaios cheguei ao Rio e após assistir um ensaio sem saber de absolutamente nada identifiquei alguns pontos frágeis sobre o entendimento que o ator tinha do autor. Note bem eu disse “DO AUTOR” e não do espetáculo (embora houvesse sim alguns pontos também, mas não é o caso).
Gerald é o autor dele mesmo e ninguém pode acusá-lo de repetir sempre o mesmo discurso, seu tema é e sempre foi o DILACERAMENTO que qualquer guerra provoca nas relações, para isso abusa do jogo teatral, do corpo do ator que precisa ser um comediante disciplinado para ‘decantar’ e ‘autorar’ toda verborragia (nisso sempre preferi Damasceno à Bete Coelho) contida nas múltiplas camadas de entendimento. Kantor era assim também, todo o seu teatro era o reflexo do pós-guerra e seus atores marionetes deste ‘campo militar’, todo o Living Theatre também e a primeira fase de Pina Bausch… é sempre a guerra e a contradição da guerra e a guerra e a contradição da…
Se não se entende isso para trabalhar com um diretor assim o ator é fisgado (Bait Man!?) pela traição da falsa verdade, do falso entendimento. O público pode sair do teatro com centenas de peças soltas e montar seu quebra-cabeça na pizzaria ou no seu travesseiro, já o ator não!
O ator não pode dar pistas equivocadas do entendimento que o ‘autor-diretor’ criou (Marienplatz 1933 sempre será o início da ascensão e nunca uma garrafa de vinho raro!), muito menos subestimear a capacidade que este mesmo autor tem em criar armadilhas que coloquem em xeque este entendimento.
Concordo com Gerald, o ofício do ator faz muito mais sentido semânticamente em inglês (to play) do que em português (representar) ou francês (repeticion) e não quero dizer com tudo isso que o que apresentamos ontem a noite no Sesc Copacabana seja ruim ou mal realizado e que Marcelo Olinto esteja bem ou mal. Voltando a citação inicial acho que o que melhor define o estado que saímos do teatro hoje é um fragmento de uma canção de Renato Russo, quando diz: “(…) agimos certo sem querer, foi só o tempo que errou…”

 

          

                                                                                                

FOLHA DE SÃO PAULO 

São Paulo, quinta-feira, 11 de dezembro de 2008  

TEATRO
 
GERALD THOMAS DIRIGE O MONÓLOGO “BATE MAN”
 
Parte do projeto “Auto-Peças”, que comemora os 20 anos da Cia. dos Atores, o monólogo “Bate Man” estréia amanhã no Rio, no Teatro de Arena do Espaço Sesc (r. Domingos Ferreira, 160, Copacabana; tel. 0/xx/21/2547-0156; qui. a sáb., às 21h; dom., às 19h30; R$ 16; classificação: 16 anos; até 21/12). “Bate Man” é o primeiro solo de Marcelo Olinto e tem direção de Gerald Thomas.

 

FOTOS DE DANIELA VISCO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DO BLOG DO CAETANO VILELA
    

Mal terminaram as óperas no Teatro S.Pedro/SP no domingo passado eu já embarquei para o Rio de Janeiro, na segunda, para outra parceria na iluminação (de última hora, mas sempre em boa hora!) com Gerald Thomas. Falo sobre “Bate Man” escrito e dirigido por GT na forma de um monólogo para Marcelo Olintho (acima num ensaio, fotografado por mim) defender no evento-efeméride “Auto Peças”, comemoração dos 20 anos da Cia. dos Atores no Sesc Copacabana.
Mais, depois falo! Enquanto isso o próprio GT dá uma idéia do que aguarda o público carioca, leiam aqui. Estou curioso para sentir as reações, pena que volto para SP neste domingo.
Se joga:
“Bate Man”, concepção/direção Gerald Thomas, monólogo com Marcelo Olintho
Sesc Copacabana/RJ
12 a 21 de dezembro (quinta a sábado 21h/domingo 19h30)

 

                        —————————————————————-
 
 

PARTE DO TEXTO

(Vira de costas e toma mais banho de vinho.
Murmura pra si mesmo.)
Sabe que… eu acho nunca vi….
Sinceramente.
Eu vou dizer uma coisa para vocês…
Ai…
Sinceramente.
Ai….
(pigarreia algumas vezes, como se preparando para falar.
Murmurando.)
Acho que….
Eu nunca achei que agradar a Burguesia seria desperdiçar aquilo, aquilo que eles acreditam ter de melhor. E agora? Que eu fiz tudo isso aqui.
Qual será a próxima?
(tempo, pensando.
Conclui.)
Um banho de caviar?
Banho de caviar.
(olha para baixo e vê caixas de caviar.
Encontra caixas de caviar.
Se assusta com a surpresa.)
Ahhh…
NOSSA QUE COINCIDÊNCIA!!!!
OSSETRA!
BELUGA!
SEVRUGA!
Que loucura, as coisas estão todas aqui.
É uma doideira.
QUE COISA MAIS APROPOS!!!!
APROPOS!!
A  PRO  POS!!
APROPOS!!!
GENTE QUE LUXO.
CAVIAR VINDO DIRETO DA RÚSSIA, DO IRÃ, DO IRAQUE
Olha agora é sério.
Sério.
TUDO ISSO PRA DIZER O SEGUINTE:
TORTURA VALE A PENA SIM.
VALE A PENA E NÃO É SÓ ISSO NÃO!
NÃO É MESMO.
VALE A PENA RALAR E TER OS SEUS DIREITOS  COMPLETAMENTE CASTRADOS, VIOLADOS…
Eu não sei como explicar isso melhor hmmm……
Vou tentar explicar…. é….. é…. é….    CONFISCADOS… RAPTADOS…. é….
NO FINAL DE UM REGIME ASSIM TÃO, TÃO VIOLENTO, TÃO VIL, TÃO FILHO DA PUTA , CRUEL….
Ah…..VOCÊ TEM COMIDINHAS ÓTIMAS, BEBIDINHAS MARAVILHOSAS, entendeu?
TÃO GOSTOSINHAS.
(descobre alguma coisa genial.
Não acredita.)
E OLHA QUE LOUCURA ESSA AGORA!
MEU DEUS DO CÉU.
Roupas FASHION!
Não posso acreditar.
Um John Galiano direto da próxima coleção de verão!
WOW!
(entra música. Bate Bait se veste e começa a desfilar.)
Bait Man

 ———————

Copyright Gerald Thomas
New York – Nov 2008-11-25
Serviço – “Bate Man”
Texto e Direção: Gerald Thomas
Luz: Caetano Vilela
Musica: Patrick Grant
Com Marcelo Olinto
De 11 a 21 de dezembro
Teatro de Arena – Espaço Sesc
Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana
De quinta a sábado, às 21h; domingos, às 19h30
Ingressos: R$ 16
Informações: (21) 2548-1088 / 2549-1616

 

( O Vampiro de Curitiba na Edição)

 

291 Comments

Filed under release, shot cuts

O Homem Isca – Porque o Espancam e Lhe Devolvem o SILÊNCIO

Terrorismo real X Terrorismo psicológico

(Terrorismo real e terrorismo psicológico)

 

Escrevo às 4 da manhã. Exausto de um dia de ensaio puxado, repetitivo, às vezes frustrante, discussões  técnicas, entrevistas, conversas com a equipe e o skype tocando… me encontro entre um ponto FINAL e outro, o de interrogação, assim como o personagem de “Bate Man”, ou “Bait Man” (homem Isca) que estréia em alguns dias.

Muito estranho como nós acabamos sempre no mesmo buraco que os textos que geramos para teatro. Ou será que é justamente o contrário? Pouco importa. A essa hora da madrugada, lutando pra conseguir algumas horas de sono e começar a nova batalha e me pergunto: Por que batalho, me “entrego” ou me confesso através da última fala do ator num palco de terra, caixas de vinho pelo chão, Bordeaux 1933 e Barolo 1945?

Tudo detonado. Nada mais no palco a não ser uma isca, de onde ele estava pendurado no início do espetáculo sendo espancado pela sua própria culpa ou incoerência por estar vivendo e vivenciando  o susto de ter nas mãos garrafas de vinho com datas tão significativas e, no entanto, contendo sangue humano.

Assim estou agora. Sentado num hotel, comendo pudim de leite e berrando paro o mundo o que o meu “Bait Man” fala depois que cai num desfile de modas absurdo nos dias de CRASH ECONÔMICO, onde a imagem do EU vai ficar suspensa por um tempo ou entrará num surto psicótico.

Depois de torturado, ou se deixar torturar, pela nona vez num curto espaço de tempo, “Bait Man”, ensangüentado, encharcado de suor e vinho e terra,  encara o público:

-“Proteção! Que proteção, porra nenhuma! Isso é o ESTADO entrando em nossas vidas como ESTUPRO! Não, não! Me recuso. Vou para a batalha com um Bordeaux na mão, divino como um ser humano divino, ou com um Barollo contendo sangue humano, porque assim nós somos! Assim sempre fomos.”

Nossa! 

Meu desejo é o de atacar, entendem?

Por isso mesmo DEVOREI quatro milhões de metros cúbicos de CONCRETO. É, está tudo aqui dentro. Tudo!

E-N-G-O-L-I-D-O, entenderam? Esse concreto todo!

Aqui dentro. Junto com esse vinho humano.

Uma delícia!

Delícia! Poesia concreta, arte concreta, morte concreta! É, tudo aqui dentro do meu estômago.

E, assim, eu migro pelos mundos, como se fosse o SABÃO nas mãos de Poncio Pilatos ou uma esponja na sola de Mick Jagger. É isso.

Pronto: É o que tenho a dizer, Kurt Cobain!

Ah, aquela parte da tortura… e que ela vale a pena? Deus me livre! A gente diz tanta coisa, né?

Vive tanta coisa, né? Tanto afastamento, tanto silêncio…

SILÊNCIO!

Caramba!

Como a gente vive num tremendo SILÊNCIO que as pessoas nos devolvem… isto é, quando elas não nos POSSUEM, ou querem possuir, elas nos dão os ombros e o silêncio BRUTAL.

Como é BRUTAL o significado de tudo isso!

Como tem gente escondida dentro desse silêncio. É quase como nessas garrafas, mas sem o sangue. Hoje, NEM MAIS SANGUE HUMANO TEM.

POR ISSO ME ESPANCAM! AH, ENTENDI!

BRUTAL, o significado de tudo isso! Gente escondida dentro desse GIGANTESCO silêncio. E  nessas garrafas? Todas as obras inacabadas da humanidade?

E os imbecis solitários as bebendo sem saber, nos bares e nos restaurantes, olhando o rótulo, sendo enganados por algum sommelier dando pinta, dizendo: “Bem, esse aqui tem um sabor arredondado e cheio, digamos, com o carvalho ainda no céu da boca, por assim dizer, e a fruta fresca levemente mordida pelo selênio, uma fruta ainda em estado de ‘crescimento’ e portanto algo híbrido, merlot, cabernet e… recém chegado da coleção  de um milionário australiano…”

PORRA! Mal sabe ele que lá dentro pode se esconder a obra inacabada de um Franz Kafka ou de um Calderon de La Barca ou mesmo… Ai que desespero! Todo mundo bebendo literatura inacabada ou sangue de assassinos ou mártires e nós aqui, posando de…

Que Tortura! O Analfabetismo! Digo, essa nova forma de braile através da degustação de vinhos humanos. Não funciona! O leitor, digo, sei lá, ficará bêbado e não se lembrará do que leu, ou seja, bebeu!

Educação… pra quê? Ah, para que a gente tenha uma noção de “cultivo da memória” e de “memória da lembrança”, ou vice-versa. Gente! Quem está aí fora?

ÍCARO? ERA ISSO então? Ou Átila? Ou Homero? Ou o quê? O que é para eu aprender aqui? Sério?

Gente, agora é sério!

Rolhas? Sangue Royal? Virar uma Pintura VIVA de Francis Bacon desfilando para ser comprado pelo Damien Hirst e virar uma sátira de mim mesmo? NÃO! Não sou mais quem eu sou porque não estou mais pensando quem eu penso no que estou pensando e vocês nao estão vendo exatamente o que vocês ACHAM o que vocês estão vendo, então sugiro uma… PAUSA de… um mês. Ou então o aplauso que o Próspero pediu ou uma condenação que Prometeus pediu ou então o silêncio que foi concedido a Hamlet pelo Fortinbras porquê…

Porque…

Porque…

Porque…

Gerald Thomas

Dez, 2008

(O Vampiro de Curitiba na edição)

431 Comments

Filed under artigos

Surtos De Individualismo

 

Não, não… não é o que vocês estão pensando. Não, não é isso. De certa forma… quero dizer, de alguma forma, é  o que vocês estão pensando, sim. Não posso negar. De alguma forma, o que vocês estão vendo agora, confirma exatamente isso (o que está no palco, vida, política, jornais, etc), e confirma também o que vocês estão pensando.

Engraçado. Triste. O desmoronamento. Várias obras de arte têm essa cara. Melhor, o PODER tem essa cara também.

O Poder e a Arte tem a cara da destruição!”

E por aí vai a narração inicial de “O CÃO QUE INSULTAVA MULHERES, Kepler, the dog” que estreou semana passada (apresentação única) em Sampa e pelo IG.

Muita coisa pessoal aconteceu na minha vida desde que comecei a ensaiar o espetáculo. Muita coisa aconteceu desde que ela foi ao ar.

 Às vezes devemos dar uma parada em tudo. Zerar. Lubrificar o corpo. Postar a alma diante do espelho como o mais angelical dos seres ou o mais diabólico deles e perguntar: “o que estamos fazendo aqui? Pra quem e pra quê? Quem são nossos amigos? Quem são os oportunistas? Quem são nossos inimigos?

 As respostas podem vir na hora. Outras podem demorar algum tempo. De uma forma ou de outra, quem vive uma ‘vida pública’  assim como eu,  já deve dormir com um olho aberto. Quem se aproxima… hummm, deve se aproximar porque deve querer alguma coisa.

INÍCIOS DE TUDO

Vejo uma geração (aliás, duas) inteira de pessoas fingindo que estão acontecendo coisas. Uma, a mais velha, FINGE que há um NOVO INÍCIO de TUDO, como se os tempos de hoje fossem a nova Gênese. Bosta. Não tem nada de novo acontecendo além do fingimento oportunista desses alguns que querem estar desesperadamente correndo em busca de um tempo perdido.

E tem de fato a geração de hoje, a nova, que não sabe porra nenhuma mesmo e que olha qualquer negócio com aquele olhar bestial de novidade. Dá preguiça? Não sei. Dá pena. Mas sempre foi assim. Schoenberg já escrevia sobre isso. Outras dezenas também. E sei lá quem escrevia que o “tempo contemporâneo traz memórias pra serem preenchidas”. Ah, tem cara de ser Wittgenstein, mas posso estar chutando.

“Hedonismo perverso”

Mesmo assim, exausto da estréia do Cão que insultava e insulta, fui ver o espetáculo que Jô Soares montou no “Teatro Vivo” com o Wilker e cia. E o quê? Me surpreendi como  o Wilker está ÓTIMO, como o Jô deixou o texto de Albee de pé, sem pretensões de querer cultuar um manifesto em torno de si mesmo. Ah sim, nem tudo é perfeito, mas… quem sou eu para estar escrevendo sobre perfeição ou cultos sobre o diretor, etc.?

Encontrei no camarim um Jô Soares tão doce, tão simpático e tão aberto a tudo que, complementar ao texto do Albee e a interpretação inesperada de Wilker, deixa em aberto se não devemos nos olhar mais no espelho todos os dias um pouco menos. Vou repetir. Olhar MAIS no espelho um pouco MENOS (essa frase é melhor em alemão). Olhar menos no espelho e testar nossas idioTsincrasias e daqueles que consideramos amigos, inimigos ou da tchurma ou da antiTchurma ou de pessoas que consideramos hostis ou da nova FASHION Actor ou Fashion ACTRESS ou do Pink is the new Black. E por quantos anos olharemos para fora ao invés de para dentro para constatar uma coisa, uma única e só coisa?

Sylvia, a cabra, é uma paixão impossível porque ela não existe.

A questão mais profunda e mais dolorosa entre nós da humanidade seria: temos realmente alma suficiente para amar ou entregar, para colocar nosso coração à disposição de alguma outra pessoa em qualquer momento de nossas vidas? Ou o MOTTO do “Kepler the dog” está mesmo certo: ”Não, nao é o que vocês estão pensando. Sim, é o que vocês estão pensando, sim. O que está colocado na frente de vocês e na minha frente agora é isso! E se está colocado na sua frente, tem que ser comido, atacado, digerido, possuído e depois… CAGADO FORA!

XEQUE-MATE!

Gerald Thomas,

Depois de uma longa conversa sobre “amizades da oportunidade” com João Carlos do Espírito Santo.

 

(O Vampiro de Curitiba na Edição)

 

PS: “O CÃO QUE INSULTAVA MULHERES, KEPLER, THE DOG”, AO QUAL O TEXTO SE REFERE, PODE SER VISTO AQUI:


 

 

 

350 Comments

Filed under artigos